Home Forças Armadas Por que não é mais possível que qualquer país vença uma guerra?

Por que não é mais possível que qualquer país vença uma guerra?

7802
40
US Army no Afeganistão

De Yuval Noah Harari

As últimas décadas foram a época mais pacífica da história da humanidade. Pela primeira vez, menos pessoas morrem hoje de violência humana do que de acidentes de trânsito, obesidade ou até mesmo suicídio. Enquanto nas primeiras sociedades agrícolas a violência humana causou até 15% de todas as mortes humanas, e no século XX causou 5%, hoje é responsável por apenas cerca de 1%. No entanto, o clima internacional está se deteriorando rapidamente; O belicismo está de volta à moda e o gasto militar está aumentando. Tanto os leigos quanto os especialistas temem que, assim como em 1914, o assassinato de um arquiduque austríaco provocou a Primeira Guerra Mundial, em 2017 algum incidente no deserto da Síria ou um movimento insensato na península coreana pode desencadear um conflito global.

No entanto, existem várias diferenças fundamentais entre 2017 e 1914. Naquela época, a guerra tinha grande apelo às elites em todo o mundo porque elas tinham exemplos concretos de como as guerras de sucesso contribuem para o sucesso econômico e o poder político. Agora, as guerras de sucesso parecem ser uma espécie em extinção.

Desde os dias da Assíria e de Roma, grandes impérios foram geralmente construídos através da guerra, e as elites em 1914 tinham muitos exemplos recentes dos enormes lucros que uma guerra bem-sucedida pode trazer. Em 1846-48, os Estados Unidos invadiram o México e, pelo preço de 13.000 soldados americanos mortos, chegaram à Califórnia, Nevada, Utah, Arizona, Novo México e partes do Colorado, Kansas, Wyoming e Oklahoma. Foi a barganha do milênio. Da mesma forma, o Japão imperial acalentou suas vitórias sobre a China e a Rússia; A Alemanha glorificou seu triunfo sobre a França; e quase todas as grandes potências tiveram uma série de pequenas e esplêndidas guerras coloniais em seu nome. Quando a França, a Grã-Bretanha ou a Itália pensaram em colocar botas no solo no Vietnã, na Nigéria ou na Líbia, seu maior receio era que alguém chegasse primeiro.

Em 2017, as elites globais não sabem como uma guerra bem-sucedida se parece. Eles podem ter lido sobre elas em livros de história e visto recriações fantasiosas em blockbusters de Hollywood, mas eles têm boas razões para suspeitar que esse tipo de guerra foi extinto. Embora alguns ditadores do terceiro mundo e atores não-estatais ainda consigam florescer durante a guerra, parece que as grandes potências não sabem mais como fazê-lo.

Soldados em trincheira durante a I Guerra Mundial

A maior vitória na memória viva – dos Estados Unidos sobre a União Soviética – foi alcançada sem qualquer grande confronto militar. Os EUA tiveram um sabor fugaz da antiquada glória militar na Primeira Guerra do Golfo – que apenas a tentou desperdiçar trilhões em fiascos militares humilhantes no Iraque e no Afeganistão. A China, o poder crescente do início do século XXI, tem evitado assiduamente todos os conflitos armados desde o seu fracasso vietnamita de 1979, e deve sua ascensão estritamente a fatores econômicos. Nisso, emulou não os impérios japonês e alemão da era pré-1914, mas os milagres econômicos japoneses e alemães não-violentos da era pós-1945.

Mesmo no Oriente Médio, os poderes regionais não sabem como travar guerras de sucesso. O Irã nada ganhou com o longo banho de sangue da Guerra Irã-Iraque e posteriormente evitou todos os confrontos militares diretos. Tornou-se hegemonia regional por padrão, já que seus dois principais inimigos – os EUA e o Iraque – se envolveram em uma guerra que destruiu tanto o Iraque quanto o apetite americano por atoleiros no Oriente Médio.

Soldado americano no Iraque

O mesmo pode ser dito de Israel, que empreendeu sua última guerra bem sucedida cinquenta anos atrás. Desde 1967, Israel prosperou apesar de suas muitas guerras, não graças a elas. Seus territórios conquistados são um fardo econômico pesado e uma responsabilidade política paralisante. Assim como o Irã, Israel melhorou recentemente sua posição geopolítica não travando guerras de sucesso, mas evitando ser sugado pelas guerras que devastaram o Iraque, a Síria e a Líbia.

