Home Conflitos em andamento Coreia do Norte dispara míssil em direção ao Japão

Coreia do Norte dispara míssil em direção ao Japão

3100
45
Lançamento de míssil balístico pela Coreia do Norte

Projétil sobrevoou a região Norte do país. Informações são da rede de televisão NHK

Um míssil norte-coreano sobrevoou o Norte do Japão na noite desta segunda-feira (28), manhã de terça no horário local, informou a rede de televisão NHK. O governo pediu para que os moradores da região da ilha de Hokkaido fiquem em alerta.

Ainda que a Coreia do Norte já tenha enviado mísseis ao Japão – em 1998 –, o lançamento de hoje ocorre durante um momento de crescente tensão. Há um tempo que Pyongyang vem ameaçando soltar um míssil contra o Japão e o território de Guam, onde ficam duas bases militares norte-americanas. O projétil lançado nesta segunda caiu no Oceano Pacífico.

“Nós faremos o maior esforço possível para proteger a população”, afirmou o primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, à imprensa.

O míssil, que se partiu em três pedaços no ar, foi lançado às 5h58 (horário do Japão) da região Sunan, ao Norte de Pyongyang, onde fica localizado o Aeroporto Internacional da Coreia do Norte.

A situação desta segunda representa um perigoso marco no governo de Kim Jong Un. O ditador ordenou o lançamento de 18 mísseis somente neste ano. Seu pai, Kim Jong II, disparou 16 projéteis durante os 17 anos em que esteve no poder. No último final de semana, a Coreia do Norte já havia testado três mísseis de curto alcance no mar entre o país e o Japão.

FONTE: Gazeta do Povo/Washington Post

45 COMMENTS

  1. EU DISSE EU DISSE… aposto que os japas foram pegos de calça nas mãos!

    Essa historinha de escudo antimísseis é balela pra acalmar a população, é uma falsa sensação de segurança. Não funciona na prática.

    E agora?

    Outra coisa, o missil se partiu em três! Pode ter sido uma demonstração da capacidade MIRV de Kim. No radar eram 3 pecinhas soltando mas na verdade teriam sido 3 ogivas se desprendendo na cabeça do míssil.

  2. Com uma exceção muita besteira ai para cima.
    Os Japas tem seu território bases dos Âmis, portanto….
    _____________________________]

    Bosco, caro Colega
    David’s Sling missile
    Patriot missile
    outros
    PODEM INTERCEPTAR esses brinquedos dos Norte Koreas ?

  3. Carlos,
    A média de distância da CN ao Japão é de 1000 km, que está no limite do sistema Patriot e no início da faixa de alcance do SM-3, lançados de navios.
    O Patriot poderia ser utilizado para defender a parte sul (mais próxima da CN) e a parte mais ao norte seria coberta exclusivamente pelos mísseis lançados dos navios (SM3).
    O ideal é que o Japão adquirisse também o THAAD que salvo engano é operado lá pelos EUA. Ele opera bem nessa faixa intermediária, terra de ninguém, entre o Patriot e o SM-3.
    O Tammir (do David’s Sling) parece ter um envelope semelhante ao do Patriot PAC-3.
    Um abraço.

  4. Sub-urbano,
    Sem querer ser estraga prazeres na sua torcida pelo ditador da CN, mas há maneiras de rastrear com alta precisão a trajetória de um foguete lançado e se medidas não foram tomadas é simplesmente porque ela não oferecia risco e estava no espaço exterior quando passou “sobre” o Japão. Há regras que estabelecem o trânsito sobre países e acima de 100 km de altitude (limite convencionado para a atmosfera, além é o espaço) qualquer um pode passar. É assim que funciona! Além de não ser tolerado não iriam gastar um míssil de milhões de dólares para interceptar algo que não representou uma ameaça.
    Se fossem MIRVs, coisa que exige décadas de desenvolvimento e “centenas” de testes, seria fácil ser descoberto já que veículos de reentrada podem ser identificados e “reentram” rsrssss sendo acompanhados pelos radares até o “impacto” com a superfície.

