Home Exército Brasileiro Manobra Escolar da ESA – Escola de Sargentos das Armas

Manobra Escolar da ESA – Escola de Sargentos das Armas

9883
20

Três Corações (MG) – No período de 23 a 27 de outubro, os alunos do Curso de Formação de Sargentos 2017 da Escola de Sargentos das Armas (ESA) realizaram a Manobra Escolar da ESA nas cidades de São Bento Abade, Luminárias, São Tomé das Letras e Três Corações, todas no estado de Minas Gerais.

O exercício transcorreu dentro de um quadro tático fictício de uma manobra convencional, materializando no terreno todo conteúdo teórico ministrado em salas de aula na Escola.

O Corpo de Alunos da ESA foi inserido no exercício compondo os meios da 55ª Brigada de Infantaria Leve (55ª Bda Inf L), composta por:

  • Curso de Infantaria representado pelo 551º BIL;
  • Curso de Cavalaria representado pelo 55º Esqd C Mec;
  • Curso de Artilharia representado pelo 55º GAC L;
  • Curso de Engenharia representado pela 55ª Cia E L; e
  • Curso de Comunicações representado pela 55ª Cia Com L.

Os futuros terceiros-sargentos combatentes de carreiras do Exército Brasileiro adestraram-se e puderam finalizar os preparativos para a execução da Manobra Escolar do Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEx), a ser realizado com as Escolas de Formação no período de 6 a 17 de novembro, na cidade de Resende (RJ).

A Manobra contou com participação de diversos meios oriundos de outras organizações militares, que enriqueceram e contribuíram para a melhor formação dos alunos. Outras organizações militares também marcaram presença no exercício como: 13º RC Mec, 32º BIL, 17º B Log L, 4º B E Cmb, 14° GAC, 4º Esqd C Mec, 4º GAC L, 2ª Cia Com L, 4ª Cia Com L (Mth), CPOR/SP, 10° BIL e Bia C AD/1.

Ao término da jornada, foram percorridos mais de 50 km, em marcha, dentro da situação tática do exercício, empregando cerca de 1.300 militares e 130 viaturas. Buscou-se o máximo de realidade nas operações com a finalidade de colocar em prática, no terreno, o conteúdo teórico ministrado em sala de aula.

FONTE: Exército Brasileiro

20 COMMENTS

  1. Também concordo Pablo. Um dia nossas forças armadas terão o devido respeito e importância que merecem de nossos dirigentes políticos, tomara que não seja tarde, quando isso acontecer.

  2. Os soldados parecem aquelas atrizes de novela mexicana que maquiam só o rosto; aí o pescoço e as demais partes brilham que só!!!
    🙁

  3. Conheço bem essa região, o Pico do Gavião. Local muito bonito.
    * * *
    João Augusto 7 de novembro de 2017 at 12:10
    Diz que uma das saraivadas de ensaio caiu lá em Machu Picchu
    * Com certeza João Augusto os malucos da área fizeram reverências ao deuses alienígenas.

  4. Saudade nao se explica. Sente-se.
    Há 53 anos passei pela ESA e me parece que foi ontem.
    – Escola de Sargentos das Armas, bom dia!
    – Bom dia, meu Comandante!
    Em 1986 meu filho também passou pela ESA. Infelizmente nos deixou em 1998 como Segundo Sargento.
    Do alto de meus 74 anos, tendo que pagar de meu próprio bolso todas as minhas despesas médicas, já que nosso GLORIOSO EXÉRCITO foi relegado a
    uma situação vexatória e falimentar, olho para trás com saudades e revolta. Onde se esconderam as lideranças militares?
    SALVE GLORIOSA ESCOLA DE SARGENTOS DAS ARMAS!
    S.O.S. PÁTRIA AMADA, “sempre tão distraída e não percebe que está sendo subtraída”..E traída!
    Por traíras…

  5. Eu também conheço bem esta área, só que de uma forma não muito agradável, a 23 anos atras. É inóspita, tem pouquíssima água e uma parte é terreno acidentado e difícil. Descemos à noite do pico do gavião. Base da infantaria é amais próxima dele. bem no sopé a beira do riacho ( o despertador da manha para “o sangue subir pra cabeça” quando a água chega na pleura). Mas gostaria de revisitar.
    É uma honra cumprimentar um colega mais antigo Basílio. Receba minha continência.

