Home Economia Argentina: crise econômica liquida planos de renovação das forças armadas na Era...

Argentina: crise econômica liquida planos de renovação das forças armadas na Era Macri

8327
208
TAM - Tanque Argentino Mediano
TAM – Tanque Argentino Mediano modernizado

Por Roberto Lopes
Especial para o Forças Terrestres

Os 17 integrantes da Comissão Unicameral de Defesa Nacional do Senado Argentino preparam a convocação do ministro da Defesa local, Oscar Aguad, para que ele informe os critérios que serão adotados nos cortes orçamentários que atingirão sua Pasta, em decorrência da atual crise econômica no país.

A sessão pode ocorrer já nesta semana, ou na próxima, caso o staff de Aguad insista em um prazo maior para a coleta de dados junto à área econômica e ao todo poderoso Gabinete de Ministros, que funciona na Casa Rosada (sede do Executivo local), como um rigoroso filtro das ações do governo.

Tendo solicitado ao Fundo Monetário Internacional (FMI) um crédito emergencial de 30 bilhões de dólares, o governo Mauricio Macri aceitou, implicitamente, as exigências da entidade, e o corte de gastos públicos é uma delas.

Em função disso o Ministério da Defesa irá formalizar a suspensão temporária dos procedimentos de aquisição de um jato de capacitação de pilotos de combate.

O Comando da Força Aérea Argentina (FAA) tem sobre a mesa a oferta do Lead-in Fighter Trainer (LIFT) T-50 Golden Eagle, proposto pela KAI (Korea Aerospace Industries), ou sua versão de combate aéreo leve FA-50, cuja importação, por conta da integração dos armamentos e da própria compra das armas, envolve valores bem mais expressivos.

Na mesma situação – de total falta de perspectivas – se encontram, agora, as propostas de caças Mirage 2000 vindas da França ou de agentes da indústria aeronáutica francesa que cuidam dessas aeronaves em outras forças aéreas (como a do Catar).

A importação de turboélices T-6C Texan II americanos, de Instrução Básica, será reavaliada.

Restando oito aeronaves para serem adquiridas, no âmbito de um contrato negociado em 2016, os argentinos tencionam manter os pagamentos de mais duas unidades, e deixar para o ano que vem a compra das seis restantes.

Em um artigo intitulado Si, la crisis también va a pegar fuerte en defensa, publicado na mídia eletrônica argentina na quinta-feira da semana passada, o jornalista Mariano Gonzalez Lacroix detalha: en algunas brigadas [da Força Aérea] ya se han recortado horas de vuelo, se han archivado planes de modernización y tambien se han suspendido negociaciones avanzadas para contar con nuevos sistemas de armas.

Encargos – De acordo com informações extraoficiais que circulam no Congresso argentino, no caso da demorada aquisição de quatro navios-patrulha oceânicos franceses da classe L’Adroit (Naval Group) – alvo, nos últimos meses, de ao menos duas conversações entre os presidentes Mauricio Macri, da Argentina, e Emanuel Macron, da França –, será feita uma revisão dos valores e encargos derivados do endividamento externo que caracterizam a operação. Objetivo: determinar se esses custos se adequam às novas metas de redução de endividamento exigidas pelo FMI.

A compra de helicópteros navais usados tipo Sikorsky Sea Hawk (SH-60) foi congelada, e os investimentos necessários à continuação do PMG no submarino TR-1700 Santa Cruz (gêmeo do sinistrado San Juan) – que conta com assessoria direta de especialistas alemães do grupo ThyssenKrupp Marine Systems – necessitarão, agora, de novas autorizações do Poder Executivo.

No Comando da Força de Submarinos, em Mar del Plata, prosseguem os estudos  para a possível encomenda, à indústria naval germânica, de dois submarinos diesel-elétricos de ataque tipo IKL-209/1400 (a um custo aproximado de 900 milhões de dólares), mas o assunto não tem prazo para avançar.

À Flota de Mar da Armada Argentina, especificamente, será requerida (1) a baixa do destructor ARA Heroina, que há meses vem sendo canibalizado (apesar de, em 2015, a Administração Cristina Kirchner ter julgado viável revitalizá-lo), e (2) do transporte multipropósito (ex-fragata) Hércules – o que deixará aos fuzileiros navais argentinos, como opção para o desembarque no mar, somente os rebocadores classe Neftegaz (capazes de colocar viaturas anfíbias sobre rodas na água por meio de gruas).

O início do programa de modernização de (três unidades) dos tanques TAM será mantido, desde que o Exército possa financiar as modificações com o seu orçamento.

Saab RBS 70 NG
Em 2016 foi noticiado que as forças armadas argentinas teriam encomendado o sistema antiaéreo Saab RBS 70 NG

Defesa Antiaérea – De acordo com informações obtidas pelo Forças Terrestres junto à assessoria da Comissão de Defesa da Câmara dos Deputados argentina, na área militar, a redução de despesas exigida pelo FMI criará diferentes faixas de programas prioritários.

A mais importante delas diz respeito aos sistemas eletrônicos e de armas elencados como indispensáveis à segurança da reunião do G-20 marcada para o período de 30 de novembro a 1º de dezembro deste ano na Argentina – a primeira a realizar-se em um país sul-americano. Nessa lista figuram mísseis e canhões antiaéreos comprados (em pequenas quantidades) para o Exército, além de helicópteros e aparelhos de comunicações.

Também deverão ser mantidos os procedimentos para o lançamento ao mar, no fim do ano (ou no início de 2019), de duas lanchas LICA, de Instrução para cadetes navais (deslocamento de 250 toneladas), que se encontram em fase final de montagem nos Estaleiros Río Santiago, na periferia de Buenos Aires.

Uns poucos processos de aquisição de itens militares de custo relativamente baixo, e que se encontram em fase final de execução, serão igualmente preservados, como a importação, ao custo de 12,5 milhões de Euros, de cinco aeronaves de combate Super Étendard Modernisé – que chegarão acompanhadas de motores de reserva, de um simulador de voo e de vários lotes de suprimentos –, e a compra de suprimentos para manter em operação dois helicópteros Sikorsky Sea King e dois quadrimotores P-3B Orion, todos da Aviação Naval.

Bem como a contratação – por cerca de 4 milhões de dólares – da empresa Sistemas Electrónicos Acuáticos (SEA), para contribuir na busca aos restos do submarino San Juan, desaparecido há cerca de 6 meses. Sediada no estado americano da Flórida, a SEA opera com capital venezuelano, e promete encontrar, no prazo máximo de 100 dias, vestígios do navio acidentado.

208 COMMENTS

  1. O pessoal do Antagonista, um grupo de ativistas politicos ultra anti-esquerda demitidos da Veja (para vc ser demitido da Veja no auge da caça da revista aos governos petistas você precisa ser um protofascista) que criou um blog, que apostava tudo no “liberalismo’ de Macri elogiando-o loucamente a té seis meses atrás, , frustadíssimo e sem querer dar o braço a torcer porque jornalista nunca faz mea culpa ainda mais ideologica, está agora chamando o Macri de “social-democrata” e por isso que não deu certo quaquaquaqua

    Os arrivistas do MBL apagaram todos os posts antigos com elogios ao Macri quaquaqua

    • Não apagaram não, Zé Mané. Está tudo lá!!! Só na cabecinha de um petista-bolivariano de meia tigela como você a culpa pela atual situação das FFAA argentinas é do “liberal” Maurício Macri. Anos e anos de governos criminosos do casal Kirchner, amiguinhos de Lula e Dilma e da escória petista, é que foram responsáveis por essa calamidade. Não adianta querer tirar o corpo fora e querer reescrever a história, querendo jogar a culpa no colo de um governo que não chegou ainda nem na metade do seu mandato. Toma vergonha nessa cara, rapaz!!!

  2. Ué…não estou entendendo…o problema todo da Argentina, assim como do Brasil e da Venezuela, não eram as esquerdas? agora que o direitista Macri está no poder, o liberalismo econômico não resolveria todos os problemas? o que está acontecendo?

    • O problema é que a herança maldita do reinado de terror da quadrilha kirchnerista é tão grande que o tempo foi insuficiente para que Macri pudesse fazer algo. Aliás, vai demorar muito tempo para que a AL consiga superar o cenário de terra devastada deixado pelas esquerdas populistas.

    • Nestor e Cristina Kirschner ficaram 12 anos no poder e destruíram a Argentina e aí vem o pessoal da esquerda que acha que um governo liberal vai consertar tudo em 2 anos.
      A mesma coisa aqui no Brasil. Já tem gente do PT/PSOL culpando o Temer pelos 13 milhões de desempregados que temos, sendo que isso foi herança do PT. O Temer não conseguiu completar nem 1/5 da reformas que precisamos fazer para colocar o país no trilhos. No ritmo que estamos caminhando, levaremos décadas para consertar o estrago que os 13 anos de PT fizeram ao Brasil. Estragar sempre foi mais fácil do que arrumar, e isso vale para a economia também!
      Mas o cinismo, a falta de vergonha na cara, a prepotência do pessoal de esquerda é o que mais entristece.
      Preferem sempre ver o circo pegar fogo ao invés de ajudarem a combater o incêndio.

  3. Lamentavelmente a Argentina continua a arcar com as nefastas consequências dos 13 anos de reinado de terror dos Kirchners.

      • Não sao 30 anos de politicas socialistas ?
        Sei que a coisa ta feia la o socialismo enraizado na mentalidade dos hermanos dificulta as reformas do governo atual.

          • Com exceção talvez do Chile, me corrijam por favor, mas qual país à esquerda ou direita que deu certo? Socialismo, comunismo, nacionalismo, neoliberalismo, populismo, existe algum sistema que dê certo nessa america lateina? Com a palavra as tietes…

          • É Adalberto . . . . temos que ter paciência . . .
            De duas uma, ou um dia eles crescem ou a “crise” bate na porta, aí vão começar a entender alguma coisa . . .

          • Igualmente no Brasil, o pessoal acha que a mentalidade socialista do brasileiro vem do PT, quando na verdade vem do camarada Getúlio, de lá para cá foram só versões de getulismo.

          • A Argentina na Era Kirchners cresceu 66% , procurem quanto antes e agora , com o Liberal Macri ,mas a turma mal intencionada e demagoga liberal entreguista , etc , usa sempre o modo Leninista da mentira constante e repetida !

    • Eu concordo, porém o Macri não fez reforma e continuou com o legado deles.
      A única coisa que o Macri fez foi dar voz para a esquerda deles. Não que o governo Macri seja de direita, mas assim dizia a mídia e o povo vai assimilar isso.

      Se entrar alguém no governo brasileiro ano que vem de direita, tem que entrar chutando a porta, fazendo reformas e mudando leis. Senão só vai é dar munição pra esquerda nas outras eleições.

      *Não estou fazendo propagando política moderadores.

    • Eu sempre acho que o liberalismo leva os países a essa situação deplorável.
      Lembremos da era FHC, quando o pinico estava à mão pra fechar as contas.
      Não vou defender Lula nem Dilma, mas fiquemos espertos: liberalismo no ** dos outros é refresco. Queria ver os EUA serem o que são sem as encomendas governamentais a pretexto de defesa que levaram tantas novas tecnologias às indústrias americanas.
      Os países que dão certo acham seu caminho, independentemente do discurso, criando um plano para o desenvolvimento, uma estratégia. Espero que em 2018 votemos em um projeto (quanto mais detalhado mais fácil de estudarmos se dará certo ou não), e não por ideologia.

