Home Força de Paz da ONU Minusca: Brasil manda comitiva de dez oficiais para reconhecimento na República Centro-Africana

Minusca: Brasil manda comitiva de dez oficiais para reconhecimento na República Centro-Africana

5321
135
Uma patrulha da MINUSCA na República Centro-Africana

O Diário Oficial desta terça-feira (9) publica a designação uma equipe de dez oficiais das Forças Armadas para fazer o reconhecimento da área de operações da MINUSCA, na República Centro-Africana, nas cidades de Bangui, Bambari e localidades adjacentes.

Entre 21 de janeiro e 3 de fevereiro, estarão no país africano um contra-almirante, dois generais de brigada, três coroneis do Exército (sendo um da reserva), dois capitães de mar e guerra (um da reserva), um capitão de corveta e um capitão aviador.

As despesas correm por conta do Ministério da Defesa.

FONTE: montedo.blogspot.com.br

135 COMMENTS

  1. “Entre 21 de janeiro e 3 de fevereiro, estarão no país africano um contra-almirante, dois generais de brigada, três coroneis do Exército (sendo um da reserva), dois capitães de mar e guerra (um da reserva), um capitão de corveta e um capitão aviador.”

    O que o pessoal da Marinha fará lá ? Não há saída para o mar no país…..

  2. É sério que o Brasil vai fazer parte dessa asneira? Jesus, se eu fosse militar pedia exoneração!
    Isso é um absurdo, um tapa na cara do brasileiro!
    Falando nisso, há alguma iniciativa do EB para retirar os 200 mil haitianos ILEGAIS que estão no Brasil? Ou importaram problema e se ausentaram? Eu mesmo trabalhei como voluntário em uma ONG e via diariamente a canalhice do nosso governo.
    Ahhh o Brasil tem que vender uma imagem de país civilizado e atuante kkkk

  3. Ivan, ainda bem que vc não é não é mesmo!! ufa!
    O Brasil tem COMPROMISSOS internacionais com a ONU, portanto participa de missões de paz, que são reembolsadas, diga-se de passagem, e com muito mérito, apesar dos vira-latas sempre acharem o contrário….
    Os 200 mil Haitianos é problema criado pelo (des)governo PT, e que tem que ser desfeitos pelos próximos governos (ou desgovernos tb), e não tem NADA a ver com as Forças Armadas Brasileiras.

  4. Peruanos estão com um batalhão de engenharia preparando um aeródromo por lá. O que vale é a experiência real e não o joystique. Sorte para nossa armada.

  5. Mais vale uma l200 na mão que um guarani desfilando em Brasília. Fuzileiros navais tem bons veículos, mas treinamos um bocado de gente na operação Ibicui. Qual o tipo de terreno por lá.

  6. João Adaime.
    A Toyota com “gambiarra” é um technical. Este é até fraquinho, há technicals com canhão 23mm e até com casulo 70mm !

  7. Compromisso o Brasil precisa ter com os brasileiros. Se eu sou o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, jamais mandaria brasileiro para a guerra, muito menos uma guerra que não é nossa.
    Meus impostos, meu compromisso, é com o Brasil. vão lutar do outro lado do mundo, enquanto morre brasileiros em hospitais caindo aos pedaços, rodovias “da morte”, presídios super lotados, favelas por todas as cidades, falta de saneamento básico…em 2018 teremos rombo de 180 bilhões de reais, o mesmo rombo orçamentário de 2017.
    O líder de um país deve lutar pelo seu país, nada de querer dar um de bonzão, sair bem na foto e impor tentáculos fora de suas fronteiras. O mesmo vale para aqueles que defendem ideia de intervenção na Venezuela.
    Essas missões de paz é uma hipocrisia do tamanho da Amazônia!
    Já estou até vendo a leva de imigrantes invadindo o Brasil, mais pobreza e temos que rezar para não vir terrorismo junto. É só o que faltava nas nossas vidas…criminalidade absurdo e atentados terroristas.
    Forças Armadas de país falido querendo “intervir e pacificar” outras regiões do mundo…vão cair na real!
    Não é em vão que escolheram o português para presidir a ONU, o português foi logo atrás dos mais idiotas que passou na cabeça dele.
    Deixem essas missões de paz para as super potências, aqueles que alguns aqui dizem que odeiam a África e o mundo! deixempara USA, Rússia, França e China, países com seus arsenais nucleares, submarinos nuclares, tropas espeiais, indústria militar própria, experiência de guerra…país que lucram com cada ser humano morto no mundo, pois venderam os projéteis.
    Enfim, se eu sou presidente, em vez de mandar paa a guerra, eu mando brasileiro para os curso de medicina (em vez de trazer cubanos), melhorando a vida dos jovens e melhorando a qualidade de vida dos brasileiros.
    O resto “a ONU” e seus pessoal “pacifista” que resolva! Aliás, a ONU não afirma que o desarmamento é bom? Como que ela quer utilizar de armas para trazer a paz? Que contraditório?
    eu ainda vivo no mundo real…Abraço!