  5. sub-urbano…
    .
    Primeiro de tudo: há alguma defesa AA específica naquela região do Japão? Até onde já li, o grosso das defesas anti-mísseis japonesas circundam Tóquio e outros grandes centros…
    .
    E caso houvessem defesas, já imaginou que esse teste norte coreano também teria como propósito servir de chamariz para testar a prontidão das defesas japonesas na área…?
    .
    Trinta mísseis é certamente um ataque. Um míssil sozinho pode ser tudo… É um dilema, portanto. E a menos que se tenha a certeza de que o petardo esteja em uma trajetória que coloque civis em risco, pode-se optar por não reagir.
    .
    Mais: as defesas anti-balísticas em solo dos japoneses são compostas pelos ‘Patriot’ PAC-3, que tem teoricamente a capacidade de interceptar artefatos como esse lançado pelos coreanos do norte, mas estariam no extremo do alcance efetivo dessa arma. Os destróieres AEGIS ( classes ‘Kongo’ e ‘Atago’, dotados do míssil RIM-161 ) japoneses é que teriam as melhores chances de interceptar esse míssil, caso houvesse algum deles na área. Por isso, aliás, que os japoneses trabalham hoje para ter novos sistemas de defesa aérea, mais capazes.
    .

    .
    E se essas defesas não são nada, então porque Putin está morrendo de medo com o escudo americano na Europa…? Porque os chineses deram a louca quando os americanos deslocaram uma “mísera” bateria de THAAD para a Coréia do Sul…?
    .
    Essas defesas funcionam, amigo… Os israelenses já provaram isso…
    .
    Evidente que não vão parar tudo. Mas a depender da densidade, podem tornar um ataque a ela algo bastante caro…

  6. A regra é que um míssil balístico vá 4 x mais longe do que consegue subir. Ou seja, para atingir um alvo a 1000 km de altitude ele tem um apogeu de uns 250 km. Ou seja, sai da atmosfera. Isso exige um veículo de reentrada construído de material resistente ao calor e com a aerodinâmica adequada que se destaca do corpo do míssil.
    Um míssil balístico com até uns 400 km de alcance (como os Scuds) não sai atmosfera e não tem uma ogiva destacável (veículo de reentrada), impactando com o alvo inteiro.
    Esse míssil lançado pela CN quando passou sobre o Japão com certeza estava acima de 100 km (acima da atmosfera) e portanto o termo “sobrevoou” é meio que equivocado. Um monte de coisas de outros países “passam por cima” do Japão, no espaço.
    O problema é que uma hora essa provocação pode dar errado porque se o motor falhar e o foguete lançado pela CN não conseguir atingir a velocidade ideal o sistema de radar japonês poderá considerar que está em curso um ataque real e isso, para um país que tem armas nucleares, é muito perigoso já que um simples míssil pode matar milhões de pessoas. O Ping Pong Lee III está brincando com fogo.
    Para o japoneses montarem uma arma nuclear é questão de… semanas.

  7. Há países no mundo que não têm armas nucleares porque decidiram não tê-las. Exemplos: Japão, Alemanha, Coréia do Sul, Suécia, Canadá.
    Do momento que mudarem de ideia até que um primeiro lote esteja operacional não levariam mais de 2 anos. O Japão e a CS poderiam fazê-las em muito menos tempo.

  8. Há tratados internacionais que estabelecem esse tipo de teste feito pela CN. Se ela não obedece as regras e salvaguardas desses tratados ou se seque é signatária deles ela está incorrendo em sério risco de só por conta desses testes ser alvo de uma ação militar. Por muito menos alguns países foram invadidos ou atacados e esse já está passando da hora tendo em vista a provocação contra os japoneses e sul-coreanos.

