Home Política General Nardi é nomeado chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas

General Nardi é nomeado chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas

234
41

O general José Carlos de Nardi, natural de Farroupilha, foi nomeado ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas. Na reserva desde abril, o oficial foi reconvocado a pedido do ministro da Defesa, Nelson Jobim, para ocupar o cargo criado com o objetivo de coordenar as ações em conjunto do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

A criação do Estado-Maior Conjunto integra um projeto de reestruturação das Forças Armadas que, entre outros pontos, dá poder de polícia aos militares nas áreas de fronteira. Basicamente, integrantes das três forças poderão fazer patrulhamento, revistar pessoas, veículos, embarcações e aeronaves, assim como efetuar prisões em flagrante sempre que não houver policiais presentes. A lei foi sancionada ontem pelo presidente Lula. Ele também assinou projeto de lei enviado ao Congresso que cria 488 cargos comissionados na Defesa ao custo anual de R$ 18,9 milhões.

O general De Nardi, 66 anos, começou a carreira no Exército em 1° de Março de 1961, na então escola preparatória de Porto Alegre (hoje Colégio Militar). Formado em Ciências Econômicas pela PUCRS em 1973, tornou-se comandante do 3° Grupo de Artilharia Antiaérea de Caxias do Sul entre 1991 e 1992. De 1994 a 1996, trabalhou como adido militar na embaixada brasileira em Santiago (Chile).

Cada arma terá representante em conselho dos chefes

O oficial alcançou em 2005 o posto de comandante da 6ª Divisão de Exército, em Porto Alegre. No ano seguinte, foi promovido a general de exército e passou a comandante militar do Oeste, em Campo Grande (MS). Antes de ir para a reserva, era o titular do Comando Militar do Sul.

De Nardi assume efetivamente o cargo em 6 de setembro. Com ele trabalharão três militares de alta patente um general de exército, um tenente-brigadeiro e um almirante. Além disso, existirá um conselho dos chefes do Estado-Maior de cada força. Eles se reunirão sob a orientação do general gaúcho para determinar ordens coordenadas.

FONTE: Zero Hora

41 COMMENTS

  1. Medida elogiável por parte do atual governo, devemos lembrar que a falta de coordenação entre as armas argentinas lhes proporcionou a derrota, conforme um artigo que tem nesta trilogia.
    Por mais que se critique o atual governo, na esfera de defsa( que, claro, decepcionou em vários temas), essa medida é muito boa, e além disso, o poder de polícia com certeza será útil para um melhor policiamento das fronteiras.
    Não sei quem é esse general, vamos esperar que ele faça um bom trabalho.

  2. Não conheço esse General, mas ser amigo do Jobim já me deixa com a pulga atrás da orelha… Espero que não seja mais um da trupe dos “generais-melancias” (verdes por fora e vermelhos por dentro)…

    Quanto à medida em si, a princípio parece boa. Mas dá margem a uma politicagem da grossa, que caberia ao “não-sabia-de-nada” Chefe do Executivo fiscalizar . Vamos aguardar.

    Sds.

  3. Mais 488 “cumpanhero” em cargos de confiança mamando nas tetas do dinheiro público. Será do orçamento das FFAA o encargo com os salários e numerosas mordomias desses “comissários”? Só falta ao PT tomar também as FFAA para completar sua obra sinistra. Nada melhor do que subverter o ensino militar. Nada mais em falar sobre MCI…

  4. A medida, a exemplo dos outros players, é essencial para o planejamento e execução da Defesa Brasileira em outros PATAMARES (lembrem-se que agora, a escolinha acabou e temos a obrigação de colaborar com os outros países em temas comuns de Defesa), e na futura integração de ações coordenadas de segurança em nível regional, continental e mundial.

    Boa sorte ao General.

    Sds.

  5. Medida sinistra esta, que esconde por tras de si intençoes nefastas deste governo ideológico.

    Será mesmo que desta vez conseguirao tomar pra si as unicas instituiçoes que sempre se postaram contra esta vil ideologia ?

    Lembrem-se militares de quem eles sao, do que foram, e do que sempre planejaram fazer.

    Honrem senhores a farda que usam, muitos deram a vida por ela; alguns lutando contra estes que hoje nos governam.

  6. Pra mim Nada vai mudar, a não ser mais “Cabidão de emprego”.
    Sim porque o função desse novo cargo, é nada mais nada menos que a função que o Min. da Defesa deveria, veja bem deveria prestar.

