Home Armas de Fogo Fuzil IMBEL IA2

Fuzil IMBEL IA2

28192
155
Sistema de Armas Imbel A2 - 1
Sistema de Armas Imbel A2

Por Claudio Queiroz

Exclusivo - VinhetaNo final de maio de 2014 uma equipe do Forças Terrestres/Forças de Defesa visitou a fábrica da Imbel em Itajubá-MG para conhecer de perto o novo Fuzil IA2 e trazer informações, fotos e impressões a respeito desta nova arma em primeira mão. A seguir, você pode ler um pouco do que vimos por lá. Uma matéria mais completa será publicada na próxima edição impressa da revista Forças de Defesa.

Desde 2009, tem chegado ao conhecimento do público o desenvolvimento de uma nova classe de fuzis 100% nacional produzida pela Imbel, que desde o princípio teve como foco trazer aos soldados brasileiros, sejam eles das Forças Armadas ou das Forças de Segurança Pública, um armamento que fosse o mais atual, prático, seguro e confiável.

Este armamento desenvolvido e aprimorado nos últimos anos foi chamado de IA2, mas não se trata apenas de um fuzil, na verdade é um sistema de armas em dois calibres, com dois modelos específicos de cada calibre.

O primeiro calibre desenvolvido foi justamente o onipresente 5.56X45mm NATO(nominal), em duas versões com comprimento de canos diferentes, porém posteriormente foi optado por um tamanho somente para as duas versões. O segundo calibre é o tradicional e potente 7.62X51mm NATO(nominal), também em duas versões e comprimentos de canos diferentes.
Importante destacar, que muito tem se falado a respeito deste sistema de armas, inclusive muitos mitos e informações erradas. Esta matéria vai desfazer as dúvidas e esclarecer as características do IA2.

Fuzil IMBEL A2 5.56X45mm NATO

FZ Ass 5.56 IMBEL A2 – foto Ricardo Pereira
FZ Ass 5.56 IMBEL A2 – foto Ricardo Pereira

Primeiro integrante deste sistema de armas, o FZ Ass 5,56 IMBEL A2 foi um desenvolvimento posterior ao MD97, que foi o primeiro fuzil com caixa de culatra em liga de alumínio e sistema de trancamento por ferrolho rotativo (menos de 28 graus) e engrazadores múltiplos (7 no total), que não foi um pedido do Exército, mas ganhou força com o interesse da Força Nacional de Segurança.

Anteriormente, nos inícios dos anos 1990, o Exército tinha solicitado que a Fábrica de Itajubá/Imbel desenvolvesse um FAL em calibre 5.56X45mm para atender às necessidades de uso pela Força quando em operação com forças amigas que faziam uso deste calibre menos potente. O pedido resultou na família IMBEL MD-2, que apesar de apresentar a mesma robustez e confiabilidade do M964 em calibre 7.62X51mm, tinha por característica de concepção e fabricação um peso elevado para a classe de arma, inclusive sendo mais pesado que o original M964. Este fato não é um demérito dos projetistas, já que a arma foi projetada em curtíssimo espaço de tempo.

O Fuzil IA2 5.56X45mm, partiu da base do MD97 para a sua concepção, onde foram empregadas novas técnicas de projeto, desenvolvimento e produção. O projeto foi feito tendo como norma os ROB (Requisitos Operacionais Básicos) fornecidos pelo Exército Brasileiro para esta classe de armas. Posteriormente, depois de ter sido aprovado em testes, e com todo o ferramental pronto para a produção, o projeto foi alterado para atender aos ROC (Requisitos Operacionais Conjuntos) do Ministério da Defesa, que planejou a aquisição da mesma arma para todas as três Forças de Defesa Brasileiras.

Tendo os novos ROC em mãos, o corpo técnico da Fábrica de Itajubá/Imbel partiu para que o projeto anterior e já aprovado nos rigorosos testes do Centro de Avaliações do Exército (CAEx) se adequasse aos mesmos.
Isto foi conseguido com louvor e muita dedicação, inclusive tendo superado em muito alguns requisitos dos testes estabelecidos. Para titulo de exemplo, foi nos informado que uma arma já ultrapassou os 18.000 tiros em regime de testes sem apresentar falhas e se mantendo dentro dos padrões estabelecidos.

Dados técnicos:
Fz Ass 5,56 IMBEL A2

  • Capacidade de tiros: 30;
  • Peso sem carregador: 3.380g;
  • Comprimento total: 850 mm;
  • Comprimento com coronha rebatida: 600 mm;
  • Comprimento do cano: 350 mm;
  • Funcionamento: A e SA;
  • Tecla de segurança: S(segurança); I(intermitente-Semi Auto) e A(automático-rajada);

Aqui cabem alguns detalhes, o corpo técnico em concordância com os usuários finais optou por questão de robustez, confiabilidade facilidade de produção e manutenção, por suprimir a opção de tiros múltiplos controlados (Burst).

Como dito anteriormente, apesar de ter sido tomado como base o MD97, o atual A2 5.56mm pode ser considerado um novo fuzil, pois no seu desenvolvimento foi aproveitado o que de mais moderno se tinha em mãos para os estudos de engenharia e as soluções. Entre as soluções adotadas, um novo sistema de recuperação dos gases, novos materiais sintéticos, nova ergonomia, e nova metodologia de limpeza padrão.

