Home Noticiário Internacional O Antagonista: Brasil manda recado a Maduro, não ouse invadir a Guiana

O Antagonista: Brasil manda recado a Maduro, não ouse invadir a Guiana

22729
251

As Forças Armadas brasileiras têm a informação de que a Venezuela planeja tomar à força a região de Essequibo que pertence à Guiana. A ONU praticamente lavou as mãos sobre o litígio territorial.

A ida de Raul Jungmann à Guiana, bem como ao Suriname, é um recado de que o Brasil não vai tolerar a agressão de Maduro contra qualquer país vizinho.

Procurado pelo site, o ministro da Defesa evitou falar sobre o assunto. Mas fontes militares disseram que “a chapa está quente”.

FONTEO Antagonista

251 COMMENTS

  1. @OFF

    A última seção do Submarino Riachuelo foi transferida hoje. Já tem várias fotos em páginas do facebook

    Vou por o nome da página aqui para quem quiser dar uma conferida

    Militarismo Mundial

    Obs: ADMs se não for permitido divulgar editem o meu comentário por favor, obrigado.

  2. Prezado Ferreras, pra que isso aconteça as vendas desses itens teriam que ser feitas agora! Pra dar tempo do pessoal treinar e manutenir os equipamentos.

  3. Prezado Rafael Damasceno,

    Concordo, mas é difícil avaliar o tempo que a crise irá perdurar. Um mês? Seis? Dois anos? Até lá podem ocorrer muitas coisas. Inclusive essa reação pode ser um acordo de cavalheiros na venda o Ocean e eventualmente outros equipamentos.

  4. Só invade se for louco pois seria um suicídio politico e golpe final na economia destruída daquele país… sem contar a chinelada internacional que tomaria militarmente. Mas vai saber, tem louco pra tudo, inclusive uns BR pra apoiar esse cara

  5. ¨Não ouse invadir a Guiana¨
    Sério?
    Vão fazer o quê se invadirem?
    Só se for mandar o Neymar com um cartaz de protesto amarrado no pescoço fazer um monte de embaixadinhas na frente da embaixada da Venezuela!!
    Ou cobrar os bilhões que o Maduro deve para o BNDS e não quer pagar!

  6. Nós, paisanos, subestimamos muito a força do EB, FAB e MB.

    Só em uma guerra de verdade é que veremos o real preparo das nossas forças armadas.

    Me lembrei dos Leopards 2a4 dos turcos virando sucata na Síria. Não dizem que o Leopard 2 é o melhor tanque do ocidente?

  7. Eu acho que nossas FFAAs dão conta da Venezuela. Mas o custo de uma guerra dessas na nossa combalida economia e com o povinho fogo de palha (que basta uma Globo falar que os militares são feios por atacar o Madurinho) para apoiar uma ação desse naipe e lembrando que isso é tudo o que o Maduro quer para desviar a atenção do povo, eu sou contra.

  8. Se isso ocorrer, mesmo que o Brasil não entre efetivamente no conflito, o fato de o país se posicionar contra Maduro já é algo positivo por si só. Sem contar que a Guiana é membro da Commonwealth, e o Brasil posicionar-se ao lado da Guiana é, ao mesmo tempo, fazê-lo ao lado do Reino Unido. No caso das compras militares, isso pode até retornar em benefícios para o Brasil, mas o principal neste caso é a potência regional (Brasil) agir como força estabilizadora para evitar a expansão de um ditador como Maduro, seja pelo fato de a Guiana ser um país soberano, seja pelo próprio povo venezuelano, que sofre enquanto seu “líder” faz essa festa.

  9. Não sou estrategista de nada , nem de jogo de bolinha de gude. Acho que tem algo se desenhando contra o Malandro do Maduro, o Secretário Rex Tillerson do EUA não passou pelo Brasil e focou em outros países e com discurso duro contra a Venefavela . Estão usando isto de forma estratégica ? Deixando o Brasil como uma reserva diplomática? um conciliador depois do porrete quebra na cabeça do maduro?
    Eu acho quem tem uma pressão diplomática sendo preparado para a Venefavela , o Maduro vai cair

    Pega ele Rex, pega…

  10. Não existem estradas ligando Venezuela e Guiana. O terreno que separa os dois países é coberto por selva densa, plano ao norte e cheio de elevações mais ao sul. Únicas vias que permitiriam trafego são fluviais, mas que constituem gargalos (favorecendo ações retardadoras e emboscadas).

    Fora isso, a Guiana tem o Reino Unido nas costas. E os britânicos são bons em Guerra na Selva…

  11. O Maduro vai dar pra traz, como quando o Trump se pôs a dispor de uma solução militar a questão venezuelana e logo em seguida o Maduro baixou as orelhas e se “dispôs” a conversar.

    Bater na oposição desarmada é fácil.

  12. Tá parecendo novela mexicana.
    A Venezuela com inveja da irmã Argentina também tenta tomar a força o marido da vizinha.
    Eita vizinhança boa essa viu.
    Abraço.

  13. Tudo isso é inveja dos EUA, não aceitam o governo democrático do Maduro, o mesmo Maduro que tirou milhões da pobreza e perseguiu a elite opressora (irônico).
    Falando sério agora, eu não gosto desse O Antagonista, é uma espécie de Brasil247, pragmatismo político, revista Forum ou O Vermelho, mas com a diferença de O Antagonista ser oposição do pensamento dos outros jornais kkkkkk ou seja, todos esses jornais são viciados, loucos por apenas uma forma de pensar…sem falar o que acontece nos bastidores.

  14. Amigos, uma “guerra” como essa, acham que seriam de bom grado levando em consideração a nossa atual crise moral/civica/etica?

    Ajuda ou piora nossa situação ?

  15. Se o Brasil se quer como líder da região, deveria, imediatamente após a possível invasão, formar uma coalizão para expulsar militarmente os venezuelanos da Guiana, talvez com apoio aéreo e marítimo dos EUA.

    Ou é isso, ou deixa os gringos cuidarem do assunto e não bufa. Há várias décadas a América do Sul tem fronteiras estáveis entre os países da região, ainda que haja contestações diplomáticas em um ou outro lugar. Deixar que Maduro quebre este desenho, e ficar só no falatório, é assumir a incompetência e inapetência para liderar como potência regional. Se você não cuida de casa, alguém vai cuidar. Depois não dá para ficar gritando “yankees, go home!”…

  16. Não duvido que haja alguma invasão – roubar recursos dos outros foi a forma da Alemanha Nazista se manter durante a 2ª Guerra Mundial. Além do mais, uns cubanos ou chineses no meio não me surpreenderiam.

    O que duvido é que alguém – Brasil, Reino Unido, EUA, etc – intervenha. A covardia internacional parece com as omissões culposas de pré-guerra.

  17. Com certeza o UK compra a briga. A Guiana é membro da Commonwealth e seus cidadãos são súditos de Betinha Segunda.
    Só comprar a pipoca e relembrar 1982.

  18. Já comentei em outro tópico, o Maduro(podrão) tá doido pra fazer um conflitinho básico pra tentar abafar a miséria e decadência de seu país devido a sua demência total e covardia.
    E se entrarem nessa de invasão creio que vão levar um pau daqueles, ao menos acaba com esta novela triste(no caso de crianças morrendo e desnutridas)da Venezuela bolivariana.

  19. camargoer 8 de Fevereiro de 2018 at 14:32
    Olá Colegas. Quem pensou em invadir a Guiana Francesa na década de 60 foi o presidente brasileiro Janio Quadros.
    — Hã?! Conta melhor essa história, amigo Camargoer!! E não nos poupe dos ‘detalhes sórdidos’! 😛 E por quê diabos Quadros queria uma aventura dessas?!
    Mas, ‘back to the future’! Se (se…) Maduro e seus bolivarianistas ‘amestrados’ se lançarem nessa… (não, não dá nem pra chamar de ‘aventura’…!), por quê que diabos o Brasil é que teria de intervir política ou militarmente?!..
    Aguardando os próximos capítulos! 😉
    Abraços!

  20. Isso é típico de ditadores fracassados (vide Galtieri na Argentina em 82)
    Nada como uma arenga com alguém para desviar o foco dos problemas internos. Se fizer isso, vai abreviar o seu fim.

  21. Tomcat3.7
    Aí que está, a Venefavela com um conflito vai ficar mais miserável ainda e vai sobrar para os vizinhos socorrerem.
    Para daqui a 20 anos uma nova geração de esquerdistas clamar por vingança contra quem os socorreu.

  22. Por mim o Brasil faria um acordo com a Guiana e abriria uma escola de guerra em selva na área de litígio, algo pequeno, só mesmo para marcar presença. Assim Maduro pensaria melhor se valeria apena bancar um Solano Lopéz do século XXI.

  23. O pessoal que fica questionando o que as nossas Forças Armadas fariam, como se elas não estivessem preparadas para uma guerra, é um monte de inocentes para dizer o mínimo.

    Já é notório desde a ascensão do Temer, com a consequente saída da Anta Vermelha, que os militares têm guarnecido a região, estão abrindo base em RR, transportando carros e aeronaves para o Norte, snme até um corpo de Fuzileiros está por lá. Venezuela é um assunto recorrente nos bastidores das Forças. Eles estão preparados.

    Raul Jungmann é, para todos os efeitos, um ator civil e representante do Temer. Essa visita, com o consequente gesto diplomático, realmente aconteceu. Mesmo duvidando da idoneidade do Antagonista, não dá para negar que a visita à Guiana do Ministro da Defesa do líder regional logo após o Maduro fazer discurso na Venezuela defendendo a invasão do vizinho é uma sinalização forte de rechaçamento passível de retribuição à mesma moeda, mesmo se ela for militar.

    Agora, vamos olhar pelo lado bom: Se anexarmos a Venezuela, poderemos tirar férias em praias do Caribe sem sair do país e desenvolveremos o Norte sem precisar desmatar a Floresta, e os venezuelanos passarão a fazer parte de um país grande com moeda estável e com lastro para recuperar economicamente a região. É um ganha-ganha. 😛

  24. Delfim Sobreira 8 de Fevereiro de 2018 at 15:36

    Pois é…

    O dia que ele fizer isto vai conversar com os passarinhos do inferno.

  25. André Luiz.’. 8 de Fevereiro de 2018 at 15:49

    O Brasil tem agido, direta ou indiretamente, como mantenedor das fronteiras sul-americanas. Nos últimos duzentos anos só não estivemos metidos no expansionismo chileno ao norte, em Antofagasta e no Atacama, e ao sul, na Terra do Fogo, em todos os outros, até nas Falkland, estivemos envolvidos de alguma forma.

    Não à toa é o continente mais estável do planeta.

  26. Matéria feita para o zé povinho que ainda acha que o brasil (com b minúsculo mesmo) tem forças armadas capazes de realizar um intervenção internacional. Mal temos 10 AMX voando e ainda por cima sem mísseis de autodefesa.

  27. Mesmo o Antagonista sendo tendencioso e cheio de factóide, penso que essa informação é Difícil de acontecer é, porém não impossível, e por mais se um motivo: um já foi citado aqui que é a questão de desviar os profundos problemas infernos, além do mais a falida Venezuela deve aos russos, chineses também olham a AL, sei não se essa turma não teria interesses, até porquê não deixaria de ser uma instabilidade numa região considerada quintal USA. No mais isso seria o enterro de um regime que sobrevive em coma profundo numa UTI.

  28. Aerokicker 8 de Fevereiro de 2018 at 16:15
    “(…)Agora, vamos olhar pelo lado bom: Se anexarmos a Venezuela, poderemos tirar férias em praias do Caribe sem sair do país e desenvolveremos o Norte sem precisar desmatar a Floresta, e os venezuelanos passarão a fazer parte de um país grande com moeda estável e com lastro para recuperar economicamente a região. É um ganha-ganha
    — Eu só posso admitir que o amigo escreveu isso depois de vários copos de ‘batido’ (com ‘o’ — drink típico da Venezuela) nas ideias e carregou um bocado na ironia do texto!… É inconcebível pensar que ‘anexar’ a Venezuela possa ser benéfico para o Brasil, muito menos possível!

  29. Aerokicker 8 de Fevereiro de 2018 at 16:29
    Por vias diplomáticas? Pode ser… Por intervenção militar? Ainda mais em se tratando da Guiana, que é parte do Commonwealth? Acho melhor não se meter nessa barafunda!…

    Aerokicker 8 de Fevereiro de 2018 at 16:15
    Estou com um outro comentário retido, em réplica a esse… O amigo falou do ‘lado bom ‘ de ‘anexar a Venezuela’ de pura zoeira, não foi?!…

  30. Guiana era território Britânico até a década de 90…
    Faz parte da Commonwealth…

    O comentário acerca do Ocean é coerente. Só acho que o Brasil atropela a Venezuela mesmo estando belicamente obsoleto. E o Brasil é o menor dos problemas para o Maduro, a questão é o RU e Cia. Será mesmo que outros países iriam assistir quetinho e não iriam tirar uma casca?
    É como comparar Egito e Israel.

  31. A Constituição brasileira impede a intervenção militar em assuntos estrangeiros. E o Brasil já tem problemas o suficiente pra ter que se preocupar com a integridade territorial dos membros da Commonwealth.

  32. ter nao significa operar e isso delimita o que a venezuela pode ou nao fazer militarmente contra qualquer vizinho ,operaçoes militares prescisam de logistica e isso os venezuelanos estao piores que nos ja que temos pelo menos base industrial para operaçoes de medio e longo prazo ja eles se forem embargados vao ficar pior que o saddam em 1991.

  33. Isso está cheirando a 1982…. um país falido, sem condições de se manter de pé economicamente e governado por ditadores militares, invadem uma possessão de uma potência estrangeira querendo anexá-la na marra… o resto da história vcs já sabem. Agora, alguém está querendo repetir a história….. desta vez é a Venezuela o país falido, a Guiana é o alvo protegido por potência estrangeira, mas desta vez muitos tem interesse na queda do ditador.

