Home Divulgação Empresa recruta voluntários para missão de segurança na República Centro Africana

Empresa recruta voluntários para missão de segurança na República Centro Africana

8056
86

A empresa de segurança Aquila International está recrutando voluntários (militares da reserva e ex-legionários) para missão de segurança na República Centro Africana.

A Aquila procura militares da reserva ou ex-Legionários fluentes em francês para missão de segurança na República Centro Africana. Interessados devem preencher currículo no site da AQUILA (www.aquila01.com.br). Os selecionados serão entrevistas em francês.

A Aquila é a primeira empresa militar de segurança privada do Brasil. Ela é presidida pelo general da reserva Roberto Escoto e seus serviços incluem assessoramento, treinamento e apoio operacional especializado a governos (forças armadas e polícias), embaixadas, organizações internacionais, organizações não governamentais e empresas multinacionais que atuam em ambientes operacionais com real ou potencial existência de instabilidade, crise ou conflito armado.
A empresa, que só atua no exterior, recruta seus combatentes – a quem chama de operadores – entre militares da reserva da Forças Armadas. com experiência em tropas de elite, como unidades de operações especiais, paraquedistas e outras.
FONTE: montedo.blogspot.com.b

86 COMMENTS

  1. Isso não fere a constituição brasileira?

    XVII – é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;

  2. Agora todos sabem o que oficiais da reserva foram fazer na RCA.
    E não é apenas empreendorismo privado, mas uma forma de burlar restrições legais e de engajamento, impostas pela CF e pela ONU.
    Há suas razões.

  3. Pois é força aérea privada agora exército privado. Falta agora uma Marinha privada. Parece que o futuro será das forças armadas privadas né?

  4. Boa…a galera que apoiou a missão no outro post pode se voluntariar.

    Boa oportunidade para gastar um pouco dessa energia que vocês possuem para bater em seus teclados.

    Caso essa empresa dê certo, pode ser que, um dia, atue na Venezuela.
    Já pensou “professor”, que sonho você lá na Venezuela conhecendo o comunismo de perto?
    Seria sensacional. Caso seja necessário, pago até um curso de espanhol para que você não perca essa oportunidade.

  5. Há tá devo acrescentar também empresas espaciais privadas. No século 22 será a era das corporações privadas mandarem no mundo vai uma utopia! Em que filme eu vi isso hein??? Há Robocop, o vingador do futuro, o sobrevivente entre outros…

  6. Felipe Morais 11 de Janeiro de 2018 at 0:17
    kkkkk excelente!
    Eu sou absolutamente contra essa missão, assim como sou contra missão no Haiti, deixem isso para a super-potência: FRANÇA e seus habitantes árabes. Ou melhor, para os pacifistas da ONU (aqueles que ficam no prédio da ONU no centro de NY, no ar-condicionado, tomando café e assistindo programas de bumbum guloso na internet.
    Mandem essa turma, talvez eles voltem com a cabeça mudada.
    O mesmo vale para a Venezuela, escolhem Maduro, vão morrer com Maduro!

  7. Mais fácil recrutar lá pras bandas da Mauritânia e Argélia. Por aqui acho difícil achar alguém com esse perfil. Ainda mais o Francês.

  8. Melhor que o pacote de viagem do sindicato daqui pra ir pro RJ fazer protesto com Pão com salame, bala de borracha e porrada incluído.kkk
    Esse ae tem pisada em mina, golpe de facão, tiro de AK-47 ou .50 e outras improváveis surpresinhas.
    Brincadeiras a parte, tbm concordo com um forista que colocou no outro post que todo país que vende armamento deve ter o compromisso de ajudar na manutenção da paz. Temos sim nossos problemas internos, como as grandes potencias tbm os teem, mas ver as pessoas humildes que já não tem nada serem dizimadas por alguns que tem pouco mais e nenhum caráter e ainda desejar que morram com seus problemas é de uma covardia e desumanidade sem tamanho.