    Freire, Gen. Heleno não se corrompe, talvez seja isso….

    abraço

  7. Lula deu poder de polícia as FFAA, vai criar 488 cargos comissionados no ministério da defesa, além de “tripudiar” com as mesmas, já que diz haver uma “acomodação” militar e uma pseudo sedução do lulismo, o que não acredito mesmo que haja uma possível corrupção moral nas FFAA em virtude das últimas declarações aos ministros ditos “camaradas” … O último documento lançado pelos oficiais da reserva reflete o pensamento daqueles que ainda permanecem, foi concenso. Deixem o lula imaginar que tudo gira conforme a sua vontade !

    Sds
    EB, Braço Forte, Mão amiga.

  8. Giap, enquanto você critica o editor do site, o mesmo estava em São Pedro de Aldeia desde domingo fazendo uma série de reportagens sobre a Força Aeronaval. Acabei de chegar e ler seu comentário acima e qual o meu sentimento?

    Por isso, todos os seus comentários serão deletados e o senhor será banido deste site.

  9. Sim estão dando muita ênfase, a verdade é que como eu disse nada muda……a não ser mais “cabide de emprego”.

    é muito trabalho pro Min. da Defesa por isso está dividindo tarefas…..ahahah

  10. O que é militar deve ficar em ambito militar, nas outras areas pode-se usar força de trabalho civil, o problema de civis decidirem os rumos para os militares e a doutrina aplicada junto destes bravos homens que treinam uma vida inteira e se destacam em seus cursos de especialização para um dia quem sabe por reconhecimento e merito do mesmo alcançar uma patente de oficial comandante, e de repente ver um civil ocupar uma vaga junto ao ministério da defesa sem saber o que é ser militar de carreira e o pior falar de defender o pais sem nunca ter prometido nada e nem possuir treinamento, para entender o que é ser um SOLDADO alguem que é treinado para matar e morrer se preciso for, por nós e por este nosso belo pais chamado BRASIL !

    Sinceramente espero que nossos politicos usem a inteligencia para olhar para o ramo militar com mais atenção e carinho afinal são nossos filhos e filhas eo futuro deles e nosso que está em jogo.

    Danilo

  11. Vader disse:
    26 de agosto de 2010 às 10:53

    Vader….Relax….. o Gal. De Nardi é gente boa…. é muito amigo de meu ex-chefe. Conheci ele em um almoço na empresa.

    Ele é da “terrinha” cidade ao lado de onde moro.

    Muito instruído e sabedor de muitas coisas que aqui discutimos.

    Sds.

  12. Lista de condecorações do General De Nardi :

    Cond. Nacionais/ Militares:

    1- Ordem do Mérito Militar – grau grã cruz
    2- Ordem do Mérito Naval – grande oficial;
    3- Ordem do Mérito Aeronáutico – grande oficial;
    4- Ordem do Mérito das forças armadas – grau oficial;
    5- Medalha do Mérito do judiciário militar;
    6- Ordem do Mérito ministério público militar – grau alta distinção;
    7- Honra ao Mérito cívico – grau oficial;
    8- Medalha militar de ouro com passador de platina (40 anos de efetivo serviço);
    9- Medalha do Pacificador;
    10- Medalha Mérito Santos Dumont;
    11- Medalha do Mérito Tamandaré;
    12- Medalha Marechal Mascarenhas de Moraes;
    13- Medalha da Vitória;
    14- Medalha Sangue dos Heróis;
    15- Medalha mérito ex-combatente do brasil;
    16- Medalha Marechal Zenóbio da Costa;
    17- Medalha Comemorativa Sexagenário de Criação da PE;
    18- Medalha General Plínio Pitaluga;

    Cond. Estaduais:

    1- Medalha do grande mérito do serviço de bombeiros (rio grande do sul);
    2- Mérito de segurança pública e defesa social do distrito federal;
    3- Medalha mérito do bombeiro voluntário – RS;
    4- Ordem dos 168 anos da Brigada Militar- RS;
    5- Comenda Cel Otávio Frota – 9° BPM/RS;
    6- Medalha Comenda Pedro Zaluski.
    7- Medalha Constitucionalista (São Paulo);
    8- Medalha Cruz de Ferro (Brigada Militar/RS)
    9- Medalha do Mérito Policial Militar- Estado de Mato Grosso do Sul;
    10- Comenda de fraterna amizade, outorgada pelo Grão-mestre da Grande Loja Maçônica de Mato Grosso do Sul;
    11- insígnia da ordem no grau de grã-cruz do Mérito judiciário do trabalho – 24ª Região/MS;

    Cond. Estranjeiras :

    1- Medalha estrela militar de las Fuerzas Armadas de chile – grau estrela al mérito militar;
    2- Medalha da vitória dos combatentes poloneses.

