Home Estratégia Opinião: Rússia substitui EUA como ‘power player’ no Oriente Médio

Opinião: Rússia substitui EUA como ‘power player’ no Oriente Médio

2957
44

Por Jessica Mathews

A posição desoladora dos Estados Unidos no Oriente Médio hoje deveria enviar ao presidente Trump uma mensagem poderosa. A região é cheia de bases aéreas e navais americanas e grandes desdobramentos no Catar, no Bahrein, no Kuwait e nos Emirados Árabes Unidos, entre outros, equipados por 55 mil soldados e civis e contingentes crescentes nas zonas de guerra do Afeganistão, Síria e Iraque. Apesar de toda essa força militar, o “go to” do poder na região hoje é da Rússia.

Uma vez que o presidente russo Putin salvou do colapso o regime do presidente sírio, o presidente Bashar Assad, estabeleceu relações de trabalho com todas as grandes potências no Oriente Médio, incluindo o Egito, a Arábia Saudita, Israel, o Irã e a Turquia, embora vários deles se opõem ferozmente ao que está fazendo na Síria. Moscou trabalhou acordos de sucesso com a Arábia Saudita para subir os preços internacionais do petróleo. Suas relações com Israel nunca foram mais próximas, apesar de a Rússia ter fortalecido muito o Irã na Síria.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan e Putin, superaram a tensão dos combates em lados opostos na Síria e da adesão da Turquia à OTAN, para concordar com a compra de mísseis de defesa aérea russos e um reator nuclear russo. O presidente egípcio Fattah Al Sisi, como Erdogan e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, fizeram múltiplas peregrinações a Moscou, e agora o Egito e a Rússia assinaram um projeto de acordo que concede a Moscou acesso ao espaço aéreo egípcio e possivelmente bases. Moscou concordou em vender ao Egito o mesmo sistema de mísseis avançado que a Turquia está comprando e está construindo o primeiro reator nuclear do Egito.

Exceto na Síria, tudo isso foi alcançado através da diplomacia. No espaço de alguns anos, Putin encerrou décadas de irrelevância russa no Oriente Médio e construiu uma posição mais forte do que a União Soviética aproveitou há 40 anos. Não há nada misterioso sobre como ele fez isso. Putin entende o poder da diplomacia. Você pode apostar que não há embaixadas sem diplomatas da Rússia em países que interessam a Moscou, como existem hoje, quase incrivelmente, postos vacantes no Egito, na Jordânia, na Líbia, no Catar, na Arábia Saudita, na Síria, na Turquia e, claro, no Irã, onde estamos sem embaixadas.

Putin foi imensamente ajudado pela convicção do declínio americano que prevalece em toda a região. Tanto percepção quanto realidade, a crença assumiu raízes nos primeiros anos de Obama e cresceu de forma constante desde então. O que o presidente deve notar é que nenhuma quantidade de presença militar muda essa percepção.

No entanto, para abrir espaço para o aumento dos gastos com defesa “como ninguém já viu”, o orçamento de Trump para 2019 propõe que todas as despesas discricionárias que não sejam de defesa, que são tudo além de direitos e juros sobre a dívida nacional, devem cair em 10 anos para 1,3 por cento do produto interno bruto. De acordo com o Centro de Orçamento e Prioridades de Política, esse seria um terço do nível médio do último meio século e o nível mais baixo desde a administração Hoover.

O Departamento de Estado e a assistência internacional seriam reduzidos. Ajustados pela inflação, os cortes também equivalem a 42% de queda dos gastos atuais para educação, ciência, saúde, habitação, assistência nutricional, que são praticamente todos os programas federais que proporcionam oportunidades, reduzem a desigualdade, fortalecem o capital humano e incentivam a inovação. Estes são as fontes de crescimento a longo prazo e coesão nacional, dois dos três pilares da grandeza nacional.