      • Exatamente Fabiano. Ninguém que defende o liberalismo faz isso na sua casa. Liberalismo é uma ideia de quinta categoria que é vendido como ciência boa. Ninguém mais defende.

      • O pessoal fala que Macri é liberal, mas quem vê com um pouco mais de atenção o governo dele percebe que ele não é liberal, e mesmo que fosse, o poder dele estaria restrito pela mentalidade estatista e socialistas que os argentinos possuem. Macri é do tipo de FHC, um socialista que se diz liberal. A diferença é que FHC fez reformas, não por convicção, por necessidade, mas fez reformas; o Macri não fez praticamente nada, foi um engodo. Na verdade a última grande líder liberal no mundo foi Margaret Thatcher, o resto foi um bando de sindicalistas/ufanistas/socialistas no poder. Atualmente não existe liberais no poder em nenhuma nação relevante. Não sei se isso é causa ou consequência, mas a ascensão da ideologia do “politicamente correto” ocorreu e ocorre justamente por falta de líderes fortes que combatiam a política do estado babá.

        Lembre-se sempre disso. Existem quatro tipo de países:
        1 – Os Países já que foram pobres, mas ficaram ricos;
        2 – Os Países que estão no caminho para ficarem ricos;
        3 – Os Países pobres;
        4 – A Argentina – um país que já foi rico, mas empobreceu. Em 1880 a 1930 a Argentina era uma das nações mais ricas do mundo. Mas veio Péron…

        • Perfeito, Julio. Não sei se Macri no íntimo é um liberal ou um quase liberal, mas uma coisa é certa: o Estado Argentino é a sociedade Argentina aderiram/grudaram nesse pensamento de Estado grande e com isso os problemas. Macri não está conseguindo fazer reformas especialmente por causa do senador bem de esquerda, as dificuldades são imensas. A Argentina não tem escolhas, terá que fazer reformas ou vai perpetuar nessa crise. Certamente terão um sujeito tipo o FHC, mentalidade esquerdista sendo obrigado a reduzir o Estado a força…não tem mágica: estado deficitário, 10% da população servidores, divida elevada, juros de 30%, inflação elevada, investimentos baixos, falta de moeda de câmbio, falta de atratividade etc…

          • Exatamente Ivan. O Macri possui maioria na câmara, mas perde feio no senado, e aí fica muito difícil aprovar reformas.

        • Julio,
          “Macri é do tipo de FHC, um socialista que se diz liberal.”
          Eu aprendi com meu saudoso pai que o que define uma pessoa não é o que ela “diz” ser mas o “como” e “o que” ela efetivamente faz.
          O último resquício de “socialista” de FHC foi a fundação do Partido da “Social” Democracia Brasileira (na minha sincera opinião o nome mais bonito para um partido político pena que NUNCA o fez por merecer), de resto não foi nem de direita nem liberal, foi entreguista mesmo !

          • Ricardo, o que FHC fez foi devido imposição da realidade. No período que ele governou o Brasil não tinha outra saída, ou cortava na carne ou o país falia. Mas se você prestar atenção nas declarações dele depois de ter deixado o poder, pode perceber que ele e Lula são muitos semelhantes. A diferença é que Lula é egocêntrico, tem a necessidade de ser admirado e cultuado — a seita do PTista é a prova disso –, já o FHC não sofre desse mal. De resto os dois são semelhantes. Em 2005, no mensalão, o FHC pressionava o PSDB para não ser tão aguerrido contra Lula. Foi esse o erro que permitiu o o Lula ser reeleito em 2006.

          • Julio 15 de Maio de 2018 at 14:42,
            A única coisa que Lula e FHC tem de parecido é o branco dos olhos.
            Sobre egocentrismo, qual foi o presidente que viajou tanto pelo mundo para se autopromover ? Para receber títulos em seu próprio nome ? Que gastou tanto dinheiro com fretamento de avião da TAM, que contabilmente justificou a compra de um Avião Presidencial Novo ? Que, por tabela, encheu tanto os cofres da TAM que deixou de ser a empresa que caíam os Fokker 100 para ser a “maior companhia aérea do Brasil” ?
            E qual o presidente que ficou conhecido na Europa, África e Ásia com presidente “mascate”? que viaja levando empresários brasileiros oferendo os produtos nacionais pelo mundo?
            Não caia nessa ladainha de que o “PT se aparelhou do estado”, que “o PT tem um plano para se perpetuar no poder”. O PT não é o demônio que criaram. Veja o PIB, o IDH e a taxa de desemprego durante aquele período e me diga se são eles os demônios.
            Sobre o aparelhamento do estado, por questões de alianças partidárias acabou que quem se aparelhou do estado na verdade foi o PMDB e PP. Pesquise e chegará as mesmas conclusões.

      • Pois acha mal, os paises da UE basicamente tem politicas liberais, o estado é pequeno na area empresarial e forte no resto

        Nesses paises o grosso do orcamento vai pra educação, saude, segurança e defesa.

        No Brasil o grosso do orçamento vai para pagar a divida publica, os salarios dos servidores publicos, aposentadoria publica, manutenção de empresas publicas deficitarias e roubalheira da coisa publica, sobrando uma merreca que não permite que o governo brasileiro invista onde deve, tudo isso para manter numerosas estatais que não geram riqueza (distinto que na China) e sim miseria para todo aquele que não esteja mamando nas tetas do estado.

        Se entregaramos essas estatais (que não é o caso, dado que se podem vender) ja sairiamos ganhando.

        E como o governo federal necessita de todos os recursos pra manter essa maquina inutil funciona, encima cafetiza estados e municipios deixando eles de pires na mão, não me admira que alguns estados pensem sem se separar dessa maquina de corruptos chamada Brasil

        • Gil,
          Concordo com ressalvas:
          os salarios dos servidores públicos: poucos ganham muito em especial juízes, desembargadores e os cargos de indicação política;
          aposentadoria publica: não é deficitária, o problema é que a união remaneja as receitas que deveriam ser da previdência para outras áreas (atualmente para publicidade);
          manutenção de empresas publicas deficitárias: Ao contrário do que a maioria pensa o governo federal é impedido por lei a fazer os chamados “aportes financeiros” em empresas públicas. Muito pelo contrário o GF tem o direito de efetuar “retiradas” com sócio majoritário ou único.
          O que realmente falta nas “estatais” é controle de produção e qualidade.

          Lembre-se que as grandes empresas privada nacionais e internacionais que são as grandes corruptoras do Brasil, as estatais são na verdade vítimas nesse processo e não as culpadas.
          É como condenar a vítima e não o criminoso.

          • Defensor da Liberdade 15 de Maio de 2018 at 10:20,
            Quando se fala em “média” me lembro da estória dos dois misseráveis: 1 comeu 2 frangos e o outro nenhum, na méida comeram 1 franco cada !
            Outro detalhe a sua fonte ! Não é de hoje que é de um jornal que prima em desvalorizar tudo o que é público para justificar privatizações.

          • Caro Ricardo, se você soubesse o mínimo de estatística não falaria tamanha besteira. Tenho quase certeza que nestes estudos envolvendo estatística são utilizados cálculos de médias ponderadas para se evitar que as ocorrências tenham a mesma influência no resultado.

          • Ricardo, o Regime Geral da Previdência Social – a aposentadoria comum -, não é deficitária no Brasil, pelo contrário, ela arrecada bem mais do que gasta. Isso porque os benefícios que ela paga não são altos e não duram tanto tempo.

            Mas o Regime Próprio de Previdência Social – a aposentadoria de servidores públicos -, têm um rombo gigantesco. Isso devido a altos benefícios que ela paga a servidores inativos e ao tempo que eles recebem tais benefícios. Isso sem contar com benefícios esdrúxulos e aposentadorias precoce. Só para citar um exemplo, na polícia do Rio de Janeiro têm mais delegados inativos do que na ativa.

            No Antagonista, se não me engano a dois meses atrás, deu numa pequena matéria que o Ministério do Planejamento identificou que que existiam mulheres recebendo benefícios devido a morte de seus bisavós na guerra do Paraguai.

          • Defensor da Liberdade 15 de Maio de 2018 at 12:39,
            Ah sim são estudos ‘imparciais’, ‘idôneos’ e com o selo de qualidade do Papai Noel e do Coelhinho da Páscoa ! Vai, continua acreditando . . . . sabe de nada inocente !

          • Perfeito , mas FHC e alguns doentes economistas dizem que deve-se separar o Salário Mínimo da Previdência Social (INSS), mas nada falam sobre as Aposentadorias deles , dos Políticos , e principalmente do Judiciário , porque Heim ?

          • Julio 15 de Maio de 2018 at 14:57
            O “problema” do regime próprio era o recebimento do valor integral pelo aposentado (e por isso não possuíam teto de desconto). Isso já foi ‘reparado’.
            O problema que em um país em crise com trabalho difícil e volátil, é fácil demonizar o funcionário publico (que tem a tal ‘estabilidade’) e tudo relacionado a eles. Já a questão do controle deve ser uma constante, tem sempre alguém tentando fazer besteira.
            Conselho cuidado com o “Anta Gonista”, algumas materias deles já foram classificadas como “Fake News”

        • Perfeito Julio ! Toda esta desgraceira nacional é liderado pela Casta Corporativista do Judiciário , mas poucas vezes a nossa Imprensa , fala sobre sobre isso , passando ao largo , quando o Judiciário brasileiro é vergonhoso , e de longe o pior , mais cao e corrupto do mundo !!

    • Ué, mas assim como aqui, já era pra ter melhorado faz tempo com a mudança para o governo de direita, mas o que vemos foi que piorou muito. Muda o discurso.

        • “Visor termográfico para o comandante e atirador;
          Sistema termográfico para o motorista;
          Rastreamento automático de alvos;
          Unidade de força auxiliar (APU);
          Detector raios laser;
          Mira Laser;
          Jaqueta Térmica para o canhão;
          Sistema de controle de tiro digitalizado;
          Acionamento elétrico da torre e canhão;
          Sistema C2, de comunicações e interfone de última geração, e ,
          Sistema automático de supressão de fogo no compartimento da tripulação.”
          .
          Não me parece perfumaria…
          .
          Blindagem do TAM é inferior ao Leopard 1A5BR. Mas a blindagem do Leopard 1A5BR é não é grande coisa, nem contra um TAM… Entre um Leopard 1A5BR e um TAM, que atirar e acertar primeiro, tem vantagem.

          • Bardini em combate o que faz mesmo a a direfença ai é o visor termal. Ninguém hoje vaio ser bobo de apontar um laser direto pra um alvo salvo a milisegundos do impacto. Telas pra consciência situacional podem ser substituidas por uma boa comunicação de rádio e carta, como hoje é feito e funciona bem. Um carro depois que atira é um holofote na escuridão, sistema térmico não vai mudar significativamente isso. Se atira com baixa cadência e se precisar muito fogo é porque a situação torna aquecimento ou visibilidade térmica secundários. Ai se está no gagá do desespero, no velho oeste dos blindados.

            O caráter de perfumaria ressai no custo benefício. Muito custo para pouca melhoria prática em um veiculo antigo. Com o valor disso ai pegavam fácil M60 A3 TTS nos EUA e pagarão mais do que pagamos pelos nossos Leo.

          • E sobre o primeiro disparo, isso vale como regra geral pra todo carro, não só pra TAM x Leopard. É como eu disse, velho oeste dos blindados. Até uma arma leve bota fora de ação um CC dependendo onde pega.

