Rússia anuncia maior míssil nuclear de sua História: ‘Satã 2’

Rússia anuncia maior míssil nuclear de sua História: ‘Satã 2’

25533
163

satan

Artefato poderia destruir área duas vezes maior que Reino Unido

ClippingMOSCOU — A Rússia divulgou nesta terça-feira as primeiras imagens do maior míssil nuclear que o país já teve. O artefato é chamado de RS-28 Sarmat e já seria apelidado de “Satã 2”. Se lançado, o míssil poderia destruir uma área equivalente à França ou duas vezes maior que o Reino Unido.

Além disso, o míssil tem a capacidade de viajar por longas distâncias e pode chegar facilmente, por exemplo, à cidade de Nova York. Segundo especialistas, um ataque deste porte poderia superar muito a potência das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki.

O plano é que os artefatos sejam operacionais até 2020. Eles deverão substituir o modelo RS-36M, que foi apelidado de “Satã” quando entrou em serviço nos anos 1970.

FONTE: O Globo

163 COMMENTS

  1. “Segundo especialistas, um ataque deste porte poderia superar muito a potência das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki.”
    .
    Mas bota superar muito…

  2. Que essa coisa pode fazer uma baita destruição eu não duvido! O que eu quero saber é quantas ogivas isso vai carregar?

    saudações!

  3. A imagem é de Satana(Voevoda).
    Sarmat (significa “filho do povo cita”) é desse jeito : http://www.makeyev.ru/activities/missile-systems/Sarmat/
    Peso – entre 100-200t
    Alcance – de 10.000 a 16.000km
    Quantidade das cargas especiais – 3 hipersonicas Ju-71 ou 10…15 (500..750kt cada) – tradicionais.
    Suborbital , bla bla… Mas!
    Interessante é a volta do projeto Mozyr’ (defesa ativa dos silos contra possível ataque preventiva).
    Em geral a reportagem bem coerente com o nível do Globo. Mesmo com toda essa informação disponível.
    Um abraço!

  4. Renato,
    Qual a vantagem desse míssil além de ser grande, pesado, caro, complicado e pouco flexível e se for utilizado exigir uma reação de igual ou maior força?
    Reinvenção da roda. O Globo pelo jeito tá com algum cabeça de pinico na redação.
    Eu teria feito a “nota” assim:

    MOSCOU — A Rússia divulgou nesta terça-feira as primeiras imagens do maior míssil nuclear que o país já teve. O artefato é chamado de RS-28 Sarmat. Se lançado, o míssil poderia destruir uma área equivalente à França ou duas vezes maior que o Reino Unido.

    O míssil tem alcance intercontinental e pode em poucos minutos atingir alvos a 13.000 km de distância, o que coloca os EUA, a Europa e a China dentro de seu alcance.

    O plano é que os mísseis estejam operacionais até 2020. Eles deverão substituir o modelo RS-36M, que foi apelidado de “Satã” quando entrou em serviço nos anos 1970.

  5. Nunca 3 bombas de 750 KT destruiriam a Gra-Bretanha ou a França, podem varrer uma cidade média, dependendo do epicentro e da altitude, a matéria é extremamente incorreta e exagerada, para acabar com um país inteiro precisaria de dezenas, ou até centenas de bombas H de 25 MT.

  6. Carlos Crispim.
    O que seria acabar?
    Torrar?
    A radiação não se espalha por muitos quilômetros, o que, na prática, significaria o fim para um país inteiro?

  7. Carlos,
    Na Wiki russa cita que ele poderia levar até 15 ogivas de 750 Kt, o que não acaba com a Grã-Bretanha mas aleija. rsrss
    Não quer dizer que ele o fará já que está em vigor tratados internacionais que limitam a quantidade de ogiva por míssil, mas se ele tem potencial de levar mais de 10 Mt em tese pode fazer um estrago considerável. rsrsss
    Vale salientar que se um míssil balístico leva tudo que pode seu alcance se reduz.
    Agora, os russos reinventam a roda. Pra quê um monstro desses?
    Cada vez eles se superam e dizem que agora sim têm um míssil que pode furar as defesas americanas. Que defesa? Os americanos não têm nenhuma defesa contra os mísseis russos que já existem e ficam inventando moda põem mais lenha na fogueira e querem apaga incêndio com gasolina. Depois reclamam que os americanos e a OTAN fica perseguindo. rsrssss

  8. Pelo que eu vi na internet um peacekeeper para acerta um míssil balístico inimigo com eficiência e garantia de destruição precisaria de 3 ogivas um minuteman de 5. Como as ogivas múltiplas foram extintas por tratados e o peacekeeper foi desativado resta apenas o minuteman no arsenal americano o que faz com que precise de 2 a 3 misseis para destruir um inimigo. O mesmo vale pros russos e como eles tem menos misseis que os Amis devem estar buscando destruir um míssil inimigo com um ”hit”

  9. Augusto,
    O que se sabe é que um silo subterrâneo de alta resistência (3000 a 10000 psi) pode ser destruído por uma ogiva na faixa de 500 Kt detonando ao nível do solo a menos de 150 metros de distância.
    Essa combinação “potência/precisão” foi possível com as ogivas W-88/87 levadas pelo Trident II (até 8 MIRVs) e pelo “falecido” Peacekeeper (até 12 MIRVs), com cerca de 400 a 550 Kt.

    Em relação à quantidade de ogivas os Minutemans III levam só uma por conta de ter mais ICBMs. A Rússia tem menos ICBMs e ainda tem mísseis com MIRVs.
    O mesmo em relação aos SLBMs. Os EUA não utiliza mais que 4 ogivas por Trident II, apesar dele poder levar até 14 ogivas W-76 (100 Kt) e 8 W-88.

    Os americanos preferem ter mais ICBMs porque aumenta a quantidade de alvos a serem destruídos, dificultando o processo de neutralização deles.
    Já os russos têm menos mísseis mas utilizam alguns lançadores móveis, o que igualmente dificulta a neutralização de todos.

  10. É só uma amostra do que pode acontecer se os americanos se meterem a besta e resolverem confrontar os russos diretamente na Síria.
    .
    Não mexam com quem está quieto: a Rússia está quietinha, cuidando dos problemas dela e o Ocidente vem aplicar golpe de estado na Ucrânia e colocar neo-nazistas lá para ameaçar a Rússia; além disso, promoveram uma invasão de mercenários – treinados e financiados pelo Ocidente – para atacar a Síria, aliada da Rússia. Se Putin não tivesse uma paciência de Jó, essa Terceira Guerra já teria iniciado há muito tempo.

  11. É meu caro Professor,a Rússia vacilou em sair de seus territórios conquistados pelo exército vermelho após a 2 guerra,agora aguenta pois os EUA não abandonaram o quê eles conquistaram, e até aumentaram sua área de influência.

  12. A finalidade desse tipo de míssil é servir de veiculo lançador orbital. Objetivo é por em orbita vários artefatos nucleares, na forma de veículos de reentrada. Então, estimativas de destruição e alcance podem ser maiores do que imaginamos?

    Imagina dez mísseis desses pondo em orbita 100 artefatos nucleares, como interceptar tudo isso?

    A defesa contra essa arma é atacar os cilos de lançamento, pois duvido que a utilização desses misseis seja imediata ao inicio de um conflito. Ou melhor, não são armas de pronto emprego imediato. Claro que eu posso estar errado!

    Saudações!

  13. Amigo edcarlos!
    O sistema Mozyr’ é adotada exatamente com propósito de proteger os silos.
    Sao 100 tubos de lançamento com “agulhas” e bolas de metal lançadas na forma de nuvem na direção dos mísseis ou ogivas.

    Amigo Bosco!
    Em relação de tamanho desse monstro podemos imaginar algumas explicações lógicas que de certo modo envolvem momentos econômicos:
    – se trata da compatibilidade com “pacote” dos meios de lançamento (silos e logística) – redução de custo em função de tamanho/gabarito do algum formato novo (menor , por exemplo)
    – se trata do mesmo desenvolvedor do projeto (Centro de Makeev) – know-how e documentação das outras gerações estão na mao – economia de tempo e $$$
    – aproveitamento de plataforma como lançador comercial (entrada de $$$)
    etc
    Um abraço!

  14. Mete medo. É dissuasão na veia. Mas, mais que força, talvez mostre receio e fraqueza. O urso não tá confiando muito no atual estado das forças convencionais. O momento seria para desmantelar mais, e não para bala de prata.

  15. A matéria é mal redigida, o que não é nenhuma novidade.

    Nós entusiastas enxergamos apenas o míssil e seus dados, alcance, número de ogivas, potencia de detonação etc.. O que há por de trás deste projeto é algo mais “invisível”.

    O maior custo de um ICBM são os silos, centros de controle, facilidades de manutenção, pessoal, segurança e demais itens de infra estrutura. Os russos possuem uma grande quantidade de silos para o R-36 e o projeto do RS-28 vai na mesma linha tecnológica.

    O RS-28 é uma atualização tecnológica do R-36 com troca de componentes em descontinuidade e alguns requisitos de engenharia que permitam a adoção futura nos mísseis de conceitos de veículos manobráveis de reentrada ou a filosofia de Prompt Global Strike que os EUA vislumbram mas ainda não adotaram por razoes mais políticas do que tecnológicas.

    O RS-36 e o RS-28 são mísseis de primeiro ataque, com potencial devastador, mas são apenas isto, armas altamente especializadas feitas para não serem utilizadas. Os EUA quando colocarem seus novos ICBM em serviço dentro da próxima década também irão buscar sinergia de infra estrutura com seus atuais mísseis e irão colocar requisitos de engenharia que vão na mesma linha, substituição de sistemas em descontinuidade e potencial de crescimento futuro.

    O ICBM hoje, precisa ser como um porta aviões ou submarino nuclear, ser operado por pelo menos 40 anos e ter algum potencial futuro de utilização diferente da originalmente planejada.

  16. Esse míssil me lembra a estória do cara que morreu de pneumonia e aí vizinha perguntou: foi pneumonia simples ou dupla? A viúva respondeu: simples! A vizinha: menso mal… menos mal…
    Ou seja, tanto faz levar meia duzia de Topol M na testa quanto 1 Satã 2. Morre do mesmo jeito.
    Esse negócio de colocar armas em órbita, ogiva suborbital, ogiva hipersônica manobrável, etc. é igual o PAC e a bolsa família do PT. É só pra jogar pra galera. O que vale é o tempo de resposta do míssil frente a um ataque. São siglas bonitas e nomes pomposos.
    Eu particularmente acho o Topol MR (RS-24 Yars), móvel, com ogivas MIRVs, uma arma formidável. Nem precisava desse daí.
    Sinceramente não dá pra saber o que os russos querem com esse monstro de 100 a 200 t, de combustível líquido que de acordo com o senso comum era tecnologia superada.
    Os americanos desativaram seus Peacekeepers (de combustível sólido) e transformaram eles em lançadores orbitais há muito tempo e pra mim a era dessas aberrações tinha acabado, mas pra não fugir da sua mania de quanto maior, melhor, os russos inventam mais essa. rsrsss
    Sinceramente apesar de ler sobre o míssil na web há de se saber o para o que ele serve que já não seja possível com os mísseis que já existem.
    Dá a impressão que os outros não corresponderam e fica-se procurando aperfeiçoá-los com esses desenvolvimentos contínuos. Os americanos por exemplo veem no Minuteman III a arma ideal até pelo menos 2040 e ele existe desde a década de 70.

  17. Bosco uma pergunta de leigo.
    E o tão famoso “escudo anti-misseis” dos americanos, tão divulgado na imprensa e que, segundo os jornalistas “especialistas” é o principal motivo de discórdia entre Moscou e Washington.
    Ele consegue neutralizar esses misseis russos ou é só mais uma lenda da internet?

  18. bosco123 27 de outubro de 2016 at 8:57
    .
    Boscão, o que temos que entender é que Putin é um placebo para a mediocridade da Rússia e seu povo. Ao desenvolver/redescobrir/repotencializar este tipo de arma estúpida e obsoleta, porém grande como tudo que é feito para impressionar os idiotas, Putin dá ao povo russo a impressão de que ele (povo) é mais importante para o mundo do que realmente é (como se ter a capacidade de destruir algo fosse sinônimo de relevância).
    .
    Putin e a vodka são a salvação da psiquê russa. E se tem alguma coisa em que a elite russa realmente é boa é em propaganda, interna e externa…
    .
    Eu particularmente acho ótimo para o mundo quando a medíocre economia e decadente sociedade russa gasta os tubos com armas que não tem lógica, e com guerras sem proveito estratégico algum.
    .
    Já faliram uma vez. E Putin e sua quadrilha se dedicam com verdadeiro e fiel afinco a falir de novo a Rússia.

  19. Quanta patuscada! Caso destruir mesmo um território dessa magnitude a própria Russia seria afetada. A verdade é que apenas 20% do armamento nuclear seria de fato exito na detonação (o que não é pouco e destruiria tudo). Que vantagem a humanidade levaria disso?! Isso é coisa de gente doente que tem aos montes no Oriente Médio e tem muitas no Ocidente. O armamento nuclear existe por que nunca um ser humano esta satisfeito como o quê tem. Sempre esta de olho da terra/recursos dos outros. Sempre quer implantar seu modo de vida, religião ou sistema de governo aos outros. Então constroem essas merdas para dissimulação. vai que um louco frustrado surta.

  20. O que mais me assusta é o ódio, o desprezo e a vontade de ver uma nação se f… Mais até do que esse míssil que nunca será usado.

  21. Se um ou mais artefatos nucleares destruirem por completo uma região na Terra do tamanho da França, as consequencias para o Planeta seriam catastróficas. Lembremos da erupção de um Vulcão no Chile e outro na Islandia há pouco tempo.

