O Governo brasileiro prestou apoio logístico à Argentina para o abastecimento de armas soviéticas na Guerra das Malvinas, em 1982, segundo revelou neste domingo o jornal “O Globo”, que reuniu documentos oficiais secretos.

Apesar de se manter oficialmente neutro no conflito entre Argentina e o Reino Unido, o Brasil cedeu o aeroporto de Recife para as escalas dos aviões que transportavam mísseis e minas desde a Líbia.

A iniciativa começou com o apoio da União Soviética (URSS) e de Cuba ao regime militar argentino na Guerra das Malvinas em meio a Guerra Fria, pelo fato do Reino Unido ser um de seus principais inimigos ao lado dos Estados Unidos.

Dessa forma, segundo um documento secreto da Marinha brasileira, um avião cubano, com aporte da URSS, seguia para Buenos Aires com armas, quando foi interceptado por autoridades brasileiras. A aeronave voava clandestinamente e os países não mantinham relações diplomáticas.

No entanto, o regime militar permitiu a continuação da viagem após uma negociação de seis horas com o país vizinho. Daí em diante, os voos da companhia Aerolíneas Argentinas com armas entre Líbia e Buenos Aires, com escala em Recife, chegaram a alcançar uma frequência de dois por dia.

Nesse período, um documento do Conselho de Segurança Nacional do Brasil registrou que a Argentina estreitou “gradualmente” seus contatos com Brasília, com pedidos de ajuda na compra de aviões, bombas incendiárias, munição para fuzis, sistemas de radar e querosene de aviação. As repostas brasileiras eram quase sempre favoráveis. Mas, quando era negativa, os argentinos recorriam ao apoio do Peru, que teria fornecido caças e mísseis comprados ao mercado negro, segundo “O Globo”.

O fornecimento de armas também partia de Israel e seguia duas rotas, uma com escalas nas Ilhas Canárias (Espanha) e Rio de Janeiro, e a outra, através de Caracas e Lima.

O jornal ainda publicou um documento da embaixada britânica criticando o Brasil por ceder seus aeroportos aos voos da Argentina com carregamento de armas. Brasília respondeu a Londres que em suas revisões dos voos da Aerolíneas Argentinas “não encontrou nada de natureza militar”.

Fonte: EFE / O Globo via UOL

Tags:

2 Comentários para “Brasil apoiou tráfico de armas à Argentina na Guerra das Malvinas”

  1. Nautilus 23 de abril de 2012 at 4:01 #

    Países não têm amigos, têm interesses comuns (ou não)…

  2. hamadjr 23 de abril de 2012 at 15:19 #

    Nautilus, permita um aparte, …. têm interesses comuns para um bom negócio, mesmo com uma guerra.

Deixe um Comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Brasil e Estados Unidos desenvolverão projeto na área de defesa

Jaques Wagner e Ashton Carter - foto G Fawcet via Ministério da Defesa

  O ministro da Defesa, Jaques Wagner, participou hoje (29/06/2015), em Washington, de reunião de trabalho com o secretário de […]

Brasil deve comprar sistemas russos de defesa antiaérea Pantsir na primeira metade de 2016

pantsir-s1

O Brasil planeja comprar os sistemas russos de defesa antiaérea Pantsir na primeira metade de 2016, disse à RIA Novosti […]

Exército dos Estados Unidos desenvolve motos voadoras

hoverbike

Já havia sido noticiado que uma startup criada por um engenheiro australiano, estava desenvolvendo uma hoverbike, uma espécie de moto […]

Itu sedia exercício do Comando da Aviação do Exército

EB Fennec HA-1 1034 1 BAVEX por do sol - foto Forcas Terrrestres - Poggio

Regimento Deodoro servirá de base de pouso e decolagem das aeronaves O Comando de Aviação do Exército, com sede na […]

Há 65 anos, começava a Guerra da Coreia

Crossing the 38th parallel.  United Nations forces withdraw from Pyongyang, the North Korean capital.  They recrossed the 38th parallel.  1950. (USIA)
Exact Date Shot Unknown
NARA FILE #:  306-FS-259-21
WAR & CONFLICT BOOK #:  1433

Em 25 de junho de 1950, tropas do Exército norte-coreano atravessaram a fronteira para o sul, iniciando a Guerra da […]

Putin: exército forte e bem armado é garantia da soberania da Rússia

Armata - 4

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou que a Rússia enxerga diversos riscos, inclusive próximo às suas fronteiras, e que, portanto, […]