Nós temos um poder militar projetado para projeção global que tem déficits de financiamento que precisam ser consertados. Por outro lado, não estamos atuando como um estado com responsabilidades e interesses globais. Nós também continuamos a permitir-nos o luxo de enormes desperdícios no orçamento do Pentágono, construindo tanques que nunca precisaremos, aviões que não podem operar no espaço aéreo de combate moderno e sistemas nucleares redundantes além do que é necessário para a dissuasão. Com as necessidades militares do século 21, os requisitos domésticos e os de liderança internacional, e com um déficit explodindo, o desperdício não é mais sustentável.

Nenhuma grande nação foi construída sobre a força militar. A União Soviética tentou e deixou seu povo na fila de sabão e fósforos. Nenhuma democracia tão desigual e dividida como a nossa pode permitir que as fissuras continuem a se alargar sem risco mortal. Nenhum país que construiu seu bem-estar em alianças, comércio e liderança de uma ordem internacional baseada no Estado de Direito pode se dar ao luxo de tratar seus compromissos com desprezo ou esquecer que a diplomacia é o principal instrumento para promover os interesses nacionais. O poder militar é apenas a alternativa quando a diplomacia falha.

Trump tem bastante companhia em confundir gastos militares com força militar e força militar com grandeza nacional. A diferença é que ele quer cometer o erro em uma escala maior do que qualquer outra pessoa imaginou desde pelo menos 1945. Um estado muito menor, e não um grande, está no fim do caminho que ele quer mergulhar.

Jessica T. Mathews é integrante distinta na Carnegie Endowment for International Peace, onde foi presidente por 18 anos.

FONTE: The Hill

44 COMMENTS

  1. Não há declínio americano no Oriente. O que acontece é que os Russos fazem um bom trabalho propagandístico, transformando água em vinho.

    Se os russos querem vender armas para o Oriente, quem vai impedir? Os americanos já o fazem desde… desde que o Oriente é Oriente.

    “Nós também continuamos a permitir-nos o luxo de enormes desperdícios no orçamento do Pentágono, construindo tanques que nunca precisaremos, aviões que não podem operar no espaço aéreo de combate moderno e sistemas nucleares redundantes além do que é necessário para a dissuasão. ”

    A carapuça também serve para os russos?

    “ixpechialistas”

  2. “Nenhuma grande nação foi construída sobre a força militar. ”

    É mesmo? Os Impérios Romano, Espanhol, Britânico, etc foram construídos sem a força militar?

    E, encolhendo demais o Estado, ele não estaria abrindo a porta para os comunistas? Exceto se a tributação baixar também…

    • “É mesmo? Os Impérios Romano, Espanhol, Britânico, etc foram construídos sem a força militar?”

      Não. Nenhuma nação foi construída a base da força militar, a força econômica desses países é que permitiram eles acumularem poder militar.

      No mais, a Rússia ainda continua a tentar superar os índices largos de pobreza no seu país, que não são poucos, enquanto a mesma tenta se destacar pela sua presença militar no mundo.

      Gostam de falar sobre a pobreza nos EUA, pois então vamos falar sobre a pobreza na Rússia:
      https://exame.abril.com.br/mundo/20-milhoes-de-russos-vivem-abaixo-da-linha-de-pobreza/

      Essas notícias não se vê aqui na Embaixada da Rússia. O próprio DCM, destaca: “No momento, de acordo com a Bloomberg, a Rússia é o sétimo país mais miserável do mundo.”

      Como já disse um colega aqui no blog, é risível ver um país que mal consegue alimentar seu povo deseja se consagrar como uma superpotência.

        • Não são 40 milhões abaixo da linha de pobreza, isso é uma enorme falácia sua.

