Turquia vai pagar US$ 2,5 bilhões por sistemas S-400 da Rússia

Turquia vai pagar US$ 2,5 bilhões por sistemas S-400 da Rússia

4049
118
S-400

A Turquia concordou em pagar à Rússia 2,5 bilhões de dólares pelo seu sistema de mísseis de defesa aérea mais avançado S-400, disse um funcionário na semana passada.

O funcionário, falando à Bloomberg sob condição de anonimato, disse que o poder regional queria construir seus próprios sistemas de defesa antimíssil.

“Para a Turquia, o aspecto-chave de qualquer acordo é a transferência de tecnologia ou saber como fazer. O acordo russo para permitir que duas das baterias S-400 sejam produzidas na Turquia servirá para esse objetivo”, acrescentou o funcionário.

A compra do sistema russo de mísseis pela Turquia é um claro sinal do desapontamento do país com o Ocidente, principalmente devido à atitude da União Europeia (UE) em relação às autoridades turcas e ao fato de que o líder do grupo terrorista Gülenist (FETÖ), Fetullah Gülen, estar morando nos EUA. As autoridades americanas ainda não criaram qualquer medida para extraditá-lo, apesar das “85 caixas de provas concretas” evidenciando que ele estava por trás da tentativa de golpe de 15 de julho, que deixou 249 mortos e mais de 2.100 feridos.

O apoio dos EUA ao grupo curdo YPG, a afiliada síria do PKK também é uma das maiores razões pelas quais as relações diplomáticas turco-americanas estão abaladas.

Turquia e Rússia participaram de conversações sobre a cooperação da Turquia com a Rússia no setor de defesa desde a aproximação russo-turca em agosto de 2016.

O S-400 é uma nova geração do sistema de mísseis russo, que até agora foi vendido apenas para a China e a Índia.

No ano passado, tanto a China como a Índia assinaram um acordo intergovernamental para a aquisição de quatro regimentos de S-400 fabricados na Rússia. A Turquia se tornará o primeiro país membro da OTAN a comprar o sistema.

FONTE: Daily Sabah

118 COMMENTS

  1. Caraca! E pensar que a Turquia era um tampão frente ao Pacto de Varsóvia há 30 anos!!
    Não demora e a Turquia estará voando com SU-35. Seria uma imensa vitória do Putin frente à OTAN!!

  2. fico aqui pensando que aquela derrubada do Su24 não foi um teatro elaborado pelos dois países a fim de “justificar” a defesa aérea o outros equipamentos militares russos implantados na Siria, ja que na época o ocidente era contra a tal equipamentos… vai saber…

  3. A verdade é que a OTAN tentou dar um golpe na Turquia, o que não deu certo, logo a Turquia viu que estava do lado errado do muro, a aproximação com a Rússia é algo natural. Só não sabia que o S400 era tão caro

  4. Aliás, inimigo do Ocidente não é a Rússia, é o globalismo, estar do lado da Rússia é na verdade estar contra os inimigos do Ocidente

  5. Hélio 17 de julho de 2017 at 13:04
    Que confusão mental kkk com todo o respeito!
    A Rússia não representa nada dos bons valores ocidentais, muito pelo contrário, basta ver o que eles fizeram recentemente com os mornons e testemunhas de jeová na Rússia, basta ver como estrangeiros são tratados na Rússia (há diversos comerciais de campanhas eleitorais na internet), especialmente europeus. A União Soviética sempre trabalhou no contra-cultura, no rompimento de relações pessoais, minando a coesão social, na degeneração, ataque a igrejas (berço de uma cultura), a estrangeiros etc…basta ver o que eles fizeram com a Ucrânia ao longo da história (e olha que era um país aliado, berço dos russos).
    Não tente justificar uma ação pela outra, as coisas não se anulam. Não é tão simples como parece, Putin não tem nada de conservador, muito pelo contrário, suas origens são exatamente de ataque as instituições ocidentais.
    Eu também não tenho afinidade alguma com os “globalistas” da Europa, mas nem de longe eu apoio ditadores como Vladimir Putin e Erdogan! Assim como não tenho afinidade alguma com Macron e Angelar Merkel. Também não tenho muita afinidade com essa propaganda toda de mundo multicultural etc…acreditos que nós pensamos de forma parecida nisso.
    Vamos ser honestos, todos nós sabemos que Erdogan forjou o golpe de Estado do ano passado, ele armou tudo para dominar o Estado. Basta ver as ações tomadas logo a seguir do “golpe”, concentrou TODOS os poderes nas mãos de 1 homem. Logo após o “golpe” uma série de ações foram tomadas, tudo muito rápido, tudo estava pronto, estavam apenas executando aquilo que estava no papel. Agora o presidente da república define quais partidos podem existir, presidente agora faz admissão e demissão de professores universitários, controla o limite de parlamentares de oposição no congresso, presidente faz a admissão e demissão de juízes e membros do “STF” deles, persegue blogueiros, censura sites, prende grande parte dos oficiais das forças armadas, policias e até bombeiros, fecha emissoras de TV etc..
    Erdogan não era um problema para os EUA e Europa, a Turquia sempre trabalho em consonância, seguraram milhões de sírios nas suas fronteiras a pedido de vários países europeus. Não faz o menor sentido querer tirar o Erdogan, muito menos da forma “midiática” que ocorreu.
    O grupo político do Erdogan estava muito desgastado, estão há 20 anos no poder, grande rejeição interna. Nós sabemos que esse pessoal não larga o osso e forjar o “golpe” é sempre uma estratégia de ditadores, depois aparece com aquele papo nacionalista de restaurar e salvar a Turquia (agora ele é o herói).
    Já viram os discursos do Erdogan? É uma piada! tem que ser muito inocente para acreditar nas bobagens que ele diz.
    Tem que ser muito inocente para acreditar nisso, eu já estou calejado diante dessa retórica.

  6. Ahhh quanto ao S-400, sabem qual a utilidade dele para a Turquia? Derrubar caças gregos próximos ao território turco, ou melhor, Erdogan pode muito bem fazer um ataque a algumas ilhas gregas reivindicadas a décadas. Será que os turco vão ficar felizes? a popularidade vai aumentar? ohhh os turcos terão agora um grande estadista e expansionista!
    Olha como Putin é um sujeito defensor do ocidente, vendeu mísseis para um país governado por um árabe (de fato) para derrubar e matar gregos 9berço da cultura ocidental).
    Rússia defensor do ocidente, vendendo míssil para a Turquia de Erdogan,Erdogan que disse em um palanque diante de uma multidão: espero que cada árabe na Europa tenham 10 filhos! Pois dessa forma a Europa será árabe!
    criticar os EUA de venderem caças para o Catar (suspeito de apoiar terroristas) é justo e eu apóio, mas a mesma crítica deve ser feita para a Rússia! Ambos estão agindo iguais…
    Abraço!

  7. Oras, mas eu não disse que a Rússia representa os valores ocidentais, disse que estar do lado da Rússia é estar contra o globalismo, o que automaticamente te coloca ao lado do ocidente, o globalismo hoje é o nazismo dos anos 40, é um inimigo comum.

    Agora, quanto ao golpe, como o Ocidente reagiu na época? Como reagiu depois? O golpe foi apoiado pela Otan e isso é notório, além de não terem prestado nenhum suporte a um Estado membro que sofria uma ação militar, ainda apoiou os golpistas e ficou contra o governo, querendo até mesmo anistiar os militares que mataram dezenas de pessoas nas ruas com helicópteros Apache. O que aconteceu depois até pode ser uma estratégia de centralização do poder, mas, o governo tem apoio popular, se o povo escolheu esse destino, bem ou mal, isso é o desejo popular, cabe ao povo colher os louros ou arcas com as consequências de suas escolhas.

  8. Sobre a questão dos testemunhas de jeová, isso é uma questão legal e de identidade cultural, depois da perseguição religiosa comunista, a Rússia praticamente não tinha mais sacerdotes, igrejas, cultura religiosa etc… Então foi elaborada uma lei que determina que as 3 religiões dos povos russos são as oficiais do estado, a católica ortodoxa, a islâmica e a budista, visando a recuperação do patrimônio cultural e para que outras religiões estrangeiras não ocupassem o vaco deixado pelo extermínio stalinista, essa lei cria regras para a atividade religiosa que não é nativa da Rússia, como o caso dos testemunhas de jeová, esses sempre desrespeitaram e ainda desrespeitam essas leis, por isso sofreram sanções.

  9. Desculpe Hélio, mas você é rápido no gatilho para defender regimes totalitários. Globalistas (bilionários americanos e europeus, clãs familiares como os Rockfeller), Eurasianos (China-Rússia) e o Islã estão neste momento unidos estrategicamente em guerra cultural total contra o Ocidente(conservadores), representados pela Moral Judaico-Cristã, pelo Direito Romano e pela Filosofia Grega. Todos estes três pilares, que criaram e sustentam o que chamamos de Ocidente, estão sendo atacados ferozmente, com o multiculturalismo(lembrando que se quisermos fazer multiculturalismo nos países árabes, ou na China, introduzindo a cultura ocidental(cristã), ou as culturas africanas lá, seremos tachados de imperialistas ou destruidores das culturas locais), com a destruição da familia com o gayzismo, bestialismo, pedofilia, leis que dão poder aos filhos para denunciarem os pais por qualquer coisa, colocando o Estado como educador, etc. A Igreja Católica Apostólica Romana está infiltrada até a raiz. Tem comunista-satanista até no Vaticano.
    Realmente, o Putin é muito bonzinho, bem intencionado, assim como os muçulmanos e chineses. E você confundiu os globalistas como sendo o próprio Ocidente sem querer querendo.

  10. Desculpe, descondiderem a última frase de meu comentário anterior. Mas o fato é que os Russos estão justamente aliados aos globalistas, aliás foram os russos, ao tempo da URSS que inocularam o vírus da destruição moral do Ocidente nas universidades, na mídia, e na highs ociety ocidentais.

  11. lembrando tbm q um f16 turco abateu um su24 russo em que o fsa apoiado pela turquia matou o copiloto russo e um “ex“ guarda costas do ditador turco abateu cruelmente o embaixador russo…putin é um lider extremamente corrupto assim como o lula ganhava dinheiro com a odebrecht ele deve ganhar com a rosoboronexport pq amor pela russia ele não tem nenhum. se tivesse os f16 q sobrevoam a siria diariamente não o fariam

  12. Pessoal, esse assunto é bem confuso, ninguém entende, falta muitas informações para a gente afirmar algo com propriedade, não temos nem 20% das informações para tomar juízo de valor, apenas supostas alegações. Fiz meu comentário não em defesa de qualquer país…apenas quis afirmar que a coisa é mais complexa.
    Entendo o que o Hélio quis dizer. Mas não concordo com a afirmação acerca da Rússia.
    Juliano Bitencourt 17 de julho de 2017 at 14:57
    Corcodo com você! É exatamente esse o ponto! Ocidente fora do ocidente é algo inaceitável, é imperialismo e o pior, essa mentalidade ridículo parte do próprio povo ocidental (é de uma burrice sem igual). Sinceramente é algo tão burro da nossa parte que parece conspiração(as escolas, colégios, universidades pregam isso dia e noite, é um tiro no pé).
    Vão querer dar uma de multicultural na Rússia, nos países árabes, na China e na África para ver o que acontece!

  13. Ivan BC 17 de julho de 2017 at 15:58 “Vão querer dar uma de multicultural na Rússia”
    É isso Ivan BC. Esse povo precisa urgente perquisar e ler sobre Alexander Dugin, o Rasputin de Vladimir Putin. Tem um debate dele com Olavo de Carvalho que rendeu um livro, que hoje é lido e estudado nos EUA. Dugin é o grande estrategista e ideólogo da Rússia e do Eurasianismo.

  14. Juliano Bitencourt e Ivan BC,
    é muito bom ler comentários disparando na direção certa, mesmo que de forma errática, mas em um alvo substantivo concreto. Keep going.

  15. Meus caros,

    os turcos a bem da verdade estão interessados no equipamento russo porque o mesmo é tecnologicamente muito avançado.
    .
    O resto é conversa pra boi dormir.
    .
    Grato

  16. Esta gente nunca foi de confiança e como diria “Mota Gur”:

    Em Turcos não se confia e jamais se entra no jogo de palavras com eles.

    G abraço

  17. O golpe do Erdogan foi o atentado do Riocentro que deu mais certo que a encomenda…
    .
    Não acho que essa aproximação Turquia-Rússia será muito frutífera, a Turquia não vai abrir mão da Otan tão fácil mesmo sem pacto de Varsóvia na sua porta pra ameaçar… Eles ainda têm o sonho de participar da UE e que globalistas de bruxelas sempre tentaram empurrar goela abaixo (a questão greco-cipriota é ainda um dos obstáculos a essa entrada, entre outras resistências internas nos países europeus claro).
    .
    Mesmo sendo um objetivo declarado dele, como invadir ilhas de um país que faz parte da Otan sem fazer parte da mesma Otan? É uma questão delicada… Na Grécia todos os dias há notícias sobre invasões aéreas, navais e até mesmo institucionais por parte da Turquia, o que chega nos nossos jornais aqui no Brasil não dá conta de 1% do que ocorre lá (por interesses pessoais eu acompanho essa novela bem de perto), a ameaça é grande sim, mas não é um S400 que facilitaria esse tipo de ação
    .
    Entendo que o Erdogan acredite em um universo onírico onde ele desempenha um papel de liderança na volta de um sultanato que morreu com Ataturk…
    .
    Os turcos hoje já dispõe de meios de dissuasão eficientes contra os gregos (aliás alguém quer um mais eficiente do que a crise grega?) e geralmente a situação que observamos é mais a Turquia invadindo o espaço aéreo grego do que o contrário… Um sistema anti aéreo como esses talvez fizesse afronta mais à IAF do que à HAL… Mas ainda assim, esse hipotético inimigo que justificaria a aquisição do S400 (IAF) está muito longe de ser uma ameaça real enquanto Erdogan não tentar colocar seu universo onírico em prática e/ou enquanto ele tiver pretensões junto à UE e quiser permanecer na Otan, portanto isso não deve acontecer… Por isso achei bem estranha essa notícia!
    .
    Esse teatro só deve esquentar quando começarem a explorar com mais intensidade o petróleo em volta de Chipre e no sul do Mediterrâneo dentro das 12 milhas gregas… Aliás há muito dinheiro russo depositado em Chipre…
    .
    Em tempo, o projeto sino-russo foi, é e será tão inimigo ao ocidente quanto o projeto muçulmano está pintando ser, talvez até mais; 1) por já estar infiltrado no ocidente (principalmente sistema de ensino e política) há muitos anos e atuando mais do que nunca; 2) por ser um tanto mais hipócrita e; 3) por ser mais poderoso em termos militares do que os muçulmanos são hoje.
    .
    Sds.