  34. Senhores
    O terreno entre Venezuela e Guiana é impraticável.
    Para invadir a Guiana, a via de acesso é pelo Brasil.
    Isso torna um tanto quanto difícil a Venezuela inventar esse aventura.
    Louco Chaves já pôs uma estrela na bandeira contando com essa parte guiana.
    Está todo mundo claudicante em economia e meios.
    Mas, a Inglaterra pode apoiar a Guiana.
    Nós temos meios para por em RR.
    A Venezuela está MUITO “aos ca”.
    Logo
    9s fora…
    difícil ocorrer algo…

    Sds

  35. Uma guerra agora, em ano de eleição, seria uma boa pra esquerda mas acho dificil uma aventura venezuelana como essa por outro lado, vai que o Maduro tenta a sorte.

  36. Venezuela não aguenta 72h de combate, equipamentos em frangalhos sem peças de reposição e poucas linhas de suprimentos e virará um Iraque sulamericano

  37. Raul 8 de Fevereiro de 2018 at 16:51
    Relaxa irmão. Tem muitos desses por aqui. Se começar a ler do começo ao fim os posts de alguns “entendidos” que nem ao menos dera um tiro na vida de arma de pressão ou serviu em OM sem emprego operacional, vai ver como é. Bem pior que esse johan.

  38. Raul 8 de Fevereiro de 2018 at 14:36
    MBTs parados esperando serem alvejados ou com uso de táticas pra lá de questionáveis são comuns naquela região. Vide o exército saudita e o iraquiano, estes últimos usuários do Abrams. Tanques sem blindagem reativa e sem APS em um ambiente de guerrilha urbana estão fardados a alvos de RPGs e mísseis AC.

    Raul 8 de Fevereiro de 2018 at 16:51
    Quanto a esta sua revolta com a minha pessoa, por sinal desnecessária, o que escrevi é minha opinião em um espaço democrático de pessoas, muitas das quais “paisanas”, que acompanham o tema e expõem suas opiniões.

  39. O que o Brasil tem a ver com isso?
    Resposta: Tudo! Se o Brasil interviu no Haiti (país totalmente distante do nosso, consumindo bilhões de reais dos cofres públicos do Brasil, agora com as FA na República Centro Africana que vai consumir certamente mais de 10 BI de reais), agora imaginem uma guerra nas nossas fronteiras, invasão de um país nânico com população pequena por demente chamado Maduro.
    Quanto a ONU, essa organização (Instituição me nego a chamar) já morreu há muito tempo…a Guerra da Síria é a maior evidência disso. O Brasil que nunca espere contar com essa porcaria de ONU, que o Brasil invista muito nas nossas forças armadas e em uma diplomacia decente para jamais virar refém de blocos “”humanitário”” da ONU.
    A questão da Venezuela é vergonhoso para o Brasil, fomos o maior financiador desse movimento totalitário e agora estamos criando dezenas de milhares de imigrantes refugiados, ontem memso recebi uma familia venezuela fugindo do país.

  40. Agnelo Moreira 8 de Fevereiro de 2018 at 17:20
    Senhores
    O terreno entre Venezuela e Guiana é impraticável.
    Para invadir a Guiana, a via de acesso é pelo Brasil.
    Isso torna um tanto quanto difícil a Venezuela inventar esse aventura.
    Louco Chaves já pôs uma estrela na bandeira contando com essa parte guiana.
    Está todo mundo claudicante em economia e meios.
    Mas, a Inglaterra pode apoiar a Guiana.
    Nós temos meios para por em RR.
    A Venezuela está MUITO “aos ca”.
    Logo
    9s fora…
    difícil ocorrer algo…

    Sds

    => Opinião de quem entende do assunto e não fica em achismos.

  41. E cada coisa isso nunca vai acontecer , se nem na época das vacas gordas de Chaves isso aconteceu ,ainda mais agora com a Venezuela que não tem nem comida para seus soldados….
    E sobre o Brasil intervir …Não esta vencendo nem o tráfico em seu território ,quanto mais sair ao território dis outros para se aventurar..

  42. Enfim uma posição definida.
    Quem sabe para mostrar às FFAA que o governo é decidido e conta com elas e elas com ele.
    Geopoliticamente falando, é uma região importante do Commom Weld, rica em minerais nobres, ouro e diamante e muito mais $en$ível portanto, do que as Falklands.
    NUNCA esquecendo que a FAV fez vários vôos razantes e outros tantos pousos em aldeias indígenas, inclusive em aldeias Yanomamis no território brasileiro.
    A pessoa mais indicada para comentar a matéria é o Coronel Gelio Fregapani.

  43. Agnelo Moreira 8 de Fevereiro de 2018 at 17:20

    Desculpa cara, mas isso não é verdade:

    https://www.google.com.br/maps/@6.6239421,-59.7294269,8z/data=!5m1!1e4

    Veja que o relevo é totalmente inverso ao que você falou: Ao norte, próximo ao litoral, o relevo é plano, e só se torna realmente acidentado ao sul, onde há tepuis como o Monte Roraima para transpor. A única exceção é uma serra de 200m de altura, 400m de altitude, pouco ao norte do Cuyuni por onde corre a linha de Schomburgk.

    Além da mata, há a via marítima e a via fluvial, por meio do rio Cuyuni. Venezuelanos fazem incursões pequenas no território ocasionalmente desde o século XIX, fazem hoje inclusive, e as inteligências guianesa, colombiana e brasileira sabem muito bem disso, assim como os militares sabem das incursões de caças venezuelanos em espaço aéreo brasileiro como o colega Aldo Ghisolfi bem lembrou acima.

  44. Bruno wecelau – Na verdade atualmente é bem mais provavel do que na época do chavez, tudo gira em questão de criar um nacionalismo barato para desviar a atenção da popularidade baixa do Maduro e dos sérios problemas do país, ditadores que querem permanecer a todo custo no poder sempre fazem isso… e o maduro já demonstrou várias vezes que se puder ele fica uns 50 anos no poder.

  45. Os comentários, ahhhh os comentários. Vc começa rindo e acaba passando raiva. Confundir operação GLO dentro do proprio pais, onde cada tiro é explorado pela mídia, nao se usa artilharia, ataque aéreo, carros de combate (nao confunda carros de combate com carros de transporte de tropas)e na maioria das vezes se aplicam armas nao letais. Comparar GLO com guerra entre exércitos regulares já merece o Prêmio Presidenta Dilma Roussef de inteligência e coerência.

    Ditadores loucos e acuados podem executar as piores loucuras. Não duvido nada que possa acontecer, a ida do ministro a Guiana é um grande gesto diplomático e gestos diplomáticos desta envergadura sempre se utilizam do cálculo militar. O poder militar é sempre um fator a se considerar em questões diplomáticas.
    ____
    Aldo, a Guiana é uma país independente que assim como o Canadá e a Austrália reconhecem a Rainha Elizabeth como chefe de Estado (somente de forma respeitosa e histórica), enviando nenhum tipo de imposto para a coroa britânica, por isso não é uma reserva além mar da coroa, logo não se trata de caso parecido com as Falklands, se fosse com a Guiana Francesa sim.

    Um abraço!

  46. Everton Matheus 8 de Fevereiro de 2018 at 16:54
    ” E o Brasil é o menor dos problemas para o Maduro, a questão é o RU e Cia. Será mesmo que outros países iriam assistir quetinho e não iriam tirar uma casca?
    É como comparar Egito e Israel”.

    Com certeza australianos,canadenses e neo-zelandeses não iriam dar as costas a um chamado inglês.

  47. R_Cordeiro, boa tarde.
    Referi à Guiana como, geopoliticamente falando, sendo uma região (país) importante da Comnunidade das Naçõe britânicas, rica em minerais nobres, ouro e diamante e muito, mas muito mais mais $en$ível, portanto (aos interesses da Coroa), do que as Falklands.
    As Flaklands são um dos 14 British Overseas Territory, via ‘Britsh’ integrantes do Commom Weld.
    A Guiana haverá de ser defendida pelo valor econômico e político que representa, enquanto as Falklands foram defendidas apenas pelo desaforo dos argentinos à Coroa.

  48. Aerokicker 8 de Fevereiro de 2018 at 18:29
    Agnelo Moreira 8 de Fevereiro de 2018 at 17:20

    Mas fazer incursões é uma coisa. Invadir com tropas e todo o material bélico necessário é possível? Esta é a questão.

  49. Agnelo e Aerokicker
    Não seria mais fácil simplesmente uma incursão fluvial Rio Esequibo acima??
    Meio dúzia de lanchas patrulha cortam a Guiana ao meio

    Agora….cá pra nós…
    Essa matéria me parece tocar pandeiro para louco dançar

    Sds

  50. Há algum tempo atrás, em outro tópico, falei desse assunto. Todo, repito, TODO ditador precisa de um inimigo externo e de uma guerra para afirmar-se no poder. A História está cheia de casos desses dementes que elegem um inimigo externo para reunir a nação com aquele papo furado de pátria e soberania.
    A Venezuela é um país virtualmente falido e o povo está mais preocupado em garantir o almoço do que preocupar-se com soberania. Maduro tem meios, tem motivos e não tem nada a perder, apenas ganhar. Os militares venezuelanos são os fiadores da ditadura de Maduro e já se acostumaram com a boa-vida de capachos bolivarianos.
    As FFAA do Brasil não tem sequer munição para 12 horas de combate, e o Reino Unido não vai conseguir reunir uma armada ou enviar milhares de combatentes para uma guerra na qual não tem o menor interesse. E o Brasil não tem capacidade nem competência para combater PCC e Comando Vermelho, o que dirá para se meter numa guerra para defender um país que muita gente nem sabe onde fica….
    Os EUA não vão se meter nessa briga de galo sul-americana pois sabem que não haverá vencedores. Faz parte da doutrina americana deixar os pequenos se destruírem entre si. Sai até mais barato…
    Pode ser um blefe ou mesmo conversa fiada para angariar “likes” e compartilhamentos nesses tempos de “fake news”. Mas tem suas reais probabilidades de se tornar um pesadelo.

  51. Aerokicker
    8 de Fevereiro de 2018 at 18:29

    Aqui tem um mapa da cobertura vegetal da Guyana:

    https://www.researchgate.net/profile/Peter_Van_Der_Hout3/publication/301226305/figure/fig4/AS:350280731381767@1460524842722/Figure-5-Vegetation-map-of-Guyana-after-ter-Steege-2001a.jpg

    Aqui, um mapa do relevo da Guiana:

    http://www.mapsland.com/maps/south-america/guyana/large-detailed-physical-map-of-guyana-with-roads-cities-and-airports.jpg

    Não há como a Venezuela entrar na Guiana pela fronteira entre os dois países. 1/4 da fronteira é cordilheira, metade é floresta tropical densa. E o trecho mais ao norte e área pantanosa.

    Uma ação contra a Guyana somente pode se dar de duas formas: atravessando Roraima (péssima idéia) ou um desembarque anfíbio (idéia de jerico). E qualquer das duas opções será carregada de dificuldades logísticas, porque não existem rodovias. Logo, somente poderão avançar em profundidade usando vias fluviais (coisa de louco).

  52. Sinceramente? Que Maduro dê uma de cachorro louco e invada a Guyana, de preferência passando por Roraima.

    Talvez assim o brasileiro passe a se interessar um pouco mais por política de defesa.

  53. Dr.Mundico.

    Essa história do Brasil não ter munição para 12h, 1 mês e outros blá blá blás já foi discutido há tempos, anos para melhor dizer e desmentido. Isso é uma lenda antiga para quem nunca visitou sequer um paiol do EB e muito menos sabem onde eles estão. É claro e óbvio que não se fabrica munições para anos de guerra e se estoca. Isso é inviável além de desnecessário e, para qualquer eventualidade que se tenha o que está estocado está totalmente dentro dos parâmetros para o nosso TO e em tempos de paz. Repito. Isso é uma lenda…

  54. Se mesmo sem guerra Brasil ja esta tendo que lidar com milhares de refugiados Venezuelanos lotando Boa vista imagina se aquele louco resolve entrar em guerra com qualquer pais que seja. Em alguns anos Roraima teria o espanhol como idioma mais falado.

  55. Carvalho 8 de Fevereiro de 2018 at 18:59
    Isolar? O relacionamento com as Forças Armadas do Brasil remonta ao final dos anos 60 e os brasileiros dão oportunidades de treinar as forças da Guiana em diversas áreas: infantaria, logística, marítima e de engenharia. No momento há dois instrutores brasileiros na Guiana. São instrutores de selva na escola de selva deles e é feito um rodízio anual e há colaboração em outros níveis como o de inteligência. Há reuniões todo ano para cooperação de inteligência. A cada dois anos é realizado um encontro bilateral, onde uma série de temas, não apenas o treinamento, mas também temas relativos às questões operacionais ao longo das fronteiras são discutidas. Anualmente há também um encontro regional com o comandante brasileiro da região de Roraima. Ele se reúne com comandante do Batalhão de Infantaria e é responsável por aquela área da Guiana.

    O Comando Naval Especial de Guerra dos Estados Unidos tem ministrado cursos para as FFAAs do país há alguns anos já.

    Enfim, a Guiana sabe há tempos o que pode acontecer desde os rompantes de Maduro e tem se preparado para isso.
    http://www.eb.mil.br/web/noticias/noticiario-do-exercito/-/asset_publisher/MjaG93KcunQI/content/aditancia-de-defesa-naval-e-do-exercito-na-guiana-militares-do-exercito-brasileiro-ministram-instrucoes-de-selva-na-forca-de-defesa-da-guiana

  56. Aldo, boa tarde.

    Apesar de não concordar com uma importância econômica da Guiana para o Reino Unido, entendi onde quis chegar. Entendo como ser algo como se invadissem portugal e qual seria a reação do Brasil e vice versa, ou vide Inglaterra > EUA ao meu ver… Enfim, entendi seu raciocínio.

    Um abraço

  57. Invadir a Guiana passando por Roraima esperando que nao haja nenhuma reação e que a população da Guiana agradeça pela sua libertação, será isso que passa na Cabeça de Maduro? Se for isso, acho q ja vi este filme no Rio da Prata.