  9. Como assim “the FIRST Brazilian privite military and security company? First uma ova! e o PCC, o CV e etc… Isso daí é propaganda enganosa. rsrs

  10. Grande chance para os meninos da realidade virtual, dos banhos prolongados, dos softball, juizes machões, sobrivencialistas de youtube,… vamos lá todos, vamos caçar os comunistas em qualquer lugar e ainda ganhar uma grana. Por fim, calar aqueles que essa valentia toda é só atras das grades de um condominio.

  11. Renato Vargas 11 de Janeiro de 2018 at 3:54 – “… Por aqui acho difícil achar alguém com esse perfil. Ainda mais o Francês.”

    Engano seu, Renato. Temos muitos “Força e Honra” por aqui, “Operacionais” ou já aproveitando um sagrado e merecido “Descanso do Guerreiro”.

  12. Agora, nós temos nossa “Blackwater”. Mercenários treinados por militares do seu país conduzindo operações (i)legais e (ir)regulares. O que acontece nas empresas de segurança privada e transporte de valores com ex-policiais recebeu uma “melhoria”.

    Voltamos aos últimos anos do Império Romano – corsários terrestres e sem limites.

    Fallujah, Iraque, com centenas de vítimas civis e militares, foi uma lambança criada por abusos de meia dúzia de mercenários indisciplinados da Blackwater e teve que ser consertada pelos USMC com altos custos humanos e materiais. Prontos para outra?

    É melhor deixar a vaga para os Legionários e a própria Legião na RCA.

  13. O que mata é esse francês!!…é uma ótima oportunidade para chamar aquele mercenário louco brasileiro que foi combater lá na Ucrânia, pelo menos experiência em combate o cara já tem!

  14. Delfim;

    Os militares da reserva que foram designados para a missão são PTTC… Como já explicado por outros foristas, o PTTC é o militar da reserva contratado para determinada tarefa, por um tempo pré-definido… Eles prestam serviços à Força que o contratou… Alguns trabalham com Doutrina, outros com Gestão, e etc… É uma excelente forma de ser ter disponível aquela bagagem profissional acumulada por décadas…

    Já a Empresa em tela é uma PMC… Seus diretores não foram à RCA bancados pelo GF…

    Cada um no seu quadrado!

  15. Cenário light, repito com insistência.

    RJ em 1 ano teve quantos militares mortos mesmo?

    Adianto: 134 pm’s mortos em combate no RJ no ano passado.

    Em Monte castelo na WarII teve uns 150 mortos e deve ter pensão até pra bisneta aí dos pracinhas.

    HIPOCRISIA PURA

  16. Dub-urbano,não é hipocrisia,são contextos e situações diferentes. Vc acha mesmo que um policial lá nos EUA morto em troca de tiros com uma gangue vai ter o mesmo reconhecimento ou pensão familiar do que um tripulamte de tanque morto por um VIBED no Iraque? Não misture violência urbana interna com guerras declaradas entre países e conflitos etinicos religiosos

  17. Os Norte-americanos tem vasta experiência no uso de “empresas de segurança” para a proteção de instalações e VIPs….e inclusive também tradição em escândalos envolvendo essas empresas, vide Black Water.

    Em tempo, há uma imagem muito forte para um público vasto de que a FEB enfrentou um cenário secundário, com um risco menor, com tropas inimigas despreparadas, desmerecendo o sacrifício desses homens. Para qualquer soldado num buraco de trincheira e com inimigos à frente, sua linha de visada é o cenário principal, aliás, é o único que interessa!

    O soldado do 1º RI, por exe, que participou do ataque ao Castello nao tinha a possibilidade de, ao fim da operação, voltar pra sua casa, abrir uma cerveja e desabafar com a esposa sobre o dia difícil q teve. Com sorte, ele voltava pro QG recuado, isso se uma mina terrestre nao explodisse o caminhão onde ele estava ou um franco atirador alemão não o acertasse durante o recuo da tropa. O segundo ataque ao Monte Castelo, em 29/11/44, teve 31 mortos e 195 feridos. O terceiro, 12/12/44, 47 mortos e 83 feridos. Qual foi a operação policial que teve mais de 200 baixas de uma só vez?

