Home Exército Brasileiro Violência: problema estratégico não se cura com tática

Violência: problema estratégico não se cura com tática

2046
37

Por Cel Swami de Holanda Fontes

Segundo o Atlas da Violência, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o Brasil registrou 59.080 homicídios em 2015 e 62.517 em 2016. Grande parte dos homicídios dolosos está relacionada diretamente ao narcotráfico e é fruto de disputa entre facções criminosas, cobranças de dívidas, disputas internas das facções, entre outras causas.

Tais índices demonstram que o Plano Nacional de Segurança Pública, lançado em 2017, com o objetivo de reduzir o número de homicídios no País, veio ao mundo natimorto. Natal (RN), uma das cidades-piloto do Plano, terminou 2017 com emprego de tropas em operação de Garantia da Lei e da Ordem; contudo, a cidade possui, atualmente, um dos índices mais elevados de homicídios.

Nas estatísticas da violência no Rio de Janeiro, mesmo com a presença intensa das Forças de Segurança – antes, durante e depois dos grandes eventos em 2016 –, alguns indicadores demostram que não houve melhoras nos índices. Dessa forma, no nível tático, a presença ostensiva da tropa nas ruas não reduziu a criminalidade. O constante acionamento do emprego das Forças Armadas e o tempo autorizado de permanência, no Rio de Janeiro, comprovam que o modelo jurídico, a política externa, a política educacional e o modo de atuação das Forças de Segurança não estão surtindo o efeito necessário.

De acordo com os órgãos de imprensa, em 2012, o “peso” de 25 gramas de erva prensadas (medida padrão da venda de maconha) custava, em média, R$ 150,00 – em alguns lugares, o preço cobrado poderia ser de R$ 100,00, R$ 130,00 e, até, de R$ 200,00, dependendo da qualidade. Em agosto de 2017, circulavam na web imagens de embalagem de pacotes da droga contendo a foto da atriz Juliana Paes. “Bibi de R$ 100,00”.

Pela lei da oferta e da procura, verifica-se que o preço da droga não subiu com o passar dos anos porque a oferta aumentou significativamente. Fato interessante é que em 2017, houve recorde de apreensões de drogas na faixa de fronteira. A aparente contradição do aumento da oferta para o consumidor, mesmo com o recorde de apreensões, pode ser justificada pelo aumento das áreas de produção de drogas nos paises vizinhos, possibilitando um tráfico maior de drogas pelo território nacional.

O cenário da segurança pública, não só do Rio de Janeiro, mas também do Brasil, indica a tendência da continuidade da crise, situação que se agrava e que pode fugir ao controle estatal. Enquanto os integrantes do crime organizado possuem total liberdade de ação, não temendo a morte, as forças legais lutam pelo direito de sobreviver.

A segurança pública do Brasil demonstra que há necessidade de se tomar medidas mais eficazes nos diversos campos do poder para que se alcance solução definitiva, ou mais satisfatória do que apenas o emprego das Forças Armadas em inspeções de presídios, em operações na faixa de fronteira, em operações de garantia da lei e da ordem, nas cidades com greves da polícia; e em combate à violência, como no caso do constante emprego no Rio de Janeiro.

Sabe-se que as fronteiras são vulneráveis aos ilícitos transnacionais e que os países vizinhos, indiretamente, contribuem para o aumento da violência no Brasil, seja produzindo drogas, seja fornecendo armas ao crime organizado. Inúmeras operações militares e interagências são realizadas a fim de combater os ilícitos, tendo como resultados apreensões e diminuição da atuação do crime organizado durante o período das ações policiais, militares e fiscalizadoras.

Todavia, é perceptível o crescente número de casos de violência no País. As estratégias de combate à violência precisam ser revistas. O emprego das tropas militares, que deveria ocorrer somente em casos excepcionais, virou rotina, demostrando que os campos político, econômico, psicossocial, científico e tecnológico não estão sendo empregados adequadamente. Algumas das ações inerentes a esses campos são de longo prazo, como o investimento em práticas educativas para que a atual e as futuras gerações conheçam os males das drogas.