  58. Opa… Ja vou me preparar pro combate… Se for pra derrubar o Maduro, estarei la… Brasil acima de tudo e cortar os ditadores no fuzil 7.62… Brasil, Infantaria !

  59. Dan01 8 de Fevereiro de 2018 at 19:30

    Quanto a isso, os ministros da Justiça, da Defesa e o chefe da ABIN, Torquato, Jungmann e Etchegoyen, já passaram por RR e já estão definindo um plano de ação para levar os venezuelanos que se acumulam no estado para outros estados do Brasil mais ao Sul, com maior capacidade de absorver esses imigrantes e integrá-los à vida normal dos brasileiros. Sem a idiotice de campos de concentração, quer dizer, refugiados, como os tapados da ONU querem.

    Da mesma fonte: https://www.oantagonista.com/brasil/governo-quer-tirar-venezuelanos-de-roraima/

  60. Daí, daqui a 100 anos reescrevem a história para dizer que o caudilho do Maduro foi um herói nacional com direito a panteão na capital ornado com um Cascavel capturado como relíquia de guerra. Realmente acho q ja vi este filme em algum lugar.

  61. Creio que é só palavras se caso for verdade,guerra não se faz só com bravura,se faz com dinheiro com valentia não cai armas do céu,falida como está a AL duvido que saia conflito.

  62. Sendo o terreno inacessível, sobra o teatro aéreo, o que seria discutido no Poder Aéreo.
    Só passando, Maduro encomendou mais 10 Su-30 ao Titio Putin.

  63. Não li todos os comentários.
    Mas, na minha opinião, se houvesse a invasão, o Brasil ou seja quem for não deveria entrar na Guiana para tirar os venezuelanos.
    Deveriam mandar uma tropa de elite, uns 50 caras, entrarem escondidos, pegar Maduro e levar para Guantánamo ou para Bangu…

  64. Uma invasão as Guianas vai ser tipo as Malvinas. Existem muitos cidadãos ingleses por lá. Agora se Venezuela fizer isso eu não duvido nada que o Brasil se faça de desentendido.
    Em relação a Venezuela parece que o governo atual não está tão distante assim do anterior.
    Só se mudou radicalmente de um ano pra cá.

  65. Sou favorável a criação de “campos de concentração” para os venezuelanos.
    Ou algo parecido.
    Se há problema na Venezuela, quem quiser entrar tem que pedir e, se receber autorização, entra.
    Mas não pode entrar e sumir.
    Nem ficar para o resto da vida.
    Já tem muito brasileiro passando fome.
    O ideal seria ficarem em algum local específico.
    Dali, alguns poderiam até ser levados para outras cidades, mas monitorados e não se misturarem a população e depois virarem ilegais.
    Quem foge não pode exigir nada.
    Ouvi na voz do Brasil que eventuais médicos refugiados seriam aproveitados no mais médicos.

  66. Asrokicker, boa noite

    Há rodovia com suporte logístico para milhares de toneladas dia? Não vi.
    Também não vi roçadas desta para desdobrar a tropa com suporte logístico também.

    Sds

  67. Amigos, tinha citado essa matéria no tópico da Embraer no PA ( antes de ver que havia esse aqui ), pois isso poderia ser utilizado p/ reforçar a necessidade de controle brasileiro na área de Defesa da empresa.
    O que me deixa curioso é ver até onde os corruptos generais comprados/promovidos pelo finado e pelo atual ditador vão seguir nessa canoa furada. Quem sabe se essa ação diversionista ( o objetivo na verdade é tão somente desviar a atenção da população miserável e partir de vez p/ um regime de exceção – afinal estariam em guerra e assim tudo se justifica – prendendo e sumindo c/ todos da oposição, que seriam os inimigos infiltrados ) não pode ser a gota d’água p/ um levante de parte das Forças Armadas ( a parte do meio p/ baixo, pois os generais não se arriscariam a levar tiros no front ) e acabar c/ esse sofrimento absurdo de um povo que inicialmente caiu no canto da sereia Chaves e depois viu seu sonho cair de Maduro.

  68. Comparar as ações do exército no Rio de Janeiro com operações de alta intensidade e contra insurgência e difícil o eb e bastante capaz na guerra na selva na selva não vai ter ONG ou repórter enchendo o saco na hora que a chapa esquentar

  69. O Diogo Mainardi tem uma fixação contra o Lula há anos, além de uma certa birra com o Chavez e com o Maduro. Não dá para discutir com seriedade essa noticia. Essa história de fontes anônimas. Talvez algum colega que esteja próximo ao comando do EB ou do estado maior possa nos dizer se essa noticia teria ou não respaldo. Pelo que apurei, nem UOL, nem Estadão, nem O Globo repercutiram essa noticia. Se a “chapa estivesse quente” estes portais já estariam noticiando.

  70. Olá! Lembrando que existem muitos brasileiros e filhos de brasileiros vivendo nesses países, tanto na Guiana quanto no Suriname.

    Não sei os demais batalhões de fronteira, mas o da minha cidade não é sucateado ou incapaz de ir ao combate prontamente. Lembrando que batalhões de fronteira não precisão estar localizados na fronteira, pois minha cidade fica bem distante da fronteira.

  71. camargoer 8 de Fevereiro de 2018 at 20:43
    Olá Colegas. Tirando o site do Diogo Mainardi, ninguém deu crédito para essa noticia. Não dá para dar crédito.

    Concordo.
    Eu confesso que dei aquela risadinha de canto na boca e ainda pensei…”Até parece”…

    Não vai acontecer nada.

    O cara cai antes disso.

  72. Se houver alguma coragem política em Brasília, o cenário pós-invasão mais provável seria uma resposta militar, com os EUA dando suporte aéreo e por mar à uma coalizão “boots on the ground” de países latino americanos liderados pelo Brasil. Em 24 horas os gringos fariam a faxina mais grossa, deixando a limpeza mais fina do que pouco que restar para as tropas latino americanas.

    O teatro seria basicamente a porção invadida da Guiana, salvo um ou outro alvo necessário na Venezuela (bases de caças que decolem para atuar no espaço aéreo da Guiana, por exemplo). Para isso, o que temos dá e sobra para o nosso papel. Quanto a russos e chineses, nem em sonho se envolveriam em uma aventura dessas, patrocinando com tropas uma invasão de um Estado independente em continente americano por um ditador pentelho aos olhos dos EUA. Eles sabem que essa é uma linha vermelha bem diferente das conversas de Obama sobre o OM.

    Se o Brasil ficar só no falatório e não tomar a frente, dando legitimidade a uma coalizão dessas (sob o patrocínio do poder militar dos EUA obviamente), estará abdicando pelas próximas décadas de projetar qualquer poder na região. Talvez isso leve a uma intervenção mais forte dos EUA, talvez apoiado por México, Colômbia e Canadá. E aí não poderemos reclamar que os gringos tratam a AL como a casa-da-mãe-joana. Se nós não temos coragem de por ordem na casa, melhor sair da frente e deixar que alguém o faça. Pois a zona só se estabelece se quem pensa ser o articulador da ordem olhar para o outro lado, quando alguém quer bagunçar o coreto da vizinhança

  73. Off Topic:
    Foi assinado hoje um contrato de 4 mil pistolas SIG Sauer as polícias do Ceará serão as primeiras do país adquirir pistolas internacionais. Um ponto interessante e que saiu por 6 milhões, se fosse nacional sairia por 12 milhões

  74. Rodrigo, desses 6 milhoes, a maior parte volta para os estrangeiros…nos 12 milhoes, a maior parte fica na receita federal…é, nao sei qual é pior…

  75. Acompanho o site O Antagonista há um bom tempo, quando eles revelaram que o codinome ‘amigo’ nas planilhas da Odebrecht se referia a Lula, ninguém mais deu a notícia, só um tempo depois outros veículos de imprensa noticiaram, entre diversos outros casos. Agora o fato é que houve a visita e destaco o trecho:”Procurado pelo site, o ministro da Defesa evitou falar sobre o assunto”, ora se fosse algo absurdo, o lógico seria negar logo, então há algo realmente acontecendo, o que é, não sabemos.

  76. Olá Cel.Nery. Minha desconfiança em relação ao Diogo Mainardi (assim com outras pessoas engajadas politicamente à direita e à esquerda) é que há muito tempo ele deixou de se pautar pela ética jornalistica. Eu tenho um enorme respeito pelo Sr. e deposito uma grande confiança em suas opiniões porque sei que não são pautadas por algum interesse político. No caso do Diogo, eu nunca sei onde termina o ativismo político e começa a má fé.

  77. Acompanho o antagonista a algum tempo e digo: Este site tem dado furos de reportagem atrás de furos de reportagens (planilha amigo, os codinomes e usando algum raciocinio para levar aos apelidos aos corruptos, a cozinha planejada do ap do guaruja e do sitio, enfim, inúmeros furos). De fato ha um ativismo politico que nao chega a gerar Fake News, no maximo comentam apos a materias denotando a opinião do colunista q esta postando aquela noticia, ate com uma forma sarcastica, mas nao vi até o momento qualquer fake news. Quando acontece de errarem alguma noticia ou o citado responder que a noticia nao corresponde a verdade, eles prontamente postam no site, coisa que nao vejo em outros site “independentes”. O Diogo nao é o único articulista do site, logo pode nao ter sido ele a postar a noticia. Descredenciar o meio pq nao vai com a cara do articulista, acredito nao ser apropriado.

  78. Carvalho e Gonçalo Jr, boa noite.

    Só com incursão e logística por rio não dá pra manter.
    Lembrem dos EUA (capacidade absurda de tudo) conquistaram o Iraque em 21 dias e ficaram anos pra manter e estabilizar saindo de lá sem concluir a missão.

    Obrigatoriamente, a Venezuela teria Q passar pelo Brasil. Esses milhares de venezuelanos são um problema, pois podem constituir uma força irregular dentro do Brasil, mas, no fundo, a Venezuela não tem condições. Eles estão MUITO ruins.
    Vindo de um ditador Q ouviu o Chavez morto falar por um passarinho…. Tudo pode acontecer, mas acho inviável. Pior Q Argnetina nas Malvinas.
    Sds

  79. Alfredo C. S. 8 de Fevereiro de 2018 at 21:22
    Rodrigo, desses 6 milhoes, a maior parte volta para os estrangeiros…nos 12 milhoes, a maior parte fica na receita federal…é, nao sei qual é pior…

    —–
    Pior eh vc pagar o dobro e quando vc precisar ela nao disparar, disparar sozinha ou em rajada ou apresentarem falhas monstro que precisem desmontar em segundo escalão pra poder voltar.

  80. LucianoSR71 – Também foi O antagonista que publicou primeiro a foto do encontro do advogado do Joesley Batista com o procurador-geral (Janot) em um bar, e tem gente que só acredita em globo… vejo a globo postando cada coisa equivocada rs.

    A uma semana atrás o secretário geral da ONU passou o caso da disputa territorial dessa região para a corte internacional de justiça e a Venezuela soltou uma declaração dizendo que não aceita que seja julgado pela corte internacional.

  81. Gonçalo
    Mesmo com treinamento, as forças da Guiana não são páreo para enfrentar a Venezuela.
    Esta última pode simplesmente fazer um bloqueio fluvial ao longo do Esequibo e isolar toda a região em disputa.
    Guarnições isoladas da Guiana simplesmente ficariam isoladas e teriam duas opções: rendição ou exfiltracao.
    Guiana não teria força para atravessar o Esequibo

    Mas volto a afirmar….isso é conversa de doido…ou não!
    Abraço

  82. Amigos,
    Com satisfação encontro os amigos procurando e publicando o mapa, começando pela matéria.
    O mapa, sempre o mapa, para entender o TO (Teatro de Operações).
    .
    Forte abraço,
    Ivan, o mapento.

  83. Agnelo,
    Escrevemos juntos e não li suas considerações
    Mas vc não acha que, entre duas opções (avançar por terra ou incursão fluvial) a segunda possui mais chances de ser efetiva?
    Sem considerar a hipótese de usar território brasileiro…pq o Maduro conversa com passarinho mas não é doido…

  84. Dr Mundico

    O Brasil pode fabricar munição numa velocidade de 1 dia por 2 hrs de fabricação. 24 horas dão 12 dias de guerra das 3 forças. Mun não é problema.

    GLO, ainda mais sem Estado de Sítio ou Defesa, não tem NADA com guerra.
    Na GLO, se combate o crime. Não tem inimigo. Tem cidadão desajustado.
    Na guerra, é pau!!!
    Uso as palavras do Min da Defesa: militar é treinado pra destruir.
    E é isso mesmo.
    E, finalmente, é dificílimo algo acontecer.
    Sds

  85. camargoer 8 de Fevereiro de 2018 at 20:53
    Pelo que apurei, nem UOL, nem Estadão, nem O Globo repercutiram essa noticia.
    ………..
    kkkk mas esses são justamente os sites que JAMAIS falam aquilo que o brasileiro mais precisa saber. Jamais noticiaram ou fizeram matérias acerca do Foro de SP e as trocas de favores entre presidentes ideológicos da região.
    Faz muito tempo que não acesso UOL, ESTADÃO, FOLHA DE SP E GLOBO…na minha humilde opinião esses sites são terríveis!
    O maior desespero desses sites e TVs são os sites independentes, facebook e Youtube. Tão verdade que já sentiram o peso da mídia independente em detrimento de grandes grupos de mídia que são financiados com bilhões de reais do contribunte para manter do “status quo” dos grupos dominantes da política. Basta ver o grupo Globo nos últimos anos…os jornalistas chegam a usar palavrões e ataques pessoais nas entrevista, algo imaginável há 1 década…
    Não me esqueço da 1 manifestação popular de 2013, milhões de pessoas nas ruas manifestando contra a corrupção (indiferente de partidos políticos)…enquanto isso a Globo atacando as pessoas nas ruas, inclusive um jornalista da Globo News disse: esses marginais terroristas que estão na ruas são uma afronta a democracia.
    Somente depois de alguns dias eles perceberam que não era apenas um pequeno movimento, mas sim algo muito maior e que refletia o sentimento de todos, indiferente dos partidos políticos e ideologias, era o brasileiro de saco cheio de tanta notícia ruim e corrupção (não de milhões, mas sim de bilhões). Afinal, alguém com cérebro e boa índole defende a corrupção?
    A mesma sociedade que repudiou a governo Dilma é a sociedade que desaprova em 93% o governo Temer. A luta continua!