    A ação policial envolve graves riscos, todos nós sabemos, especialmente aqueles que operam em repressão ao crime organizado. O policial é submetido à condições extremamente adversas, mas uma coisa é a ação policial, outra é a ação de um soldado das FFAA em teatro de guerra. Nao desmereçamos um pra valorizar o outro! Cada um tem sua importância dentro do seu contexto.

  18. Dodo 11 de Janeiro de 2018 at 11:07
    A diferença é que o policial morreu defendendo a população, o piloto do tanque morreu defendendo interesses políticos no mínimo questionáveis.

  19. A ação contra Montese e áreas circunvizinhas teve 34 mortos, 282 feridos e 10 desaparecidos em 48hr de operações. Foi uma das maiores concentrações de artilharias que os alemães fizeram em todo front italiano, com 3200 granadas lançadas.

  20. Alguém com intimidade com o direito militar Internacional pode explicar isso? Até onde eu sei o uso de mercenários é crime de guerra previsto pela convenção de Genebra.

  21. Hélio 11 de Janeiro de 2018 at 11:47

    Explica isso paras as famílias dos mortos em combate. Explica pra mãe q perdeu seu filho, orgulho da familia porque conseguiu fazer um difícil curso de sargento, e tava esperando uma missão onde pudesse mostrar a todos como estava disposto a lutar pela pátria e morreu numa emboscada das FARC num posto de fronteira lá na Amazônia.

  22. Lembrem-se, a Hollywood que diz que os “mercenários” não prestam e que em seus filmes são sempre os primeiros a morrer e da pior forma, é a mesma que diz que o AK47 é a arma do vilão.

    É só propaganda e contra propaganda, ora da ideologia do governo americano (ao demonizar a AK), ora da ideologia, um tanto quanto esquerdista, da classe artistica, demonizando a iniciativa privada e por vazes até mesma a policia. Já perceberam que nos filmes a policia “comum” sempre se ferra e/ou são sempre extremamente incompetentes?

  23. Luciano 11 de Janeiro de 2018 at 11:42
    Mas não existe margem nenhuma para essa comparação, a segunda guerra é uma coisa, os conflitos atuais são outra muito diferente, ainda mais os irregulares. O policial enfrenta o combate por 30 anos ininterruptos, o militar, se chegar a combater, combate por horas e depois volta para sua casa. Isso já é objeto de dezenas de estudo sobre o estresse dos policiais e os altos índices de suicídio.

  24. Se forem voluntários não remunerados não da pra falar que são mercenários sentido puro da palavra…
    .
    Existe alguma razão que tenham que ser voluntários? Não há remuneração? Tudo bem que existem muitos “doidos” por aí, mas geralmente isso envolve alguma ideologia, coisa que não parece ser tão fácil de compreender no caso dessa operação..
    .
    Sds

  25. Lembrando que o ToT brasileiro, principalmente no RJ, é considerado bastante intenso e militares do mondo todo vem pra cá aprender sobre combate urbano.

  26. Luciano 11 de Janeiro de 2018 at 11:57
    Eu acho que todos eles já sabem, só se lembrar dos veteranos e das famílias dos mortos da guerra do Vietnam.

  27. Já pode ser lançada para apoiar a oposição na Venefavela e conter o ELN, que rompeu a trégua na Colômbia. As FFAA Brasileiras devem estar bastante atentas a esse recrudecimento do narco-terrorismo no flanco esquerdo do CMA.

  28. Hélio 11 de Janeiro de 2018 at 11:48
    Alguém com intimidade com o direito militar Internacional pode explicar isso? Até onde eu sei o uso de mercenários é crime de guerra previsto pela convenção de Genebra.