  9. A CN é um país nuclear, governado por um ditador, que não respeita a ordem internacional, não é signatário de tratados internacionais e que invariavelmente ameaça outros países com a destruição total. Ou seja, é considerado um “párea” entre as nações, por mais que alguns ocidentais achem isso altamente louvável e justificável contra a opressão capitalista.
    Infelizmente o mundo real é assim e manda quem pode e obedece quem tem juízo.
    A política do galinheiro existe desde que os hominídios resolveram sair das árvores e sempre será assim e o dia que não for o detestável USA será outro, e outro, e outro… até o fim dos tempos.
    Voltando ao assunto “Coréia do Norte” essa conjunção de fatores faz dela um país poderoso por ter armas nucleares, mas ao mesmo tempo o feitiço pode virar contra o feiticeiro. É intolerável que um país detentor de armas nucleares realize testes com mísseis balísticos fora de regras minimamente estabelecidas. No primeiro lançamento de teste não informado com antecedência e já seria legítimo um “contra-ataque” nuclear. A batata do Ping Pong tá assando e por culta todinha dele . Quando seu pai morreu houve uma esperança que ele poderia abrir em direção à racionalidade e o mundo ficou na expectativa mas o sujeito simplesmente achou melhor ser mais irracional e bizarro que o pai e o avó.
    Depois não venham culpar os imperialistas! Agora todo mundo fala que a CN tem uma super artilharia, uma super defesa antiaérea, milhares de foguetes, ICBMs, MIRVs, ogivas PEMN, etc., depois os mesmos que exaltam o ditadorzinho vão falar que os EUA só chutam cachorro morto.

  10. Armas nucleares colocam medo mesmo , o Japão marcou , já deveria ter as suas nukes esses tratados de meia tigela não dão futuro seguro a ninguém.

  11. Tem outra coisa essa historia de atacar a Coreia do Norte deveria ter sido a tempos lá trás , teria sido bem mais fácil.

  12. Bosco 29 de agosto de 2017 at 9:43

    Não torço para o Kim vencer.

    Só disse que essa historinha de Escudo antimísseis é mais um factóide para segurar as bolsas de valores com o argumento de que “estamos imunes aos misseis balisticos”.

    Assim como os USA instalou patriots em Israel em 1991 pra acalmar a opinião publica. Oq não evitou os danos causados. Segundo a wikipedia: “Extensive property damage was also caused, and according to Israel Ministry of Foreign Affairs, “Damage to general property consisted of 1,302 houses, 6,142 apartments, 23 public buildings, 200 shops and 50 cars.”

    Isso fora os mortos e feridos que passaram de 300.

  13. Sub,
    Nunca vi ninguém dizer, achar ou sugerir que “estamos imunes”. Muito pelo contrário. Quem supervaloriza o tal “escudo” são os russos e suas sputinices já que vira e mexe eles desenvolvem mísseis dos mais variados para escaparem desse “escudo”. Os americanos e seus aliados só fazem o dever de casa que é tentar mitigar um possível ataque com armas de destruição em massa levado em curso por mísseis balísticos. Esse sistema de defesa é tão “imune” quanto o S-300 russo ou qualquer outro sistema de defesa antiaéreo que não visa ser perfeito como um escudo defletor mas apenas e tão somente fazer o inimigo pensar se vale a pena atacar.
    Quanto aos mísseis Patriot em 91, aquela era a primeira tentativa de adaptar mísseis sup-ar antiaéreos à função antibalístico. Foi um aprendizado e de lá pra cá muita água passou debaixo da ponte. Hoje, espera-se que os sistemas antibalísticos estejam mais efetivos, sem querer serem perfeitos que logicamente não são.

  14. Essa história de ficar “em cima do muro” ainda vai custar caro naquelas bandas.
    O KING KONG JR parece aquele bandido que não tem nada a perder com refém em situação de negociação e todo mundo já viu onde isso sempre acaba.

  15. Bosco 29 de agosto de 2017 at 10:20, isso ia comentar.
    O Japão pode ser pequeno mais detém muito conhecimento e praticamente em todas áreas de tecnologia o único ponto fraco talvez, seria a matéria prima.
    Agora nuclear eles já mostraram que tem de sobra!
    Faz algum tempo que eles estão dando sinais que querem “chutar” esse tratado.