Destacamos também outras inovações importantes:

  • Novo conceito em fixação do cano a caixa da arma, completamente aprimorado e muito diferente ao empregado anteriormente.
  • Novo conceito e construção do sistema de embolo e pistão do recuperador de gases, tendo este hoje uma metodologia de limpeza sem par no mundo (pelo menos conhecido até o momento); para a limpeza do dia a dia pós-utilização, não é mais necessária a desmontagem da arma, bastando somente a retirada do embolo recuperador de gases, com um simples pequeno movimento rotatório. Tendo feito isto e mantido o ferrolho em posição aberta, o que é automático quando a arma está desmuniciada (carregador vazio), basta utilizar a escova que acompanha a arma para realizar a limpeza no cilindro de recuperação, câmara e cabeça do ferrolho. Para se ter uma ideia, levamos mais tempo lendo o procedimento de limpeza que executando.
Procedimento de retirada do embolo – foto Ricardo Pereira
Procedimento de retirada do embolo – foto Ricardo Pereira

Mesmo tendo este conceito facilitador para a limpeza (podendo ser chamada de limpeza de primeiro escalão), os projetistas se preocuparam em proporcionar ao usuário um fuzil que fosse o mais prático, simples e funcional na desmontagem para uma manutenção mais profunda e completa, como lubrificação do sistema de disparo, do transportador do ferrolho.

Para isto, basta que a arma esteja com o transportador/ferrolho à frente (para evitar compressão da mola recuperadora), premir um pino cativo na parte posterior lateral da arma e proceder o basculamento do conjunto superior e inferior compreendido pelo sistema de disparo (pistol grip, guarda mato, martelo e outros).
Feito isto, a parte superior da arma pode ser deslizada para trás em seu trilho guia, sem riscos de peças saltantes.

Retirada a haste e mola de recuperação, junto ao seu conjunto da parte superior, pode-se remover o transportador para a desmontagem do mesmo se existir a necessidade, o que é raro, pois não existe acúmulo de material da combustão nesta parte e muito pequena na extremidade frontal. O sistema de recuperação de gases foi projetado para que isto não ocorra.

Para a desmontagem do transportador e a retirada do ferrolho rotativo, existe um único pino, e seus componentes são projetados de tal maneira que a remontagem não seja possível se não estiverem na devida posição. Ou seja, é um processo à prova de alunos, “bisonhos”, “raros” e outras espécies que povoam as fileiras de soldados.

Não existe a necessidade de desmontagem do sistema de recuperação de gases com frequência para limpeza, bastando o processo relatado acima, mas para a lubrificação periódica o mesmo pode ser alcançado de forma simples e prática. Basta retirar um pino com travamento elástico do conjunto guarda-mão inferior e guarda-mão superior (não existe mais telha e guarda-mão), mover e desencaixar um do outro e pronto, já se tem acesso ao conjunto.

Na foto abaixo vê-se a arma desmontada, inclusive com suas duas partes articuladas soltas.

Ca Ass 5,56 IMBEL A2 – foto Ricardo Pereira
Ca Ass 5,56 IMBEL A2 – foto Ricardo Pereira

No calibre 5,56mm foram desenvolvidas e estão em linha de produção duas versões, o fuzil de emprego militar conforme descrito acima e a carabina de emprego policial, que não possui o regime automático e o retém de baioneta, mantendo todas as outras configurações, detalhes e facilidades do fuzil.

Dados técnicos:
Ca 5,56 IMBEL A2

  • Capacidade de tiros: 30;
  • Peso sem carregador: 3.380g;
  • Comprimento total: 850 mm;
  • Comprimento com coronha rebatida: 600 mm;
  • Comprimento do cano: 350 mm;
  • Funcionamento: SA;
  • Tecla de segurança: S(segurança); I(intermitente-Semi Auto);

O fuzil IA2 7.62X51mm, outro componente do Sistema de Armas IMBEL IA2, foi o que ficou mais tempo sem informações a respeito, não por problemas, mas sim pela ordem de desenvolvimento, que priorizou o calibre 5.56X45mm.

A fábrica de Itajubá/Imbel aproveitou todo o conhecimento adquirido no desenvolvimento dos fuzis e carabinas IA2 5.56 para empregar no mais potente fuzil.

Utilizando-se do sistema fabril, manufatura com parâmetros e especificações muito rígidas, o corpo de engenheiros conseguiu chegar a um produto final que tem tudo para se tornar um ícone na história dos fuzis em calibre 7.62X51mm.

Para se evitar erros ou até mesmo falhas de desenvolvimento, o corpo técnico optou por usar o sistema de trancamento basculante empregado no FAL M964, um sistema robusto e confiável, já em uso há décadas no Exército Brasileiro e de outros países mundo afora.

Um detalhe importante é que esta versão do IA2 passou por rigorosos testes de resistência e confiabilidade conforme exigência do Exército Brasileiro, diferentemente do FAL, que por motivos técnicos à época nunca foi testado com este rigor.

Com a premissa de se fazer um sistema de armas moderno, leve e funcional, a equipe de desenvolvimento adotou um projeto ergonômico, novos materiais e usinagem na construção deste novo armamento que resultou numa arma estável, segura e muito funcional, dividindo com seu irmão menos potente muitas das soluções, como o sistema de limpeza do embolo e ferrolho.

O Fz IA2 7.62X51mm utiliza os mesmos conjuntos de guarda mão, pistol grip integrado ao guarda-mato, coronha rebatível, que diferentemente do que foi amplamente divulgado não está sendo entregue à tropa com a versão regulável em comprimento. Optou-se por uma coronha fixa por questões de resistência e facilidade de produção (a versão anterior, apesar de ter se mostrado resistente, tinha uma manufatura que encareceria o produto final). Esta decisão foi tomada após estudos em relação à estatura média do usuário final.

Outro detalhe que chama a atenção é a ausência de possibilidade ambidestra em todas as armas. Em um primeiro momento isto seria um retrocesso, mas depois de se analisar que somente menos de 10% da tropa seria beneficiada com esta solução, a mesma foi dispensada do projeto, com isto se reduziu mais ainda o custo.
Conforme o sistema em calibre 5.56X45mm, a Imbel também desenvolveu duas versões, um Fuzil Militar e uma Carabina Policial, com as mesmas diferenças do Sistema de Armas IA2 5.56.