    Hélio, os mercenártios não podem ser considerados combatentes, de acordo com o Direito Internacional para os Conflitos Armados (DICA)… dessa forma, eles não tem as garantias previstas para um membro regular das FFAA… mas não há menção de seu emprego ser crime de guerra:
    “3.3.5 – O termo “mercenário” designa todo aquele que tomar parte nas hostilidades essencialmente com o objetivo de obter uma vantagem pessoal e a quem foi efetivamente prometido, por uma Parte no conflito ou em seu nome, uma remuneração material
    claramente superior à que foi prometida ou paga aos combatentes com um posto e função análogos nas Forças Armadas dessa Parte.
    3.3.6 – Um mercenário não terá direito ao estatuto de combatente ou de PG, contudo, caso seja capturado, deverá ser dado a ele o mesmo tratamento digno dado aos PG”.
    Abraço…

  29. Cinturão de Orion, digo isso explicitamente em relação à língua francesa. Que temos combatente aptos a missão, não resta a mínima dúvida. Já em relação ao idioma, reitero o expresso no comentário anterior.

  30. Manuel Flávio 11 de Janeiro de 2018 at 0:15
    A Aquila é a ACADEMI Tupiniquim

    Na década passada militares brasileiros da reserva combatiam as FARC.

    —-
    Conte-nos mais….

    Apenas sei do episodio “traira”, onde militares de elite “foram atras” das FARCS e recuperaram tudo e UM das FARCS voltou para o acampamento com o aviso de que nao era para atravessar mais a fronteira… (esse paragrafo eh “ficticio”! – Ou nao? :-O )

  31. Renato Vargas 11 de Janeiro de 2018 at 14:27
    Caro XO, obviamente que esses “Mercenários” não devem usufruir das mesmas garantias que os regulares. Correto?

    Correto, pois não fazem parte de tropa regular, não usam uniformes e distintivos característicos das FFAA, dentre outros aspectos… abraço…

  32. Qual a novidade? Mercenário deve ser a segunda profissão mais antiga do mundo, atrás daquela outra. Existiu na antiguidade, na idade média (condottieri) e agora também na era moderna. Não é de surpreender que surja no Brasil. Bem que a empresa poderia contratar esses “jovens cheios de energia” que matam qualquer pessoa no sinal por causa de um tênis de marca.

  33. Colegas Foristas,

    Há uma grande distância entre ser um “jovem cheio de energia que mata no sinal” e estar apto a exercer o trabalho proposto…

    Sugiro olharem o site da empresa antes de falar o que dá na telha…

    E sim, há uma grande gama de tarefas de Não-Guerra onde se necessita de pessoal especializado para tal…

    Sobre Traíra, podem viajar, conjecturar, achar, mas não foram militares da reserva… A resposta ao incidente foi com Tropas Brasileiras, como havia de ser!

  34. Agnelo,

    Sou carioca e te digo:
    Metade destas mortes de PMs se atribui à guerra entre milicianos, mas a Globobo nunca vai dizer isso!

  35. Eu não mencionei combate por mercenário brasileiro às FARC no caso do rio Traíra:

    “Manuel Flávio 11 de Janeiro de 2018 at 0:15
    A Aquila é a ACADEMI Tupiniquim

    Na década passada militares brasileiros da reserva combatiam as FARC.”

  36. Leonardo 11 de Janeiro de 2018 at 15:36
    (…) Bem que a empresa poderia contratar esses “jovens cheios de energia” que matam qualquer pessoa no sinal por causa de um tênis de marca.
    ————————————————————-
    Mais ils parlent français?

  37. Não terão serviço.

    Sobre o Traira, foram elementos da FE que estiveram lá no incidente. Eu conheci o então capitão R, então servindo no 7º que foi um dos membros. O recado foi dado pra FARC.

    Piazada sem formação militar sólida não seria contratada. Olhe lá um CB NB conseguisse vaga se for de uma unidade bem operacional.

  38. Senhores
    Não ser amparado pelo DICA não “libera geral” pra se fazer o que quiser.
    Há o Direito Internacional Humanitário para isso.
    Há funções q as empresas privadas tem ocupado no lugar de FFAA. Por exemplo, o trabalho logístico na retaguarda e a segurança de VIP e instalações importantes. Para tanto, profissionais com experiência são contratados.
    Um Legionário não é mercenario. Pode ser alguém q gosta da ou é experiente na atividade militar e procura esta tropa.
    Essas empresas, como a citada Blackwater e essa congênere brasileira pode fornecer profissionais q já não podem mais atuar nas FFAA e com seu preparo podem desempenhar atividades q outros não podem.
    FFAA fazem uma coisa. Empresas privadas de segurança fazem outras.
    Cabe lembrar, q governos têm contratado essas, por outros meios (com laranjas), para executar operações onde sua bandeira não pode aparecer. na minha opinião, é uma provável ameaça esse tipo de emprego em nossa Amazônia.
    Sds

  39. Interessante.
    .
    Estamos pensando em ir na República Centro Africana, com tropas para manter a paz e não conseguimos fazer isto no Rio de Janeiro.