    Títulos Onoríficos:

    1- Cidadão Caxiense (Caxias do Sul-RS)
    2- Cidadão Sul-Mato-Grossense.

    Sds.

  13. Sinceramente?

    Tirando os cargos para alguns “aspones” petistas mamarem nas tetas do governo, de resto NÃO PARECE ser ruim.

    Acho interessante esse sistma de “comando único”, os yankees já utilizam a muitos anos. Se a maior potência militar do planeta opera assim, não pode ser de todo ruim..

    Agora só falta eles construirem um local tipo o PENTAGONO para abrigar o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

    Que no nosso caso seria um TRIÂNGULO uauauuauaua

  14. So gostaria de ressaltar que nos EUA os “Joint Chiefs of Staff (JCS)” nao comandam operacao ou TO algum. Cabem a eles a preparacao das forcas, a administracao de cada corporacao e ate um certo ponto possuem um certo aval nos planos dos “Theater Commanders”.

    “The Joint Chiefs of Staff consist of the Chairman, the Vice Chairman, the Chief of Staff of the Army, the Chief of Naval Operations, the Chief of Staff of the Air Force, and the Commandant of the Marine Corps. The collective body of the JCS is headed by the Chairman (or the Vice Chairman in the Chairman’s absence), who sets the agenda and presides over JCS meetings. Responsibilities as members of the Joint Chiefs of Staff take precedence over duties as the Chiefs of Military Services. The Chairman of the Joint Chiefs of Staff is the principal military adviser to the President, Secretary of Defense, and the National Security Council (NSC), however, all JCS members are by law military advisers, and they may respond to a request or voluntarily submit, through the Chairman, advice or opinions to the President, the Secretary of Defense, or NSC. The executive authority of the Joint Chiefs of Staff has changed. In World War II, the U.S. Joint Chiefs of Staff acted as executive agents in dealing with theater and area commanders, but the original National Security Act of 1947 saw the Joint Chiefs of Staff as planners and advisers, not as commanders of combatant commands. In spite of this, the 1948 Key West Agreement allowed members of the Joint Chiefs of Staff to serve as executive agents for unified commands, a responsibility that allowed the executive agent to originate direct communication with the combatant command. Congress abolished this authority in a 1953 amendment to the National Security Act. Today, the Joint Chiefs of Staff have no executive authority to command combatant forces. The issue of executive authority was clearly resolved by the Goldwater-Nichols DOD Reorganization Act of 1986: “The Secretaries of the Military Departments shall assign all forces under their jurisdiction to unified and specified combatant commands to perform missions assigned to those commands…”; the chain of command “runs from the President to the Secretary of Defense; and from the Secretary of Defense to the commander of the combatant command.”‘

  15. “The Goldwater-Nichols DOD Reorganization Act of 1986 identifies the Chairman of the Joint Chiefs of Staff as the senior ranking member of the Armed Forces. As such, the Chairman of the Joint Chiefs of Staff is the principal military adviser to the President. He may seek the advice of and consult with the other JCS members and combatant commanders. When he presents his advice, he presents the range of advice and opinions he has received, along with any individual comments of the other JCS members.
    Under the DOD Reorganization Act, the Secretaries of the Military Departments assign all forces to combatant commands except those assigned to carry out the mission of the Services, i.e., recruit, organize, supply, equip, train, service, mobilize, demobilize, administer and maintain their respective forces. The chain of command to these combatant commands runs from the President to the Secretary of Defense directly to the commander of the combatant command. The Chairman of the Joint Chiefs of Staff may transmit communications to the commanders of the combatant commands from the President and Secretary of Defense but does not exercise military command over any combatant forces.
    The Act also gives to the Chairman of the Joint Chiefs of Staff some of the functions and responsibilities previously assigned to the corporate body of the Joint Chiefs of Staff. The broad functions of the Chairman of the Joint Chiefs of Staff are set forth in Title 10, United States Code, and detailed in DOD Directive 5100.1. In carrying out his duties, the Chairman of the Joint Chiefs of Staff consults with and seeks the advice of the other members of the Joint Chiefs of Staff and the combatant commanders, as he considers appropriate.”

    http://www.jcs.mil/page.aspx?id=2

  16. Marine

    Mas eu ACHO que o “comando único” que o governo pretende implantar é só na parte administrativa/logística/treinamento das FAs.