  18. Israel vai ter que adquirir o THAAD? Ou já o possui? Como ficaria uma rusga entre F35 ADIR e F35 “SULTÃO”?

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Aleksandr_Dugin

    Um trecho: “Em 2002 Dugin fundou o Partido da Eurásia, alterado posteriormente para Movimento da Eurásia, tido por alguns observadores como sendo alvo de financiamento e de apoio organizacional do gabinete presidencial de Vladimir Putin. O ME detém o apoio de alguns círculos militares e ainda de alguns líderes das comunidades muçulmana, cristã ortodoxa, budista e judia da Rússia, o movimento anseia em desempenhar um papel determinante na resolução do conflito com a Chechénia, sendo o seu principal objectivo lançar as fundações para uma aliança estratégica entre a Rússia e os Estados europeus e do Médio Oriente, com destaque para a República Islâmica do Irão. Os ideais de Dugin, nomeadamente o de uma aliança turco-eslava, têm vindo a tornar-se populares em certos círculos nacionalistas turcos.”
    Frases de Dugin:
    “É verdade que ‘recrutar soldados para a luta contra o Ocidente e a instauração do Império Eurasiano universal’ é minha meta.”
    “Mais do que isso, eu sugeriria a aliança entre o ‘militarismo russo-chinês’ e a ‘Irmandade Muçulmana’ na luta comum para a derrocada da Ordem Mundial Americana e para encerrar a globalização e o ‘modo de vida americano’.”

    “A contaminação da sociedade russa pelos padrões decadentes do consumismo e o apoio a regimes anti-russos no espaço pós-soviético são nada. Os EUA são uma praga absoluta para a humanidade. E a elite globalista é a quintessência dos EUA; ela domina os EUA e através dele o resto do mundo. A elite globalista dos EUA é o inimigo absoluto da Rússia, da China e dos países islâmicos; ela corrompe nossa elite política, a sociedade, o país.” (lembrando que os globalistas são a parcela da elite ocidental seduzidas pela promessa de poder total feita pelos comunistas)
    Mas podemos ter um vislumbre do que ocorre nos escritos de alguém semelhante que já andou sobre a Terra: Adolf Hitler.

    “Só a cor vermelha de nossos cartazes fazia com que afluíssem às nossas salas de reunião. A burguesia mostrava-se horrorizada por nós termos também recorrido à cor vermelha dos bolchevistas, suspeitando, atrás disso, alguma atitude ambígua. Os espíritos nacionalistas da Alemanha cochichavam uns aos outros a mesma suspeita, de que, no fundo, não éramos senão uma espécie de marxistas, talvez simplesmente mascarados marxistas ou melhor, socialistas. A diferença entre marxismo e socialismo até hoje não entrou nessas cabeças. Especialmente, quando se descobriu que, nas nossas assembleias tínhamos por princípio não usar os termos ‘Senhores e Senhoras’, mas ‘Companheiros e Companheiras’, só considerando entre nós o coleguismo de partido, o fantasma marxista surgiu claramente diante de muitos adversários nossos. Quantas boas gargalhadas demos à custa desses idiotas e poltrões burgueses, nas suas tentativas de decifrarem o enigma da nossa origem, nossas intenções e nossa finalidade. A cor vermelha de nossos cartazes foi por nós escolhida, após reflexão exata e profunda, com o fito de excitar a Esquerda, de revoltá-la e induzi-la a frequentar nossas assembleias; isso tudo nem que fosse só para nos permitir entrar em contato e falar com essa gente.”- Minha Luta, pg 361

    Fontes:

    Página Facebook “Nova Direita Cultural”
    https://www.facebook.com/pages/Nova-Direita-Cultural/289564987817804?ref=ts&fref=ts

    Conversamos com Aleksandr Dugin, o “Cérebro” de Putin, e Ele Quer a Volta do Imperialismo Russo
    http://www.vice.com/pt_br/read/falamos-com-aleksandr-dugin-o-cerebro-de-putin-e-ele-quer-a-volta-do-imperialismo-russo

    Canal de Youtube “Nova Direita Política”
    https://www.youtube.com/playlist?list=PLytbgJk3gHhJJkKQcXGtxOsrUdW_yIyZB

    Alexander Dugin: o artigo que não escrevi
    http://passapalavra.info/2012/09/63916

    Putin e seu Rasputin: Notas sobre Dugin e o Olavismo.
    http://descurvo.blogspot.com.br/2014/05/putin-e-seu-rasputin-notas-sobre-dugin.html

    Aleksandr Dugin – Eurasianismo, a Ideologia da Nova Rússia e a “Civilização Ocidental”
    http://www.4pt.su/pt-br/content/eurasianismo-ideologia-da-nova-r%C3%BAssia-e-civiliza%C3%A7%C3%A3o-ocidental

  19. A verdade é que a Turquia sempre teve uma relação bastante frágil dentro da OTAN, que se
    mantinha (ou ainda se mantêm) baseada em alguns benefícios principalmente com a Alemanha,país com laços antigos.Independente do perfil de Erdogan , a diplomacia é jogada em termos de interesses e a OTAN neste aspecto não soube jogar, talvez porque a OTAN sendo uma estrutura militar não tenha capacidade diplomática (mas não importa) o que realmente importa que a Turquia hoje se encontra com um pé fora da OTAN. Enquanto os russos se aproveitaram da situação (e não adianta falar que os russos são destruidores da moral,etc) eles fazem isso desde os tempos de Pedro, O Grande, gostemos ou não.

  20. Иван до н.э. 17 июля 2017 в 13:50

    I told you earlier, you do not know anything about my country and you try to talk about poor Ukraine or Greece! Remember, you’re a complete 0 in military science and politics! I remember your tales of poor Poland))

    – about the S-400 systems in Turkey – the system is not sold, there is interest of the Turkish Army

    – Greece is armed with Russian weapons – S-300, Torm 1, T-80U, BMP-3, ships Zubr – you did not know about it? )))

    – about Ukraine, there live Russian people, whom we will not let destroy Nazi bastards – remember this!
    __

    Eu lhe disse que havia dito antes que o palhaço você não sabe nada sobre o meu país e tentar dizer algo sobre a pobre Ucrânia e Grécia! Lembre-se você é um completo 0 a ciência e política militar! Lembro-me de seu conto de fadas sobre um pobre Polónia))

    – sobre os sistemas S-400 na Turquia – o sistema não é vendido, há interesse no exército turco

    – A Grécia está armado com armas russas – os C-300, freio 1, tanques T-80U, BMP-3 veículos Bison – que você não sabia sobre isso? )))

    – sobre a Ucrânia, não viver povo russo não vamos permitir que destruir o Nazi ublyudkam- lembrar!

  21. PRAEFECTUS 17 de julho de 2017 at 18:27

    Turcos têm tempo para comprar armas russas

    Helicópteros MI-171, Bronetronsprtery, mísseis Kornet-E e outros equipamentos

    ___

    Turks have long been buying Russian weapons

    MI-171 helicopters, armored vehicles, Cornet missiles and other equipment

  22. eh um jogo muito interessante… Grécia eh aliada de israel, o qual ja participou de treinamentos com a Grécia a fim de obter dados do S300… com certeza a Grécia tem “operadores israelenses” em sua fronteiro, seja em radares/equipamentos ou mesmo “técnicos”…
    com certeza a Grécia sabe tudo o que se passa dentro de uma faixa na Turquia…

  23. A Rússia é mesmo megalômana. Ignorando o fato do leste europeu ter ojeriza a ela, a estratégia eurasiana de Alexandr Dugin e Vladimir Putin quer atrair a UE para seu campo de influência, tirando-a do campo de influência e de amizade com os EUA. Depois da queda da URSS, Dugin, Putin, militares e estrategistas, passaram a delirar masturbatoriamente em simplesmente arrasar a América e salgar a terra. O ódio é profundo. Como nunca puderam e não podem fazê-lo militarmente, querem realizar essa obsessão via destruição cultural do assim chamado Ocidente (moral judaico-cristã, direito romano e filosofia grega). Agora, segundo a teoria de Dugin, abarcada por Putin, a Russia é a guardiã do tradicionalismo, da moral, das religiões, enquanto acusam o Ocidente de ser o mal encarnado, amoral, corrupto e decadente. Acontece que foi a URSS, a KGB (Putin na primeira fileira), que introduziu a contra-cultura ,o amoralismo, o ateismo, o culto às drogas no Ocidente. E agora acusam o Ocidente destes pecados e se auto nomeia a salvadora do mundo. O messianismo sempre foi muito forte na Russia, e sempre acabou muito mal.

  24. Juliano,

    “XINGUE-OS DO QUE VOCÊ É, ACUSE-OS DO QUE VOCÊ FAZ”

    Dizem que foi Lênin quem disse isso mas mesmo não tendo sido essa é a tática corrente da esquerda no mundo. No Brasil então, é seguida a risca.

  25. Juliano Bitencourt 18 de julho de 2017 at 8:36
    A Rússia é mesmo megalômana. Ignorando o fato do leste europeu ter ojeriza a ela, a estratégia eurasiana de Alexandr Dugin e Vladimir Putin quer atrair a UE para seu campo de influência, tirando-a do campo de influência e de amizade com os EUA
    ___

    Really? )) You were in Eastern Europe at least once? ))) Also, Poland, which in words constantly speaks about the hostility of Russia, wants to supply its apples and other products to Russia, wants to receive money from the dictator Putin, for the transit of Russian gas))) buys weapons in Russia (in small lots, without wide publicity)

    __

    Sério? )) Você tem sido na Europa Oriental, pelo menos uma vez? ))) A mesma Polónia, que em palavras fala constantemente da hostilidade da Rússia quer fornecer para a Rússia as suas maçãs e outros produtos, quer obter dinheiro de Putin um ditador para o trânsito de gás russo))) compra armas da Rússia (em pequenos lotes, sem publicidade)

  26. wwolf22 18 июля 2017 в 8:21
    ___

    Quem lhe disse que a Grécia é um aliado de Israel, quem? ))

    A Turquia é um aliado de Israel e das operações que realizar juntos uma centena no norte da Síria sugere que eles têm uma boa relação de negócio e interesses mútuos!
    ___

    Who told you that Greece is an ally of Israel, who? ))

    Turkey is an ally of Israel and those operations they spend together in the north of Syria say that they have good business relations and mutual interests!

  27. Caro Rustam,
    Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Mesmo inimigos mortais podem comerciar. Exemplos existem ao longo dos milênios.

  28. Space Jockey 18 de julho de 2017 at 2:10
    Isso é pra eles derrubarem mais SU-24s ?
    ___

    Version of SU-24s does not exist!

    Learn Soviet-Russian equipment, and then ask questions!

    ___

    Faz versão do Su-24s não existe!

    estudo da técnica soviética-russa, e depois fazer perguntas ao!

  29. Caro Donitz123,
    Você tem razão, a discussão derivou mesmo do aspecto puramente técnico-militar para considerações de caráter mais geoestratégico e geopolítico. Mas como entender as ações da Rússia, por exemplo, sem entender a estratégia que as motiva?

  30. donitz123 18 de julho de 2017 at 10:31
    Sobre teorias mirabolantes, veja que o próprio Rustam Bogaudinov, ao contraditar meu comentário,nao negou a importância de Alexandr Dugin como conselheiro de Putin. Quem disse que o Ocidente é baseado na moral judaico-cristã, direito romano e filosofia grega foi o Papa Bento XVI, em discurso proferido no Parlamento Alemão. E a infiltração de idéías destrutivas nos EUA e Europa pela KGB está fartamente documentada, inclusive com depoimentos de ex espiões da KGB que se arrependeram e se asilaram nos EUA.Espionagem aliás é a menor parte das funções de um agente da KGB, a contrainformação, desinformação e propaganda são suas funções principais.

  31. Tá, tudo muito legal, cheio de gente culta… mas e os S-400? Alguém esta a fim de falar sobre o sistema e por que um país da OTAN e ainda com desejo de fazer parte da UE, tem sistematicamente chutado europeus e americanos (Recentemente as forças alemãs tiveram problemas na Turquia), tentou arrumar confusão com a Russia e se deu muito mal (a Russia perdeu uma aeronave, mas as restrições impostas por Moscou contra a Turquia, custaram bilhões aos Turcos – que tiveram que ceder), já foi um parceiro comercial/militar e até mesmo diplomático de Israel e hoje vive as turras com esta nação, enfim, me parece que o “sultão” está tão confuso com as reviravoltas dos últimos anos que esta no “modo automático”, agindo por reação aos acontecimentos e por instinto (que por sinal não tem dado certo). A compra dos S-400, pode ser apenas mais uma provocação contra a OTAN/EUA/UE do que a intenção de efetivamente operar um sistema de defesa SAM de longo alcance, já que alguns anos atrás, a mesma Turquia tinha rejeitado propostas russas nesse sentido e parecia inclinada a adquirir o clone chinês dos S-300 (HQ-19? se não me engano). Agora rapidamente resolve adquirir os Triunf, pagando um verdadeira fortuna e ainda ao que parece operará o sistema fora da OTAN ( ao que parece os S-400 não farão parte da estrutura disponível às forças da OTAN, sendo operados em benefício exclusivo da defesa aeroespacial da Turquia), seria bom se o Rustam pudesse confirmar se a Russia impôs esse tipo de restrição para a venda desse sistema a Turquia, pois para mim não faz sentido algum do ponto de vista da Russia , vender para que o adversário possa explorar todas as potencialidades do sistema ( sim, outros países da OTAN tem sistemas S-300 , como a República Eslovaca, Grécia e Bulgária, mas são das versões fornecidas pelos soviéticos, ou no caso Grego, versão de exportação do sistema, inferiores aos similares em operação pelas defesas russas).

  32. Vai entender este “namoro” Erdogan-Putin.
    Anteontem, o Erdogan mandou abater um caça-bombardeiro russo e hoje ele gasta US$2,5 bi em “equipos” russos e com transferência de conheciento, pode?
    Não acredito em análises, destes interesses, de forma tão “linear” assim.

    Saudações

  33. O pessoal anda lendo muita teoria da conspiração. Os Estados Nacionais continuam sendo os atores mais fortes nas Relações Internacionais.

    Os globalistas são todos os capitalistas e financistas, porque dinheiro não tem pátria. Ele flui para os Estados onde há menos impostos e menos intervenção estatal na economia, porque os acionistas querem o máximo de retorno do dinheiro investido. Por isso procuram produzir onde é mais barato.

    O Olavo de Carvalho pode ser bom filósofo, mas em Relações Internacionais é uma negação. O Alexandr Dugin detonou o Olavo no debate do livro A Nova Ordem Mundial.

  34. Russo e turcos trocam vem trocando figurinhas faz um tempo e tinha gente achando que ambos iriam entrar em guerra porque um piloto de F-16 foi afoito (até parece que o Erdogan haveria tempo hábil de mandar abater) demais e abateu aquele Su-24 russo na Síria…

  35. Srs!
    Quem quer falar sobre a Rússia e Dugin que , primeiramente , estudam a historia deste pais e procuram saber a teoria do inimigo (igualmente como muitos leram O Capital e/ou Mein Kampf para)- A Quarta Teoria Política – http://www.4pt.su/pt-br/topics/4pt .. Porque de fato o numero das bobagens faladas nesse tópico já bateu o recorde do blog.
    Voltando ao tema.
    A versão oferecida pela Rússia – S-400E (E de Exportação). Logo vai ser tudo menos livro aberto para especialistas da engenharia reversa da OTAN.
    Sobre o motivo de compra. Acredito que devemos lembrar que os PACs “alugados” foram retirados da Turquia e sistema novo da Thales nem sequer inicio teve. Basicamente o sistema AA turca hoje – um monte de F-16 sem cobertura.E , em curta perspectiva , isso não vai mudar sem algum tipo de pulo de gato. Neste calculo 4 regimentos dos S-400E equivale a 8 dos PACs. Acredito que mestre Bosco pode dar os números mais precisos 🙂 ..
    Pessoalmente acredito que nada vai acontecer como esta anunciado :
    – a fila é grande e mesmo com entrada de nova fabrica em N.Novgorod vai precisar de muito esforço para cumprir o plano das entregas ;
    – pressão política vai fazer sua parte ;
    – maluquice de Erdogan vai fazer de tudo para que este processo pareceria daquela negociação sobre o gasoduto “Fluxo Turco” – novela das 8!
    – daqui a pouco Tigres , 5a Brigada e Guarda Republicana na Síria vão chegar no Deir ez-Zor e voltar para Lataquia e Idlib dando pressão nos turcomanos e FSA (Sultan Murad, 2 divisão Costeira,etc ). E quase-sultão vai pirar e , como criancinha no shopping , chorar pedindo atenção dos pais (Israel, Sauditas, EU, EUA, etc)
    OBS: outras opções os srs podem sugerir conforme histórico e quadro do paciente 🙂 ..
    Um grande abraço!