  40. No Brasil, as operações GLO seguem o dizer do Mal. Rondon quanto aos índios: “morrer, se preciso for; matar, nunca”. E acrescento: nem matar, nem ferir, nem abordar, nem prender, nem esculachar, nem interrogar, nem incomodar, nem assustar, etc.

    O negócio é espantar bandido com o uniforme – se isso der resultado.

    Seria o mesmo na RCA ou dá para trocar chumbo com os extremistas?

  41. Na operação Traíra em 1991,antes do EB atravessar a fronteira Colombiana, houve uma reunião antes na Colômbia entre o CMA e o Comando Colombiano, para evitar atritos entre os 2 exércitos. Unidades do Exército Colombiano ficaram mais ou menos uns 90 Km da fronteira, perto de uma base americana, bloqueando as rotas de fuga das Farc’s, enquanto as Unidades do EB atacavam os guerrilheiros e limpando o terreno. O EB só levou profissionais: unidades de Comando, guerreiros do 1° Btl de Guerra de Selva, 1º Cia de Forças Especiais e Tropas do Para-Sar. Foram recuperados uniformes, armamentos e rádios que tinham sido levados pelos guerrilheiros da Frente Simon Bolivar, que atacaram os soldados brasileiros de surpresa, na hora do rancho, matando 3 soldados e ferindo outros 9. Quando chegou no acampamento brasileiro, um dos cmt das farc’s perguntou quem era o cmt da unidade brasileira. Um Tenente muito ferido levantou o braço e disse, sou eu. Aí, levaram todos os equipamentos e rádios dos brasileiros. Sem comunicação, os mortos foram cobertos com cal até a chegada da tropa que iriam substituí-los.

  42. Hélio, bom dia.

    Ouvi dizer q há uma boa noção.
    Oficialmente, pelo q lembro, 7 guerrilheiros foram mortos aqui no Brasil.

    Dicionário das Batalhas Brasileiras.

    Sds

  43. Por que falam tanto da guerra no RJ se o índice de assassinatos em Sergipe, Alagoa e Ceará é ~ o dobro do carioca? E em quase todos os estados do N e NE é maior que no RJ…

  44. Sobre Traíra:

    Oficialmente, 12 guerrilheiros das FARC foram trucidados pelo EB.

    Mas como sabemos, o que chega a nós passa por diversas peneiras. Ouvi isso diretamente de uma policial civil.

    Alguém tem idéia do número real?

  45. Ficou mal-escrito:

    A “peneira” se refere às ações policiais, mas creio que com operações como as do EB seja a mesma coisa.

  46. Rodrigo Martins Ferreira,
    o fato de produzirem propaganda não significa que ela surte os efeitos desejados. Mas que há propaganda em relação ao AK47, há.

  47. Perfeitamente Talisson! Para Hollywood, o AK sempre é retratado com a arma do vilão! Mocinho só pega em AK se suas balas acabarem e tiver um kalashnikov no chão. É ainda um reflexo da propaganda da Guerra Fria.

    Dentro da comunidade que realmente atira/gosta de armas, isso não cola. Mas no grande público, cola sim!! Mostre pra uma criança/leigo americano dois homens perfeitamente iguais; um de AK e outro de AR. Adivinha quem ele(a) vai achar que é o vilão….?

  48. Ivan Bc, Helio. Como o Agnelo falou, no total foram 12(7+5). Do lado colombiano fala-se em 62 mortos e 100 capturados, já que não foi permitido carregar os corpos. No grupo que atacaou o posto brasileiro, havia duas guerrilheiras no meio, que atacaram em 3 escalões: um de apoio de fogo no lado colombiano, outro de assalto e segurança. Ação do EB foi elogiada até pelo governo Argentino, que tomou um território internacional em menos de 20hs, numa região de selva de difícil acesso. Destaque também para o 1° BEF, hj 8°BIS, que não deixou abalar a sua moral, e cumpriu seu dever com bravura e determinação. Sds.