No entanto, o atual nível de violência tem levado a sociedade a buscar ações imediatas, pois as de longo prazo só resolvem problemas também a longo prazo. Uma das possíveis soluções é pressionar os países lindeiros e cobrar-lhes ações mais efetivas no combate ao narcotráfico e controle de armas. Nesse caso específico, a ação nas áreas produtoras pode gerar resultados mais imediatos.

Em que pese o respeito do Brasil pela soberania dos países vizinhos, nada impede o estabelecimento de acordos de cooperação que permitam a ajuda brasileira em outros territórios; isso não é novidade. Muitas operações de combate ao crime organizado já ocorrem nesse modelo, sendo necessário intensificá-las.

Em 31 de agosto de 2014, o Estadão publicou a seguinte matéria: “Paraguai caça PCC e CV em roças de maconha (…) Um dos relatórios contendo resultados de oito das operações Nova Aliança mostra que, de 2012 a março deste ano, foram destruídos cerca de 29 milhões de pés de maconha em 2.878 hectares. O custo da força-tarefa foi de US$ 452,9 mil, sendo US$ 261,9 mil pagos pela Polícia Federal. O dano provocado ao narcotráfico seria de US$ 264,8 milhões no período. A operação em questão ocorreu dentro do território paraguaio, com a participação de poucos policiais federais brasileiros, empregou custos financeiros inferiores ao emprego efetivo da tropa em operações e produziu muito mais resultados (…)”

A partir da destruição da droga na origem, toda a cadeia subsequente também é destruída. Isso significa que há menos evasão de divisas, menos recursos para compra de armas, menos carros roubados para pagar drogas, menos traficantes nas estradas, menos pessoas nas prisões e menos mortes. Enfim, todo o Brasil se beneficia. Combater o crime apenas em uma cidade como o Rio de Janeiro, que é dominada pelo Comando Vermelho, fortalecerá também outras facções, como o Primeiro Comando da Capital, de São Paulo, que, na atualidade, está presente em todo o território nacional e em processo de expansão para o exterior. Conclui-se que o centro de gravidade do problema está na produção da droga, e não no sistema financeiro ou no consumidor, como alguns acreditam. No caso do sistema financeiro, na década de 1990, na Itália, houve um intenso trabalho de combate à máfia; contudo, verifica-se que o Brasil, ao tentar copiar o modelo italiano, não apresentou o resultado desejado.

O crime organizado já se encontra bem estruturado nacionalmente e logo estará no âmbito internacional, o que vai dificultar ainda mais as ações do governo brasileiro nas políticas nacional e internacional. Com a criação das drogas sintéticas, que, nos dias de hoje, são produzidas em banheiros e cozinhas, será muito mais difícil a luta contra os traficantes.

É o velho ensinamento de que, sem centro de gravidade definido, sem liberdade de ação e sem estratégia adequada, não adiantará ter vitórias no nível tático, pois dificilmente a paz social será alcançada.

FONTE: Agência Verde-Oliva/CCOMSEx

37 COMMENTS

  1. Pena que nem todos os paises da america do sul pensam como o Paraguay, muitos estao lado a lado com os carteis. Incrivel esse numero, uma simples operaçao com custo de 452,9 mil dolares resultar em um estrago de 264,8 milhões de dolares.

    • Por exemplo a Bolívia que ano a ano aumenta a área de plantio autorizado de coca sob a alegação de serem de “uso cultural” sob as benesses de seu presidente.

      • No Peru, no norte da Argentina, no norte do Chile também se vende folha de coca livre e legalmente. Está associado de fato à cultura.
        Infelizmente, parte do que é cultivado vai para o crime, para ser refinada e vendida como droga.
        Armas são fabricadas para as forças de segurança e para defesa pessoal. Parte também vai parar nas mãos do crime.

  2. Inteligência o EB tem, problemas é não estão deixando o EB fazer a limpa nos corruptos tanto militares quanto politicos, a integração com as inteligências estaduais ainda não é boa e as leis e o Judiciário são totalmente fora da realidade, juntamente com a visão distorcida de muitos sobre a questão.

  3. Não sabia que o exército brasileiro estava colocando soldado do sexo feminino em linha de frente.
    O soldado a direita como fuzil para baixo me parece que é do sexo feminino.

