O Governo brasileiro prestou apoio logístico à Argentina para o abastecimento de armas soviéticas na Guerra das Malvinas, em 1982, segundo revelou neste domingo o jornal “O Globo”, que reuniu documentos oficiais secretos.

Apesar de se manter oficialmente neutro no conflito entre Argentina e o Reino Unido, o Brasil cedeu o aeroporto de Recife para as escalas dos aviões que transportavam mísseis e minas desde a Líbia.

A iniciativa começou com o apoio da União Soviética (URSS) e de Cuba ao regime militar argentino na Guerra das Malvinas em meio a Guerra Fria, pelo fato do Reino Unido ser um de seus principais inimigos ao lado dos Estados Unidos.

Dessa forma, segundo um documento secreto da Marinha brasileira, um avião cubano, com aporte da URSS, seguia para Buenos Aires com armas, quando foi interceptado por autoridades brasileiras. A aeronave voava clandestinamente e os países não mantinham relações diplomáticas.

No entanto, o regime militar permitiu a continuação da viagem após uma negociação de seis horas com o país vizinho. Daí em diante, os voos da companhia Aerolíneas Argentinas com armas entre Líbia e Buenos Aires, com escala em Recife, chegaram a alcançar uma frequência de dois por dia.

Nesse período, um documento do Conselho de Segurança Nacional do Brasil registrou que a Argentina estreitou “gradualmente” seus contatos com Brasília, com pedidos de ajuda na compra de aviões, bombas incendiárias, munição para fuzis, sistemas de radar e querosene de aviação. As repostas brasileiras eram quase sempre favoráveis. Mas, quando era negativa, os argentinos recorriam ao apoio do Peru, que teria fornecido caças e mísseis comprados ao mercado negro, segundo “O Globo”.

O fornecimento de armas também partia de Israel e seguia duas rotas, uma com escalas nas Ilhas Canárias (Espanha) e Rio de Janeiro, e a outra, através de Caracas e Lima.

O jornal ainda publicou um documento da embaixada britânica criticando o Brasil por ceder seus aeroportos aos voos da Argentina com carregamento de armas. Brasília respondeu a Londres que em suas revisões dos voos da Aerolíneas Argentinas “não encontrou nada de natureza militar”.

Fonte: EFE / O Globo via UOL

Tags:

2 Comentários para “Brasil apoiou tráfico de armas à Argentina na Guerra das Malvinas”

  1. Nautilus 23 de abril de 2012 at 4:01 #

    Países não têm amigos, têm interesses comuns (ou não)…

  2. hamadjr 23 de abril de 2012 at 15:19 #

    Nautilus, permita um aparte, …. têm interesses comuns para um bom negócio, mesmo com uma guerra.

Deixe um Comentário

Paraguai reclama do Brasil por violação de soberania durante a operação Ágata 2015

Operação Ágata

Confronto entre militares e contrabandistas paraguaios em rio do país vizinho gerou protesto O ministro das Relações Exteriores do Paraguai, […]

Forças de Defesa agora também é Defense Forces

Defense Forces Logo - 580px

Os sites e a revista Forças de Defesa agora são globais. A partir de hoje você também pode ler as […]

MPF quer garantir reserva de vagas para negros e pardos em concursos das Forças Armadas

Dia do Exército

Segundo o Ministério, após uma denúncia feita por um cidadão sobre a omissão do edital em relação aos cotistas, o […]

Partidos de esquerda reunidos no Foro de SP propõem ofensiva continental para barrar ataques da direita

Deputado venezuelano Rodrigo Cabezas

O 21º encontro do Foro de São Paulo dá um sinal de alerta contra a volta de uma ofensiva neoliberal […]

Maduro denuncia ‘provocações’ da Guiana e defende mediação da ONU em litígio

Nicolas_Maduro_AVN

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, denunciou nesta terça-feira ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, as “provocações” do presidente da […]

Musk, Wozniak e Hawking pedem a proibição da Inteligência Artificial na guerra e o emprego de armas autônomas

Terminator

Mais de 1.000 especialistas e líderes pesquisadores de robótica assinam o alerta em carta aberta sobre a corrida armamentista da […]