  49. Imagino a bronca que os comandantes dessa Coluna das FARC devem ter levado. A resposta do governo brasileiro poderia ter sido bem maior, afinal.

    A titulo de curiosidade, as FARC também possui seus Commandos, possuía porque as FARC oficialmente não existem mais, viraram um partido. Uma das unidades de commandos famosas das FARC era o Bloco Móvel Arturo Ruiz, com experiencia inclusive em assaltos anfíbios em ilhas do pacífico.

  50. Piloto de Combate.
    Desculpe se minhas observações lhe ofenderam. Mas no quadrado aqui do RJ, o que mais tem são empresas de segurança geridas por Autoridades e Militares aposentados, estaduais e federais, que lucram com uma violência que deveriam ter ao menos diminuído, numa clara conduta minimamente anti-ética.
    Também achei estranho que se precise de reservistas que estudem, pois já que não há guerra, o que um Militar faz é estudar.
    Daí minhas dúvidas iniciais sobre o aproveitamento de reservistas.
    .
    Blackwater e outras empresas congêneres só tem dedo-mole. Se um “”operativo privado” fizer uma chacina vai ser um Deus-me-acuda. Hoje qualquer um tem celular, filma e posta.
    .
    E usam blindados, metralhadoras pesadas… como conseguem tais ? Será que os profissionais da Áquila só vão de .38 de 6 tiros ? Ou vão burlar a Legislação brasileira ?

  51. seal
    12 de Janeiro de 2018 at 10:21

    Então foi mais sério do que pensei, porque um ten. cel. que estudou comigo na faculdade falava em mais de 40 guerrilheiros mortos e todas as armas recuperadas.

  52. Insisto na pergunta:

    Marcos Aryeh 10 de Janeiro de 2018 at 22:38
    Isso não fere a constituição brasileira?

    XVII – é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada a de caráter paramilitar;

  53. Luiz Trindade,

    A CRFB tem jurisdição em território nacional. O caráter “paramilitar” vedado no proibitivo constitucional citado pressupõe ações que ameaçam a existência do Estado Brasileiro através do uso da força. Por outro giro, o Estatuto Federal da Segurança Privada (no Brasil) é a Lei 7102/83. Nada disso se aplica, prima facie, ao caso em tela.

    O serviço de “Private Military Company” (PMC) movimenta centenas de bilhões de dólares por ano e sua existência é debatida pela ONU desde sua maior ampliação no início dos anos 90 …

  54. Hélio 11 de Janeiro de 2018 at 11:48
    Hélio, estes combatente teoricamente são usados para na função de seguranças, na Indonésia foi criticado o uso destas empresas com seguranças armados com fuzis 7.62 nas minas de Papua que tem concessão de empresas americanas e europeias, mas o governo autorizou para evitar ataques dos separatistas que estão de olho na posse das minas.
    Toda empresa internacional com obras nestas regiões “quentes” tem sua segurança privada fortemente armada contratada, para evitar ataques e sequestros.

  55. Rafael, 40 guerrilheiros foi só o grupo que atacou o posto brasileiro, em represália a fiscalização de ilícitos que os soldados faziam. Eram divididos em 3 escalões, todos foram mortos na ação. Esse combate bem sucedido se deu devido apoio também da aviação do EB e a FAB, que bombardeou as bases das farc’s e prestou chamados de apoio do exercito colombiano também. Sem aviação de ataque e transporte, a guerra na selva se torna muito difícil, na qual já foram infiltrados soldados logo de madrugada.