A única recente guerra bem-sucedida travada por uma grande potência foi a conquista russa da Crimeia. No entanto, isso foi possível graças a um conjunto extraordinário de circunstâncias: o exército ucraniano não mostrou resistência; outros poderes abstiveram-se de intervir; e a população da Crimeia ou apoiou os invasores ou pacificamente aceitou a conquista como um fato consumado. Essas circunstâncias serão difíceis de reproduzir. Se a condição prévia para uma guerra bem-sucedida é a ausência de inimigos dispostos a resistir, isso limita as oportunidades disponíveis.

De fato, quando a Rússia tentou reproduzir seu sucesso na Crimeia em outras partes da Ucrânia, encontrou uma oposição substancialmente mais rígida, e a guerra no leste da Ucrânia se atolou em um impasse improdutivo. Conquistar fábricas decrépitas da era soviética em Luhansk e Donetsk dificilmente paga a guerra, e certamente não compensa os custos das sanções internacionais.

Exército Russo na Crimeia

Não obstante a conquista da Crimeia, parece que no século XXI a estratégia mais bem-sucedida é manter sua paz e deixar que os outros lutem por você. Por que é tão difícil para grandes potências travar guerras de sucesso?

Um dos motivos é a mudança na natureza da economia. No passado, se você derrotasse seu inimigo no campo de batalha, você poderia lucrar facilmente saqueando cidades inimigas, vendendo civis inimigos nos mercados de escravos e ocupando valiosos campos de trigo e minas de ouro. No entanto, no século XXI, apenas pequenos lucros poderiam ser feitos dessa forma. Hoje, os principais ativos econômicos consistem em conhecimento técnico e institucional – e você não pode conquistar conhecimento através da guerra.

Uma organização como a ISIS pode florescer saqueando cidades e poços de petróleo no Oriente Médio – em 2014, o ISIS apreendeu mais de US$ 500 milhões de bancos iraquianos e em 2015 fez mais US$ 500 milhões com a venda de petróleo. Mas é improvável que a China e os EUA iniciem uma guerra por poucos de bilhões. Quanto a gastar trilhões de dólares em uma guerra contra os EUA, como a China poderia pagar essas despesas e equilibrar todos os danos de guerra e perder oportunidades comerciais? O vitorioso Exército de Libertação Popular saquearia as riquezas do Vale do Silício? É verdade que corporações como Apple, Facebook e Google valem centenas de bilhões de dólares, mas você não pode aproveitar essas fortunas pela força. Não há minas de silício no Vale do Silício.

Uma guerra bem-sucedida poderia, teoricamente, ainda trazer grandes lucros, permitindo que o vencedor reorganizasse o sistema de comércio global a seu favor, como os EUA fizeram após sua vitória sobre Hitler. No entanto, a tecnologia militar atual tornaria extremamente difícil repetir esse feito. Por definição, os lucros grandes o suficiente para fazer uma guerra global valer a pena para o vencedor também valerão a pena para o perdedor recorrer a armas de destruição em massa. A bomba atômica transformou a “vitória” em uma guerra mundial em suicídio coletivo. Não é por acaso que, uma vez que as superpotências depois de Hiroshima nunca se enfrentaram diretamente e se envolveram apenas naquilo que (para elas) eram conflitos de baixa importância, nos quais ninguém foi tentado a usar armas nucleares para evitar a derrota. De fato, até atacar um poder nuclear de segunda categoria como o Irã ou a Coreia do Norte é uma proposta extremamente pouco atraente.

Desfile Militar na China

A guerra cibernética torna as coisas ainda piores para os candidatos a imperialistas. Recentemente, nos dias de George W. Bush, os EUA poderiam causar estragos em Faluja, enquanto os iraquianos não tinham como retaliar contra São Francisco. Mas se os EUA agora atacarem um país com capacidade de guerra cibernética moderada, o malware e as bombas lógicas poderiam interromper o tráfego aéreo em Dallas, fazendo com que os trens colidam na Filadélfia e derrubem a rede elétrica em Michigan.

Na grande era dos conquistadores, a guerra era um caso de baixo prejuízo e alto lucro. Na batalha de Hastings, em 1066, Guilherme, o Conquistador, conquistou toda a Inglaterra em um único dia pelo custo de alguns milhares de mortos. As armas nucleares e a guerra cibernética, ao contrário, são tecnologias de alto prejuízo e baixo lucro. Você poderia usar essas ferramentas para destruir países inteiros, mas não para construir impérios lucrativos.