    O resto(o comando individual das forças) continua como está. Se eles mudarem isso, será uma “lambança” gigantesca.

    Acredito que eles estejam copiando o modelo americano.

  17. Leandro,

    Nao clamo saber o que o MD esta desejando implantar, alias realmente nao estou aprofundado no assunto. Quis apenas mostrar as funcoes do JCS nos EUA e cada Comando de Combate Unificado.

    O que eu gostaria de ler sobre em estudos seria se o Brasil pensa e se funcionaria em criar digamos “Comandos Regionais de Combate Unificado” nos mesmo parametros dos americanos. Como exemplo:

    Sera que um CMA como comando superior conjunto para toda a Amazonia funcionaria? Qual forca teria a tradicao de ter um General nesse cargo, EB? Sera que FAB e MB nao se importariam de perder o prestigio de seus comando individuais na regiao amazonia a troca desse comando conjunto?

    Ja na regiao do CML, seria esse comando a cargo da MB se passa-se a ser um comando conjunto? As outras duas forcas deixariam sem brigas perder a independencia de seus comandos regionais nesta area?

    Cada forca hoje conta com seus comandos regionais indivuduais…o EB com seus Comandos Militares, a MB com seus Distritos Navais e a FAB com as FAes e COMAERs. Cada forca com certeza deve continuar com essa organizacao, mas o que me pergunto e se de agora em diante seria melhor ter esses comandos sendo subalternos a um Comando Conjunto Unico em cada regiao do pais.

    Espero que entenda o que quero dizer…

    Sds!

    • Marine disse:

      O que eu gostaria de ler sobre em estudos seria se o Brasil pensa e se funcionaria em criar digamos “Comandos Regionais de Combate Unificado” nos mesmo parametros dos americanos.

      É exatamente isso o que eu sempre defendi para as FA do Brasil. A divisão das Forças Aéreas, Comandos Militares e Distritos Navais teriam a mesma distribuição geográfica em todo o território nacional. Nós teríamos versões nacionais dos COCUNS/CINCS e eles poderiam ser de qualquer uma das três forças.

      Se alguém tiver duvidas ou quiser saber como é a estrutura unificada dos EUA é só ler o texto que está no Poder Naval

      http://www.naval.com.br/blog/destaque/estrategia/a-quarta-frota-e-a-estrutura-militar-unificada-dos-eua/

  18. Leandro Requena disse:
    27 de agosto de 2010 às 0:26

    Prezado Leandro, apenas uma correção: o Estado-Maior Conjunto das Forças-Armadas será o responsável pelo EMPREGO das Forças Armadas. Quem será responsável pelo preparo são os Comandos das Forças.

    Confira o discurso do Jobim (post acima):

    “fica muito claro que competirá ao chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas o emprego e, aos comandantes das Forças, o preparo.”

    Ou seja: é exatamente o oposto do modelo norte-americano.

    _______________

    Marine:

    Entendo o que você quer dizer com comando regional unificado, mas para que se tenha algo do gênero precisamos ter todas as armas operacionais para o combate em todas as regiões, e decididamente não temos isso. As DE´s, os ComAR e os Distritos Navais são mera ficção em termos de equipamento e preparo.

    O que temos de realmente pronto são as “ilhas de excelência”: a Força de Ação Rápida, algumas Brigadas de Selva, os BAvEx, o Corpo de Fuzileiros Navais, alguns Esquadrões, etc.

    Desta forma, para não ter muito índio pra pouco cacique, melhor que seja apenas um comando operacional unificado, até que tenhamos condições de fazer a subdivisão operacional.

    Abraços.

  19. Vader,

    Obrigado pela resposta e realmente sendo como voce disse fica dificil ter varios comando regionais unificados, principalmente se a logisticao para tal nao estiver “up to the task”.

    Sendo assim, concordo que um unico comando conjunto seja melhor por enquanto. O que nao fica claro pra mim ainda e quem seria o comandante em um possivel conflito brasileiro. Se fosse algo na Amazonia por exemplo, o emprego operacional das forcas cabe a um comandante so ou a tres deles? Ou a guerra sera conduzida de Brasilia pelo Estado Maior-Conjunto?