  16. O Japão já tem seus foguetes para fazerem um ICBM é do dia para noite, e o H-IIA é um foguete poderoso que já foi usado para colocar uma nave em órbita da lua e uma sonda em Vênus.

  17. Essa provocação da Coreia do Norte não tem igual. Depois da Segunda Guerra Mundial neh uma nação disparou um míssil balístico sobrevoando o território do potencial adversário ( a URSS nunca fez isso com a OTAN, Índia nunca fez isso com o Paquistão, etc e vice versa esses exemplos.

    Não dá para continuar assim. A comunidade mundial precisa emparedar a China e a Russia. E se não houver jeito partir para uma medida mais rigorosa contra a CN.
    P.S. Ainda bem que não temos mais o Governo do PT. Senão eles estariam emitindo uma nota passando a mão na cabeça da CN.

  18. Muito fácil resolver, pega um b-2 e sobrevoe a CN e mostre ao mundo todo e veja o que o Kim irá fazer. Eu chuto nada. Pronto mostra ele que em Washington tem um louco tbm com muito mais poder de fogo. Assim que tem quer ser uma política assertiva

  19. Só me pergunto se houver um erro, um desses testes falhar e o míssil cair em território japonês ou coreano.. digamos “por acidente”… O que o gordinho vai diria? Desculpa ae? Uma vez li no aéreo o seguinte: Míssil também erra.

  20. Fabiano,
    Tirando a capacidade nuclear a Coréia do Sul é mais poderosa que a Coréia do Norte. Só ela já ganharia uma guerra contra seu vizinho. Uma coalizão então, e a Coreia do Norte capitularia em uma semana, se tanto.
    Por que então não fazem? Ora! Porque há implicações políticas com a China e os norte coreanos possuem armas nucleares que podem ser lançadas contra uma cidade sul-coreana ou japonesa.
    É simples assim!!!

  21. “Implementação japonesa [ editar ]
    O JMSDF equipou três navios para LRST e engajamento: JS Kongo , JS Chokai , JS Myoko , e em 2010 o JS Kirishima . [22] [23] O ministro das Relações Exteriores do Japão, Hirofumi Nakasone, e o ministro dos Negócios Estrangeiros da Coréia do Sul, Yu Myung-hwan , concordaram que, no início de 5 de abril de 2009, o lançamento [24] do satélite Unha-2 da Coréia do Norte violava as resoluções da ONU 1695 e 1718 de julho de 2006. O gabinete do Japão examinou a aprovação de um compromisso JMSDF AEGIS BMD no caso de uma falha no lançamento da Taepondong. [25] [26] [27] [28] O governo japonês também observou que poderia ignorar o gabinete para uma intercepção nos termos do Artigo 82, Secção 2, parágrafo 3, da Lei das Forças de Autodefesa. [29] No total, 5 destruidores da AEGIS foram implantados naquele momento. [30] A capacidade de interceptação foi um uso de 2 níveis [31] de SM-3 na fase de impulso e Patriot PAC-3 no caso de reentrada no espaço aéreo japonês durante uma falha potencial. [32] Suplementar à capacidade do SM-3 o sistema japonês incorpora um componente no ar. A discriminação conjunta entre testes de plataformas e lançamentos de satélites é possível analisando o ângulo de subida. [33]”
    Fonte Wiki

  22. Existe um filme sobre a guerra da Coreia onde nas negociações de paz entre americanos e chineses se cria um impasse sobre uma colina totalmente sem valor estratégico, mas onde alguns batalhões americanos estão sendo dizimados para manter.

    Um coronel americano pergunta a outro:

    – Porque tanta discussão sobre uma colina que não vale nada?

    O colega responde:

    – Estão testando até onde estamos dispostos a ir…..