Fz Ass 7,62 IMBEL A2 – foto Ricardo Pereira
Fz Ass 7,62 IMBEL A2 – foto: Ricardo Pereira

Dados técnicos:
Fz Ass 7,62 IMBEL A2

  • Capacidade de tiros: 20; carregador padrão FAL;
  • Peso sem carregador: 4.030g; como comparação o Para FAL M964A1 tem 4.500g;
  • Comprimento total: 920 mm;
  • Comprimento com coronha rebatida: 670 mm;
  • Comprimento do cano: 390 mm;
  • Funcionamento: A e SA;
  • Tecla de segurança: S(segurança); I(intermitente-Semi Auto) e A(automático-rajada);

Ca 7,62 IMBEL A2

  • Capacidade de tiros: 20; carregador padrão FAL;
  • Peso sem carregador: 3.760g;
  • Comprimento total: 800 mm;
  • Comprimento com coronha rebatida: 550 mm;
  • Comprimento do cano: 265 mm;
  • Funcionamento: SA;
  • Tecla de segurança: S(segurança); I(intermitente-Semi Auto);
Faca Baioneta AMZ – foto Ricardo Pereira
Faca Baioneta AMZ – foto Ricardo Pereira

Faz parte do Sistema de Armas IA2 dois modelos de facas de combate-baioneta, cuja diferença entre si é o tamanho da lâmina, haja vista o teatro de operações no qual se empregará estas armas.

Faca Baioneta IA2, comprimento total de 296 mm, lâmina de 4,5 mm, espessura com um comprimento de 178 mm e largura de 33 mm, seu peso é 380g sem bainha e 570g com a mesma.

Faca Baioneta AMZ, desenvolvida para servir ao combatente amazônico, possuindo um tamanho maior com comprimento total de 365 mm, lâmina de 4,5 mm espessura com um comprimento de 247 mm e largura de 47 mm; seu peso é de 520g sem bainha e 780g com a mesma.

Os dois modelos descritos estão disponíveis para comercialização no mercado civil, com o sistema de retém retirado e o guarda-mão modificado.

Ca 7.62mm IA2 – foto Alexandre Galante
Carabina 7.62mm IA2 – foto Alexandre Galante

Testando o IA2

Depois de ter conhecido todos os detalhes técnicos e funcionais do Sistema de Armas IA2, partimos para comprovar os acertos do projeto no Estande de Tiro Tenente Marcos Carneiro, na Fábrica de Itajubá.

Começamos a sequência de testes com a Ca 7.62mm IA2, municiada com um carregador com 10 tiros CBC.
A primeira impressão com a arma é que ela demonstra uma robustez que exigiria um peso maior que o apresentado, mérito do processo de fabricação que fez grande uso de usinagem para redução de peso com retirada de material onde não era necessário.

Tivemos a oportunidade de experimentar em todas as armas o disparo como destro e como canhoto, e apesar do conjunto não ser projetado especificamente para atiradores canhotos, as armas em nenhum momento geraram qualquer tipo de problemas para o uso, com suas ejeções ocorrendo de forma segura e longe do rosto quando do tiro como canhoto.

Arma devidamente segura em mão, empunhadura feita, posição de tiro idem, alvo no visual, fogo à vontade.
Optamos por fazer disparos pausados para analisar o comportamento desta potente carabina, que foi projetada para Close Quarters Combat (CQC), Close Quarters Battle (CQB), literalmente uma arma para combates em locais confinados, apertados.

A posição de disparo, o conforto é muito superior ao encontrado no M964 FAL, mesmo para uma arma com tamanho de cano reduzido como esta.

O funcionamento da mesma é bem intuitiva, com a alavanca de manejo de boas proporções, sistema de liberação do transportador simples e funcional, bastando um pequeno movimento à retaguarda para ocorrer o destravamento e alimentação do cartucho na arma. Tecla de segurança com bom tamanho e com um movimento total nas versões automáticas de menos de 180graus.

A reação quando se executa o primeiro disparo com esta carabina é ter em mão uma arma extremamente potente para o seu perfil de operações, gerando um estampido acima da média do calibre (consequência do curto cano) e um flash de boas proporções, mas isto não é um demérito para ela, pelo contrário, pois como é uma carabina policial é mais um agente desmotivador aos confrontantes.

A estabilidade e conforto no tiro é algo que chama a atenção, pois seu recuo é proporcional ao calibre e à pressão da soleira no ombro muito confortável, não apresentando uma tendência de subida acentuada, pelo contrário, seu eficiente freio de boca de desenho Imbel faz com que a arma tenha uma reduzida tendência de subida. Nestes testes não nos preocupamos em analisar a precisão da arma, pois demandaria tempo em ajustes e fugiria do escopo da matéria (ficará para outra vez), mas a informação que nos passada é que o agrupamento está dentro do que se espera para esta classe de armas internacionalmente.

Ca 7.62mm IA2 – foto Ricardo Pereira
Ca 7.62mm IA2 – foto: Ricardo Pereira

A arma seguinte que foi testada foi o Fz Ass 7.62 IA2, municiada da mesma forma que a carabina, ou seja carregador sempre com 10 tiros CBC. As impressões foram as mesmas que dos disparos da carabina, só demonstrando uma menor tendência à subida (cano mais longo) um recuo também confortável, estampido de disparo mais comedido, mas ainda característico do calibre (muito bom de se ouvir) e uma controlabilidade acima da média para armas deste calibre. Algo que chama muito a atenção é o alto controle na produção para o acabamento, onde estão sendo usados requisitos bem rígidos e com pequenas margens de diferença, bem diferente do passado.