  36. Alexandre Galante 18 de julho de 2017 at 12:35
    Prezado Alexandre Galante, sobre o debate há quem diga o contrário. Mas aí vai depender de qual posição se está falando. Ademais, eles entram ali em temas que requerem pessoas com cultura filosófica, que não é meu caso, para entender todas as nuanças.
    No caso das relações internacionais, os Estados Nacionais ainda são muito importantes, mas deixaram de ser a ponta de lança. A ponta de lança são ongs, empresas globais apátridas, órgãos das nações unidas, que definem as políticas a serem aplicadas por países, estados subnacionais e inclusive poderes locais, como prefeituras. As embaixadas não têm mais a primazia de representar sozinhas um país ou sociedade perante outro. Os entes subnacionais , empresas, ongs, sindicatos, se falam diretamente, sem intermediários. Os países e sociedades se interpenetram em vários níveis. Acabou a era onde um país falava no concerto das Nações com uma só voz. Hoje são milhares de vozes dissonantes. E o comunismo e o islamismo não respeitam fronteiras nem são característicos de um país. Nenhum país isolado os representa. São movimentos, ideologias e religião universalistas.
    Por fim, a última palavra é ainda, a princípio, dos milicos, justamente o setor menos afetado pelo globalismo que a tudo mistura. Mas, como vimos no governo Obama, mesmo a mais poderosa e formidável FFAA do planeta, pode ser constrangida por agendas com as quais nem sempre elas concordam.

  37. Falando em teorias da conspiração do Olavo, essa semana aconteceu a reunião anual do Foro de São Paulo, com cobertura da mídia de esquerda e inclusive da mídia tradicional, creio que tenha sido só uma ilusão de ótica

  38. Juliano, vou dizer o mesmo que o Stalin quando perguntou sobre o poder da Igreja Católica: quantas divisões tem o Papa? quantas divisões tem as ONGs etc? 🙂

    O poder militar é que fala mais alto, os outros poderes são apenas coadjuvantes.

    O socialismo sofreu uma grande derrota com a Queda do Muro de Berlin e só existe de fato na cabeça de universitários. Cuba e Coreia do Norte ainda resistem, mas é só questão de tempo para se abrirem. A própria China se abriu ao capitalismo, mas mantendo o partido único de ideologia comunista.

    Os partidos de esquerda no Ocidente no fundo buscam mais igualdade e distribuição de renda, que é um dos problemas que o capitalismo ainda não conseguiu resolver.

    O islamismo é muito apegado à sua terra de origem, não tem como vencer o Ocidente, pois não existe nenhum país islâmico industrializado, que tenha indústria de defesa desenvolvida ou seja potência nuclear.

    O Ocidente largou de mão o Cristianismo porque o achava pesado e cheio de regras, imagine se vão aturar o islamismo.

  39. Hélio, o Foro de São Paulo foi criado em 1990, ficou fora do radar (propositadamente?) da mídia por mais de década, e cumpriu totalmente seus objetivos. Cubrí-lo exaustivamente agora, inclusive com cobertura ao vivo da Globo, GloboNews, MarteNews, não vai alterar nada. Até porque todos já o conhecem. O Foro de São Paulo foi a Operação Condor política dos comunistas.

  40. Galante, sim, as divisões é que prevalecem! Mas pergunto: e o que prevalece na cabeça dos comandantes, dos generais?
    O socialismo nãó depende de nenhum país para existir. Olavo de Carvalho, visto como algo exótico (neste mundo que vivemos é mesmo) por muitos, explica bem o que é e como funciona a mente revolucionária. Precisaria de muitas linhas para explicar aqui. Mas sugiro que leia o que o pensador tem a dizer a respeito, sem preconceitos ditados pelo politicamente correto.
    Os partidos de esquerda buscam igualdade e distribuição de renda enquanto não reunírem forças para ir mais adiante. O próximo passo é a Venezuela, depois Cuba. Tudo depende de reunir as condições materiais e sociais adequadas, enfeixando mais e mais poder em suas mãos. Todo progressista, esquerdista, socialista, sonha com o estágio máximo e final de desenvolvimento que o ser humano pode atingir: a utopia comunista.
    Em relação ao islamismo, sim, é apegado a sua terra de origem, eu também sou apegado a meu pai e minha mãe, mas não dependo mais deles para viver e posso progredir em outras terras, ou outras mentes. Sim, o mundo muçulmano é pobre industrialmente, assim como os russos não podiam com os EUA militarmente, por isso se aliaram para acertar seu inimigo comum no âmago, nos valores, onde bastariam idéias e ouvintes para começar a funcionar.
    Você acha que é coincidência que o ateísmo no Ocidente tenha surgido justamente após o advento do Comunismo Ateu e militante?

  41. Juliano, eu tenho vários livros do Olavo, mas não concordo com tudo o que ele diz.

    Não acredito nessa paranóia de que o mundo vai ser dominado pelos comunistas e islâmicos, acho que essas teorias desviam as pessoas dos problemas reais e mais importantes, como empreendedorismo, tecnologia, trabalho, emprego, saúde etc.

    O ateísmo e agnosticismo é consequência principalmente da Modernidade e da Revolução Industrial, quando o homem achou que ao dominar a natureza não precisava de Deus para nada. Pouco antes da I Guerra Mundial se dizia na Europa que o homem tinha recriado o paraíso e que não haveria mais guerras e reinaria a paz.

    Depois da I e II Guerras o otimismo da Modernidade ruiu e agora vivemos a Pós-Modernidade, Pós-Verdade etc, onde reina o relativismo. Essa situação é fruto da evolução histórica da Humanidade.

    Hoje grande parte das pessoas não acredita mais em utopia, mas sim em distopia, de que o futuro da Humanidade é tenebroso.

  42. Olavo de carvalho ja foi internado em um manicômio e nega o heliocentrismo.

    Só o brasileiro mesmo pra levar um cara desses a sério…

  43. sub-urbano 18 de julho de 2017 at 15:48
    Olavo de carvalho ja foi internado em um manicômio e nega o heliocentrismo.

    Só o brasileiro mesmo pra levar um cara desses a sério…
    __________________________________________________
    Por falar em teorias da conspiração…

  44. Galante, respeito sua visão e sua posição. Ninguém é dono da verdade. No final, cada um de nós, após ler, ver, ouvir muita coisa, chega a suas próprias conclusões, ou não chega a nenhuma. Pessoas que dedicaram honestamente a vida para entender, entender a realidade, o mundo, a vida, como Olavo e outros tantos, maiores ou menores que ele, podem ser referência. Mas terminamos por nos aproximar daquele cuja “verdade” de aproxima mais da “verdade” que trazemos em nós.

  45. Juliano, boa tarde
    Na verdade, a maioria das coisas q se diz sobre a KGB, era o GRU. A Inteligência Militar Soviética (GRU) controlava a Inteligência Operacional, a Inteligência “araponga”, as Operações Especiais (os Spetnaz eram do GRU) e as Operações Psicológicas.
    Um motorista de embaixada ou consolado era, no mínimo, major do GRU.
    Por meio deste, grupos de esquerda, terroristas e partidos eram conduzidos.
    Ainda se produz muito imputando à KGB, até mesmo para o GRU ficar resguardado.
    E sobre a Turquia, está no entorno estratégico russo. Putin deve estar oferecendo MUITO pra eles.
    Sds

  46. Os turcos estão jogando, com um único objetivo:

    Tirar vantagem da dúvida…..mas como nossos adidos bem sabem:

    Não se confia nesta gente.

    G abraço

  47. Agnelo Moreira, obrigado pelas informações. Uma coisa interessante é quanto aos centenas, ou milhares de americanos e europeus com várias gerações nesses países, que eram agentes dos serviços russos-soviéticos. E também cidadãos russos, ao inverso. Esses talvez, colocados nas mais variadas posições chave, no governo, na mídia, doutores, artistas, faziam os maiores estragos, pois eram muitas vezes vistos como acima de qualquer suspeita. Mas nessa seara não entro pois sei pouquíssimo.

  48. Caro Rustan Bogaudinov,

    “Version of SU-24s does not exist!
    Learn Soviet-Russian equipment, and then ask questions!”

    “s” in portuguese means the word is in the PLURAL, Lots of SU-24, capiche ?

    Turkey wants destroy more SU 24 whith this Equipment.

  49. Juliano Bitencourt, nesse site conta um pouco da atuação da STB no Brasil e America do Sul, possíveis agentes no Brasil e bem Interessante.

    STB, ou em tcheco Státní bezpečnost, foi o serviço de inteligência da antiga República Socialista da Tchecoslováquia. Subordinada da união sovietica.

    http://stbnobrasil.com/pt/sample-page

  50. Galante, eu penso que o islanismo não precisa de industria, eles vão se apropriar da europeia logo mais. ou os EUA e a Europa jogam duro, ou vão perder essa guerra por dentro.

  51. Possani, existe muito alarmismo e exagero da mídia, a situação real não é a pintada pelos meios de comunicação. A realidade é que tanto a Europa quanto os EUA exploraram e atacaram o Oriente Médio e agora com o fluxo de imigrantes por causa dessas ações do Ocidente, querem colocar a culpa nas vítimas.
    É tudo um jogo político para não assumir os erros que cometeram e ferrar a parte mais fraca, como sempre se fez na História.

  52. Galante,
    Mas a vítima pede guarida nos países que os atacaram? Nossa! Isso é novo na história da humanidade? Um completo contrassenso.
    Quanto ao “alarmismo” da mídia, que alarmismo? A mídia é completamente conivente com a “ocupação” islâmica. A mídia é toda de esquerda e politicamente correta e a favor do multiculturalismo. Tenho parentes próximos em Londres e em Estocolmo e eles me contam como as coisas estão por lá. A coisa tá mais feia que a gente pensa e a mídia não mostra porque é politicamente incorreto e é contra o multiculturalismo e a tolerância religiosa e cultural.
    E onde está escrito que se a Europa ou os EUA foram mauzinhos e exploraram o OM no passado que agora eles têm que ser bonzinhos e deixar entrar os “refugiados” aos milhões? Já que foram e são os maldosos que continuem assim, ora bolas!! O que não vale é agora estragar os países deles, depois de terem conseguido atingir um alto nível de seguridade social e um padrão de vida jamais visto na humanidade, por conta dos erros do passado como forma de purgação. E você ainda não acredita na “globalização” como um processo intencional e dirigido mas acha que a Europa deve receber hordas de imigrantes sadios, machos, em idade militar, que claramente não pretendem se aculturar , muito pelo contrário, querem difundir a sua cultura que não tem nada de tolerante e multicultural e sua religião.
    Em sendo assim e isso sendo entendido como a maneira certa de lidar com o problema dos refugiados , aí é fácil fazer cortesia com chapéu alheio. Fizeram as burradas no passado pra geração atual e as futuras pagarem???

  53. Eu até posso concordar que a Europa e os EUA mereçam o que estão passando por todo o intervencionismo desmedido e insensato que perpetraram no OM e redondezas, mas daí a achar que as populações locais e os governantes europeus devam concordar com isso e acharem que receber esses refugiados a coisa mais natural do mundo e fecharem os olhos para as consequência imediatas e de médio e longo prazo é coisa bem diferente.

  54. Os europeus realmente fizeram mais recentemente, mas quando puderam os muçulmanos entraram na Europa por vários flancos e só foram parados na Austria e pelo Vladimir “conde Drácula” da vida real… Não se iludam se deixarem eles voltam a formar o sonhado sultanato, claro que em novos moldes e formatos…
    .
    E, apesar das invasões citadas terem acontecido há 600 anos ou mais (em alguns casos), a queda do império otomano (último sultanato de fato) não faz tanto tempo assim pra falarem que estou falando de antiguidade… Chipre ainda é um caso mal resolvido não?
    .
    Sobre a Europa, uma conhecida alertou também sobre o que vem acontecendo em Malmo, há muita informação sobre essa cidade sueca pra quem ficar curioso sobre o impacto da cultura intolerante que busca tolerância naquele ambiente…
    .
    E a queda do cristianismo no Líbano está aí pra contar uma história que pode soar alarmista quando vista sob a ótica de quem escuta ecos do que dizia Muammar Gaddafi sobre a tomada da Europa sem guerras ressonando em outros líderes muçulmanos…
    .
    Tudo pode parecer um alarme falso e um exagero eu concordo, mas podemos ser também sapos em panela de água quente… Não sei quem está disposto a pagar pra ver…
    .
    Sds

  55. A arma do islã é simples e sofisticada e infalível, foi lapidada pela evolução ao longo de milhões de anos, fácil de usar e não necessita de muito investimento. A sua arma é a “bimbada mágica”, só precisa de duas pessoas de sexo oposto e pronto. Arma demográfica, extremamente letal onde a população nativa tem baixa taxa de natalidade, como na Europa.

  56. Melky,
    E o que é responsável pela baixa taxa de natalidade no Ocidente em geral e na Europa em particular. Te dou um doce se você adivinhar. rsrsss
    Pois é! Novamente vem a tona a tão famosa “tolerância” e a igualdade só conseguida aqui no Ocidente, onde a mulher pensa primeiro na carreira e que ter filhos (as que querem) só depois dos 70 anos de idade rssss depois de já estarem estabilizadas. Chama-se a isso feminismo.
    Quando ela resolve ter filho já é tarde demais e se não é só dá pra fazer um. Também virou modo aos casais quererem ter só um filho porque filho é muito caro no mundo capitalista urbano e hoje todo mundo quer viver nas cidades.
    Também o feminismo estimula a independência da mulher em relação ao homem e isso gera uma aumento das relações homo-afetivas. Mulher com mulher não dá jacaré, mas também não gera filhos. Esse mesmo feminismo incentiva a efeminização masculina e as relações homo-afetivas masculinas, que é mentira quando diziam que homem com homem vira lobisomem mas também não gera filhos.
    Pra completar, o opressor ocidente capitalista, palco dessas conquistas femininas, também apoia o aborto incondicional até no 9º mês de gravidez dentro do conceito do “direito reprodutivo” que prega que a mulher é dona do corpo dela e o feto que se lasque . O cara gente boa e militante feminista Obama, diferente do troglodita machista Trump, era a favor do aborto incondicional e liberava mais de meio bilhão de dólares para ONGs abortistas nos EUA responsáveis por milhões de abortos por anos nos EUA. A maioria de fetos negros e latinos. Mas o ruim e racista é o Trump.
    Na marcha de um milhão de mulheres contra o Trump no dia depois que ele tomou posse as feministas ensandecidas eram organizadas por ninguém menos que Linda Sarsour, uma militante islâmica que defende a Sharia.
    O feminismo/cultura marxista vê no islamismo um inimigo comum do Ocidente opressor e se juntaram de forma a solapar a civilização ocidental. O que vai dar no final ninguém tem a mínima ideia mas não dá pra duas linhas de pensamento seguirem juntas e as cinzas da civilização ocidental serão cobertas pelo sangue de uma dessas duas correntes e não creio que será a dos muçulmanos.