  86. Caso ocorra esta guerra, o Brasil vai ter que entrar neste conflito?

    A resposta é SIM. Se depender do TIAR (Tratado Interamericano de Assistência Recíproca), o qual somos signatários, que é um tratado de defesa mútua dos países americanos desde 1947, em que o princípio central do acordo é que um ataque contra um dos membros será considerado como um ataque contra todos, com base na chamada “doutrina da defesa hemisférica”, então, sim, se a Venezuela INVADIR a Guiana, o Brasil, em tese, deve intervir militarmente na defesa da Guiana pelo princípio do TIAR.

    Então, a Rainha, apoiada pelo Exército de Caxias? Seria um pesadelo para o Maduro.

    Sds

  87. SmokingSnake 🐍 8 de Fevereiro de 2018 at 21:54
    Exato, e volto a frisar se a história fosse absurda o ministro teria que negar veementemente, mas saiu pela tangente. A História mostra que não se pode confiar em ditadores ainda mais se são vizinhos, que o diga o ditador Stalin que confiou no outro ditador Hitler ( pacto de não-agressão ). Abs.

  88. Acho meio improvável a Venezuela tentar invadir a Guiana, mas se o Maduro ordenar a ocupação ele estaria cometendo uma loucura gigantesca pois uma ocupação militar requer muitos recursos principalmente financeiros para manter as tropas no território ocupado, e com a atual situação da Venezuela creio que é praticamente um suicídio tentar entrar em conflito com alguma nação.

  89. Não creio que o Maduro invada a Guiana, o que ele pode fazer é o que tem feito com a Colômbia ultimamente, manda um batalhão de soldados e monta um acampamento em território colombiano, com direito a bandeira venezuelana e tudo, fica lá ums dias até alguém avisar as autoridades, quando as autoridades vão lá verificar, os soldados venezuelano já se mandaram, ele fez isso mais de uma vez nós últimos meses. A Colômbia protesta pela invasão, mas fica tudo por isso mesmo. Confesso que minha maior preocupação nem é essa, mas sim uma possível guerra hibrida por procuração. Nesse mês o ELN explodiu uma academia de polícia em Medelín na Colômbia e segundo a impressa colombiana os guerrilheiros tiveram a ajuda de dois venezuelanos, imagina o Maduro fornecendo armas, explosivos e até iglas para traficantes brasileiros

  90. Maduro já ficou de graça com a Colômbia, Trinidad & Tobago, e agora a Guiana.
    .
    Os oficiais-generais venezuelanos devem estar como os do regime militar argentino : acomodados com o regime e com a repressão interna. Não devem estar prontos para um conflito externo.
    .
    Alguns Typhoon dispersos em Belize, Jamaica, Trinidad & Tobago, Bahamas e Bermudas, resolve a questão.

  91. Agnelo 8 de Fevereiro de 2018 at 22:05

    Na CBC ou na IMBEL ?

    ————

    Diogo Mainardi é um verme…

    a única coisa que ele tem de positivo é não gostar do Lulla e dos comunas em geral..

    Então por mais idiota que ele seja pelo menos mostra empatia pelas vítimas da esquerda.

  92. vcs lembra a vez o Brasil invadi colômbia pegar terrorista Farc deu show ate hoje operação mais bem feita américa do sul o Brasil pais forte vai deixa maduro verde cai fora Cuba

  93. @Bruno wecelau

    Com a Argentina foi assim em 82, a economia estava ruim e a população estava revoltada, mas para criar uma distração decidiram tomar as Falklands, e aí a gente sabe o que ocorreu. É justamente o tipo de situação que faz com que esses governos como o do Maduro comecem a planejar suas maluquices.

    Já a guerra contra o tráfico no Brasil é uma coisa bem diferente, é um inimigo interno, que não tem rosto, não usa uniforme, que está muito bem entrincheirado entre os moradores inocentes, é indistinguível, e o exército não tem autorização para usar a força contra esse tipo de ameaça, infelizmente, mas se um inimigo externo nos ameaçar, as forças armadas poderão fazer aquilo o que elas foram criadas para fazer, que é perseguir, matar e destruir, e não pouparão esforços para isso.

  94. Se a informação procede é análogo a mesma situação vivida pela Argentina quando a situação não era boa,então os militares à frente do governo e com o apoio da população tiveram a ideia de invadir as ilhas Malvinas/Falkland com o intuito de unir o povo argentino em torno do governo militar e de quebra anexar as ilhas,pois as mesmas fazem parte do ideário da nação.Eles não contavam com a reação do Reino Unido que de pronto enviou uma expedição militar às ilhas.
    O mesmo acontece atualmente com a Venezuela que vive uma situação pior e tem uma reivindicação antiga da área chamada Essequibo que é mais de 2/3 da Guiana.
    No desesperos tudo é possível,mas isso no primeiro momento acarretara a união do povo venezuelano em torno do atual governo,porém não é a solução para os problemas vividos por aquele país.Acho que o fato apressara o fim do bolivarianismo venezuelano.

  95. Atualmente não temos capacidade militar para responder a Venezuela, principalmente pela presença militar na amazonia ser muito pequena, não temos meios logísticos para deslocar grandes contingentes e armamentos pesados até Roraima a partir do centro-sul do país. Roraima podia ser conquistada facilmente, mas isso daria carta branca para os EUA derrubarem maduro a força sem muita dificuldade. Além disso a Venezuela com a crise que ta passando não tem grana para sustentar uma campanha militar de larga escala contra quem quer que seja. O mais efetivo seria o Brasil ter uma boa quantidade de caças em Manaus para uma pronta resposta contra um hipotético ataque venezuelano a Roraima ou contra algum país amigo, mas temos apenas 6 caças F-5M em Manaus.

  96. Palpiteiros…

    Façam como eu, que não sou Militar das Forças Armadas, mas que gosta e admira o trabalho deles, deixem os comentários para os profissionais da área. São eles que fornecem as melhores informações, não os achismos da vida.

  97. “Se o Brasil interviu no Haiti (país totalmente distante do nosso, consumindo bilhões de reais dos cofres públicos do Brasil, agora com as FA na República Centro Africana que vai consumir certamente mais de 10 BI de reais)”

    Kkkkkkkkk meu Deus quanta M em apenas 4 linhas.

  98. Carvalho
    Parece q escrevemos juntos sempre!! Kkkkk
    Sim, há a possibilidade de incursão fluvial (não conheço aquele Rio pra afirmar).
    Mas a manutenção de uma cadeia logística é pesada.
    E precisam muitos barcos para um caminho só. Bloqueia o Rio, bloqueia tudo.
    Por isso, uma rodovia com posteriores rocadas é o mais correto.
    Sds

  99. O Governo federal Temer esta tratando os venezuelanos como imigrantes , o correto é tratar como refugiados… estão querendo proteger e esconder as mazela O Governo da Venezuela da comunidade internacional. Os brasileiros pagara esta conta, estão planejando distribuir os venezuelanos pelos estados do Brasil. postura errada e de diplomacia fraca, correto é tratar como refugiados , fazer um campo de refugiado e ter suporte da comunidade internacional e via ONU ai vai ficar escancarado para o mundo a merda que este Maduro esta fazendo na Venezuela

  100. Pra mim o melhor jeito de colocar uma força de invasão é pelo meio Naval. E com uma incursão rápida de paraquedistas e forças especiais na capital Caracas. Depor Maduro e assim desorientado quase todo as forças. Iriamos ter apoio popular e seríamos vistos como libertadores, como em 1944 na França (França de Vichy).

  101. Observador, a Guiana não é signatária do TIAR, então não há obrigatoriedade do Brasil a defendê-la.
    Aliás, o México, a maior parte dos países caribenhos, a Venezuela e demais países bolivarianos também não.

  102. Se olharmos a História da América do Sul nos séculos 19 e 20, mas principalmente 19, veremos a quantidade de conflitos fronteiriços havidos entre os países da região. Essa conversa de que “não temos problemas com nossos vizinhos” não tem significa que nunca mais os teremos.Essa notícia de invasão da Venezuela na Guiana é ilustrativa para percebermos o acerto de se investir no reaparelhamento das nossas Forças Armadas. Porque fica a pergunta : e se fosse verdadeira a invasão, o que faríamos nós?

  103. Vamos parar de debater sobre a notícia e vamos apenas supor que de fato vamos a guerra contra a Venezuela.

    Eu acredito que a peça chave seria em um primeiro momento os caças do Tio Sam, bases áreas brasileiras iriam abrigar dezenas de caças F-15 sendo o centro de comando Manaus, os americanos também trariam os sistemas Patriot para dar cobertura as operações em Manaus, e eles (os americanos) seriam os responsáveis por um provável bloqueio naval .

    Em conjunto a isso o Brasil iria confrontar com venezuelanos em terra que em um primeiro momento seria feito por pequenos grupos que iriam sabotar as operações venezuelanas, os ataques aéreos destruiriam os caças, sistemas anti-aéreo e a maior parte das reservas de tanques e helicópteros da Venezuela, Caracas em 4 ou 5 dias poderia ser praticamente colocada em estado de caos, sem energia, água, gás, combustíveis e a população ficaria sem qualquer tipo de provisão, o mais provável é que Maduro vá para Cuba com seus apoiadores de primeiro escalão, isso se ele não morrer em um ataque aéreo. Mísseis a partir de destroyers e um porta aviões poderiam ser usados e colocariam Maduro entre a cruz e a espada .

    Então NÓS entramos na Venezuela que já vai estar rendida como uma força estabilizadora, poderíamos fazer um acordo com os americanos para que nós possamos explorar o petróleo e vender aos americanos, de quebra poderíamos receber alguns M1 Abrams, M2 Bradley, sistemas Patriot, e até caças F-16 e se bobear F-15 . Como seria nossa a missão de ocupar e manter a estabilidade na Venezuela, poderíamos pedir uma ajuda anual aos americanos igual eles fazem com outros países . Imaginem só nós podermos receber US$ 2 bilhões por ano de armas americanas . se isso acontecer os americanos vão rasgar qualquer ideia de equilíbrio regional na América do Sul e eles iriam nos armar para que possamos ser o agente estabilizador na região, algo como um cão de guarda no quintal americano que eles fariam questão de alimentar e fortalecer . e dado nossa situação atual isso seria ótimo.

  104. Fellipe Barbieri
    Respeito sua opinião, mas só a título de curiosodade, a Estabilização chega a ser mais difícil do que a Ação Decisiva. Foi onde os americanos e aliados perderam mais meios e pessoal no Afeganistão e Iraque.
    Sds

  105. Olhando o Google earth.
    O rio Esequibo corta Guiana de norte a sul
    No delta do Esequibo (próximo a sua foz) existe uma localidade na margem esquerda (pretendida pela Venezuela), chamada Bartica, que comanda a entrada nos rios levam à margem esquerda.
    Parece haver um pequeno porto fluvial ali.
    De Bartica sai a estrada Bartica-potaro road, que acompanha todo o curso do Esequibo pela margem esquerda.

    Ou seja. Existe a via fluvial e rodoviária.
    Basta tomar Bartica….

  106. Diogo Mainardi é horrível e não é fonte pra nada…

    Mas não gostar do Maduro ou do Lulla no mínimo é empatia com o sofrimento alheio, coisa que a esquerda não tem.

  107. Resquicios do colonialismo. Empurra-se com a barriga e não se resolve, até o ditador de plantão tomar umas pingas e criar coragem. Não vai dar em nada. O detalhe é que ja existe empresa americana fazendo estudos para exploração de petroleo na região. Arroubos desnecessários da nossa politica externa e o Maduro é doido, más não é muito.

  108. A oposição ao governo do Maduro dentro da própria Venezuela já é muito forte, faltando apenas maior consistência. O início de uma guerra contra um vizinho dificilmente faria com que a oposição subitamente passasse a apoiar o governo. Considerando (i) as condições econômicas do país e (ii) o fato de hoje a liberdade de expressão ser muito mais desenvolvida do que em 1982, graças a internet, redes sociais etc., é bastante provável que a oposição contra o governo Maduro aumentasse no caso de um ataque a país vizinho.

  109. Subestimam d+ nossas forças… rsrsrs
    .
    Vide o general brasileiro Carlos Alberto dos Santos Cruz e seu trabalho no Haiti e o convite da ONU (Voces acham que convidariam, qualquer um?) – Eh pelo “calibre” dos Generais, que “se tem ideia” de seus soldados!
    .
    “caso necessario”… 1ª coisa que Br fara, sera a FAB “neutralizar” os flankers, acabando com suas pistas…
    .
    Astros 2020, mandam o “recado” do que os espera…
    .
    E nao tenham duvidas da tenacidade dos FN…
    .
    Tudo isso ate a Inglaterra mandar uma força tarefa, que nao vai tardar (vide Malvinas…).
    .
    Serio que ainda ha gente que “acha” (experts de teclado! – sic!), que as forcas armadas ja nao tem algo “desenhado” no papel, caso essa “hipotese” se concretize?

  110. Daniel Ferreira 9 de Fevereiro de 2018 at 8:27

    Daniel, concordo que a oposição, por ser oposição, não iria apoiar.
    Mas para voce ver como a situação é complexa….

    Leopoldo Lopez (um dos principais líderes oposicionistas) há alguns anos atrás organizou uma excursão fluvial à área do Esequibo….hasteou a bandeira Venezuelana, cantou o hino nacional e proclamou o território como parte de Venezuela.

    Ou seja, o litígio sobre Esequibo pode facilmente incendiar a vontade dos venezuelanos.
    Não é uma “invenção” do Maduro, mas um sentimento latente de boa parte da população.

