BRICs encontro 2013 - foto R Stuckert - Palácio do Planalto

http://www.forte.jor.br/wp-content/uploads/2011/05/vinheta-clipping-forte12.jpg“Brics, não dividam a África” diz um cartaz no salão de uma igreja no centro de Durban, onde ativistas da sociedade civil se juntaram para lançar um olhar crítico sobre a cúpula dos cinco poderes globais emergentes. O slogan invoca a conferência do século 19 em Berlim, onde os países coloniais europeus predominantes repartiram o continente africano em uma corrida que o historiadores vêem como a personificação do capitalismo explorador da época.

Décadas depois que os africanos se livraram do jugo colonial, é a vez do grupo dos países emergentes dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) verem seus motivos sendo analisados, à medida que eles proclamam em tom altruísta uma “parceria para o desenvolvimento, integração e industrialização” com a África.

Liderados pelo gigante emergente, a China, os Brics são agora os maiores parceiros comerciais da África e formam o maior novo grupo de investidores. O comércio entre os Brics e a África deve superar 500 bilhões de dólares até 2015, com a China abocanhando consideráveis 60 por cento do total, de acordo com o Standard Bank. Os líderes dos Brics insistem em apresentar o grupo –que representa mais do que 40 por cento da população mundial e um quinto do Produto Interno Bruto (PIB)– em uma moldura calorosa de cooperação benevolente entre Sul-Sul, um contrapeso essencial ao “velho” Ocidente e um melhor parceiro para as massas pobres do mundo em desenvolvimento.

“Nós achamos que há muito tapinha nas costas”, afirmou Patrick Bond do centro de Sociedade Civil da Universidade de KwaZulu-Natal, que ajudou a organizar uma reunião alternativa “Brics-de-baixo” em Durban para obscurecer a reunião de cúpula dos Brics na terça e na quarta-feira. Bond e outros críticos do lema Sul-Sul dos Brics dizem que os países em desenvolvimento que recebem investimento e assistência dos novos poderes emergentes precisam olhar de perto, e com firmeza, os acordos que estão sendo firmados.

Debaixo da aparência fraternal, Bond vê uma “competição imperial incoerente” sem diferenças com a corrida do século 19. Segundo ele, os membros dos Brics estão explorando e cobiçando de maneira similar os recursos africanos, sem impulsionar suficientemente a industrialização e a criação de empregos, muito necessários no continente. Esta visão ganhou alguma força na África com cidadãos desde Guiné e Nigéria a Zâmbia e Moçambique vendo cada vez mais as companhias brasileiras, russas, indianas, chinesas e sul-africanas arrematando acordos multibilionários de petróleo e mineração e grandes projetos de infraestrutura.

 

BRICs encontro 2013 - foto 3 R Stuckert - Palácio do Planalto

Muitos destes negócios estão sob escrutínio de grupos locais e internacionais de direto. Muitos desses acordos tem enfrentado críticas de que concentram-se fortemente na extração de matéria-prima, que não são transparentes e que não geram emprego e benefícios ao desenvolvimento suficientes para os países que os recebem –mesmas críticas feitas muitas vezes a empresas do mundo desenvolvido do Ocidente.

Nova forma de imperialismo 

Ativistas anti-pobreza afirmam que as grandes empresas dos Brics que atuam na África buscam o lucro, assim como as empresas do mundo rico. “Questões de ganância são universais e seus atores vêm tanto do Norte e como do Sul”, disse Wahu Kaara, ativista pela justiça social do Quênia e coordenador da Rede de Alívio da Dívida do Quênia que participa da reunião “Brics-de-abaixo”.

Essa desconfiança em relação aos novos investidores na África tem também permeado alguns círculos governamentais no continente. Alertando que a África está se abrindo a “uma nova forma de imperialismo”, o presidente do Banco Central da Nigéria, Lamido Sanusi, acusou a China, agora a segunda maior economia do mundo, de agravar a desindustrialização e o subdesenvolvimento da África.

“A China leva nossos bens primários e nos vende manufaturados. Esta foi também a essência do colonialismo”, escreveu Sanusi em uma coluna de opinião no dia 11 de março, no jornal Financial Times.

“África deve reconhecer que a China – como os EUA, a Rússia, a Grã-Bretanha, o Brasil e o resto – está na África não no interesse africano, mas no seu próprio interesse”, acrescentou Sanusi. Os chineses e outros líderes dos Brics rejeitam indignados as críticas de que o grupo representa um tipo de “sub-imperialismo” no engajamento político e econômico crescente com a África.

Zhong Jianhua, o enviado especial da China para a África, disse à Reuters que a história comum da China e da África de resistência ao colonialismo coloca seu relacionamento em um nível diferente. “A China foi intimidada por outros no passado, e assim foi a África. Esta experiência compartilhada significa que eles têm muito em comum. Esta é a vantagem da China e a razão pela qual muitos países ocidentais estão em desvantagem”, disse ele em entrevista à Reuters.

Zhong acrescentou que a China deve incentivar suas empresas a formar e contratar mais trabalhadores africanos, respondendo a queixas de que investidores chineses muitas vezes usam suas próprias forças de trabalho. Catherine Grant-Makokera, do Instituto Sul-Africano de Assuntos Internacionais (SAIIA), disse que os governos dos Brics operam visivelmente de modo diferente do Ocidente na forma como oferecem financiamento e auxílio para as nações da África.

