Home Exército Brasileiro 7° RC Mec – Operação Sentinela Avançada

7° RC Mec – Operação Sentinela Avançada

6143
8

7-rc-mec-3

Santana do Livramento (RS) – No período de 11 a 15 de novembro, o 7º Regimento de Cavalaria Mecanizado (7° RC Mec) esteve participando da Operação Sentinela Avançada, na região que compreende os municípios de São Gabriel e Bagé (ambos no Rio Grande do Sul).

A Operação foi desenvolvida pelo Comando da 3ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, da qual o Regimento é peça de manobra. Do efetivo do 7º RC Mec, participaram da operação cerca de 170 militares e 40 viaturas, dentre leves e blindadas. A manobra foi concebida em um quadro tático fictício, no contexto das operações de amplo espectro, conforme se verifica na evolução dos conflitos ao redor do mundo.

O objetivo da atividade era adestrar a tropa em missões de segurança e reconhecimento, que são as atribuições específicas de um Regimento de Cavalaria Mecanizado.

7-rc-mec-1

7-rc-mec-2

7-rc-mec-4

FONTE: EB

8 COMMENTS

  1. Que decepção essas fotos não serem em alta resolução !!!!!
    Pq TODAS as fotos que tem como fonte o EB, são de baixa resolução ?

  2. Não entendo esses jipes nos RCMec. Uma unidade blindada com viaturas de combate orgânicas não blindadas.Serão substituidos pelo IVC da Iveco?

  3. Um Cascavel não seria mais útil com uma peça de 30mm automática em vez da 90mm em funções de reconhecimento ?

  4. Carvalho,

    Correto, mas essas marcações são vistas também nos CC M1A1/2 Abrams Exército Americano, tanto na Guerra do Iraque, quanto em manobras da OTAN.

    DaGuerra,

    A doutrina de reconhecimento utilizando viaturas leves não blindadas não é problema nenhum, considerando as hipóteses de emprego de nossas FFAA. Evidentemente, em cenários mais contestados ou de guerra urbana, é previsto a utilização de viatura mais protegida, como as VBM-LR LMV da Iveco. O uso de SANT não substitui o reconhecimento no terreno, Robosn.

    Delfim,

    O Cascavel como é hoje realmente é um viatura com sistemas obsoletos, mas a substituição do canhão de 90mm por uma torre 30mm representaria uma perda de poder de fogo. Melhor seria a adoção de um sensor optrônico de longo alcance em complemento a um novo sistema de mira do Cascavel, pelo menos até o novo VBC 8×8.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here