            A proposito, o TAM pro Leo são 12 toneladas de diferença. O TAM é uma gambiarra que deu certo um tempo, mas que deveria ser trocada.

          • Colombelli, diga-me se estou errado. Nossos Leo, apesar de ter a desvantagem de não serem novos tem a vantagem de serem baratos, se equipados com a blindagem ativa da ADS Gesellschaft fur aktive Schutzsysteme, tanto fariam frente a qualquer MBT hoje na AL além de oferecerem uma enorme proteção aos suas tripulações.

          • Ádson, os nossos tem blindagem comum. São mais novos que os TAM ou da mesma idade, tem 12 toneladas a mais, disparam mais vezes por minuto, tem visor termal e saíram barato. Preço no dolar de hoje 140.000,00 cada. A argentina ia gastar uma banana pra melhorar os TAM com pouco incremento prático de poder combativo.

    • TAM – Tanque Argentino de M
      O nome diz tudo.

      Argentina quer ser rearmar mais deseja ter tudo gratis, e assim não pode ser.

      Noutro dia vi um video de militares argentinos zoando o Brasil, dizendo que não tinhamos tecnologia nuclear pra fazer nosso SSN e que pediamos ajuda pra eles.

      É a famosa prepotencia e arrogancia Argentina, rindo desde a sua ignorancia de quem pode mais que eles, me alegro que eles estejam onde estão e isso ja vem desde a época das Malvinas, quando eles subestimaram UK.

      Porém recordemos, a Argentina não perdeu aquela guerra, apenas foi vice campeã.

      • Amigo, concordo sobre a arrogância argentina no passado, mas hoje a maioria deles sabe que estão na m…..

        E vejo MUITOS comentários de videos de brasileiros ridicularizando a Marinha argentina e o Exército deles, dizendo que é uma republiqueta e fazendo piada da Aeronautica deles.

        Por outro lado, vi videos deles comparando favoravelmente o Brasil a eles, inclusive nessa questão do submarino.

        Mas de modo geral concordo que é melhor que eles sigam desarmados. Nós e o Chile devemos cuidar do continente militarmente.

      • Eu sinto das piadas que ela própria fazia dela sem saber!!!! ahhh a mulher sapiens, a mandioca, Armazenar o vento, ficar catatônica ao discursar…………. Puxa tem tempo que não gargalho com políticos, acho que estou sentindo falta kkkk kkkkk kkkk st4

      • Ai eu concordo com você..

        Poderiam arrumar um cargo para a Dillma, sem influência administrativa…

        Tipo Imperatriz Eterna do Brasil e deixar ela falando as groselhas…

  4. Se o Brasil se assumisse como potência que deveria ser “sair de cima do muro”, todos os países da região poderiam dispensar as forças armadas (Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile…), o que seria benéfico para os países da América do Sul. Tal atitude liberaria mais recursos para a população destes; quanto ao efetivo, poderiam se tornar forças auxiliares, guardas costeiras; deixariam só o Brasil ter forças armadas.
    Claro que o Brasil teria que se responsabilizar pela defesa de todos, isso acabaria com a reivindicação da Argentina quanto às Malvinas, acabaria com a reivindicação da Bolívia quanto a fronteira e abertura para o mar… Enfim, colocava ordem aqui na AS.
    Tenho certeza que EEUU e RU aprovariam tal atitude.

  5. Neste caso, a “Grama do vizinho” está muito pior!

    Por mais que a gente brinque com os argentinos é lastimável ver suas FFAA assim.

    Saudades das operações navais conjuntas onde a troca de experiências eram preciosas.

    Visitei há tempos uma Corveta Meko 140 e um Destróier Meko 360 aqui no RJ , isto na década de 80, e eram navios muito superiores ao que a MB tinha na época.

    Uma pena mesmo…..

  6. Precisaríamos ter; 1) FAB: uns 150 a 180 Gripens, aviões de transportes médios e pesados, 10 aviões de patrulha marítima (sete P-3 e três P-8), helicópteros de ataque (MI-35 e Apache ou Cobra), Helicópteros de transporte. 2) MB: 10 Scorpenes, 4 SSN, 15 fragatas, 20 corvetas, 2 navios de desembarque anfíbio, 2 porta-helicópteros (um com capacidade de operar o F-35 B) 30 navios de patrulha simples; 3) EB: 200 tanques, 50 helicópteros de ataque, defesa anti-aérea formada por sistemas S-300, S-400 e S-500 (já oferecidos para o Brasil).
    Com isso daria para defender todo o subcontinente.

    • Eu sei que eu sou chato… Mas sério:
      A FAB queria 120 Gripens, passou o “desejo” para 108. Se tivermos 72 vai ser um sucesso. É levantar as mão pro céu e agradecer.
      .
      Os P-3 já não vão muito mais longe… Daqui a pouco precisam de substituto. A FAB já avisou que não vai ir atrás de outra aeronave de Patrulha, a MB vai ter que assumir.
      3 P-8 custariam coisa perto de U$ 0,75 bilhão. Não temos esse dinheiro…
      E os Bandeirulha? Ao infinito e além?
      .
      Mi-35, que sejam aqueles 12 da entubada e chega. Sem conversa.
      AW-1H serve para o EB, se é um negócio racional também é bem discutível…
      Pq raios a FAB precisa de outro Helicóptero de Ataque?
      Não deveria ter nem esses Mi-35!
      .
      10 Scorpènes?
      4 SSN?
      Sim… Até 2000 e trólóló 70. Mas certamente não vai rolar. Pelo menos tem preferência nos gastos e o programa está atravessando a crise.
      .
      15 Fragatas, 20 Corvetas, blá…
      No planejamento mais Utópico que a MB, já concebeu, ela pretendia 30 Navios Escoltas, pq raios você propõe 35?
      Baseado no quê você propõe isso?
      .
      “2 navios de desembarque anfíbio, 2 porta-helicópteros (um com capacidade de operar o F-35 B)”
      Tá fácil…
      Esqueceu os 2 Porta Aviões.
      .
      “30 navios de patrulha simples”
      Pq só 30 NPa?
      Aqui, onde realmente precisamos de quantidade e é coisa barata, tu quer economizar?
      Não precisamos de meios como NPaFlu, NT, NApLog, NTrAp, NApLogFlu, NV, etc e etc?
      .
      200 tanques?
      Tá fácil… De onde?
      50 Helicópteros de Ataque… O EB queria ter 36. Pq você sugere 50? Baseado em que?
      .
      Defesa anti-aérea baseada em S-300, S-400 e S-500… Pra que???
      Quem está nos ameaçando com mísseis balísticos?
      Quantos sistemas teríamos de comprar só pra defender esses sistemas “S”?
      Pq raios não investir em mais caças, para cobrir esse território imenso e em sistemas de AAAe de médio/curto alcance, para defesa de pontos estratégicos?
      .
      Fala sério…

      • É isso aí amigo Bardini, quem vê pensa que não temos todo inventário relacionado acima só porque não queremos…Se na Argentina a crise tá feia, os efeitos da nossa estão só começando a passar, ainda demandará alguns anos e muita responsabilidade fiscal para isso.

    • Este seria o meu sonho dourado para nossas forças armadas! Mas infelizmente ficará apenas no sonho mesmo, ou nos meus devaneios, porque ainda sonhar não custa nada! abraços st4

    • Quando citas material russo , sem similar no ocidente os colonizados devem passar mal , até dentro de nossas FFAA, formada por colonizados( a maioria ) , mas agora com as Ações da CIA , espero que tenham vergonha na cara . Mas espero que em vez de negarem , ou jogarem Conversa Fora , procurem qual o militar ou militares que por serem agentes estrangeiros passaram aos nossos mui amigos , todo o material que agora foi jogado ao ventilador , depois coloque seu(s) nome(s) na imprensa !

  7. O “liberalismo” do Macri é isso aí! De volta ao FMI como sempre! Não compram nem combustível pros Pucara mais! hahahah

    • Mas foi o socialismo dos Kirchner que enfiou o país nesta situação… aliás, mais uma vez, o Estado que gasta demais com funcionalismo e privilégios típicos dos socialistas, acaba tragado por uma crise do dólar.

      • Acho que vc devia primeiro aprender o que é socialismo antes de chamar o governo Kirschner de socialista haha.

        Macri destruiu economicamente a Argentina em dois anos, que se já não era essa cocacola toda no governo da Cristina, acabou no governo “liberal” dele.

        • Ah tá, desde Perón que a Argentina está num atoleiro, com a onda de anti-militarismo radical após a Ditamole deles, já engatam décadas de governos estatistas e socialistas destruindo riquezas, e quem destruiu o país foi o cara que sentou na cadeira não faz nem dois anos e está tentando arrumar a bagunça.

          Fala sério.

          Entra para a mesma categoria de quem acha que a culpa da crise é do Temer e esquece o desastre que foi a Nova Matriz Econômica do Lula e da Dilma, versão requentada do “Milagre Econômico” com direito ao bolo inflacionado do Delfim Netto que os nossos militares deixaram para o cidadão brasileiro pagar com uma década de hiperinflação.

          Qualquer um, mesmo que não entenda de economia mas tem algum pensamento lógico e desconfia do canto de sereia político, percebe que alguma coisa nesse teu pensamento não encaixa, colega.

    • A argentina está quebrada justamente porque não segue políticas liberais. O país apostou tudo no Estado matou o setor privado, a livre iniciativa, regulou tudo, impostos elevados, monopólio etc…agora não tem dólares, pois o país é fechado, não tem boas relações comerciais, precisam de dólares e não tem…sem dólar não tem exportação e importação. Onde conseguir dólar? Fundos de investimentos, bancos, agências (FMI). O Brasil nos anos 90 precisava exportar e importar, precisava se abrir comercialmente, não tinha dólares… O que fizeram? Pegaram no FMI que tem juros baixo e assessoria acessível. Quem não segue os passos do FMI uma hora vai quebrar, os países ricos seguem o FMI e estão todos prósperos sem precisar do FMI.
      Argentina está no mesmo barco brasileiro, ambos tomados pelo Estado. Acho que em 4 décadas já ficou visível que essa abordagem não funciona!

    • Vc está mais perdido que cusco em tiroteio… Macri não fez reformas profundas, na verdade fez quase nada. Macri está se provando mais um social-democrata fracote, um tucano…. Por isso a Argentina continua cambaleando. Quase que não diminuiu os gastos publicos. As maiores emrpesas continuam estatais. 5% dos funcionarios publicos são fantasmas. Ou seja, recebem mas nao trabalham. E mais importante, o governo argentino continua imprimindo dinheiro para pagar seus deficits. Desse jeito eles não vão sair nunca da crise. É crise forever.

  8. A dolarização completa que o ministro Cavalo impôs anos atrás, cobra seu preço, a economia da Argentina é muito dependente do câmbio.

    • Estão queimando as suas reservas para segurar o valor do peso.
      Se as reservas acabarem, aí entra o dinheiro do FMI, que eles ainda não pegaram.
      .
      Eles anunciaram que eles tem aprovação para pegar dinheiro do FMI, justamente para dar uma acalmada nos ânimos e diminuir o medo do calote.

    • Mas a economia deles não foi dolarizada, o presidente deles caiu antes e o Nestor Kirchner barrou.

      Se estivessem dolarizados não teriam espaço para qualquer peripécia econômica, assim como o Brasil não teria com o Banco Central independente.