          A estatística correta são 40 milhões vivendo na pobreza, sendo que quase metade deste total vive abaixo da linha de pobreza, número correto avaliado em 18,5 milhões de pessoas. Agora coloque a porcentagem deste total vivendo abaixo da linha de pobreza entre Rússia e EUA e verá que os russos são muito mais pobres do que os americanos.
          20 milhões de russos vivendo abaixo da linha da pobreza em % sobre a população total – 14% da população russa.
          18,5 milhões de americanos vivendo abaixo da linha da pobreza em % sobre a população total – 5,8 % da população americana.

          http://cartacampinas.com.br/2017/12/estados-unidos-tem-40-milhoes-de-pessoas-na-pobreza-ou-extrema-pobreza/

          • Cada país adota uma metodologia de acordo com a sua realidade, mas a forma de se obter os dados não elimina o fato de que 41 milhões de americanos não conseguem atingir um nível satisfatório de sobrevivência na sociedade americana. Se a linha de pobreza for usada como parâmetro para determinar o que é uma superpotência, como fez o Matheus G., então EUA e Rússia deveriam resolver seus problemas internos antes dos externos.

    • É o texto de uma mulher, a frase de efeito reflete a forma feminina de ver o mundo. Dê um desconto…
      O cerne do texto tem embasamento… Foi com uma chancelaria competente que a Rússia colheu frutos no OM…

    • Correto. Aleppo já está se reerguendo. Ghouta seguirá o mesmo caminho em breve. Já Raqqa, Tabqa e Mosul ainda terão de esperar um pouco mais.

  3. “…construindo tanques que nunca precisaremos, aviões que não podem operar no espaço aéreo de combate moderno e sistemas nucleares redundantes além do que é necessário para a dissuasão.”

    Francamente… Nada poderia estar mais equivocado…

    A dissuasão depende necessariamente de reservas em material que possam ser mobiliadas quando necessário.

    Também não me consta que um F-18 E/F ou F-15E fique a dever em um ambiente de guerra moderno…

    E sistemas nucleares redundantes são a garantia de sempre restará alguma alternativa, caso não seja possível usar aquilo que se considera o principal… Aliás, a possibilidade de saturar um adversário é o que garante a dissuasão nuclear a nível global. Sem isso, a possibilidade de uso da arma nuclear para o propósito de dissuadir fica muito comprometida…

  4. “…confundir gastos militares com força militar e força militar com grandeza nacional…”

    Não há força militar que se mantenha sem gastos. O que se pode fazer é racionalizar os gastos…

    A grandeza nacional não está somente ligada aos valores presentes na conduta de um povo. Isso é uma visão algo “romântica”… A preservação dos valores pátrios depende da capacidade de auto preservar-se; de lutar por eles… Há de se ter o poderio militar por detrás para se valer em qualquer situação diplomática adversa. Isso é o básico do básico…

  5. Outra materia falsa e mentirosa, os Russos so tem poder no Oriente medio por causa da aliança com o Ira, a influencia russa so se da no corredor da influencia Iraniana o restos dos paises tem relacoes normais nada mais, toda a pauta é voltada para EUA e Europa.

  6. Quem escreveu isso foi bem até falar “Nenhuma grande nação foi construída sobre a força militar” Quem era EUA antes da segunda guerra mundial? OLHANDO NO PASSODO EGITO , ROMA , Inglaterra, Espanha etc …muito pelo contrário q o artigo diz nenhum país pode ser rico sem ter um grande exército…antes q falem bobagem países q não tem um grande exército na EU são membros da OTAN.

    • “Quem era EUA antes da segunda guerra mundial? OLHANDO NO PASSODO EGITO , ROMA , Inglaterra, Espanha etc …muito pelo contrário q o artigo diz nenhum país pode ser rico sem ter um grande exército…antes q falem bobagem países q não tem um grande exército na EU são membros da OTAN.”

      Os EUA já eram desde o fim do século XIX a maior potência industrial do mundo, e em 1913 tinham um PIB per capita cerca de 30% maior do que o da Grã-Bretanha, país mais rico da Europa. A Europa de credora do mundo passou a ser devedora, principalmente em relação aos americanos, cujas reservas de ouro superaram a outra metade em posse do resto do mundo. Coloque nessa equação a produção industrial militar americana para contribuir com a vitória dos Aliados na Segunda Guerra Mundial, uma guerra cujo os americanos foram obrigados a entrar já que a Europa já estava quase conquistada.
      Ou seja, a força econômica dos americanos é que permitiram eles acumularem poder militar.