Fz Ass 7.62mm IA2 – foto Alexandre Galante
Fz Ass 7.62mm IA2 – foto: Alexandre Galante

Findados os testes com o Fz Ass 7.62mm IA2, partimos para sentir em mãos a arma que foi escolhida para substituir na grande totalidade o vetusto IMBEL FAL M964 em todas suas versões, o Fz Ass 5.56 IA2, sempre com carregador municiado com 10 tiros CBC. Equipada com uma mira holográfica Red Dot Aimpoint Pro devidamente e facilmente instalada no trilho picatinny superior posterior.

Como os dois modelos em 5.56X45mm têm o mesmo conjunto mecânico, comprimento de cano, com diferença apenas no regime automático do fuzil, optamos por proceder aos testes com o último.

Assim como já tínhamos percebido com as outras armas, este fuzil se mostrou muito bem acertado, com uma ergonomia se não perfeita próxima ao ideal (algo difícil de encontrar até nos mais afamados), com um acerto mecânico perfeito, bom controle de tiro, em todos os regimes, sem tendência a subir ou recuo pronunciado, algo mais fácil de alcançar com o calibre menor.

Sua robustez proporciona uma arma segura e forte, sem ser pesada. Passa a sensação de uma verdadeira ferramenta de combate, muito diferente dos novos fuzis de plástico, que tendem a ser ou demonstrar uma fragilidade no uso diário.

Podemos dizer que foi um prazer enorme retornar a um estande de tiro para sentirmos nas mãos uma arma 100% nacional e tão bem acertada, fazendo uso de modernas técnicas e conceitos, como trilhos picatinny posicionados em cada lado da arma, estes muito usados para fixação de acessórios, como a mira utilizada.

Fz Ass 5.56 IA2 – foto Alexandre Galante
Fz Ass 5.56 IA2 – foto Alexandre Galante

O corpo técnico da Imbel optou por uma solução inovadora, com baixo risco, que foi utilizá-los não de forma integral aos componentes da arma e sim com acessórios de fábrica removíveis conforme a escolha do usuário. Por exemplo, caso o usuário (soldado ou Força Militar) queira um fuzil ainda mais leve, pode optar por remover todos os trilhos da arma, só fazendo uso das miras metálicas.

As miras, de novo desenho com uma boa proteção a massa(regulável verticalmente) e alça de mira, esta com regulagem simples em azimute e elevação em duas posições(150 e 250 metros). A elevação para a distância é feita de forma simples, com o rebatimento para frente ou para trás através de botão lateral, conforme as distâncias de engajamento. Em azimute (lateral) é necessário o uso de ferramentas e certa experiência no manuseio. As armas são entregues com seu sistema de mira aberto, devidamente calibrado e zerado.

Outros pontos fortes do Sistema de Armas IA2 são a boa pega do novo pistol grip, com seu guarda-mato integrado e construído em material sintético, proporcionando um conforto no disparo e até mesmo no transporte.

Sua nova coronha, apesar de não ser regulável em comprimento, proporciona um bom conforto, e seu sistema de travamento e destravamento é muito simples, não necessitando o acionamento de nenhum tipo de botão para se dobrar, bastando deslocar no eixo e rebater. Simplicidade funcional, com durabilidade.

AGRADECIMENTOS: ao Exército Brasileiro e à IMBEL; Paulo Cezar Silveira de Almeida – Cel R/1; Capitão Afonseca, Major Renaldo e o Coronel Sapper.

Matéria feita em parceria com o site Assuntos Militares  – www.assuntosmilitares.jor.br

155
Deixe um comentário

avatar
155 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
27 Comment authors
Charles MattiodaHIDERALDODaglesMayuanBlind Man's Bluff Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
a.cancado
Visitante
a.cancado

O cara de óculos NÃO SABE atirar. E não gosto do jeito que os militares brasileiros seguram a parte frontal das armas, sejam submetralhadoras ou fuzis…Não vejo NENHUMA OUTRA FORÇA ARMADA DO PLANETA onde os soldados seguram suas armas pelo carregador…Quem SABE atirar, sabe que não se pode ter estabilidade dessa maneira…Quanto ao fuzil em si, me parece que seria fantástico dez, quinze anos atrás; Hoje, me parece totalmente ultrapassado, se comparado a modelos em uso atualmente……

Luis
Visitante
Luis

DUVIDO que seja melhor do que um HK G36, HK 41X, SIG 55X, CZ 805, até mesmo o Galil ACE.

Pra começar, deveria ter sido feito em 2 calibres e 3 comprimentos de cano pra cada calibre. A versão 7.62×51 é uma recauchutagem do FAL M964. E os fuzis modernos tem carregador em polímero e controles ambidestros.

E uma correção: IMBEL M968 é o chamado ‘Mosquefal’, o FN FAL brasileiro é o M964, quando começou a ser usado pelo EB (1964).

Emerson Cosme
Visitante
Emerson Cosme

Não sou entendido no assunto, mas acredito que o equipamento atenda nossas necessidades e esteja dentro de nossa realidade. Podemos até estar um passo-ou passos, atrás dos grandes fabricantes, mas não acho que seja algo tão inferior assim, não acho que os requisitos tenham negligenciado ou ignorado os avanços na área,nem que investimos dinheiro à toa….

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

A versão 5,56 mm, segurada pelo engenheiro, tem um ressalto no acoplamento do carregador que possibilita um ponto de apoio sem prejuízo da estabilidade do fuzil ou sem sobrecarregar mecanicamente a junção do carregador com o fuzil.

Bosco Jr
Membro
Active Member
Bosco Jr

Luis,
Salvo engano o IA2 pode usar os carregadores em polímero do M-16.
E ele não precisa ser melhor que os que você citou, só tem que ser bom o suficiente.
Um abraço.