    Os mísseis coreanos no mar do Japão são os mísseis soviéticos no mar do Caribe em 62

    Saudações

    Ah ! Lembrei…o filme é “Os bravos morrem em pé” com o Gregory Peck. está disponível no youtube

  23. August,
    A furtividade de um míssil balístico seria interessante no momento do lançamento e na fase de impulso, que é quando ele fica visível aos satélites de alarme de lançamento de mísseis em posição geoestacionários e que são sensíveis à chama do motor foguete. Nessa fase ele geralmente está fora do alcance dos radares do inimigo (alvo) e não faz diferença se ele tem grande assinatura radar ou não.
    Na fase intermediária quando passa a ficar visível aos radares geralmente as ogivas (veículos de reentrada) já são naturalmente stealths. Elas têm forma cônica, o que favorece à redução da assinatura e RCS na faixa de menos de 0,1 m².
    Ou seja, bastaria que alguém desenvolvesse um motor foguete que não gerasse calor que já seria suficiente para mexer com todo o equilíbrio da balança nuclear. Se só as ogivas pudessem ser detectadas não daria tempo para um contra-ataque antes que a primeira onda de misseis inimigos “aterrissasse”.
    Mas a coisa é um pouco mais complexa. No caso por exemplo dos EUA eles têm estações de radar situadas em todo o mundo que mesmo que os satélites de alerta não dessem o alarme eles conseguiriam detectar o lançamento via radar.
    A forma cilíndrica de um míssil balístico tem reduzida assinatura radar e não tem como ser diferente tendo em vista que o míssil sobe girando. Não teria como aplicar alguma técnica de forma ao cilindro já que diferente de aviões um foguete não tem um lado que está voltado para o inimigo.
    O que talvez possa ser tentado é alguma aplicação de material RAM em um míssil tático ou de curto alcance mas eu pelo menos nunca vi nada a respeito disso ser feito.

  24. Vale salientar que motores foguetes que não geram chama e calor estão sendo desenvolvido para dotar mísseis. Hoje já está generalizada o motor foguete sem fumaça (ou com emissão de fumaça reduzida) que dificulta a detecção do míssil de dia, mas se quer algo mais para que mísseis antiaéreos possam ser mais furtivos e se pesquisam compostos (propelentes) que não emitem na faixa do visual e nem do IR.

  25. Bosco 31 de agosto de 2017 at 9:18
    Simples assim não complicado rsrsrsrsrs.
    A questão que quero dizer é que quanto mais tempo der ao cachorrinho de estimação chines pior é.

  26. Quanto ao gordinho que se queime.
    Mas convenhamos ter armas nucleares e ter capacidade de lançá-las é com certeza a melhor defesa que um país pode ter , vejamos quanto é complicado atacar um país assim.
    E sempre achei que o Brasil deveria ter , não para atacar atoa ninguém, e sim dissuasão .
    Tem gente que não concorda , tudo bem amém .

  27. “Bosco 29 de agosto de 2017 at 10:30
    Há países no mundo que não têm armas nucleares porque decidiram não tê-las. Exemplos: Japão, Alemanha, Coréia do Sul, Suécia, Canadá.
    Do momento que mudarem de ideia até que um primeiro lote esteja operacional não levariam mais de 2 anos. O Japão e a CS poderiam fazê-las em muito menos tempo.”
    .
    Eu colocaria o Brasil nesta lista também… Capacidade nós temos, só não queremos. E o dia que quisermos, aí faltará a vontade.

  28. Jeff,
    Talvez você esteja certo, mas para se fazer algo é preciso ter necessidade, vontade, dinheiro e expertise. Sem dúvida não falta expertise ao nosso país mas temo não termos os outros três ingredientes. rsrssss
    Mas claro, havendo a necessidade haverá a vontade e o dinheiro aparece. O principal, que é o know-how, também creio que temos. Talvez leve mais tempo que os países que citei, mas acho que em cinco anos estaríamos aptos ao primeiro teste.
    O Brasil com bomba nuclear governado pelos nossos renomados e patrióticos homens públicos será realmente algo interessante de se ver. rsrssss

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here