  6. ´verdade absoluta Basílio, tive a honra de servir ao NOSSO GLORIOSO EXÉRCITO BRASILEIRO no ano de 1981 no CPOR DO RIO DE JANEIRO como soldado,tive apenas bons exemplos dentro do quartel me ensinaram a ser soldado e cidadão,já naquela ano o meu comandante coronel Athos Marques de Amorim da arma de cavalaria já alertava para o governo civil que iria assumir o governo do Rio de Janeiro a partir dai o Rio de Janeiro virou um lugar dominado pelo crime. amei,amo e sempre amarei o meu GLORIOSO EXÉRCITO BRASILEIRO BRASIL ACIMA DE TUDO.

  7. Seal e Nobre, como dizem não existem na verdade ex padres e ex militares. Uma vez fardado, sempre a farda estará debaixo da pele.

  8. É verdade caro colombelli,me lembro que aprendemos a atirar no stand da quinta da boa vista ao lado do zoologico para quem conhece o Rio de Janeiro vai entender o que vou falar,nossas instruções se davam em gericinó e no forte de imbui em niteroi.hoje se não me engano lá funciona o curso de comando e ações do nosso exército.hoje moro com a minha família na cidade de Porto Velho estado de RONDÔNIA,MEUS COLEGAS DE FARDA,aqui nessa região do nosso imenso Brasil, hoje vivemos um verdadeiro clima de guerra todas as brigadas de infantaria de selva estão sempre em prontidão prontas para entrar em guerra se for preciso as operações são constantes e são bem treinados equipados e motivados a defender essa região ainda riquíssima em minerais,metais preciosos como o nióbio, madeira e de toda riqueza do gigantesco manancial de água doce do planeta,meus amigos da mesma maneira a Força Aérea Brasileira com os seus helicópteros e aviões no caso de Porto Velho esquadrão POTI E GRIFO,hoje em dia sou um cidadão comum,mais fico feliz de ter contribuido com a proteção do nosso maravilhoso Brasil pois todos nós sabemos quem estraga este país chamado Brasil,nosso papel agora como cidadão é tirar esses políticos não comprometidos com o nosso país apenas pensando em seus interresses pessoais.viva! a todos os soldados que defendem nosso amado Brasil.

  9. Minha continência a todos os militares do nosso Exército. Também tive o orgulho de servir aqui na fronteira oeste. Como disse o Colombeli, não existem ex-militares e sim aqueles que um dia estiveram em serviço ativo na defesa do país e hoje o fazem como cidadãos. Este infante de 50 anos ainda tem no sangue e nos olhos o mais ardente desejo de um país digno e de forças armadas reconhecidas condizente com a grandeza do nosso país. Sim. Somos um grande país. Apenas somos administrados por espertalhões, infelizmente. Ainda hoje, tenho meu cantil e minha farda pendurada no guarda roupas e todos os dias quando o abro a saudade bate forte. Não passou e jamais passará.

  10. Ivanmc 8 de novembro de 2017 at 11:06
    Quando ainda vejo o FAL eu fico triste.
    .
    O FAL ainda é sim uma bela arma. Ex-combatentes ingleses, australianos, neo-zelandeses e muitos outros sentem saldados do FAL e axaltam sempre a robustes e simplicidade deste fuzil mesmo em sitações de combates tanto na áfrica quanto aqui no hemisfério sul. Ele combateu sobre todas as condições climáticas imagináveis. Desde as selvas do Vietnã às savanas africanas indo até as gélidas temperaturas das ilhas Malvinas.
    .
    Dito o acima, é natural a substituição dele após mais de 50 anos de serviços prestados e o IA-2 em que pese ainda estar em desenvolvimento (até o AR-15/M-16, passou por tudo quanto é tipo de problemas no Vietnã e sua 1ª versão realmente aceitável foi o M16-A1 em 1968), tenho recebido alguns bons feedbacks de amigos fuzileiros navais que, sim, estão pedindo mudanças, o que é normal.
    .
    Por enquanto está em implantação e testes nas tropas das forças armadas onde mais de 20 mil foram já encomendados e achei correto manter o calibre 7.62 junto ao 5.56.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here