  4. Senhores
    Não é tão somente isso.
    Como o próprio Cmt EB diz, todo o Poder Nacional deve ser empregado.
    Não é só o emprego da força, mas um trabalho de inteligência integrado, um sistema jurídico CONFIÁVEL e EFICIENTE, melhora na educação, sistema de saúde, saneamento (ou seja, presença do Estado), e uma economia q propicie mais empregos.
    Ou seja, TUDO…

    • Eu concordo. Esse tipo de presença estatal que se configura como os verdadeiros ‘Direitos Humanos.’ Enquanto isso aqueles que se dizem à favor dos Direitos Humanos, estão protestando e fazendo campanha para perpetuação da cultura da favela, comunidades que nem ao mesmo deveriam sequer existir, aonde o Estado não entra, não consegue ter presença, o povo vive de maneira precária e sob os auspícios do estado paralelo. Assim realmente fica difícil concertar qualquer tipo de atuação efetiva, mas não há um planejamento de longo prazo que vise a extinção desse tipo de prisão à céu aberto, até porque seus moradores atualmente sequer desejam sair desses lugares, muito devido à ação midiática, partidária e obviamente econômica. Se existir uma alternativa que seja irresistivelmente atraente, quem sabe no futuro, certo?

  5. Questao complicada pq dxaram chegar num ponto onde ngm queria.

    Ao meu ver tanto o PCC qnto o Comando Vermelho deveriam ser declarados como TERRORISTAS e deveriam perder qualquer direito civil. Igual os EUA fizeram ao usar o Ato Patrota. E esse Ato deveria ser estendido nao so aos integrantes do PCC e CV mas tbm as suas familias.
    Traficantes sao tao hediondos qnto terroristas e por isso merecem o mesmo tipo de tratamento.

    Outro fato, disponibilizar recursos suficientes para o EB, MB e FAB bloquearem totalmente as rotas do trafico que vem da Bolivia, Colombia, Venezuela e Paraguay e se necessario contar com a ajuda do DEA e tbm do FBI e ate msmo do Mossad na Triplice Fronteira para fazer este tipo de trabalho.

    Mas… isso é sonho.
    Impossivel disso acontecer aqui pq os proprios politicos brasileiros teriam medo de ser presos ja que grande parte deles é corrupta e nao vai querer o FBI ajudando em nada por aqui.

    • Não tem como fechar as fronteiras do Brasil , nem mesmo se empregássemos todo o nosso dinheiro e recursos humanos nisso….a fronteira seca do Brasil é impossível.

      • Gabriel
        Isso realmente seria impossivel, o Brasil tem uma fronteira gigantesca e varios vazios demograficos. O certo seria usar os Servicos de Inteligencia das Forças Armadas para descobrir as rotas e pegar os meliantes antes deles sequer desempacotarem as drogas. E ao declarar esse PCC e CV como TERRORISTAS entao eles perderiam qualquer direito civil e poderiam ser presos e terem seus bens confiscados sem correr o risco de serem soltos por “brechas” na justiça.

        • De onde vc tirou que terrorista perde todos os direitos civis? Não tem nenhuma lei dizendo isso.
          Não estou entrando no mérito se seria justo ou não. Mas simplesmente isso que vc está dizendo não existe no Brasil. Direitos civis como os da personalidade não são suprimidos de quem é condenado por terrorismo. E não se estende a pena para os familiares. Isso, aliás, seria absurdo.

          • A solução seria algo semelhante, declarar PCC e outras facções como terroristas e inimigos declarados do Brasil, podendo assim ser aplicado a pena de morte e prisão perpetua, além de confiscar completamente todos os bens, criação de unidade do exército para combate-los diretamente, penas rígidas que acabariam com qualquer progressão de regime para membros de facções criminosas e por ai vai. Se não passaremos dos 100.000 mortos anuais, ou teremos uma redução de homicídios em estados infestados pelo crime organizado porém a quantidade de pessoas honestas e trabalhadores irão morrer bem mais, com o crime articulado.

          • Wilson França
            Vc ja leu sobre o Ato Patriota que os EUA decretaram dpois do 11/09?
            Era so o Brasil fazer o mesmo aqui, so que sem interferencia de politicos corruptos.
            Decretar o PCC e outras faccoes criminosas como terroristas tem total fundamento pq eles ja usam da luta armada para atacar o Estado, principalmente qndo ordenam a execuçao de policiais, promotores e juizesh. Qnto as familias, fazer uma verificaçao total de bens de todos os familiares para ver se estao de acordo com a renda deles e se nao estiverem entao bloquear imediatamente para estrangular as finanças e lavagem de dinheiro do trafico.

