Home Noticiário Internacional Robô Atlas da Boston Dynamics agora dá cambalhotas

Robô Atlas da Boston Dynamics agora dá cambalhotas

2319
34
Robô Atlas

A Alphabet vendeu a Boston Dynamics ao SoftBank no início deste ano depois de adquiri-la em 2013

A empresa de robótica Boston Dynamics que a Alphabet vendeu recentemente para o SoftBank publicou na quinta-feira um novo vídeo que mostra um dos seus robôs mais conhecidos dando uma cambalhota.

Enquanto alguns outros robôs foram exibidos executando cambalhotas no passado, o robô Atlas de duas pernas da Boston Dynamics nunca tinha sido visto fazendo um. Para enfatizar a conquista, a Boston Dynamics reproduz o movimento em câmera lenta duas vezes no vídeo do YouTube. Uma queda também é mostrada no final.

O Alphabet adquiriu a Boston Dynamics e outras pequenas empresas de robótica em 2013. Em junho de 2017, o Google se desfez e o grupo de robótica Schaft foi para o Softbank. Os termos não foram divulgados. A robótica é uma área que foi vista como uma oportunidade de redução de custos para a Alphabet pelo diretor financeiro Ruth Porat.

Vários grupos de pesquisa acadêmica basearam-se no Atlas para superar a competição DARPA Robotics Challenge em 2015.

Aplicações militares futuras para robôs humanóides já estão sendo pensadas e o que vem logo à mente é o robô da Skynet do filme Exterminador do Futuro.

Embora o robô Atlas esteja ainda longe do robô Terminator da ficção científica, versões armadas ligadas à nuvem e com capacidade de troca rápida de baterias poderão substituir ou complementar soldados humanos em muitas missões em um futuro não muito distante.

34 COMMENTS

  1. Com a vinda desses robôs altamente tecnológicos sera que os humanos deixarão de integrar as forças especiais? Digo isso porque a cada dia estão mais ágeis, a inteligencia artificial esta avançando, com uma boa armadura poderiam tomar vários tiros e também poderiam ser remotamente controlados. Pelo preço não seria nada econômico substituir um exercito inteiro por robôs, também seria perigoso por conta dos hackers, porem um batalhão seria de grande utilidade.

  2. Opinião.
    O melhor a se fazer é rodar um programa em uma memória fisica não regravada e que se removida danifique de tal forma que o robo vire lixo.
    Uma vez no campo de batalha ele extermine tudo.
    Assim cumprido o programa ele se destroi.
    Utilizado somente em ambiente altamente contestado e de dificil acesso, a tropas humanas.
    Pois será ingenuidade ter um linke para comunicação de objetivos.
    Pois o inimigo certamente, pode demorar mas ira raquear e converter um inimigo em amigo. E nem gastou dinheiro para fazer uma maquina desta.
    Só vislumbrando o conflito em 2100.
    Abraços.

  3. Estes robôs podem sofrer com guerra eletrônica? Magnetismo? Fogo? Eu acredito que o temor de alguns para o emprego de robôs em guerras seja um exagero. Na verdade eu acredito que serão muito úteis na vida civil, como trabalhadores rurais ( pegando na enxada e colhendo frutos selecionados) da indústria e como serviçais domésticos ou para fazerem cirurgias médicas… Mas para guerra eu acho um desperdício de dinheiro. Eu acredito que qualquer arma “lança chamas” destrói estes robôs.

  4. Também acho que dado aos custos e aos riscos de serem hackeados ou de sofrerem um ciberataque que danifique o software/hardware, os robôs despontam como opções para cenários hostis como: ambientes radioativos, químicos e bacteriológicos, etc. O fato dos robôs não estarem conectados a um link não necessariamente os tornariam imunes a cracker’s pois uma hora ou outra seria necessário uma atualização do sistema, um recarga ou substituição de algum hardware e isso implicaria em ligar a máquina e ter algun contato externo….que o diga o programa nuclear iraniano.

  5. Os robos seram usados em missoes de forcas especiais para levar equipamentos. Ja há robos pequenos baseados nos robos de desarme de bombas para assaltos em casas. Um exercito de robos armados tbm serviriam para uma batalha urbana tipo fallujah.