Assim, em um mundo repleto de lutas de sabre e más vibrações, talvez nossa melhor garantia de paz seja que as grandes potências não estão familiarizadas com nenhum exemplo recente de uma guerra bem-sucedida. Enquanto Genghis Khan ou Júlio César invadiriam um país estrangeiro, os homens fortes de hoje falam alto, mas são muito cuidadosos com o fato de lançarem guerras. É claro que, se alguém encontrar uma fórmula para travar guerras de sucesso sob condições do século XXI, os portões do inferno podem se abrir com pressa. É isso que faz do sucesso russo na Crimeia um presságio particularmente assustador. Esperemos que continue sendo um exemplo isolado. No entanto, mesmo que seja impossível travar guerras de sucesso no século XXI, isso não nos dá uma garantia absoluta para a paz. Nunca devemos subestimar a estupidez humana.

FONTE: Times

40 COMMENTS

  1. A elite mundial nao precisa de conflito armado para lucrar, basta apenas o MEDO dele, ou ate mesmo o medo de seus possiveis responsaveis para nos ocidentais(do outro obviamente acontece o mesmo e ambos os casos, nao sem certa razao ) comunistas, Russia , China, Cuba , Coreia do norte, fundamentalistas islamicos e pronto estao ai os motivos para os EUA por exemplo ampliarem ainda mais seu imenso orcamento de defesa.

  2. Russia “Comunista”?? 60% da população Russa é ultra nacionalista, e não comunista…
    Não concordo a forma que tratam a anexação da Criméia pela Rússia , como se aquele território fosse um despojo de guerra , ouve um consentimento da população que era maioria Russa , uma votação ,os Russos já sabiam disso antes ,por isso entrou sem medo , não foi a Rússia a conquistar ,mas foi o povo a trair sua antiga pátria. Assim como Kruschev (Ucraniano) traiu o povo Russo da Criméia no passado, anexando esta à Ucrânia sem nenhum referendo local , o povo traiu a Ucrânia agora…
    E no geral a Criméia tem sido um fardo para os Russos ,devido as Sanções…
    Duro mesmo é os americanos, tomaram a metade do México na marra , e ninguém ficou de mi mi mi…

  3. O que seria vencer uma guerra pra essa cara? Destruir o estado inimigo e controlar suas instituições ditando assim as regras para o derrotado ? Ou meramente atingir seus objetivos pre estabelicidos, que não precisam ser vitoria total, ou terminar a guerra em posição favorável tendo não derrotado seu inimigo por completo?

  4. As guerras de hoje são um saco.Não existe guerra boa mas se tivesse de lutar, escolheria a primeira e segunda guerra apesar de quê as de hoje, tem mais atendimento médico,técnicas Cirúrgicas e medicamentos avançados

  5. Kkkkkkkkk cada dia mais Hilário. ..
    Texto gigante com uma historinha pra russo , chines, terrorista e bandido dormir…em paz!

  6. “Desde 1967, Israel prosperou apesar de suas muitas guerras, não graças a elas. Seus territórios conquistados são um fardo econômico pesado e uma responsabilidade política paralisante.”
    Discordo. Israel transformou seus conflitos em uma indústria muito mais lucrativa que os kibbutzim. Aqui mesmo não faltam anúncios. Quanto ao peso político, Bibi surfa na ocupação palestina sob aplausos judaico-ortodoxos e cristãos-messiânicos, e qualquer opinião contrária é rotulada de traidora e antissemita.
    .
    O que faz uma guerra lucrativa é anexação e controle. O que Putin fez na Criméia foi ganhar a simpatia de parte da Ucrânia.
    .
    Qual seria a dificuldade da China em anexar a Mongólia ?

    • Bibi esta sob investigação pela polícia israelense, sobre a denuncia de 3 casos de corrupção, no começo do ano houveram grandes manifestações de rua em Tel Aviv e outras cidades israelenses pedindo a sua renuncia, ele precisa mais do que nunca dos partidos ortodoxos para sobreviver politicamente

    • Assim como aquele estulto do Jânio Quadros achava um bom negócio invadir e anexar a Guiana Francesa. Ainda bem que caiu logo, já bastava a bomba chamada João Goulart.

  7. O artigo indiretamente nos fornece que hoje como a economia global é integrada, não vale mais a pena entrar em guerra com outra nação, mesmo que seja contra países insignificantes economicamente, porém bélicos.

    O comércio substituiu a guerra, e o mundo é um lugar mais civilizado.