  56. Seal, Rafael, Hélio, Ivan
    O q li de oficial foi q o Dest foi atacado e morreram 3 homens e 9 ficaram feridos. Nas buscas, 7 guerrilheiros morreram dentro do Brasil (segundo o Dicionário das Batalhas Brasileiras) e, como disse Seal, já li q foram 12, dentro do Brasil.
    Oficialmente, não li ou ouvi nada sobre a operação na Colômbia.
    Já li e ouvi extra-oficialmente, q em território colombiano, os cerca de 40 atacantes e mais outros de seu acampamento base foram atacados e “devidamente orientados”. Outros pequenos grupos q prestavam apoio ilegal as FARC na região foram presos pela Colômbia.

    O Destacsmento tinha 17 homens
    Ten Cmt
    Sgt Adj
    2 ROp
    GC de selva (10 homens – o normal mais um atendente)
    Médico
    Cozinheiro
    Aux Cozinha

    Teoricamente, uma fração deve deixar sempre 1/3 ECD reagir, q seriam 6 homens. O Cmt Pel, com quem conversei em um trabalho, entendeu q seria 1/3 do GC, pois os cozinheiros trabalhavam full na cozinha, os ROp revezavam 24×7 na radio, os dois de saúde sofriam pra manter a higiene na barraca de saúde. Ele e o rodacam fiscalizando e ajudando.
    Então tinham 3 na hora ECD.
    Fato é q o ataque foi bem executado, e 3 ou 6 na hora não faria diferença.
    Um grupo de apoio de fogo na outra margem do rio.
    Um grupo de bloqueio em meia lua (q também atirou) e um grupo de assalto q varreu a posição.
    Interessante, q pela densidade da selva e abrigos, o assalto atirou meio q na direção do bloqueio…
    Os 3 da hora foram os q morreram.
    O Cmt Pel tomou um tiro de fuzil na perna, quase na femural.
    O Ten Médico q convenceu os guerrilheiros a não executarem todos.
    Após essa operação, as FARC levaram muito tempo a portar errado com o Brasil.

    Tive a oportunidade de trabalhar com o Cmt Pel atacado, quando já TC.
    Com Um Sgt do BEF q participou das buscas, foi confecorado por bravura e tomou um tiro na perna, quando já Cap QAO.
    O Ten q chegou na substituição e encontrou todo mundo no sanha foi meu Instr na AMAN, quando já Cap.
    O Cmt BFEsp q liderou os FE nas operações contra as FARC também foi meu instr na ECEME, já como Gen da reserva.
    E um Cmt Btl q tive, foi Ten Piloto de combate lá.
    Interessante também, é q as histórias batem, como seal falou a dele.
    São muitas histórias…
    Sds

  57. Parte da resposta do CCOMSEX na matéria cujo link coloquei acima referente ao SHERPA para o EB:

    “O Projeto prevê que as aeronaves deverão estar operacionais a partir de Jan de 2021, não antes disso.”

  58. Renato Vargas 11 de Janeiro de 2018 at 14:25
    Caro Renato, temos que lembrar que o Brasil participou por 13 anos no Haiti por onde passaram mais de 30 mil militares, então o número de militares que arranham no Frances não deve ser tão pequeno assim.
    Tem sentido?
    Abraços

  59. Perfeito Agnelo. O ataque feito pelas farc’s foi bem planejado, os caras não eram amadores. Atacaram o destacamento brasileiro na hora mais vulnerável, eliminando os 3 sentinelas, depois abriram fogo de metralhadoras contra o restante da tropa, não mataram todos por pura sorte, o Ten implorou pela vida dos seus companheiros. É regra o destacamento entrar em contato com o Comando via rádio, 2 vezes por dia, mas como aquela região o índice pluviométrico é alto, as vezes fica sem sinal de rádio. O Comando só foi perceber que tinha alguma coisa errada no outro dia. Sds.0\

  60. Prezado Delfim;

    Desculpe se não me os entender… E relendo o que escrevi, percebi que fui ambíguo… Quando falei sobre cada um em seu quadrado foi relativo aos militares da reserva atuando em prol das FA e os que trabalham em organização privada…

    Não me referi a quadrados de estado, federação ou município… Inclusive entendo que estes 3 níveis não são estanques… E afirmo que eles deveriam trabalhar de forma sinérgica, eficiente e eficaz…