  8. JoãoMiguel 9 de Janeiro de 2018 at 14:13
    Qual era a sua? Já entrou em alguma na vida? Ou apenas ligando para o criança esperança da Globo?

  9. Sou plenamente a favor da nossa participação, mas é preciso deixar claro como funciona o tal reembolso por parte da ONU.
    Existe uma tabela com uma diária fixa, que não lembro qual é o valor. Se o País gastar mais, azar.
    A missão no Haiti nos custou R$ 2,5 bilhões (R$ 2.550.393.072,66) e fomos reembolsados em R$ 930 milhões (R$ 930.901.850,62). São valores não atualizados.
    Mas tivemos um ganho em treinamento militar e teste de equipamentos.
    Quanto a ganharmos reconhecimento internacional, tenho profundas dúvidas. Só o país alvo da missão e uns poucos camaradas de armas de exércitos de outros países que também participaram junto ficaram sabendo. A propósito, nós sabemos quais outros países estavam lá representados? Pois então……
    O descaso para o com Brasil pode ser bem observado quando do terremoto de 2010. Os EUA imediatamente “ocuparam” o Haiti e nos proibiram até mesmo de usarmos o aeroporto da capital. Isto que o Brasil estava no comando da operação.
    Se isto não é sermos anões diplomáticos e militares, então não sei mais o que é ser.

  10. Delfim Sobreira
    Eu me referia à falta de proteção. Bem típica dos rebeldes no Oriente Médio.
    El blindaje soy yo.

  11. Se eu sou o comandante do Exército Brasileiro, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, eu peço exoneração mas não mando brasileiro para a guerra, muito menos uma guerra que não é nossa.
    Não passaria por tal humilhação!
    Eu como presidente mandaria brasileiros para as faculdades de medicina (não cubanos), mandaria estudar em universidades no exterior (como a China fez e faz), não para a guerra.
    Essa é a diferença de alguém preocupado com as pessoas e outros preocupados com o cargo, a diferença de um lider e um gestor.
    Não é em vão que escolheram como chefe da ONU um português, não perdeu tempo na escolha dos seus gados de manobra para a guerra. O mesmo vale para aqueles que defendem intervenção na Venezuela.
    um país perdido na criminalidade, violência absurda, presídios tomados pelo narcotráfico, rodoviás “da morte”, hospitais caindo aos pedaços, 50% do país sem coleta de esgoto, 80% sem tratamento de esgoto, país lotado de favelas, população sem emprego, renda baixa, corrupção enorme, rombo de 160 bilhões em 2018, o mesmo de 2017.
    Vamos lá se pagar de bons samaritanos, fazer status para os donos da ONU.
    Nosso país está um verdadeiro lixo…povo órfão de lideras e caminhos.
    O Brasil precisa cuidar do Brasil e não ir trabalhar do outro lado do mundo…
    Já estou até vendo a leva de imigrantes ilegais, temos que rezar para não entrar terroristas junto, é só o que faltava nesse país, narcotráfico com terroristas! Estamos importando problemas igual fez a Europa! Bora incentivar a imigração!
    Outra coisa, missão militar de paz da ONU? Mas não é essa organização a principal defensora do desarmamento no mundo? Os caras tem até cartilhas e resoluções nesse sentido! sei não, armas não resolverm o problema na África, é melhor mandaros pacifistas da ONU, aqueles que ficam nos prédios da instituições tomando café diante dos seus computadoresno ambiente climatizado.
    Acho melhor alguns acordarem para a realidade. ganhamos 200 mil imigrantes, problema social para resolver, vai vir mais problemas pela frente!
    Deixem isso para as potências pacifistas: China, Rússia, França e USA…esses são os caras! ganham dinheiro com cada morte que acontece nesse mundo em decorrência de arma de fogo.