    Abraço

  111. Daniel Ferreira 9 de Fevereiro de 2018 at 8:27 – Mui respeitosamente, mas teu pensamento e utopico. Quem controla os Exercitos, controla os rumos da nação… Por isso que o comunismo nunca se instalou no Brasil e NUNCA vai se instalar.
    .
    Na Venezuela, eles foram promovendo milicos (de bost@), nao os de valor, mas que eram a favor da “revolucao”(sic!)… E agora eles comandam…
    .
    Nesse quadro, o que a “oposicao” pode fazer? Sem F.A. para lhes resguardar?
    .
    Como dizia o Barao do Rio Branco: Muito bom poder negociar, com uma esquadra na retaguarda…

  112. Ministro da Defesa, um CC!? Essas decisões políticas para tapear as situações. Não é só a Guiana que estão tentando invadir ou comandar de lá. O Ministro da Defesa deveria ser um general da mais alta patente escolhido dentre uma lista tríplice indicada em votação pelo Exército, Marinha e Aeronáutica brasileira. Desculpa pra usar do exército brasileiro pra invadir a Guiana, para mais a frente depor seu Presidente, abrir eleições, e obviamente eleger um “pau mandado” esquerdista de Maduro & Cia com a urna eletrônica fraudulenta. Estão farreando e sambando na cara do povo brasileiro e nos usando como massa de manobra para a implantação do comunismo latino americano.

  113. LENDO e relendo a matéria e alguns comentários excelentes, penso que, pela dificuldade que o TO impõe ao Maduro (impede a pretensão!) e pela pobreza absoluta dos seus tesouros, ele soltou a matéria, altamente impactante, como balão de ensaio de uma ‘operação manobra dispersiva’, pela qual ele desvia a atenção de todos venezuelanos e outros, para o real problema da Venezuela, a sua mixórdia interna; como a Argentina intentou com a malfada invasão das Falklands.

  114. O exército de maduro está enfraquecido de todas as formas, seja de material ou físico humano. A fome e a miséria se alastrou de tal forma que perderam o controle da situação, e nem os companheiros de farda eles estão conseguindo sustentar. A única coisa que talvez possa incentivar seu exército mulambento se arrastar e invadir o país vizinho, é a corrida em busca de comida. O ponto que chegou as coisas por lá. Triste realidade criada pelo COMUNISMO latino, e que querem disseminar nos outros países. Se não fosse a Petrobras ter deixado uma refinaria de presente para sustentar sua elite COMUNISTA, já tinha sucumbido faz tempo. Enquanto Maduro e sua trupe arrota caviar, e bebida cara, o resto do que sobrou da sua nação morre aos poucos a mingua de fome e sede. A “esquerda caviar” que gosta de fazer socialismo para os outros enquanto fica intocada na sua torre de babel capitalista cheia de luxo e ostentação. A pirâmide comunista, são sua elite no topo, cheia de luxo e conforto, o meio vazio, o o resto do povão esmagado lá embaixo, junto com os comerciantes, e pequenos industriários, numa economia massacrada para sustentar sua elite, sem direito de crescer e chegar no topo.

  115. Sinto informar, mas o parlamento Inglês, também já se bandeou para o lado vermelho, e é voto vencido. O planeta está ficando vermelho. Tempos nebulosos de trevas estão chegando!!

  116. Camargoer
    Confesso que não dei muito crédito ao Antagonista na matéria inicial.
    Mas lendo a tese, comecei a achar o assunto plausível.
    Em 1969 houve uma revolta na região do Esequibo onde os revoltosos, depois de repelidos pelas forças da Guiana, foram “internados’ pelo EB, a partir de um destacamento enviado de Boas Vista.

    O bagulho é doido !!

  117. O Bufão Merdezuelano do Maduro de Podre quer dar uma de Leopoldo Galtieri quando decidiu invadir as Falklands, ele quer apoio popular, quer que o povo esqueça que está morrendo sem comida e sem remédios, e o PIOR é que dá certo…

  118. Uma ação direta de Maduro sobre a Guiana não teria apoio popular mas um incidente de falsa bandeira esquematizado pela Venezuela pode fazer a oposição apoiar o governo ja q n saberão a verdade

  119. Olá Carvalho.
    Ainda não consegui ler a tese. Prometo que o farei amanhã, mas gosto muito dessa ideia de buscar um trabalho acadêmico para entender alguns assuntos principalmente pelos capítulos de introdução que trazem um grande resumo do problema. Há alguns meses, tivermos um longo debate sobre a Coreia do Norte e hoje via a foto do aperto de mãos entre os representantes dos governos da CN e CS, isolando o Pres. Trump, o que não chega a surpreender quem leu aquela dissertação que sugeri. Na América do Sul, ainda temos alguns pontos de atrito, nos quais o Brasil sempre atuou como moderador. O problema do Antagonista é o seu viés partidário, o que lança uma sombra de desconfiança. No texto deles, quem mencionam fontes anônimas e um “nada a declarar” do Jungmann, lembrei do filme “A vida de Brian”.. se você nega, é porque é verdade. Riso. A propósito, quem deveria comentar qualquer coisa é o Itamaraty e não o MinD. Aliás, o Itamaraty sumiu. O Secretário de Estado dos EUA visitou a América do Sul e evitou o Brasil e ninguém perguntou ao Itamaraty o que aconteceu?

  120. Maduro tem duas opções agora, a primeira é se lançar em uma campanha contra a Guiana em um movimento aos moldes de Galtieri, mas sabe que vai entrar pelo cano, a outra é endurecer ainda mais o regime pós pleito o que vai causar problemas a curto prazo … ele está entre a cruz e a espada, não tem resguardo de outra nação da região. Não existem soluções a curto prazo e mesmo as que existem salvariam o país mas não o seu governo, e ele como todo bom esquerdista está se lixando para o povo e vai continuar em sua aventura bolivarianista rumo a destruição de seu país . Outra possibilidade seria ele conseguir endurecer o regime e ao menos estabilizar o país, ai viraria uma Cuba da vida, mas isso é muito pouco provável pelos últimos acontecimentos.

    A VENEZUELA SERÁ A PIRA FUNERÁRIA DA ESQUERDA NA AMÉRICA LATINA !!!

  121. Agora, vamos olhar pelo lado bom: Se anexarmos a Venezuela, poderemos tirar férias em praias do Caribe sem sair do país e desenvolveremos o Norte sem precisar desmatar a Floresta, e os venezuelanos passarão a fazer parte de um país grande com moeda estável e com lastro para recuperar economicamente a região. É um ganha-ganha

    Kkkkkkkkkkk melhor comentário

  122. Camargoer

    Sobre o Itamaraty, veja a coluna de hoje do Claudio Humberto.

    Sei que o Claudio Humberto faz um tipo de jornalismo como o do Mainardi. Selecionam pauta e produzem um tom mais pessoal nas suas intervenções. Mas sempre leio com muito interesse, pois normalmente antecipam informações (normalmente a mídia tradicional é mais rigorosa é menos ágil nas suas confirmações), além de trazerem a tona “ruídos” internos, como o caso da nota do Itamaraty que mencionai acima.

    Resumindo….a filtragem deve ser feito por nós leitores

    Abraço

  123. Olá Carvalho. Eu gosto muito dos textos do André Araujo. Ele é um liberal e um intelectual. Recentemente, ele fez um artigo sobre a atual condição do Departamento de Estado dos EUA. Acho que essa discussão vem ao encontro do que estados debatendo. Em relação ao Itamaraty, temos que lembrar que Temer indicou primeiro Serra e agora o Aloísio Nunes, que não consideraria os mais apropriados para ocupar o Itamaraty. Na verdade, toda a máquina publica federal está sem chefia. O MEC está largado e a estrutura do que era o MCT não tem mais chefe.
    https://jornalggn.com.br/fora-pauta/a-implosao-do-departamento-de-estado-por-andre-araujo

  124. Olá amigos, sei que o Brasil não é uma potencia militar plena, mas não tenho dúvidas que para uma operação como está nosso país tem condições de enfrenta-la, o mias difícil seria da empreitada seria a superioridade aérea para depois avançar com os A-29, mas isso o tio san se encarregaria, deixando livre para a FAB prestar o devido apoio as forças em terra, a marinha venezuelana não tem condições de aguentar a nossa com uma minima força composta por 2 subs, as Cansadas Niteróis e a Barroso, com o Bhaia responsável pelo desembarque com heli anti navio dando uma cobertinha tímida mas que ia ser temida nas condições deles, e claro a Royal Nave que ia vim com força, com as forças avançando pelo sul e fazendo um sanduíche com os fuzileiros ao norte. mas acho difícil o Maduro se meter a louco.

  125. Teorias da conspiração a parte, observei que embora se observasse o mapa (graças ao exemplo do Ivan) e se colocasse a situação das Forças Aéreas, parece que a parte marítima ficou de fora. Numa eventualidade dessas acho que o mais perigoso para Maduro seriam submarinos, para os quais não tem meios de oposição. Afinal o petróleo venezuelano necessita do mar para ser exportado.

    Sds

  126. Aviso Editores!
    Quando a “imbecialidade é demais o SÁBIO santo tem de desconfiar”.
    Tem pessoas (informantes garimpeiros) aqui que dão uma de imbecis simplórios (teatrinho) e assim ganham dó e “paciência” de vocês (psiquê professoral).
    Bem ou mal vocês “tomam cafezinhos ou brejas”….com pessoas bem posicionadas nas FA.
    Prestem mais atenção nesses perguntinhas excessivamente simplórias, pois há intenção de se fazer relatórios baseando-se nesses fragmentos de informações pegos aqui e acolá.
    Fica a dica!

  127. A Venezuela é assunto recorrente dentro das FA principalmente dentro da FAB, é o tipo de coisa que não da para apostar, mas eu não duvido, como já disse Maduro tá entre a cruz e a espada, e mesmo com todas as dificuldades não duvido nada que ele se lance em uma aventura bolivarianista aos moldes de Galtieri …

    Vamos ver o desenrolar da situação venezuelana, mas o fato inegável é que a Venezuela se tornou um ponto de instabilidade e preocupação para todos os seus vizinhos e um ponto fora da curva em toda a região, qualquer que seja o desfecho dentre as possibilidades sobre a mesa não irá nos livrar de custos, se situação atual se prolongar, mais e mais refugiados vão tentar a sorte nos países vizinhos, eu acho que a grande massa de venezuelanos ainda não chegou, conforme o desenrolar da situcao podemos vir a ter centenas de milhares ou até milhões de venezuelanos entrando em nossas fronteiras fugindo do caos socialista . dias sóbrios nos aguardam e nossa insistência em nos mantermos imóveis e calados não irá nos eximir da culpa, os tambores da guerra não são tão perturbadores quanto o silêncio dos covardes e omissos .

  128. Rsrsrs. O imenso leão desdentado, sem garras e cheio de preguiça, vai fazer o quê??? Vão pegar T-90 e Sukhoi no Jiu Jitsu? Cada um…

  129. camargoer 9 de Fevereiro de 2018 at 10:32:”Eu gosto muito dos textos do André Araujo. Ele é um liberal e um intelectual.”
    .
    Fiquei sinceramente curioso da sua definição de liberal. Acredito que seja a corrente anglo-saxã do termo. Caso contrário, será o primeiro liberal – de vertente brasileira – que é colunista do Jornal GGN (Luis Nassif); escreve artigos para Brasil 24/7; textos no vermelho.org e aparentemente é conselheiro da pré-candidata do PCdoB Manuela D’Ávila. Além de grande crítico do Plano Real e dos tais neoliberais, maior grupo social do Brasil não identificado.

  130. Fellipe Barbieri 9 de Fevereiro de 2018 at 11:08

    Concordo plenamente! Parabens pela análise.

    ——-
    Tem algumas frases que sao marcantes e se repetem durante estes anos que acompanho este excelente canal de noticias.

    – ele, sempre ele, os mapas
    – ter não significa operar

    Sao umas delas. Além disso, muitos, muitos assuntos ja foram abordados aqui de forma muito realista e honesta sobre nossas F.A.

    Por essas e outras que este tipo de comentário, além de nao agregar absolutamente nada a discussão, soa no mínimo ofensivo para quem dedica a sua vida 24 horas por dia, 7 dias por semana, nos ambientes mais inóspitos, para que este senhor esteja sentado confortavelmente em sua poltrona.

    . Joao Moita Jr 9 de Fevereiro de 2018 at 11:08
    Rsrsrs. O imenso leão desdentado, sem garras e cheio de preguiça, vai fazer o quê??? Vão pegar T-90 e Sukhoi no Jiu Jitsu? Cada um…

    —-
    Procure saber quantas horas a FAV voa seus temidos SUkhoi’s e se é possível conhecer minimamente esse avião voando menos de 50 horas anuais, isso com diferentes pilotos. Procure o mapa (patrocinio de Ivan, o Mapento) e me diga se neste caso será um ambiente para operação de MBT’s? Enfim, leia mais a trilogia, faz sempre bem.

  131. Sabemos que os conflitos modernos evoluem rapidamente de crise para o choque de forças. Mas nessa hipotética intervenção brasileira, teríamos um pouco mais de tempo para nos prepararmos, pois as tropas do Madurito iriam passar por RR, mas iriam ocupar a Guiana. E com a devida vênia, discordo de alguns amigos sobre a nossa capacidade de deslocar uma FT ate o TO. Aposto muito mais na capacidade de um piloto da FAB com um vetusto F 5M, do que um piloto venezuelano mal treinado, com um SU 30 mal manutenido. Temos tropas próximas a região, e que poderiam ser reforçadas com o envio de uma DE com um efetivo de 20 mil homens do EB. Essa DE seria composta por uma FT BLD com o melhor da 5* BDA, 6 BDA e um mix das 4 BDAs de CAV MEC. Apoiadas por uma AD com ASTROS e 155 mm. E pela nata das 11* BDA, 12* BDA, 4* BDA, BDA PQD, estas ultimas habilitadas em operações aero móveis. Essas unidades seriam transportadas pela FAB e por empresas privadas ate as proximidades do TO. E ate o TO seriam transportadas pela AvEX e pela FAB formando uma DE altamente móvel e letal. E como ponta de lança as FE brasileiras. Somados a isso uma Divisão Anfibia com 8 mil Fuzileiros desembarcando no litoral na Guiana e se juntando as tropas do EB.