  6. Se Vende:
    1997 Leopard 1A5
    Price:$280,000.
    Santa Margarita, CA
    This tank is in top notch running condition. Ready to go. It has been disassembled, cleaned and all fluids topped off. 100% combat-ready! In the U.S. with new road wheels. This tank has been zero timed and runs fantastic. It is so clean – you could eat off the floor!

    http://www.armyjeeps.net/1997Leopard/index.htm

  7. Joao Moita Jr 17 de novembro de 2017 at 10:04

    Agora penso que o ano de fabricação não bate pois os Leo 1 deixaram de ser produzidos nos anos 80

  8. O problema para a utilização prática ainda é a fonte de energia. Baterias são pesadas e duram pouco. Utilizar motores de combustão interna ou microturbinas pode não ser prático, as células de combustível não são muito eficientes e microrreatores de fusão nuclear não existem. rsrssss
    Eles só serão eficientes quando houver fontes de energia avançadas que possam fazê-los operar por pelo menos umas 24 horas corridas e com um tempo de recarga contado em minutos ou com uma facilidade de troca de baterias (ou de reabastecimento da célula de combustível) prática e rápida.
    O fato de terem algum controle humano via RF não é relevante na maioria dos cenários e onde for relevante ele deverá ter capacidade de operação autônoma. No caso de operação controlada as ordens humanas podem ser relativas à escolhas básicas, como por exemplo, ir aqui ou ali, ou relativas ao reconhecimento de alvos válidos e ordem final de tiro. Também deverá ser possível a “imersão total” com o robô imitando os movimentos de um operador humano remoto, se não em toda a missão, pelo menos nas fases mais críticas. E isso no melhor estilo “exoesqueleto” ou “mechas”
    Ma não duvido que possam ser operados de forma independente, sem controle humano, a la “Terminator”. Imagino que possam ser utilizados em missões de reconhecimento penetrando furtivamente em território inimigo, permanecendo por dias (desde que o problema de energia seja resolvido) e enviando seus dados eventualmente.

  9. Concordo com o Bosco no que tange a fontes de energia enquanto este problema não for resolvido acho inviável , até acho impressionante as habilidades do Atlas, más em se tratando de guerra, muito provavelmente a forma humanoide e bípede não passa de visão romantizada do que está por vir, o mais provável que no futuro os “robôs de guerra” se pareçam mais com os insetos, que são organismos muito mais eficientes em se tratando de combate. Cito por exemplo alguns insetos que carregam varias vezes o próprio peso, mantém a habilidade de luta mesmo faltando membros é até órgãos inteiros faltando.

  10. Sinceramente acho uma péssima ideia esse tipo de desenvolvimento, por maiores que sejam as vantagens não compensa, daqui a uns 100-150 anos a humanidade vai estar dominada por essas máquinas…

  11. Alex,
    Tem coisa pior! Olha o que tá acontecendo na Europa. rsrsss
    Mas muito provavelmente, se alguma forma de dominação ou ditadura teocrática não interromper a evolução natural da tecnologia, o ser humano será combinado com essas máquinas e será dono da sua evolução, agora, não natural, mas artificial, como no filme “A.I.”. Já se fala hoje da possibilidade da “mente” humana ser transferida (ou replicada) num futuro não muito distante e não duvido que dentro de uns 1000 anos a forma biológica seja considerada ineficiente.

    Smoking,
    Primeiro há de colocarem um reator de fusão de tamanho grande pra funcionar rsrss, aí depois eu acredito que irão diminuir o tamanho dele.

  12. Parece um pouco aqueles “robôs soldados” do filme Robocop (2014).
    Vale lembrar uma coisa aqui. A informática dos anos 1950 até 1990 evoluiu de maneira gradual e depois explodiu, tanto que essa informática que possibilitar a gente “debater aqui” tem apenas 26 anos.
    Acho que ainda a robótica andará um pouco devagar, mas vai chegar a hora do seu “bum” em algum momento, daí sim veremos robôs mais parecidos com os dos filmes.

