O Governo brasileiro prestou apoio logístico à Argentina para o abastecimento de armas soviéticas na Guerra das Malvinas, em 1982, segundo revelou neste domingo o jornal “O Globo”, que reuniu documentos oficiais secretos.

Apesar de se manter oficialmente neutro no conflito entre Argentina e o Reino Unido, o Brasil cedeu o aeroporto de Recife para as escalas dos aviões que transportavam mísseis e minas desde a Líbia.

A iniciativa começou com o apoio da União Soviética (URSS) e de Cuba ao regime militar argentino na Guerra das Malvinas em meio a Guerra Fria, pelo fato do Reino Unido ser um de seus principais inimigos ao lado dos Estados Unidos.

Dessa forma, segundo um documento secreto da Marinha brasileira, um avião cubano, com aporte da URSS, seguia para Buenos Aires com armas, quando foi interceptado por autoridades brasileiras. A aeronave voava clandestinamente e os países não mantinham relações diplomáticas.

No entanto, o regime militar permitiu a continuação da viagem após uma negociação de seis horas com o país vizinho. Daí em diante, os voos da companhia Aerolíneas Argentinas com armas entre Líbia e Buenos Aires, com escala em Recife, chegaram a alcançar uma frequência de dois por dia.

Nesse período, um documento do Conselho de Segurança Nacional do Brasil registrou que a Argentina estreitou “gradualmente” seus contatos com Brasília, com pedidos de ajuda na compra de aviões, bombas incendiárias, munição para fuzis, sistemas de radar e querosene de aviação. As repostas brasileiras eram quase sempre favoráveis. Mas, quando era negativa, os argentinos recorriam ao apoio do Peru, que teria fornecido caças e mísseis comprados ao mercado negro, segundo “O Globo”.

O fornecimento de armas também partia de Israel e seguia duas rotas, uma com escalas nas Ilhas Canárias (Espanha) e Rio de Janeiro, e a outra, através de Caracas e Lima.

O jornal ainda publicou um documento da embaixada britânica criticando o Brasil por ceder seus aeroportos aos voos da Argentina com carregamento de armas. Brasília respondeu a Londres que em suas revisões dos voos da Aerolíneas Argentinas “não encontrou nada de natureza militar”.

Fonte: EFE / O Globo via UOL

Tags:

2 Comentários para “Brasil apoiou tráfico de armas à Argentina na Guerra das Malvinas”

  1. Nautilus 23 de abril de 2012 at 4:01 #

    Países não têm amigos, têm interesses comuns (ou não)…

  2. hamadjr 23 de abril de 2012 at 15:19 #

    Nautilus, permita um aparte, …. têm interesses comuns para um bom negócio, mesmo com uma guerra.

Deixe um Comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Infantaria mecanizada alemã começará, este ano, a receber os seus primeiros Puma

Puma IFV - 2

  As companhias de Infantaria Mecanizada do Exército da República Federal da Alemanha começarão a receber, ainda este ano, os […]

Meprolight recebe vários pedidos para sistemas de visão noturna

Mepro LIOR 7X

O Ministério de Defesa de Israel adquiriu centenas de Miras de Visão Noturna MEPRO LI-OR para várias unidades do Exército […]

CONTROP apresentou Sistema de Vigilância Aérea Compreensivo para Helicópteros na LAAD 2015

CONTROP A-SMS Airborne Surveillance Mission System  with STC certification

Ideal para aplicações de Cumprimento da Lei, o A-SMS, recentemente desenvolvido, recebeu certificação STC da Autoridade de Aviação Civil do […]

Camero vai fornecer sistemas de visão através de paredes a um grande país sul-americano

CAMERO XAVER 800-January2015

Centenas de sistemas XAVER™400 foram vendidos até hoje para mais de 30 países – fazendo dele o sistema mais popular […]

Exército colombiano usará Divisão de Assalto Aéreo contra gangues e mineração ilegal

Colombia

Em uma entrevista denunciadora da preocupação dos generais colombianos em justificar a manutenção do seu arsenal – e a importância […]

Venezuela testa com êxito sistema antiaéreo Buk M2, do tipo que derrubou o voo MH-17

Sistema Buk disparando

  Em uma demonstração de força e aprestamento, o Exército venezuelano testou, em março passado, diferentes equipamentos de seu arsenal […]