  12. Cada um faz o que quiser…eu não mandaria brasileiro para a guerra. Mas fiquem a vontade para mandar seus irmãos e filhso para um paíseco do outro lado do mundo, certeza que o Temer e o português da ONU vão te dar uma estrela após perder uma perna em uma mina.

  13. Dado o clima semi-árido, poderiam levar tropas da Caatinga em vez dos FN.
    .
    Para quem não sabe, o problema na RCA é um conflito étnico-religioso entre muçulmanos e cristãos. Bem pior que os problemas encontrados no Haiti.
    .
    Reservas de ouro, diamantes, petróleo e urânio. O BR vai lutar para outros aproveitarem.

  14. Não estou vendo problema nenhum no Toyota Land Cruiser usado para patrulhamento, isto não é para ser um veículo blindado de zona de guerra.
    Ele foi preparado com o que precisa para patrulhar as zonas rurais nesta operação da ONU, se querem proteção melhor os APC estão loga atrás na foto.
    Vejam nesta foto que estes veiculos semelhantes na Minusca são usados em missões policiais.
    . https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTJw67a3csbByMLH3tVeUnKrqwZqi2nGZvXQDyZQD2Glhf9h620SwiGRKsa

  15. Em minha opinião, há uma guerra civil muito mais próxima, tão mortífera quanto esta e de interesse direto da população brasileira. Mas é aquela máxima: cada um com as suas prioridades.

  16. Walfrido Strobel
    Bem lembrado. Mas eu acho que o Ministério da Defesa só vai decidir que equipamento usar após a comitiva retornar e fizer o relatório.
    Se for para adquirir os jipinhos da Iveco (não me refiro ao Guarani), prefiro que peça ao US Army uns Humvee do estoque do Iraque. Aqueles que estão com o paralama amassado ou a pintura riscada. Nada que o Parque Regional de Manutenção de Curitiba não consiga arrumar.

  17. Há quem diga que os technicals sejam a nova “cavalaria ligeira”.
    São velozes, off-road, possuem autonomia, são facilmente acessíveis e mantidos em quantidade.

  18. Roberto Bozzo 9 de Janeiro de 2018 at 13:45 O que o pessoal da Marinha fará lá ? Não há saída para o mar no país…..
    Delfim Sobreira 9 de Janeiro de 2018 at 14:52
    Dado o clima semi-árido, poderiam levar tropas da Caatinga em vez dos FN.
    Caros Amigos,devo lembrar que nossa Marinha não tem apenas navios,temos um excelente Corpo de Fuzileiros Navais que já atua em ambiente Africano a muito tempo,devo informa-los que nós fundamos o Corpo de Fuzileiros Navais da Namíbia e estamos formando Fuzileiros Navais em Cabo Verde que diga-se de passagem tem climas de característica Desértica ( Namíbia ) e Semi-Árido ( Cabo Verde),nossa tropa do CFN está habilitada a atuar em qualquer situação e em qualquer tipo de clima ou topografia,por ser uma tropa altamente profissional e considerada tropa de elite e ponta de lança das Forças Armadas.
    Portanto fica claro dizer a importância desses 4 oficias na Marinha em comitiva para esse país,desde já venho retificar a informação do nosso amigo Delfim Sobreira, a República Centro Africana foi escolhida por nossas Forças por ter características de região de mata fechada e não Semi-Árida, o que não tira nenhum valor dando do CFN nem do EB porque em ambas as forças tem soldados altamente treinados para essa situação.
    Desde já,gratos e não desdenhe nem desmereçam uma tropa sem conhece-la.