      ” EGITO , ROMA , Inglaterra, Espanha”

      A mesma coisa com essas nações supracitadas.

      Aliás tem exceção entre todos os outros: Esparta.

  7. Putin é até o presente momento o único que consegue dialogar com todos os players do Oriente Médio, Obama fez uma lambança que minou toda a credibilidade das potencias ocidentais…

    • Nao, ele não consegue! A AS e as monarquias sunitas não dão a mínima pra ele, os rebeldes Sirios tbm não e nem Israel, israel so respeita no ponto ao que a Russia respeita eles. Uma coisa é vdd, ele deu trabalho para a politica americana na região mas não tiraram os EUA e o ocidente da jogada nem os substituiram, somente tomaram um lado o do anti-ocidente.

  8. Em uma época que se permitia dominação, espoliação, escravidáo e até mesmo erradicação, o poder militar poderia ser superior ao diplomático. Hoje em dia não é mais aceitável.

  9. O Oriente medio esta é voltando o que era na epoca da guerra fria com 2 blocos de poder, o ocidente(EUA e Europa) e o eixo Russia-Irã e com a possibilidade de ser ter + um membro se a Turquia entrar no meio. Mas essa que a Russia substituiu os EUA é mentira. Nem mesmo a Russia teve influencia no preco do petróleo, aumentou pq os bancos ocidentais não precisam mais do petrodolar e nao financiam mais AS como antes, que sem o financiamento não pode mais jogar os preços la embaixo pra quebrar o xisto sem ter o risco de ficar sucateada.

  10. E é por causa dessa falta de poder e a reação dos EUA a entrada russa na Siria que a mesma esta tentando construir um eixo Moscow-Teerhan-Ancara.

  11. Não entendo esse presidente americano aumenta os gastos militares e corta gastos saúde,educação pesquisa e quer gerar déficit.O logico é não aumentar os recursos de defesa, é melhorar o gasto,priorizar projetos,para que tantos porta-aviões,11,é construindo mais dois se não estou enganado pode ser até mais,manter 320 navios de guerra á frota americana é a mais nova do planeta.A Rússia como não tem tanta grana está entrando aonde o EUA abandonou com suas politicas equivocadas e intromissão é claro falta de um bom setor de diplomatas igual a que o pais tinha no passado.A China também em devidas proporções não tem uma diplomacia boa,vejam ajudou o vietnan contra o EUA,é agora são quase adversários,intrometendo até em negócios com vietnan.sem falar no japão,que tem limitações constitucionais para ser armar,mas se no caso precisem dobram suas força armadas de tamanho de pessoal e equipamentos.

    • “Não entendo esse presidente americano aumenta os gastos militares e corta gastos saúde,educação pesquisa e quer gerar déficit”