  22. É por isso que os anti-ocidentais sempre tem vantagem no quesito moral sua população não ta nem ai se rola um a guerra nuclear enquanto aqui no ocidente fica esse mimimi vide os comentários do post

  23. Professor 27 de outubro de 2016 at 5:05
    É só uma amostra do que pode acontecer se os americanos se meterem a besta e resolverem confrontar os russos diretamente na Síria.
    Não mexam com quem está quieto: a Rússia está quietinha, cuidando dos problemas dela e o Ocidente vem aplicar golpe de estado na Ucrânia e colocar neo-nazistas lá para ameaçar a Rússia; além disso, promoveram uma invasão de mercenários – treinados e financiados pelo Ocidente – para atacar a Síria, aliada da Rússia. Se Putin não tivesse uma paciência de Jó, essa Terceira Guerra já teria iniciado há muito tempo.

    ————————————————————————————————————————————
    Professor, quando for para escrever ironicamente, deixe isso bem claro, seja colando um emoticom, seja deixando expresso que está fazendo uma brincadeira.
    Se o pessoal levar a sério isso que você escreveu, você perderá a cátedra e será rebaixado a aluno – daqueles repetentes que acabam engrossando a estatística da evasão escolar.

  24. Requena,
    A defesa contra mísseis balísticos do e no território americano está localizado no Alasca e na Califórnia e pela própria localização já dá uma ideia que visa um ataque de baixa escala proveniente da Coréia do Norte e China. São mísseis GBI (Interceptores Baseados no Solo) e são em número de 20 em cada sítio. Cada um é capaz de interceptar apenas um veículo de reentrada.
    Os russos alegam que os mísseis SM-3 que serão instalados na Polônia podem interceptar mísseis lançados da Rússia contra a costa leste americana.
    Também os russos alegam que os SM-3 na Europa teriam capacidade de interceptar ICBMs na fase inicial ( de impulsão), onde o míssil está ainda com o motor ligado.
    Também do míssil THAAD é dito ter capacidade contra veículos de reentrada (ogivas) de ICBMs na fase terminal.
    Os futuros SM-3 (Block IIA) que também serão lançados de navios terão capacidade também de interceptar veículos de reentradas (RVs) lançados de ICBMs contra os EUA.
    Fato é que a combinação de todas esses recursos preocupa muito os russos mas não na verdade não há nenhuma defesa que possa fazer frente a um ataque de saturação de MIRVs proveniente da Rússia contra os EUA.
    O problema é que desenvolvendo todas essas defesas e a insistência para que haja redução das armas nucleares por parte dos EUA deixou os russos desconfiados e eles temem não serem capazes de ameaçar os EUA num futuro de médio prazo, o que iria desestabilizar a balança a favor dos EUA.
    Se os mísseis interceptadores SM-3 e GBI vierem no futuro a portarem veículos de destruição cinética múltiplos a possibilidade dos EUA se defender de um ataque maciço aumenta e isso irá enfurecer mais os russos que irão reagir. Também a possibilidade de instalar uma base de mísseis GBI na costa leste poderá sinalizar aos russos de forma inequívoca que o sistema de defesa GMD (Ground-Based Midcourse Defense) visa também a Rússia e não somente a Coréia do Norte e a China.
    Ou seja, há muita água pra passar debaixo da ponte e ninguém sabe onde isso irá parar.
    Um abraço.

  25. Vader,
    Com certeza essa novo “braço de ferro” com os EUA não é bom para ninguém do ponto de vista econômico, mas por pior que os EUA esteja, também acho que será pior para a Rússia.
    O problema é não deixar escolhas à Rússia e aí ela pode cometer uma besteira com potencial de levar a humanidade de novo à Idade Média. rsrsss
    Os americanos que se cuidem e tomem cuidado para não deixar como único caminho pra Rússia ter que passar por cima dos EUA.
    Um abraço.

  26. Numa coisa o Professor tem razão o Urso está quieto, porém está com um olho aberto e em posição de ataque..
    Se a Hilary ganhar é quase certeza que o Putin vai realizar o sonho dele, pois afinal os dois tem o mesmo objetivo.

  27. Hoje, os mísseis THAAD, SM-3 e GBI levam apenas um EKV (veículos cinético de destruição exoatmosférico) mas no futuro está sendo considerado levarem múltiplos EKVs (MKV).
    https://www.youtube.com/watch?v=R2bpAm11w7E
    Isso realmente poderá fazer diferença e os russo reagem tentando criar mísseis que podem escapar dessa tipo de defesa. Uma maneira é utilizando ogivas planadoras “hipersônicas” que podem ir planando na mesosfera a Mach 20.
    Essas ogivas capazes de “voar” seriam detectadas muita tardiamente pelos radares de defesa atuais e escapariam dos atuais mísseis de interceptação que visam a fase intermediária (SM-3 e GBI) e só seriam vulneráveis a mísseis que visam a fase terminal (THAAD ???).
    Se essa nova abordagem for utilizada pelos russos em larga escala tem potencial de deixar obsoleto todo o sistema de defesa baseado em interceptadores da fase intermediária (SM-3 e GBI) e tudo terá que ser revisto.
    Só que para os russos mudarem todo seu armamento levará décadas e isso não é considerado prático num médio prazo. Até que isso seja feito dará tempo aos EUA rever sua defesa e desenvolver defesa adequada, sendo uma delas a abordagem na fase inicial, quando os mísseis são lançados e estão com os motores ligados. Essa é em tese a melhor fase de interceptar um míssil já que faz com que os escombros caiam no território inimigo, sem falar que destrói numa só tacada todas as ogivas múltiplas.
    O problema é que essa é a fase mais difícil e tudo indica que para se obter sucesso só com armas baseadas no espaço, como por exemplos, satélites armados com laser. Só que isso violaria o tratado que proíbe armas estacionadas no espaço. Sem falar que os próprios satélites antimísseis seriam alvos primários numa eventual escalada. E satélite laser antimíssil deve ter um tamanho bem grandinho (tamanho de um ônibus???), o que implica em ser praticamente impossível escondê-lo no espaço. Sem falar que ele orbitaria numa órbita baixa, o que o deixa mais vulnerável.
    Aí quem desenvolve satélites teria que imaginar como defender o satélite, etc. Num círculo vicioso de destruição.

  28. O fato é Rússia e EUA jamais serão invadidos por causa das armas nucleares, se acontecer uma guerra entre os dóis será longe de seus territórios , e o local mais provável é no Oriente médio

  29. Renato,
    O que o Vader quis dizer com “obsoleto” não é de todo errado. Um míssil que pode ter até 200 t, de combustível líquido, capaz de levar ogivas com “dezenas de megatons” é um anacronismo hoje em dia tendo em vista que a precisão substitui com vantagem o “rendimento” das ogivas e é politicamente incorreto utilizar mais potência que o estritamente necessário para destruir o alvo visado já que não é aceitável hoje em dia o ataque direto às cidades e deve-se reduzir o máximo os danos colaterais mesmo quando se utiliza armas nucleares.
    Em tese o que vale para os EUA e Rússia é que armas nucleares são justificáveis para destruir única e exclusivamente as armas nucleares um do outro, daí haver uma paridade de quantidade de armas entre os dois países.
    Mísseis que são exemplos de modernidade são os RS-24 Yars, que são leves, dotados de MIRVs, com alta precisão, de combustível sólido e móveis.
    O único fator que pode justificar esse Satã 2 é ele poder levar ogivas “hipersônicas” como disse antes, mas aí é preciso saber se os outros também não conseguiriam fazê-lo e se precisa mesmo de um monstro desse tamanho.
    Vale salientar que todo veículo de reentrada é “hipersônico”. No caso quando o russos citam “ogivas hipersônicas” eles estão querendo dizer que são ogivas planadoras hipersônicas, que “voam” e que não são balísticas. Eles utilizam um míssil só pra “despejar” as ogivas que mergulham e direção à atmosfera muito antes de se aproximarem do alvo e vão “voando” até ele.
    Essa tecnologia ainda não existe e está sendo desenvolvida por vários países (EUA, Rússia, China). Os russos até podem vislumbrar quando isso será possível e apostam num míssil que possa levá-las em grande quantidade (elas devem ser bem mais pesadas que um simples veículo de reentrada-RV) mas a expectativa é que isso só ocorra dentro de una 10 anos pelo menos.

  30. Se acontecer um confronto entre á Rússia e os EUA na siria, saberemos se à tão falada superioridade americana é de fato verdadeira ou pura ilusão

  31. bosco123 27 de outubro de 2016 at 11:26
    .
    “O problema é não deixar escolhas à Rússia e aí ela pode cometer uma besteira com potencial de levar a humanidade de novo à Idade Média. rsrsss”
    .
    Bosco, sem dar um único tiro a Rússia em muitos aspectos JÁ LEVA a humanidade bem perto da Idade Média, se é que me faço entender… 🙂
    .
    ___________
    .
    Renato Carvalho 27 de outubro de 2016 at 11:44
    .
    “um míssil capaz de despejar toneladas em fogo e destruição, viajando em velocidade supersônica e capaz de neutralizar cidades é obsoleta!”
    .
    Sim, armas nucleares de destruição em massa (não me refiro a ogivas táticas, de até algumas kilotoneladas, e que podem ser utilizadas em campo de batalha por motivos táticos e sem enormes efeitos colaterais) são absolutamente obsoletas, na medida em que qualquer ataque efetivado seria respondido com um ataque de mútua destruição assegurada (pequise sobre doutrina MAD):
    .
    Um ataque contra qualquer país detentor de tecnologia nuclear seria respondido com um ataque devastador de iguais proporções. Logo, para o fim de vencer um conflito, esta arma é obsoleta.
    .
    Um ataque contra qualquer país NÃO detentor de tecnologia nuclear, além de atrair a ojeriza mundial e muito possivelmente um contra-ataque nuclear devastador, seria um absoluto desperdício de recursos: você não destrói irremediavelmente um país que se queira conquistar.
    .
    Logo, armas nucleares são completamente obsoletas para fins práticos. São um brinquedo caro de se construir e mais ainda de se manter, para países que tem muito dinheiro pra gastar a rodo, o que cada vez menos é e será o caso da envelhecida, combalida e pré-falimentar Rússia.

  32. Obsoleto é relativo um facão velho e enferrujado é obsoleto frente à uma katana samurai, mas se um maluco vier pra cima de você com o facão enferrujado o fato dele ser obsoleto não fará á mínima diferença

  33. Vader
    Esse tipo de arma seria usada em último caso seria uma medida de desespero, e se fosse usada seria o fim do mundo como o conhecemos, jamais seria usada com intenção de conquistar o país inimigo entende

  34. Esses Russos tão querendo é destruir o mundo. Eles acham que se lançarem um missil desses vão ficar impunes. Eles tambem virariam pó.

  35. Bosco, Vader
    Obrigado pela explanação lúcida e esclarecedora, quando respondi a questão foi da arma em si, a tecnologia usada na miniaturização das ogivas,a capacidade de lançamento, e por último o poder de destruição, creio que nas próximas décadas ainda serão tecnologias “modernas“,visto a dificuldades de algumas nações em conseguir tal feito,
    cordiais saudações

  36. Os proprios generais russos consideram os ICBMs como “armas da vingança”, sabem que nao se usam para vencer uma guerra.

  37. A questão é exatamente esta: uma arma é uma ferramenta, e isso se dá precisamente porque tem utilidade.
    Ora, desde que o primeiro pitecantropo descobriu que poderia usar um pedaço de madeira ou de osso para se proteger, proteger a outros ou proteger, vá lá, seu modo de vida, seus bens materiais e seus ideais, a arma tem uma utilidade prática, sensível.
    Qual a utilidade de uma arma que não serve como proteção de bem algum? Uma cuja única finalidade é buscar uma espécie de “vingança moral” (duvidosa e nada sensível) contra quem já – a esta altura – me destruiu de forma arrasadora?
    Será que tal artefato pode ser chamada de arma?
    Na minha visão não. Se é que uma arma nuclear de grande porte já foi uma arma algum dia, hoje não é mais.

  38. Se os EUA pudessem já teriam humilhado Moscou militarmente, o que os impede de fazer isso são justamente as armas nucleares russas. As eleições nos EUA esse ano demostram que existe chance real de lunáticos alcançarem a casa branca na medida que mais e mais norte-americanos estão insatisfeitos com os rumos econômicos do seu país. Quem garante que daqui alguns anos não assuma um falcão anti-rússia ? Historicamente sempre foi o ocidente que tentou conquistar a Rússia e não o inverso. Este tipo de arma moderna e mortal é que mantem aventureiros longe das terras russas. A Rússia não tem dezenas de lacaios como os EUA, portanto este tipo de arma serve para equilibras as coisas. Está arma é formidável, não será necessário 10, ou 20 misseis para riscar um país, bastará este, impacto psicológico desta arma é imenso.

  39. Muitos falam como se não houvesse defesa contra tal arma. Não tem defesa quando ele cai, mas lá em cima seria muita inocência achar que eles já não previram como interceptar um míssil desses não importa a velocidade.
    Além do mais usar uma coisa dessas é trágico onde cai e mais trágico para quem usou porque o país será atacado “por uma chuva de mísseis” vindo de todos os lados, justamente para eles não dispararem outro. É incrível como estão ressuscitando a guerra fria e somos apenas meros espectadores.
    Mas se isso acontecer mesmo, Eistein além de gênio já previu a 4 guerra mundial: com paus e pedras.

  40. Ricardo 27 de outubro de 2016 at 14:31

    “Historicamente sempre foi o ocidente que tentou conquistar a Rússia e não o inverso.”

    Reveja urgentemente seus livros de História: seu professor (antiamericano) enganou você!