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

Antes de mais nada, quero agradecer aos leitores por expressarem suas opiniões a respeito da matéria. Um agradecimento em especial ao Luis, pois realmente no escrever troquei a nomenclatura do FAL Brasileiro, valeu pela dica, já foi corrigido. Ao Cançado, se o cara de óculos que se refere é o de óculos escuro, este cara sou eu, prazer. E discordo de você em julgar-me se sei ou não atirar somente vendo as fotos. Mas respeito sua opinião. Quanto a esta “mania” dos soldados brasileiros segurar os fuzis pelo carregador, isto é consequência da introdução de um fuzil, no caso o… Read more »

ernani
Visitante
ernani

Antes de mais nada, digo que não sou expert em armas e não reparei se os militares das Forças Armadas seguram o fuzil pelo carregador. Eu sou Policial Militar, não seguro o fuzil assim, mas muitos dos meus companheiros assim o fazem pelo seguinte motivo: os fuzis colt (carabinas) que importamos dos EUA possuem carregadores que originalmente foram projetados para serem descartáveis, mas aqui devem durar “para sempre”. Então, num embate dentro de uma comunidade, não podemos perdê-lo, motivo pelo qual seguram-no todo o tempo para agilizar sua troca e para, ao trocá-lo, não cair no chão e ser danificado… Read more »

GBento
Visitante
GBento

Claudio Marcos, vendo o vídeo, acho que o a.cancado estava falando do engenheiro do EB, mas só acho.
E apesar de não ser o assunto do post, vc poderia dizer quais são as particularidades ruins do SCAR?
Saudações.

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

GBento, obrigado pela dica, por isso fiz a indagação. Quanto as particularidades que digo serem ruins, uma no meu ponto de vista(ou seja minha opinião) é que seu transportador do ferrolho ser demasiado longo e ter sua alavanca de manejo solidaria ao mesmo. Isto no dia a dia pode vir a gerar alguns ferimentos ao usuário. Outro detalhe é ele não ser totalmente ambidestro, pois sua janela de ejeção estar localizada em um lado somente. Seu mecanismo de liberação do transportador/ferrolho é idêntico ao da família AR-15, uma vantagem(ser comum aos usuários) e desvantagem, pois o processo de municiar demanda… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Member
Clésio Luiz

Acho que o pessoal deveria procurar ler o texto e entender o que foi escrito. E depois disso procurar raciocinar antes de postar. Isso evita as críticas gratuitas que se viu acima.

Parabens ao Cláudio pela reportagem.

Oganza
Visitante
Oganza

Como “atirador de fim de semana” a 14 anos (não aqui no Brasil, pois a legislação, lenga-lenga, mi mi enfim deixa quieto), já ter disparado mais de 5 mil vezes e com mais de 50 tipos/modelos de armas e conversado com operadores e ex-operadores de 7 forças armadas sobre o que seria um fuzil ideal, tive uma única resposta que foi comum a todos: o fuzil ideal vai ser sempre aquele que na hora “H” não te deixa na mão. Parece meio óbvio, mas não é. Isso pode ocorrer por vários motivos que não o do operador como: falha de… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

Cláudio Queiroz, com todo o respeito, mas “se precisar abrir um côco”… rsrs isso não é mérito nenhum… o côco que resistir a coronhada de uma Glock (que “é de plástico”), é melhor vc jogar a Glock fora e ficar com o côco. kkkkkk. E janela de ejeção ambidestras em fuzis de assalto só é realmente necessária (mas não imprescindível) em designs bullpups. E por fim, esse lance da “alavanca de manejo ser solidária ao transportador do ferrolho” ao meu ver, só é problema se vc estiver em ambientes confinados com elementos “tocando” na arma influenciando ou até impedindo o… Read more »

wwolf22
Visitante
Member
wwolf22

os militares que estão destacados na Antartida usarão o IA2 ??? ele foi testado la ???? pois a Antartida eh muito diferente de um container refrigerado…
sera possivel lancar granadas atraves do cano ??(nao estou me referindo ao lançador de granadas 40mm que fica abaixo do cano).

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

Me parece ser um projeto simples usando ideias consagradas ja a algum tempo – deve se comparar bem com modelos dos anos 90, o cano do fuzil nao pode ser substitudo pelo soldado e nao me parece completamente ambidestro, os materiais nao sao os mais modernos, mas os mais faceis de fabricar.

Uma boa arma, o que o Exercito pretende fazer depois dela é o que importa.

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

Prezados, tentarei responder aqui, mas muito mais será publicado na próxima edição impressa. Oganza, quando se refere a tecla de ejeção, está se referindo a tecla de liberação do retém do carregador ? Se sim a resposta é que o corpo técnico em estudos de campo e feedback do maior utilizador do MD-97 que é a SENASP-FN optaram por inserir uma alavanca facilmente alcançável pelos dedo indicador, ou o polegar do atirador, indiferente de ser destro ou sinistro(canhoto). Quanto a regulagem fina dos sistemas de pontaria, temos que lembrar que esta arma será usado na maioria das vezes por soldados… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

Claudio, voce chegou a testar o Tavor ? qual a sua opiniao dos Bullpup ?

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

thomas_dw, eu não tive a oportunidade de testá-lo, pois a parceria Taurus IWI foi desfeita antes que pudesse, mas gosto do conceito da arma, pois se consegue com isto uma arma compacta sem ter que diminuir o comprimento do cano, mas existe algumas restrições de uso pelas forças por motivos diversos. Eu até hoje sinto que poderíamos ter tido um dos melhores e mais modernos fuzis nos idos de 80 com o LAPA 5.56X41NATO projetado pelo Neumo Suzano, que é até hoje considerado o mais equilibrado no quesito estabilidade e distribuição de peso, este eu tive o prazer de manusear… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

mais 3 perguntas :

quanto tempo um fuzil como o A2 deve durar ? nos EUA em dez anos de uso um fuzil esta pronto para ser descartado

qual sua opiniao sobre o HK416 ?

o EB pretende adotar alguma mira óptica com padrão ?