      Republicanos são avessos com relação a gastos sociais, mas Trump está fazendo basicamente o contrário do que ele prometeu, a promessa de acabar com o Obamacare foi frustada assim como diminuir diversos gastos sociais que ele prometeu. A única promessa que ele manteve foi o acúmulo de mais gastos militares, uma de suas promessas foi “reconstruir” as forças armadas americanas. De fato, manter todos esses gastos e aumentar ainda mais o gastos com defesa, irá gerar um déficit monstruoso que beira a megalomania dos anos Reagan, mas ao que me parece é exatamente isto que ele quer e por um motivo: reduzir a participação dos chineses na dívida pública americana.
      Hoje existem cerca de US$ 3 a 5 trilhões em títulos do governo dos EUA nas mãos dos chineses, bastaria então um leve resgate de 30% deles por parte do governo chinês e os EUA estariam de joelhos. Acredito que o governo Trump esteja empenhado em dar um gás imenso à economia local, o que provocaria uma inflação e esta puxaria os juros de forma que seja atrativos a investidores da dívida e daí então usar estes títulos para substituir o máximo possível que estão em poder dos chineses e assim tirar a arma apontada para a cabeça americana.
      Por isso Trump quer reduzir o comércio com a China, as importações que os americanos pagam aos chineses são investidos em títulos públicos americanos em posse dos chineses, é basicamente o que fez Lula exportando commodities para o mundo e investindo esse saldo em conta corrente nos títulos públicos americanos garantindo assim reserva internacional.
      Supondo que seja isso mesmo que Trump esteja revendo, descobriu que restringir o comércio com a China permitiria que outros investidores estrangeiros comprassem mais títulos públicos americanos e para isso o governo americano tenha que se endividar, emitindo mais títulos públicos até chegar a um ponto que esses títulos em posse dos chineses não represente uma ameaça aos EUA, e para Trump a melhor forma de gastar esse monstruoso déficit é investir nas forças armadas americanas, permitindo assim maior acúmulo militar para desafiar os planos ambiciosos chineses, enquanto os americanos estejam substituindo os chineses como maiores compradores da dívida pública americana. Aliás se tem um país que dispõe de capital suficiente para substituir os chineses como os maiores compradores da dívida pública americana sejam os próprios americanos. Não apenas isso, com os déficits aumenta inflação, basta aumentar os juros para debelar a carestia, e aumentando os juros aumenta o atrativo de se investir no mercado americano, possibilitando assim mais investimentos na economia americana, enquanto os impostos estejam diminuindo, e títulos públicos estejam sendo emitidos e outros compradores estejam comprando(exceto chineses), e aumentando os gastos militares. Todas essas medidas relatadas tem basicamente pontos em comum, e se for isso mesmo Trump está basicamente imitando a política de Reagan, exceto a parte de substituir os títulos públicos já que os soviéticos não detinham quantidades suficientes da dívida pública americana para dar um golpe na economia americana.

      E por ora, foi durante o mandato de Reagan que teve o famoso “The Reagan boom” propiciado pela política econômica denominada “Reaganomics”. O próprio Trump já detém um termo próprio, “Trumponomics”.

      • Gilson, a administração Trump cortou varios programas de assistencial do Obama so não cortaram o Obamacare pq não conseguiram.

  12. Mano é cada coisa que se ler os Russo são pobres, não tem saneamento educação e passam fome que nem na Venezuela tem o pior índice no mundo o PIB é menor que Ruanda(não sei se ainda existe rsrs…) etc,,, oh may good…….

    Sensacional esses especialistas Pro-Âmis me divertem..Kakakakaka….
    ————————————————————————————————–
    O que acontece e que o Urso botou a cara para bater se os Âmis não gostaram simples cai dentro vai para a porrada parem de chororo……….tem um Play sentando esperando o vencedor que é a China.

  13. Discorda da matéria. Os EUA nunca teve poder pleno na região, da mesma forma que a Rússia na época da URSS nunca teve poder pleno dos membros da URSS (apesar da relação nessa época ser de cima para baixo – dominação). A Rússia sempre teve boa influência no Oriente Médio, por exemplo: Rússia e israel sempre foram próximos, Irã e Rússia, Rússia e Egito etc…
    Eu não diria que há uma redução da influência dos EUA na região, mas sim que a Rússia hoje está mais presente naquela região, ou seja, uma complementação, uma ampliação. Uma coisa não anula a outra.
    Outra coisa, certamente essa ampliação da Rússia no oriente médio é uma resposta da Rússia a perda de influência com a Primavera Arábe, socorrer o ditador sírio foi fundamental para bloquear o acesso do gás para a Europa, manter a base russa no Mediterrâneo, ter um presidente da sírio submisso aos interesses russos e vender armas.
    Da mesma forma que os EUA e dezenas de países querem derrubar Assad, a Rússia deseja manter Assad, apenas por interesse.
    Em fim, não se trata de uma relação de ganha-perde (aliás, muitas coisas na política não são ganha-perde), mas sim de ganha-ganha. Se um país tem algo a ganhar trabalhando junto com os russos, por que não apoia-los? Não faz o menor sentido ter uma visão estrita das coisas…senão acabaremos igual a Dilma rompendo relações com diversos países em miseros 6 anos de desgoverno.
    É bom manter relações com diversos países…