  8. “Enquanto nas primeiras sociedades agrícolas a violência humana causou até 15% de todas as mortes humanas, e no século XX causou 5%, hoje é responsável por apenas cerca de 1%.” Estatística furada, a porcentagem de mortes diminuiu mas não na proporção inversa ao aumento populacional. Por esse raciocínio, a violência humana teria causado 25% de mortes quando Caim matou Abel, se à época só havia mesmo Adão, Eva e os dois filhos…

    • Corrigindo o comentário anterior leia-se “razão inversa”. Esse velho engenheiro tá começando a “escapar a marcha”.

  9. Título da matéria diz uma coisa. Texto diz outra. O texto diz que “não há ganhos com guerra”. O título diz que não é possível vencer guerras. A verdade é que é possível vencer guerras sim, mas elas, atualmente, não são lucrativas. Nosso entendimento de “humanismo” faz não dizimar populações, tomar territórios, escravizar trabalhadores, entre outras coisas que poderiam ser lucrativas. O mercado não permite, uma vez que escravizando ou tomando à força, você concorre com uma trabalho civilizado como é na América do Norte, Europa e sudeste da Ásia. Uma guerra, porém, seria muito lucrativa se um, por exemplo, negro Africano, com sua AK47 e um exército de covardes, bem ao estilo Gengis Khan, provocam um estrago no mundo e vivem um período de fartura. É uma possibilidade. Seria lucrativo. Mas para as grandes potências econômicas, a guerra é o pior dos mundos. Além de percas financeiras, há perca de estrutura, e principalmente, para nós, humanistas, vidas. Então, o título do texto é uma falácia, que é defendida truncadamente no texto. Times? Eu esperava mais de Times.

  10. ” Pela primeira vez, menos pessoas morrem hoje de violência humana do que de acidentes de trânsito”

    é pq o autor do texto não deve conhecer o Brasil, fala pra ele que aqui morre 70 mil por homicídios por ano e vem aumentando.

  11. Texto estranho…há pontos que parece que o autor desconhece:
    1 – atualmente não pode haver anexação de países ocupados é proibido.
    2 – O mundo no tempo do império romano e até mais recentemente (há 1 ou 2 séculos atrás) tinha uma população muito menor. Para quem não sabe a população do mundo em 1900, ou seja, 118 anos atrás era de 1,5 bilhão de pessoas, hoje é de 7 bilhões.
    Tanto a ocupação como o POVOAMENTE de aéreas ocupadas era mito mais simples…havia terras para serem desbravas e isso é fundamental na ideia de expansionismo.
    …………………
    3 – “”Um dos motivos é a mudança na natureza da economia. No passado, se você derrotasse seu inimigo no campo de batalha, você poderia lucrar facilmente saqueando cidades inimigas, vendendo civis inimigos nos mercados de escravos e ocupando valiosos campos de trigo e minas de ouro.””
    Resposta: Eu concordo com essa explicação. A APPLEque vende smartphones, tablets e sistemas de informação entre outros, vale cerca de 900 bilhões de dólares. A Petrobras que movimento milhões de barris de petróleo, 200 mil funcionários, cntrole Estatal, monopólio etc…vale em torno de 90 bilhões de dólares. Alguém já viu alguém berrar: A APPLE é nossa?
    O comércio mundial ativo entre os países, facilitando o acesso a matéria-prima, juntamente com grande população, desenvolvimento militar forte de vários países, proibição de anexação de territórios etc..contribuem fortemente para a redução de grandes conflitos.
    Por fim, a elite mundial hoje é muito mais interligada do que no passado, diferente da classe política os grandes empresários do mundo tendem a lucrar juntos, basta ver os investimentos de empresários americanos e europeus em vários cantos do mundo, inclusive na China citada na matéria. Por que os empresários iriam querer destruir a China se eles tem suas fábricas e produtos naquele país, assim como nos EUA?

  12. O texto é bom.
    Algumas coisas é impossível concordar, mas no geral o autor foi feliz ao expor sua opinião.
    E juro que enquanto eu lia o começo do texto pensava na Crimeia. Desde a Guerra dos Seis dias ninguém teve um sucesso militar tão rápido e que deixou o vencedor mais rico, territorialmente falando.
    Textos assim nos fazem pensar na Geopolítica mundial.
    Isso sempre é bom.

  13. A guerra está mais complicada. Essa afirmação de que Não é possível ganhar, depende da guerra. O q mudou muito é como quem perde pode resistir ou atrapalhar a estabilização, após o principal esforço militar.
    A verdade é q Dimensão Humana ganhou um vulto muito grande. A Liberdade de Ação está mais restrita pra uns, principalmente por considerar com os DH como importante aspecto na tomada de decisão.
    Ao mesmo tempo, o aspecto híbrido pode tornar a guerra sem um marco temporal e espacial para início e fim.
    Mas, sem dúvida, há guerras q poem ter inicio e fim bem característicos. Isso depende dos objetivos políticos, e atores envolvidos.
    Sds

  14. Jan Bloch já tinha afirmado isso em 1899, no clássico e profético “Is War Now Impossible?” e deu no que deu. Esse raciocínio é perigosíssimo.