  57. Bosco, falou tudo e falou bem.
    No holocausto nazista foram mortos 6 milhões de judeus. Nos Estados Unidos, desde os anos 70, foram exterminados mais de 50 milhões de fetos e bebês, pela “vontade” de suas mães. GENIAL, não?
    Somente discordo de sua última frase. O comunismo é polimorfo. No Ocidente defende o gayzismo, e o oposto na URSS, China e Cuba. Defendem uma idéia em uma circunstância e o oposto em outra. Sua ideologia já mudou centenas de vezes. Essa é a essência da mentalidade revolucionária. Que já infectou o Islã. O ISIS é prova disso. Assim como infectou o cristianismo.

  58. Bosco 18 de julho de 2017 at 23:37
    .
    Galante,
    Mas a vítima pede guarida nos países que os atacaram? Nossa! Isso é novo na história da humanidade? Um completo contrassenso.
    .
    Não é um contrassenso porque elas estão fugindo dos regimes que os EUA e seus aliados europeus tentaram impor no seus antigos desafetos. Nenhum refugiado sírio quer viver sob o tacão dos wahabistas barbudinhos cortadores de cabeça que o Ocidente insiste em rotular de “pacíficos manifestantes pro-democracia”.
    .
    Nada mais justo que estes países recebam esses refugiados. Fizeram a besteira então que paguem a conta.
    .
    Que sirva de lição para a próxima vez que vierem vender a ideia de mudança de regime (forçar a democracia numa região que não tem valores democráticos) em outros países para eles.

  59. Parabéns, Bosco!
    Assino embaixo de tudo que vc escreveu!!
    Tenho uma amiga que foi passear um mês na Holanda e rodou o que pode o resto da Europa e as coisas que ela viu por onde passou não tão boas não por causa dos imigrantes!

  60. Quanta inocência, o eurasianismo é um projeto globalista, é um globalismo. Aliás o PCC(Partido Comunista Chinês) é uma sociedade secreta, apenas ali são 80 milhões de membros permanentes, isso até me lembra de uma foto de David Rockefeller visitando a China comunista em 1973 e se encontrando com grandes líderes políticos daquela época, e o mesmo Rockefeller elogiando Mao em seu relatório chamado ” From a China Traveler”. Segundo o próprio:”Uma das medidas é imediatamente impressionado pelo senso de harmonia nacional … Independente do preço da Revolução Chinesa, ela obviamente triunfou … em promover a ética elevada e o propósito da comunidade. progresso social e econômico geral não é menos impressionante …. O enormes avanços sociais da China se beneficiaram grandemente formar a singeleza de ideologia e propósito … O experimento social na China sob a liderança do presidente Mao é um dos mais importantes e bem-sucedidos da história.”
    ai ai
    É muita ingenuidade acreditar que Rússia e China são países anti-imperialistas, sinceramente, eu nem sei mais o que dizer dessas pessoas que acreditam nisso.

    “Os partidos de esquerda no Ocidente no fundo buscam mais igualdade e distribuição de renda, que é um dos problemas que o capitalismo ainda não conseguiu resolver.”
    E todos fracassaram ou já estão apresentando o processo de falência, Hollande na França aumentou o imposto sobre fortuna em 75%, veja o resultado lá: desemprego e pobreza. Ele fazendo isso, praticamente expulsou grandes empresários que geram empregos para o país, o homem mais rico do país, Bernard Arnault foi para a Bélgica, assim como diversas celebridades foram para outros países para fugirem desse imposto, e quando isso acontece, eles levam seu dinheiro e fecham suas empresas no país-origem. Quer outro exemplo? Suécia. No final do século passado, não lembro qual década, Suécia fez a mesma coisa que a França fez, com isso o dono da IKEA assim como vários outros empresários foram correndo para a Suíça, ele voltou recentemente para o país, a Suécia inclusive quase quebrou nos anos 80 e 90 por conta desta distribuição de riqueza, agora eles sabem que tributar muito as empresas é um convite a se retirarem do país, até mesmo os sindicatos do país entendem esse arranjo. E mais na Suécia, já estão pensando em privatizar o mercado da saúde, por conta dos sucessivos aumentos por pessoa, o maior exemplo socialista para a esquerda está se desmoronando. Bernie Sanders quando visitou a Dinamarca avisou que o país era um exemplo para o socialismo no mundo, o primeiro-ministro do país rapidamente refutou Sanders afirmando que o país é uma economia de mercado.
    Sobre a desigualdade e distribuição de renda, faço a seguinte pergunta: Se estivéssemos sobre uma sociedade onde existem poucos ricos e muitos pobres, mas esses pobres teriam uma excelente qualidade de vida, ainda assim a desigualdade seria tão prejudicial?
    Se a resposta for sim, então você está preocupado com o que os ricos detém e não com a melhora da qualidade de vida dos pobres. Se sua resposta for não, então a desigualdade não é tão importante assim.
    Vale salientar que igualdade não quer dizer riqueza e desigualdade não quer dizer pobreza, um povo pode ter desigualdade, mas com a qualidade de vida satisfatória para a classe mais baixa. Enquanto um povo pode ter igualdade, mas na miséria e pobreza. Se fossemos para esse lado argumentativo, Cuba(igualitária) era pra ser um país melhor do que Singapura(desigual), Bangladesh(igualitária) era pra ser um país mais melhor do que a Suíça(desigual), mas ninguém prefere Cuba a Singapura e ninguém prefere Bangladesh a Suíça, por isso esse papo de distribuição de renda é lorota.

    “Os globalistas são todos os capitalistas e financistas, porque dinheiro não tem pátria. Ele flui para os Estados onde há menos impostos e menos intervenção estatal na economia, porque os acionistas querem o máximo de retorno do dinheiro investido. Por isso procuram produzir onde é mais barato.”

    Errado, os globalistas são corporativistas. Um termo clássico entre a interação amigável entre empresas e governo, na crise de 2008 foi o apogeu do corporativismo. Henry Paulson(ex-secretário do Tesouro), Lawrence Summers(ex-secretário do Tesouro e ex-diretor do Conselho Econômico Nacional) e Alan Greespan(ex-presidente do FED) anteriormente e durante a crise estavam ligados diretamente com os bancos Goldman Sachs, JPMorgan Chase, Citigroup, Merril Lynch e Lehman Brothers, principais agentes da especulação financeira e imobiliária. E esse conluio entre burocratas e grandes empresas do setor financeiro para a esquerda é chamado de capitalismo de livre mercado.
    Chega a dar pena.
    Globalistas têm pavor do livre mercado, eles sabem que pelo regime concorrencial, as chances de falirem são bem maiores do que se tivesse em uma economia regulada por um governo. Por isso sempre que a coisa aperta, ali está o papai estado para cuidar de suas riquezas, isso aconteceu no Brasil com BNDES e isso aconteceu em 2008 com vários bancos e seguradoras sendo compradas via intervenção do FED, apenas o Lehman Brothers que não conseguiu um resgate do governo americano e faliu, mas o resto tudo se livraram da falência.
    A situação agora ficou assim dos bancos resgatados pelo governo americano: eles fazem empréstimos hipotecários, revendem o os títulos das hipotecas para o FED, recebem o dinheiro de volta com lucro, e ainda deixam boa parte deste dinheiro recebido pelo FED no próprio FED, que está pagando juros anuais por este montante. A taxa básica de juros dos EUA é os juros que o FED paga aos bancos sobre essa reserva em excesso depositados no FED, isto não existe em nenhum manual de teoria macroeconômica, é algo totalmente inédito. Apenas para exemplificar, a taxa básica de juros representa os juros do mercado interbancário, isto é, um banco financiando um valor para outro banco, isto acontece diariamente, mas nos EUA isso foi anulado, agora os bancos só interagem com o FED, solução “perfeita” dos intervencionistas. Agora se fosse seguido a lógica liberal, isto é, deixar os bancos irem a falência e serem comprados por outros bancos sem intervenção estatal, o governo americano não ficaria agarrado como atualmente. Se você acha que os bancos brasileiros têm boa vida, vá ver os americanos.
    Isto é o que chamam de capitalismo de livre mercado. kkkkkk
    Não vou nem falar do CRA, das paraestatais Fannie Mae e Freddie Mac, das agências de classificação de risco operando em um oligopólio protegido pelo governo e dos bancos “grandes demais” para falir.
    Mas são os liberais que são taxados de pró-burguesia. Como falarei de Olavo a seguir, nada melhor do que uma frase de sua autoria:”No Brasil, ignorância virou argumento intelectual”.

    “O Olavo de Carvalho pode ser bom filósofo, mas em Relações Internacionais é uma negação. O Alexandr Dugin detonou o Olavo no debate do livro A Nova Ordem Mundial.”

    Nós lemos o mesmo “debate”? Parece que não.
    Quem apanhou foi o Dugin, que para defender o eurasianismo ficava insuflando o debate como um bem e um mal, se fazendo parecer do lado do bem. Dugin ficou enrolando o tempo todo num discurso tentando jogar Olavo contra todos, o que não deu muito certo. Ainda quando Olavo se mostrou não receptivo a qualquer projeto político supranacional, Dugin argumenta que não há alternativa para esses três projetos globalistas, russo-chinês(ou como gosto de chamar foro de mosquim), islamismo(irmandade muçulmana) e o projeto globalista ocidental(ou como chamam apenas de globalismo ou americanismo ou nova ordem mundial). Dugin ao fazer isso mostrou claramente que o eurasianismo é um projeto político supranacional, portanto um projeto imperialista. Inclusive o Dugin espera que Olavo tome uma posição mais realista, até mesmo em homenagem aos seus compatriotas latino-americanos que se aproximaram do eurasianismo. Parece piada, ao fazer isso o Brasil estava em consonante estado de submissão, até mesmo o Mujica afirmou em seu livro que Dilma tomava decisões de estado, ouvindo inteligências cubanas e venezuelanas, quanta soberania e anti-imperialismo nesta atitude.
    Fora o vitimismo de Dugin e seus seguidores, “ah foi impertinente citar a profecia de Fátima para Dugin, isso aqui, isso ali”, a conversa foi benéfica para aqueles que ainda tinham dúvidas quanto ao eurasianismo. Outro adendo foi o Olavo ter dito que os EUA(povo não governo) é a vítima, porque os globalistas através do governo americano acabou capturando a liberdade dos cidadãos americanos, mas Dugin disse que não podia separar isso e segundo ele, era responsabilidade dos cidadãos americanos não terem deixado isso acontecer, para ele todo o Ocidente está contaminado sem distinção de qualquer sociedade e entidade.
    Fora isso, tenho um comentário sobre a foto de Olavo e Dugin no começo do debate, a imagem é simbólica. Olavo com seus dois cachorros e uma espingarda e a sua casa ao fundo, o que ele demonstra na foto estar sozinho nesta batalha, enquanto Dugin com uma metralhadora e um tanque russo(a personificação do exército russo), Olavo foi genial postando estas fotos, ele afirmou indiretamente que esse embate era ele sozinho contra o Dugin e o exército russo.

    E tá aqui o “anti-imperialismo” de vocês: https://mundo.sputniknews.com/asia/201608141062804395-china-rusia-union-militar/

  61. Essa Teoria Conspiracionista Globalista é uma salada absurda, não faz o menor sentido. Mas as pessoas acreditam no que querem acreditar. Dizer que “Globalistas têm pavor do livre mercado” é a mesma coisa que dizer que Hitler amava os judeus. Não sei como podem acreditar numa baboseira dessas.

    Rússia e China são tão imperialistas quanto os EUA e outras potências que os precederam. Não tem santo nessa história, é cada defendendo seus interesses e fazendo a cabeça dos seus apoiadores através de propaganda ou desviando a atenção da realidade para teorias conspiracionistas.

  62. Perfeito Bosco!! No mundo hipocrita de hoje podemos até sermos ridicularizados, mas concordo com você! Não sei se conforta, mas não está sozinho com essa opinião!
    .
    Melky, foi o que eu quis dizer quando citei o Líbano!
    .
    Sds

  63. donitz123 ( 19 de julho de 2017 at 10:10 );
    .
    Como assim, “fizeram a besteira”…?
    .
    Os líderes árabes não fizeram nada que eles mesmos não quisessem…! É bem verdade que o Ocidente contribuiu para o caos, mas não foi o agente precursor dessa situação…
    .
    Tudo o que o Ocidente fez, o foi em estrita cooperação com as lideranças locais, e por desejo destas em primeiro lugar.
    .
    No que dependesse de americanos em particular, já teriam pulado dali faz tempo… Na verdade, dadas as movimentações de forças americanas pelo globo, é essencialmente o que está ocorrendo…

  64. Esse é um dos problemas reais do mundo e que não é tratado pela mídia e nem discutido, porque as pessoas preferem discutir teorias de conspiração:

  65. Alexandre Galante ( 18 de julho de 2017 at 14:57 )
    .
    “O poder militar é que fala mais alto, os outros poderes são apenas coadjuvantes.”
    .
    Não creio que seja bem assim… Sabe o jogo jokenpô…? Coloque o poder militar como a pedra, ideologia como a tesoura, e política como papel. Entenderá onde quero chegar…

  66. A esquerda total é a “ditadura do estado” e direita total é a “anarquia”, então que haver um haver um meio nisso que não seja onde até a “vida do cidadão” seja controlada pelo estado (o coletivismo) e nem um sociedade onde qualquer um faça suas próprias regras.
    Não sabemos qual a verdade dos fatos mas podemos ver para onde os governos (seja capitalista ou socialista) tem avançado e nos últimos 20 anos todos avançaram para a esquerda.
    Então seguindo a história (não a ideologia porque para ela não interessa a história) agora teremos novamente um recuo para “direita” e depois novamente para esquerda.
    Agora uma coisa se pode dizer concretamente (não importa se você segue Mises ou segue Marx): se o mundo pender só para um dos lados então é o fim de tudo o chamado “apocalipse”.
    Mas como não sou historiador, nem militar, nem político, apenas um curioso posso estar completamente errado.