    • Por pior que esteja a Argentina sob o Macri, por mais incompetente que o Macri seja, por mais lesa patria que seja (com o o daqui também) compara-lo ao filhote do Us-tra brasileiro é um grande insulto imperdoavel.

      • Viva ustra !
        Agora falando da parte do argentino a questão é que o pais esta quebrado e o grande estado custa caro…. (o cara continua imprimindo dinheiro igual o que quer um tal de cironel gomes quer fazer no brasil)

        • Melhor Jair se acostumando, bebê! A ideologia mais fracassada e ditatorial da história já não engana a tantos como antigamente… Socialismo no dos outros é refresco!

          • E o fiote pustulao que nada fez até hoje virando o salvador da Pátria vai comandar no grito? Só brasiu mesmo. Quando mostrar proposta e não ficar vomitando embuste até pode ser que mude de idéia.

          • Kkkkkkkkkkkk Até parece que aquele estatista é liberal, o cara tem 30 anos de parlamentar, nunca fez um único projeto liberal, vai fazer como presidente, só pode ser piada quem acredita em Bolsonaro de direita! Ele vai ganhar com certeza, mas a decepção com o “mito salvador da pátria” vai ser grande depois.

          • “Defensor da liberdade”. kkkkkk
            Esse comentário é bem estranho, visto que os presidentes das comissões eram petistas e pmdbistas ou vc acha que o pt iria apoiar o projeto de castração quimica de Jair?

          • Esse papo de que e o Bolsonaro não tem seus projetos aprovados por causa do PT ou do PMDB é furado, o cara é fraco politicamente falando, sua atuação parlamentar é péssima e não tem a mínima capacidade de negociação para dar relevância política aos seus projetos, aí ficam com essa desculpa esfarrapada de congresso esquerdista melando os projetos do Bolsonaro. Me desculpem os bolsonaristas, mas esse cara na presidência vai ser uma comédia, vai viver de decretos (e olhe que só podem 6 por ano) e inaugurar obras sem muita relevância para o país

    • Nossa…você não sabe nada do Macri e da Argentina. Macri é bem diferente de bolsonaro. A culpa do país quebrado não é do Macro, o sujeito assumiu com o país totalmente aparelhado pela esquerda, rombos imensos, sucateamento, funcionalismo gigantesco… Etc. Aliás, tanto Macri quanto Bolsonaro são infinitamente melhores que as velhas oligarquias da esquerda e extrema-esquerda. Ambos tem discursos muito mais realistas da realidade, mostram os problemas reias, nada de usar o orçamento gigantesco do Estado para criar um “ambiente calmo e próspero”. Tanto Argentina quanto Brasil são tomados por grupos criminosos que controlam um Estado enorme que suga toda a riqueza nacional. São blocos em várias esferas, desde grandes cidades até o interior do Brasil, são Estado e a União. Sem fanatismo político aqui, nem Macri e nem Bolsonaro vão conseguir fazer muita coisa, a mare de decisões erradas é muito forte! A revolução que os dois paises precisam é de abordagem de Estado, mental…sem mudar isso os dois não terão prosperidade.

  9. Interessante que até seis meses atrás os militantes furibundos antiesquerda “liberais” da imprensa teciam loas em altos brados ao Macri e sua politica econômica “liberal” e instigavam os daqui a seguirem o exemplo argentino sem hesitação. Bastou dar tudo errado, como ia dar mesmo, era só uma bolha, e ele virou um “social democrata” hahaha

    • Pelo jeito na Argentina as pessoas ainda estão tendo comida sobre a mesa e na Venezuela. Nem o FMI ajudaria. e O povo morrendo sem comida e medicamento.
      Seu socialismo mata.

  10. A Argentina quebrou! Antes de Macri, com Macri e sem Macri… O problema é estrutural…somente reformas profundas que vão gerar grandes desconforto para algumas elites, especialmente a pública.

  11. Ta ai o motivo do submarino afundar !!!

    Sinceramente é Lamentável tudo isso….. Não que seja a favor de uma Argentina “super putência Sul Americana” Mais pra todos é ruín esta situação , se tivessem capacidade de compra e investimento apenas pra citar a aérea de segurança podiam por exemplo comprar da gente um versão do Guarani, Super tucanos talvez, radares viaturas leves etc …

    • Rodrigo, me perdoe, mas duvido que eles comprariam produtos nossos! Talvez a única exceção fosse o Gripen, mas também duvido que comprariam de nós, iriam preferir negociar com a Suécia, recentemente eles optaram pelo Beechcraft T-6C Texan II do que pelo Super tucano! Talvez queriam adquirir di grátis nosso subnuc se eles tiverem uma grande vantagem! abraços st4

  12. Sinto muito em dizer, mas eu não acho lamentável, os Argentinos nunca esconderam a rivalidade com os brasileiros, inclusive sendo contrários ao Brasil almejar um assento no Conselho de Segurança da ONU e em outros organismos internacionais. O Argentinos que me desculpem, mas cada nação com os políticos que merecem (não que os nosso sejam melhores). Não estou falando de direita ou esquerda e sim de todo corrupção que assola todos os países latinos. A Inglaterra ganha mais um round, sem dar um tiro!

  13. Eu fico muito triste ver a Argentina militarmente nessa situação. Um país grande e cheio de riquezas e militarmente inexistente, vai piorar.

    Para o Brasil seria muito mais interessante ter uma Argentina forte e integrada com nos, para fiscalização de fronteira, realizar exercícios conjuntos, cooperação militar, patrulhar e cuidar das águas do atlântico sul, infelizmente não é possível.

    Triste pelas FFAA argentinas.

    • Eu também fico triste pela Argentina, mais triste ainda pela Venezuela e outros países cujos povos se deixaram enganar por populistas, principalmente os que seguiram a cartilha do Foro de São Paulo.

    • Foggeracm,

      Eu defendo o mesmo pensamento que você expôs. Inclusive cheguei a fazer aqui um post idêntico ao seu segundo parágrafo.

      Abs.

  14. Excelente oportunidade para as empresas nacionais de defesa irem lá na CITEFA e adquirirem inúmeras tecnologias e ou empresas de defesa, que nos seriam muito úteis, como exemplo cito
    canhão CALIVE, CICARÉ, PAMPA-III, BOMBA DARDO com motor foguete, TAM etc..
    Mesmo tendo desenvolvido no passado tanque melhor que o TAM, podemos adquirir o projeto do mesmo para recuperação de capacidades, após adquirida as capacidades partiríamos para a versão moderno do OSÒRIO.
    O projeto CALIV (canhão de 155mm, se não me engano), é de extremo interesse nacional, pois não dominamos essas tecnologias ainda, seja por desinteresse mesmo, ou seja por inercia.

  15. Amigos, menos ideologia para analisar a situação argentina….

    Nada tem a ver com o atual governo ser liberal e o anterior socialista, lá a situação da classe política é de total desprezo pelo setor militar e, até certo ponto, com sentimentos muito profundos na sociedade. Então, qualquer governo que entrar, direita ou esquerda, vão deixá-los ao relento por muito tempo ainda.

    Será preciso superar as feridas da estúpida ditadura argentina, para daí sim uma nova geração de políticos voltarem seus olhares para o setor militar, até lá eles têm é que torcer para que nada muito ruim aconteça.

    A miopia da classe política lá, é muitíssimas vezes maior do que a daqui.

  16. Certos países deveriam abdicar de FFAA e investir numa boa policia de fronteiras. Deixem para países economicamente fortes e sérios investirem nessa área. Mesmo porque, nunca terão FFAA em pé de igualdade com países desenvolvidos. Operar sucata com tecnologia defasada é rasgar dinheiro e numa guerra pouco vai servir. Se for atacado vai chorar na ONU que eles enviam uma força de paz pra apaziguar os ânimos.

  17. Não duvido que para as elites latino-americanas ainda acreditam firmemente que por aqui basta plantar, criar para exportar e tudo mais ser importado; dai se limita as bases econômicas e tecnologicas ao máximo e o resultado e um eterno ciclo de crises que nenhum pais industrializado passa tão constantemente.

  18. Esse povo tem uma piedade com os argentinos, se esquece que quando nós estavamos ferrados e eles numa situação melhor nos eramos motivos de piadas. Não torço contra nem a favor, cada um com seus problemas.

  19. Situação ruim da Argentina, por pouco não afundamos a um nível similar. Agora teem q baixar a orelha , militarmente falando, e puxar a humildade com força pois estão no pó. E vai ser difícil reerguerem suas forças armadas.
    Tendo dindin sempre procuram eqp. de outros países mesmo q tenhamos o melhor a oferecer(vide o ST). Que se virem assim como estamos nos virando. Creio q quando formos governados por um tal capitão da reserva veremos dias ainda melhores $$ pra nossas forças armadas.

    • Jura que o ‘tal capitão da reserva’ vai ajudar?
      Não acha tolice seguir alguém que não compartilha seu plano, que não vai a público defender suas idéias, que não tem nada além de frases prontas?
      Se não sairmos dessa sinuca politico-econômica temo que nossas FFAAs ainda tenham muito a perder, não a melhorar.

      • Minhas convicções estão em Deus meu caro,votarei no cap.reserva esperando em Deus que seja melhor que a canalhada que disputará com ele(maioria farinha do mesmo saco). Até então não vi nada que o desabone.
        Tolice é seguir pessoas que mentem e dissimulam a décadas da mesmíssima forma sem nem se esforçar em fingir uma melhora em suas condutas e isso nos rendeu o infortúnio econômico do qual estamos pelejando pra sair.
        Ainda mais tolo é chamar alguém de tolo por suas opções seja sobre o que for.
        Você pode discordar ,mas respeitar é uma obrigação de cada um.
        Sds.

        • Claro que respeito as diversas opiniões, não quis ofender, se pareceu, desculpe. Sobre a tolice foi mais no sentido genérico da coisa, de seguir um líder confiando no que ele fala, sem indícios de que ele vai guiar a um lugar melhor. Creio em Deus, mas vou preferir confiar em meus sentidos nessa eleição.
          Sds

  20. As vezes é necessário dar um passo (ou mais) atrás para no futuro dar dois a frente… Em algum ponto tem que começar a cortar gastos, consertar os pontos críticos e enxugar a máquina pública, de certa forma é o mesmo que o Brasil precisa fazer, pois ficar empurrando com a barriga não é solução.

    * Precisam (assim como nós) aprender a trabalhar com a perspectiva de estado mínimo.

  21. Penso que essa fragilidade das FFAA argentinas acaba por deixar vulnerável as nossas fronteiras e os interesses do Estado Brasileiro. Nao é nada bom ao Brasil ver seus vizinhos quebrados acabar cedendo vantagens a China ou a Russia, trocando carne por equipamentos orientais, isso se nao2 conceder espaços para “bases” travestidas de campis de estudos científicos. Veremos a médio prazo os reflexos desta fraqueza no Brasil.

    • Fernando Pereira

      Você tem classe politica que é das piores que vi nesse país e tá preocupado com China ou Russia na vizinhança?