    (…)a estratégia mais bem-sucedida é manter sua paz e deixar que os outros lutem por você(…)

    Fizeram isso nos Balcãs entre 1908 e 1913. Vejam o resultado…

    No mais, o autor acerta em afirmar que o que garante a paz hoje são as ogivas nucleares.

  15. Faz tempo que não li algo tão desajeitado e invertido nos sentidos e razoes.Quando no final vi o origem (Times) entendi o porque : coisa comercial para consumo interno dos yankees no cafe da manha.
    Inutil e descartável.Tenho pena de tempo perdido.

  16. Está aí um bom tema onde o Rosenfield pode ajudar 🙂
    Pensar não custa nada…Custoso é pensar errado.
    Nos ultimos anos o EM do EB passou a adotar diretrizes de trabalho onde o pensamento estratégico mudou da guerra convencional clássica para comportar outras ameaças. E onde a reflexão sobre a empregabilidade de nossas forças passou a ditar nosso reaparelhamento.

  17. Pensamentozinho medíocre, fruto da linha concretista – que de concreto não tem nada – histórica das lideranças americanas forjada no século XX onde: Os atores de todas as contendas são atores estatais.
    .
    Mais burro impossível. O trecho – “A maior vitória na memória viva – dos Estados Unidos sobre a União Soviética – foi alcançada sem qualquer grande confronto militar.” – prova o quão equivocado o autor está, pois o Estado Soviético ruiu, mas os atores, a ideologia, a cultura e a mentalidade da elite dessa “Nova Rússia” são exatamente os mesmos. – Todo o resto, até o fim, é um discurso correto baseado em premissas completamente erradas… TODO o texto é uma metonímia. Que burro!!!

  18. Hoje em dia tem que ter terreno fértil para uma ofensiva, por menor que seja, dar certo. Ou seja, uma “vacilação” política e ideológica.
    Exemplo é a refinaria da BR que los hermanos bolivetas tomaram na mão grande. Deu certo porque o PT resolveu dar pra trás.
    Um A-1 carregado resolvia tal problema.

  19. Só para começar a treta conspiracionista… o autor se chama Yuval Noah Harari. Mais sefardita impossível. E ninguém percebeu.
    Que os jogos comecem.

  20. Como sempre digo, o que mais importa é a manutenção das áreas de influência.

    Os EUA possuem os seus “currais” históricos, bem como a Russia.

    Esse “bolo” sempre foi comido por dois, agora chega um terceiro esfomeado para bagunçar o que já estava acomodado.

    Claro que isso cria tensão e os ânimos acabam por se acirrar.

    Mas os três comilões não vão querer acabar com a Festa, não vale a pena, cada um pode ter um exército colossal, mas não há premio no mundo que cubra as perdas decorrentes do uso desse poderio.

    Quando Você tem um bolo que é dividido por dois, você vai tentar tirar o pedaço do bolo da pessoa mais fraca ou da mais forte? Claro que é da mais fraca. Por isso que sempre digo: “Se fosse Russo parava de me preocupar com o “vizinha da casa da frente” chamado EUA e começava a tomar mais cuidado com o “vizinho de parede” chamado China”.

  21. Muitas criticas vazias e sem fundamento ao texto – que é bom e diz o óbvio numa liguagem fàcil para uma revista popular.

    Esse autor é exelente e tem best seller que é uma unanimidade atualmente. No sentido positivo, claro.

    Quando a desmerecer o autor gratuita e simplesmente por causa de seu nome e origem, o nome disso é facismo.

  22. Os EUA gastaram trilhões em uma guerra contra dois países mal trapilhos com Afeganistão e Iraque. Imaginem quando não gastaria em uma guerra contra os russos. Uma quantidade de dinheiro inviável.

  23. Delfim é mesmo qual seria a dificuldade ,pois a mongolia deve ter uma força armada paraguaia,será que os chineses tem medo de sansões europeias ou mesmo do EUA.Porque a briga com Taiwan já que a Mongolia é dez vezes maior.A guerra hoje ou no futuro,será até usando raios laser em vez de projeteis ou misseis,não terá heróis,ou ás,as vezes o atirador não poderá confirmar se o alvo foi destruído ou não(lançar e esquecer).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here