    Sobre a guerra fluminense, pois sim são índices de guerras, me solidarizo com cada bravo soldado que sai de casa sem saber se volta… Tenho parente próximo atuando nas forças estaduais, sendo vítima do descaso da sociedade e suas autoridades, e já atuei no RJ em diversas ocasiões, inclusive sob fogo da bandidagem…

    Sobre o Militar estudar ou ir à Guerra, posso afirmar com conhecimento de causa que Exércitos de 1º Mundo, notadamente EUA, UK e França, fazem com que seus Quadros se mantenham sempre atualizados, através dos cursos regulares…

    Abraço

  61. As escassez de detalhes sobre a chamada “Operação Traíra” só atiçam o debate sobre o tema. Creio que ainda será preciso algumas décadas para que o publico geral tenha acesso a um material mais denso sobre a operação. Enquanto isso, este artigo linkado abaixo traz algumas informações interessantes:

    “Os resultados obtidos na “Operação Traíra” foram extremamente significativos. Pelo lado colombiano, deve-se destacar a eficiente ação do Batalhão “Bejarano Muñoz”, sediado em La Pedrera/Taraira. Pelo lado brasileiro, o excepcional desempenho dos combatentes do então 1º Batalhão Especial de Fronteira (1º BEF), hoje, 8º Batalhão de Infantaria de Selva (8º BIS), sediado em Tabatinga/AM. Superando com estoicismo o trauma inicial que enlutou a família tabatinguense, o 1º BEF, fundamentado numa liderança do mais alto padrão em todos os níveis de comando, demonstrando um excelente grau de adestramento, um moral e um espírito de corpo extraordinários, foi o grande responsável pela ocorrência da eliminação de doze guerrilheiros integrantes do comando das FARC que atacou o Destacamento Traíra, bem como pela prisão de inúmeros elementos de sua rede de apoio, e pela recuperação de boa parte do material capturado quando da solerte ação terrorista.

    Há também que se destacar a efetiva participação dos elementos do tradicional “Batalhão Amazonas”, 1º Batalhão de Infantaria de Selva (1º BIS), sediado em Manaus, unidade de elite do CMA que, como sempre, ratificou o seu excelente nível de preparo para as operações em ambiente de selva.

    Especial atenção deve ser dada também à atuação dos elementos da Reserva Estratégica do Exército Brasileiro, sempre presentes nas situações de crise na Região Amazônica, das Forças Especiais e da Aviação do Exército.

    Mais uma vez foi ratificado que a presença dos especialistas em guerra irregular e combate não-convencional do 1º Batalhão de Forças Especiais (1º BFEsp), sediado no Rio de Janeiro, através da ação de um Destacamento de Ação Imediata, integrado por frações de Forças Especiais e Ações de Comandos, se faz imprescindível ao comando da operação, em situações dessa natureza.”

    http://www.defesanet.com.br/toa/noticia/5195/TOA-GUERRILHA-NA-AMAZONIA–A-Experiencia-do-Rio-Traira—-Parte-3/

  62. Je suis légionnaire Estou na Legiao estrangeira a 12 anos , pois se me oferecerem Boos condições e um bom salário eu aceito, pois me encaixo dentro desses requisitos,falo Français fluente e sou chefe de grupo na ares do Genie de combate Déminage

  63. Prezados, pelos informes que eu tive, os 12 foram os “oficialmente” catalogados e pegos na transposição do rio. Mas a coisa pode ter sido um pouco mais incisiva. Tanto assim é que eles nunca mais fizeram nada ostensivo do lado de cá, e olhe que não são elementos medrosos pelo que fazem contra o EC, que é muito bem adestrado aliás.
    E não me parece realmente que uma simples emboscada com 12 baixas pudesse por, como de fato pôs, freio neles.
    Quem foi pra lá, elementos da FE, não foi pra brincadeira é era uma “gente perigosa e ruim” (no dizer popular e de verdade).
    O recado foi dado e entendido.

  64. Saiu uma reportagem na extinta revista Manchete. Putzz, a nata das F.A. foi pra lá. Quanto aos guerrilheiros mortos, não estavam protegidos pela convenção de Genebra.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here