  41. Rapa.. a gente se diverte muito com oq o Vader escreve… o cara faz uso de chá de zabumba pra poder escrever

    No mais, parece q o uso de armas nucleares provoca ojeriza a depender de quem a emprega… pois um dia desses o mesmo Vader esteve aqui dizendo que ,ao usar das bombas de Hiroshima e Nagasaki, os EUA só fizeram vencer a guerra

    Parece q aquelas duas bombas atômicas não provocaram tanta ojeriza assim… pelo menos no Vader….

    E antes de falar na mediocridade do povo russo, é melhor ter respeito e olhar a si proprio no espelho

    A carne de minhoca do McDonalds tá é rendendo…… quando a economia americana colapsar de vez, os beneficiarios da BAG BANANA vão ter de oferecer seus prestimos a outro governo… quem sabe o chinês

    Boa Sorte

    😀

  42. Vader
    Você deve odiar os gregos, persas, romanos, ingleses, franceses, portugueses, espanhóis e todos os impérios que existiram e existem no mundo porque só oque eles fazem é conquistar através da força. É injusto odiar só os russos kkķk

  43. Ricardo,
    Você parece não entender a extensão de uma arma dessas. Em que ela agrega à defesa russa que os russos já não têm?
    Salvo se for como falei antes para colocar as tais “ogivas hipersônicas” que nem sequer existem ainda e que “podem” ser menos vulneráveis aos sistemas de defesa ora em uso.
    De resto é a reinvenção da roda. Não sei em que esse míssil consegue ser mais ameaçados do que os Topol e Bulavas que já existem.
    Esse é o ponto! O que você fala não faz sentido. Não há porque lançar só um míssil com grande capacidade de carga/megatonelagem se é plenamente possível ter mais mísseis com menos ogivas e de utilização mais flexível.

  44. Voltando ao tópico
    Essa nova arma russa é apenas para dissuasão, só o que resta aos americanos é aplicar sanções e tentar fazer com que a economia russa entre em colapso, porque se tentar fazer um ataque militar à russia é caixão e vela preta para ambos

  45. Bosco
    Talvez esse míssil tenha uma nova tecnologia que os antigos missei russos não possuem, ou seja deve ter alguma vantagem né, não é possível kkkk

  46. A arma Russa, Chinesa, ou Inglesa, ou Francesa, ou Americana, ou Israelense ou Norte Coreana, Paquistanesa ou Indiana não são para ataque e sim para auto preservação.
    .
    Por que você acha que ninguém nunca usou? Aliás o único país que realmente atacou outro com ogivas nucleares são os queridos Americanos, e só o fizeram porque eles eram os únicos a dispor de tal tecnologia, se o Japão tivesse também dispusesse de bombas nucleares eu duvido que os americanos ousariam bombardear Hiroshima e Nagasaki.
    .
    Se os EUA conseguirem bloquear os mísseis Russos, certamente os Russos buscaram uma resposta a altura pois não teriam como criar argumentos dentro dos Estados Unidos para que a Rússia não seja atacada (isso pressupondo que existisse uma situação de conflito entre os dois países).
    .
    Vamos deixar claro… Rússia e EUA não tem motivo algum para travarem nenhum conflito armado, sim, são países que tem visões distintas sobre uma mesma questão, e daí? Isso não justifica a morte de milhões de pessoas.
    .
    É mais do que normal que Russos e Americanos tenham visões antagônicas sobre uma mesma questão, anormal seria se eles concordassem em tudo.
    .
    A Arma Russa não é um meio de ataque, se ela é, todos os países que citei acima também tem armas nucleares, estão todos eles querendo destruir o resto do mundo então?
    .
    As bombas nucleares hoje são um meio de defesa, no intuito de passar uma mensagem bem clara. “Não ouse jogar suas bombas aqui pois eu posso revidar.”
    .
    Pelo menos é essa a leitura que eu tenho.
    .
    Obs: a Guerra Fria acabou, não temos mais comunistas vs socialistas, ou mundo dividido em dois blocos. (Só avisando viu! Pq parece que algumas pessoas esqueceram).

    Obs 2: Os Russos desenvolvem armas assim não pq são malvados mas sim pq eles podem, simples assim. Nós Brasileiros não desenvolvemos nem sequer um microprocessador quanto mais desenvolver uma arma dessa complexidade, se tivéssemos os meios e dinheiro também teríamos as nossas (seríamos o malvado da vez?).

    Obs3: E quem tem esse tipo de armamento não quer que outros países que não tenham possam vir a desenvolver os seus. Curioso não? Mas.. não era uma arma? Sim.. é também uma arma dissuasão de poder e influência.

  47. Ricardo ( 27 de outubro de 2016 at 15:12 );
    .
    Desde a ascenção da casa Romanov que os russos avançam rumo ao Ocidente… Ucrânia, Bielorrússia, os países do Báltico e boa parte de polacos, além de finlandeses, já estiveram sob o Império Russo… Até o Alaska já pertenceu a eles…
    .
    As áreas de influência da Rússia, já no século XX, iam até os Balcãs ( uma influência que se mantém até hoje, aliás ); e mesmo com a perda de territórios após a Primeira Guerra, essas áreas foram consideravelmente expandidas após a SGM através do Pacto de Varsóvia, chegando até o centro da Europa ( antigas Alemanha Oriental e Tchecoslováquia ). De fato, muitos territórios foram reincorporados sob a bandeira da URSS. E vale lembrar, os russos ainda hoje tem o enclave de Kaliningrado, antigo território prussiano ( original da Alemanha )…
    .
    Na verdade, se os russos fossem ficar somente no território “originalmente” seu, não teriam saído da Moscovia, que era, salvo melhor juízo, algo mais ou menos do tamanho do Rio Grande do Norte…

  48. Jodreski ( 27 de outubro de 2016 at 15:40 );
    .
    Os japoneses avançaram consideravelmente no uso de armas biológicas. Poderiam a qualquer momento ter lançado uma ofensiva desse nível contra os EUA. Não o fizeram por temer um recrudescimento do conflito…
    .
    O uso da arma nuclear pelos americanos foi um ato extremo; para forçar o fim da guerra numa situação em que (a) os aliados já estavam a beira do colapso econômico, (b) os russos aproveitavam a situação para avançar sobre o leste da Ásia e (c) projetavam-se milhões de mortes entre aliados e japoneses ( o que seria catastrófico sob todos os aspectos ).

  49. Bosco, concordo com tudo o que disse.

    Considerando que a Rússia atualmente já possui outras plataformas modernas capazes de lançar múltiplas ogivas de 150 kt a 800 kt, em minha visão não haveria necessidade de um míssil tão grande, com payload de 10 toneladas, a não ser pra lançamento de grandes ogivas com vários megatons.

    Pelo que sei, hoje os EUA não empregam mais ogivas com mais de 1 Mt (alguém confirma?). A URSS na guerra fria tinha ogivas de até 25Mt pra serem lançadas nos SS-18 Satan Mod 2 e Mod 3, mas parece que hoje na Rússia nenhum desses mísseis estão ativos, somente os que lançam múltiplos veículos de reentrada estão ativos.

    O abandono dessas ogivas de vários megatons ocorreu pelo fato de que o poder de destruição delas (em superfície) não é linearmente proporcional à sua potência.

    A energia liberada pela detonação de uma bomba se dissipa de forma omnidirecional, conforme um volume esférico, e portanto varia com o cubo da distância do ponto de detonação. Já os efeitos dessa detonação na superfície variam conforme a lei do quadrado inverso.

    Portanto, matematicamente, os efeitos da detonação em superfície (excetuando-se os efeitos da radiação) escalam conforme a raiz cúbica do quadrado da energia.

    Exemplificando, se pra destruir uma área de (chutando…) 100 km² seria preciso uma bomba de 550 kt, pra destruir o dobro dessa área seria preciso uma bomba de 1,5 Mt… Em contrapartida, 6 pequenas bombas de 100 kt (potência agregada de 0,6 Mt) espalhadas sobre o alvo fazem o mesmo estrago no solo do que uma bomba de 1,5 Mt…

  50. Bosco
    Está a sua opinião, porém que você ainda não compreendeu é que os russos pensam diferentes dos ocidentais, eles veem as coisas de um engulo completamente diferentes e são até menos cínicos, em vários pontos, que os EUA.

  51. Ricardo,
    Então nos diga qual a opinião dos russos. É isso que estamos discutindo!
    Em que esse míssil agregará capacidade dissuasória as já mais de 7000 armas nucleares e mais de 400 ICBMs/SLBMs russos?

  52. Bosco
    Porque os americanos criaram o f22 o f15 já não era o suficiente, e porque os russos criaram o t14 o t90 já não é o suficiente, e porque os americanos querem novas armas as que eles possuem já não são suficientes, se você souber o motivo então você saberá porque os russos criaram esse novo míssil

  53. Ricardo ( 27 de outubro de 2016 at 17:03 );
    .
    Civilização Ocidental, grosso modo ( e independente de qualquer classificação ), sempre compreendeu os países que, de alguma forma, tem algum embasamento na cultura greco-romana e/ou são fortemente influenciadas pelo catolicismo. Por tanto, as regiões da Europa que citei incluem-se sim na civilização ocidental.

  54. É em primeiro lugar uma atualização necessária do R-36 (da década de 70 e tão velho quando os ICBM atuais dos EUA) e segundo os russos operam 6 ICBMs diferentes com prioridades diferentes. O Satan II será usado algum dia? Quem pode garantir que não? Duvido que os EUA declarem guerra aberta a Moscou se tiver um dos seus débeis aliados riscado do mapa. A Rússia tem aproximadamente 25% de todos os recursos naturais do planeta, segundo os EUA. E as pessoas se esquecem que não se faz uma caneta se quer sem recursos naturais, portanto o futuro do planeta passa por Moscou e essas armas são a segurança de que ninguém se meterá com o Kremlin. A Hillary Clinton fala abertamente em colocar uma zona de exclusão aérea na Síria e só não fará porque sabe bem com quem está se metendo, o poder psicológico dessa arma é imenso. Se for pela análise simples e crua, o próprios EUA poderiam reduzir suas ogivas nucleares a 300 que seria mais que suficiente e por que não fazem! Porque as coisas não são tão simples assim.

  55. Ronilson 27 de outubro de 2016 at 17:31
    Você está comparando vetores táticos (caças e tanques) com vetores estratégicos (ICBMs e SLBMs). É comparar alho com bugalho.

  56. Jacinto Fernandes
    Acho que você não compreendeu oque eu quis dizer, à vá não é tão difícil assim garoto ixpertinhoo kkk

  57. Ronilson,
    .
    Ricardo,
    .
    Esse monstrengo em nada acrescenta a capacidade de dissuasão russa. Muito pelo contrário. Apenas drena recursos que seriam muito melhor gastos em outras armas nucleares de alto poder dissuasório, como os mísseis Bulava e Topol; ou ainda, esses mesmos recursos poderiam incrementar a capacidade das forças convencionais russas, sem as quais uma verdadeira projeção de poder é inviável.
    .
    Lembrando que ‘projeção de poder’, no sentido reto desse termo, é ser capaz de fincar bandeira no território que se pretende controlar.
    .
    De nada adianta para os russos ter esse imenso arsenal nuclear se não tem sequer uma força anfíbia decente ( até o Brasil, com o atual ‘NDM Bahia’ e seus NDCC tem uma capacidade mais interessante que a dos russos… ). Os chineses já entenderam isso; tanto que estão construindo uma verdadeira força de dissuasão convencional, com uma capacidade anfíbia que, já no futuro imediato, somente poderá ser suplantada pela da USN/USMC, e meio que deixaram suas armas nucleares restritas ao mínimo necessário para manter um poder crível de retaliação.
    .
    E quanto a arma nuclear em si, não interessa se é um troço dos anos 60 ou um Bulava… Chegar a “domicílio” e fazer “bum” é o que interessa.

  58. _rr_
    Então devemos chamar todos os generais, engenheiros, estrategistas, Putin etc etc de burros como eles não viram que esse míssil não acrescenta em nada o poder de dissuasão da russia aff, como sao burros russos em se eles tivessem perguntado para alguns comentaristas aqui, não tinham feito essa coisa inútil.

  59. O meu questionamento não é relativo ao aumento ou manutenção do poder dissuasório russo, que é tão legítimo quanto qualquer um. O F-22 agrega vantagens táticas e estratégicas à USAF. Qual a vantagem que um míssil com possíveis 200 t, de combustível líquido, pode agregar à dissuasão russa? Não estaria questionando se fossem mais RS-24 Yars ou Topol M. Eles que façam quantos mísseis queiram e que sejam capazes de torrar o planeta um milhão de vezes. Meu questionamento é por que o ressurgimento de um conceito tido como ultrapassado sendo que os mísseis Topol e Yars já eram tidos pelo próprio Putin como capazes de penetrar as defesas americanas com fase de impulsão curta, apogeu baixo e lançando ogivas manobráveis, sendo os mísseis pequenos e móveis.

  60. Ronilson 27 de outubro de 2016 at 17:41
    Acho que e você é que não compreende a distinção entre um vetor estratégico e um vetor tático, e porque são duas coisas impassíveis de comparação.

  61. Bosco
    Os americanos gastam só em pesquisa de novos armamentos, o equivalente a todo o orçamento militar russo em um ano. Eu te pergunto não seria arriscado para os russos confiar nos seus velhos misseis para dissuasão nuclear?esse míssil com certeza deve ser muito mais avançado e mais potente, e mais apropriados para superar as defesas americanas agora é no futuro quem sabe.