  22. É o sujo falando do fedorento. Vocês já deram uma olhadinha no desempenho das contas públicas. A continuar do jeito q está com deficit e mais déficit em conta corrente, logo ali a banca vai dizer:
    Não brinco mais com vocês e aí, o que hoje acontece com RS, RJ e MG vai acontecer com os “a pagar” da contas federais.
    Dois mais dois continua tendo o mesmo resultado apesar do babalorixá de Garanhuns e da ensacadora de vento alegarem que podia ser outro.
    Independente de que ganhar a eleição a m e r d a vai ser igual, ou até pior para os setores militares. Vai ser hora de realmente por na prática reducso, verticalização, padronização, eliminar redundâncias, caso contrário a “chon” nos espera no ar, o cais no mar e garagem na terra.
    Eu vejo as pessoas aqui falando em segundo lotes de NG, vocês só podem estar fora de si, acordem, não vai ter dinheiro nos próximos dez anos para um investimento desta magnitude. Os Nomes vão voar até cair, e talvez tenhamos um Tampax usadex…
    Os marinheiros, bom estes estão Fudi…..e mal pagos, vão ficar reduzidos a quase nada em termos de combatentes de superfície, se as Tamanduás rodarem,se tiverem a grandeza para descer os degraus da humildade, darem baixa nos navios economicamente inviáveis e fecharem esquadroes de asa fixa e rotativa, poderao ter uma chance, caso contrário vai ser o caos e o cais.
    Os infantes se não fizerem mais cag…..a lá Sherpa e trilharem o caminho do pé no chão como normalmente estão fazendo, vão se sair umpouco melhor.
    Que Deus nos acuda.

  23. Lembrem de 2001. O que a Argentina passou no final daquele ano não nada comparável com qualquer crise nossa e o marcou profundamente o pais.

    Politicas neoliberais de malfeitas por Menen foram a base dessa crise, que não foi contida por De La Rua, seu sucessor – ao contrario, fez muita m…, inclusive o corralito, que sequestrou as contas em dólares que estavam nos bancos. Por isso nem metade dos argentinos tem conta em banco até hoje e locais que aceitam cartão de crédito são minoria.

    Quando Nestor K assumiu, o pais estava em frangalhos e ele conseguiu segurar as pontas. Em paralelo, essa era K foi afugentando o que restou de investidor estrangeiro interessado no local. A crise também deixou um prato cheio para o populismo e o surgimento movimentos sindicais extremamente corruptos. Ainda hoje ninguém acredida seriamente na estabilidade politica e juridica local para acontecer uma “chuva de dolares”.

    Macri entrou sim para tentar salvar a Argentina, trazendo este pais de volta ao mundo, mas deve ser visto como um governo de transiçao. Simplesmente ele nao tem como sustentar os gastos pretendidos por ele na base do endividamento (foi o pais que mais se endividou nos ultimos dois anos), com defcits tremendos.

    Sobre corrupçao, ninguem se salva, mas este governo deu uma moralizada, mesmo sendo Franco Macri (pai do presidente) um empresario da obra pública envolvido em escandalos.

    As FFAA, coitadas…. ninguem quer saber de militar na Argentina. Para eles nao faz sentido investir nisso. Alem disso, as memorias de uma ditadura brutal, muito pior que a nossa, fazem o argentino ter repulsa de suas Forças até hoje.

    O negócio é complicado e recorrer ao FMI traz lembranças amargas aos hermanos.

    Nós falamos que o Brasil é o pais do futuro. Eles estão presos ao passado, um passado que dizem ter sido glorioso, mas para mim é só engodo.

  24. Esse Macri é uma piada. O sujeito virou um ursinho de pelúcia da Direita Brasileira.

    O Liberalismo já é obsoleto a uns 200 anos, estamos no pós-capitalismo, o sistema bancário criou mais dinheiro que riqueza.

    O sistema financeiro está acumulando tanta riqueza na mão de tão poucos, que um Assalariado com curso superior hoje está mais distante dos 1% mais ricos que um Servo para um Senhor Feudal do século XII (li isso no NYT).

    • Bom é o bolivarianismo..

      Os Kircheners ferraram tanto a Argentina que vai ser difícil alguém tirá-la do fundo do poço..

      E sinceramente não estou nem aí para eles.

    • O problema não é desigualdade. Se quem tem menos, tem dignidade, está [email protected] pra quem tem mais. Isso é um ideia da esquerda enfiada goela abaixo do pensamento comum. O problema é miséria. Isso tem de ser combatido. E manter os pobres na miséria, por um trocado, é o pior q fizeram no Brasil nos últimos anos.

      Voltando ao assunto, e pensar q os argentinos chegaram a mandar navios pro Golfo na primeira guerra do Iraque…

  25. Alguns países poderiam se oferecer para salvar a Argentina, em troca de parcerias.
    O pior caso seria a China…
    Poderia ser o Brasil, em troca de maior liberdade para exportar para lá…
    Ou os EUA que estão precisando de parceiros.
    Tornar a Argentina numa nova Austrália…
    Muito investimento em troca de parceria estratégica de longo prazo…
    Fornecer bois, trigo, seja lá o que for…
    Uma base militar americana na Argentina…
    Assim como Japão, Inglaterra, Alemanha têm…

    • Primeiro o Brasil precisa se salvar, né? Estamos longe de resolver nosso déficit fiscal e outros problemas graves (inclusive, muitos deles piores do que na Argentina).
      E não dá para colocar o Brasil no mesmo nível de EUA e China. É como comparar pardal com águia e falcão.

      • Para o Brasil que tem 350 bilhões de dólares de reservas, oferecer uns 30 bilhões amarrado a algum benefício para o Brasil não seria nada mal.
        Se a Argentina está mal é ruim para o Brasil.

        • Daí eles dão um calote de 90% igual deram no Postalis (fundo dos empregados dos Correios)? Emprestamos 30 bi e eles pagam 3 bi. Não, obrigado.
          A pressão sobre o real já está aumentando. Não é hora de gastar 9% delas para tentar salvar um vizinho problemático. Digo tentar, porque 30 bi é só um socorro emergencial.
          Fora que o FMI oferece uma taxa de juros mais baixa que o Brasil. Ou você quer emprestar dinheiro subsidiado para eles? A gente pega a 6,5% e empresta a 4% para os hermanos?
          Não. Obrigado. Temos um déficit de uns US$ 45 bi por ano para lidar e muitos outros problemas. Prefiro esse dinheiro usado aqui do que lá.

  26. O problema da América do Sul é falta de tecnologia. Exportamos soja, carnes e minérios. É só mais um ciclo de país colonia, assim como foi o pau brasil, ouro, cana de açúcar, café, borracha etc. Apenas escavamos a terra e depois ficamos com o buraco.

  27. O papo agora é que essa destruição de uma nação inteira é fruto da herança do governo passado. Essa “conversa” já está sendo “aplicada” por aqui também. Conta outra lorota porque essa conversinha só engana os bobos. E esse rastro de destruição planejada, não só na Argentina (com esses “governos” liberais entreguistas) mas em toda a América latina está mais do que claro. Ou precisa desenhar? O governo anterior (que disseminaram que havia destruído a argentina) pagou e se livrou dos agiotas internacionais ( o famigerado FMI) masss….e novamente, com o novo e “salvador” governo a Argentina está de volta às garras desses agiotas e novamente no eterno ciclo planejado e implantado, está mais quebrada que “arroz de terceira”. Por aqui nós também não tardaremos a cair nas garras desse tal fmi. E o mais revoltante disso tudo será saber que isso se dará depois de termos nos livrados dessa turma e de quebra ainda termos sidos credores deles e de termos tido também uma das maiores reservas monetárias do mundo ( 400 bilhões de dólares em caixa ou mais). O ciclo do eterno caos político, social e econômico….planejado, desgraçadamente se repete em toda a América latina. Vivemos em um continente onde nós mesmos ajudamos a mergulhar nossas nações no abismo da destruição. Na Argentina esse ” governo ” foi “eleito” pela maioria. Agora é aguentar até o fim. Por aqui, diante do que ocorreu, alguns apoiaram o desastre à que nosso país foi levado e a maioria, como bom brasileiro ” não estava e continua não estando nem aí”. Estimam alguns profissionais de áreas econômica, social e etc que nos países que conseguirem se livrar da sanha destruidora desses governos liberais e salvadores de direita, a recuperação econômica (principalmente) levará de 20 a 30 anos. Ou seja….serão, no mínimo, 20 anos começando tudo de novo. O eterno e planejado ciclo do recomeço.

    • Certo. Bom é na Venezuela, Bolívia e Cuba. Lá se livraram do FMI…
      O Brasil também se livrou. Foi só Lula pagar 30 bilhões que FHC tomou emprestado porque os investidores fugiram com a iminente vitória do coronel de Garanhuns… Que disse que ia dar calote.
      Por falar nisso, no dito Governo a dívida pública saltou de 600 bilhões para 4 trilhões…

    • Marcelo, ou você é muito mal informado ou seu comentário é eivado de ideologia e má-fé. Primeiro, o FMI não pratica agiotagem, pelo contrário, é o dinheiro mais barato disponível no mercado internacional, por isso a contrapartida exigida é responsabilidade fiscal dos governos tomadores de empréstimos junto a ele. Segundo, o Brasil, se continuar praticando os fundamentos econômicos que deveriam ser seguidos por qualquer governo sério, independentemente de cor partidária ou ideologia, não deverá recorrer ao Fundo por que tem reservas internacionais que garantem o giro da dívida, saldo positivo na balança comercial, baixa inflação e taxas de juro em queda. Oscilações de câmbio em relação ao dólar estão ocorrendo com todas as moedas por causa de ajustes internos na economia dos EUA. Terceiro, a crise argentina e a nossa, que começa a arrefecer, não foram geradas nos dois últimos anos e nem pelos atuais governos, o estrago vem lá de trás por medidas populistas e demagogas praticadas pelos governos da época. Como as “pedaladas fiscais” que levaram à cassação de Dilma Rousseff, que alguns insistem em chamar de golpe. No mais, a hora de pagar a conta chegou, e essa responsabilidade não pode ser transferida, como não se deve minimizar nossa incompetência e culpar supostos agentes externos interessados em nos manter subdesenvolvidos. O nosso maior inimigo, assim como o dos argentinos, venezuelanos, e outros, está entre o próprio povo.

  28. Eu ou você amanhã… 🙂
    .
    O que está acontecendo na Argentina deveria nos ensinar algumas lições:
    .
    1. O gradualismo não funciona: ou você faz reformas liberais ou você não faz; fazer reformas pela metade pode ser tão ruim quanto não fazê-las;
    .
    2. Não adianta ter um Poder Executivo liberal se o Poder Legislativo é populista: por mais que o presidente tente reformar, a última palavra sempre será do Congresso;
    .
    3. Rodar a maquininha de imprimir dinheiro é SEMPRE a pior das opções. Inflação não é alta de preços, e sim governo imprimindo dinheiro pra pagar as contas do Estado.
    .
    O que isso tem a ver conosco?
    .
    Apenas eleger um esquerdista (e opções não faltam), ou mesmo eleger um “nacionalista de direita”, vai nos conduzir ao desastre tão certamente quanto eleger um liberal mas manter o Congresso nas mãos de um populista.
    .
    O Brasil tem uma janela pequena para se salvar do desastre. Hoje eu diria que as chances são de 20% de nos salvarmos.
    .
    O Brasil precisa de um choque de capitalismo e liberalismo como nunca foi feito em nossa história. Privatizações massivas (total), diminuição massiva do Estado, corte brutal do déficit público, enfim. Algo nunca visto.
    .
    Qualquer coisa diferente disso será o caos.