  67. Alexandre Galante ( 18 de julho de 2017 at 12:35 ),
    .
    Gilson Moura ( 19 de julho de 2017 at 10:50 );
    .
    Creio que o mais interessante desse debate, e que me surpreendeu, foi a forma como ambos argumentavam.
    .
    Haviam claramente dois estilos absolutamente distintos:
    .
    De um lado, o discurso do russo, carregado de uma imensa força emocional, quase messiânico ( bem do tipo “a sagrada Rússia” ), embuido de uma moral absoluta. Embora Dugin fosse mais centrado, isto é, tinha um foco claro do que defendia ( é um sujeito muito bem instruído e tremendamente inteligente, sem dúvida ), fica evidente a construção de seu diálogo em torno de um ideal algo até abstrato.
    .
    O filósofo brasileiro, por outro lado, construía seu diálogo em torno das fontes que tinha, utilizando os fatos ou os argumentos contidos nelas para dar suporte a construção de seu raciocício. E isso, até onde sei, é a típica filosofia ocidental, calcada na lógica; sempre racional e sem paixão, puro e simples. Se ele está certo ou não, é outra história. Mas que a construção de seu diálogo está muito bem feita, isso está mesmo… Pelo menos, foi meu entendimento de mero entusiasta…
    .
    Se me recordo, creio que o próprio Olavo teria dito que aquilo não seria um debate de fato, já que ambos são tão dispares que virtualmente é impossível uma comunicação real entre eles… Sinceramente, não dá mesmo pra dizer quem deu surra em quem, já que não foi mesmo um verdadeiro debate… rsrs
    .
    Sinceramente, acho que Carvalho exagera em muitas coisas. Mas como filósofo, penso ser o brasileiro que está em melhor evidência de momento…

  68. _RR_

    OK, meu amigo, me diga qual o país do mundo que não faz parte do Conselho Permanente de Segurança da ONU e que tenha alguma relevância no cenário mundial. Não vale citar os países que têm armas nucleares! 😉

  69. Prezados amigos,
    .
    Uma aliança entre Rússia e China é algo plausível, mas seria a aliança dos escorpiões…
    .
    Não nos esqueçamos: embora a América possa vir a ser um “inimigo” comum, não há nada que impeça um ‘clash’ de objetivos em um dado momento. Ambos tem agenda própria, e não creio que estejam dispostos a abrir mão dela… E a Rússia, que seria na realidade a parte frágil dessa aliança, pode acabar na alça de mira dos chineses.
    .
    Vale lembrar que é no leste, para além dos Urais, que estão 75% das riquezas russas… E é a parte de seu território menos densamente povoada, num país que já é proporcionalmente pouco povoado, e por uma população que não consegue crescer significativamente a mais de três décadas…
    .
    Daí que há certos fatores a serem levados em consideração. E eis talvez o mais importante: já vem de anos uma lenta infiltração de chineses em território russo.
    .
    Dezenas de milhares de chineses vão todos os anos para as regiões mais remotas, e é algo que a Rússia não pode simplesmente recusar ( nem tem como controlar, na prática )… Estão tomando posições nas classe mais baixas, constituindo conglomerados sociais e certamente se reproduzindo como coelhos… Se continuar nesse ritmo, é quase certo que em menos de 100 anos os chineses étnicos serão a maioria no extremo leste da Rússia. Logo, não é improvável que se veja em um futuro não tão distante a China pressionar a Rússia pelos “direitos dos chineses étnicos”… Seria uma grande ironia…
    .
    Isso também nos leva a um outro problema: o povo russo está lentamente morrendo… A taxa de natalidade está em 1,7 ( já foi pior, mas o que está aí não é bom )… Se ir pra baixo de 1,3 ( como aconteceu no final dos anos 90 ) e lá permanecer por certo tempo, é o fim daquela nação…

  70. Lembrando que quando foi esmagada na guerrilha pelo governo Médici, a esquerda se reuniu para longos debates, de onde saiu a convicção de que deveriam fazer a luta cultural, através do Marxismo Cultural, daí a infiltração em massa nas universidades, na mídia, entre os artistas.
    Parece que querem repetir a dose. Qual será a nova estratégia?(não que ela vá sair de uma aula de Dilma Rousseff, a marmota. Mas tem intelectuais marxistas- como Luiz Felipe de Alencastro- já debruçados na questão).

  71. Caro Alexandre Galante ( 19 de julho de 2017 at 12:40 );
    .
    Os problemas econômicos e de distribuição de riqueza podem ser resolvidos com políticas econômicas certas. E elas começaram necessariamente na política pura, que depende essencialmente do debate ideológico; da visão de mundo constituída das correntes pensantes. Não é possível, portanto, desvencilhar uma coisa da outra. Não era pra ser assim, mas infelizmente é…
    .
    Na real, temos uma safra de excelentes economistas no País e no Ocidente como um todo. Todos, a rigor, sabem o que fazer. A questão, portanto, não é o que faremos quando lá chegarmos, mas o caminho que devemos seguir para não nos perdermos… Esse é o ponto. Um caminho certo… E daí que é necessário retirar o obstáculo imposto por ideologias obtusas que em nada contribuem para a construção desse caminho. E isso depende do debate sério, de uma verdadeira troca de ideias, para que somente aquilo que é verdadeiramente lógico e funcional prevaleça.
    .
    Vale lembrar que uma sociedade funcional ( com uma economia que funcione ) depende necessariamente de valores verdadeiros para manter-se ( honra, coragem, honestidade, etc ). Não é possível, portanto, prosperidade num meio onde esses valores não prevaleçam. Logo, qualquer elemento que interfira nestes, deve ser combatido. E isso começa no campo ideológico.
    .
    ( 19 de julho de 2017 at 12:58 )
    .
    São vários…
    .
    A importância econômica países como Japão, Alemanha e mesmo o próprio Brasil os tornam indispensáveis no cenário mundial atualmente. São pilares da economia global que, caso sejam abalados, tem reflexos no mundo inteiro. Mas não foi esse o ponto que quis tocar.
    .
    O poderio militar é a força bruta, que realmente se faz impor. Mas e se ele serve a uma visão política, que por sua vez serve a uma ideologia…? Veremos então que o poder militar se torna uma ferramenta. É uma forma de manter o poder de quem o manipula. Simples assim… E isso pode extrapolar o ramo das fronteiras e se utilizar dentro de diversas perspectivas… Os japoneses, por exemplo, podem se arriscar a fazer das suas no Pacífico bem de cara dos chineses ( Ilhas Senkaku ), …porque tem o guarda-chuva americano por detrás e usam claramente isso a seu favor! Não considero errado dizer, portanto, que podem manipular o poder americano de forma indireta para tirar proveito…

  72. Deus que salada virou esse post! Eu acompanho o Galante – Sigam o dinheiro ! – Me parece ser a única ideologia nos dias de hoje. Quanto ao Erdogan e sua Turquia, eles estão onde sempre estiveram há milhares de anos , bem no centro de duas culturas conflitantes, tentando se equilibrar e tirar o melhor proveito possível. Compram S-400 de Putin e F-35 do Trump e o fazem muito bem!

  73. Juliano Bitencourt, se o Brasil não fosse uma das sociedades mais desiguais do Mundo, os esquerdistas não teriam espaço para se criar.

    RR, manda no mundo quem tem armas e capital, não necessariamente nessa ordem. Os países ricos dominam os pobres, sempre foi assim desde o princípio.

  74. Alexandre Galante 19 de julho de 2017 at 14:37
    Na Suécia, apesar de estarem decaindo por conta do fatal fracasso de suas políticas, os socialistas se criaram.
    No governo do PT, Cuba mandou bastante no Brasil. O Brasil, sem ter nada em troca (que nos melhorasse ou acrescentasse)enviou bilhões e bilhões para Cuba. E nós recebemos milhares de “médicos” para nos fazer admirar e louvar ainda mais Cuba. Ainda bem que o mensalão e a lava jato nos salvaram (será?).

  75. Gilson,
    “É muita ingenuidade acreditar que Rússia e China são países anti-imperialistas”
    Eu pelo menos não disse e não penso nisso. Estes países só são paparicados pela esquerda por representarem no imaginário popular um contraponto à Civilização Ocidental. Hoje, tendo visto o que está acontecendo com o Trump, a Rússia por exemplo é muito mais de direita que os cidadão médio americano. Putin inclusive!
    Quando eu chamo alguns antiocidentais de russófilos, já disse mais de uma vez que não é depreciando a Rússia, a ex-URSS ou muito menos os russos, mas sim designando aqueles brasileiros que são mais russos que os originais.

  76. Alexandre Galante 19 de julho de 2017 at 16:45
    Prezado Galante, sinceramente não tem muito o que dizer sobre esse texto do Nexojornal. Fraquíssimo, o autor não tratou de desconstruir as idéias de Olavo, provavelmente por sequer tê-las lido, mente quando diz que Caiado é o candidato de Olavo, e pelo ódio que deixa transparecer, mostra que Olavo, sim, comanda e lidera a verdadeira direita. O autor, óbvio (só um cego não vê), é comunista. É mostra todo o temor da direita autêntica (não a esquerda fabiana que eles adoram chamar de extrema direita, como o PSDB) que sim, vai ser representada proximamente por Bolsonaro. Cito isso pois no texto que você deixou o link cita Bolsonaro.
    Abraços

  77. Bosco,
    esse comentário não foi direcionado a você. E concordo que a Rússia aparentemente é mais direita do que o cidadão médio americano, eu gosto principalmente dos russos porque eles não levam a sério esse lance de gayzismo igual aqui no Ocidente, e sem dúvidas, merece até aplausos por mim. Mas em outras questões é um tanto duvidoso.
    Os EUA foi moldado há muitos anos, hoje pessoas como Elizabeth Warren e Bernie Sanders são eleitos pelo povo americano, isso é uma enorme contradição, principalmente histórica. Mas fazer o quê? Soros já foi apontando como dono do partido Democrata, dali tudo se pode esperar. Tu já viu um debate do partido Democrata? Eles ficam repetindo a mesma histeria de distribuição de renda, de riqueza bla bla bla. E olha quem é o dono do partido? Acho que isso evidencia o poder oculto por trás dessa falácia toda de desigualdade e outros assuntos alinhados ao pensamento “messiânico”.
    Fora isso, Ron Paul que é a favor da retirada das tropas de todos os países com o regresso para o país, acabar com o FED e o monopólio e o protecionismo da elite financeira e econômica do país, a volta do padrão-ouro nem é sequer eleito pelo partido Republicano. Vai entender.

  78. Meu Deus! Agora pegaram no pé do Trump porque ele conversou com o Putin no G20 num jantar. É doentio. Esse é o exército que contra, o da opinião pública manipulada. Esse derruba governos.
    No Brasil o Temer que passou por 3 anos de Lava Jato incólume e por todo o processo de impeachment da presidentA sendo chamado pela extrema esquerda de tudo, golpista era elogia, menos de corrupto, de repente vira o maior quadrilheiro do país de todos os tempos por conta de uma delação de um cara que confessou seus crimes mas de forma surpreendente foi “absolvido” pelo…. Ministério Público. rsrsss
    E de repente o Procurador Geral apresenta uma denúncia contra o presidente baseado numa gravação que pra mim não compromete em nada o Temer e pasmem, sem a delação ou mesmo o depoimento da principal figura que era o cara com a mala de dinheiro, o Rodrigo Rocha Loures. E todo mundo acha a coisa mais normal do mundo o procurador geral já estar com a denúncia pronta uma semana do RRL ser preso e sem seu depoimento acusando o Temer. Ora! Se amigo de presidente pego com a boca na botija for suficiente para uma denúncia então o Lula vai amargar prisão perpétua na boca do Vesúvio porque o que mais tem é amigo dele comprovadamente com milhões e não com uma maletinha com quinhentas “pilas” que até eu que sou quebrado não me enche os olhos.
    Uma denúncia tão grave só poderia ter sido construída após a delação do RRL e a comprovação de onde o dinheiro teria sido depositado e a movimentação dele pelo Temer. Mas não, o Janot é rápido no gatilho e transformou o animador de velório Temer no maior quadrilheiro que já passou por Pindorama. rsrsrsss
    Trump e Temer que se cuidem!!!

  79. “Rússia e China são tão imperialistas quanto os EUA e outras potências que os precederam. Não tem santo nessa história, é cada defendendo seus interesses e fazendo a cabeça dos seus apoiadores através de propaganda ou desviando a atenção da realidade para teorias conspiracionistas.”

    ah é? Nos blogs anti-nom, não me parece ser notável essa distinção de imperialismo. Segundo eles só há um, EUA e Europa, a tal da NOM.

    “Esse é um dos problemas reais do mundo e que não é tratado pela mídia e nem discutido, porque as pessoas preferem discutir teorias de conspiração”

    Como é? Isso é que o é mais falado na mídia, desigualdade ali, desigualdade aqui, Oxfam, 8 mais ricos detém mais riqueza do que 3,5 bilhões de pessoas e bla bla bla. Isso só não é retratado muito aqui, mas em outros blogs que vejo sempre há essa discussão.

    Desigualdade significa que as pessoas não ganham exatamente o mesmo salário! Isso significa que cada um ganha de acordo com sua produtividade! Uma catástrofe!
    O certo é fazer igual Cuba, onde absolutamente todos têm de ganhar 40 dólares por mês. Isso sim traria prosperidade! Prosperidade em estado puro.
    Lembrando que na Guerra Fria, quando a URSS ainda existia, diversos economistas alertavam que a União Soviética passaria os EUA, Paul Samuelson talvez foi o maior influenciador desse discurso. Segundo ele:”A economia soviética é a prova cabal de que, contrariamente áquilo que muitos céticos haviam prematuramente acreditado, uma economia planificada socialista pode não apenas funcionar, como também prosperar”. Exatamente no mesmo ano a economia soviética começou a desabar, dois anos depois toda a URSS implodiu. Ta ai um homem de visão, ele e muitos outros.
    Quando a URSS acabou, diversos dignitários socialistas argumentaram que teriam de mudar sua estratégia em torno da crítica do capitalismo, como o capitalismo se mostrou o sistema superior, a corrente socialista se estendeu para esse papo de desigualdade, ambientalismo e outras idiotices. Vale lembrar que o maior acidente ambiental foi na URSS, Chernobyl manda lembranças, os soviéticos praticamente destruíram o Lago Baikal e tantos outros danos ambientais.
    https://gazetarussa.com.br/multimedia/inpictures/2016/06/30/lago-baikal-uma-fonte-de-vida-a-beira-da-morte_607629

    Por fim, só um adendo: diferenças na propriedade de ativos(ou na renda) não significam uma igual diferença no padrão de vida, muito embora várias pessoas tenham esse fetiche. Por exemplo, a riqueza de Bill Gates deve ser milhões de vezes maior do que a minha. Mas será que ele ingere milhões de vezes mais calorias, proteínas, carboidratos e gordura saturada do que eu? Será que as refeições dele são milhões de vezes mais saborosas que as minhas? Será que seus filhos são milhões de vezes mais cultos que os meus? Será que ele pode viajar para a Europa ou para a Ásia milhões de vezes mais rápido ou mais seguro? Será que ele pode viver milhões de vezes mais do que eu?
    E repito: “Se estivéssemos sobre uma sociedade onde existem poucos ricos e muitos pobres, mas esses pobres teriam uma excelente qualidade de vida, ainda assim a desigualdade seria tão prejudicial?
    Se a resposta for sim, então você está preocupado com o que os ricos detém e não com a melhora da qualidade de vida dos pobres. Se sua resposta for não, então a desigualdade não é tão importante assim.”
    O capitalismo que gerou essa desigualdade é o mesmo que hoje permite com que boa parte do mundo possa viver com uma qualidade de vida muito melhor que a dos reis de antigamente. Hoje vivemos em condições melhores do que qualquer pessoa do século XIX.
    Como dizia Roberto Campos: “Há três maneiras de o homem conhecer a ruína: a mais rápida é pelo jogo; a mais agradável é com as mulheres; a mais segura é seguindo os conselhos de um economista.”