“Você tem visto uma maior disposição dos agentes mais novos para investir em coisas como infraestrutura pesada, seja por meio do financiamento ou simplesmente subvenções ou doações”, disse Grant-Makokera, chefe do programa para a diplomacia econômica do SAIIA. Ela reconheceu, contudo, que a abordagem dos Brics no auxílio ao desenvolvimento, ao mesmo tempo que oferece respostas mais rápidas dos projetos, muitas vezes é menos contida por questões ambientais e trabalhistas. Isso levou a acusação de que empresas dos Brics, em sua pressa para desenvolver projetos de recursos naturais, desrespeitam os direitos das comunidades locais e o meio ambiente.

BRICs encontro 2013 - foto 2 R Stuckert - Palácio do Planalto

A gigante brasileira da mineração Vale, nomeada em 2012 pelo grupo suíço sem fins lucrativos Public Eye como a empresa com o maior “desprezo para o meio ambiente e os direitos humanos” no mundo, defende sua ação em Moçambique, onde está investindo bilhões de dólares na exploração de carvão e infraestrutura.

A Vale tem enfrentado manifestações violentas de moçambicanos que exigem maiores benefícios e são contra os deslocamentos forçados das populações locais. O chefe das operações da Vale na África, Ricardo Saad, disse que o fato de a empresa ter experimentado “problemas” não significa que poderia ser acusada de comportamento “neocolonialista” na África. Ele disse que as potências coloniais só vieram e tomaram os recursos do continente, sem consultar o povo, e que os contratos atuais são negociados com governos e comunidades. “A partir do momento que eu procuro uma licença para operar, onde você fala com a comunidade, onde tudo que você faz tem autorização e planejamento prévio do governo, eu não posso dizer que é neocolonialismo”, disse Saad à Reuters.

Analistas de desenvolvimento dizem que os Brics, com suas economias, governos e prioridades competitivas radicalmente diferentes, ainda precisam demonstrar que podem mudar as estruturas de poder global para o benefício dos pobres e desprivilegiados do mundo. “O fato de que eles estão pressionando por um novo equilíbrio de poder no mundo tem de ser salientado como uma coisa positiva … eles têm novas vozes”, disse Nathalie Beghin da organização brasileira pró-democracia INESC.

Catherine Grant-Makokera, do SAIIA, diz que os Brics oferecem aos países em desenvolvimento outras opções de ajuda e investimento como alternativa aos velhos parceiros ocidentais. “Pelo menos você tem uma diversidade agora, eu não acho que isso pode ser subestimado”, disse ela.

FONTE: Reuters (reportagem de Pascal Fletcher)

FOTOS (presidente Dilma Rousseff na V Cúpula dos Brics, em 26-3-2013 – fotos R. Stuckert): blog do Planalto

Tags: , , , , , , ,

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini

4 Responses to “Brics rejeitam acusações de serem ‘novos imperialistas’ na África” Subscribe

  1. Observador 27 de março de 2013 at 0:46 #

    Agora só falta um africano escrever um livro similar aquela bobagem “Veias Abertas da América Latina”, para criticar o “imperialismo” dos BRICS.

    Eles tem tudo para virar um bando de chorões como a maioria dos latino-americanos, que precisam de alguém para culpar pelo próprio fracasso.

    Afora que eles esqueceram o que é colonialismo de verdade: apropriação e divisão de territórios entre as potências coloniais, criação de fronteiras artificiais, extermínio e/ou escravidão dos povos nativos, imposição da cultura, língua e religião aos povos dominados.

    Deste jeito, vão custar a entender que o investimento estrangeiro é a única forma de tirá-los do eterno atraso.

  2. Marcos 27 de março de 2013 at 10:50 #

    Aboa educacao diz que quando nos dirigimos a outras pessoas, devemos tirar os oculos escuros. Uma especie de olho no olho. Mas isso e so boa educacao. Bobagem!

  3. Marcelo 28 de março de 2013 at 16:46 #

    me parece que o senhor que a Dilma estava dando a mão, também usava óculos escuros.

  4. Observador 31 de março de 2013 at 20:32 #

    “…me parece que o senhor que a Dilma estava dando a mão, também usava óculos escuros.”

    Ah sim, só se na África for moda usar corrente para óculos até em óculos escuros.

    Cara, é muito puxa-saquismo…

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Exército aprova a modernização do Pantera

O Exército Brasileiro aprovou a continuidade do programa de modernização, pela Helibras, dos 34 helicópteros modelo AS 365 K – […]

Operação Amazônia: militares simulam proteção de termoelétrica durante exercício

Como parte da Operação Amazônia, exercício militar feito para aprimorar a atuação integrada das três Forças Armadas, militares que participam […]

Em Brasília, produtos de defesa de alta tecnologia são atrações

11ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, em Brasília, vai até 19 […]

Baixe 7 edições da revista Forças de Defesa e doe quanto quiser

Agora você poderá baixar para o seu computador, tablet ou smartphone as melhores reportagens da nossa revista impressa Forças de […]

Arma anticarro brasileira será exportada para quatro países

  Por Virgínia Silveira | De São José dos Campos A Gespi Aeronáutica, especializada em manutenção e reparo de turbinas […]

‘Estado Islâmico (EI) foi criado por Estados Unidos, Israel e Reino Unido’

Khamenei afirmou que “Estados Unidos, o sionismo (Israel) e o profissional especialista divisionista, o maléfico governo do Reino Unido, criaram […]