Home Conflitos em andamento Coreia do Norte faz lançamento fracassado de míssil, diz Seul

Coreia do Norte faz lançamento fracassado de míssil, diz Seul

4023
7
Novos mísseis balísticos para lançamento a partir de submarinos da Coreia do Norte, exibidos na parada militar de hoje (AP Photo/Wong Maye-E)

A Coreia do Norte realizou na noite deste sábado (15) um lançamento de um míssil, mas fracassou, afirmou a Coreia do Sul.

Ainda de acordo com autoridades sul-coreanas, o artefato caiu na costa leste norte-coreana, próxima a Sinpo.

O lançamento ocorre em meio a intensas trocas de farpas entre o regime norte-coreano e o governo dos EUA, com ameaças mútuas de ataques. Mais cedo neste sábado, a Coreia do Norte exibiu vários mísseis balísticos, entre eles um possível novo projétil de alcance intercontinental, no desfile militar organizado por causa do aniversário de seu fundado.

No evento que comemora o 105º aniversário do nascimento de Kim Il-sung, fundador do país, o regime fez desfilar pelo centro de Pyongyang sobre caminhões um tipo de projétil nunca antes mostrado em público e que poderia ser um novo míssil balístico intercontinental (ICBM) de combustível sólido.

Durante o desfile, o vice-presidente do Partido dos Trabalhadores de Coreia do Norte, Choe Ryong-hae, afirmou que o povo norte-coreano está “preparado para a guerra” contra os EUA com suas armas nucleares.

“Estamos completamente preparados para enfrentar qualquer tipo de guerra com nossas armas nucleares se os EUA atacarem a península da Coreia”, disse o considerado número dois do regime.

No fim da semana, os EUA haviam bombardeado o Afeganistão com a chamada “mãe de todas as bombas” – seu artefato não nuclear mais poderoso –, o que foi considerado um aviso à Coreia do Norte.

“A Coreia do Norte é um problema, e um problema que será resolvido”, disse Trump na ocasião, em meio a especulações sobre um novo teste nuclear por parte de militares norte-coreanos.

FONTE: UOL/Com agências internacionais

7 COMMENTS

  1. Uma coisa eh certa, na primeira bomba que atingir a Corea do Norte, Seul desaparecera do mapa… e quantos vivem em Seul ???
    sera que o americanos estão sujeitos a pagar esse preço ??? MILHOES DE MORTES…
    atacar os norte coreanos eh muito diferente do que atacar o Iêmen, Afeganistão, Iraque, …
    os norte coreanos possuem artefatos nucleares, ja começa por ai….
    na decada passada o principal negocio da Corea do Norte era a exportacao de “foguetes e misseis”…
    A China forneceu veículos lançadores modernos pros norte coreanos…
    volto a perguntar, será que os EUA estão dispostos a atacar e serem responsáveis por milhões de vidas em Seul(60km da fronteira com a Coreanos do Norte) ???

  2. Wolf,
    Mas quem disse que os americanos vão atacar os norte-coreanos com armas nucleares? Se fosse isso não precisava de um porta-aviões. Atacavam dos EUA mesmo.

  3. Bosco, nao quis dizer isso…
    quis dizer que assim que o primeiro Tomahawk atingir a Corea do Norte, os norte coreanos irão atacar Seul com tudo, nao desacerto o uso de artefatos nucleares por parte dos norte… sei que os EUA nao usariam armas nucleares, mas os norte usariam sim em sua resposta ao ataque… e ai que Seul “se fode”… 60 ou 65km da fronteira…

  4. Wolf,
    Entendi errado mesmo. Perdão!!
    Mas a Coréia do Sul está bem aparelhada para interceptar mísseis de curto alcance. Eles têm o Patriot PAC-3 e o THAAD, operados pelos americanos (salvo engano).
    Já os navios Aegis em tese podem interceptar mísseis ICBM lançados contra os EUA no fase de ascensão. E ainda têm os mísseis GBI no Alaska e na Califórnia e deve haver mísseis THAAD em pontos específicos no território continental americano.

  5. Marcelo,
    Sei que a emissão de nêutrons de uma detonação nuclear a partir de mísseis antibalísticos pode inutilizar a matéria físsil de ogivas em veículos de reentrada. Os sistemas Spartan e Sprint e os sistemas antibalísticos russos dependiam dessa capacidade para inabilitar as ogivas, mas nunca ouvi tal coisa em relação às explosões no solo contra mísseis nos silos ou em lançadores móveis. Até vou dar uma procurada no assunto porque fiquei curioso.
    Também já li que as ogivas modernas não são mais suscetíveis de serem inabilitadas pela geração de nêutrons de detonações nucleares. Vou procurar sobre isso e se achar vou postar aqui.

  6. Amigo Bosco!
    As táticas de uso das cargas de nêutrons no solo hoje em dia continuam sendo cogitados para alvos “espalhados” (se trata dos níveis LD50 por quilometro quadrado).Exemplos :
    – concentração dos tanques e blindados em geral (apesar que blindagem moderna ja conta com níveis extremamente reduzidos da radiação secundaria ) ;
    – agrupamento dos lançadores MOVEIS dos mísseis táticos e carros do apoio (um grande problema é achar eles ou atingir em movimento devido limitações dos meios de “entrega”)
    Os silos dos ICBM atacar com cargas dos nêutrons seria absolutamente inutil pois precisa atingir escotilhas com precisão de 3-5m com níveis de pressão por volta de 2000 PSI para causar “vazamento” direto do fluxo dos nêutrons.
    Para outras coisas (interceptação) as cargas em questão (como W81/82 , se foram finalizadas) servem muito bem contando que vão ser detonados fora da atmosfera onde não ha absorção de energia das partículas.
    Pessoalmente acho pouco provável qq tipo de conflito nuclear entre Korea e US. Elite do Norte vive muito bem espremendo o povo com essa coisa de patriotismo e ameaça externa.Na primeira porrada eles vão perder tudo!Ja os yankees não vão provocar “o porquinho” pois isso vai devastar a península toda.Mesmo sem uso dos mísseis que americanos podem interceptar! É que existem OUTROS meios de trazer uma (ou algumas) cargas para Sul e detonar num hora de desespero.Alem das baterias da artilharia convencional com alcance razoável e milhares dos espiões do Norte que podem se infiltrar e destruir objetos da infraestrutura do Sul em horas.
    Trump é babaca mas … nem tanto.Tenho mais medo é dos generais americanos com “feridas” psicológicas que querem revanche e so rezam para “alguém” atacar algum barquinho mais uma vez como em 1964.
    Um grande abraço!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here