  62. Ricardo e Ronilson,
    “Está arma é formidável, não será necessário 10, ou 20 misseis para riscar um país, bastará este, impacto psicológico desta arma é imenso.”
    Pela lógica é melhor ter 10 ou 20 Topols que 1 RS-28. Além de ser uma arma taticamente mais flexível, destruir 10 pu 20 ICBMs móveis é mais difícil que 1 ICBM fixo. E em relação ao impacto psicológico, idem.
    Um míssil desses se for detectado seu lançamento (e o será, com certeza) a resposta será igualmente arrasadora. Já um Topol tem o potencial de levar a uma escalada gradativa e haveria maiores chances de muita gente no mundo sair vivo do processo.
    Os americanos retiraram o gigante Peacekeeper (MX) justamente por ele não se adequar aos novos tempos.
    Agora, se vocês me falarem que o Putin riscou todos os tratados e que está em curso uma nova corrida estratégica de armas nucleares aí eu me calo. Aí realmente iremos voltar a ver uma corrida a mísseis com capacidade MIRV cada vez mais capazes.
    Mas ainda assim restaríamos saber o por que da propulsão líquida. De minha parte, do pouco que sei sobre o assunto, penso que possa ser para que o míssil consiga uma trajetória mais plana sem perda do alcance e da carga útil. Mas é só um chute.

  63. Amigo Bosco!
    Tem que ver por partes e , ao mesmo tempo , em complexo.
    Primeiramente Sarmat nem existe ainda como produto definidamente pronto e aceito pelas forcas estratégicas da Rússia (RVSN). Primeiros lançamentos de peso (testes) estao marcados para 2017. Se passar (mostrar aptidão e parâmetros conforme encomendados) – ai vai ser analisado o futuro do projeto.De qualquer modo se trata de substituição(!) de Voevoda ja obsoletissimo e com todos os possíveis prazos de uso esticadissimos. Ate para questão primitiva de paridade conforme tratado em relação do numero dos “lançadores” é uma solução relativamente barata.
    Lembrando que Voevoda era fabricado na Ucrânia não tenho menor duvida sobre importância deste projeto para os russos!
    Depois tem que analisar (dentro da doutrina deles) a tática de uso da Yars e Bulava : em caso de ataque preventivo pela OTAN poucos ou nenhum Yars/Topol terá tempo suficiente para lançar em segurança seus misseis. Somente Bulava não pode garantir paridade em caso de ataque maciço. Ja os silos no meio da Rússia e protegidos pelo Mozyr’ tem grande chance de garantir a Rússia direito de resposta e , neste caso , evitar qq tipo de ataque “democrático e politicamente correto” no estilo Dropshot ou Totality. Com 16 mil km de alcance declarados e 61 usinas nos EUA como alvos vai sobrar pra todo mundo.Ou melhor , vai sobrar nada..
    Um abraço!

  64. Concordo com o Bosco.

    Esse míssil é meio que “overkill”. Os Russos já possuem outras plataformas de mísseis balísticos (Yars, Topol, Bulava, etc.), capazes de lançar múltiplas ogivas de 150 kt a 800 kt.

    E por ele ser quase tão pesado quanto um foguete orbital e ainda por cima utilizar combustível líquido (mais complexo de produzir e manter), certamente será caríssimo, o que limitará sua produção em massa.

    O único diferencial que vejo nesse míssil em relação aos demais do arsenal russo é a possibilidade de lançamento de uma ogiva muito grande, de vários megatons.

    Durante a guerra fria a União Soviética tinha ogivas de até 25 Mt para os SS-18 Satan Mod 2 e Mod 3. Me parece que hoje esses mísseis não se encontram mais em serviço, apenas os que lançam MIRVs. Já os Estados Unidos há muito tempo não mantêm mais em seu arsenal bombas com mais de 1 Mt (alguém confirma?).

    O fato é que uma grande ogiva não é tão eficiente quanto várias pequenas ogivas pra destruir alvos na superfície.

    Numa explosão a energia da detonação se propaga na atmosfera de forma omnidirecional, como num volume esférico crescente, e somente parte dessa energia atinge o solo. A energia da detonação diminui conforme o inverso do cubo da distância. Já na superfície os efeitos da detonação diminuem conforme a lei do quadrado inverso.

    De modo que, matematicamente, a destruição provocada pela bomba termonuclear escala conforme a raiz cúbica do quadrado da energia.

    Exemplificando, se uma bomba de 550 kt é capaz de destruir uma determinada área, pra destruir uma área duas vezes maior seria preciso uma bomba de 1,5 Mt. Em contrapartida, 6 pequenas bombas de 100 kt (potência agregada de 0,6 Mt), se detonarem espalhadas sobre a superfície do alvo estratégico, possuem o mesmo poder de destruição (no solo) de uma bomba de 1,5 Mt.

    OBS. Meus comentários estão ficando todos retidos…

  65. Ricardo,
    Além do Alasca, a Finlândia também foi conquistada pela Rússia Czarista, Ocidente. E a Polônia, que não é coração do Ocidente, mas é muito, mas muito mais Ocidente que Brasil ou América Latina.

  66. ScudB – agora você tocou em um assunto interessante que é o chamado “Pre-emptive nuclear strike”. O primeiro ataque com capacidade de destruir as armas nucleares do outro país e desfazer o impasse representado pelo MAD – destruição mútua assegurada.
    O “problema” deste míssil russo é o seu combustível: os misseis de combustível líquido não têm emprego imediato, na medida em que é necessário “abastecê-lo” antes de o lançar. Diferentemente, os de combustível sólido podem ser lançados imediatamente já que estão perenemente abastecidos. Essa necessidade de abastecer o míssil antes de o lançar reduz muito a possibilidade de sobrevivência destes misseis no caso de um ataque preventivo dos EUA. A rigor, é justamente por usar combustível sólido que dizemos que no nosso VLS é um míssil balístico disfarçado. Eu não sei se este míssil substitui outros de combustível sólido, mas se for este o caso, a Rússia esta reduzindo a sua capacidade de iniciar um conflito nuclear. E talvez seja esta a intenção.

  67. Scud,
    Valeu! Vamos ficar no aguardo pra ver como o míssil vai ser realmente.

    Ronilson,
    Com certeza! Não tenho nada contra nada, principalmente contra aperfeiçoamentos de mísseis que como qualquer coisa ficam velhos e custosos para manter.
    Mas duvido muito que os futuros ICBMs americanos sejam muito diferentes dos atuais Minuteman, que é compacto, leve e de combustível sólido, com uma reduzida carga útil e de alta precisão. Se brincar os futuros ICBMs americanos serão baseados em lançadores móveis.
    Os americanos estavam desenvolvendo o Midgetman, que era um míssil ICBM móvel com apenas uma ogiva e pesando 13 t. Era capaz de entregar uma ogiva nuclear de 500 Kt a 13000 km com uma precisão de 90 metros. Foi cancelado no fim da Guerra Fria. Esse é um “míssil conceito” interessante e que tem tudo para ser “copiado”.

  68. Bosco
    Talvez seja o fator econômico aí em, a diferença entre o orçamento militar americano e russo é brutal, vai ver é mais viável para os russos ter um super míssil um só basta para destruí tudo, os americanos podem se dar ao luxo de ter pequenos misseis, e colocalos em suas bases espalhadas pelo mundo inclusive bem pertinho da fronteira russa

  69. Eu li em outro site que é 25 Mt,ou seja muuuuuuito superior a Hirosima que tinha fraçao de 1 Mt.
    Como curiosidade, dizem que a Tsar (58 Mt) causaria queimaduras de 3 grau na pele exposta a 100 Km !

  70. Ronilson,
    Os russos também têm muitos mísseis. https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/c/cb/Icbm-hist-en.png/800px-Icbm-hist-en.png
    Quanto aos americanos terem mísseis perto da Rússia, não têm mais. Os únicos mísseis americanos são os Minuteman lançados dos EUA e os Trident lançados de submarinos que fazem patrulha próximos à costa americana. O resto da dissuasão fica por conta dos bombardeiros B-2 com bombas B-61 e bombardeiros B-52 com míssil ALCM. Ambos baseados nos EUA.

  71. João Borges,
    Muito interessante. Além de um arma com rendimento muito maior as vezes não fazer tanta diferença em relação ao efeito imediato prático no alvo tem ainda um fator negativo que é aumentar a radiação residual.

    Requena,
    Valeu!

  72. “Especialistas em Defesa e Engenharia”.

    Ambos os lados podem destruír o planeta terra várias vezes.

    Em relação ao orçamento militar dos Estados Unidos, temos de entender que, os Americanos gastam com centenas de bases militares ao redor do mundo, custos com manutenções (aeronaves, blindados, navios, equipamentos para tropas) folha de pagamento, ajuda militar (dinheiro) destinado aos países parceiros (Israel, Egito…), é uma força em plena atividade operacional.

    Eu li um comentário muito sem noção aqui: “…em um combate convencional, os Americanos ganhariam dos Russos”.

    Primeiro, numa eventual invasão as fronteiras da Rússia, toda a OTAN e as forças Americanas seriam massacrados em horas, o nível de profissionalismo das Forças Armadas Russas vem aumentando “a cada dia”, você pode estar achando piada, mas sabe que é verdade. A Rússia não é Iraque, Libia, Síria ou Brasil, lá eles estudam 24 horas por dia cenários de guerra.

    Esses dias mesmo, um oficial do Exército Americano disse a imprenssa que os Estados Unidos preparam uma resposta cibernérica a Moscou, em relação ao ataque cibernértico sofrido pelo mesmo.
    … e o oficial destacou que os Russos têm o mesmo potencial de revidar e causar danos as estruturas dos Estados Unidos.

    A Rússia não é Comunista desde 1989. Putin já disse: o fim da União Soviética foi um desastre mundial, mas querer a volta do regime, é loucura.
    Hoje, a Rússia é um país imprevissivel – no sentido da sua capacidade de desenvolvimento militar – os Russos não praticam diplomácia de esquína.

    Por que os Europeus vão criar um novo tanque para fazer frente ao T-14 Armata? porque sabem que a Rússia tem potencial. “Ninguém quer ficar por baixo”.

    Enquanto os Americanos fazem guerras, muitos Exércitos estão estudando suas capacidades de combate (até os próprios aliados da Casa Branca: Alemanha, França, Inglaterra…) “ninguém é amigo de ninguém”, e, os Russos e Chineses, estudaram e continuam estudando as estruturas de ataque dos Estados Unidos.

    Para o Brasil… apenas um porta-aviões dos EUA já da conta da FAB inteirinha, ou vocês acham que F-5 Tiger ou Super Tucano é capaz de enfrentar um F-18 ou F-22? o futuro do Brasil é ser satélite dos Estados Unidos pra sempre. Diferente da Rússia, da China e de algumas potencias regionais não alianhados a política externa Americana.

  73. Ronilson,
    .
    Os russos hoje possuem o segundo maior arsenal do planeta… Só o que já tem na forma de mísseis Yars, Topol, Layner e Bulava, já é mais que suficiente pra por a banca…
    .
    Padronizar é a lógica dos custos. Portanto, um tipo de ICBM e outro de SLBM seria o suficiente… Os americanos conseguem isso. Porque os russos não conseguem…?
    .
    Um míssil desse porte do RS-28 é redundante e, se seguir a mesma linha do RS-36, como mostrou brilhantemente o “João Borges Queiroz Júnior”, será ineficiente quando transportando uma única grande ogiva ( única capacidade de destaque real desse míssil )…

  74. Cláudio
    Sei lá a diferença é grande de mais calcula se que o poder militar americano e 10 vezes maior que o russo.
    Bosco
    Interessante eu achava que os americanos possuíam misseis nucleares nos países da Otan, de qualquer forma eles possuem mais meios de lançar esses misseis contra á russia tanto aéreo como naval

  75. O THAAD-ER já seria uma reação americana às futuras ameaças como os mísseis e ogivas hipersônicas russas e chinesas que hoje só poderiam ser interceptadas (tentado) quando já muito próximas do alvo numa fase terminal (descendente).
    O THAAD-ER faria isso numa fase intermediária com muito mais chances de sucesso.

  76. _rr_
    Tudo bem amigo mas você deve se perguntar porque os russos não pensam igual a você, será que eles são tao burros assim, o importante é tentar compreender qual tipo de tecnologia que esse míssil possui, e como ele vai se é que vai mudar a estratégia de Defesa americana

  77. Como disse, o orçamento militar dos Estados Unidos é destinado para centenas de bases militares, custos…

    A Rússia tem um orçamento de U$ 60 bilhões, já chegou a quase 70, mas teve de recuar devido aos embargos dos Estados Unidos.

    A Rússia soube muito bem aproveitar o progresso tecnologica da União Soviética, tanto que está desenvolvendo seus projetos.

    Aprenda uma coisa: guerras vão muito além de um orçamento, a Rússia venceu a Alemanha na raça…

  78. Cláudio
    O problema é que os americanos além de possui o maior orçamento militar o que nem se compara com o russo, algo em torno 600 bilhões por ano.
    Eles possuem a tecnologia mais avançada, o exército mais bem treinado,os melhores avioes tanto em quantidade como em qualidade, os mais poderosos aliados, a maior marinha etc etc.
    Ou seja por isso tudo eu admiro os russos por ainda terem força para ficar enchendo o saco dos caras kkkk

  79. Mas é assim um lutador de box campeão e super favorito, entra no ring todo confiante até menospreza seu adversário, até a luta começar e ele levar o soco no queixo e perceber que o buraco é mais embaixo kkk

  80. Ronilson

    A questão não é ser melhor ou maior, mas o potencial em fazer estragos. Se a Rússia não fosse poderosa, a OTAN nem existiria mais, e boa parte das bases militares Americanas não cercariam a Rússia.

    Se a China não fosse um problema, os Estados Unidos não teriam bases no Japão, e nem o incentivariam a se arma com armas estrangeiras.

    “É só interpretar o xadrez geopolitico”. A própria mídia Americana e o povo, tratam as relações Russo-Americano com muito receio, pois nem todo Americano concorda com as intervenções dos Estados Unidos.