  132. Agnelo 9 de Fevereiro de 2018 at 8:04:

    Concordo com você.

    É o famoso “pague para entrar e reze para sair”.

    Ou “vem…vem…vem…vem ver a gelada em que tu te meteste”.

    Depois que entrar é que o atrito da guerra realmente começa. A tropa de choque, a tecnologia, o poderio bélico, etc, dão lugar ao “mano a mano” – fica mais “de igual para igual”.

    Mas, no caso da Venezuela, a resistência seria menor (creio) por parte dos civis se aqueles panfletinhos aéreos de propaganda avisassem o povo de que é hora do Maduro cair de podre, não para infernizar a população.

  133. Parei de dar a importância ao artigo na segunda frase!

    Questões “anti-ufânicas”:
    “ONU lavou as mãos”: Onde? Quem? Quando foi dada essa notícia?
    “Raul Jungmann deu o recado”: Onde? Quem? Quando? Como sabem desse “recado”?
    “Procurado, ministro da Defesa evitou falar”: Onde? Quem? Quando ele evitou falar?
    “Fontes militares disseram que “a chapa está quente”: Parei…aí até meu “tico e teco” deram risada!

    Essas histórias são contadas desde a década de 80. Lembro que meu irmão foi chamado para se apresentar no cartel pois haviam supostas informações de invasão Americana pela Colômbia para tomar a Amazonia. Veio carta do exército e tudo. Não deu nada!

    Esse site é tão confiável quanto foi a Dilma falando de estocar vento! Eles só colocaram dessa forma porque não tem nenhuma informação e querem aumentar a popularidade do mesmo!

    Bom já que estou aqui….daríamos uma surra nesses caras! Simples assim! Teríamos ajuda da UK e USA direta ou indiretamente. Argentina, Paraguai, Colômbia e Peru também iriam se juntar ao grupo!

    Essa notícia é tão confiante quanto o 9 fingers ter diploma reconhecido pelo MEC!

  134. Entrando na onda: (sou 100% leigo)

    O mestre Ivan a décadas nos ensina a olhar o mapa. Fazendo isso, eu não vejo como a FAB teria problemas para interditar o espaço aéreo entre a margem oeste do rio Esequibo e a fronteira Guiana – Venezuela. Descarto completamente qualquer hipótese da FABV cortar caminho por território brasileiro.

    Pelo mar, a MB poderia patrulhar o litoral noroeste da Guiana ficando baseada na foz do rio Esequibo. Uma fragata, três corvetas, dois submarinos e P3 + banderulha podem opor qualquer coisa que a Venezuela tenha disponível.

    Daí, o leigo desliga o jogo de estratégia. Hehehe
    Um abraço.

  135. Olá Rafael. De fato, o liberalismo tem origem nos pensadores iluministas e essencialmente defendem o estado de direito, os direitos individuais, o estado laico, liberdade de expressão, livre comércio, a propriedade privada, etc. Regras que se nos parecem naturais e inalienáveis, só se ternaram aplicadas após a revolução francesa e a independência dos EUA. Além disso, o A.Araújo é um nacionalista (que não é uma exclusividade nem da direita nem da esquerda) e muito ligado ao setor produtivo, ao contrário da escola neoliberal que é essencialmente financista. Por algum motivo que desconheço e nem sei se vale a pena investigar, há setores da direita que passaram a combater alguns ideias liberais que também passaram a ser defendidas pela social democracia ou esquerda democrática. O fato do A.Araujo escrever no blog do Nassif não quer dizer muita coisa, caso contrário eu seria considerado de direita por comentar aqui na trilogia.

  136. @Marcel Danton Silva,
    Isso é real. Se eu trabalhasse nas “ABINs estrangeiras”, passaria umas duas horas do meu dia por conta dos blogs de defesa vizinhos. Vez por outra se consegue umas informações mais interessantes.
    Aliás, nem só de “ABINs estrangeiras” vivem os garimpeiros, a rica indústria da defesa também tem os seus.

  137. Camargoer, se alguém é marxista não pode ser nacionalista, um dos pilares do marxismo é o internacionalismo e devemos chamar as coisas pelos seus nomes corretos.

    O senhor por exemplo é esquerdista mas não se assume como tal, sempre se apresenta como isentão e ponderado, que diz ser preciso ler outras fontes (todas as que você apresenta são alinhadas com a esquerda) e desqualifica toda fonte de direita. Não entendo a resistência dos esquerdistas de se assumirem como tal, os direitistas antes escondidos estão saindo do armário com certo orgulho.

    O Brasil tem sua parcela de culpa na situação da Venezuela, desde a ajuda de FHC enviando combustíveis para Hugo Chaves que enfrentava uma greve dos operários da PDVSA, até o dinheiro do BNDES que Lula e Dilma despejaram por lá. Essa sustentação do regime boliviano pelo Brasil agora cobra seu preço através da horda de miseráveis que vamos ter que lidar.

  138. Camargoer,
    “há setores da direita que passaram a combater alguns ideias liberais que também passaram a ser defendidas pela social democracia ou esquerda democrática.”
    Isso poderia ser explicado pela teoria da ferradura de Faye.

  139. http://www.revistaoperacional.com.br/2015/geopolitica/venezuela-cobica-regiao-gerida-pela-guiana/.
    Mapa da região de essequibo, é uma area relativamente grande, creio que uma uma full- invasion não daria e os venezuelanos sabem, massss como o nosso amigo Ivan sempre fala sempre tem um mass, atritos fronteiriços e apoio da Venezuela a índios da regiao são completamente possiveis. Em 69 teve uma rebelião de indios na região com viés anti-Guiana e pro-Venezuela

  140. Olá Bakinin. Eu já disse várias vezes que sou de esquerda e nipófilo. riso. Assim como já disse que sou um intransigente defensor do Estado de Direito, do regime democrático e dos valores humanistas.
    Olá Johan, obrigado pela dica. Vou ver se encontro alguma boa referência. Um abraço

  141. Olá Johan. Lembrei da teoria da ferradura. Eu discordo da conclusão de que a extrema direita e extrema direita sejam parecidas ao tocarem os regimes totalitários e fascistas. A direita e esquerda somente faz sentido no exercício de um regime democrático. Regimes totalitários não toleram qualquer tipo de oposição ou debate democrático. Portanto, não há qualquer sentido político em classificar uma ditadura em esquerda ou direita. São apenas ditaduras.

  142. Cavalheiros
    Independente de ser um acontecimento factível ou não, cabem algumas elocubrações:
    Maduro invade um pedaço da Guiana. Ou para estabelecer uma “cabeça de praia” e depois se expandir, ou simplesmente para firmar presença e depois assinar um armistício, ficando com o que “conquistou”.
    Logo alguém pediria uma reunião de emergência da ONU, mas como sempre um ou mais integrantes do Conselho de Segurança com poder de veto, vetaria qualquer iniciativa de intervenção.
    Como a Guiana não faz parte do Tiar, não poderia apelar para ele.
    Prontamente Cuba, Nicarágua, Bolívia e Equador apoiariam Maduro. Os demais países da América condenariam.
    Se a Inglaterra não tomar as dores da sua ex-colônia, ninguém mais tomará.
    Aqui dentro do Brasil o PT, seus partidos aliados e seus líderes, assim como lideranças esquerdistas declarariam apoio ao Maduro.
    O governo federal se limitaria a uma condenação formal por parte do Itamaraty e do porta voz do Planalto.
    Agora imaginemos que corra algum sangue nas veias do Temer, mais preocupado com as reformas e as denúncias, e ele peça autorização do Congresso Nacional para intervir atendendo a um pedido do governo da Guiana. A esquerda começaria uma campanha contra, sob os mais diversos argumentos. Em questão de dias o MST despejaria milhares de “soldados” em Roraima, em defesa do irmão venezuelano Maduro. Sem falar nos milhares de haitianos a soldo do PT. Na dificílima hipótese da intervenção militar ser aprovada, as Forças Armadas não saberiam como agir a partir de Roraima, pois o terreno estaria totalmente “minado” de rebeldes revolucionários bolivarianos com cidadania brasileira. Sem falar que este imenso contingente poderia entrar na Guiana e se somar às tropas venezuelanas.
    Delírio meu?
    Pode ser, mas o que esperar de lideranças esquerdistas que apoiaram a tomada pelas armas de uma refinaria da Petrobrás, pelo Evo Morales, na Bolívia?
    O mundo somente começará a pensar em agir se houver muitas mortes por partes dos guianenses. Se a ocupação for mais ou menos “pacífica”, o Maduro terá grande chance de assinar um armistício e negociar já de posse de parte do território que ele cobiça.
    Mas sem um apoio secreto de Cuba, Bolívia, Equador, Nicarágua e forças esquerdistas do Brasil, duvido que Maduro se arrisque.
    É muita areia pro caminhãozinho dele.
    Obrigado pela paciência e vale como um exercício de imaginação.
    Abraço.

  143. João andaime, bom exemplo de cenário você so esqueceu do xerife do norte que apesar de ter um presidente maluco que quer pagar de diferente e independente vai acabar cedendo as pressões do congresso que viria via bi-partidaria

  144. A esquerda brasileira já está com a corda no pescoço, só falta alguém empurrar o banquinho.

    Primeiro: Se Maduro invadir a Guiana vai ser um prato cheio para os jornalecos brasileiros. A opinião pública vai ser moldada conforme os interesses do Brasil (alto escalão).

    Vai ser tão simples quanto 1 + 1 = 2

    Cenário 1:

    Jornal Nacional

    “Exclusivo: Nicolás Maduro manda matar toda a população da Guiana. Nenhum refém foi feito, milhares de corpos são vistos em Georgetown. É o maior massacre desde a segunda guerra mundial.”

    Cenário 2:

    Jornal Nacional

    “Uma rixa entre a Venezuela e a Guiana acabou essa semana com alguns acordos e anexação por parte da Venezuela”.

  145. Porque a esquerda está com a corda no pescoço se ela provavelmente ganha essa eleição 2018, adireita sim que sobreviver pois tem apenas ins 15% dos votos tem que arrumar golpes,impedir que lula seje candidato.A disputa eleitoral aqui vai ser um candidato de esquerda, é um do centrão meu amigo a direita elegem alguns deputados.Maduro não vai invandir nada,ele sabe que todos mundo tá doido que ele faça uma bravata para eles tirarem ele do poder,só se o putim der a ordem,apoiando eles com material etc etc.A oposição lá e fraca pois não conseguiu nem 20% dos governos de estado.A Venezuela é um Estado militar de 1000 oficiais generais,800 é dele e os outros 200 ficam calados.Não estou defendendo a Venezuela,e reforço que o Brasil deve liderar sim,primeiro pelos moldes diplomáticos e só em ultiimo caso intervenção militar e compespaldo da ONU.Mas essa geopolítica e complexa e complicada.

  146. Carvalho
    9 de Fevereiro de 2018 at 8:04

    Há uma segunda opção, de Georgetown até Linden, e após, seguindo através da estrada Linden-Lethem até o entroncamento com estrada Rupununi, a 67 km NE do vilarejo de Annai.

    Após isso, somente de barco.

    Uma invasão em profundidade é possível, mas somente com superioridade aérea total na área do Alto Essequibo. E isso significa 800 km ida e volta partindo de Puerto Ordaz (a base venezuelana mais a leste), mais 30′ sobre a área. Nada que um SU-30MKI não seja capaz, mas diminui o tempo de permanência dos mesmos sobre a área.

    https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0a/Localizacion_de_bases_aereas_venezolanas.jpg

    Idem se partindo de La Esmeralda, mas teria que passar por território brasileiro.

    De qualquer forma, isso reforça a convicção de que um desembarque anfíbio seria a mais provável estratégia

    Por outro lado, A BABV está a apenas 250 km da área central do alto Essequibo, e ainda há mais 50 km de savana após a fronteira Brasil-Guyana. Uma situação claramente favorável a nós.

    Na suposição de que as forças venezuelanas tomem o aeroporto internacional de Georgetown, aí o Essequibo fica mais próximo (em torno de 500 km). O que implica um melhor aproveitamento da autonomia dos SU-30MKI.