  13. Bosco 17 de novembro de 2017 at 12:34
    “num futuro não muito distante e não duvido que dentro de uns 1000 anos a forma biológica seja considerada ineficiente”

    Eu acredito que isso possa ocorrer bem antes, e que essa conclusão seja atingida pelas próprias máquinas assim que atingirem a tão famosa singularidade (o que se prevê que ocorra até 2050).
    O fato é que atualmente nós já temos uma dependência muito grande dos computadores, e uma vez que eles adquiram auto consciência e se tornem mais inteligentes do que nós (com uma dependência homem-máquina ainda maior no futuro) a raça humana estará, mesmo que involuntariamente e sem perceber, sob domínio da inteligência artificial, e isso é inevitável. O ponto é, a partir deste momento, onde todo o nosso conhecimento estiver nas mãos das máquinas e qualquer função possa ser desempenhada por elas (até mesmo auto replicar-se) sem a necessidade da intervenção humana, nós poderemos ser considerados inúteis, ou até mesmo uma ameaça, sem contar que elas poderão se considerar uma entidade superior e podem não gostar da ideia de curvar-se ante a um ser inferior (humanos). Eu sei, a ideia é clichê, mas é plenamente possível, como também é possível que a humanidade a partir da singularidade nunca mais precise trabalhar e a inteligência artificial nós sirva, como nós servimos nossos “pets”. Enfim, as hipóteses são muitas, e ao meu ver é impossível fazer qualquer tipo de previsão para além de 2050 e justamente por isso, qualquer possibilidade deve ser considerada e devemos nos preparar para todas elas.

  14. sinistro, esses americanos não brinca quando o assunto é tecnologia militar, e tem gente que acha que eles estão falindo, e a China vão supera-los em tudo em 20 anos rsrs..

  15. Alessandro 17 de novembro de 2017 at 18:24
    “sinistro, esses americanos não brinca quando o assunto é tecnologia militar”
    Concordo, mas a Boston Dynamics pertence aos japas, e estes também não brincam em serviço tratando-se de robôs e inovação tecnológica.

  16. Sim Bosco,
    Na realidade pertence a um grupo financeiro que tem uma matriz no Japão.
    Sou de TI, e o que me assusta é a velocidade do IA que se antes andava lentamente, está começando a dar uns pulos. Muita gente boa acredita piamente que o IA vai acabar com uma boa parte da mão de obra qualificada e que em um futuro de médio prazo, não terá emprego para bem mais do que 50 a 60% da população, ou seja, a coisa vai ter que mudar senão…..
    Carros, ônibus autômatos (vide o Tesla), sistemas de inteligencia que pode substituir pessoas (IBM Watson que a cada ano está se aprimorando), musica sendo composta pelo Jukedeck são os exemplos mais claros do que temos hoje. Tem muito mais coisa ai..

  17. Bosco 17 de novembro de 2017 at 18:57
    “Boston Dynamics pertence aos japas???”
    Sim, é o que diz a matéria, que a Boston Dynamics foi vendida pela Alphabet (Google) para o SoftBank (multinacional japonesa de telecomunicações e internet).

  18. É, do jeito que as coisas estão indo, num futuro não tão distante, haverá exércitos de robôs, caças autônomos na 6ª geração e navios drones, a “Skynet” (Exterminador do Futuro, “Terminator” foi profética) está se desenhando.

    Off-Topic:

    Após o Haiti, a próxima missão de paz do Brasil vai ser a República Centro-Africana num contingente inicial de 1000 soldados.

    Sds

  19. Valeu pessoal! Confesso que não havia lido o texto e fui direto pro vídeo. Mas mesmo que tivesse lido não teria sabido que a empresa é japonesa.
    =
    Alexandre,
    Sem dúvida a “singularidade” deve ocorrer bem antes de 1000 anos. Esses mil anos que me referi seria relativo à completa eliminação do fator biológico caso haja uma transferência de mentes aos robôs.
    Haveriam robôs com origem humana e robôs com mente completamente artificiais, para desespero dos teístas.
    A.C.C. em sua obra faz referências mais de uma vez (inclusive em “2001”) a civilizações que evoluíram para a forma eletromecânica e inclusive como meio caminho para o penúltimo grau, a energética, antes de se alcançar o nível “espiritual”.
    Ele (assim humildemente, como eu) parecia acreditar que a única forma de alcançar o Criador seria por meio do conhecimento e da tecnologia e isso seria um processo civilizatório e não, individual. O ser humano transformado em algo mais que humano, num futuro longínquo, poderia ver a face de Deus e talvez alguma coisa de cada indivíduo que tenha existido esteja presente quando e se isso vier a acontecer.
    Os cientistas sim seriam os verdadeiros profetas e sacerdotes.
    Há um conto de ficção interessante, que não me lembro o autor e que li há décadas, que relata o futuro da humanidade a milhares de anos, futuro esse em que o ser humano domina todos os elementos da natureza e onde a única meta que restava atingir era achar o Criador. Após milênios de tentativas vãs chegam à conclusão que Ele não existe e resolvem voltar bilhões de anos no passado para plantar uma “singularidade” que faria com que o Universo surgisse.