    “se o Brasil não fosse uma das sociedades mais desiguais do Mundo, os esquerdistas não teriam espaço para se criar.”
    Quem é que adota políticas — como déficits orçamentários e expansão do crédito via bancos estatais — que destroem o poder de compra do dinheiro, perpetuando a pobreza dos mais pobres?
    Quem é que, além de destruir o poder de compra do dinheiro — gerando inflação de preços — ainda impõe tarifas protecionistas para proteger o grande baronato industrial, com isso impedindo duplamente que os mais pobres possam adquirir produtos baratos do exterior?
    Quem é que, ao estimular a expansão do crédito imobiliário via bancos estatais, encarece artificialmente os preços das moradias e joga os pobres para barracões, favelas e outras áreas com poucas expectativas de vida?
    Quem é que impede que os moradores de favelas obtenham títulos de propriedade, os quais poderiam ser utilizados como garantia para a obtenção de crédito, com o qual poderiam abrir pequenas empresas, fornecer empregos e, de forma geral, se integrar ao sistema produtivo?
    Quem é que tributa absolutamente tudo o que é vendido na economia, e com isso abocanha grande parte da renda dos pobres?
    Quem é que, por meio de agências reguladoras, carteliza o mercado interno, protege grandes empresários contra a concorrência interna e externa e, com isso, impede que haja preços baixos e produtos de qualidade no mercado, prejudicando principalmente os mais pobres?
    Quem é que cria encargos sociais e trabalhistas que encarecem artificialmente e mão-de-obra e, com isso, gera desemprego, estimula a informalidade e impede que os salários sejam maiores?

    O capitalismo de livre mercado nunca pousou aqui, e isso explica o nosso subdesenvolvimento.

  80. “Dizer que “Globalistas têm pavor do livre mercado” é a mesma coisa que dizer que Hitler amava os judeus. Não sei como podem acreditar numa baboseira dessas.”
    Não sou eu que falo, é a própria elite.
    http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/05/fmi-diz-que-politicas-neoliberais-aumentaram-desigualdade.html
    http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia/FMI-admite-que-o-neoliberalismo-e-um-fracasso/7/36247
    http://veja.abril.com.br/economia/para-economistas-do-fmi-politicas-neoliberais-aumentaram-desigualdade-sim-do-fmi/
    E para lembrar, o neoliberalismo que sempre é usado de um modo pejorativo não é o liberalismo clássico que muitos defendem, é a total ausência do estado na economia, no mundo de hoje, não há sequer um país que tenha isso em prática. Apenas alguns países são menos interventores do que outros, e os menos interventores se destacam pela qualidade de vida como Suíça, Panamá, Singapura e Hong Kong.
    Voltando ao assunto, remeteremos a crise de 2008 quando uma linha ideológica defendia o socorro aos grandes bancos pelo governo americano, enquanto outros defendiam a correção pelo mercado, isto é via falência, a aquisições, incorporações… sabemos como essa história terminou, o papai estado estava lá para socorrer os “grandes demais” para falirem.
    Pois bem, os maiores bancos do mundo estavam ligados diretamente na especulação financeira e imobiliária como Bank of America, Citigroup, Goldman Sachs, JP Morgan, Wells Fargo, Morgan Stanley. Vamos analisar seus acionistas.
    Bank of America – State Street Corp., Vanguard Group, FMR (Fidelidty), BlackRock, T. Rowe, Capital World Investor, Bank of NY Mellon, AXA, Paulson, JP Morgan.
    JP Morgan – State Street Corp., Vanguard Group, FMR (Fidelidty), BlackRock, T. Rowe, Capital World Investor, Bank of NY Mellon, AXA, Capital Research Global Investor, Northern Trust Corp.
    Citigroup – State Street Corp., Vanguard Group, FMR (Fidelidty), BlackRock, Capital World Investor, Bank of NY Mellon, Paulson, JP Morgan, Northern Trust Corp., Fair Home Capital Mgmt.
    Wells Fargo – State Street Corp., Vanguard Group, FMR (Fidelidty), BlackRock, T. Rowe, Capital World Investor, AXA, Wellington Mgmt, Davis Selected Advisers e Berkshire Hathaway.
    Goldman Sachs – State Street Corp., Vanguard Group, FMR (Fidelidty), BlackRock, T. Rowe, Capital World Investor, AXA, Wellington Mgmt, Massachusetts Financial Service.
    Morgan Stanley – State Street Corp., Vanguard Group, FMR (Fidelidty), BlackRock, T. Rowe, AXA, Bank of NY Mellon, Mitsubishi UFJ, Franklin Recourses, Jennison Associates.
    Só de bater o olho da pra notar que há uma repetição de acionistas nesses bancos, a repetição das seguintes empresas: State Street Corp., Vanguard Group, FMR (Fidelidty), BlackRock.
    Para resumir eu posso dizer:
    As 08 maiores empresas financeiras dos Estados Unidos (JP Morgan, Wells Fargo, Bank of America, Citigroup, Goldman Sachs, US Bancorp, Bank of NY Mellon e Morgan Stanley) são controladas em 70% por 10 acionistas, onde podemos ver 04 empresas que sempre estão presentes nas decisões, State Street Corp., Vanguard Group, FMR (Fidelidty), BlackRock.
    Vale ressaltar que a autorização para o Fed funcionar foi concedida pelo congresso americano no Federal Reserve Act de 1913. Logo, tecnicamente, a existência legal do Fed também depende do governo, o presidente do Fed é apontado pelo presidente americano, e a autoridade do Fed é derivada do Congresso americano, o qual tem poderes de supervisão sobre o Fed, embora não tenha — em tese! — poderes sobre a política monetária que este adota. Ademais, o presidente do Fed, após ser escolhido pelo presidente americano, precisa ser aprovado pelo Congresso. É também o governo quem determina os salários de alguns dos funcionários do alto escalão do Fed. Suas 12 sucursais (Boston, Nova York, Filadélfia, Cleveland, Richmond, Atlanta, Chicago, St. Louis, Minneapolis, Kansas City, Dallas e San Francisco) são geridas privadamente (é como se as sucursais do Banco Central no Rio, em São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza etc. tivessem gerência privada). Mas elas apenas obedecem às ordens do Fed de Washington, que é quem manda em todo o sistema. O Fed como um todo não sofre qualquer auditoria política. Trata-se de uma caixa-preta mais impenetrável que a CIA.
    Como pode ver, o Olavo tem razão em dizer que os globalistas tomaram o governo americano restringido a liberdade dos americanos, principalmente econômicos. Pode ver que operando sobre esse sistema corporativista, o ganho é certo e o risco é nulo, Wall Street adora este sistema. Por isso o livre mercado é o pior arranjo para essa elite, eles sabem que podem falirem se não tiver um poder através do qual o socorrerem, e sempre foi o estado a exercer essa função. Uma pena que muitos não enxerguem isso.
    Será que vocês realmente acham que as grandes empresas de alimentação, mídia, farmácia e tecnologia, bancário operam em ambiente desregulamentado? Você não conhece, por exemplo, a expressão americana “Big Pharma”, utilizada justamente para criticar os amplos subsídios, bem como o amplo protecionismo fornecidos pelo governo às grandes empresas farmacêuticas? “Big Agra” para o setor agrícola e alimentício? “Big Media”? “Big Oil”? Pois é. Tudo para proteger a elite americana.
    Exatamente o protecionismo que o governo americano dá a essas empresas, empresas como a Cargill. Produtos brasileiros adentrarem em território americano são meses de longas negociações, assim como de diversos países, o setor agrícola americano opera sob um regime protecionista, contribuindo para desmitificar a falácia de que a elite é “pró-mercado”.

  81. Gilson,
    É os sistema anti-spam que retém alguns comentários que ele considera (rsrss) sendo algum tipo de malware. Acontece comigo também! Tem que esperar um editor e lá na casinha do doberman tirar da boca dele. rsrsss
    Um abraço e estou lendo o que escreve.

  82. Theogatos e Bosco, concordo.
    Galante em parte.
    Gilson Moura, dá pra tomar uma Guinness antes ?
    Juárez,
    confiar em turco é a mesma coisa que colocar uma Judia pro EI tomar conta.
    Pergunte aos Armênios ?
    Quanto a “elles” fazerem parte da UE ? Jamais ….
    Ficarem na NATO ? Depende, cão bravo …. melhor na corrente ! rs

  83. Esqueci:
    Debates ai pra riba, esquerda, direita, capitalismo, forças armadas etc etc etc
    1) Água e azeite não se misturam, não adianta ferver ou congelar.
    2) Quando podíamos deveríamos sim ter desenvolvido algo Nuc e que se pudesse lançar ….
    3) Aqui os problemas começaram em 1500,
    essa sim a herança maldita, ponto.
    Quanto a Grécia, melhor coisa que ela pode fazer é incrementar cada vez mais o Turismo,
    de preferência o ano todo, entendeu Theo ?

  84. Srs, o debate está fantástico, parabéns a todos. Tenho certeza que muitos, como eu, estão apreciando e aprendendo bastante.

    Agora, meio que fora do tópico (mas nem tanto), a crise venezuelana está piorando e caminhando para o inevitável conflito interno. Pergunto, na opinião dos Srs, qual deveria ser a posição brasileira, no tocante as forças armadas. Elas deveriam se preparar para um transbordamento do conflito para o Brasil e países limítrofes?

    http://m.folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/2017/07/1902750-diplomacia-brasileira-ja-se-prepara-para-cenario-de-guerra-na-venezuela.shtml

  85. Falando no equipamento e os custos anunciados:
    Segundo o texto, a Turquia vai comprar, com transferência de tecnologia, no mínimo 3 baterias do S-400, pois o texto diz que ao menos duas das baterias adquiridas serão montadas na Turquia. Isso dá a entender que serão mais que duas (devem ser bem mais que isso). Então, levando em conta a diferença enorme de desempenho, comparando com o Pantsir, a proposta ao Brasil era de 3 baterias do Pantsir por 1 bi de dólares. E os turcos vão levar mais baterias, de um equipamemto muito superior, por 2,5 bi. Com isso tudo, percebe-se que foi bom não termos comprado o Pantsir (muito dinheiro pelo número pequeno de unidades que iríamos receber). Hipoteticamente, prefiro pagar 2,5 bi por 4 S-400 do que 1 bi por 3 Pantsir.

  86. Senhores, quando terminou a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos da América detinham 50% da riqueza do mundo com somente 6% da população do planeta. Todas as medidas do pós-guerra foram, nas palavras dos próprios líderes dos EUA, para continuar mantendo essa disparidade.

    Fizeram o Plano Marshall para recuperar a Europa depois da Segunda Guerra e impedir o avanço da URSS e da Esquerda entre a população europeia, mantiveram o Japão e a Alemanha sob controle, criaram órgãos internacionais como o FMI, Banco Mundial etc para ajudar e manter o controle das finanças internacionais.

    Na esteira dessas ações vieram as grandes corporações, multinacionais e transnacionais, para exportar o excedente de produção e explorar outros mercados.

    A Globalização nada mais é que o aprofundamento da liberdade dos fluxos financeiros e da capacidade das grandes corporações de operarem onde quiserem, sem se preocupar com fronteiras e protecionismo.

    Quem mais se beneficiou da Globalização foi os EUA, mas assim como a concentração de renda aumentou no mundo, também aumentou dentro dos EUA. O tiro acabou saindo pela culatra: 80% da população americana só tem 7% do dinheiro no país. 1% da população tem 43% da riqueza.

  87. Amigo Flanker!
    So para esclarecer e melhor essa salada :
    – 1 bateria de Pantsir = 3 a 6 unidades 96K6
    – 1 unidade 96K6 com 20 misseis 9M311 – entre 15 e 20 MI dos presidentes mortos.
    – quase-sultão esta querendo 4 baterias (cada com 50 tubos-lançadores aproximadamente)
    – os sistemas tem nada a ver um com o outro (diria que um da a cobertura do outro)
    Um grande abraço!

  88. Bosco, so pra completar o que tu disseste acima, o Renan tem mais de 10 inquéritos contra ele alguns ha muitos anos. Cadê a denuncia do Sr PGR? Onde fica a isonomia? E a Dilma, não tinha uma investigação em curso pela nomeação do Lula? não havia a prova material da nomeação? quanto tempo ela ficou ainda na presidência sem Janot nada fazer?

    Como quem ja julgou processos criminais lhes digo que esta denuncia contra o Temer serviria de exemplo acadêmico de açodamento e falta de “justa causa”. Até a criação de uma situação adrede entra em discussão. Sem dúvida passivel até de trancamento via habeas corpus. Tratamento isonômico do PGR passou longe ai. Ele que tem que explicar quais os motivos disso.

  89. O debate aqui rendeu. De comunistas a liberais-conservadores. De embasamentos em sociologia até economia, passando por geopolítica, geoestratégia, conhecimentos de tecnologia militar, filosofia e análise das correlações entre todos esses conhecimentos e dados. Sem jamais baixar o nível. Foi interessante ler e aprender (e discordar e concordar).

  90. Pois é Colombelli,
    Na via normal essa denúncia só poderia existir depois de uma hipotética delação da principal testemunha e no caso da implicação do Temer, do co-autor, o Rodrigo R Loures.
    Até onde se sabe o RR Loures pode muito bem ter pedido uma “ajuda” de custo por ter aproximado o Joesley do Temer, por conta própria. Isso se não foi o próprio Joesley que deu a ideia para poder gravá-lo com as malas.
    É muito estranho um cara (o Temer) acusado de pedir um suborno vitalício de 2 milhões por mês não falar nada sobre isso no encontro noturno na Palácio do Jaburu. Se ele é tão sem noção assim ele (o Temer) deveria pelo menos ter dado um furo , tipo “agradecendo” ou confirmando que estava tudo correndo bem.
    Quanto a receber mega-empresários na calada da noite, eu moro em Brasília e todo mundo aqui sabe o que o Lula fazia no Palácio do Planalto com seus amigos de todas as matizes, inclusive mega-empresários que hoje estão pegando cana, e sem hora pra acabar. As festanças varavam a noite com churrascos, cantorias e uma boa cachaça, que ninguém é de ferro.
    Mas o Temer está sendo crucificado por receber o maior empresário do ramo de proteína animal do mundo, um dos maiores empregadores e pagadores de impostos do Brasil, numa época em que ele não estava sendo alvo de nenhuma denúncia do MP, na “calada da noite”.
    Chega a ser cômico. E olha que eu não gosto do Temer e nunca votei nele. rrsrssss
    Você recebe um cara de maneira informal e o visitante leva a pauta da conversa e vai te levando o anfitrião a ficar acoado mas a urbanidade e educação do Temer misturado com a conversa fiada e mansa do Joesley vão obrigando o presidente a ser no mínimo “cortês” e vai saindo de fininho em cada investida meia boca do empresário. O empresário não diz nada mas finge que falou o presidente não entende mas pra não constranger o cara finge que entendeu e vai empurrando reunião com a barriga doido pra ir dar uma “relaxada” com a primeira dama.
    Os petistas queriam que o Temer tivesse dado ordem de prisão pro cara quando ele citou que estava “de bem” com o Cunha. Ora! Pelo amor de Deus! Eu que não sou operador do Direito sei muito bem que isso não é prova suficiente para absolutamente nada, principalmente para depor um presidente da república constitucionalmente legítimo.
    Pra mim o Janot quis dar aquela mãozinha pro “chefe” antes de sair em setembro e tinha que ser rápido. Tinha indícios contra os irmãos Batistas e chegou neles e expôs como era pra ser feito senão o caldo pra eles iria engrossar.
    Sem falar que o maior lobby no Brasil não é dos empresários e nem dos sindicatos dos trabalhadores metalúrgicos ou dos rodoviários, é a dos “marajás” do serviço público, aqueles que ganham umas 200 pilas limpinho de aposentadoria (bem mais no final do ano e quando cai algum “retroativo” na conta sabe-se lá vindo de onde) e que temerosos em terem seus direitos reduzidos deram um jeito de armar pro presidente.
    Não que ele (o Temer) seja santo. Longe disso! Mas também não posso acreditar que de repente vire o ” chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil” como disse o Joesley. Eu tô é velho mas ainda não tô louco. rsrsss
    No mais, fiquei honrado com sua complementação!
    Um abraço!

