O Governo brasileiro prestou apoio logístico à Argentina para o abastecimento de armas soviéticas na Guerra das Malvinas, em 1982, segundo revelou neste domingo o jornal “O Globo”, que reuniu documentos oficiais secretos.

Apesar de se manter oficialmente neutro no conflito entre Argentina e o Reino Unido, o Brasil cedeu o aeroporto de Recife para as escalas dos aviões que transportavam mísseis e minas desde a Líbia.

A iniciativa começou com o apoio da União Soviética (URSS) e de Cuba ao regime militar argentino na Guerra das Malvinas em meio a Guerra Fria, pelo fato do Reino Unido ser um de seus principais inimigos ao lado dos Estados Unidos.

Dessa forma, segundo um documento secreto da Marinha brasileira, um avião cubano, com aporte da URSS, seguia para Buenos Aires com armas, quando foi interceptado por autoridades brasileiras. A aeronave voava clandestinamente e os países não mantinham relações diplomáticas.

No entanto, o regime militar permitiu a continuação da viagem após uma negociação de seis horas com o país vizinho. Daí em diante, os voos da companhia Aerolíneas Argentinas com armas entre Líbia e Buenos Aires, com escala em Recife, chegaram a alcançar uma frequência de dois por dia.

Nesse período, um documento do Conselho de Segurança Nacional do Brasil registrou que a Argentina estreitou “gradualmente” seus contatos com Brasília, com pedidos de ajuda na compra de aviões, bombas incendiárias, munição para fuzis, sistemas de radar e querosene de aviação. As repostas brasileiras eram quase sempre favoráveis. Mas, quando era negativa, os argentinos recorriam ao apoio do Peru, que teria fornecido caças e mísseis comprados ao mercado negro, segundo “O Globo”.

O fornecimento de armas também partia de Israel e seguia duas rotas, uma com escalas nas Ilhas Canárias (Espanha) e Rio de Janeiro, e a outra, através de Caracas e Lima.

O jornal ainda publicou um documento da embaixada britânica criticando o Brasil por ceder seus aeroportos aos voos da Argentina com carregamento de armas. Brasília respondeu a Londres que em suas revisões dos voos da Aerolíneas Argentinas “não encontrou nada de natureza militar”.

Fonte: EFE / O Globo via UOL

Tags:

2 Responses to “Brasil apoiou tráfico de armas à Argentina na Guerra das Malvinas” Subscribe

  1. Nautilus 23 de abril de 2012 at 4:01 #

    Países não têm amigos, têm interesses comuns (ou não)…

  2. hamadjr 23 de abril de 2012 at 15:19 #

    Nautilus, permita um aparte, …. têm interesses comuns para um bom negócio, mesmo com uma guerra.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Hackers chineses roubam dados sobre sistema antimísseis de Israel

  Hackers chineses roubaram dados sobre o sistema antimísseis de Israel. O projeto conhecido como Domo de Ferro está avaliado […]

Peru fecha acordo para a compra de 32 LAV-II

O Ministério da Defesa peruano encomendou 32 veículos blindados 8×8 LAV-II (APC) da General Dynamics Land Systems do Canadá (GDLS-C) […]

Único latino-americano a participar da 1ª Guerra, Brasil mostrou despreparo

Oficiais foram combater e navios patrulhar Atlântico, dizem historiadores. 165 brasileiros morreram; 5 pilotos abatidos e médicos, infectados por gripe. […]

Defesa do país é tratada como algo irrelevante e gerida na base do faz de conta

por Luiz Eduardo Rocha Paiva, general da reserva – Os problemas relativos à defesa nacional deveriam ser conhecidos pela nação, […]

EUA e Europa se unem para punir a Rússia

Os EUA e a Europa chegaram nesta segunda (28) a um acordo para ampliar as sanções econômicas à Rússia por […]

Empresa russa deve se associar ao programa nuclear brasileiro

Com a participação da Rosatom, governo de Vladimir Putin acena com financiamento de até US$ 2 bilhões. O presidente Putin […]