ForTe avalia Colt M4A1 e FN SCAR da Airsoft

O ForTe teve a oportunidade de avaliar a Colt M4A1 e a FN SCAR de Airsoft. Antes de começarmos a falar sobre a avaliação em si, acredito que seja necessário fazermos uma introdução sobre o que é o “Airsoft”.

O Airsoft é um esporte praticado no mundo inteiro que baseia-se no MilSim (Military Simulation), aonde o equipamento utilizado são as chamadas AEG (Automatic Eletric Gun) as quais são baseadas nos modelos reais, na escala 1:1, usados pelas forças armadas e policiais do mundo todo.

Aqui no Brasil o esporte tem algumas restrições legais, devido às restrições a armas, mesmo que de pressão, aprovadas através do Estatuto do Desarmamento, cabendo ao Exército Brasileiro a fiscalização e controle de todo tipo de armas ou acessórios.

Com a portaria Nº 006-D LOG, de 29 de Novembro de 2007, o Exército regulou a importação e comércio de Carabinas de Pressão do tipo “Airsoft” e com isso o esporte pode ser mais difundido no Brasil. Até então, aquele que quisesse praticar o Airsoft teria que soliciar um Certificado de Registro de Colecionador ou Atirador junto ao Exército Brasileiro, para poder importar a sua AEG.

As AEG que tivemos o prazer de avaliar são a Colt M4A1 e a FN SCAR, ambas da marca Dboys e adquiridas aqui no Brasil junto a loja QG Airsoft.

Colt M4A1

O Colt M4A1 que avaliamos, tem a caixa de culatra todo construído em metal, com trilhos sob a mesma, aonde encontra-se o sistema de alça de mira, também em metal, que pode ser removido para instalação de Miras Óticas. A coronha é do tipo telescópica e tem uma construção bem firme, possuindo três opções de ajuste, ajudando e muito para conseguir uma boa posição de tiro.

O modelo que escolhemos não possuia trilho no guarda-mão, pois queríamos um aspecto mais clássico, aproveitando-se disso, o fabricante DBoys usou o espaço interno do guarda-mão para ser o local da bateria elétrica. A AEG tem três opções de disparo que são safe (seguro, aonde a AEG não dispara), Semi (um disparo por vez) e Auto (modo “rajada”). Ela vem de fábrica com carregador do tipo Stanag de 30, mas cabem dentro 300 BBs (esfera plástica usada como “munição” no Airsoft) de 6mm.

Características Colt M4A1:

Tipo: elétrica
Partes em metal: corpo, cano externo, miras, hop-up, extensão da coronha, entre outras
hop-up ajustável
Gearbox metálica Versão 2
Velocidade de saída: ~350 fps
Capacidade do magazine: 300 bbs
Bateria: 8,4V 1100 mAh
Bushings metálicos de 7 mm
Comprimento: 77/85 cm
Peso: 3100 g
Incluso na caixa: arma de pressão, manual, haste de limpeza, bateria e carregador
Fabricante: DBoys

FN SCAR

O FN SCAR que avaliamos, é equivalente a Gen 2 (Gerção 2) do SCAR, aonde a atual é a Gen 3, aonde a única mudança é o desenho da coronha. Ele possui a caixa de culatra todo construído em metal, porém, metade dela, é construido em plástico de alta resitência, assim como no original.

O FN SCAR possui trilhos no guarda-mão, aonde colocamos o Fore Grip, e ainda possui trilhos por toda extensão superior da arma, até a maça de mira, que pode ser abaixada pra nao atrapalhar a vizualização do alvo quando utilizado Miras Óticas, a alça também pode ser removida ou simplesmente abaixada.

A coronha é um ponto de destaque, pois é do tipo telescópica e rebatível, tem uma construção bem firme, possuindo três opções de ajuste de tamanho e mais uma opção de ajuste de altura pro rosto, ajudando e muito para conseguir uma boa posição de tiro.

O modelo que avaliamos do FN SCAR possui a cor preta, apesar dessa cor só ter sido vista em protótipos, outro detalhe do FN SCAR é que o fabricante DBoys usou o espaço interno da coronha para ser o local da bateria elétrica, além disso ele mandou uma extensão de cano, que pode ser usado para deixa-lo com um outro aspecto.

A AEG tem três opções de disparo que são safe (seguro, aonde a AEG não dispara), Semi (um disparo por vez) e Auto (modo “rajada”). Ela vem de fábrica com carregador do tipo Stanag de 30, mas cabem dentro 300 BBs (esfera plástica usada como “munição” no Airsoft) de 6mm.

Características FN SCAR:

Tipo: elétrica
Partes em metal: cano externo, trilhos RIS, miras
Porção inferior do corpo em plástico ABS
Porção superior do corpo em alumínio anodizado
hop-up ajustável
Pistão reforçado
Trilhos integrados de metal
Gearbox metálica Versão 2
Coronha ajustável e dobrável
Velocidade de saída: ~360 fps
Capacidade do magazine: 300 bbs
Trava de soltura dos magazines ambidextra
Ponto metálico para acoplamento de bandoleira
Bateria: 8,4V 1100 mAh
Facil acesso ao compartimento da bateria
Bushings de nylon de 7 mm
Comprimento:540 / 790 mm
Peso: 3162 g
Cor: Preta
Fabricante: DBoys
Incluso na caixa: AEG SCAR, bateria 8.4v 1100mAh, carregador, magazine, cano de extensão, punho tático vertical, haste de limpeza, manual e pequena porção de bbs

Avaliação

Nós, Cinquini (FN SCAR) e Marcelo Ostra (Colta M4A1), ficamos extremamente satisfeitos com as aquisições das AEG, ficando as mesmas acima das nossas expectativas e sugerimos aos eventuais interessados que quiserem praticar esse esporte que procurem a QG Airsoft.

Peru fecha acordo para a compra de 32 LAV-II

O Ministério da Defesa peruano encomendou 32 veículos blindados 8×8 LAV-II (APC) da General Dynamics Land Systems do Canadá (GDLS-C) […]

Único latino-americano a participar da 1ª Guerra, Brasil mostrou despreparo

Oficiais foram combater e navios patrulhar Atlântico, dizem historiadores. 165 brasileiros morreram; 5 pilotos abatidos e médicos, infectados por gripe. […]

Defesa do país é tratada como algo irrelevante e gerida na base do faz de conta

por Luiz Eduardo Rocha Paiva, general da reserva – Os problemas relativos à defesa nacional deveriam ser conhecidos pela nação, […]

EUA e Europa se unem para punir a Rússia

Os EUA e a Europa chegaram nesta segunda (28) a um acordo para ampliar as sanções econômicas à Rússia por […]

Empresa russa deve se associar ao programa nuclear brasileiro

Com a participação da Rosatom, governo de Vladimir Putin acena com financiamento de até US$ 2 bilhões. O presidente Putin […]

Programas de vigilância dos EUA ameaçam liberdade de imprensa, diz relatório

Os programas de vigilância dos Estados Unidos estão tornando mais difícil para funcionários do governo falarem com a imprensa sob […]