    Até a Europa já não aguenta mais ser pau mandado dos Estados Unidos, e sabe quem diz isso: o povo Europeu, principalmente os Alemães. O povo de lá, vizinho da Rússia, entende que a Europa tem de estar em comunhão com todos. Será que você não entende que o berço das duas Guerras Mundiais foi a Europa? Você tem uma visão governamental (macroscópica), enquanto o empresário quer fazer negócios, o cidadão quer viajar para Moscou ou qualquer região da Europa em paz.
    A Europa era para estar em paz, cada um exercendo sua zona de influência… Toda essa situação foi criada pelos Estados Unidos da América.
    Afinal, você vai ficar sentado, de boa, enquanto o seu vizinho está sendo armado com armas núcleares e apontando para o seu país?

    Se ainda somos atrasados em vários aspectos, devemos aos Europeus e aos Estados Unidos, menos a Rússia.

  81. Cláudio
    Eu concordo que os EUA são o grande mau do mundo hoje, E se acontecer uma grande guerra eles serão os responsáveis porque eles se metem em tudo, eles querem dominar o mundo por completo.
    Mas contra fatos não à argumento a força militar americana é incomparável devido ao seu poder econômico

  82. Já passou da hora do Conselho de Segurança da ONU receber novos membros permanentes. O Brasil poderia ser um candidato, pois defende o dialogo…
    Uma coisa que achei satisfatório é que, diferente do fim da Primeira Guerra, as potencias que perderam a Segunda Guerra, não foram punidas severamente igual a Alemanha com o Tratado de Versalhes, ninguém saiu humilhado, na verdade, a palavra humilhação, não fazia parte do cotidiano do povo Europeu, Asiatico ou Americano. A gente costuma olhar as coisas com um olhar pequeno sob um aspecto governamental, enquanto existem muitas dimensões de sentimentos, opiniões…

  83. Claudio
    Também já fui assim, meu lema era:´´ Viva a mãe Russia´´, abaixo o imperialismo satânico,,blá blá blá, nada que um pouco de leitura e uma constante desintoxicação mental resolvessem, o fato é um só, não existe nada que se possa comparar com o poderio militar dos EUA/Otan, ainda que Russia e a China estejam correndo atrás e modernizando suas forças armadas, o certo é que levarão décadas pra quem sabe alcançar o que já é realidade hoje pros americanos.
    Isso no meio convencional, se formos tratar de poderio nuclear aí já é outra história, não sobra ninguém pra contar a história, talvez só as baratas, dizem…

  84. Cláudio
    Eu sinto pena dos russos pela sua história e grandeza, eles estão sendo humilhados com sanções, acusações infundadas e a histeria ant russa que tomou conta do mundo

  85. Bosco – Vader – Bosco – Vader – Bosco – Vader –
    __________________________

    Vou ter que viver embaixo da cama ?
    Sim ou Não ?
    __________________________

    Aos adoradores do Urso e seus comentários:
    Quase fiz xixi na cama! (mijada é melhor, mas na minha idade é xixi mesmo) rs.
    __________________________

    Vou pegar a véia e me mudar para Israel, mais seguro.
    Acabei de abandonar minha ideia de morar em Atlanta.
    brbrbrbr ………. que mêda dos Ursos …..

  86. Renato, não tenta me desqualificar com esse papo de “leitura ou mãe rússia”.
    Estudo Relações Internacionais na USP e até o momento fui imparcial para com os fatos. Não escrevi que os Americanos são fracos, apenas escrevi que, a Rússia tem um grande potencial de enfrentar todas essas nações, motivo pelo qual a OTAN cresceu nos últimos anos e os Estados Unidos duplicaram suas bases militares ao redor da Europa Oriental.

  87. Ronilson,
    .
    Não há qualquer evidência ( ao menos não li nada a respeito ) de qualquer tecnologia relacionada ao RS-26 que traga mais ameaça do que já trazem os outros meios, além do fato de transportar uma ogiva maior ( o que é pouco significativo na prática ).
    .
    A estratégia de defesa americana somente seria mudada se houvesse alguma tecnologia que a torne defasada. E não há evidências disso…
    .
    Sei que os russos não são idiotas. Mas isso não muda o fato de que podem vir a tomar decisões ilógicas, muitas vezes motivadas por um planejamento central que nada tem a ver com questões puramente militares. Em outras palavras, não é raro que a politicagem dite estratégias…

  88. Cláudio ( 27 de outubro de 2016 at 23:11 );

    “”Se a China não fosse um problema, os Estados Unidos não teriam bases no Japão…””
    .
    A projeção do poderio americano originou-se de tratados com os derrotados na Segunda Guerra Mundial. Não houvesse ocorrido o conflito, e não haveriam bases nesse país…
    .
    “”…e nem o incentivariam a se arma com armas estrangeiras…””
    .
    Não me consta que os japoneses deixaram de desenvolver sua industria bélica… Aliás, avançam a passos largos com ela, já tendo produzido de um tudo ( e a tendência é produzirem ainda mais por conta própria )… Ou seja, teriam suas armas de um jeito ou de outro. E vale lembrar que o Japão, imperialista como era, deixou marcas profundas na Ásia, que ainda hoje influenciam a política desses países. Não fosse a presença americana, e é muito provável que a situação se deteriorasse rapidamente…
    .
    “”Até a Europa já não aguenta mais ser pau mandado dos Estados Unidos, e sabe quem diz isso: o povo Europeu…””
    .
    Será…? Creio que polacos, tchecos, romenos, húngaros, letões, estonianos, finlandeses, suecos,ucranianos e lituanos não concordariam muito com isso… Quem já esteve sob o abraço do Urso é que sabe…
    .
    “”A Europa era para estar em paz, cada um exercendo sua zona de influência… “”
    .
    Se existem “zonas de influência”, então não há como haver paz de fato. Afinal de contas, haverá aquele que influencia, o “opressor”, e aquele que é influenciado, o “oprimido”… A paz, na forma elementar, pressupõe cada um viver no seu canto, sem por banca pra cima de ninguém…
    .
    “”Se ainda somos atrasados em vários aspectos, devemos aos Europeus e aos Estados Unidos…””
    .
    Vem da Europa e EUA toda a ordem cultural e social que ( ainda ) temos, na forma dos ideais greco-romanos ( filosofia grega e direito romano ) e dos princípios iluministas, reforçados pelos princípios democráticos oriundos da gênese americana, que foram adotados por nós…
    .
    O que o País não consegue realizar, é por culpa de si mesmo… Burocracia, impostos… Tudo isso inibe o surgimento das forças necessárias ao progresso. Pra se ter uma ideia de como a situação é bizarra, o Brasil está perdendo investimentos para o Paraguai!!! Enquanto num país bem ordenado se leva um punhado de dias pra se abrir um empresa, aqui no Brasil se mais de mês…!

  89. Cláudio ( 27 de outubro de 2016 at 23:45 );
    .
    Conselho de Segurança da ONU reflete poder militar, pura e simples…
    .
    E você acredita mesmo que os cinco grandes abririam espaço para outros…?
    .
    Caríssimo, o Brasil deveria manter-se o mais afastado o possível do CS; isso sim! Deveria no mínimo retornar a sua política neutra dos anos 70, levando adiante seus planos de forma o mais independente possível.

  90. Penso que a Rússia poderia rebatizar este Missil ,o chamando de ** O SUPOSITÓRIO DE TIO SAM **,seria o nome PERFEITO !!

  91. A alemanha Nazista queria o leste europeu mas sabia que a Inglaterra e a Franca não iam deixar isso acontecer é o que que Hitler fez ? Nada mais que subversão falou aue os Britanicos e francese q queriam guerra e mostrou o mapa mundi com as colonias deles e falou quem é o malvado aqui . A famosa paz para fazer a guerra ! Qualquer semelhanca com a Russia moderna não é mera coincidencia ! E alias pros russofilicos ai em cima a Merkel veio pedir de joelhos para o Obama não deixar a Ucrania não mão e os Franceses e Britanicos são os que mais imploram por uma intervencao americana na Siria não sei aonde o sujeito fala que a Europa é subsirviente ! Ainda diz que faz RI na USP kkk é por isso que nossa diplomacia ta cheia dos top top

  92. Vocês insistem com algo que não reflete a realidade. Se os Americanos mantêm bases na Ásia, é obvio que o objetivo é usá-la para intimidar uma potencia regional não alinhada a sua política externa.
    O Japão recebeu muito incentivo dos Estados Unidos, inclusive, recentemente, na mudança da própria Constituição que proibia o uso das Forças Armadas no estrangeiro.

    Eu não escrevi que o povo Europeu “prefere” aos Russos do que aos Americanos, eu escrevi que, “o povo Europeu, principalmente o Alemão, já não aguenta mais ser pau mandado dos Estados Unidos”.

    “O Iluminismo foi a base da descentralização do Capitalismo”.

    Quanto ao Augusto: suas ideias são tão mediocres que nem vale a pena debater, alias, o site aqui é bem parcial…

  93. Cláudio 28 de outubro de 2016 at 10:06
    ,
    Cláudio, o site é parcial, inclusive muitos aqui vão começar a deixar o debate de lado e partir para as ofensas. É aquela velha história: quando não se tem argumentos, se parte para a porrada.
    .
    Quanto ao augusto, vou colocar um sobrinho meu de 6a para debater com ele. Assim o jogo fica equilibrado.

  94. _rr_
    Você é um sujeito complicado em, como você mesmo disse ainda não saiu nada sobre as características e o que á de diferente em termos de desempenho desse míssil, se comparado aos antigos misseis que á russia opera, entao vamos parar de querer ser o dono da verdade e esperar mais detalhes sobre isso.

  95. A Rússia de hoje parece que “emburreceu”.
    Me desculpem a expressão mas ultimamente da especializou-se em criar alvos.
    Nos tempos soviéticos toda sua defesa e ataque eram funcionais. Sua doutrina era fazer mais com menos.
    Esse é só maus um alvo preferencial para os americanos.
    Ou vocês acham que dar mobilidade a uma desgraça como essas será fácil?
    Em caso de ataque essa merda aí nem saí do chão.
    É destruída na primeira leva. Alvo preferencial.

  96. A questão é a seguinte, mesmo a Otan liderada pelos EUA possuírem um poder militar incomparável, á russia jamais será conquistada com o uso da forca jamais, eles possuem o maior país do mundo com grandes riquezas naturais e tecnologia de ponta, á médio e longo prazo as suas riquezas farão da russia um país muito mais relevante do que é hoje.

  97. Dinheiro muito melhor emprego encontraria em SSBNs ou em lançadores móveis.
    Mas não, criam um desses aí para servir de alvo.
    E depois mais dez réplicas para inflar de ar e tentar confundir os Americanos.
    Como se não balões de ar em formato de mísseis balísticos fossem dar alguma proteção aos Russos.

  98. Cláudio,
    “Se ainda somos atrasados em vários aspectos, devemos aos Europeus e aos Estados Unidos, menos a Rússia.”
    Você com certeza entende muito de Relações Internacionais e eu respeito sua aversão aos EUA que de santo não têm nada, mas deveria se dedicar um pouco mais às Relações Nacionais porque esse seu enunciado acima é de uma ingenuidade tremenda.
    Você começa seu comentário das 21:19 fazendo chacota com os “Especialista de Defesa e Engenharia” e depois vem com uma pérola: “Primeiro, numa eventual invasão as fronteiras da Rússia, toda a OTAN e as forças Americanas seriam massacrados em horas”
    Você coloca a sua opinião e a justifica com o o argumento: “o nível de profissionalismo das Forças Armadas Russas vem aumentando “a cada dia””.
    Ora! não dá pra dar crédito nesse tipo de “achismo conclusivo”. Acaba que você mostrou ser tão “especialista” como todos nós, e com um argumento bem “meia boca”.
    Depois você ainda engrena uma outra belezura de pensamento lógico: “Esses dias mesmo, um oficial do Exército Americano disse a imprenssa que os Estados Unidos preparam uma resposta cibernérica a Moscou, em relação ao ataque cibernértico sofrido pelo mesmo.
    … e o oficial destacou que os Russos têm o mesmo potencial de revidar e causar danos as estruturas dos Estados Unidos.”
    Ora! Mas o que tem a ver a opinião de um “oficial americano cabeça de bagre sei lá quem” com comprovar a capacidade russa de ataque cibernético? Os caras vão ao espaço, têm bombas nucleares, caças de alta tecnologia, submarinos nucleares… claro que eles têm capacidade de realizar um ataque cibernético contra EUA e nem precisamos da opinião desse “oficial” americano. Se nós aqui, que somos o fim da picada tecnológica mundial ficamos “molhadinhos” com nosso ITA e com a nossa USP, imagine o que os russos são capazes de fazer?
    Seu discurso tem hora que fica difícil de acompanhar. Quer dizer que se a Europa está querendo desenvolver tanques mais modernos tendo em vista o Armata é porque os russos são fodões? Isso ocorre há pelo menos 70 anos e só agora você notou que existe uma corrida tecnológica entre a OTAN e a Rússia/China?
    Ninguém menospreza a Rússia. Muito pelo contrário. Tem a OTAN aí pra comprovar e tem as 7000 ogivas nucleares americanas que não me deixam mentir. Ou você acha que os EUA tem todo esse armamento pra segurar uma invasão de hordas de mexicanos zumbis?
    E depois você fecha dizendo que o Brasil, que você julga ser lacaio e colônia americana, deveria ter assento permanente no CS da ONU? Você que estuda relações internacionais sabe o que é preciso para ter um assento no CS? É capaz que nem o Gabão vai nos apoiar.