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

So uma ressalva. Não confundir a pegada no carregador com a pegada no chanfro do carregador. As armas em calibre 5.56mm ambas apresentam um chanfro no receptáculo do carregador ( porção distal ou posterior) que permite o encaixa da mão. Aparenta estar pegando no carregador, mas não é. O apoio é dado pela sentada da arma no dedo indicador e anular. Isso não é errado, pelo contrário, permite melhor controle pois é possivel fazer pressão contra o ombro. Assim eu fazia quando fui membro da equipe de tiro da 6a Brigada de Infantaria. A pegada exclusiva no carregador é sim… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

A propósito, uma curiosidade que alguns não conheçam. Na foto do IA2 desmontado é possivel ver no punho o estojo de manutenção que vem dentro dele.

E o engenheiro a que me refiro é o do video. O civil de óculos efetivamente esta segurando a arma sem firmeza.

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

Colombelli, obrigado por nos enriquecer com estas informações, existe sim um kit completo de ferramentas e material para limpeza dentro do punho(pistol grip) inclusive com a chave para esta regulagem. Quanto a minha pega nas fotos de forma menos firme, foi proposital para se analisar o comportamento da arma nestas condições, inclusive relato que a mesma é muito confortável no momento do disparo, sem tendencias a subida e mesmo não fazendo a pressão necessária da soleira ao ombro, não existe desconforto. Este projeto foi pensado para ser o mais resistente e livre de falhas, por isso para se evitar um… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

quantos tiros um fuzil como este deve ser capaz de disparar durante as sua vida util ?

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

Segundo informações, os testes solicitavam que o mesmo mantivesse um mínimo de alteração de suas especificações e medidas após 10.000 tiros, mas conforme a matéria existe um sem alteração que já fez 18.000 tiros e se mantém dentro destas especificações e medidas. Porém no desenvolvimento foram dados mais de 80.000 tiros para ajustes e acertos. A SENASP-FN tem MD-97 com mais de 10.000 tiros em treinos e operações e funcionando perfeitamente, sendo que os mesmos recebem apoio do fabricante para a manutenção em ultimo escalão. Mas podemos deduzir que um número próximo a 20.000 tiros em toda a sua vida… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Claudio, agora está explicada a pega “sem firmeza”. Fico contente se cada arma vier com sua chave de regulagem. Depois falta so ensinar oficiais e praças a usá-la. Poucos sabem. A minha chave do FAL passei solenemente ao sargento Menezes no dia 30 de junho de 1997. Quanto as miras óticas, não creio que venham a ser de dotação geral no EB sobretudo pelo preço. Já é um parto se conseguir um cantil e suspensório para cada homem, imagine uma mira ótica que demanda manutenção e é cara. Quiçá algumas tropas profissionais venham a recebê-las. Pela experiência que tenho, creio… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

A propósito Thomas, nossos netos, quem os tiver, atirarão com o IA2. Nos EUA as armas não ficam tanto tempo em serviço principalmente por conta da quantidade de disparos. Lá de fato se treina tiro de verdade, conforme aliás, esclareceu aqui o Marine certa feita dando conta dos treinos ordinários no USMC. No Brasil, um oficial ou sargento pode passar toda sua carreira militar dando menos de 500 tiros. Mas tenha certeza, depois de 15 anos na tropa, um fuzil fica escangalhado. É campo com pistas recheadas de barro, batidas, solavancos e claro, o recruta tem sempre que ficar brincando… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

Claudio Queiroz, vlw, mas se eu entendi direito (no caso de um destro por exemplo), quer dizer que ele não pode ejetar o carregador enquanto pega outro com a mão esquerda, tendo que fazer isso em 3 movimentos articulados ao invés de 2 movimentos? Se for isso, hummmm tá bom não, isso se transforma em desvantagem tática em um tiroteio. Pois akela alavanca que se vê no vídeo, para ser alcançada confortavelmente pelo indicador “do gatilho”, só com mãos de jogador de basquete… =/ Ok, conscritos. Mas eu tenho uma dúvida: O EB não convoca TODOS reservistas nos 5 anos… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

Colombelli,

como sempre me elucidando sobre o di-a-dia da caserna Tupiniquim.

Mas:
“equipamento mais raro no EB e uma espécie de distintivo que os atiradores gostam de usar no suspensório”

“95% do efetivo não sabe fazer isso…”

“só o armeiro tem a chavinha”

MEU DEUS… isso é um disparate completo, um absurdo. Ainda hoje é assim? Não melhorou nem 10%?

Pois é, esse engenheiro é dakeles cozinheiros que que não provam o que cozinha. Realmente é uma infelicidade não termos liberdade para prática de tiro no Brasil… =/

Sds.

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

Oganza. A alavanca de liberação do carregador é a que está entre o guarda mato e a parte posterior do receptáculo. Podendo ser manuseada pelo indicador ou polegar da mão que está segurando o carregador.