      • É por aí… Estado enxuto, sem privilégios, e que funcionários públicos trabalhem 12 horas por dia para o salário que recebem ( ou que se equiparem à empregados da iniciativa privada, já, não para o futuro!) e terem apenas um mês de férias, sem emendar feriados, e com um rigoroso sistema de fiscalização de atividades e atingimento de metas. Fim da estabilidade em cargo público! Aposentadoria igual para todos os brasileiros, mesmo valor, valor médio da arrecadação dividido pelo número de pensionistas. Ou isto, ou estamos indo para a quebra. O que há de fazer para estimular o enriquecimento das pessoas é incentivá-las a inventar novos bens, serviços e negócios, tentar, arriscar, investir, produzir por sua livre e própria capacidade, com apenas financiamento estatal para projetos que criem empregos, trabalho. Sem isto… eu não vejo um futuro próspero para o Brasil, mas uma sucessão de crises e recuperação de crise (o que parece progresso). Cuidado, gente, cuidemos direito de nosso Brasil.

  29. Tô rindo dos liberais brasileiros. Macri era considerado um exemplo para o Brasil, a mídia direitista rasgava calcinha para as políticas do governo dele; Mas agora que o barco afundou, a direita brasileira chama Macri de socialista. Realmente, não da para confiar nesse povo.

    • Macri é uma decepção, mas passa longe de ser um liberal. Liberal ALGUM continuaria rodando a impressora como ele fez: isso não tem desculpa, é imperdoável para qualquer liberal que passou da página 2 de Adam Smith…
      .
      Porém a verdade é que ele não conseguiu passar as reformas que queria porque o Senado argentino está nas mãos dos peronistas de C. Kirchner.

      • Parem de jogar as criações mal sucedidas da direita no colo da esquerda, já não basta ter que ler vocês dizer que Hitler era socialista, agora temos que aguentar a Folha, Globo e o Macri de esquerda?

        • Bem meu caro, se Macri é “de direita” ou não pouco me interessa. O fato é que ele NÃO é um liberal. Ponto.
          .
          “Nós somos socialistas e inimigos do sistema econômico capitalista atual, feito para a exploração dos economicamente frágeis – com seus salários injustos, com a sua indecorosa avaliação do ser humano de acordo com a riqueza e a propriedade, em vez da responsabilidade e desempenho. Estamos determinados a destruir este sistema a todo custo.”
          (…)
          “Apenas nosso socialismo é nacional”

          .
          (Discurso de Hitler em 01 de maio de 1927)

          “Não sou apenas o vencedor do marxismo, sou seu realizador. Aprendi muito com o marxismo e não pretendo escondê-lo”.
          (…)
          “Todo o nacional-socialismo lá está contido. Veja bem: os grêmios operários de ginástica, as células empreendedoras, os desfiles monumentais, os folhetos de propaganda redigidos em linguagem de fácil compreensão pelas massas. Esses novos métodos de luta política foram praticamente inventados pelos marxistas. Eu só precisei me apoderar deles e desenvolvê-los para conseguir assim os instrumentos de que necessitávamos.”

          .
          – “Hitler m’a dit”, Paris, Ed. cooperação, 1939 (nova impressão para edições Somogy, na Suíça, em 1940
          .
          Tirem suas próprias conclusões…

          • A base do pensamento do nacional-socialismo de Hitler e do Marxismo é a mesma ou seja, a apoderação dos meios de produção pelo Estado em benefício de uma elite política e em alguns casos de uma elite econômica. Ou seja, grosso modo, as diferença entre o marxismo e a extrema-direita, onde de fato Hitler se situava, são mínimas. São frutos da mesma árvore, a árvore do desrespeito às garantias individuais e fundamentais, do extremismo, do autoritarismo.

            A verdade é que o marxismo e a extrema-direita são irmãs siamesas.

            Ps: Cumpre lembrar que no começo da sua vida política Mussolini era comunista.

  30. Depois da seca violenta que teve na Argentina e destruiu as plantações todas já era previsível que passariam por dificuldades, agora vai ter um monte de comuna oportunista querendo tirar proveito. Se a seca fosse no Brasil não seria diferente já que a esquerda deixou esses países como meros exportadores de matérias primas, é triste quando a agropecuária tem que levar o país nas costas.

    Outro detalhe é que o dólar está se fortalecendo e aumentando em vários países e não só na Argentina. Faz muito tempo que escuto um pessoal dizendo que os EUA e o dólar vão quebrar mas só vejo acontecer o contrário, os EUA crescendo e o dólar se valorizando cada vez mais, quem quebrou mesmo foram os países esquerdistas por aqui.

  31. Liberal não é de direita. Deviam saber isso.
    E quem levou a risca essa frase foi o governo passado; “Tudo no Estado, nada contra o Estado, e nada fora do Estado” Mussolini.
    Com um estado grande, com sindicatos, com uma racionalidade socialistas de estado “volumoso”. Como fazer reformas significativas para diminuir o estado e assim os gastos públicos e atrair investimentos. Com pelo menos maioria nas duas casas. Não tem.

    A Argentina é importantíssima para a economia brasileira e esperamos que o país consiga sair desse “poço”.

    Não sei qual a ideologia das pessoas acima, mas na Argentina o povo ainda tem comida e remédios, no “paraíso” socialista Venezuela, o povo está morrendo, sem ter o que comer, remédios e ainda forçados a trabalhar e em prol do “deus” estado. Ué, isso me parece muito com duas ideologias sanguinárias do seculo passado. Ops.

    • “mas na Argentina o povo ainda tem comida e remédios”

      É mesmo? Pegue o seu auto e faça uma viagenzinha pelo Norte do país deles e depois venha me contar o que eles comem. QUANDO comem.

  32. Sinceramente não tenho um pingo de dó dos Argentinos eles que se lasquem cada país com seus pepinos, se cada país cuidasse do seu o mundo seria um lugar bem mais pacifico.

  33. Parece que a ideia do Socialismo da AL é reduzir a soberania do pais para que outro implante o socialismo através da dependência total deste , iniciando isto pelas educação ideologia , depois forças armadas, etc. Vide Venezuela interferência de Cuba e a dependência da Rússia…
    A Argentina quase caiu neste buraco, na verdade esta no barranco… Desejo sorte para os Hermanos , uma Argentina economicamente forte é bom para o Brasil

    • “Parece que a ideia do Socialismo da AL é reduzir a soberania do pais para que outro implante o socialismo através da dependência total deste”

      Quem mais utiliza dessa ideia são os direitistas liberais que adoram ficar de 4 para os americanos.

      • E o que dizer dos esquerdistas e bolivarianos que infestaram essa triste esquina do mundo do ano 2000 até 2016? Se comportaram como cafetões da miséria alheia, fingindo distribuir renda jogando migalhas ao povo ao mesmo tempo em que, junto com seus asseclas, assaltavam o erário público

  34. Por a culpa em herança maldita não resolve o problema da argentina é do Brasil,tiveram dois longos anos para resolver,ai sim e prestigiar a imcompetencia dos governos latinos americanos de direita é de esquerda.O Fato que nossas economias não são competitivas,porque nossa mão de obra não foi qualificada é que o dinheiro público principalmente na educação não foi bem gasto,alías dinheiro para educacação numca faltou.Nossos políticos além de corruptos são incompetentes,os empresários nossos são ruins administradores.O Brasil vai aõ fundo pedir dinheiro pro FMI é não demora.

    • Nossos empresários são “ruins administradores”? No Brasil? Com todos impostos, taxas a e obrigações acessórias? Não…

  35. Não sei por que defendem esse macri,para mim é pior que o temer,pois apesar da crise conseguiram o ocean,os obuseiros m-109, e vai conseguir os cobras, é os obuses 198 pro eb,é lá na argentina mesmo o macri indo aõ EUA, só conseguiram o texan.

    • Ronaldo,

      Se batessem um papo reto com os americanos, poderiam ter mais que M-113 na faixa… Bell 212 ou mesmo ‘Blackhawk’ poderia vir a preço simbólico dos estoques do US Army, com os argentinos pagando só os trabalhos necessários para a reativação desses meios. Até mesmo um punhado de caças F-16 dos estoques da USAF seria algo plausível…

      Mas ocorre que o problema não é conseguir o que quer que seja… Trata-se também de compromisso político e recursos para manter o que se tem operando. E aí resta saber o que as esfaceladas contas argentinas aguentariam… Para a Armada, por exemplo, já chegaram até mesmo a pensar em ‘Blackhawk’ adaptado para tarefas navais de transporte ao invés do mais capaz e próprio para a tarefa ‘Knighthawk’, tudo por causa de custos…

  36. Amigos,

    Se o caminho adotado pelos argentinos for o correto ( ou seja, gradual introdução ao liberalismo econômico ), então serão DÉCADAS até que qualquer coisa que seja feita dê efetivamente resultados…

    Primeiramente, conhecimento ( capital humano ) tem que ser acumulado ( e aí deve obrigatoriamente entrar o Estado, através do estímulo ao surgimento de universidades e centros de aprendizado diversos ). Pessoas com as ideias certas tem que aparecer e desenvolver o que se precisa, encontrando as facilidades para tanto ( onde também entra a mão do Estado, com legislação condizente e criando condições específicas que permitam as pessoas trabalharem ). E a partir daí, tudo deve ser de forma espontânea, adaptando-se as necessidades que forem surgindo no mercado interno e externo, sem atropelos. Evidente que se essa receita for seguira, tudo acontecerá, visto que uma economia real e sustentável ( não gosto muito dessa palavra para este caso, mas enfim… ) não depender necessariamente de intervenções diretas de um Estado para continuar a crescer, mas serão anos até se chegar a algum lugar.

    Considerando que os argentinos iniciassem reformas hoje e fossem trabalhadores aplicados, somente veríamos o resultado desse trabalho começar a surgir daqui umas duas décadas, e olhe lá… Tomem por exemplo os países do leste da Ásia, como Taiwan, Hong Kong, Singapura, Japão, entre outros, que levaram décadas para chegar ao atual nível.

    Também não se pode confundir livre comércio e livre mercado, como está involuntariamente impresso em vários comentários acima. São duas coisas distintas. Uma coisa é comercializar com outros países livremente ou minimamente dentro de regras justas que deixem ambos os lados em pé de igualdade ( livre comércio ). Outra é manter o mercado interno aquecido, criando o meio e a oportunidade para que os indivíduos comercializem e se desenvolvam por si mesmos ( livre mercado ), ao ponto de constituírem empresas e levar a efeito comércio contra outras do exterior em igualdade.

    Definitivamente, não pode haver livre comércio entre países se não há um livre mercado ou algo perto disso. Ora, por exemplo: se um produto estrangeiro custa 1/5 que um equivalente brasileiro, não haverá livre comércio algum… Logo, há que criar as condições, e há dois jeitos de fazer: a) subsídios e facilitação de crédito, e b) redução de impostos e leis que facilitem os negócios. O primeiro método trás resultados rápidos, mas depende de caixa ( o que significa impostos ) e tem o inconveniente que criar distorções no mercado, visto gerar preços artificiais. O segundo pode levar considerável tempo para surtir efeitos, haja vista a necessidade de desenvolvimento do meio como um todo e a adaptação deste a demanda real, mas é teoricamente o mais acertado e o que produz resultados duradouros.

    Uma mente liberal apostaria tudo no segundo método, mas ocorre que não se pode ser inocente…

    Se outros praticam subsídios, então não há escolha que não jogar o mesmo jogo ou impor restrições em impostos a quem os pratica.

