Fornecimento de ajuda militar à Ucrânia está esgotando o estoque da Alemanha

HAMBURGO, Alemanha — O fornecimento de ajuda militar à Ucrânia está esgotando os estoques de munição da Alemanha — um problema que pode ser agravado pela desaceleração das importações de componentes da China.

Fabricantes de munição alemães em um recente simpósio de defesa perto de Munique sinalizaram que o tempo de espera para encomendas de linters de algodão da China – um componente chave para impulsionar cargas para armas pequenas e artilharia – triplicou para até nove meses, relatou o diário em língua alemã Die Welt.

Embora os linters de algodão sejam um material de commodity produzido e comercializado em todo o mundo, o relatório citou fontes anônimas da indústria dizendo que todos os fabricantes europeus de munição dependem da China para eles.

Os enormes gargalos no fornecimento de matéria-prima “referem-se especialmente a munições e aços especiais”, disse Wolfgang Hellmich, porta-voz de assuntos de defesa do Partido Social Democrata (SPD) no parlamento, ao Nikkei Asia, quando perguntado se há gargalos no fornecimento de produtos de origem chinesa materiais para equipamentos militares.

Em 28 de novembro, o governo alemão realizou uma mesa-redonda de munição com fabricantes de armas, mas os resultados concretos não foram divulgados.

“[Na mesa-redonda de munição], foi discutido como os gargalos de munição podem ser rapidamente reduzidos, e todos os lados estão trabalhando a todo o vapor para encontrar soluções para evitar graves lacunas de estoque”, acrescentou.

O ministério da defesa alemão não respondeu a um inquérito para este artigo até o momento desta publicação.

A administração do fabricante alemão de munições MEN Metallwerk Elisenhuette foi citada pelo Die Welt como criticando o governo por ser mais lento em fazer pedidos à indústria de defesa do que outros países europeus. Uma porta-voz da empresa confirmou as declarações no reportagm, mas se recusou a fazer mais comentários.

O atraso ocorre no contexto de Pequim se recusar a condenar Moscou pela invasão da Ucrânia, e a China continuar realizando frequentes exercícios militares conjuntos com a Rússia. Mas, ao mesmo tempo, os disparos russos de dezenas de milhares de tiros de artilharia por dia na Ucrânia fizeram o Bundeswehr, o exército alemão, perceber que seus próprios estoques seriam totalmente inadequados para uma guerra de alta intensidade.

Como outros países, a Alemanha mantém seus estoques de munição em segredo, mas muitos observadores acreditam que o Bundeswehr ficaria sem munição em dias ou mesmo horas em caso de guerra. Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, o governo liderado pelo SPD sob o chanceler Olaf Scholz estabeleceu um fundo especial de 100 bilhões de euros (US$ 106 bilhões) para atualizar suas forças armadas mal equipadas.

Com a Alemanha transferindo simultaneamente munição para as forças armadas da Ucrânia, como para múltiplos lançadores de foguetes, armas antiaéreas e metralhadoras, a desaceleração das importações de componentes-chave da China obviamente coloca o governo em um dilema.

“Existe uma dependência da China, e isso representa desafios para o esforço de estocagem”, disse Henning Otte, parlamentar da oposição União Democrata Cristã (CDU), que atua como vice-presidente do comitê de defesa do Bundestag.

Do outro lado do Atlântico, Timothy Heath, pesquisador sênior de defesa internacional da RAND Corp., aponta que as empresas de defesa dos EUA também usam terras raras, matérias-primas e componentes chineses.

“Isso reflete a natureza globalizada da produção. Os formuladores de políticas do Departamento de Defesa estão tentando persuadir as empresas a reduzir ou eliminar sua dependência de fornecedores chineses”, disse Heath.

FONTE: Nikkei Asia


Quer discutir esse e outros assuntos com leitores da Trilogia Forças de Defesa em tempo real? entre no nosso grupo de WhatsApp, clicando aqui.

Subscribe
Notify of
guest

61 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João Fernando
João Fernando
1 mês atrás

Ué não era a Rússia que não tinha mais nada? Sem querer defender, mas pau que dá em Chico da em Francisco

Maurício.
Maurício.
Reply to  João Fernando
1 mês atrás

E ainda dependem de componente de origem chinesa…Ah a hipocrisia, mas é bem como você disse: “Pau que dá em Chico da em Francisco”.