            Se o país quiser fazer isso ele faz.

    • MGNVS
      Penso igual a voce. Com esta frescura de “regras de engajamento”. Simplesmente não dá para combater estes meliantes do inferno, tão valorizados e cantados em verso e prosa pela nossa maldita mídia e transformados em heróis pelas novelas da globo. A Ação tem que ser letal.

      • Antonio Palhares
        So pra ilustrar o seu comentario, todos os dias vemos noticias e videos de policiais sendo abatidos covardemente e ainda aparecem pessoas para defender estes marginais qndo um deles morre numa troca de tiros. Sem contar ainda as musicas lixo de apologia ao crime.

        • Exatamente temos metade de uma geração perdida, o estrago vai ser grande, quem poder mudar deste país que mude, pois trabalho nesta área e sei que as coisas vão piorar e muito.

  6. O EB usando H&K 416 e 417… Isso são fuzis! Não aquela projeto malfeito do IA2.
    Basta comprarmos um lote grande direto da H&K e fabricarmos o resto sob licença aqui no Brasil.

  7. Se for combater o tráfico tem que combater mesmo “o mesmo pau que bate em Chico, bate em Francisco”. Mas não adianta combater o tráfico com medidas de curto/ médio prazo se não investirem nas medidas de médio/ longo prazo, como educação e cultura (essas sim vão acabar com o tráfico, se investido, mas demora). Ambas tem que andar juntas senão essa baixaria nunca vai acabar. Braço forte, mão amiga.

    • Eduardo Oliveira

      Perfeito!
      A curto e medio prazo acabar com os recursos materiais, humanos e financeiros do trafico e a longo prazo investir em educacao e cultura para impedir que esses miseraveis aliciem a populacao carente para o lado deles.

  8. ” Grande parte dos homicídios dolosos está relacionada diretamente ao narcotráfico e é fruto de disputa entre facções criminosas, cobranças de dívidas, disputas internas das facções, entre outras causas.”

    “tudo vítima da sociedade opressora capitalista” – seguidor do psol fumando sua maconha

  9. O que impede a execução de novos crimes é a PENA SER DURA, o criminoso tem que saber que se cometer um crime vai pagar caro, é assim nas grandes potências. As nossas leis são frouxas e mal escritas, permitem uma série de brechas, ninguém fica mais de 5 anos preso por homicídio, que é o crime mais grave, imaginem o resto. A CF88 é uma aberração, criou mais direitos do que deveres, impede o trabalho da polícia, que não pode algemar, não pode usar polígrafo e agora também não pode conduzir coercitivamente. As leis foram feitas pro criminosos de colarinho branco com medo de eles um dia terem que acertar as contas com a lei, por isso são brandas. Mas podiam fazer alguma coisa mesmo assim, por exemplo, editar uma lei emergencial dizendo: “Qualquer casa, terreno, residência, fazenda ou área privada que for utilizada para consecução de crime ou contravenção será imediatamente confiscada pelo Estado em rito sumário, perdendo o proprietário a posse do mesmo para sempre”. As pessoas iam pensar 2x antes de aceitar um criminoso em sua casa, por exemplo.

    • Quem mora na favela não tem título de propriedade de nada. O estado iria confiscar o que? Barracos? E iria tomar conta disso como?
      E se um bando de traficantes quiser usar uma laje na favela, o morador da casa poderia impedir?

  10. Mais ma idiotice repetida mil vezes, tal como: bala perdida, não reagir , sem passagem ou arma exclusiva. Ora, inteligência fornece informações para que as operações tenham sucesso. Nunca inteligência será efetiva sem operações, de preferencia ofensivas e de grande vulto.