  19. Besteira, o Brasil não ganha nada com a ONU e ainda ficam se metendo em assuntos internos, por exemplo, se vier alguém querendo trazer um pouco de justiça a esse país implementando prisão perpetua e pena de morte no Brasil, a ONU chiaria muito contra. Agora quero ver tirarem a prisão perpetua e pena de morte dos EUA, China e Japão, respectivamente as três maiores economias do mundo e o fato de ter alguma ordem ajuda bastante.

  20. Matéria completa sobre technicals em https://maquinasdeguerrasite.wordpress.com/2017/01/20/technicals-a-cavalaria-ligeira-do-seculo-xxi/
    .
    A população da RCA se divide em 66% cristãos, 18% animistas e 16% islâmicos, mas estes 16% fazem muito barulho.
    .
    André.
    Para mim que sou civil, Fuzileiros Navais teriam atribuições de infantaria em unidades navais, desembarque e tomada de posições litorâneas e polícia da MB.
    Mas se s Sr. diz que os FNs podem fazer tantas outras atribuições, em outros climas e biomas e a centenas de quilômetros do litoral, acredito.
    A informação sobre o semi-árido, como outras sobre a RCA, retirei do Wikipedia.
    Abs.

  21. A hora que tem um conflito pedi exoneração,e medo de morrer então não seja militar.Os EUA arrumam guerra e intervenção para tudo enquanto e lado e os militares tem que ir sim sr.Aqui ficam treinando a vida toda os os 30 anos de3 serviço e na hora que o exercito os manda pedi exoneração.absurdos estes comentários acima só queria registrar.

  22. Delfim Sobreira,poucas Forças Anfíbias tem esse aspecto expedicionário no mundo,da para contar nos dedos até e felizmente nós somos um deles,se estivéssemos falando de décadas atrás exemplo na 2º guerra mundial você estaria certo,os navais teriam seu emprego limitado a apenas abrir caminho para o Exército adentrar mas os tempos mudaram,as guerras atuais pedem mais profissionalismo da tropa,exemplo é a integração de militares atuando em cenários urbanos onde se convive com moradores ou exemplo internacional de insurgentes em convívio com as tropas.
    Nosso Corpo de Fuzileiros navais conta com 3 Batalhões de infantaria com características de atuação nos 3 tipos de ambiente (mar,terra e ar),temos 1 batalhão de artilharia, 1 de carros blindados dentre outros, o que forma a Divisão Anfíbia, no qual se compara com uma Divisão de Exército,e contamos também com Batalhões de reforço ou apoio situados em cada canto do país em área Alfa como o Batalhão de Operações Ribeirinhas em Manaus e o Grupamento Ribeirinho em Belém,ambos estão habilitados a Guerra na Selva.Temos também um grupamento Anfíbio no Mato Grosso do Sul em região de fronteira,habilitado em conflitos em ambiente pantanoso e outro no Rio Grande do Sul,Rio Grande do Norte e Bahia,além de um batalhão de defesa Química e Biológica e nosso glorioso Batalhão Tonelero de Operações Especiais. Estamos preparados para qualquer situação junto ao EB.
    É de grande valia uma missão desse tipo,só tem a somar a tropa e a população Africana.

  23. Sr. André, obrigado pelas informações.
    .
    Só um Capitão FAB ? Qual seria a participação da FAB, apenas transporte ? 3 A-29 e 3 Blackhawk ficariam perfeitos.