  99. Ronilson entenda a Otan não quer conquistar a Russia, ela esta lá para defender a primazia ocidental e suas organizações. É claro que a Russia não gosta da primazia que cultiva a democracia, ate porque eles são um ditadura, uma oligarquia que quer se manter no poder é claro que vão se sentir ameaçados por países fronteiriços que cultivam o oposto é ao que parece a elite russa esta disposta a bater de frente, destruir ou barganhar contra o ocidente. É o mesma coisa que aconteceu na Europa entre Napoleão e as coalizões europeias, o mesma da 1GM, 2GM e guerra fria. Assim como a Russia tema o ocidente o ocidente teme a Russia. Assim como a URSS que tinha influencia no leste europeu a Russia quer ter porque se sentem seguros assim, assim como os países europeus e os americanos querem a Russia bem longe e assim fazem pela primazia econômica politica e militar (União Europeia e Otan ). Eu particularmente vejo a Russia hoje como a Franca napoleônica, à Alemanha do Kaiser e a Alemanha Nazista, o Japão imperial, a Itália Fascista e a URSS e aposto que a maioria dos que comenta aqui tem a mesma opinião.

  100. Se você quiser argumentar que os EUA não são superiores militarmente e não sairiam vitoriosos numa eventual guerra convencional contra a Rússia porque apesar de seu orçamento de defesa ser 10 x maior que o da Rússia a maior parte é para bancar suas bases em todo o mundo e não para pesquisa e desenvolvimento e aquisição de novos meios; ou que os EUA não conseguiriam chegar a tempo de reforçar a OTAN num caso de ataque russo preemptivo; ou que apesar do poderio militar americano esse poderio é diluído em todo o mundo e pontualmente a Rússia poderia concentrar mais forças, ou dizer que a motivação e o espírito guerreiro e nacionalista russo na hora do pega pra capar vão falar mais alto que o espírito de americanos, britânicos, alemães, etc., todos nós entenderemos seu ponto de vista, mas daí a dizer debochando que somos “especialistas” e logo a seguir vir com a pérola: “Primeiro, numa eventual invasão as fronteiras da Rússia, toda a OTAN e as forças Americanas seriam massacrados em horas”, sem dar maiores explicações, e ainda querer ser levado a sério é brincar com nossa inteligência, que apesar de não sermos estudantes de Relações Internacionais temos, todos nós juntos que você julga “especialistas” um razoável conhecimento sobre o assunto em pauta para refutarmos esse tipo de argumentação piegas e claramente ideologizada.

  101. Augusto
    Á Otan só não invadiu á russia ainda por causa das armas nucleares, ou você dúvida disso?
    Os EUA e a Otan estão precionando de mais os russos estão acuando o urso, por isso à Rússia nunca foi tão perigosa como ela é hoje.

  102. Um eventual conflito contra a Rússia de imediato não é determinante para uma inevitável escalada nuclear. Muito água passaria debaixo do ponte ante disso acontecer.
    Como bem disse o Augusto a OTAN não quer “invadir” a Rússia e apenas no caso de se ver encurralados é que ambos os lados lançariam mão de suas armas nucleares.
    Essa escalada nuclear inicial seria eminentemente tática, dentro da doutrina que se estabeleceu na década de 80 como sendo a de “escalada gradual”. Um ataque nuclear tático de um ou de outro lado não significa imediatamente uma resposta dentro do conceito MAD (destruição mútua assegurada). Sequer haveria a participação de mísseis ICBMs e SLBMs.
    O cenário em que haveria trocas de tiro nuclear entre a Rússia e os EUA não é necessariamente o mesmo de um conflito na Europa, no âmbito da OTAN.

  103. No mais acho chato essa discussão ocidental vs aqueles que não gostam do ocidente. Deviríamos estar falando do míssil e da doutrina que ele pode ser empregado ou da doutrina nuclear e como icbms são usados mundialmente tem 123 comentários é a maioria é de briguinha

  104. MadMax,
    “Dinheiro muito melhor emprego encontraria em SSBNs ou em lançadores móveis.”
    Concordo!
    Dentro dos atuais tratadas não há muito espaço para manobra, mas com a retirada dos mísseis SS-18 (R-36) eu também acho que em vez de desenvolverem um outro míssil gigante para substituí-lo deveriam investir em mísseis RS-24 móveis e em SLBMs.
    Por pelo menos mais uns 30 anos não haverá tecnologia capaz de deter um ataque em larga escala.

  105. Augusto
    Você tem razão deveria voltar ao tópico, já que a sua histeria ant russa atingiu o seu ápice ao comparar a Rússia de hoje com a Alemanha nazista aff

  106. Cláudio ( 28 de outubro de 2016 at 10:06 );
    .
    Evidente que as bases americanas são um fator de dissuasão. Não disse o contrário. Apenas disse que elas nasceram dentro de uma conjuntura específica, que as permitiu estarem ali.
    .
    Seja na atual conjuntura ou em outra na qual não houvesse ocorrido a SGM, o Japão muito provavelmente ainda seria visto como ameaça potencial pelos outros países da Ásia. Assim sendo, a evolução de sua industria bélica seria um passo natural, com ou sem incentivo americano.
    .
    Eu realmente acredito que os europeus não amam os americanos em tudo… Mas entendi que você falou claramente no sentido de que os europeus não querem mais os mesmos compromissos com os americanos, quando não é essa a realidade. Muito pelo contrário. Os países do leste europeu em particular projetam nos russos a principal ameaça as suas soberanias.
    .
    O iluminismo reforçou o secularismo, que desembocou no laicismo… Isso permitiu a rápida evolução da ciência e, ao contrário, casou com o capitalismo e resultou na nossa atual evolução tecnológica.

  107. Ronilson,
    .
    Não é “ser dono da verdade”. É discutir a lógica por trás de um ato… É isso o que estou fazendo.
    .
    E diante do que os russos já tem, investir nesse míssil, indo na contra-mão de tudo o que o mundo faz, é digno de discussão.
    .
    Por fim, retorno a você a sua lógica: será que todo o resto do mundo não sabe o que faz e só os russos é que estão certos?
    .
    Eu prefiro acreditar em uma conjuntura específica que levou os russos a adotar essa arma… E eu estou inclinado a acreditar que muitos desses fatores podem não estar relacionados ao meio puramente técnico…

  108. _rr_
    Talvez a doutrina russa seja diferente dá do resto mundo ora, mas prefiro esperar pra ver o que tem de novo nesse míssil, para os russos investirem nele e anunciarem para o mundo com um certo orgulho de sua nova arma.

  109. ”Ronilson 28 de outubro de 2016 at 11:22
    Augusto
    Acho muito exagero comparar á russia de hoje com a Alemanha nazista etc etc etc”
    Como eu falei eu acho chato essa discussão mais como você me respondeu vou ter da uma resposta também .
    Alemanha Nazista queria o leste europeu o ”espaço vital” assim como o nome disse os Alemães que só conquistando esse território é que teriam uma vida digna e conseguiriam manter seu sistema politico(Nazismo) vencendo os desafios geográficos e o ciclos econômicos e assim ter o Reich de 1000 anos. É sabiam que os países ocidental principalmente o RU e a França não deixariam isso acontecer e que lutariam por isso Hitler diante dessa conjuntura decidiu fazer a estrategia paz (com ocidente) para fazer guerra (leste europeu). Bom a Russa moderna não é uma pais totalitária como a Alemanha Nazista mas é um estado policial no qual uma oligarquia quer se manter no poder e sabe que vai enfrentar desafios para isso geográficos e econômicos principalmente o ultimo que a ciclos e sabe que na ordem mundial e hoje não conseguiram manter esse poder interno e para isso querem seu ”espaço vital ” que seria os países do leste europeu para poder respirar mesmo que se os povos desses países não queriam ficar do lado deles e assim como Hitler, Putin sabe que o ocidente não ira atura isso e assim como Hitler esta tentando de todos as maneiras destruir a ordem feita por esses paises ocidentais para atingir seu objetivo e assim como Hitler usa essa estrategia demagoga de subversão da paz para fazer a guerra !

  110. Não me julgo especialista em nada.
    É obvio que numa eventual guerra nas fronteiras da Rússia, a OTAN e os Estados Unidos seriam derrotados, é tão obvio que os Americanos estão concentrando mísseis nas ex-Repúblicas da União Soviética.

    Toda essa situação foi criada pelos Estados Unidos, os americanos cruzaram a “linha vermelha” e a Criméia foi invadida pelos Russos.Volto a dizer: o povo Europeu não aguenta mais a Política Externa Américana, faz o seguinte: pesquisa sobre o autor Moniz Bandeira, autor do livro, “A Segunda Guerra Fria”, assista entrevistas também, informe-se melhor, veja o dia a dia do povo Europeu.

    Em relação ao Brasil

    O que eu disse não é mentira, o Brasil sempre será um satélite dos Estados Unidos.

    O Brasil nasceu grande (1530), sob o contexto mundial da época, eramos produtores e exportadores de açucar, se o Brasil não fosse importante, corsários Franceses, Ingleses, Holandeses… não navegariam a Costa Brasileira em busca de riquezas.

    Quando Deodoro da Fonseca assume a Presidencia da República, em 1889, por voto indireto, o Brasil passou por momentos de incertezas, de um lado: as aristocracias rurais (latifundiários) com forte apoio dos Estados Unidos e da Inglaterra; do outro: a crescente burguesia indústrial (Classe média) e os militares que apoivam o progresso indústrial Brasileiro.

    A Proclamação da República não mudou a mentalidade das aristocracias rurais, ela serviu apenas para descentralizar o poder real. Enquanto o mundo se modernizava com a Revolução Indústrial, o Brasil continuava com a mentalidade escravista e exportadora de açucar, café e borracha (lembando que o ciclo da borracha durou 40 anos).

    A aristocracia rural sempre foi contra a modernização da nossa economia, ela dominava a economia e achava que a importância do Brasil estava apenas na exportação de generos alimenticios, enquanto isso: os Estados Unidos e a Europa, defendiam e apoivam com mãos de ferro a ideia retrógrada das aristocracias, afinal, um Brasil indústrializado seria uma pedra no sapato dessas super potencias.

    “Muito empréstimos foram feitos as custas do trabalhador pagador de impostos para comprar o excedente do café das aristocrácias rurais”.

    Sobre o Conselho de Segurança, defendo que o Brasil seja protagonista da América do Sul, defendo também que tenha forças armadas de acordo com as necessidades do nosso país e do mundo…

  111. Cláudio,
    “É obvio que numa eventual guerra nas fronteiras da Rússia, a OTAN e os Estados Unidos seriam derrotados, é tão obvio que os Americanos estão concentrando mísseis nas ex-Repúblicas da União Soviética.”
    Que lógica é essa? Parece lógica de manicômio!!!
    O que tem a ver o fato de ser “óbvio” que a OTAN seria derrotada com o fato dos americanos estarem concentrando mísseis nas ex-república soviéticas?
    Que argumentação mais esdrúxula!
    O fato dos americanos estarem concentrando (?????) mísseis nos ex-lacaios russos pode significar um monte de coisas, mas menos isso que você concluiu.

  112. bosco123 28 de outubro de 2016 at 11:10
    .
    …porque apesar de seu orçamento de defesa ser 10 x maior que o da Rússia…
    .
    Bosco, se o seu critério para definir quem é militarmente mais forte ou fraco for o tamanho do orçamento de defesa, os EUA ficariam em primeiro e a em segundo viria a Arábia Saudita!!! Sim, a ditadura saudita seria a segunda maior potência militar do mundo, superior à Rússia e à China. Mas eles não conseguem vencer nem os paupérrimos houtis do Iemen.
    .
    Além disso, a História está repleta de exemplos de exércitos pobres que sobrepujaram exércitos milionários. Vou citar alguns: o Império Persa tinha uma população muito superior à da Grécia, era muito mais rico, muito mais influente e muito mais coeso que os divididos gregos. Quem venceu a Guerra? vamos citar outros exemplos: Atenas X Esparta. Os espartanos eram mendigos comparados aos atenienses. Os atenienses tinham um poderio naval que os espartanos jamais conseguiriam igualar. Quem venceu? EUA x Vietnã, quem venceu? Muitos dizem que os EUA poderiam destruir o Vietnã se quisessem. Concordo com isso somente se eles utilizassem armamento nuclear; usando convencional, não poderiam, nem se eles se dispusessem a pagar o alto preço que eles não estavam dispostos a pagar. Podemos citar os mongóis de Gengis khan x China, e muito outros exemplos históricos. Escute a História, Bosco, ela nos dá sabedoria.
    .
    Só na sua cabeça, e dos americanófilos daqui, que os EUA eram superiores tecnologicamente em armamento aos russos. Os dois lados sempre foram parelhos. Um lado assumia a liderança tecnológica em determinado assunto; o outro tratava de correr atrás e igualar. Sempre foi assim. Os americanos tiveram sim uma oportunidade única de atingir a primazia na década de 90, logo após o colapso da URSS. Nesse momento, tivessem sido mais espertos, poderiam ter assumido uma dianteira frente à Rússia que seria muito difícil de suplantar; mas preferiram fazer guerras contra o Iraque, Afeganistão, Iugoslávia, etc. Pior para eles, agora é tarde. Perderam um pênalti, agora o jogo é duro e vai para prorrogação.

  113. Professor,
    Estou me referindo à relação OTAN/Rússia hoje e não aos 300 de Esparta ou à relação OTAN/Pacto de Varsóvia do tempo do ronca.
    Em relação ao “orçamento”, não coloque palavras na minha boca. Usei-o exemplificadamente e até coloquei imediatamente um contra-argumento.
    Não acho que orçamento defina capacidade militar porque se achasse o Brasil teria forças armadas melhores e mais capazes que as de Israel e isso definitivamente não acontece.