Oganza
Visitante
Oganza

Claudio Queiroz, vlw. Como eu imaginava, em se tratando da arma e em algumas situações táticas a falta de uma tecla de ejeção acionada pela “mão do gatilho” é um problema muito sério. E digam o que disserem, essa padronização só será realmente efetiva se TODAS as unidades receberem o IA2 e passarem a efetuar mais de 250 disparos por ano, pois eles tem que adquirir MEMÓRIA MUSCULAR sobre o equipamento. Como o Colombelli informou: “sargento pode passar toda sua carreira militar dando menos de 500 tiros.” 🙁 Ai vemos algumas unidades de “elite” com armas “importadas” com mecanismos diferentes,… Read more »

thomas_dw
Visitante
thomas_dw

“A propósito Thomas, nossos netos, quem os tiver, atirarão com o IA2. Nos EUA as armas não ficam tanto tempo em serviço principalmente por conta da quantidade de disparos.

Lá de fato se treina tiro de verdade, conforme aliás, esclareceu aqui o Marine certa feita dando conta dos treinos ordinários no USMC. No Brasil, um oficial ou sargento pode passar toda sua carreira militar dando menos de 500 tiros. ”

500 tiros … deste jeito o fuzil dura para sempre …

M@K
Visitante
M@K

Parabéns a equipe de reportagem do Forças Terrestres/Forças de Defesa, pela matéria. Há tempos vasculhava na internet uma matéria aprofundada como essa sobre o IA2 e vocês saíram na frente. Muito Bom… Aqui no Rio Grande do Sul parece que a nossa Brigada Militar irá adotar uma outra arma em calibre 5,56 fabricada pela gaúcha Taurus, baseada no M4 ( como já publicado neste post). Mas não sei…acho o projeto do IA2 melhor. O que os colegas acham…Valeu 😀

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Desculpem amigos se as informações são chocantes, mas são ( ou pelo menos eram) a mais pura verdade. O recruta faz, depois da IPT ( instrução preparatória para o tiro) 04 tiros em 03 posições e mais 04 ou 06 tiros noturnos na fase tiro básico de combate. A fase avançada nunca é feita, onde seriam feitos tiros a 100 e 200 metros e tiro em grupo. Fica em regra nestes 16 ou 18 tiros e só. Esta é a realidade. Os exercício de mobilização da reserva raramente são feitos e nunca envolvem realização de tiro. Estes são os tiros… Read more »

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

M@k, eu fui um dos primeiros a escrever sobre os novos CT 556 e ART 556 da Taurus, assim que foram demonstrados ao público especializado, mas segundo me informaram os mesmos não foram muito bem nos testes de durabilidade e confiabilidade, apresentando problemas no transportador do ferrolho, pois optaram por fazer um projeto interessante de amortecimento, algo como um sistema inercial, que infelizmente apresentou problemas. Maiores informações não tenho como relatar. Me foi dito que tendo este contra tempo a direção optou por partir para os onipresentes projetos AR-15, pois como dito acima a patente da Colt deixou de vigorar,… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Claudio, so mais um aporte aos colegas acerca da mística chavinha.

A extremidade da direita regula a massa e pode ser substituida por uma chave de fenda normal. A parte central, com duas saliências, é usada na massa de mira. Já a extremidade esquerda e inferior, é usada no anel regulador do cilindro de gases, o qual pode, porém, em regra, ser movimentado facilmente com a mão.

Claudio Marcos de Queiroz Correa
Membro
Claudio Marcos de Queiroz Correa

Perfeito, acabei esquecendo de informar isto. Agora uma curiosidade de armeiro e tempos de caserna, a extremidade dupla também servia para abrir depósito dos antigos orelhões a ficha, talvez seja por isso a raridade dela.
Mais uma vez obrigado pelas informações.

Oganza
Visitante
Oganza

Colombelli, por acaso é essa a dita cuja, que custa 5,00 dinheiros? 😮 https://www.deltatatico.com.br/produto-59-chave-de-ajuste-fal Só para constar rsrsrs no P.O.F. P308 c/ barrel de 14,5” que já tem mais de 1.300 disparos comigo (tudo contabilizado na caderneta) até 200 yards eu uso a mesma regulagem, tanto para iron sight quanto para a Almpoint de visada rápida com munição .308 Remington: +3 em elevação e -1 em contra azimute. As variações entre 25 até as 200 yards vou fazendo no instinto, com o tempo elas foram ficando intuitivas e deu para fixar uma regulagem. Acima disso até 500 yards +/- sem… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Esta mesmo Oganza que o Cláudio ja havia linkado. Faz a diferença entre a vida e a morte. Não se acha nem 10 ou 12 delas numa OM e deveria ser equipamento individual de todos. A menção que trouxeste de miras com óticas e com regulação em miléssimos traz outros pontos que tinha esquecido de mencionar em vista de uma provável adoção deste tipo de mira na tropa não profissional. E ele diz respeito à perda de rusticidade em vista da mira mecânica, à maior sofisticação da regulagem e necessidade de manutenção mais apurada, e ao fato de que as… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

Vlw Colombelli… no Afeganistão vimos tb a volta em grande estilo do 76,2 NATO… o calibre que resolve a parada… Sou do pensamento de que uma tropa com bons atiradores não vai precisar de tanto volume de fogo assim. Nos encontros que já participei, tem um monte de equipes com membros e ex-membros de OM que dizem +/- a mesma coisa e dependendo da situação tática, colocada no briefing da missão, vão de 7,62 NATO. Agora, falando em sight e principalmente em nosso TO, realmente as ópticas seriam lucho, mas tem que atirar, tem que aprender o ofício. Nas progressões… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

“…pois o fuzil que irá lançar a granada precisa ter seu sistema de gazes alterado e sua munição trocada, ficando indisponível…”

Isso não era p/ o M-1(Garand), M-14, ou mesmo o Fal???
Usando granadas c/ “bullet trap”, ainda é necessário alterar o sistema de gases???

OFF TOPIC…

…mas nem tanto!!!