Mr.Guara
Mr.Guara
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Sem defender Russos, Chineses, Americanos ou Alemães, mas é bem dificil de se livrar de uma cadeia de produção com 0% de participação chinesa, ate mesmo a produção do F-35 tem problemas com ligas metalicas e de peças do motor vindas da china. Mas como já disseram, “Pau que dá em Chico da em Francisco”, a China tambem tem dependencia de equipamentos e materias produzidos em outros paises, muitas vezes na parte do maquinario de produção

Alfredo
Alfredo
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

O Mundo inteiro depende da China.

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  Alfredo
1 mês atrás

Alemanha não está em guerra , a hora que ela estiver e a máquina começar a girar você nem queira ver .

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  Alfredo
1 mês atrás

Ou você acha que alemães não conseguem colocar no “bolso” russos e chineses ? Na questão da “arte da guerra” império romano que o diga …os soviéticos levaram um “boi” …basta estudar história Kings.

LUIZ
LUIZ
Reply to  Alan Santos
1 mês atrás

A cadeia de produção mudou muito nesses últimos 80 anos. A indústria hj é um grande complexo industrial que não está tudo em um único país. Então uma guerra de alta intensidade o ritmo de produção não consegue atender com rapidez os pedidos.

rafa
rafa
Reply to  Alan Santos
1 mês atrás

O tempo de máquina de guerra alemã acabou. Hoje não adianta saber produzir. Tem que ter equipamento de sobra. Tem que ter soldados de sobra. E se comparar Alemanha e China, te digo uma coisa: Auf Wiedersehen Deutschland.

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  rafa
1 mês atrás

Soldados pra que ? Pra morrerem como os russos na Ucrânia ? Tecnologia meu amigo , tecnologia,….. russos e chineses estão muito, mas muito longe dos alemães . …como eu disse, a Alemanha não está em guerra . Você sabe quem fábrica os motores dos mísseis M61 dos submarinos nucleares franceses ? E quem fábrica os reatores dos mesmos ? Pois é , é o mesmo fabricante de Angra 1 ,2 e o terceiro que os petistas comeram. Deutschland Uber Ales.

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  rafa
1 mês atrás

Mercedes Benz, BMW, Volkswagen, Porsche,Siemens,Bayer,Audi,MTU.Krupp etc …pra você devem ser amadores né ?

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  rafa
1 mês atrás

Sem contar que é a quarta economia mundial …

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  rafa
1 mês atrás

Taiwan já dá conta da China, porque se a tua China fosse a pica das galáxias nem existiria Taípe…..

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  rafa
1 mês atrás

Kkkk os caras não conseguem guerrear contra uma ilha rebelde …

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  rafa
1 mês atrás

Levaram um pau do Vietnam na terra ,imagina Taiwan com alta tecnologia e força de vontade .

Nonato
Nonato
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Tem que parar de sustentar Rússia e China

bruno
bruno
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Não é hipocrisia não é falta de planejamento estratégico mesmo. E quem diria logo da Alemanha.

Underground
Underground
Reply to  João Fernando
1 mês atrás

Na verdade o pessoal disse que a Rússia estaria no limite com mísseis de precisão. Isso é corroborado pelo fato de que os últimos mísseis de precisão abatidos sobre a Ucrânia terem sido fabricados em setembro desse ano.
Só o tempo dirá!

Filipe Prestes
Filipe Prestes
1 mês atrás

Pra que diabos então a Rheinmetall comprou aquela fábrica de munição na Espanha se nem de rejeito de fibra de algodão (!) dispoem para isso? Agora eu entendo melhor porque do adido militar da Ucrânia apelar pra comprar munição e Guaranis aqui. No mais, a Europa que pariu a criança, que a embale agora.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Filipe Prestes
1 mês atrás

Se a Ucrânia estivesse á vossa espera para ter munições, os Russos já tinham controlado toda a Ucrânia, ainda bem que a dependência deles, é dos países da NATO e deles próprios. A Europa não pariu a criança, foi a Rússia, que embora as principais cidades Russas, sejam na parte Europeia, têm a maior parte do país na Ásia. A Europa não pariu nada, está a ajudar a Ucrânia, outro país Europeu, democrático, que ainda por cima, já pediu adesão à UE e à NATO, que foi invadido do nada e para azar, como a guerra é na Europa, está… Read more »

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

E espero mesmo que ucranianos não contem com isso porque receberão outra negativa do Itamaraty e do CND. Para além disso, é óbvio e notório que a guerra na Europa é um problema dos europeus (russos inclusos) e, por favor, não me venha com esta de o que estamos a ver não é uma proxy war da Rússia e OTAN. Como disse antes, agora a Europa (novamente incluo aos russos) que encontre uma solução para a situação que criaram lá nos idos 2012 durantes os eventos do Yevromaidan.

Plinio Carvalho.
Plinio Carvalho.
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

Essa historia de que a Ucrânia é um país democrático é uma grande mentira vendida pela mídia pró Estados Unidos, eles vendem essa mentira para tentar justificar para o publico o apoio que eles dão a Ucrânia. Votar a cada tantos anos não torna um país em uma democracia plena. Se vc olhar no ranking mundial das maiores democracias vai ver que a Ucrânia esta no posição 78º, ela nem chega ser classificada como democracia imperfeita, coisa que o Brasil na posição 52º é. A verdade é que a Ucrânia é uma oligarquia semidemocrática e extremamente corrupta, mais ou menos… Read more »

leonidas
leonidas
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

Invadido do nada como o Iraque e a Libia?
rs

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  Filipe Prestes
1 mês atrás

Alemanha tem um dever moral de não matar mais eslavos .. é isso .

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Alan Santos
1 mês atrás

A Alemanha deveria ter o dever moral de não fomentar mais guerras, isto sim. Duas guerras mundiais não bastaram para Berlim?

Victor Filipe
Victor Filipe
1 mês atrás

“Embora os linters de algodão sejam um material de commodity produzido e comercializado em todo o mundo, o relatório citou fontes anônimas da indústria dizendo que todos os fabricantes europeus de munição dependem da China para eles.”

O mundo inteiro produz, porem eles compram apenas da china porque é mais barato…

tipo de dependência autoimposta.

RPiletti
RPiletti
Reply to  Victor Filipe
1 mês atrás

Resto de algodão não deve ser o maior problema e sim os “aços especiais”.
Chega a ser cômico a Alemanha ter que comprar da China essas ligas…

Slowz
Slowz
Reply to  Victor Filipe
1 mês atrás

“ O mundo inteiro produz, porem eles compram apenas da china porque é mais barato… “

É mais barato e funciona igual a ninguém consegue bater esse preço ..

Joao dos Palmares
Joao dos Palmares
Reply to  Victor Filipe
1 mês atrás

Alemanha recebe 30 trens da china mensalmente, via Rússia. Os trens demoram 15 dias no trajeto. Duvido que esteja passando esses suprimentos. Rota da seda, geopolítica.

Slowz
Slowz
1 mês atrás

Kkkkkkkkkk !

A realidade batendo na porta e advinha não é na da Rússia ..

Alfredo
Alfredo
Reply to  Slowz
1 mês atrás

Putin é um gênio.
Jinping, outro.
Naquele encontro entre eles antes das Olimpíadas de Inverno devem ter conversado sobre isso tudo.
São os dois maiores estadistas dos últimos tempos.

leonidas
leonidas
Reply to  Alfredo
1 mês atrás

Calma colega, espero que a Rússia vença este conflito pois isso é de nosso interesse estratégico.
Mas dai usar esta definição para os dois citados acredito que seja exagero grasso.

M4|4v1t4
M4|4v1t4
1 mês atrás

Sim, a Alemanha é dependente da China para fazer blindados assim como outras coisas como carros, fármacos e até salsicha

Leandro Costa
Leandro Costa
1 mês atrás

A Alemanha quis mesmo se engraçar para Rússia e China. Investiu na dependência de gás Russo e armamento com componente Chinês. Faltou pensarem num plano ‘B’ para isso tudo.

Mas… ‘alemães… tão bons taticamente, tão ruins estratégicamente…’

Atirador 33
Atirador 33
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Se não houver exagero dos meios de comunicação alemã, o problema da substituição do gás russo, a Alemanha está conseguindo em curtíssimo tempo, virar essa chave, porém os custos devem ser bem sacrificantes para a economia.
No começo do conflito, eu imaginava uns 3 anos para substituição da matriz energética vinda da Rússia, e ainda hoje acredito que nesse prazo a Europa terá mudado os seus fornecedores.

Alfredo
Alfredo
Reply to  Atirador 33
1 mês atrás

E hoje foi anunciada a destruição de dois sistemas alemães MARS II pelas forças russas.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Atirador 33
1 mês atrás

Eu concordo, mas não me surpreende. Isso dá um belo impulso à outros tipos de indústria. O berço tecnológico já existia, mas agora vão expandindo. Já fizeram coisa semelhante antes com desenvolvimento e fabricação de combustível sintético.

Alfredo
Alfredo
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

E não é que Merkel tinha razão m?
Sem o gás russos e os materiais chineses, a Alemanha vai flopar.

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  Alfredo
1 mês atrás

Basta ligar as usinas nucleares , cara você sabe oque é uma Siemens? Uma MTU? , BMW ,Volkswagen, as indústrias russas são Lixos perto das alemães , a Kuka para você ter ideia foi vendida para os chineses,mas não sem antes deter tecnologias superiores pelo governo alemão . Você é muito burrinho .enfim você não sabe nada .

LUIZ
LUIZ
Reply to  Alan Santos
1 mês atrás

Ahhh vc não sabe mais os russos tão construindo 2 grandes complexos petroquímicos. Um em Tobolski e outro em Amur no extremo oriente. Tem também o estaleiro Zvelda na região de vladisvostok.

Manus Ferrum
Manus Ferrum
Reply to  Alfredo
1 mês atrás

O próprio chefe da diplomacia europeia, Joseph Borrell, admitiu isso em relação ao resto da UE também.

Last edited 1 mês atrás by Manus Ferrum
Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Grande parte da culpa é da Merkel, que era adorada pelos progressistas do Ocidente.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Grande não. Eu digo que a culpa é totalmente dela. Foi ‘inicente’ embora a ideia fosse boa.

Regis
Regis
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

E também da Greta e do DiCaprio, os defensores da energia verde.

WSilva
WSilva
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Não vejo como ”engraçar”, vejo como oportunidade de mercado. A Alemanha em nenhum momento fez doação pra ninguém, lucrou e lucra demais dentro do mercado chinês, que por sinal ama os carros e maquinários da Alemanha, já com a Russia a Alemanha tinha gás em abundância a um preço justo. Nem China e nem Russia ameaçam a Alemanha, os chineses mesmo adoram a Alemanha inclusive o PCCh, só que a Alemanha é um moleque de 15 anos preso num berço, o berço se chama EUA. O potencial da Alemanha fora da dominio americano é gigante, espero que os alemães acordem… Read more »

WSilva
WSilva
Reply to  WSilva
1 mês atrás

Pare de usar entorpecentes meu jovem.

O que disse acima é o sobre dominio geopolitico americano da Alemanha e não histórico, cultural ou genetico.

PAI AMADO rs

Lúcio Sátiro
Lúcio Sátiro
Reply to  WSilva
1 mês atrás
sub urbano
sub urbano
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Sem gás barato, sem competitividade. Mais barato que isso só as caldeiras à vapor queimando carvão mineral. O problema é o capital politico que a europa perde com isso, além do impacto ecologico.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  sub urbano
1 mês atrás

Pois é, agora vão ter que tentar outra forma de competitividade. E olha que eu acredito que eles vão conseguir fazer isso numa boa. A mudança de pensamento que está ocorrendo na Europa vai ser algo interessante de se ver, e espero, de se aprender.

leonidas
leonidas
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

A Alemanha não quis se engraçar para a Rússia usando gás deles. Acontece que a Alemanha é a maior potencia europeia e precisa ter um parque industrial competitivo para concorrer com os Norte Americanos, Chineses e demais potências asiáticas. Por isso a opção pelo gás russo pois a questão jamais se resumiu a ter ou não ter outro fornecedor e sim o preço da commoditie pois isso é simplesmente essencial para manter a competitividade de sua indústria. Os norte americanos via Trump disseram que os alemães estavam se auto sabotando ao depender da commotidie russa porém além do mundo da… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  leonidas
1 mês atrás

O ‘mundo comercial’ e o ‘mundo geopolítico’ são exatamente a mesma coisa. Os alemães foram inocentes no momento em que não procuraram alternativas ao gás alemão caso algo como o que está acontecendo ocorresse. Isso é cobrir as possibilidades, e olha que não faltaram avisos aos Alemães. Chechênia e Geórgia, por exemplo, foi antes do primeiro Nord Stream, por exemplo. Os assassinatos de desafetos da FSB na Europa também foram outro aviso interessante, que os alemães decidiram ignorar para manterem o gás barato. Nesse instante um pensamento mais crítico já deveria ter sido feito para buscar alternativas e assim não… Read more »

Lucio Costa
Lucio Costa
Reply to  leonidas
1 mês atrás

A competitividade alemã das últimas décadas sempre esteve atrelada diretamente a gás russo barato desde o tempo da URSS! E está cada vez mais óbvio que para os EUA era anátema absoluto o Nord Strean 2… Por isso SEMPRE sabotaram os Acordos de Minsk! Via seu governo absolutamente fantoche de Kiev. Mas mesmo com a guerra o fluxo não tinha sido interrompido! Por isso os atentados terroristas contra os Nords Stream. Que muitos parecem ter “esquecido” convenientemente no ocidente… Absolutamente óbvio que EUA, Grã-Bretanha, como cumplicidade óbvia da DInamarca e Suécia, foram os responsáveis! Mas esse deve ser mais um… Read more »

Joao dos Palmares
Joao dos Palmares
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Alemaes investem na China, china na Alemanha. A volks não sai de lá, china, e as empresas de aluguel de carros européias estão comprado centenas de milhares de carros da china. Carros serao alugados, serão elétricos e chineses na alemanha

Last edited 1 mês atrás by Joao dos Palmares
Arthur
Arthur
1 mês atrás

Alô, Terra chamando! Mas então como esses europeus geniais irão lidar com o paradoxo: meu inimigo é meu fornecedor. Sem dúvida, jardim do Borrel é realmente bonito, mas desprovido de vida inteligente. Primeiro elege o inimigo,
depois constata o óbvio. Mas o europeu, superior como é, logo encontrará a solução: substituirá a China pela Rússia. Xiii… Também não deu? Agora fedeu!

Lucio Costa
Lucio Costa
Reply to  Arthur
1 mês atrás

Os único inimigo dos europeus é os EUA.

Do qual não passam de colônia e buchas de canhão.

E, agora, de acordo com a circunstância geopolítica, são o almoço da vez dos EUA!

Estão de parabéns! E, óbvio também, a “culpa” é/vai ser dos russos…

Last edited 1 mês atrás by Lucio Costa
Morgoth
Morgoth
1 mês atrás

Os países do dito “Primeiro Mundo” terceirizaram boa parte de suas produções para a China, visando aumentar seus lucros de curto/médio prazo. Agora está aí o resultado.

Mirão
1 mês atrás

Além de dependentes da China, de terem negligenciado a própria defesa com eficiência, e de terem deixado os seus armamentos com a confiabilidade altamente duvidosa (relatos de PZBs 2000 “soltando pecinhas”) e de se ferrarem na guerra energética com a Rússia eles ainda estão em estado terminal de sintomas da cultura “woke”…

“O Boss quando você desbloqueia ele como um personagem jogável”

MGNVS
MGNVS
1 mês atrás

O único país que está realmente ganhando com essa guerra estúpida na Europa é a China. Ela esta ganhando tanto em dinheiro como em aprendizado militar sobre as táticas que o Ocidente está usando contra a Rússia. E a China ainda está ganhando ao negociar preços melhores em compras de insumos e commodities da própria Rússia, já que a ultima esta com a economia estrangulada devido as sanções econômicas. Os EUA também estão ganhando muito dinheiro ao vender gás e petróleo mais caros para a Europa, mas por outro lado também estão gastando muito dinheiro ao fornecer material bélico para… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  MGNVS
1 mês atrás

O CIPS está integrado com o Swift. O CIPS foi criado na China para operar com o SWIFT europeu. Naturalmente, em razão do volume de transações processadas na China, que o país tenha seus próprios payment service’s. “A partir de junho de 2022, o CIPS tem 1341 participantes, com 76 como Participantes Diretos e 1265 como Participantes Indiretos. Entre os participantes indiretos, 965 participantes são da Ásia (incluindo 547 da China continental), 185 da Europa, 46 da África, 29 da América do Norte, 23 da Oceania e 17 da América do Sul, cobrindo 106 países e regiões ao redor do… Read more »

MGNVS
MGNVS
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Esteves, obrigado por agregar conhecimento ao comentario. Lembrando que a Russia tbm tem seu proprio sistema de transacoes bancarias baseado no SWIFT. Mas o sistema da Russia ainda nao tem o alcance do CIPS chines.

Last edited 1 mês atrás by MGNVS
BLACKRIVER
BLACKRIVER
1 mês atrás

Se a Alemanha 🇩🇪 está nessa situação… imagina o Brasil 🇧🇷

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

Nesse mundo globalizado quando vc desenvolve um produto a primeira coisa que se faz é olhar o custo do producao ,ai nao tem jeito acaba ficando dependente do insumos baratos do chineses !!!!