  24. Jacinto 9 de Janeiro de 2018 at 17:08
    Por que existem oficiais da reserva entre os designados? Não seria melhor mandar somente os da ativa?
    .
    .
    .
    Passar para a reserva não significa necessariamente entrar para o ostracismo e esquecimento uniformizado de pijama. A reserva não é um fim e muitas vezes é um meio.
    O homem pode e deve aperfeiçoar-se constantemente e o soldado que passa para a reserva pode continuar seus estudos em uma área específica e prestar serviços de forma paralela, seja através de entidades privadas ou de empresas públicas associadas ao campo do seu conhecimento.
    O conhecimento e capacidade de um militar, adquiridos em toda uma vida, não podem ser desperdiçados ou esquecidos, podendo ser plenamente aproveitados em ações de pesquisa, ensino, capacitação e desenvolvimento setorial.

  25. Uma de guerra de Proteção à população precisa de Tucanos, não sei. Poderiam usar, se preciso, a artilharia, como o Brasil já fez na África. Acredito que seria mais um trabalho de combate às milícias, conflito religioso entre cristãos e muçulmanos. Talvez tenham outras forças africanas para este serviço aéreo.

  26. Perdão pelas palavras Ivan. Não sou acnur e de outras entidades, mas tenho um bom tempo de trabalho junto a fronteira de alguns países latinos prestando serviço pontual. Dentro de aldeias, cidades, países. Do garimpo ao soldado, do indígena ao haitiano lascado, até do ex paramilitar colombiano ou ex farcs. Já voei muito com a FAB, função, furnasa. Ja usei o cartão da presidência para pagar minhas contas, já paguei do bolso para ajudar alguém com fome. Do pescador ao embaixador brasileiro ou americano tive que conversar. Mas no dia a dia sou apenas um caboclo quase aposentado, pessoa comum que desde pequeno lê as coleções de armamentos e aviões que ganhou do irmão mais velho.

  27. Além dos FABianos voarem em missões reais de ataque ao solo com os A-29, fariam uma boa propaganda da Embraer… ou Boeing ?
    O problema seria o translado dos A-29. Helis seria bem mais fácil.

  28. Levem um corpo de paz, gentileza gera gentileza, mas não deixem de ter uns mísseis antitanque para usar na hora de aperreio e confronto com esses fanáticos cristãos e muçulmanos. Guerra sempre é jovem contra jovem enquanto os velhos fazem política.

  29. Os nossos comboios vão andar sempre com um piranha dos FN abrindo caminho, ou melhor, abrindo as minas?
    🐢 ⛟🚚⛟🚚🚛⛟

  30. Senhores, boa noite
    Alguns oficiais da reserva ainda trabalham com prestadores de tarefa por tempo certo. Depois q a turma promove seu último general, os remanescentes vão pra reserva. Porém, dado a experiência e formação, alguns permanecem e recebem por isso, menos do q por um da ativa e completar com temporário lá no final da linha.

    Ainda bem q veio a explicação do CFN!
    CFN e EB tem realizado muito trabalho integrado. Não há problema algum em participarem da missão, pelo contrário, como já foi dito pelo companheiro, tanto pela experiência quanto pelo profissionalismo. O importante é q trás muita experiência.

    Quanto a FAB, pelo q soube, o A-29 participará da missão.

    Sds

  31. Estar na reserva não quer dizer nada. O Gen Santos Cruz quando foi convidado para ser o Force Comander na República Democrática do Congo, estava na reserva. Mas isso não o impediu de vestir a farda do EB novamente e carregar o seu fuzil.

  32. E a história que os carros seriam dos Emirados Árabes… Se vão tucanos a A Novaer também poderia se empresta uns Calidus B250 para ir junto com os tucanos mas pela aviação da marinha ou ases do exercito . Sairmos um pouco da mono cultura da FAB. Iam tirar o ministro do temer logo logo.