    Um fato interessante é que mesmo que venhamos a ser destruídos no futuro pelos robôs, que se tornarão mais inteligentes e melhores que nós, não se poderá dizer que não é uma evolução humana.

  20. Com toda a certeza o fator limitante ainda é a capacidade de processamento, mas com o advento dos processadores de grafeno a partir da próxima década (quem sabe) essa barreira pode ser drasticamente rompida, já pensaram em uma interface homem-máquina, para resultar em um sistema de armadura bio-mecânica para soldados?

  21. Outra balela, como raio laser na atmosfera! Robôs terrestres nunca terão a mobilidade individual do Soldado Humano no campo de batalha. Com os Tipos Drones aéreos, aí a coisa é diferente…

  22. Esses robôs podem ser levados inativos pelos pelotões e ativados quando a coisa ficar quente. Tipo serem envolvidos em uma emboscada ou neutraliza um inimigo bem entocado que impede o avanço do pelotão. Ai eles seriam ativados e soltos para detonarem os inimigos ou servirem de dissuasão enquanto o pelotão ou escapa ou anula a ameaça.

    Nesse tipo de uso não precisa de bateria muito longeva não, mas o bicho tem que ser bem armado e blindado.

  23. já se discute a ética de se matar usando inteligência artificial
    vamos lá…

    uma máquina como essa pode ser programada para reconhecer quem esteja portando uma arma e atirar … isso sem medo, imagina uma fabrica dessas produzindo 10 20 30 milhões de unidades, com objetivo militar poderia controlar populações inteiras..

    estas maquinas poderão: construir prédios, varer ruas, colher uvas, plantarem, criarem animais… sacrifica-los ou seja, seria possível substituir boa parte da mão de obra no mundo,

    https://www.youtube.com/watch?v=L0K6Cb1ZoG4

  24. Impressionante essa matéria, os americanos estão testando aviões com AI, os quais até já pousam em porta-aviões sem controle humano, logo terão um batalhão desses robôs. E nós aqui discutindo quem roubou o quê, estamos muito atrasados. País sem pesquisa e educação de ponta acaba só exportando jogadores de futebol.

  25. Já avançaram muito na robótica. Por enquanto ele é quase que um “trambolhão”. Mas daqui um tempinho próximo, será mais ágil, processará mais informação e terá capacidade de pensar e adquirir conhecimento próprio. Quase duvidoso que o ser humano tenha capacidade para desenvolver uma obra prima como essa. Mas assim a tecnologia avança rápido, porém gradual para essa dúvida não pairar sobre as cabeças.

  26. (Globo lança campanha pela valorização do professor)
    Trilha: Ricardo Leão / Cantor: Arnaldo Antunes
    “Tem gente que faz chip
    Tem gente que faz site
    Tem gente que faz gente que faz chip, que faz site …”

    Então, assim como tem gente que faz chip, tem gente que faz robô.
    Gente que faz “chip” “processadores” etc…

    O primeiro computador era enorme. Depois os gabinetes grandes, depois gabinetes CPU menores. Hoje o celular é um computador, a televisão fininha, fininha (sem válvulas) é um computador, e sem a necessidade daquele enorme gabinete CPU.

    Tocamos na tela do celular, e as informações deslizam que é uma beleza.

    Tecnologia extra terrestre, coisa do capeta?
    Não! Coisa de gente que faz chip, que faz site, processadores, etc…

    Acreditamos que seja assim …

    Uma coisa é certa, a tecnologia não cai, ou é lançada toda de uma vez, senão a dúvida fica gritante.

    A próxima da vez serão os materiais que levitam, e também em vez de perguntarem quem fez, vão ficar maravilhados e será apenas mais uma tecnologia nova no mercado dos cegos, surdos e mudos.

  27. a intel esta também trabalhando nisso, além de vir por ai processadores quânticos…

    The Brain-Inspired Computing group at IBM Research built the first gesture-recognition system implemented end-to-end on event-based hardware. Combining the IBM TrueNorth neurosynaptic processor with an iniLabs Dynamic Vision Sensor (DVS), the team trained a spiking neural network to recognize 10 hand gestures in real-time at 96.5 percent accuracy within a tenth of a second from the start of each gesture, while consuming under 200 mW — much lower power than previous frame-based systems

    https://www.youtube.com/watch?v=g08IW-qRomM

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here