  114. Profi,
    Você está nessa lida há muito tempo pra ficar insistindo com essa comparação de Vietnã com os EUA. Não compare alhos com bugalhos.
    Aquilo foi uma guerra assimétrica mas no caso da OTAN x Rússia será uma guerra de alta intensidade onde a capacidade tecnológica, numérica, treinamento, doutrina, etc. , são fatores muito mais fáceis de aferir e de relacionar com um dado resultado e com bem menos variáveis que as encontradas em operações assimétricas.
    Se eu estiver errado então podemos dizer adeus a qualquer tipo de planejamento e projeção e mandar o Ministério da Defesa às favas.

  115. Professor,

    Guerra é uma coisa suja, cruel e sem dó. Ambos os lados jogam sujo (Rússia e Estados Unidos). Se acontecer, será uma coisa jamais visto antes. Não haverá tempo para procurar abrigos ou qualquer tipo de proteção. Eu insisto mais uma vez: se a NATO e os Estados Unidos tentarem fazer guerra convencional nas fronteiras da Rússia, ‘com a Rússia’, os mesmos serão massacrados. Vai existir vencedor? não, pois a Rússia também sofrerá danos.

    Uma guerra com essas proporções, seria uma guerra patriótica para os Russos.
    Nível tecnologico? os Russos também tem, só não podem dar atenção a tudo ao mesmo tempo, muito diferente dos Estados Unidos, que tem vários projetos sendo desenvolvidos ao mesmo tempo..

    O mais engraçado disso tudo é, vejo os comentários aqui e fico impressionado o quanto eles sonham com o poderio americano destruíndo a Rússia e a China!

  116. Deixando essas passagens geográficos, históricos (principalmente sobre expansionismo da dinastia dos Rjurikovitch dado pelo _RR_) e políticos podemos citar seguintes afirmações deste tópico :
    1. Misseis pesados da classe Satan/Sarmat podem ser substituídos pelas Topol/Yars/Bulava com 100% de segurança na paridade com OTAN.
    2. Continuidade de “estado de alerta” desses misseis prontos e abastecidos é muito curto.
    3. Tempo de abastecimento dos misseis russos da 3,4 e 5 geração impede qq tipo de resposta imediata.
    4. Os silos de lançamento desses misseis podem ser FACILMENTE atingidos e destruídos.
    5. Etc.. (e tem bastante por ai ainda)

    Gente! De onde vem essas informações? Esses achismos!Que loucura..
    Tempo típico de “estado de alerta” de uma divisão RVSN é de 90 a 180 dias ou mais mesmo com combustível liquido.
    Tempo de abastecimento médio – entre 5 a 8 minutos (Um míssil Scud demora mais tempo para ser abastecido que um Voevoda ou Sarmat.Somente colocar num tanque interno do Scud aqueles 45 litros de oxidante demoram este tempo todo)!
    Os silos de SS-18 (praticamente os mesmos do possível Sarmat) só não aguentam um nuke de 200kt na cabeça (raio mínimo de 200m para gerar 7000 psi de pressão).
    As plataformas dos lançadores moveis levam bom tempo para deslocar para pontos de lançamento.E estes pontos , na maioria dos casos , são conhecidos pela OTAN.Não são carros de rally e sempre estão sendo acompanhadas pelos dezenas dos carros de comboio.
    E nenhuma(!) das plataformas Topol/Yars/Bulova leva tanta “porcaria” para criar a nuvem das ogivas falsas junto com fitas de alumínio , bolinhas das ogivas infláveis e etc.
    Nenhum dos sistemas moveis possui algo do tipo de Mozyr’ e precisa ser defendido pelos complexos e sistemas AA e EW dos vários níveis,
    Resumindo.
    Hoje economicamente e estrategicamente é mais viável (para Rússia) manter o andamento do programa Sarmat pois precisa substituir Voevoda (validade ate 2020). E não precisa de desenvolver e/ou construir novas “unidades padronizadas de lançamento”(silos) ou novos submarinos ou qq que seja coisa de zero.
    É so verificar quantas cargas especiais podem ser lançadas a partir desses sistemas(Yars/Topol-M/Bulava) na forma imediata (como resposta).
    Um abraço!

  117. Scudb
    Muito bom seu comentário, o problema é que tem comentarista aqui, que acha que sabe mais sobre o que é certo e o que é errado, para a defesa russa do que os próprios russos.

  118. Ronilson,
    O que mais tem é comentarista aqui e em outros espaços que acha que sabe mais que os próprios americanos acerca de suas necessidade de defesa americana e o que mais vemos são críticas a respeito do F-35, do B-2, do DDG-1000, dos porta-aviões, do F-22. Então, não me venha com esse discurso politicamente correto.
    Cabe sim num forum de discussão sobre o tema fazer questionamentos a respeito de um sistema que o mundo inteiro considera obsoleto e que de uma hora para outro é colocado como sendo a arma mais formidável já inventada pelo homem e que muitos defendem mas não apresenta nenhum argumento consistente.

    Scud,
    Esse sistema Mozyr sequer sabe se funciona ou se será mesmo implantado. Você há de concordar comigo que ele parece muito bizarro pra funcionar. Se isso acontecer e os outros países copiarem estará resolvido o problema do baseamento de ICBMs.
    Essa promessa “soviética” de um sistema de de defesa de silos à queima roupa vem desde muito tempo e nunca se concretizou ou se confirmou que funciona. Pode ser apenas mais uma boa intenção que não vai vinga.
    Quanto ao míssil em si, até 2017 os EUA e a Rússia devem contar só com umas 1500 armas nucleares operacionais, dos quais metade serão instaladas em sistema estratégicos. Até onde se sabe e não tenho nenhum dado pra pensar diferente, por melhor que seja o motor foguete líquido desse foguete ele é complexo de manter e operar. E por mais rápido que seja a pressurização do tanque de combustível ele ainda assim não seria uma arma ideal para contra-ataque . Ou seja, é uma arma de primeiro ataque, o que vai de encontro à tendência estabelecida entre a Rússia e os EUA.
    Também a grande carga útil (até possivelmente 10 t) não está em consonância com os atuais tratados de redução de armas (SORT e New STAR).
    Um abraço.

  119. Amigo Bosco!
    Primeiras versões de Mozyr’ foram testadas no final dos 80s no polígono de Kura (Kamchatka).
    E foi incorporado no projeto de Sarmat no final dos 90s e faz parte como “sistema de defesa ativa”. Inclusive parte das pesquisas serviu para realização pratica de defesa dos tanques (Drozd, Arena e Afganit). Foram mais de 250 engenheiros trabalhando com tema!
    Em relação de tempo de resposta dum míssil pesado pode considerar que em “estado de alerta” precisa menos de 20 minutos para ser completamente pronto.Quase tudo é automatizado e ate aceleração dos giroscópios foi reduzida significativamente.
    Peso.
    Sarmat deve levar menos de 10t de carga entre ogivas (4.350 kg) e “bonecas”. E para substituir mais de 100 misseis atuais (Voevoda e UR-100) os russos vão precisar mais de 150 Sarmat ou quase 650 sistemas Yars!
    Um abraço!

  120. O professor está completamente errado sobre a equivalência tecnológica da União Soviética com os americanos.

    “” poderiam ter assumido uma dianteira frente à Rússia que seria muito difícil de suplantar;””

    Os EUA continuam a frente da Rússia, com muitas exceções é verdade, mas continuam a frente.

    Tá ficando desnecessário esse tipo de debate.
    De novo a discussão se perde na torcida ideológica pura.

  121. Cláudio ( 28 de outubro de 2016 at 12:31 );
    .
    Há uma diferença imensa entre o que se pensa acerca de um único elemento ( no caso, os EUA ) e as reais necessidades, que implicam em avaliar o que se pensa acerca dos outros e também o que todos os outros pensam acerca de si ( aí inclusos russos também )… Logo, a opinião do cidadão comum acerda de um único país passa longe de elemento decisivo acerca da analise da real necessidade; de uma avaliação isenta do que se precisa e de que posição tomar… E esta necessidade é fruto de uma analise de potenciais adversários. Resumo: antes de se perguntar o que os europeus pensam dos americanos, veja o que eles pensam dos russos e de si mesmos…
    .
    Você também generaliza… Até onde sei, as maiores críticas aos americanos partem de franceses e alemães, mais próximos de Moscou. Mas quem é do leste, definitivamente não pensa amores dos russos… Busque informações na imprensa, de diversos veículos… Vai ver que, nesse instante da história, a principal ameaça a soberania do leste não consiste nos americanos… Aliás, a Crimeia, citada por você, provou isso…
    .
    Só um exemplo:
    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2014/09/02/interna_mundo,445171/historico-medo-da-russia-volta-ao-leste-europeu-e-lembra-ocupacao-sovietica.shtml
    .
    Agora, se há uma coisa que todos os europeus, principalmente do leste, reclamam pra caramba, é a posição menos ativa dos EUA na aliança, desviando o melhor de seus recursos para a Ásia.

  122. Bom, enquanto discutimos aqui o quanto o povo europeu odeia a política externa americana, o Reino Unido, França, Bélgica e Alemanha estão se preparando para mandar seus tanques para a fronteira da Rússia no ano que vem. Hoje mesmo o ministro da defesa da Alemanha confirmou que a Bundeswehr vai enviar Leopards2 para a Lituânia junto com soldados.

  123. Professor ( 28 de outubro de 2016 at 13:45 );
    .
    Vitória é decidida pelo equilíbrio entre estratégia, clima, terreno e um volume mínimo de forças para se fazer valer, além de uma boa dose de motivação e preparação…
    .
    No caso específico do Vietnam para os americanos, não havia justamente a motivação. E a estratégia era ditada por quem nada entendia dela.
    .
    As forças americanas sempre lutaram tolhidas de uma verdadeira liberdade de ação. Todos os aspectos estratégicos ( e mesmo muitos aspectos táticos ) eram decididos nos EUA, longe do teatro de operações, e normalmente por mão política.

  124. ScudB ( 28 de outubro de 2016 at 14:40 );
    .
    Não creio que é uma questão de substituir o míssil… É a ausência ou não da necessidade de se tê-lo… O míssil Yars também é disparado de silos. Salvo melhor juízo, já existem ao menos dez deles em posições fixas.
    .
    Até onde sei, o único sistema russo de defesa contra ICMB atualmente em atividade é o A-135, que protege o círculo moscovita de forma muito limitada… Logo, é inevitável que alguma coisa chegue aos silos russos… Mesmo a entrada em serviço do S-500 não resolverá plenamente a questão até o fim dessa década.
    .
    200 kt é o que leva um míssil Tomahawk pelos dias de hoje. Mísseis Minuteman podem ser armados com ogivas W78 e W87, com cerca de 300 kt… Mesmo que o silo não seja rompido, é inevitável que ocorra algum dano estrutural, logo capaz de comprometer dispositivos vitais e impedir o lançamento da arma.

  125. Scud,
    Eu acho prematuro sabermos se o Mozyr vai ser implantado realmente. Se obtiver sucesso na defesa de silos de mísseis e for mesmo implementado ele irá reverter a tendência de utilizar armas nucleares para destruir outras armas nucleares e aí alvos civis podem voltar a estar na pauta.
    A única serventia do Mozyr é defender silos que obriga uma detonação ao nível do solo (ou subterrânea) e ele não tem nenhuma serventia para defender alvos de área, em que a detonação nuclear ocorra no ar, como cidades. Isso pode ser temerário já que representa um retrocesso doutrinário para ambos os lados.
    Quanto a serem necessários 700 mísseis “convencionais” para conseguir cobrir a retirada dos SS-18 e SS-19 aí eu penso que salvo se os russos se retirarem do atual tratado de redução em vigor (New START) haverá uma radical redução das armas nucleares salvo engano a partir de 2017 ou 2018. Cada um dos países não poderá ter mais que 1550 “armas” nucleares (na forma de ogivas e bombas táticas e estratégicas) e não mais que 700 sistemas de entrega estratégicos (ICBMs, SLBM e bombardeiros).
    Somando as ogivas programada para o Topol (as duas versões) e o Yars e temos algo em torno de 200 ogivas. Ficam sobrando 500 para instalar nos SLBM R-29 e R-30 (Bulava). Hoje há algo em torno de 700 ogivas só nos submarinos. Ou seja, a ser obedecido o New Start e haverá uma redução na quantidade de ogivas navais.
    Ainda fica faltando pra fechar a conta com os mísseis cruise lançados dos bombardeiros.
    Ou seja, ou essa tratado assinado pelo Obama e pelo Putin será rasgado ou é muito míssil pra pouca ogiva.
    Um abraço e é sempre um prazer dialogar que você.

  126. Amigo Bosco!
    Nisso nem discordo! Temos que fazer de tudo que depende da gente (inclusive o espaço da trilogia deve e faz sua parte de “esclarecimentos” sobre os mecanismos e importância) para fazer o mundo pensar do mesmo jeito : reduzir qq tipo de armamento “pesado” ate o mínimo dos mínimos!
    Por mim toda essa tecnologia ja devia ser aposentada e esquecida.
    Se eles querem “brincar” – boa instalar os explosivos no Kremlin e Casa Branca e entregar os controles para os lados opostos : se tu explodes eu expludo!E acabou…Fácil? 🙂
    Uma graaaaande observação (que muita gente esquece): os cálculos quantitativos de paridade foram feitos em função de disponibilidade momentânea garantida (“estado de alerta” e tempo de reação) e “tecnologia” do momento de assinatura de tratado (alem dos estudos sobre sobrevivência da humanidade contra numero das cargas detonadas ,fatores econômicos , etc.. que gente nem deve considerar como prioritários vindo dos GRANDES políticos e generais).
    Ou seja : os dois lados (Russia e OTAN) sabem que na hipótese de GRANDE M… acontecer somente parte dos artefatos estarão disponíveis para disparo.Se diminuir para um numero relativamente controlável entram CIA , KGB , MOSSAD , etc e fica difícil confiar num sistema desses.Ai um bom senso não manda neste caso.Sao instintos , medos , desconfianças ..E ainda tem China, Iran , Coreia do Norte , Israel , Paquistão , India , …
    Nao é fácil meu amigo..
    Prazer é meu.
    Um abraço!