  14. Meu Deus!!! Os russos sempre fizeram isso no Oriente. Pessoal, a historia é cíclica.

    Declínio americano? Temos Israel, Arabia Saudita, Iraque, Turquia e uma série de Emirados com verdadeiras fortunas em comércio com os EUA e mesmo com todo o domínio (pseudo) da Russia na Síria os aviões americanos continuam a flanar por céus Sírios tirando sarro de incautos SU-24…

    Segue o jogo. Potencias econômicas normalmente se tornam potencias militares e o Investimento de US$600.000.000.000,00 (haja zero) em defesa que os EUA fazem anualmente mostram o tamanho de sua pequenez econômica.

  15. Olha o que essa mulher rescreveu: “Nenhuma grande nação foi construída sobre a força militar.”

    Em que planeta esta senhora vive? Meeeeuuuuu Deus!

  16. Todas as nações que foram construídas com a força militar ,acabaram tão logo como foram construída… Nenhum império be eterno ,o historia mostrou isso… Me lembro de uma palavra bíblica “te exaltaste até o céu ,tão porem abaterei te até o inferno”…
    Muitos comentários aqui se faz com emoções e torcidas …não pode ser assim gente, temos que analisar os fatos..Certo e que Putin e uma águia, ele mantem relações com todos os estados daquela região , a meses eu mesmo me pergunto “como ele consegue” ..Descobrir, não tomando parte na dor de ninguém , Israel ataca Siria , Rússia fala CALMA GENTE” , Irã ameaça Israel Rússia “CALMA GENTE “.. É assim que a Rússia tem conseguido se relacionar com todos …Outra ela tem bom relacionamento com os Sauditas sim ,quem foi lá em Moscou meses atrás?? Não foi um tal de Salman…Quem se encontra com Putin umas três ou quatro vezes por ano ?? Não e um tal de Netanyahu…. Gente a Turquia derrubou um avião Russo na maior covardia..Agora a Turquia ate equipamentos militares compra de Moscou…Egito recebe ajuda financeira dos EUA ,e vai lá em Moscou fazer suas compras..
    Ponto para a Rússia ,que por ser apartidária em brigas de estado no Oriente médio ,tem boa relações com todos…
    Mas deixamos bem claro, boas relações ,não quer dizer ser aliado ..Tem que saber interpretar isso, hoje os EUA é que são aliado de um grande numero de paises naquela região, e não Moscou..
    Mas uma coisa, Tamanho de orçamento militar ,nos dias de hoje não pode dizer muita coisa gente ,mas sim como VC faz a gestão daquilo que vc tem disponível…e a muito tempo os Americanos não estão sabendo gastar sua grana, muitas das vezes eles ajuda financeiramente paises que na realidade não merece, vide Paquistão…
    Do mais nem a Rússia ,nem os EUA é um perigo aquela Região ,mas sim a briguinha Sunitas X Xiitas, isso é que tem destruído aqueles povos, hoje o perigo individual lá chama se IRÃ e Arabia saudita, o Irã esta tentando uma influencia tremenda na região ,Síria ,Líbano,Qatar, Afeganistão, Iraque, este ultimo está semana o Irã abriu uma linha de credito bilionária para a reconstrução do mesmo…

    Então gente evita falar Rússia é isso Rússia é aquilo ,os EUA é melhor……Gente o grande mal do Mundo é a China ,Rússia e cristã como a gente…
    Vamos manter focado o debate usando o pouco conhecimento que Deus nos disponibilizou , e não agir como animais sem sabedoria…

  17. Amigos editores da Trilogia

    O “The Hill” é uma péssima fonte de informação.