    Crédito a quem quer constituir negócio é uma forma legítima de se levar a cabo o fomento da atividade econômica, mas deve ser restrito a pequenos e micro-empreendedores, de forma a estimular o surgimento de novas empresas e a concorrência. Já a facilitação de crédito para mera pessoa física é porta para a inadimplência em larga escala.

    Enfim, até se pode admitir a mão do Estado em um primeiro momento, mas entendo que a intervenção deve ser limitada, e deve haver plano para que ela cesse ou se reduza substancialmente em determinado momento, reduzindo crédito e subsídio a medida em que se corta impostos e se adapta a legislação.

    De tudo isso, apenas certas áreas devem ficar sob pesada influência estatal, tais como defesa e infraestrutura de forma geral ( mas sempre observando as demandas dos respectivos nichos ).

  37. Bom volto a dizer minha opinião…Não adianta colocar a culpa no sistema politico, tanto faz o sistema ser de Direita(azul Democrático/Republicano) ou Esquerda(vermelho Socialista/Comunista) é tudo a mesma M….

    O Fato que não interessa aos Âmis que a região Sul da America se desenvolva Militarmente muito menos a Argentina e o Brasil é Fato.

    É por isso que o Brasil parece cachorro vira-lata comendo os resto de comida(armamento dos Âmis) jogados em baixo da mesa.

    A unica diferença é que o cachorro vira-lata argentino não ta nem conseguindo comer as sobras que os Âmis estão jogando em baixo da mesa…Triste realidade para ambos países.

    • Caro Soldat
      Se eu estiver equivocado, por favor, você ou outro colega aqui me corrijam, mas me parece que, à exceção do F-22 e dos subs e PAs nucleares, os EUA nos vendem quase todo o resto do seu arsenal, com muito poucas restrições.
      Desde que tenhamos dinheiro.
      Como não temos, ficamos com os usados. Assim como, enquanto alguns compram carro zero, outros só podem adquirir os agora chamados de seminovos.
      Abraços

    • Sorte que ainda não dão os usados. São os únicos que o fazem. É o que doam é melhor do que o que temos ou que nossos vizinhos tem. Aceito de bom grado estas sobras, “de gratis” e renovando nossa artilharia quase no padrão da deles.

  38. Boa análise RR., mas voltando a vaca fria e fazendo um paralelo com a situação econômica Brasileira x orçamento das forças armadas, ou os comandos começam a fazer o que precisa ser feito agora, para talvez, repito, talvez daqui uns sete anos começar a voltar a investir de forma mais expressiva, ou vai ser algo semelhante ao que está acontecendo com os Argies.
    2019, será ano tenebroso, economicamente falando.

    • Pois é, Juarez.

      Ano que vem vai ser terrível… Não tem mais gordura pra queimar e será o primeiro ano de um governo que, independente de qual seja, será amplamente contestado em todos os setores da sociedade, e ver-se-á em posição dificílima tendo gestar a maior crise de nossa história ( que, verdade seja dita, está longe de acabar ). E no que tange as forças armadas, vão ter que pensar em cortes mais drásticos ainda por esses anos…

      Me arrisco a dizer: se a FAB, EB e MB entrarem a próxima década apenas existindo como forças armadas de fato ( coisa que, muito debilitadamente, ainda se pode considerar como tal ), já será uma vitória…

      Mas há esperança, penso eu… Pouco a pouco, quer seja pela compreensão do futuro imediato e inevitável ( e consequente antecipação das ocorrências por vir ), ou pela simples imposição da realidade, as coisas que devem acontecer terminarão acontecendo… Redução de pessoal ( se for mesmo necessário ), padronização, eliminação de redundâncias, etc, como já bem exposto pelo amigo aqui e em outras ocasiões. E se for um processo bem conduzido, poderemos até assistir a ascensão de uma força armada mais capaz daqui a uma década; enxuta e flexível.

      Seja como for, engana-se quem pensa que o remédio não terá gosto de fel… Aliás, o gosto ao menos já está presente…

  39. Podem falar o que quiserem, mas tá pra existir um país tão semelhante ao Brasil em vários fatores.

    Argentina é rica em solo fértil, agricultura, enorme bacia hidrográfica, águas para pescados de sobra, minerais e tudo mais.
    Mas contam com uma porcaria de classe politica corrupta e ruim de serviço (igual nós), congresso que manda no país, judiciário como nosso, um estado inchado como nosso, briga estupida entre esquerda x direita (como nós), povo que anda mais preocupado com copa do mundo do que situação do país,e tantas outras coisas que não me lembro.

    Vantagem deles sobre o Brasil que ainda tem qualidade de vida melhor que a nossa e o argentino médio tem melhor educação que foi herança da América Espanhola, muitos argentinos estão cagando para as forças armadas, nisso o brasileiro tem mais devoção com suas forças armadas que eles.

  40. O Brasil deveria se voluntariar para, ainda que humildemente, ajudar na defesa aérea da Argentina. Nós poderíamos assinar um acordo militar para que, a Argentina pagando os custos de manutenção, nós enviamos alguns tucanos com pilotos formados, mais deslocar, se preciso, alguns F5, para fazer a defesa aérea da Argentina. Até que cheguem os F-39. Sem chauvinismo, lembrando que temos interesses compartilhados, como a defesa de nossa paz, comércio, amizade nos esportes (embora pareça rivalidade) cultura latina, enfim. Temer deveria telefonar para Macri e dizer que pode ajudar. Pode pagar em trigo.

    • Victor, manda essa sua sugestão para o General Villas-Boas e para o Brig. Rossato e vê o que eles acham da sua idéia….rsrsrsrsrsrsr

      • Você acha que só parece rivalidade entre argentinos e brasileiros no futebol?????
        Os caras faltam se matar de porrada no campo meu jovem e não duvido que mesmo extra campo esta rivalidade bra X arg seja constante. Ter parcerias e tal não significa que não exista uma rivalidade “velada” .

    • Vitor,

      Na atual situação, isso é algo dificil de conceber…

      Primeiro que meia dúzia de ‘Mikes’, que seja, já fazem uma falta danada, ainda mais considerando que uma boa parte deles sempre está no solo por ‘n’ razões… Até poderia ser feito por um curto período de tempo, mas nada além disso…

      Quanto a integração que propõe, isso dificilmente ocorrerá… Em termos doutrinários, eles estão muito atrás. Enquanto o Brasil já opera com AEW, eles não tem sequer uma doutrina BVR em sua força aérea…

    • Vitor isso é uma ironia ou falas sério? Se é serio, não damos conta nem da nossa defesa e vamos ficar dando arrêgo pra estes caloteiros que estão cogitando de por os chineses nas nossas costas?

      Dinheiro do contribuinte brasileiro é pra defesa do Brasil, inclusive contra eles argentinos, alás.

  41. Creio que essa seja á hora para o Brasil acabar com as ultimas desconfianças entre nós e eles, com a Argentina sem um poder militar forte e sem pretensões militares (não quer dizer que eu quero uma Argentina submissa) podemos aproveitar para desmilitarizar o RS e investir em outros lugares onde as FEs precisam mais.

    • Você não conhece os argentinos. Dê uma passada aqui no RS que voce vai descobrir quem eles são pela boca de quem os conhece de perto. Não se trata de xenofobia mas de constatar a atitude histórica deles. Desmilitariza e depois tem que trazer tudo de volta correndo.

      • Perfeito comentário, colombelli. Deve-se diferenciar xenofobia, ou seja, o ódio gratuito ao estrangeiro (no caso, aos argentinos), de uma consciência geopolítica. É fato que, há anos, o Brasil é feito de trouxa pela Argentina, em todos os sentidos. Não me recordo de algum tipo verdadeiro de parceira ter vindo daquele país, no entanto este sempre tenta se aproveitar do Brasil em absolutamente todos os cenários possíveis.

        Mas o brasileiro, ao que parece, adora ser passado pra trás, talvez por isso ser parte de nossa cultura. Nós, nos esforçando para manter as FFAA que conseguimos, imaginando cenários muitas vezes impossíveis para que possamos sair da penúria, e em toda notícia deste tipo há alguns comentários como “o Brasil precisa ajudar a Argentina”, ou então “uma Argentina militarmente forte é boa para o Brasil”. Boa para o Brasil? Se esqueceram da Guerra das Falklands? Aquele país cogitou seriamente atacar o Brasil ou o Chile, e ainda assim há pessoas ansiosas para que eles possuam forças armadas capazes?

        De qualquer forma, gostando ou não, lá, como cá (em que pese o Brasil estar levemente melhor neste sentido), enquanto a economia não for colocada em dia, não haverá melhoria das forças armadas. Essa é a realidade, e contra ela não adianta chororô.

        • Daglian,

          Vira e mexe essa informação de que os Argentinos naquela época tinham um plano para atacar o Brasil.

          Não duvidando de você, mas eu nunca vi nada de concreto sobre isto (algum artigo, relatório, alguma matéria publicada, etc).

          Onde posso encontrar alguma referencia a isto, porque não vejo como eles iriam e nem como sustentariam uma empreitada destas, mesmo com o poderio militar que possuíam na época.

          Seriam rechaçados facilmente.

          Ademais, na minha opinião, se um país como o Brasil ficar com medo de um ataque argentino, em qualquer época, é melhor fechar o buteco e assumir nossa total incompetência na área militar.

          • Mk48, há fartas referências sobre o Plano Rosário do Exército Argentino por aí. É só procurar. A ideia era recuperar o território das chamadas Misiones Orientales, perdido pro Brasil no sec. XIX.

            Quanto a serem rechaçados, eles também seriam facilmente rechaçados pelos ingleses e mesmo assim foram atacar as Falklands. Não peça racionalidade de generalecos arrogantes, ignorantes e pior, bêbados, como era o Galtieri.

            Hoje em dia de fato eles não ameaçam ninguém. Mas nos anos 70 e 80 a coisa era diferente. Tinham um poderio capaz de rivalizar conosco.

          • MK48 há um estado do estado maior que indica que na década de 40, os argentinos tomariam facilmente metade do RS e parte de SC em semanas. Foi publicada reportagem disso

            Na década de 70 e início dos anos 80 eles lideram nas FA da AL. e nos so tínhamos mais é números, e nem era tanto assim.

            Eles teriam sim condições de tomar a região que foi adjudicada por decisão arbitral ao Brasil em fins do século XIX. E se isso não acontecesse a condição deles os teria impelido igual a um conflito.

            A operação Rosário previa Falklands. Beagle e depois o Brasil.

      • Pois é…

        Não entendo este amor todo pelos argentinos, se fosse o inverso duvido algo do tipo lá ser sequer cogitado

    • Se eles mudarem a conduta só militarizar ué, nada fora do normal, ate pq pra eles mudarem de conduta e se militarizarem de novo é um longo processo que da pra ser percebido e contra medidas tomadas.
      Agora perder uma oportunidade como essa é tolice, desdo fim da ditadura deles que eles não tem planos de imperalismo nao tem pq ter animosidade, nos 2 somos uma democracia.

  42. por favor direita ou esquerda….. ???? o que importa é ter dinheiro e menos corrupção #simples …..deixem a politica de lado. o Brasil tem que se armar sim, os outros???…. isso é problema deles!

  43. TODAS AS MORTES SÃO ANUNCIADAS. MAIS UM CASO “DE LA INSOBERANÍA”, TAL COMO O BRASIL, A ARGENTINA.
    A notícia é contundente: “a Argentina volta a recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) na busca de uma solução para a sua crise. O dólar fora de controle levou o presidente Mauricio Macri a pedir ajuda financeira à Christine Lagarde” (Monitor Mercantil, quarta-feira, 9 de maio de 2018).