  33. Primeiro, ainda que a ONU pague alguma coisa, sempre resta prejuizo.
    Segundo o que se ganha de algum experiência é algo bem específico e de aplicação restrita a casos semelhantes.
    Terceiro, vamos entrar no radar dos radicais so que temos 17.000 km de fronteiras desguarnecidas. Depois virá o troco.
    Quarto, a ONU é um orgão marionete, cafona e burlesco, comandado pelos 05 que tem poder de veto. Eles querem ser os mandachuvas? que assumam a bronca. Ficam repassando so as missões boca podre para os trouxas.
    Quinto não temos recursos no momento pra isso. Dinheiro deve ir é pra Guarani, Leopard, Carl Gustav, pelotões de fronteira.
    Sexto, daqui dois anos vai encher de ilegais de lá e ficaremos atolados 10 anos com um foge de dinheiro lá.
    baita burrice. Não se mexe em vespeiro de graça, não se compra briga que não é nossa. Aqui terrorismo será 10 vezes pior que nos EUA ou Europa.

  34. JoãoMiguel 9 de Janeiro de 2018 at 18:29
    Que veículos estão lá fundo da foto. Alguém mais esperto pode dizer.
    .
    João Migler, ja postei acima aos 15:09 com anexo, são OTOKAR fabricados pela Turquia.

  35. Fora que se morrer um lá é pensão para a esposa… e filhas(???) pelo resto da vida. Mais uma na conta da Viúva.

  36. Acho que o apoio da FAB será mais Logístico. No site da FAB diz que 5 aeronaves estão a disposição da missão,são essas (1) C-105 Amazonas/ (2) helicópteros H-60L Black Hawk/ (2) caças A-29 Super Tucano.

  37. Que bom, vamos ajudar nas forças de paz na Africa, a ONU agradece. ONU por favor há como mandar pelo menos 1 milhão de soldados para o Brasil – Mais de 50 mil mortos por violência no país por ano, números de guerra civil. PCC, Amigos dos Amigos, MST, MDAT, Comando Vermelho, pequenas facções de marginais, todas as instituições corrompidas, greves nas PM e PC e ainda se discute segurança ou ordem mundial? Vamos olhar no nosso próprio umbigo e focar em salvar o Brasil. Adoro África, Haiti, a Venezuela o Líbano se pudesse ajudava, mas nesse momento é hora de arrumar a casa. Toma vergonha Brasil, a gente tem que ficar bem na foto para os nossos inicialmente, depois de arrumada a nossa casa a gente ajuda. Não se pode tirar o pão do seu filho que te ama para dar para o desconhecido que te ignora.

  38. Eu acho engraçado como uma missão que contará com apenas 700 homens os caras já estão pensando em terrorismo islâmico aqui. Voces são é desesperados demais, parecem crianças.

  39. Srs
    O que o Brasil ganhou, além do prejuízo de mais de 1 bilhão, com a missão no Haiti, considerando que a experiência adquirida lá, nas ações contra as milicias, não pode ser aplicada no Brasil pelas regras aqui vigentes (segundo nossos especialistas em direitos humanos, os bandidos de nossas favelas são vítimas de impiedosa discriminação e desrespeito a seus legítimos direitos de realização pessoal ?
    O que o Brasil tem ganho com a presença da MB no Líbano, além do desgaste dos navios e do prejuízo financeiro, considerando que a experiência de combate é nula, além da obtida observando, de camarote, as ações dos beligerantes da região?
    O que o Brasil ganhará em se envolver nos conflitos étnicos/religiosos na RCA, considerando que o cenário é de conflito assimétrico, conflito que, em princípio, não serve como referência para qualquer confronto em que nossas FA’s se envolvam em defesa do Brasil (considere-se que, até constitucionalmente, o Brasil não deve se envolver em intervenções em outros países)?
    O que, de fato, o Brasil tem obtido com suas participações nas tais missões da ONU, além dos prejuízos?
    Se só levamos prejuízo, porque nossos gloriosos líderes insistem em manter o Brasil como fornecedor de mão de obra para tais missões e nossos entendidos insistem em ganhos significativos, fundamentando-se em belas generalidades ?
    Somos masoquistas e/ou imbecis?
    Sds

  40. Control= lapidar e preciso.
    Vamos cuidar da nossa casa que já está bagunçada que chega. FA não é polícia. muito menos internacional.