  91. Vamos novamente Galante:
    “Senhores, quando terminou a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos da América detinham 50% da riqueza do mundo com somente 6% da população do planeta. Todas as medidas do pós-guerra foram, nas palavras dos próprios líderes dos EUA, para continuar mantendo essa disparidade.”

    Concordo totalmente com essa narrativa, porém tenho uma pergunta, qual era a corrente econômica que estava predominando nesse cenário? Muito simples, Keynes. A quase maioria esmagadora dos políticos se baseiam em decisões econômicas adotadas por este sujeito, que defende a intervenção do estado na economia para corrigir “falhas”, mas admira o papel do estado como bem-estar da população através de programas distributivos. Como você acha que começou a social-democracia? Veio justamente depois da Segunda Guerra Mundial com o keynesianismo imperando no cenário pós-guerra, APENAS alguns países rejeitaram esse modelo. Falaremos sobre eles depois.

    “Fizeram o Plano Marshall para recuperar a Europa depois da Segunda Guerra e impedir o avanço da URSS e da Esquerda entre a população europeia, mantiveram o Japão e a Alemanha sob controle, criaram órgãos internacionais como o FMI, Banco Mundial etc para ajudar e manter o controle das finanças internacionais.”

    O plano Marshall é um daqueles mitos econômicos que ainda perduram no imaginário popular por causa da ignorância acerca de questões básicas de economia. Pra começar, e isso é empiricamente verificável, os países que receberam mais auxílios do Plano Marshall (Grã-Bretanha, Suécia e Grécia) foram os que tiveram as menores taxas de crescimento entre 1947 e 1955, ao passo que aqueles que receberam menos dinheiro (Alemanha, Áustria e Itália) foram os que mais cresceram.
    Farei apenas três considerações:
    1) Um dos maiores entusiastas do Plano Marshall foi o setor exportador americano. Óbvio. O governo americano mandava dólares para os países europeus e estes utilizavam esses dólares para adquirir produtos exportados pelos americanos. No final, tudo não passou de um enorme esquema de subsídio a empresas americanas, com o dinheiro dos pagadores de impostos americanos, travestido de ajuda internacional. Há uma volumosa literatura a respeito.
    2) Se ajudas internacionais fossem economicamente benéficas, África e Haiti seriam, na mais tolerante das hipóteses, economias relativamente desenvolvidas.
    Pode ser até que tenha esse motivo mesmo de impedir a URSS e a sua grande influência nesses países, e com isso os EUA auxiliaram a reconstrução da Europa para estreitar ainda mais as relações com esses países, mas dizer que isso era para impedir a esquerda europeia é um argumento raso demais, se considerando o cenário daquela época, o próprio arranjo estava se adaptando a esfera da esquerda, como políticas distributivas. A social-democracia não veio por acaso.
    Voltando ao assunto do Japão e Alemanha, anteriormente eu avisei que teríamos em destaque esse assunto. Pois bem, para resumir de uma forma bem ampla, os americanos obtiveram controle sob o Japão e Alemanha militarmente, mas economicamente isso nunca foi efetivado e por um motivo simples, esses dois países chutaram para o alto toda a ladainha keynesiana e implementaram o livre mercado.
    Alemanha(em um outro posto eu já postei sobre a economia alemã, mas vamos novamente) – No fim da guerra, os líderes não sabiam o que fazer com a economia quebrada da Alemanha, surgiu várias tentativas de planos para reerguerem o país, mas nada foi concretizado. A economia alemã continuou definhando ao longo de 1946 e 1947, incapaz de começar a apresentar qualquer sinal de recuperação. Isso porque eles não chegavam a nenhum acordo sobre o que fazer com a economia e, por conseguinte, optaram por manter o status quo até onde pudessem. No final, provou-se impossível conciliar os objetivos do Ocidente com os da União Soviética, o que resultou na divisão da Alemanha na Alemanha Ocidental e na Alemanha Oriental. Como notou um observador, a economia alemã “estava organizada de tal forma que o interesse próprio dos indivíduos e das empresas era estritamente oposto ao interesse comum. Trabalhar em um emprego regular era a menos lucrativa das ocupações, e a mera sobrevivência dependia de se saber aproveitar as brechas da lei. Já em meados de 1948, a economia havia atingido um estado de total paralisia que resultou na quase inanição de uma grande fatia da população”.
    F. A. Lutz, “The German Currency Reform and the Revival of the German Economy,” Economica (Maio, 1949)
    Mas, felizmente para a Alemanha, um cavalheiro chamado Ludwig Erhard, que havia sido discípulo de Wilhelm Roepke — sendo que este havia sido discípulo de Ludwig von Mises —, foi nomeado Diretor da Administração Econômica Bizonal. Erhard era um inflexível e vigoroso adepto do livre mercado, e estava disposto a dar a ele uma chance. No auge da crise, em junho de 1948, ele propôs um ousado e extenso plano para restaurar a economia, um plano que combinava uma radical reforma monetária em conjunto com uma completa abolição dos controles econômicos. A reforma monetária estava marcada para ocorrer nas zonas britânicas e americanas no dia 20 de junho de 1948. Além desta reforma monetária, o vasto emaranhado de controles estatais sobre a economia também tinha de ser abolido para que a reforma monetária pudesse funcionar. Nos bastidores, isso não era algo fácil de ser feito, pois a Alemanha ainda estava sob ocupação militar, e virtualmente tudo o que os alemães quisessem fazer tinha de ter a prévia aprovação dos Aliados. Uma dificuldade adicional estava no fato de que, na Grã-Bretanha, o primeiro governo socialista(contrariando sua narrativa de reduzir a influência da esquerda europeia) acabava de ser eleito e, como consequência, os britânicos já estavam tentando difundir suas políticas socialistas também para a zona de ocupação.
    Os Aliados observaram a reforma econômica com grande ansiedade, dúvida e apreensão. Com efeito, o general Lucius D. Clay, nomeado pelos Aliados como diretor de política econômica, enviou um ríspido memorando para Ludwig Erhard alertando-o de que os controles econômicos do governo militar não poderiam ser alterados sem uma prévia permissão. A corajosa resposta do professor Erhard merece ser repetida continuamente até o fim dos tempos: “Eu não alterei seus controles; eu os aboli”.
    Volkmar Muthesius, Augenzeuge von drei Inflationen (Frankfurt am Main), 1973,111.
    Como o próprio Erhard viria a dizer mais tarde: “Foi estritamente especificado pelas autoridades britânicas e americanas que seria necessário obter permissão para que qualquer mudança de preços pudesse ser feita. Parece que os Aliados jamais haviam imaginado que alguém pudesse ter a ideia não de alterar os controles de preços, mas de simplesmente removê-los”.
    E foi exatamente isso o que Erhard fez, e de uma só vez ele desatrelou toda a economia alemã.
    À medida que a data da implementação destas reformas se aproximava, o país ia se tornando mais apreensivo, e a crise econômica parecia piorar continuamente. Ao mesmo tempo, os críticos socialistas se animavam e elevavam os gritos de condenação ao plano. No dia 19 de junho, um sábado, a maioria das lojas estava vazia. No dia 21 de junho, segunda-feira, como num passe de mágica, as lojas estavam novamente abastecidas. Dois franceses, Jacques Rueff e Andre Piettre, registraram de forma teatral este milagre ocorrido da noite para o dia:”O mercado negro de repente desapareceu. As vitrines das lojas amanheceram cheias de bens, as chaminés das fábricas voltaram a soltar fumaça intensamente, e as ruas fervilhavam de caminhões de carga. Por todos os cantos, o barulho das construções substituiu o silêncio sombrio dos escombros. Se a recuperação foi uma surpresa grande, sua rapidez foi uma surpresa ainda maior. Em todos os setores da economia, a vida foi retomada assim que os relógios badalaram as primeiras horas do dia da reforma. Apenas uma testemunha ocular pode oferecer um relato acurado do súbito efeito que a reforma monetária teve sobre o tamanho dos estoques e sobre a variedade e riqueza dos bens à mostra. As lojas se encheram de bens da noite para o dia; as fábricas voltaram a trabalhar a toda. Na véspera da reforma monetária, os alemães perambulavam sem rumo pelas cidades à procura de alguns itens comestíveis adicionais. Um dia depois, eles não pensavam em mais nada a não ser em produzi-los. Num dia, a apatia era nítida em suas faces; no outro, toda a nação olhava esperançosa para o futuro”.
    Citado in Erhard, Prosperity, 13; ver também Jacques Rueff, The Age of Inflation (Chicago: Henry Regnery, Gateway Edition, 1964)
    Como o próprio Erhard viria a observar este fenômeno: “Antes da reforma monetária, nossa economia era como um campo de prisioneiros de guerra; os reclusos eram mantidos vivos em parte pelos Aliados…. Imediatamente após a reforma, as cercas, barreiras e muralhas desabaram com estonteante velocidade tão logo o campo de prisioneiros ganhou uma nova e confiável moeda”. Os resultados rapidamente comprovaram a sagacidade de ambas as reformas, a monetária e a de liberação geral dos preços e salários. Mostra que, entre junho e dezembro de 1948, houve um aumento de 53% da produção naquelas áreas contempladas pelas reformas, já em 1949, o índice de produção encerrou em 143% daquele de 1948. Ao longo das duas décadas seguintes, a Alemanha continuou a ter uma das maiores taxas de crescimento do mundo.
    É óbvio que, perante estes resultados, vários economistas rapidamente se apressaram em querer atribuir os créditos do sucesso às suas ideologias favoritas. Aqueles que não queriam dar nenhum crédito às políticas de livre mercado de Erhard prontamente começaram a oferecer suas próprias explicações para a fenomenal recuperação da Alemanha. Uma explicação que se tornou bastante popular foi a de que a Alemanha utilizou princípios keynesianos em sua recuperação. Essa proposição já foi completamente demolida em outras obras, mas continua sendo difundida porque economistas keynesianos são invejosos do fato de que nenhuma das notáveis recuperações ocorridas no pós-guerra realmente utilizou qualquer tipo de economia keynesiana. Ao contrário: todas se basearam universalmente nos princípios do livre mercado. Como observou o professor de Harvard, Gottfried von Haberler:”Em todos os países industriais desenvolvidos, as políticas de recuperação econômica, de estabilização e de crescimento foram muito mais bem-sucedidas após a Segunda Guerra Mundial do que após a primeira. Porém, é difícil atribuir este fenômeno à difusão do pensamento keynesiano. Nenhum dos economistas e nenhum dos estadistas que foram amplamente responsáveis pelos variados milagres econômicos do pós-guerra pode ser chamado de keynesiano: nem Camille Gutt na Bélgica, nem Luigi Einaudi na Itália, nem Ludwig Erhard na Alemanha, nem Reinhard Kamitz na Áustria, nem Jacques Rueff na França. O maior milagre econômico de todos, o japonês, parece ter sido realizado sob governantes e estadistas japoneses bastantes conservadores, com o auxílio de conselheiros americanos ultraconservadores. Aos numerosos keynesianos e marxo-keynesianos restou apenas observar o fenômeno, em impotente oposição”.
    Robert Lekachman, ed., Keynes’ General Theory: Report of Three Decades (New York: St. Martin’s Press, 1964), 295.
    Concluindo o capítulo da Alemanha, o sucesso e milagre econômico do país se deve ao fato de Erhard esnobar e contrariar decisões do alto escalão dos Aliados e implementar aquele que sempre foi o melhor arranjo econômico, o livre mercado. As reformas de livre mercado de Ludwig Erhard restauraram a liberdade dos mercados na Alemanha e, com isso, libertaram as inexoráveis leis da ação humana. Foi a livre concorrência baseada na propriedade privada o que deu novas esperanças e permitiu o surgimento de um fenômeno econômico que surpreendeu o mundo e se tornou conhecido como “o milagre da recuperação alemã”.
    Infelizmente, Erhard tinha uma vantagem política que o mundo atual não mais usufrui. Ele teve a liberdade de abolir os controles que haviam sido impostos pelos Aliados; ao fazer isso, ele ganhou o apoio político da população alemã. No entanto, os controles haviam sido criados originalmente pelos nazistas; os Aliados apenas os estenderam por mais três anos após a Alemanha ter se rendido. É mais fácil abolir controles estatais criados por um exército de ocupação estrangeiro do que abolir todo um sistema de regulação que políticos nativos e eleitos democraticamente criaram em nome do “interesse público”.

    Japão – Não dá para falar sobre o Japão, senão daria um enorme texto, mas deixarei uma fonte aqui. Apenas para argumentar rapidamente sobre essa “submissão”, o Japão chegou ao seu auge encostando com o PIB dos EUA, em 1995 enquanto o PIB americano estava em US$7 trilhões, o PIB do Japão estava chegando a US$6 trilhões, se isso significa ser submisso, pelo menos seria algo extremamente positivo. Devido a crise japonesa nos anos 90, o Japão foi se estagnando com as defasadas ideias keynesianas, e contaram com o total apoio dos EUA, com isso o Japão foi se distanciando cada vez mais dos americanos, enquanto a China estava despertando e essa política continua até hoje.
    https://mises.org/library/rise-and-fall-japanese-miracle
    http://www.valor.com.br/cultura/2686352/gostaria-que-nos-tornassemos-o-japao

    O entrevistado da segunda matéria é Paul Krugman, ele defendeu arduamente a crise de 2008 alegando que isso resolveu a crise pontocom e os socorros financeiros das empresas a beira da falência, isso explica o motivo da estagnação do Japão. Naquela época, o Japão vivia constantemente sendo inflado, diziam que o mundo seria conquistado pelos japoneses, era desenho japonês sendo lançado, era tudo relacionado aos japoneses, até mesmo o número de bilionários era maior do que americanos, com a crise e as sucessivas políticas equivocadas dos keynesianos japoneses, o Japão perdeu seu brilho e de um verdadeiro tigre asiático virou um gato manso.

    “Na esteira dessas ações vieram as grandes corporações, multinacionais e transnacionais, para exportar o excedente de produção e explorar outros mercados.”

    Explicado anteriormente, pelo método keynesiano isso seria de fato um sucesso.

    “A Globalização nada mais é que o aprofundamento da liberdade dos fluxos financeiros e da capacidade das grandes corporações de operarem onde quiserem, sem se preocupar com fronteiras e protecionismo.”