    Algum espanto? Alguma surpresa? Alguma novidade?

    E qual será o preço dessa ajuda, além da miséria, da fome, da ausência de moradia, saúde, educação que os argentinos voltarão a sofrer?

    Luis Alberto Romero, na “História Contemporânea da Argentina”, relatando as ocorrências naquele País durante o século XX, propõe discutir a presença da Argentina no mundo, a função do Estado naquele período e a contemporaneidade e adequação do pensamento da elite intelectual ao desenvolvimento de uma sociedade democrática.

    Sem dúvida uma desafiante empreitada para o historiador, bem assim para todo cientista social.

    No início do século XX, a Argentina, o Brasil e todos os países que não fossem os impérios europeus e a insurgente república dos Estados Unidos da América (EUA), independentemente de seus cartões de visita, eram colônias. Argentina e Brasil colônias da Inglaterra.

    Entre 1870 e 1914, a economia da Argentina manteve um crescimento médio anual de mais de 5% ao ano. Durante a década de 1880, 40% de todo o capital britânico investido no exterior foram investidos na Argentina, os investimentos foram destinados ao financiamento da rede ferroviária, que acrescentou mais 3.800 milhas, tocando 40 000 km no total (Wikipédia).

    As insurreições pelas independências (Entre Rios, Tucumán, Banda Oriental) não foram, nem no Brasil, resolvidas numa única penada. Tivemos aqui a Confederação do Equador, a Guerra dos Farrapos, a Balaiada e lá tiveram suas manifestações nacionalistas, e se glorificamos apenas o monárquico Duque de Caxias, os argentinos tem seus heróis regionais e nacionais. Não cabe discorrer sobre esta história mas, caso haja interesse, as 582 páginas do “Manual de la Historia Argentina”, de 1928, de Vicente Fidel López disponibiliza ricos detalhes, embora com viés político bastante particular.

    O que nos iguala, Argentina, Brasil e quase toda América Latina é a sujeição colonial. Os arroubos de libertação são combatidos com golpes ou se transformam, quando vitoriosos, em revoluções, até eleitorais, como da Bolívia.

    Precisamos, mais uma vez, saber distinguir as condições históricas. Se os impérios eram criados por Estados Nacionais – Inglaterra, França, EUA – a partir de 1990 é um sistema que os orienta e comanda. Este sistema, que abrevio na palavra “banca”, usa instituições/organizações nacionais para impor suas condições e interesses. Este é um entendimento fundamental, não único, para a leitura dos Estados e dos fatos no século XXI.

    Vejamos a Argentina em seu retorno ao FMI e o Brasil, que, com a permanência dos patrões dos atuais governantes, fatalmente repetirá o pedido de Fernando Henrique Cardoso, em agosto de 2002.

    O que significa a dívida para a banca? O domínio, o controle dos atos do devedor. É a forma de dominação que vem do século XIX e fez dos nobres de parte da Grã-Bretanha possuidores do império onde o Sol nunca se punha.

    Trazer a rica Argentina de um século para o confronto de hoje é buscar uma ilusão..

    O ano de 1916 parecia indicar um novo País. Os argentinos elegiam Hipólito Yrigoyen, da União Cívica Radical. “A decisão de Yrigoyen de modificar a atitude repressora tradicional do Estado, utilizando seu poder para mediar os diferentes atores sociais e, assim, equilibrar a balança, parecia aparar a última aresta de conflito”, afirma Luis Romero.

    Era a solução democrática, o consenso sobre a contestação. Lula tentou o mesmo quase um século depois. E está preso.

    O processo de modernização, de contemporaneidade, desejado pela sociedade colonizada só se rompe com violência. Repito, novamente, Romero comentando a revolta militar que depôs Yrigoyen, em 1930: “esses 12 anos em que as instituições democráticas funcionaram normalmente representaram um período de exceção”.

    Não cabe, nem cairei na armadilha de discutir partidos e políticos. Há algo muito mais relevante e, como apontei nos objetivos de Luis Alberto Romero no trabalho referenciado, se trata do Estado e da adequação que a sociedade seja capaz de realizar entre suas necessidades e a construção do modelo institucional.

    O Estado colonizado apresenta de início dois enormes problemas: é dominado pela elite que usufrui, no País, da sujeição colonial, e tem a formatação institucional que interessa ao colonizador e que vem de modelos aplicados nos Impérios, ou seja, de realidades econômica, social e política diferentes.

    Observe o caro leitor: quantas vezes ouviu dizer, em se tratando de um erro ou de conduta inadequada, que “só podia ser coisa de brasileiro”, como se o falante fosse um alienígena. E nem se dá conta da auto-humilhação. Claro que há muito de classe social, mas há indisfarçável incapacidade de colonizado.

    Hoje é a Argentina, que na clara demonstração da farsa do neoliberalismo, do engodo do Estado mínimo, das falácias das privatizações, recorre ao FMI. As substantivas reservas internacionais deixadas pelos governos petistas, e apenas elas, retardarão a ida do Brasil ao FMI, que, mantida a política subserviente e medíocre que temos, logo se esgotarão.

    Neste mesmo caminho estão o Chile, o Paraguai, a Colômbia e mesmo um antigo Império, a França, que não encontra, desde a queda de De Gaulle, um governo nacional francês.

    Não nos faltam exemplos. Apenas o vício da tela da Globo impede a visão. O mais urgente ato que o brasileiro precisa realizar não é chamar a reativada IV Frota estadunidense, nem combater a Venezuela, nem extinguir o Supremo (na verdade Ínfimo) Tribunal Federal. É lutar pela Independência do Brasil.

    Autor: Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado

    Publicado em dinamicaglobal.wordpress.com

      • Concordo Lorde Vader! Um amontoado de besteiras, cheirando ao típico vitimicismo de viés esquerdista que infelizmente abunda ao Sul do Rio Grande e condena a América Latina ao atraso eterno.

    • É qual á alternativa se não pedir socorro ? Reformas? Em tese seriam mas o Macri não consegue, o jeito e tentar levar as coisas pelas as costas não tem outra alternativa.

    • Marcelo………

      O Vader foi até muito condescendente no seu comentário.

      O seu post é um dos piores ( e a concorrência está acirrada) que já foram feitos aqui nesta matéria.

      • Amigo Mk-48, lamentável que indivíduos como o sedizente “Marcelo r” venham poluir esse espaço a mando de uma conhecida OrCrim

  44. Cada país tem suas peculiaridades e deveria ser administrado segundo estas peculiaridades, sem este comportamento nefasto de atrelamento ideológico e politico incondicional com potências estrangeiras. O pragmatismo tão bem trabalhado pelo presidente Geisel. Deve cuidar de si. Esta tranqueira começou quando um idiota chamado Cavallo fêz a paridade do peso argentino 1×1 com o dólar. Nenhum país do mundo tem condição para tal.E o presidente, que era parecido com dançarino de tango mequetrefe dizia para os quatro cantos que a Argentina mantinha uma relação carnal com os Estados Unidos. A famosa relação caracu.

    • O Geisel não tinha nenhuma relação pragmatica fez é muita merda, a crise na decada de 80 foi é consequencia de suas políticas, ele era a Dilma dos militares tronco, burro e controlador vide os documentos da CIA que moatra que ele tentou microgerenciar do Dops.

      • Augusti L.
        Os documentos da CIA tambem afirmavam que o Iraque tinha armas de destruição em massa. Não merecem crédito. Quantas trapalhadas ela fêz até hoje ? Porquê a Globo vem com isto agora ?

  45. Eu disse “ajudar” Argentina para exercer influência. Muitas vezes uma ajuda não é um custo $. O exercício da influência é o que fazem os países que realmente são potências. Elas usam um tripé de poder, que seja, primeiro diplomacia, depois dinheiro e depois as armas para fazer valer a vontade. A diplomacia tem que ser boa para não precisar usar nem dinheiro nem armas. Mas se a diplomacia não é boa, tenta-se corromper. E se ainda assim não há resultado desejado, armas. E há interesses. Talvez a diplomacia Brasileira não seja tão eficiente para empoderar o Brasil, seja nas relações entre as culturas internacionais, ou relações comerciais e solução de conflitos, porque não define os interesses do Brasil. O Itamarati precisa definir seus interesses na América Latina, Africa, seus vizinhos e resto do mundo, seja lá qual for ( ainda que não seja publicável), e agir desta forma. A questão é: A Argentina está em crise e na crise há uma ótima oportunidade de ganho e empoderamento. Vamos deixar para a China ou para os EUA apenas porque em um raciocínio simples definimos que somos incapazes para tanto? Mas de qualquer forma eu realmente disse uma bobagem quando eu disse para o Brasil colaborar com a Argentina militarmente defendendo o seu espaço aéreo, uma vez que isto causa mais conflitos do que se você deixa quieto. Embora seja uma necessidade para os Argentinos e eu acredito que pode existir entendimento político e militar para isto, o povo pode não gostar. Se o fosse ao contrário, a Argentina vigiando nosso espaço aéreo, eu seria o primeiro a jogar bosta. Então perdoem-me, mas de qualquer forma, é uma ótima oportunidade para os diplomatas riscarem acordos para ganhos mútuos. A Argentina só sai da crise se produzir. Ponto final. E nós poderemos ser bons fregueses. É uma troca. Há oportunidade para o Brasil. O que não pode é deixar passar e ver os Chineses Americanos ou Europeus fazerem aquilo que nós deveríamos estar fazendo.

    • Se eu fosse chefe da diplomacia Brasileira, ou presidente deste Brasil, eu proporia aos Argentinos aumentar as compras de produtos deles em até até 200 bilhões (além do que já compra em e paga em dólares), diluídos nos próximos 10 anos, para pagamento em mercadorias ou em REAL. Se os Argentinos aceitarem Real para pagamento, acabou-se nosso problemas, de ambos. Nós compramos mercadorias deles, o que gera emprego para eles, e supre nossas necessidades e pagamos em Reais. Perfeito!

  46. O BR já era faz tempo! Salve-se quem puder, é cada um por si! Trabalhe em qualquer coisa, junte o máximo de grana que conseguir e meta o pé! Vá embora porque o casco do barco está rachando, se você tem filhos e os ama, sacrifique-se e mande-os embora!
    O povo brasileiro é um judeu alemão que não fugiu enquanto podia, agora em pleno momento máximo no nazismo ele se esconde embaixo da mesa enquanto os soldados da SS arrombam sua porta, que tristeza.

  47. Muito engraçado , não sou PT , mas tem gente de memória curta , o PMDB agora MDB governou o Brasil com PT , prova esta ai nos roubos .

    • Onde vc tira isso ? O Temer assumiu o pais em falencia multipla, o Brasil ja estava destruido, o que ele consegiu fazer, foi para a quebradeira, agora pra crescer vai ter q ter reformas( tributaria, trabalista, militar, juridica, politica, estrutural governamental) mas a população é burra e reativa a isso, o comodismo e a preguica não deixam.

      • E com o Macri foi pior, apesar da vontade de tomar ações ele foi barrando nem conseguir a crise ele foi capaz, por causa do senado opositor.
        Agora se os Peronistas, ganharam a próxima eleição vão fazer tudo o que o Macri falou que ia fazer e algo a mais, e vão colocar nomes diferentes nas suas açoes pq eles n podem ser vistos como neoliberais.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here