    Um site da esquerda americana, totalmente anti-militar, anti-armas, anti-tudo o que envolve o principal assunto da Trilogia.

    Fazendo uma comparação com o Brasil, seria a mesma coisa que colocar um texto do jornal da União da Juventude Socialista sobre nossas forças armadas.

    Fica a dica.

  18. A Rússia em um teatro de guerra “convencional”(não nuclear), ao meu ver é incapaz de militar e economicamente enfrentar os Estados Unidos. A situação no oriente médio está mais relacionada a erros na política Americana do que amplo mérito Russo. Sendo mais ousado, arrisco dizer que a própria Alemanha na teatro OTAN é capaz de fazer frente aos russos. Os alemães estão com equipamentos de ponta em todas as suas forças ( marinha, exército e aéreo,).

    • Menos Lucio, menos.
      É claro que na eventualidade de confronto entre Estados Unidos e Russia.
      Vai ter sim o componente nuclear dos dois países. O capeta fica solto.
      Quanta infantilidade não considerar isto.

  19. A pergunta é : o que os EUA fizeram no Oriente Médio durante esses anos por lá? Trouxeram paz e estabilidade para a região? Só trouxeram guerras e destruição. A Rússia está na jogada para trazer estabilidade para região.
    Se não fosse a Rússia, o Irã estaria sendo bombardeado nesse momento.Depois da Síria, o Irã seria o próximo alvo. Isso está bem distante de acontecer agora com a Rússia na região.

    • Existe paz e estabilidade nos cemitérios….igual ao que está sendo feito em East Goutha onde homens, mulheres, crianças e velhos desarmados estão sendo dizimados por russos e sírios…

      Se for esse o conceito de “paz e estabilidade” russo…

  20. Essa Senhora provavelmente fumou a mesma erva estragada do Bernie Sanders…..

    O fato é que embora a Rússia tenha de fato aumentado a sua presença no Oriente Médio ela está muito longe sequer de atingir a influência que a antiga URSS tinha na região. Aliás o único mérito do país foi ter salvo o regime de Bachar Al Assad do colapso (o que na verdade é muito pouco pois a Síria está fragmentada e 1/3 do seu território está ocupado por aliados dos EUA – com forças dos EUA ali). O Irã embora esteja ao lado da Rússia dando combate aos inimigos de Assad segue seus próprios interesses e no pós-guerra vai desafiar os interesses russos na Síria. O Sultão Erdogan segue seus próprios interesses em sua afã de reviver o Império Otomano ou a missão impossível de ser um Gamal Abdel Nasser que deu certo.

    Quanto aos demais países o Egito recebe anualmente US$ 1.5 bilhão de ajuda econômica e militar dos EUA de modo que dificilmente voltará a admitir a presença de militares russos em seu território, Israel a despeito de Netanyahu ter ido algumas vezes à Moscou é e será o maior aliado norte-americano na região e Arábia Saudita e os demais países do CCG (Conselho de Cooperação do Golfo) têm comprado quantidade substanciais de armas dos EUA.

    Por fim, é preciso fazer alguma considerações sobre a hipocrisia recorrente das esquerdas. Criticam a “agressividade e belicismo” da retórica de líderes ocidentais como é o caso de Trump ao mesmo tempo em que cantam loas à autocratas (Putin) e ditadores escancarados (Xi Jinping) que se caracterizam por serem na prática belicosos e agressivos. Putin desestabiliza a Ucrânia armando e financiando separatistas além de ter tomado na mão grande a Criméia. O recém coroado ditador chinês constrói ilhas artificiais em águas reivindicadas por outros países e espalha ameaças em toda a Ásia, mormente contra o Japão, Índia e o Vietnã.

  21. Alerto q se faz propaganda de cartoon de Latuff, o mesmo q faz varios depreciativos sobre o exercito e policia militar! Com essa critica, q ensejo ser positiva em defesa do EB e diversas PM, irei novamente para o banco, paciencia.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here