  11. O sistema de governo brasileiro está falido, a olhos vistos a degradação do poder público. Não sou atuoridade e muito menos político, assim digo esse sistema quebrado favorecedor da corrupção que nós pagamos a conta, em tributos, violência, desemprego, 956 reais de salário quando tem um subemprego, amém…
    Num país, melhor dizendo, políticos sem educação que tratam o povo, ser humano como Objeto “CPF”, não vai melhorar a situação tão rápido. O mantra das corporações por extensão, establishment, lanwfare… é a consequência. Imposição dos anseios simples, senso comum, para ser eleito ou conseguir uma posição melhor em detrimento da esmagadora maioria para depois esquecer e tratar a população como CPF, etc…
    Contrário é piada. A certeza de quem se utiliza para galgar um poder é pregada, logo quando o poder é conquistado essa certeza é relativisada e diluida até virar pó. Sem ofensas.

  12. O pessoal gosta de complicar.
    Mas as autoridades estão com a faca e o queijo na mão.
    Sei que o governo não deu todo poder ao exercíto que tem tentado não entrar em fria…
    Mas se tem o comando da segurança pública, tem que no mínimo exigir relatórios das polícias, compreender o que se passa, fazer um mapeamento total de todos os bandidos.
    Em 2009, deixaram os caras sair e não os prenderam.
    O povo gosta de complicar.
    Como é que toneladas de drogas entram talvez diariamente ou semanalmente e ninguém sabe de nada?
    O usuário sabe onde procurar.
    A polícia não conhece o modus operandi das quadrilhas?
    O exército é o poder do Estado inclusive para investigar por meio da inteligência. Pelas vias legais por meio de mandados.
    Mas a abin e outros órgãos de inteligência certamente não podem autorização judicial para investigar.
    Devem ter seus métodos de serviço secreto.
    A imprensa muitas vezes descobre coisas que as forças policiais não o fazem.
    Lembro do caso de um senador que estava sendo investigado acerca da origem de um valor que ele pagou a mãe do filho dele.
    Ele apresentou notas fiscais dizendo que era decorrente da venda de bois.
    O relator da comissão disse: está resolvido. Isto foi no início da noite.
    Na manhã seguinte a Globo foi lá e entrevistou quem teria comprado os bois. Os frigoríficos que negaram.
    Ou seja, a imprensa manda uma pessoa e resolve rápido.
    As autoridades são burocráticas e não resolvem nada.
    A intervenção no Rio seria uma ótima oportunidade para construir novos presídios e também identificar corrupções, isto é, eventuais casos de policiais que deixam bandidos atuar. Talvez só com isso reduzisse o tráfico em 20%.
    Com o exército, facilita a polícia entrar nas favelas.
    Deveriam entrar e não sair mais.
    Identificar onde mora e atua cada bandido.
    Como controlam a população.
    Inclusive investigar a imprensa que distorce os fatos com vistas a evitar que a polícia prende bandidos.
    Quando morre um civil em uma operação em favela, a imprensa dia e noite dá a entender, de forma covarde e ardilosa, que a culpa é da polícia.
    Por que a imprensa e a população não pedem aos bandidos para não atirarem na polícia?
    Por que a imprensa e a população não exige que os traficantes se rendam?
    Por que criticar a polícia?
    É esse tipo de gente, de viés esquerdista que domina parte da imprensa aqui e nos EUA.
    Lá para desviar o foco dos imigrantes ilegais que invadem os EUA, inclusive levando os filhos na forma mais perigosa possível.
    Depois a imprensa tenta sensacionalizar a separação de pais e filhos (o judiciário de lá proibiu os menores de ficarem detidos com os pais).
    Por que o governo do México não cuida de seus cidadãos em vez de exigir que os EUA cuide bem deles, que invadiram um país soberano de forma clandestina, inclusive com a ajuda de traficantes?

  13. Eu gosto muito de fumar maconha de forma recreativa.
    Eu trabalho e pago minhas contas. Essa coisa do maconheiro vagabundo é um mito. É uma questão de correlação.
    Por isso acho que a legalização e controle da maconha vai ser muito mais eficiente do que essa guerra as drogas no estilo dos EUA.
    Acho que é possivel ser uma pessoa normal e funcional mesmo sendo usuário.
    Todo mundo pode tomar uma cerveja no fim de semana. Porque não posso fumar meu baseado?

  14. 30 anos de liberalismo judicial, com abrandamento continuo das Leis penais e processuais penais, além da execução penal ser fictícia, chegamos a esse estado das coisas, CAOS.
    Agora, recurar o sossego merecido para toda a população vai custar bilhões e milhares de vidas.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here