    Ora bolas, mas se o protecionismo serve amplamente para proteger indústrias nacionais, não tem como haver globalização nesse ambiente. As próprias indústrias americanas atuam em um ambiente protecionista, talvez o setor que ainda não esteja totalmente regulado seja a de tecnologia, mas o resto é tudo operando sob o ambiente protecionista. Logo nesse ambiente, grandes corporações detém muito mais poder e influência para poderem manter seus monopólios, já que a concorrência é inibida tanto internamente quanto externamente, por que há de se preocupar em criar produtos de qualidades a preços baixos?
    Brasil é um exemplo disso. Apenas olhe ao seu redor. Todos os cartéis, oligopólios e monopólios da atualidade se dão em setores altamente regulados, protegidos ou subsidiados pelo governo (setor bancário, aéreo, alimentício, telefônico, elétrico, televisivo, TV a cabo, internet, postos de gasolina etc.). Quem cria cartéis, oligopólios, monopólios e reservas de mercado, garantindo grandes concentrações financeiras, é e sempre foi exatamente o estado, seja por meio de regulamentações que impõem barreiras à entrada da concorrência no mercado (via agências reguladoras), seja por meio de subsídios a empresas favoritas, seja por meio do protecionismo via obstrução de importações, seja por meio de altos tributos que impedem que novas empresas surjam e cresçam.
    O livre mercado sempre vai atrair empresas. O limite do livre mercado é a concorrência. Chega um momento que não há como baixar os preços.
    Apenas afins de comparação, a AT&T queria atuar no Brasil oferecendo seus serviços de telefonia, mas nada se concretizou alegando excesso de burocracia e protecionismo, a mesma coisa foi com a VirginMobile, todas desistem de investir no Brasil, em um ambiente desregulado, empresas do mundo todo poderiam oferecer seus serviços sejam americanos, chineses, britânicos, japoneses, isso que torna os serviços melhores e os preços atraentes.
    Pelo que eu percebo, o receio dos “soberanistas” é alegarem que liberando o mercado, o país vai ser imediatamente controlado pelos americanos ou seja lá de quem, só que isso não é demonstrado pela prática, se fosse assim Singapura e Hong Kong era pra ter apenas empresas americanas e britânicas assim como no Panamá. No Panamá há dezenas de bancos(privados) por conta da desregulamentação do setor, não há sequer monopólio no setor, isso corrói toda a narrativa de sermos controlados por grandes corporações em um ambiente desregulamentado.
    https://es.wikipedia.org/wiki/Bancos_de_Panam%C3%A1

    “Quem mais se beneficiou da Globalização foi os EUA, mas assim como a concentração de renda aumentou no mundo, também aumentou dentro dos EUA. O tiro acabou saindo pela culatra: 80% da população americana só tem 7% do dinheiro no país.”

    Obviamente que a maior economia do mundo inserida no contexto global de mercado, ela irá ter uma fatia maior desse mercado, isto é natural, sua influência econômica já nos diz tudo. O problema que você não enxerga é exatamente que nos ambientes desregulados, é impossível concentrar renda em uma única empresa ou pessoa, a concorrência já determina quem perde e quem ganha, e sempre foi o estado a obstruir esse ambiente concorrencial em prol das grandes corporações. Olha para a UE, ali a grande maioria dos carros são europeus, quase não há carros coreanos e japoneses. A indústria automobilística americana estava sofrendo grande concorrência dos carros japoneses, sabe o que houve? Para não deixarem falir as empresas americanas, os políticos americanos restringiram importações de veículos japoneses para praticar a reserva de mercado para a plutocracia automobilística do país. A Ford e a GM adoram este protecionismo, quase foram a míngua no auge do Japão por conta da concorrência contra os beberrões americanos, mas ali estava o papai estado para protegerem a sua prole. Logo a própria indústria americana já pratica o protecionismo há tempos, pelo lado financeiro a coisa pior ainda. Agora me diz qual carro é mais eficiente? Japonês ou americano? Coreano ou americano? O protecionismo obstrui todo o potencial da indústria nacional, destrói toda a divisão do trabalho em âmbito global. Até hoje ninguém refutou a teoria das vantagens comparativas, ninguém.
    Sobre a concentração de riqueza já expliquei que é devido a diversas políticas equivocadas como por meio de regulamentações que impõem barreiras à entrada da concorrência no mercado (via agências reguladoras), seja por meio de subsídios a empresas favoritas, seja por meio do protecionismo via obstrução de importações, seja por meio de altos tributos que impedem que novas empresas surjam e cresçam, seja pelo método inflacionário…

    “1% da população tem 43% da riqueza.”
    Essa eu tive que separar para responder devidamente. A conta certa é 1% da população detém a mesma riqueza que os 99% restantes.
    http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/01/1-da-populacao-global-detem-mesma-riqueza-dos-99-restantes-diz-estudo.html
    Isso é curioso devido ao fato da Oxfam estar na linha de frente divulgando ano após ano essa desigualdade e sempre antes da reunião no Fórum Econômico Mundial. Primeiro que as sugestões da ONG são repetitivas já: taxar ricos, programas universais de saúde, educação e buscar uma solução global para o problema. Como isso poderia dar errado? Afinal, Brasil, Venezuela e Argentina (pré-Macri) foram um retumbante sucesso econômico na mobilidade social dos mais pobres…
    Há dois problemas fundamentais com os dados produzidos pela Credit Suisse que foram utilizados pela Oxfam. O primeiro é de ordem técnica. Ao contrário de dados sobre a renda, a grande maioria dos países não tem dados sobre os estoques de riqueza, uma vez que o que se taxa normalmente é a renda e não a riqueza. Esse fato limita a confiabilidade das estatísticas sobre a riqueza. Segundo o relatório da Credit Suisse, somente 17 países têm estimativas completas de riqueza do setor privado (conhecidas como “household balance sheets”). Outros 31 países têm dados parciais, detalhando a riqueza financeira, mas não a riqueza não-financeira do setor privado — nos EUA, a riqueza não-financeira (imóveis, maquinários etc.) é de cerca de 1/3 da riqueza total, o que significa que ignorar a parte não financeira é ignorar boa parte da realidade. Para os outros 150 países do estudo, os economistas da Credit Suisse fizeram extrapolações — que não são inúteis, mas têm suas limitações, já que não trazem informações completas. O relatório original da Credit Suisse tem vários problemas além do mencionado acima. Entre eles:
    (a) não inclui riqueza informal (as casas nas favelas e bairros pobres brasileiros, por exemplo, que muitas vezes valem dezenas de milhares de reais apesar de não serem formalizados com um título estatal), riqueza esta que o economista Hernando de Soto estima em cerca de 10 trilhões de dólares;
    e (b) não inclui riqueza implícita — como aquela prevista por sistemas de seguridade social dos países ricos, que se fossem administrados privadamente seriam parte de poupança dos cidadãos.
    O próprio relatório da Credit Suisse diz que o estudo sobre a riqueza global está “em sua infância”. Na melhor das hipóteses, essas estimativas são pouco confiáveis e devem ser tomadas com bastante cuidado.
    O segundo problema é de ordem conceitual. Eles utilizam o conceito de riqueza “líquida” (ou seja: patrimônio menos dívidas). Segundo essa metodologia, se você tirar um real do bolso e der para seu sobrinho de dez anos, ele vai ter uma riqueza maior do que “2 bilhões de pessoas somadas”. Sim, seu sobrinho instantaneamente passa a ser um magnata com mais riqueza que bilhões de pessoas juntas. Como isso é possível? Porque a metodologia considera a riqueza “líquida” (ou seja: patrimônio menos dívidas) das pessoas. E 2 bilhões de pessoas, tendo dívida, têm riqueza negativa.
    Alguém que se formou em Harvard, vive num apartamento de cobertura em Nova York e ganha 100 mil dólares por ano mas tem 250 mil dólares em dívidas estudantis é mais pobre do que um camponês indiano que tem uma bicicleta, vive com um dólar por dia e não tem dívida. Não importa se o cara de Harvard gasta centenas de dólares tomando Chandon 18 anos todas as vezes em que sai pra balada. Pra Oxfam, ele é mais pobre que o camponês indiano.
    A primeira coisa a se entender é que nem todas as desigualdades são iguais. Já expliquei isso no comentário anterior sobre as diferenças entre eu e Bill Gates. Às vezes, quando o ponto de partida é muito ruim, a desigualdade é simplesmente fruto da melhoria de vida de algumas pessoas. Angus Deaton, que ganhou o Nobel de Economia ano passado, traz um exemplo interessante em seu livro mais recente: imagine que, dentre 100 judeus em um campo de concentração, dez conseguem fugir. Isso causou uma desigualdade, já que agora alguns estão em liberdade e outros não. Mas isso não seria uma situação inerentemente pior à situação de plena igualdade em que todos estavam no campo de concentração? Talvez essa desigualdade inicial dê esperança para os que lá ficaram e faça com que eles fujam. Por outro lado, talvez os guardas punam os que ficaram para desestimular fugas futuras. De todo modo, não há nada óbvio em relação à desigualdade. Ela pode ser boa ou ruim: sempre depende. Desigualdade é como colesterol: há uma boa e outra ruim. A boa é aquela que deriva dos talentos, esforços e inventividade das pessoas e gera bons incentivos. Quando alguém cria valor para os outros ela deve ser recompensada por isso — porque isso gera dinamismo econômico, inovação e menos pobreza (pense no arquétipo do Steve Jobs). Se ela não for recompensada, ela não vai ter incentivo pra continuar inovando. A ruim é aquela de uma sociedade estamental — de comando e controle —, onde as pessoas não enriquecem por causa de sua inventividade ou pelo valor que geram para à sociedade, mas pelos privilégios que têm junto aos poderosos (pense no arquétipo de Eike Batista). Temos de corrigir as desigualdades injustas que existem no mundo — e elas existem em demasia. Mas para isso precisamos de análise séria. E não retóricas travestidas de números.
    Enquanto isso, no mundo real, estamos perto de erradicar a pobreza mundial pela primeira vez na história da humanidade.
    http://www.nzherald.co.nz/business/news/article.cfm?c_id=3&objectid=11525268
    Pela primeira vez na história, menos de 10% da população mundial são pobres, principalmente por causa do avanço do capitalismo(globalização) na Ásia, a pobreza despencou na última década a níveis inéditos em toda a história da humanidade. Em 2000, a meta estabelecida pela ONU, de cortar pela metade o número de pessoas que viviam com menos de US$ 1,25 por dia até 2015, parecia ambiciosa demais. Pois o mundo conseguiu atingir esse objetivo cinco anos antes do previsto, nunca uma parcela tão pequena da população mundial foi miserável.
    Enquanto você preocupa-se com a desigualdade, eu me preocupo com a extrema pobreza, que por sinal está quase sendo extinguida.

  92. Alexandre Galante ( 19 de julho de 2017 at 14:37 ),
    .
    Aquele que manda não é necessariamente “quem tem”, mas quem controla o que tem a sua disposição e/ou sabe como controlar os outros que tem… Você pode dar todo o capital e poder militar na mão de um sujeito e uma carta branca. Se ele for um incompetente, não vai dar em nada…! Aliás, é assim que as maiores besteiras do mundo ocorrem, isto é, quando pessoas erradas tem capital de sobra e/ou poderio militar nas mãos.
    .
    Armas são realmente instrumentos para se ter um poder absoluto. Não há como negar isso.
    .
    Mas o capital em si… Este pode ser uma forma de se conseguir poder, mas somente em uma sociedade organizada, onde existam os elementos jurídicos para garantir que ele vale alguma coisa. E isso se muda da noite para o dia… Uma lei mal redigida e esses valores materiais caem por terra. E ainda, soma-se o que falei acima: um idiota com dinheiro equivale a nada…
    .
    O mais, é o conhecimento ( em todas as áreas )… Não há como se negar que é um soft power. E tem seus inconvenientes: o individuo precisa de tempo para assimilar, compreender e divulgar o que sabe; e é necessário que as pessoas acreditem no mesmo e no que o dito cujo prega. A ação, portanto, é lenta. Mas também não há como negar o potencial para ser o fator determinante. E numa era onde as armas nem sempre podem ser usadas, será este o elemento que poderá fazer o indivíduo ou o País prevalecer.

  93. Alexandre Galante ( 20 de julho de 2017 at 15:14 )
    .
    Entendo que o problema não é a distribuição de renda, e sim geração de renda; ou melhor: geração de riqueza…
    .
    Pegue os países onde melhor se vive e compare com as economias mais parrudas. Vai descobrir que a maior renda per capita pertence a países de expressividade quase nula no cenário internacional, que, teoricamente, deveriam ter populações miseráveis, mas que sabemos não ocorrer dessa forma.
    .
    Ou seja, já é possível concluir que um ambiente economicamente saudável é aquele onde individualmente a produção é maior, isto é, onde o indivíduo individualmente produz mais.
    .
    Se pegarmos os países nórdicos ( topo no ranking de desenvolvimento ), veremos que, apesar do ‘welfare state’ ( que dá um ar de socialismo ), são países com economias altamente liberais, motivando um espírito empreendedor na população. Tanto que sempre estão bem conceituados no ranking de países onde é mais fácil empreender. E este ambiente depende de segurança jurídica e, principalmente, de liberdade de investir, com leis verdadeiramente justas e impostos que sejam os menores o possível, além de um verdadeiro engajamento do Estado nesse sentido ( ou seja, entramos no inevitável debate político e ideológico de novo, visto que é aí que está o entrave ).
    .
    Pra se ter uma idéia de como empreender é levado a sério por aquelas bandas, na Finlândia, alunos do que seria o equivalente ao “fundamental II” ( salvo engano ) aprendem noções de empreendedorismo! Ou seja, os alunos aprendem a ser capitalistas na escola! Por isso dá certo…!
    .
    Enfim, a questão não é quem necessariamente concentra renda, mas como se consegue fazer as pessoas produzirem riqueza ao ponto de todas as necessidades delas serem cobertas, e ainda empurrar o desenvolvimento sempre do sentido de trabalhar menos e fazer mais.
    .
    Resumindo, é o fomento a criação de negócios e tecnologia ( conhecimento ) que garante riqueza e retira as pessoas da miséria. E ao final do processo, a tendência é haver uma distribuição mais racional da riqueza…

  94. Bosco,
    obrigado pela explicação, inicialmente achei estranho por causa de alguns comentários são postados na mesma hora enquanto outros demoram um pouco, como acontece no youtube comentário meu não ser publicado eu republico várias vezes(rsrs).
    Abç

  95. Bosco,
    obrigado pela explicação, inicialmente achei estranho por causa de alguns comentários são postados na mesma hora enquanto outros demoram um pouco, como acontece no youtube comentário meu não ser publicado ai eu vou e republico várias vezes(rsrs).
    Abç

  96. Carlos Alberto, obrigado pelo comentário! Esse (turismo) é um dos principais caminhos mesmo pra alavancar a economia cambaleante da Grécia mesmo…
    .
    Galante, se ao sair da Guerra os EUA sozinhos tinham cerca de 50% da riqueza do mundo (vou imaginar que isso seja o PIB, se eu estiver incorreto, me perdoe e me corrija) e eles investiram para os capitais seguirem fluxos mais livres pelo mundo gerando riquezas, isso até que funcionou porque hoje eles detêm cerca de 24,5% do PIB mundial segundo FMI (continuam com 5% da população mundial), sendo que a Europa fica com 22,2% (cerca de 7% da população mundial), China com 15,0% (19% da população mundial) e Japão 5,6% (2% da população mundial)… Isso pra não falar da correlação bastante positiva entre IDH e liberalismo econômico podendo atestar parte do sucesso do modelo (que claro é vivo e ainda vai evoluir muito), mas acho que é apenas um prisma que pode servir para defender um ponto de vista e admito que há outros prismas que podem ser alarmantes (como os que você trouxe).
    .
    Juliano realmente o debate manteve um nível de respeito e cordialidade mesmo com opiniões discrepantes louvável, acho que por isso os editores não chamaram atenção a uma fuga tão grande do tópico principal que era a aquisição da Turquia do S400… Também achei bastante positivo e aprendi muito aqui com os comentários do Bosco, Galante, seu, Gilson, _RR_, Oganza e outros, ainda que discordando de alguns pontos de vista nós aprendemos sempre!
    .
    Sds a todos

LEAVE A REPLY