Novo fuzil chileno:

(http://www.segurancaedefesa.com/Fuzil_Chile.html)

Oganza
Visitante
Oganza

Mauricio R. muito legal, gostei da notícia… 🙂 O ACE é incrível, se quiserem falar de rusticidade, esse é o cara. A IWI pegou tudo do projeto pé de boi do Galil (que veio do AK-47), colocou nele e sapecou os calibres 5,56 e 7,62… tem no calibre do AK tb, mas com a precisão de um AR… literalmente o melhor dos dois mundos na velha batalha entre AK-47 e AR-15. Ps.: 1 – a IWI teve a preocupação de colocar todas as teclas e botões nas mesmas posições aproximadas dos AR (todas ambidestras), facilitando assim uma possível transição ou… Read more »

Lyw
Visitante
Member
Lyw

… Novo fuzil chileno…

Interessante, o “Projeto Titânio” havia se iniciado em 2007 para selecionar um novo fuzil para o exército chileno, os concorrentes analisados inicialmente eram o M4A1 e o G36C, mas no meio do percurso parece ter havido uma reviravolta e o GALIL ACE levou a melhor.

Este fuzil agora irá fazer parte da modernização de dois importantes exércitos sulamericanos, o Chileno e o Colombiano (este último já está iniciando a introdução deste fuzil no seu exército).

M@K
Visitante
M@K

Claudio Correa :
Obrigado pelas informações. Se tiver mais notícias, manda pra gente. Abraços.

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Oganza, o maior exemplo da diferença gritante do 7,62mm pra o 5.56mm foi o combate de Top Malo House nas Malvinas. Um britãnico com um 7,62 no ombro arriou, ao passo que um capitão argentino ainda atirava depois de ter recebido 04 tiros 5.56. Eu sou fã do 7,62. O 5.56mm dá pra levar tres vezes mais munição, mas pra um bom atirador não compensa.

Também comungo da opinião de que é melhor ter menos disparos mas mais precisos. Reduz risco de danos colaterais, diminui necessidades logisticas e desgaste do armamento.

Gilberto Rezende
Visitante
Member
Gilberto Rezende

O IA2 é perfeito para os ROC do EB e depois do MD. Mas sinceramente qualquer projeto pode e deve ser melhorado/aperfeiçoado. No caso do IA2 a melhor maneira do MD ter uma opinião isenta da nova arma das FFAAs brasileiras é PÔ-LO a prova real por avaliadores isentos. Ofereçam o IA2 na contenda francesa para substituir o FAMAS e ofereçam dentro do foro internacional militar IBAS (Índia, Brasil, e África do Sul) o projeto IA2 aos Indianos que recentemente abandonaram seu projeto local de fuzil para, pelo menos, gerar avaliações profissionais e técnicas além da ACHOLOGIA sobre o IA2.… Read more »

Colombelli
Visitante
Active Member
Colombelli

Agora ven o as fotos, notei que a arma tem zarelhos dianteiros duplos e fixos. o que é uma vantagem em relação ao zarelho móvel do FAL que acaba fazendo barulho as vezes. No modelo 7,62, a primeira sugestão que faria seria descer a porção anterior do receptáculo do carregador para formar um apoio, semelhante ao que se vê no 5.56. O segundo modelo de cima para baixo tem um apoio que supre em certa medida esta necessidade. Gostaria de saber se houve alteração no passo raiamento do 7,62 de cano mais curto e se há previsão de munições com… Read more »

Vader
Membro
Active Member

Excelente matéria, parabéns ao Cláudio e ao ForTe. Esta matéria é simplesmente histórica, e um furo de reportagem. Muito bom. É por essas e outras que este espaço é o melhor da internet brasileira. Gostei muito dos fuzis, mas para saber se são realmente bons só operando. Espero que cumpram tudo o que prometem, especialmente o 5,56. Mas lamento bastante haverem desistido do modo burst. Numa situação de combate o soldado irá meter o fuzil em modo auto e acabará desperdiçando munição. Uma boa coisa foi desistirem do lançamento de granada de bocal, que detonava com o cano do fuzil.… Read more »

Vader
Membro
Active Member

Nos detalhes: A opção de travamento por ferrolho rotativo no calibre 5,56 é correta e segue o padrão mundial. Boa também a extinção da alça de manejo, e a colocação de trilho picattini em todo o comprimento da arma nas duas versões. Mas fique curioso sobre quem poderá usar uma carabina em cal 7,62. Caramba um calibre desses pra CQB não faz sentido, em minha opinião: se é pra CQB, o calibre 5,56 tem stopping power mais que suficiente e proporciona maior carga de tiros, o que é bem mais importante, em minha opinião; o 7,62 deveria ser usado para… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

Vader, é, ta cada vez pior quando eu fico sabendo mais coisas sobre nossos quartéis conversando com vc’s. Como eu já disse aqui, e vc sabe, a única vez que entrei em uma OM militar no Brasil foi para o meu alistamento e depois para pegar a minha dispensa. A coisa de atirar com armas de fogo como esporte entrou na minha vida através da família da minha esposa, na verdade foi mais uma convocação do meu cunhado que “mostrou” que se eu quisesse entrar para a família tinha que ser dakele jeito… kkkkk Antes disso eu cacei com meu… Read more »

Oganza
Visitante
Oganza

… só continuando O “problema” dos 5,56 é só o peso dele, os novos projéteis com 75 grãos (a Black Hiils tem um novo com 81 grãos) que viaja a mais de 2.600 fps que praticamente acaba com essas discussões. Como já disse, se fala muito no 6,5 Grendel… já manuseei ele, mas nunca disparei e alguns dizem que o objetivo dele é se tornar a “bala de prata” dos calibres, mas quem já disparou muitos tipos de armas e em diversos calibres, tanto como esporte ou em combate, sabe que esse conceito de “bala de prata” é fantasia. O… Read more »