    SF!

  20. Marine disse:
    27 de agosto de 2010 às 11:46

    Marine, pelo que entendi a operacionalidade será centralizada toda nas mãos do EMCFA. Em qualquer conflito. O comandante de operações será o Comandante do Estado-Maior Conjunto (o General Nardi).

    O que faz sentido se se pensar que as (poucas) unidades em “apronto operacional” estão espalhadas por todas as regiões do país, e certamente haveria deslocamento e concentração de tais meios no TO.

    Abs.

  21. Marine disse:
    27 de agosto de 2010 às 11:46

    Vou até fazer uma brincadeira: Gen Nardi é o nosso Douglas MacArthur tupiniquim, rsrsrsrs… 🙂

    Hope he´s up to the task…

  22. Poggio,

    Pois e, tambem acho que futuramente faca mais sentido, mas como citou o Vader, se agora nao ha unidades e meios operacionais por todo o pais fica dificil implantar comandos regionais hemogenos assim. Quem sabe num futuro proximo uma vez que as FAs estiverem melhor equipadas “across the board”.

    Vader,

    Ai nao! MacCarthur?! Voce tinha que citar o general que eu menos gosto dos americanos? Hehehehe

    Abs!

  23. Poggio e Vader,

    O link postado pelo Galileu fala especificamente daquilo que estavamos falando aqui:

    “Outro projeto que assusta os quartéis é a fusão dos comandos do Exército com os distritos da Marinha e os comandos da Aeronáutica. A fusão das três Forças em “Estados-Maiores Regionais” é encarada como uma pulverização do poder militar, que terá como resultado a redução de cargos de chefia.”

    Abs!

  24. Marine, caso não saiba, o comando operacional na Força Aérea, é efetuado pelas FAes( I, II, III e V) e o COMDADRA; e as funções dos COMAREs são, basicamente, de apoio; muito raramente tem alguma ingerência operacional.
    Resumindo: os Grupos de Aviação não são subordinados aos comandos locais, seja uma Base Aérea, seja um COMAR.

  25. Noel,

    Muito obrigado, ja nao recordava se os comandos operacionais eram os COMAREs ou as FAes numeradas. Sempre bom manter-me a par dos detalhes e por isso acima citei os dois, ja que nao estava certo qual deles era o correto.

    Abs!

  26. Desculpe Baschera.
    Não quero ser rude.

    Acredito que o gal de Nardi seja extremamente profissional e gente boa, caso contrário ele não teria chegado a tão alto posto no oficialato.

    Acredito que a lista de medalhas e comendas que você colocou foi somente para dizer que ele não é um Gal qualquer.

    Na polícia militar de um certo estado brasileiro, medalhas semelhantes nós chamamos de “medalhas de mijão”, pessoas que passaram a maior parte do tempo de suas carreiras em áreas administrativas, em gabinetes e em unidades de apoio a executivos, sem contato com a realidade das guerras nas ruas e com o operacional.

    Não sei como isto é tratado no seio da tropa dos praças e oficiais até o nível intermediario das FFAA…

    Mais uma vez, não quiz ser rude –

    Parabéns ao Gal de Nardi e sucesso na nova fase de comando.

    Abraço a todos

  27. Vader

    Obrigado pela correção.

    Eu estava achando bom demais pra ser verdade.

    Nossos políticos são uma piada. Até quando tentam fazer a coisa certa, acabam fazendo errado.

    Tentam copiar o modelo americano, que é um modelo de sucesso. Só que fazem justamente o oposto.

    É de chorar de desgosto…

  28. Muito bom foi essa reestruturação da Forças Armadas, espero que tirem essa idéia na Marinha, que a Sede da Esquadra tem que ser no Rio de Janeiro só para beneficiar alguns, enquanto os oriundos de outros estados sofrem numa cidade inóspita, pagando aluguel e longe da família. A Marinha é do Brasil e não do Rio de Janeiro. Só falta criar os Estados Maiores conjuntos Regionais e acabar com os Comandos, Distritos Navais etc. Unificação Já!! A esquadra atualmente fica na Baía de Guanabara se houver uma guerra fecha-se a entrada da baía e lá se vai a nossa esquadra. Parabéns ao Ministro Jobim e ao Professor Mangabeira Unger.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here