  127. Esqueci!
    Hoje aconteceu um quarto teste sucessivo da ogiva hipersônica (15Ju71 ou Ju-71 ou “objeto 4202”) lançada pelo Stiletto (SS-19/UR-100).
    Um abraço!

  128. Augusto,
    O que sei sobre esse sistema inicialmente foi pela wiki em russo: https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%A1%D0%B0%D1%80%D0%BC%D0%B0%D1%82_(%D1%80%D0%B0%D0%BA%D0%B5%D1%82%D0%B0)
    E neste site: -http://eurasian-defence.ru/?q=node/2626-
    E dessa página de busca: -https://www.google.com.br/search?q=%D0%A0%D0%B0%D0%B7%D1%80%D0%B0%D0%B1%D0%BE%D1%82%D0%BA%D0%B0+%D0%BA%D0%BE%D0%BC%D0%BF%D0%BB%D0%B5%D0%BA%D1%81%D0%B0+%D0%B0%D0%BA%D1%82%D0%B8%D0%B2%D0%BD%D0%BE%D0%B9+%D0%B7%D0%B0%D1%89%D0%B8%D1%82%D1%8B+%D1%88%D0%B0%D1%85%D1%82+%D0%9C%D0%BE%D0%B7%D1%8B%D1%80%D1%8C&rlz=1C1GGGE_pt-BRBR638BR638&biw=1024&bih=638&source=lnms&sa=X&ved=0ahUKEwj6tPbu2P7PAhUBG5AKHX0FClUQ_AUIBygA&dpr=1-
    E mais o que você deve ter visto na wiki em inglês.
    Não há muitos dados disponíveis.
    Por isso eu não estar muito confiante no sistema, que me parece complexo, e enquanto não soubermos de testes reais, recorrentes, e bem sucedidos, não se pode dizer que o sistema tem chances de ser colocado em operação.

  129. Amigo Augusto!
    Basicamente o sistema Mozyr’ é um campo de tubos (entre 80 a 100) com cargas de pólvora que disparam os artefatos de metal “de boa qualidade” contra possível ogiva em aproximação dos silos de lançamento na área de cobertura.Sao mais de 10000 bolinhos e flechas disparados contra o alvo detectado pelo sistema a base de IRS (isso devido a concentração de ar quente de entrada da ogiva na velocidade hipersônica).Nao se trata de radar nem sistema AA em sim.A coisa funciona como uma “nuvem” direcionada contra o alvo e jogada ate 6km de altura.
    Isso é descritivo.
    Na pratica foram testados vários algoritmos , formatos dos elementos disparados , velocidades , densidades e etc. E com uma grande frequência pois o polígono de Kura recebia praticamente todos os lançamentos da época e recebe ate hoje.Logo testar aproximação da ogiva (mesmo com carga burra) era questão de meses.Inclusive daria ate para ver o resultado de teste.So o Satanas (R-36) foi lançado 62 vezes (com poucas vezes de falha).Imagine o material que eles coletaram para aprimorar o sistema.
    O engraçado que Mozyr'(a origem do nome do projeto) em si é uma cidade pacata da Bielorussia que não tem nadissimo a ver com o projeto.Vai entender esse povo..
    Tenho alguns fotos da área de teste mas são bem feias e sem significado visível. Hoje essa área ja foi terraplanada para fins de reflorestamento (mas posso estar enganado :)).
    OBS : possivelmente o amigo Bosco tem alguma informação complementar.
    Um abraço!

  130. Grande Bosco, a enciclopédia de mísseis da Trilogia.
    Que ainda se dá ao trabalho de discutir com malucos cegos pela ideologia. Queria ter essa paciência tua…

    Cordiais saudações.

  131. REQUENA 28 de outubro de 2016 at 22:31
    .
    Que ainda se dá ao trabalho de discutir com malucos cegos pela ideologia.
    .
    Você consegue enxergar a cegueira dos malucos ideológicos; mas é uma pena que não consiga enxergar a sua própria cegueira
    .
    Os defeitos dos outros são tão nítidos; os próprios é que são embaçados.

  132. _RR_ 28 de outubro de 2016 at 18:07
    Professor ( 28 de outubro de 2016 at 13:45 );
    .
    Vitória é decidida pelo equilíbrio entre estratégia, clima, terreno e um volume mínimo de forças para se fazer valer, além de uma boa dose de motivação e preparação…
    .
    _RR_, grandes observações. Mas existem outros fatores, inclusive o imponderável. Por exemplo, durante a Primeira Guerra Púnica (Roma X Cartago), Roma deparou-se com a formidável força naval de Cartago, muito superior tecnologicamente. Até ocorrer o imponderável: uma tempestade afundou uma frota cartaginesa e, num dos navios atingidos havia um manual completo que explicava, passo-a-passo e em detalhes, como construir um navio cartaginês. E esse manual caiu nas mãos dos romanos. Esse fato propiciou aos romanos se igualarem tecnologicamente aos experientes construtores de de navios cartagineses em meses. Se fossem desenvolver sozinhos essa tecnologia, provavelmente levariam décadas. Copiando os navios e táticas cartiginesas, com a ajuda dos gregos, os romanos puderam vencer a Primeira Guerra Púnica. Se não tivesse ocorrido essa fato imponderável, talvez hoje falássemos um idioma derivado do cartaginês – e não do latim.

  133. bosco123 26 de outubro de 2016 at 23:42
    .
    Agora, os russos reinventam a roda. Pra quê um monstro desses?
    Cada vez eles se superam e dizem que agora sim têm um míssil que pode furar as defesas americanas. Que defesa? Os americanos não têm nenhuma defesa contra os mísseis russos que já existem e ficam inventando moda põem mais lenha na fogueira e querem apaga incêndio com gasolina. Depois reclamam que os americanos e a OTAN fica perseguindo. rsrssss
    .
    Bosco, os russos são militares sérios. Eles sempre pensam imaginando o pior cenário possível. Sim, é verdade que os americanos HOJE não tem nenhuma defesa contra os mísses russos. Mas quem garante que um dia não possam desenvolver? além disso, o escuda anti-mísseis instalado na Polônia e Romênia podem ser transformados de algo defensivo em ofensivo, com poucas adaptações.
    .
    Então, sim, Bosco, esse escudo é uma ameaça à Rússia sim. Portanto, deve haver uma resposta sim. Russo não é bobo e não dorme no ponto. Até porque, se dormirem, os americanos atropelam e exterminam a Rússia num piscar de olhos.

  134. Professor.
    Além disso, a História está repleta de exemplos de exércitos pobres que sobrepujaram exércitos milionários. Vou citar alguns: o Império Persa tinha uma população muito superior à da Grécia, era muito mais rico, muito mais influente e muito mais coeso que os divididos gregos. Quem venceu a Guerra? vamos citar outros exemplos: Atenas X Esparta. Os espartanos eram mendigos comparados aos atenienses. Os atenienses tinham um poderio naval que os espartanos jamais conseguiriam igualar. Quem venceu? EUA x Vietnã, quem venceu? Muitos dizem que os EUA poderiam destruir o Vietnã se quisessem. Concordo com isso somente se eles utilizassem armamento nuclear; usando convencional, não poderiam, nem se eles se dispusessem a pagar o alto preço que eles não estavam dispostos a pagar. Podemos citar os mongóis de Gengis khan x China, e muito outros exemplos históricos. Escute a História, Bosco, ela nos dá sabedoria.
    .
    Afirmar que que os espartanos eram mendigos comparado aos atenienses é demais kkkkkk estude primeiro a história e so depois venha dar exemplo com estas…..
    Agora em relação a guera do vietnam, qualquer estudioso sabe que militarmente os Estados Unidos nao foram derrotados….. agora caso queiras ser do contra me de um exemplo de uma batalha no qual eles foram derrotados…
    Entao nao esqueça escute a História ……. Prof….

  135. safe 29 de outubro de 2016 at 10:34

    Em relação a Grécia Antiga, as Polis (cidades-estados) não eram unidas política e econômicamente. Esparta tinha uma caracteristica peculiar: era militarista, preparava seus guerreiros desde o berço, o poder era centralizado; já Atenas, o seu principal forte, era o comércio marítimo e a “Democracia”.

    Os Estados Unidos da América foram derrotados e humilhados no Vietnã.
    Destaco razões para o fracasso: as forças militares Americanas foram dizimadas com emboscadas – técnicas de guerrilhas – foi um verdadeiro esforço com muito patriótismo. Em consequência disso, não conseguiram reunificar o país, o Comunismo venceu.

    Na guerra das Coréias, os Estados Unidos foram derrotados pelo Norte. As maiores perdas humanas dos Estados Unidos ocorreram na Ásia.

    Guerra de guerrilha é uma coisa imprevissível, foge dos padrões normais. Não é atoa que os Americanos vem ao Brasil treinar na Amazônia.

  136. A guerra do Peloponeso não foi uma guerra entre Esparta e Atenas, Foi, como a guerra fria, uma guerra entre blocos: a liga de Delos, capitaneada por Atenas e a liga do Peloponeso, capitaneada por Esparta. Outra notória bobagem é dizer que “Esparta” (rectius: Liga do Peloponeso) não tinha um poderio naval equiparável à “Atenas” (rectius: Liga de Delos). Na verdade, na batalha definitiva de Egospótamos, a armada da Liga do Peloponeso era maior do que a armada da Liga de Delos e por isso a derrotou e obrigou a rendição da Atenas e depois de seus aliados na Liga de Delos.
    Difícil caracterizar a Guerra da Coreia como uma derrota norte americana. Quando o Japão se rendeu em 1945, a Coreia foi dividida em duas e a linha de fronteira era o paralelo 38. A Coreia do Norte invadiu a Coreia do Sul e chegou próxima de vencer a guerra mas os EUA contra atacaram, recuperaram o terreno perdido e virou um impasse. NO fim, fizeram um armistício no qual a fronteira entre as duas Coreias voltava a ser o paralelo 38 que subsiste até hoje. Contudo, os Norte Coreanos e os Chineses tiveram o quádruplo de baixas do que os norte-americanos e os sul coreanos.

  137. Os comentários do Vader e do Bosco assim como demais são extremamente técnicos e muito precisos, porém me permito dizer que são baseados nas informações que são passadas para nós através de informações de especialistas de informações que os governos deixam passar, mas deixando esse blá, blá, blá da teoria da conspiração, não esqueçamos que se os EUA e Rússia entrar num conflito nuclear não serão somente estes a entrar! Temos a China, Reino Unido, França, Israel, Paquistão e Índia lançado ogivas uns nos outros, mas principalmente Rússia e China lançado suas ogivas num único alvo, EUA! Os outros lançarão uns nos outros. As defesas contra as ogivas nucleares ficarão saturadas e não conseguirão evitar que a maioria caia e assim afirmando a doutrina MAD que diz que, como alguns muito sabiamente disseram são armas obsoletas, porém uma ponta de lança afiadíssima de forma a evitar mais guerras no mundo! Importante dizer é que sim, a raça humana bem como a maioria dos seres vivos irão perecer senão pelas explosões nucleares, mas pelos efeitos da radiação espalhados pelo planeta pela cinzas que irão retornar da atmosfera através da gravidade ou pela chuva. Segundos os especialistas os únicos que irão sobreviver serão as baratas que irão se alimentar dos resíduos que irão apodrecer e escorpiões que irão se alimentar das baratas.

  138. Se a Rússia gastasse mais dinheiro com sistemas úteis e menos propaganda certamente teria uma capacidade de combate capaz de peitar os americanos…

    Mas não…

    Preferem bufar que tem o maior dildo do planeta…

    Rússia e russófilos são piada pronta mesmo.

  139. Eu li quase tudo que foi escrito e a mim só confirmou o que eu já sabia:

    O PT destruiu os centros acadêmicos deste país, e aparelhou as universidades de forma que sou obrigado a ouvir pérolas como : “A culpa é duzamericanu”, “A Europa odeia os Americanos”, “O EU obrigam o Japão a aceitar bases em seu território”.
    Ora bolas, quem já teve a oportunidade de viajar pela Europa e conversar com vários povos do mundo encantando eurobambi sabe que Franceses e Alemães se odeiam, que odeiam os Britânicos, que odeiam os Espanhóis, que odeiam os Portugueses, que odeiam os Italianos, que odeiam os Croatas, que odeiam os Bósnios e por aí vai, não e toa que foi lá qua aconteceram as duas maiores carnificinas da humanidade, e que por acaso não foi nem um americano que disparou o primeiro tiro.
    Senhores, por Tio Sam mandava estes bobalhões europeus se catarem e resolverem seus próprios problemas, Tio Sam sabe que eles se cagam de medo dos russos, idem para os japonese me relação aos Chineses simples assim, ou vocês acham que o contribuinte Americano acha legarl gastar uma baba de din din com as base Americanas nestes locais..
    Senhores professores, por favor iniciem urgente uma reciclagem a acordem para o mundo eral, aquele mundo que paga a conta, que bolso tem fundo e que dois mais dois é igual a quatro.

    G abraço

  140. Juarez!

    To contigo e não abro! Ja passei um tempo na Europa (a de verdade, não a dos livrinhos vermelhinhos) e é isso que vc descreveu. Um pouco diferente, alias: franceses e espanhois odeiam todo mundo. kkkkkkkk

  141. O Brasil tem armas muito mais potentes que essa, é só jogar um politico brasileiro no território inimigo, que faz um estrago muito maior que uma bomba atomica, ele é capaz de quebrar um pais em pouco tempo.

LEAVE A REPLY