  147. O risco sempre existe com Governos populistas como forma de se manter e tentar unidade nacional. Foi exatamente o que O governo Militar argentino procurou fazer nas Malvinas.
    .
    Para o atual Governo e forças conservadoras do Brasil isto tambem não seria tão mal.
    .
    Provocaria uma comoção nacional e caso o Brasil entre no conflito ou antagonize de qualquer forma, encurrala as forças de esquerda no Brasil que tanto patrocinaram a Venezuela.
    .
    Geopolitica nunca é simples, mas as motivações de um maior desejo deste governo seria exatamente este, colocaria a esquerda brasileira nas cordas associando-os ao Maduro ao qual estariamos em guerra…
    .
    Acham pouco??? Esta provavelmente seja uma leitura que Maduro esteja recebendo ou fazendo…pois o Brasil poderia agir não somente por motivações externas, mas tambem e até mais fortemente por motivações internas… enfim, uma tarefa bem mais dificil, embora para ele talvez até nem faça tanta a diferença caso esteja por perder….pois quem já tem tudo a perder, sempre arrisca…

  148. Rafael,
    Mas ocupar margem direita do Esequibo significa ir além da área em litígio, o que retiraria uma alegada legitimidade da operação
    Porisso considero Bartica o melhor ponto
    Na tese de doutorado que indiquei possui excelentes mapas com a indicação de povoados na região

    Abraço

  149. camargoer 9 de Fevereiro de 2018 at 12:32:”A.Araújo é um nacionalista (que não é uma exclusividade nem da direita nem da esquerda) e muito ligado ao setor produtivo, ao contrário da escola neoliberal que é essencialmente financista.”
    .
    Então ele não é mais um liberal? Acho interessante este apego à quimera do neoliberalismo. Termo chulo que serve apenas para discurso partidário sem qualquer benefício à ciência política ou econômica. Utilizada quase como um insulto, e de tão estéril é possível tachar qualquer ‘desafeto’ político e intelectual com ela, o que garantirá a automática repugnância de toda uma parcela da população e, principalmente, do eleitorado.
    Outro ponto que me interessou neste enxerto foi o raciocínio de que os nacionalistas estão ligados ao setor produtivo, enquanto os tais neoliberais ao financeiro. Transpareceu haver um antagonismo ou não entendi direito? O que você considera setor produtivo? Quem faz parte dele? O raciocínio seria que apenas nacionalistas produzem riqueza, mas os ‘neoliberais’ e ‘financistas’ apenas triunfam na pobreza e não têm interesse no desenvolvimento econômico da sociedade?
    .
    camargoer 9 de Fevereiro de 2018 at 12:32:”O fato do A.Araujo escrever no blog do Nassif não quer dizer muita coisa, caso contrário eu seria considerado de direita por comentar aqui na trilogia.”
    .
    Infelizmente não posso concordar com isto. Fiquei até um pouco chateado, meu intelecto mediano se ofendeu de certa forma.
    A revista eletrônica comandada pelo Nassif demonstra uma clara orientação ideológica. Me parece ilógico e contraproducente para agenda daquele hospedar articulistas que não comunguem de seus ideais. Ademais, apontei outros fatos que, em minha opinião, contradiziam sua informação de que o “intelectual” era liberal. Porém, para ilustrar melhor minha teoria, citarei os títulos de alguns de seus artigos naquele site, acredito que o conteúdo é facilmente perceptível: “A raiz do golpe contra a Petrobras”; “Os EUA e as ‘causas’ internacionais”; “O mercadismo que quer operar acima das tensões sociais”, “EUA em Caracas e a perda do protagonismo brasileiro”.
    Interessante que resolvi ler o artigo que você elogiou. Infelizmente, não concordei com quase nada. Ele aparenta criticar a atual diplomacia norte-americana que de grosso modo ignora a América Latina. Talvez ele preferisse a antiga diplomacia que era mais ‘interventiva’ na região. Um contra-senso para um nacionalista.
    Depois critica a não escolha de profissionais da área para a chefia de departamentos de relações exteriores. Convivemos no Brasil muito tempo com diplomatas de carreira e, me parece, que eles não alcançaram seus objetivos, tanto globais quanto regionais. Veja a situação atual de Mercosul, Unasul, BRICS e o Conselho de Segurança da ONU. Nem Nobel da Paz…
    Me pareceu uma pura e simples defesa do funcionalismo público. Talvez receio que alguém recrie tais medidas de saneamento em nosso país. Para mim foi claro que Trump está realizando uma ‘limpeza’ de cargos comissionados na administração pública de seu país, extinguindo funções dúbias ou sobrepostas. Admito que ele também busque ‘afastar’ aqueles mais ligados aos Democratas. Tem que ser muito estatista para chamar de desmanche. Ele transparece até uma carência ou revolta com o aparente desdém do DoE com o Brasil.
    .
    Por fim, ler e comentar a Trilogia não o faz nem um pouco de “direita”, seja qual for sua concepção do termo. Seu acesso a este site apenas atesta que você é um entusiasta da temática de defesa, como eu.

  150. Amigos,
    .
    O Rafael M. F., no dia 8 de Fevereiro de 2018, às 19:20, postou o link de 2 (dois) mapas interessantes, com a vegetação e com o relevo da Guiana.
    .
    Vegetação: mostra que boa parte da fronteira – mas não toda – entre Guiana e Venezuela é coberta por florestas tropicais. Entretanto há áreas de florestas litorâneas na fronteira norte, possivelmente com muitas áreas alagadiças, bem como poucas áreas de savanas o mato mais rasteiro que fica na parte sul da fronteira.
    Este mapa mais simples de vegetação pode ajudar:
    https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d9/Guyana_veg_1973.jpg
    .
    Relevo: mostra que o sul da fronteira entre Guiana e Venezuela é acidentado e alto, notadamente no Planalto das Guinas, com destaque para a Serra de Pacaraima, com altitudes que ultrapassam 2.000 metros (só o monte Roraima chega a com 2.739 metros).
    Mas há áreas de relevo mais plano, como a bacia do Rio Coyuni que corre entre os dois países e entra pela Guiana até encontrar o Rio Essequibo.
    Ao norte, entre a curva do Coyuni até o litoral, há um uma área acidentada e depois desce para floresta tropical e, finalmente, florestas litorâneas.
    .
    Importante observar relevo e rios.
    Algum ‘doido’ ou ‘oportunista’ na Venezuela poderia tentar estabelecer uma área de atrito assimétrico, apoiado por forças regulares, delimitando por acidentes geográficos.
    Seria um golpe de mão para criar uma situação de fato.
    (Já vimos isso antes…)
    .
    Como exemplo poderíamos delimitar 3 (três) áreas.
    .
    Ao norte, pegião costeira.
    Acima do Rio Cuyuni até o litoral, em uma tentativa de chegar à foz do Rio Essequibo.
    O Rio Cuyuni protege o flanco sul e o mar o norte.
    Ponto fraco é o mar, ficando a costa vulnerável às ações de potencias navais (EUA e Reino Unido por exemplo).
    .
    Ao centro, planície fluvial:
    Abaixo do Rio Cuyuni, que seria o flanco norte, até o Rio Mazaruni ao sul, em uma área de floresta tropical pouco habitada, avançando (ou com capacidade de incursões assimétricas) até a junção do Cuyuni e Mazaruni com o Rio Essequibo.
    A vantagem é que fica longe do litoral, com um pequeno maciço montanhoso protegendo do litoral vulnerável à potencias navais, bem como com a Serra de Pacaraima como obstáculo contra eventuais forças ‘imperialistas’ brasileiras.
    .
    Ao Sul, pelas montanhas.
    Planalto das Guianas, Serra de Pacaraima, ao sul do Rio Mazaruni.
    Terreno ruim, mas ruim para todo mundo, com baixa densidade demográfica, pode ser uma base para ações assimétricas com intenção de infernizar a América Latina caribenha.
    A desvantagem é que fica próximo do Brasil, que tem tropas de selva e de montanha, deixando o flanco sul exposto há um tipo de guerra muito chato, que
    talvez o exercito brasileiro tenha maior capacidade.
    .
    Em termos geográficos seria isso.
    Simplificando, são 3 (três) cenários que se apresentam.
    .
    Agora, se os bolivarianos tentariam uma empreitada dessa…?
    Improvável.
    Mas depende do desespero para conseguir uma ação diversionária, enquanto o país afunda na maior crise econômica e social de sua história.
    Contudo, não seria a primeira vez que populistas autoritários tentariam as vias externas para mascarar sua incompetência interna.
    .
    O mapa, sempre o mapa.
    .
    Saudações,
    Ivan, o mapento.

  151. Carvalho eu falei pq apesar da Guiana nao ter forca aérea e blindados, não sei se a venezuela teria forca pra tomar a capital da mesma, seria um conflito de infantaria-infantaria ate porque a venezuela não teria capacidade de enviar tanques e nem a FAV teria capacidade de fazer muitas sortidas para apoiar as tropas.

  152. Carvalho
    9 de Fevereiro de 2018 at 17:41

    Tenho dúvidas se Maduro no momento que estiver caindo de podre estará preocupado com legitimidade.

    Embora de fato a ocupação da capital para captura do aeroporto possa ter um efeito muito mais impactante, pois a imagem de tiroteios e refugiados certamente fará a opinião pública mundial se voltar contra Maduro.

    Sem contar que qualquer país que resolver vir em socorro pode usar a pista como base.

    Então, das duas uma: ou Maduro toma ou bombardeia. Qualquer das duas opções provocará condenação internacional.

  153. Augusto e Rafael,
    .
    Ok.
    Um conflito naquela região é improvável.
    Mas vamos pensar na possibilidade de acontecer algo improvável, como ação diversionária desesperada.
    .
    Para os objetivos bolivarianos – que são diferentes dos anseios estratégicos de uma grande Venezuela – pode haver uma ação menor, localizada, criando um fato externo que, supostamente, tire a pressão interna.
    Sabemos que isso seria um desastre…
    … sempre foi.
    .
    Contudo, na linha de suposição, os bolivarianos de Caracas poderiam optar por uma ação limitada, sem pensar em chegar a Georgetown, nem mesmo ocupar toda a margem oriental do Rio Essequibo. Apenas criar um enclave de fato que abrisse uma contenda pelo todo.
    .
    Penso que, em função da geografia e dificuldades logísticas esta estratégia poderia ser possível.
    Entre os cenários que propus acima, o do centro seria uma opção equidistante do mar e do Brasil.
    .
    Lembrando que o cenário central, entre os rios Cuyuni ao norte e Mazaruni ao sul, com duas áreas de relevo acidentado igualmente ao norte e ao sul, haveria condições de criar uma área de atrito inicialmente convencional (a conquista do terreno) e depois assimétrico (guerrilha a partir das bases entre dois contrafortes).
    .
    Mas é apenas um exercício do improvável…
    .
    Sds.,
    Ivan, o Terrível.

  154. Rafael PP, eles chamam qualquer um que nao defenda a politica de massivos incentivos fiscais e incentivos ao consumo desenfreado como ‘neoliberais’, posição de gente que não sabe de nada sobre politica economica, partindo disso é errado dizer que alguem q n defenda uma politica nacionalista produtiva defenda o setor financeiro. Basicamente voce como governante faz a politica financeira e monetária expansiva ou retroativa de acordo com a curva de produção, e todos os economistas(um consenso mundial) sabem que politicas fiscais e monetárias expansivas quando o pais esta no limiar da curva de produção so causam inflação e subida nas importações. Portanto não existe isso de desenvolvimentistas vs neoliberais tudo dependo da analise economica.

  155. Ivan 9 de Fevereiro de 2018 at 18:25.
    Sim, eu ja tinha cantando essa pedra so não tão detalhada como a sua com base na geografia da guiana por preguiça de pesquisar. O que deve acontecer, se acontecer sera isso mesmo, um pequeno intendente deliberadamente provocado por uma das partes sem que haja provas para por culpa em nenhum dos dois lados mas que possa ser incendiado assim quando uma das partes quiser.

  156. Augusto
    Concordo que eventual conflito, embora improvável, será com tropas em terra
    Aí creio que falará mais alto a fanatizacao das milícias bolivarianas e maior efetivo do exército da Venezuela

  157. Não acredito nesses sites e nem uma invasão

    Mas se algo acontecer, aposto que opinião pública iria contra Brasil no conflito por nossa podre classe politica

    Quem entraria em guerra dos outros, pelo Temer? Sarney?

  158. Há como gostaria que fosse verdade, ver a venefavela se afundar de vez e se ouver interesse quem sabe, nossos militares anexarem este pais miseravel, Brasil faria parte do caribe olha que beleza explorar petroleo, gas, madeira e o turismo.
    Seria realmente incrivel !

    Saudações,

  159. Gente pelo amor de deus,olha o site dessa noticia( o antagonista kkkkkk). Se houver algum leitor desse blog que não seja um tiozão de 50 anos de idade que fica falando de política 24/7 por dia eu tiro mu chapéu. Blog totalmente politizado e sem credibilidade alguma,é pra direita o mesmo que o Brasil247 é pra esquerda,máquina de propaganda política e fonte de notícias sensacionalistas. Esperava que um blog de respeito como a trilogia forças de defesa não desse mídia pra um blog d baixíssimo nível como o que originou essa história(o único que a noticiou diga-se de passagem)

  160. HAHAHA

    Na conjuntura atual as tropas brasileiras morreriam de febre amarela antes de ver um venezuelano. Uma coisa é vc operar uma brigada de nativos na fronteira amazonica, outra coisa é colocar 3,4 Divisões de exército lá formadas por conscritos sudestinos, sulistas e afins no meio da selva sem capacidade de airlift… a moral ia baixar no meio do mato meu chapa em meio ao fogo inimigo, a insalubridade, os piolhos, a lama e o calor. E não haveria nada que o comando pudesse fazer porque sem helis para airlift e sem estradas para os caminhões… ia fazer o que? como Ngyen Giap colocar os nativos de bikes na selva para abastecer 200 mil homens? com que densidade demografica que a amazonia brasileira não tem? rsrs

    E outra, na selva é complicado operar os tanques (que não temos)… quem ia romper as linhas venezuelanas? os rapazes que colocaram para patrulhar as ruas do RJ? Sem chance.

    E a FAB? Como conseguiria superioridade aérea com os Flankers lá no alto e os S-300 no chão?

    Eu acho mesmo que seria uma derrota acachapante para o Brasil.

  161. tem uns comentários que chega ser ridículo, a vontade de defender a ideologia marxista é maior que o patriotismo, mas eu não me espanto com mais nada desses esquerdop@tas farsantes!

    Depois se auto proclamam “patriotas” sei bem qual é pátria dessa gentinha, o Brasil é que nunca foi.

  162. Operação irregular contra abrigos de refugiados venezuelanos em Roraima com alguns feridos. Seriam bolivarianos e PTrachas os responsáveis?

  163. De primeira achei a noticia uma dessas bobagens para turbinar acesso em varios sites, + uma fake. Mas, pode não ser.
    Juntando com  o tour de Rex Tillerson, Jungmann na Guiana e o FBI em SaoPaulo poder parte da preparação e balões de ensaio para uma intervenção.
    Mas, pensando como os americanos, o que ganha-se com a participação o Brasil? Essa disputa é pela bacia de petroleo, desculpem os ideologos. Sequer cobramos impostos sobre petroleo extraído no Mar não seremos nós a ficar com esse butin.
    Uma aventura dessas resultando em prejuizo economico e vidas brasileiras, é tudo que os esquerdistas querem

  164. A solução não é proteger a Guiana no caso de invasão.
    Basta infiltrar militares brasileiros na Venezuela e pegarem maduro e tirar de lá.
    Logística menor.
    Mais prático.
    Maduro caindo, o resto se resolve.
    A questão é só traçar o plano de extração de Maduro…
    E leva-lo para Guantánamo.
    Depois pegava o da Nicarágua e o da Bolívia.
    Estaria resolvido o bolivarianismo na região.
    Mas precisamos de um novo presidente de pulso e não ligado ao bolivarianismo.
    O atual governo peca por falta de nacionalismo.
    Deixa-se levar por empresários, por interesses externos e também pela questão financeira, em detrimento da preservação do nacionalismo.

