Diretriz do Comandante do Exército – 2017/2018

Diretriz do Comandante do Exército – 2017/2018

5399
0

Gen Ex Eduardo Dias da Costa Villas Bôas

O Exército Brasileiro experimentou orçamentos oscilantes a partir do ano 2000. O planejamento de longo prazo, os programas estratégicos e os investimentos em geral foram enfatizados.

Entretanto, nos últimos anos, a situação econômica brasileira confirmou uma tendência desfavorável, o que nos faz antever uma curva orçamentária decrescente, quiçá estável, em médio prazo. Em função disto, o Exército como um todo deverá tomar medidas adequadas e oportunas para, prioritariamente, manter a efetividade e a prontidão da Força Terrestre, foco de sua atuação e o seu verdadeiro coração, além do eficaz apoio à família militar.

Há necessidade de reavaliação do planejamento estratégico do Exército fruto do cenário econômico não-favorável aos investimentos. No imperioso intento de transformar o Exército para o futuro, é prudente conjugar o desejável com o possível em curto e médio prazo. A finalidade desta ação é entregar uma efetiva Força Terrestre às novas gerações de brasileiros, porém adequada às nossas possibilidades.

A contenção orçamentária impõe judiciosa e imediata racionalização no emprego de recursos humanos, materiais e financeiros. Cada centavo do orçamento federal deverá ter seu uso otimizado em prol do aumento do poder de combate da Força Terrestre.

No cumprimento de sua missão constitucional e frente à limitação orçamentária, o Exército proporá uma agenda militar terrestre que contemple os interesses da Instituição
em consonância com o cumprimento da Política e da Estratégia Nacional de Defesa.

Esta diretriz é complementar ao “Pensamento e Intenção do Comandante do Exército Brasileiro”, documento expedido em 26 de fevereiro de 2015.

Gen Ex Eduardo Dias da Costa Villas Bôas

Sistemas Astros 2020

PREMISSAS

CONCILIAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DA
DISSUASÃO E DA PRESENÇA
O Exército deverá continuar presente em todo o território nacional, em especial naqueles rincões onde se constitui o principal esteio organizado do Estado brasileiro. Assim, deverá manter sua conexão estreita com a sociedade brasileira, conhecendo suas
necessidades e seus anseios.

No cumprimento da missão de Defender a Pátria, o Exército manterá parcela da Força Terrestre em estado de prontidão permanente, com a capacidade de neutralizar concentrações de forças hostis junto à fronteira terrestre, de cooperar com a defesa
do litoral e do espaço aéreo sobrejacente ao território nacional.

Contribuirá, em caráter eventual, em missões de Garantia da Lei e da Ordem, conforme sua destinação constitucional.

PRIORIZAR O MILITAR E SUA FAMÍLIA
O militar e sua família constituem os bens mais preciosos do Exército.
A valorização da carreira militar e a educação continuada dos recursos humanos deverão ser incrementadas e otimizadas, com a finalidade de atração e manutenção da juventude brasileira no seio do Exército. Considerar que a educação fundamentada no sistema de ensino militar dos quadros tem se mostrado um instrumento muito importante no preparo e na manutenção do elevado profissionalismo da Força Terrestre.

A proteção social da família militar constitui um objetivo institucional permanente.

RACIONALIZAÇÃO EM TODOS OS NÍVEIS
A racionalização deverá ser aplicada de forma austera e imediata em todos os níveis organizacionais do Exército. A finalidade desta ação é priorizar a alocação de recursos humanos e materiais para a atividade-fim do Exército, a Força Terrestre.

O orçamento disponível deverá ser o primeiro fator a ser considerado nos planejamentos estratégicos e setoriais. O Plano Estratégico do Exército (PEEx) e a Lei Orçamentária devem ser os balizadores permanentes.

DIRETRIZES

1. Não criar Organizações Militares (OM) e/ou novas estruturas. Qualquer necessidade nesse sentido deve ser atendida por transformação de OM e/ou de estruturas já existentes.

2. A Sistemática de Planejamento do Exército (SIPLEX) deverá contemplar um número consideravelmente menor de ações estratégicas para implementação em curto e médio prazos. Estas ações deverão estar perfeitamente ajustadas ao orçamento.

3. Elaborar uma agenda militar terrestre para ser apresentada ao Governo Federal a fim de compor o Plano Plurianual (PPA) 2020-2023.

4. Manter a excelência da educação dos quadros de carreira.

5. Reduzir o efetivo do Exército em, no mínimo 10%, devendo manter preservada, tanto quanto possível, a Força Terrestre.

6. Reduzir o número de militares de carreira, substituindo-os por militares temporários.

7. Reavaliar rigorosamente a necessidade e os participantes de cursos e estágios, dentro da Força, em órgãos civis e no exterior.

8. Priorizar os exercícios de simulação e de Postos de Comando. Nos exercícios no terreno, enfatizar o adestramento de pequenas frações, visando à solidificação do conhecimento
profissional e o desenvolvimento da liderança, em especial, de oficiais subalternos e terceiros sargentos.

9. Considerar o ciclo completo de vida dos Sistemas e Materiais de Emprego Militar (SMEM) no processo de aquisição, endo em conta os impactos que os custeios decorrentes terão nos orçamentos futuros.

10. Reduzir o número de Unidades Gestoras (UG) do Exército.

11. Diminuir sensivelmente os gastos com viagens nacionais e internacionais, com a prioridade para o atendimento de compromissos assumidos anteriormente. Reduzir, também, a realização de seminários, eventos e simpósios que envolvam a participação
de grandes efetivos. Priorizar a realização de videoconferências. A finalidade é economizar diárias e passagens.

12. Reorganizar os Programas Estratégicos do Exército (PEE), no seguinte sentido:
a) Estabelecer prioridade entre os programas;
b) Definir que cada entrega dos programas deva contribuir diretamente para agregar novas capacidades à Força Terrestre; e
c) Considerar os impactos que novos materiais trarão no custeio do Exército durante seu ciclo de vida.
13. Priorizar, na implantação do Sistema Defesa-Indústria-Academia de Inovação (SIS-DIA), a busca por tecnologias de acesso negado e que venham agregar efetivo poder de combate.

14. Estabelecer um Plano de Comunicação Social com três
objetivos principais:
a) Informar, com exatidão e oportunidade, ao público interno sobre a racionalização em andamento no Exército;
b) Alertar a sociedade, os formadores de opinião e os decisores político-estratégicos dos riscos inerentes à redução e à limitação do orçamento do Exército; e
c) Valorizar a profissão militar.

15. Atuar proativamente, a fim de que a racionalização seja executada dentro dos parâmetros previstos pela legislação vigente.

16. O Estado-Maior do Exército (EME) deverá estabelecer, até dezembro de 2017, um planejamento específico com cronogramas e metas, a fim de que essas diretrizes sejam
executadas integralmente. As ações estudadas e planejadas pelo EME neste intento deverão ser apreciadas pelo Conselho Superior de Racionalização e Transformação (CONSURT) para decisão do Comandante do Exército.

FONTE: Exército Brasileiro

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY