Home Sistema de Armas Elbit Systems ganha contrato de US$ 260 milhões para fornecer torres aos...

Elbit Systems ganha contrato de US$ 260 milhões para fornecer torres aos VBTP-MR Guarani

526
7

O Ministério da Defesa do Brasil concedeu à Aeroeletrônica (AEL) um contrato plurianual de cerca de R$ 440 milhões de reais (aproximadamente US$ 260 milhões), para a entrega de “várias centenas” de torretas armadas não-tripuladas. As torres de canhões de 30 milímetros serão integradas aos veículos blindados VBTP-MR Guarani 6 × 6, desenvolvido pela Iveco.

A partir de 2012, o Exército Brasileiro está planejando comprar 2.044 veículos blindados Guarani por 20 anos, sob um programa plurianual no valor de R$ 6 bilhões (cerca de 3,5 bilhões de dólares). A série de pré-produção de 16 veículos vai entrar em teste em 2011.

Esses veículos serão montados no Brasil a partir de componentes e subsistemas importados. Eventualmente, o programa prevê a incorporação de 60% de conteúdo nacional, com o objetivo de reduzir os custos de produção e manutenção. O Guarani vai substituir os obsoletos veículos 6 × 6 Urutu , usados atualmente pelas forças armadas brasileiras.

A AEL é uma subsidiária da Elbit Systems (NASDAQ: ESLT), maior empresa de defesa de Israel. Este contrato segue uma adjudicação de outro contrato com a Elbit Systems em 2009, para fornecer várias torretas não-tripulados em concorrência pública da qual os principais fabricantes mundiais participaram. As entregas das torres não-tripuladas serão determinado de acordo com um cronograma e um perfil de financiamento plurianual a ser definido pelas partes.

As torretas UT30 já foram integradas a inúmeros veículos, e entregues a vários exércitos europeus, entre eles o Piranha belga, o AMV para a Eslovênia e português Pandur II.

COLABOROU: Falcon

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre a ação da Polícia contra o tráfico hoje no Rio de Janeiro no ‘Xat’ do ForTe, clicando aqui.

7
Deixe um comentário

avatar
6 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
BascheraGalanteMauricio R.Guilherme Poggioalexandre.bagatini Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
a.morales
Visitante
Member
a.morales

Sem dúvida um equipamento consagrado mas, e a torreta em desenvolvimento pelo CTEX e REMAX?!

http://defesabrasil.com/laad2009/index.php?option=com_content&view=article&id=74:remax-ares-e-ctex-acertam-no-alvo&catid=39:noticias&Itemid=78

Não estará pronta a tempo? Não conseguirão desenvolver uma versão para armamento mais pesado como os referidos canhões de 30mm?

Espero que esse projeto não tenha ido “para o saco” …..

alexandre.bagatini
Visitante
alexandre.bagatini

O FX do Exército está saindo, da Marinha( Subs.) já saiu, só falta o da FAB.

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Um chute meu. Para ser transportado por um KC-390 essa torreta será retirada.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Só pode ser for Elbit???
Isto está virando outra reserva de mercado, igual aquela da Helibrás.
Em tempo, a empresa ARES que desenvolveu junto c/ o Ctex do EB a torre REMAX, acaba de ser adquirida pela Elbit.
Mas que vantagem maria leva, se é p/ ter que retirar a torre não precisamos dessa aeronave, usa-se o C-130 que está aí disponível é só comprar.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

“Empresas brasileiras ligadas à tecnologia bélica e aeronáutica estão sendo vendidas para o exterior. A empresa israelense Elbit Systems adquiriu as brasileiras…”

O problema é outro, aumenta a desnacionalização da base industrial, em um setor estratégico.

“Os executivos podem até continuarem brasileiros. O controle, no entanto, passa para o exterior.”

(http://www.defesanet.com.br/04_09/gf_09jan11.htm)

Baschera
Visitante
Member
Baschera

a.morales disse:
8 de janeiro de 2011 às 10:51

Foi sim para o saco !!

Os israelenses, agora, são donos do campinho e podem cobrar o que quiserem pelas torres. Este papo de concorrência é conversa mole.

E o EB que investiu o que não tinha…..

Lamentável.

Depois falavam dos governos anteriores….

Sds.