  165. o ufanismo cega muita gente aqui… a amazonia é um “mar de selva”, não temos logística para deslocar muitas tropas e armamentos pesados do centro-sul até Roraima, que é um estado com uma presença militar enorme… morei anos em Manaus a propósito.

  166. Sub-urbano, bom dia.
    Toda a 1a DE está com efetivo profissional.
    A 2a DE tem quase todo efetivo profissional, e 2a RM tem muitos mobilizáveis muito bem treinados para completar o pouco efetivo q falta.
    A 3a e 5a DE q tem um meio a meio mais ou menos de profissionais e recrutas, sendo q as funções chave são profissionais.
    Todas as DE cumpriram todo adestramento no último ano.
    Quanto a febre amarela e outras é q o problema é maior, mas, com $ (q aparece em caso de conflito), se compra, além de MUITO repelente!!!!! Kkkkk
    Mas, como a probabilidade é pouquíssima dessa confusão, não tem problema.

    Sds

  167. A cegueira esquerdista que se faz presente em alguns comentários chega a sangrar os olhos…

    Sobre a matéria…

    Se o Brasil entrar em guerra contra a Venezuela por causa da Guiana, vai ser para apoiar uma daquelas ações “mandrakes” do Conselho de Segurança da ONU, tipo aquelas que deram inicio a 1ª Guerra do Iraque. Aliás a situação é parecida.
    Um ditador maluco e decadente que invade um país vizinho sob alguma alegação furada.

    A “cereja do bolo” nesse caso é a Guiana fazer parte do Commonwealth.

    Ou seja, não apenas o Reino Unido entra na briga, mas outras nações como Canadá, Austrália, Índia, África do Sul, etc, ficam do lado da Guiana nessa guerra.
    Militarmente Canadá e Austrália com certeza perfilam tropas aos lados dos ingleses, pois ao contrário de grande parte dos membros do Commonwealth, eles fazem parte da Monarquia Britânica. São “irmãos de sangue”.

    O Brasil, por ser o único a fazer fronteira com os dois países envolvidos, será a “ponta de lança, da “Força Aliada”.

    Nossas tropas de infantaria de selva, reconhecidas mundialmente pela sua alta capacidade de combate, lutariam ao lado dos soldados da Rainha, dos Yankees(as tropas estacionadas no Panamá tem formação para guerra na selva amazônica) e provavelmente das tropas da Legião Estrangeira Francesa localizadas no Suriname.

    Os americanos estacionam 2 de seus Porta Aviões nas costas da Guiana e pronto, tem-se a supremacia aérea. Os tais “super Flankers” Venezuelanos nem saem do hangar. Igual fizeram com os MIGs Iraquianos, na segunda Guerra do Iraque. Quando viram a inferioridade numérica (coisa de 8×1) foram até enterrados para não serem destruídos.

    A Guerra não dura 1 mês.

    Depois é só esperar pra ver os militares Venezuelanos, envergonhados e humilhados, decidirem o que vão fazer com Maduro. Aposto que não demora 6 meses para explodir uma guerra civil lá.

    Ou seja, Maduro não vai invadir ninguém.
    Seguirá escravizando o próprio povo.
    Algo que líderes socialistas fazem desde que começaram a levar a Ficção Científica inventada por Karl Marx a sério.

  168. Senhores
    Apenas para jogar um pouco mais de gasolina no fogo:
    Caso o Maduro invada a Guiana, esta peça socorro à Commonwealth, a rainha e seus súditos resolvam ajudar, adeus Ocean por enquanto.

  169. sub-urbano 9 de Fevereiro de 2018 at 22:07
    Quata ignorancia,sue comentari so mostra o total deconhecimento com relacao ao TO e as capacidades brasileiras na regia,a comecar com o fato de termos sim helicopteros para airlift,localizados em belem e manaus estao esquadroes com desenas de h36 e falcoes negros e caso haja necessidade os ah2 sabre em porto velho podem ser facilomente realocados. Quanto a “soldados nativos”,nao sem em que universo vive mas o brasil possui excelentes unidades de combate e logistica em ambiente amazonico,nao faria sentido algum mobilizar tropas de outros TOs qnd se pode enviar comandos especializados para infiltracao e ataque. Quanto aos tanques,vai se informar melhor,o brasil tem a maio forca blindada da america,atras apenas dos eua,porem novamente nao faz ssntido algum enviar esses tanques para o TO mencionado. Quanto aos flaquers,a venezuela opera ou baixissimo nivel desses vetores,sendo questionavel sua capacidade operativa(vooam em media 47h POR ANO,e os f16 ainda menos )isso sem falar no fato deles nao possuirem avioes de reabastencimento,limitando seu raio de acao as proximidades da capital caracas,os f5 am modernizados sao equivalentes a caças de 4 geracao e portanto capazes sim de engajar os poucos su30 e f16 operativos da sofrida FA bolivariana. Quanto ao sistema antiaereo s300,a depender da area do conflito estes nao poderao ser utilizados visto o terreno a ser empregado e seu raio de acao(o que forcaria a defesa aerea venezuelana a instalar as defesas na regiao de selva). Portanto caro amigo,busque se informar melhor antes de sair falando besteiras e achismos por ai

  170. So para dar um exemplo da capacidade logistica em combate amazonico do brasil,peguemos a operacao amazonlog 2017,amplamente divulgada e coberta pelo blog

  171. Olá Colegas. Vou colocar um contraponto em relação à teorias conspiratórias. É apenas a imagem especular dos comentários, mas é também bastante verossímil. Uso como base o filme “Mera coincidência” (wag the dog) com Robert de Niro e Dustin Hoffman. O filme é legal. Resumidamente, as eleições se aproximam e o presidente é candidato à reeleição, mas se envolvem em um caso de pedofilia. O gabinete chama um especialista em crises (de Niro) que contrata um produtor de Hollywood (Hoffman) para elaborar uma guerra fake (uma missão de paz na Albania) que acaba focada no resgate de um soldado (Woody Harrelson) que na verdade é um sargento psicopata. Agora juntando essa história e invertendo a lógica (não é Maduro que está com problemas de popularidade, mas sim Temer). O Secretário de Estado dos EUA vem à América do Sul e evita visitar o Brasil, mas dá uma declaração conjunta com o presidente da Argentina criticando Maduro. Enquanto isso, Temer tenta criar um factoide para consumo interno em relação á Guiana (tão distante no imaginário brasileiro quanto era a Albânia no imaginário da população dos EUA no filme). Riso. Para mim, isso faz mais sentido do que o Maduro movimentando tropas.

  172. Olá Nigo. Li a nocitia no O Globo. Ela fala apenas sobre o fluxo migratório de venezuelanos para o Brasil (e também para a Colômbia). As ações do MinD e do MinJus são apenas para reforçar a segurança na fronteira Brasil – Venezuela (200 homens do EB) e para a emissão de documentos provisórios para os estrangeiros. Não há menção à Guiana. Apenas por curiosidade, o Brasil está sem embaixador na Venezuela. O posto é ocupado por Rui Castro (que aparece na página do Itamaraty como embaixador do Brasil na Venezuela) mas ele foi considerado persona non grata pela assembleia venezuelana desde dezembro de 2017. O gov. brasileiro não indicou outro nome. Isso tira o Itamaraty de qualquer negociação diplomática na região.

  173. Para se ter uma declaração do Min Def,relativo ao assunto,deve ter sido detectado alguma movimentação,tipo comboio militar se deslocando para a beira de um rio da região,com tropa e equipamento ,para serem embarcados em barcaças,rio abaixo em direção a Guiana.
    Com as chuvas desta época do ano,os rios estão cheios facilitando o deslocamento rio abaixo.
    Eles tem equipamento para isto e cobertura dos Su-30,com bombas guiadas.
    A Venezuela forneceu durante anos petróleo a baixo custo para Cuba,e em troca podem estar recebendo peças de reposição,os equipamentos são de mesmo fornecedor,e assessoria militar.
    Chaves comporu e recebeu mais de 1000 bombas guiadas para os SU-30.
    Mas prefiro acreditar que é um treinamento militar de deslocamento,como nos fazemos. e seja apenas um dialogo mais áspero na região.

  174. Primeiramente aos paisanos que nunca estiveram em um GC, ou fizeram um exercicio militar ou que serviram apenas um ano, limparam o banheiro e foram embora, as nossas forças armadas tem sim profissionais qualificados e muitos com experiência em combate vide COMANDOS, PARA-SAR e COMANF, então senhores não queiram desfazer dos profissionais que dedicam suas carreiras e suas vidas, dizem que estamos sucateados claro isso vindo das pessoas que chamam o A-29 de teco teco,
    façam o seguinte ou não façam pois afinal muitos dos senhores ja não tem idade para compor as fileiras de nossas forças armadas quem puder se aliste ou faça o concurso depois conversamos, aos demais apenas não falem besteiras menosprezando os militares.

  175. Johan,

    Nesse caso especificamente, e levando em conta a declaração do ministro, minha opinião é o contrário da sua: não vejo sensacionalismo ou exagero pois, praticamente, comparando os trechos abaixo da matéria do Antagonista e da declaração do ministro, está sendo dito isso mesmo conteúdo mas com palavras diferentes:

    Antagonista – “A ida de Raul Jungmann à Guiana, bem como ao Suriname, é um recado de que o Brasil não vai tolerar a agressão de Maduro contra qualquer país vizinho.”

    Ministro da Defesa -“Não se pode admitir, portanto, para o equilíbrio da região, qualquer saída pela força. O Brasil não aceita essa possibilidade e isso vale não só para esse dissenso, como para qualquer outro, pois esse é um princípio constitucional de nosso País”.

    Na minha interpretação, dizer que o Brasil “não vai tolerar” (Antagonista) ou que “não aceita essa possibilidade” (Jungmann) é a mesma coisa. Mas cada um interpreta como acha certo.

  176. Não houve meias palavras.
    “Não se pode admitir”, “O Brasil não aceita”, “vale para……..qualquer outro”.
    Se ele quisesse ser diplomático teria dito, “esperamos”, “desejamos”, gostaríamos que fosse”.
    O recado foi claro.

  177. Fernando “Nunão” De Martini 10 de Fevereiro de 2018 at 16:52.
    Perfeito, iria comentar o mesmo.
    Paulo Costa 10 de Fevereiro de 2018 at 13:40.
    Nunca soube que Venezuela comprou nem sequer uma bomba guiada.
    camargoer 10 de Fevereiro de 2018 at 13:11.
    Camagoer, permita-me discorda o Brasil esta sem diplomata, nao quer dizer que esta fora das negociações, ou conversas, há outros meios e quanto a reportagem do Globo, na minha visão so complementa a notícia do o Antagonista, visto que segurança das fronteiras tem um aspecto muito amplo e muitas conversas ou acordos podem ter saído sem o Globo saber.

  178. Olá Augusto. O problema no Itamaraty é mais grave, porque a postura do Aloisio é muito agressiva contra a Venezuela, além disso li em pelo menos dois lugares distintos (coluna do Claudio Humberrto e um artigo do Andre Araujo no Nassif) que o Itamaraty está descoordenado. Inclusive, eu notei que quem emitiu uma nota de esclarecimento foi o MinD sobre uma reunião que estavam presentes 3 ministros (Defesa, Justiça e GSI) mas sem o Min Relações Exteriores.

  179. Augusto,copiei o link já antigo.
    A Venezuela vai adquirir aviões à Rússia (Sukhoi Su-35/30MKI e Su …
    https://www.wordpress.com/…/a-venezuela-vai-adquirir-avioes-a-russia-sukhoi-su-…
    26 de jun de 2006 – E porque não há-de Hugo Chavez comprar o armamento que julga necessário para a defesa do seu país, onde bem entenda? ….. Moskit/ Brahmos, missil PJ-10, missil Kh-145 Kickback, missil Kh-55, missil Kh-65, Bombas guiadas Kab (todas as versões), Bombas convencionais FAB (todas as versões)
    O Lula foi a um encontro bilateral com o Chaves e o Lula pergunta porque o Chaves comprou tanta bomba guiada,e fala o numero de bombas,passou isto na TV ,já tem bastante tempo isto

  180. “mais grave, porque a postura do Aloisio é muito agressiva contra a Venezuela,”
    Esta é a pérolas de todas as pérolas que li aqui hoje
    Realmente,o Itamarati deveria bater palmas ao governo Maduro como fazia no desgoverno anterior, enquanto a população e literalmente escravizada, morrendo como faço pelas ruas e os que ousam contrariar são exterminados.
    Realmente, segundo o “camisetinha vermelha” aí de cima, há um “excesso de democracia na Venezuela”….

  181. O pior momento de um individuo e quando ele se sente acuado,as reações são improváveis,e depois de dar o primeiro tiro,os próximos vem naturalmente,temos loucos de todo porte neste mundo.
    Ainda acredito que seremos potencia de respeito.

  182. “O último lance é inventar uma guerra.”
    .
    Sim, é verdade.
    Mas este seria um lance populista e autoritário,
    como uma última cartada bolivariana de Caracas.

  183. Teoricamente seria fácil para Venezuela, não? Dependeria da real capacidade de manter o suprimento naval e aéreo.
    1 – Desembarques duma Brigada de Fuzileiros Navais dominando o litoral noroeste, a Foz do Esequibo e o rio propriamente dito.
    2 – Assalto duma Brigada Aero-terrestre na região de Bartica-Wineperu-Sherima Crossing. É uma pista de pouso próximo? Daí deslocando pela Rupununi Road e contando com reforço de uma Brigada de Infantaria e a ajuda da aviação de asas rotativas ocupar e controlar as regiões de Cuyuni, Potaro e upper Esequibo.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here