  41. Concordo com o Ivan BC e o Collombeli, mas quanto ao comentário do primeiro, não entendi o que a nacionalidade do atual presidente da ONU tem a ver com o assunto.

  42. Bozzo, fez o pior comentário. … ” O q a Marinha vai fazer lá. ..” kkkkkk
    A Marinha é a força mais antiga, e mais completa da Armada desse país. Quem vai sao aqueles q sempre vão primeiro…. Nós, os FUZILEIROS NAVAIS! E nao façam pouco daquilo que nao conhecem ou entendem. Todos comentarios sao de Civis, alem de tudo mal informafos e instruídos.

  43. Matheus, voce esta sendo totalmente ingênuo e equivocado na sua apreciação sobre o “desespero” de quem se preocupa com esta aventura injustificada. Terrorismo pode acontecer por muito menos que uma missão com 700 homens. Não é a quantidade de gente que importa, é a atitude. Pra eles é simples: Se um de voces atira em um dos nossos, voce é inimigo.
    Lembra da fragata argentina que foi pro golfo? e depois o atentado na associação israelita? O que a Espanha fez de grande para ser alvo de atentados? E a Bélgica? Lógica= pequenas ações com grandes reações, pois um fanático islâmico tem tudo, menos noção de proporcionalidade.
    Isso que tu chama de “desespero de crianças” eu chamo de memória e consciência históricas, cautela e bom senso. Repense com um pouco mais de profundidade e memória.
    Sabe o que quem é preparado para ser alvo ou atirador aprende dentro de uma farda? quem não é visto não é lembrado. Captou? É fácil falar quando não se estará exposto ao fogo e a 10 tipos de pestes.

    Aliás, a missão no Haiti não tinha muito mais que um batalhão e nos rendeu 200 ilegais. Bota isso agora sendo com 2% de fanáticos e vê o que dá.

  44. André 9 de Janeiro de 2018 at 15:34

    André, agradeço as explicações. Nada amigo,aqui estamos.


    Senhores vamos deixar de hipocrisia e ser realistas vejo uma porção de comentários aqui dizendo o porque o Brasil não resolve seus problemas internos antes de enviar tropas a mando da ONU. Vamos lá…Hoje nossas Forças Armadas é o único órgão que funciona muito bem nesse país e está totalmente sobrecarregado por este tipo de pensamento,é muito fácil a sociedade fazer besteira na urna e colocar o soldado lá para resolver,é muito fácil colocar uma guarnição em cada esquina do Rio de Janeiro ou em qualquer cidade do país para enxugar gelo das consequências da ignorância do povo e da corrupção.Hoje as 3 forças constroem estradas,fornecem saneamento básico para a população carente de fronteira levando também serviços sociais,a própria Marinha recentemente em parceria com um governo de estado fundou uma escola pública chamada Almirante Tamandaré onde professores civis e reservistas iram dar aulas para crianças de periferia,agora nesse momento tem soldados lá no Rio Grande do Norte fazendo papel de policia algo que poderia ser evitado se o cidadão fosse a urna para colocar alguém sério no cargo de governador e não um bandido,hoje o policial no RN não tem dinheiro nem para comprar um uniforme novo e isso é culpa de quem ? Das Forças Armadas ? Vocês realmente acham justo usar uma tropa de âmbito Federal para resolver problemas que nós cidadãos poderíamos ter evitado ?
    Antes de crucificar ou julgar a força vejam antes pelo lado do militar e não,não é errado nossas tropas participarem dessas missões e não queiram comparar o que vivemos no Brasil com o que eles vivem lá em regiões de conflito,quem foi para o Haiti,Angola,Uganda,Líbia e Líbano sabe disso.

    Quanto a terrorismo,para de inventar guerreiro,veja quantos países participam de missões pela ONU e veja em quantos deles tem terrorismo,começar por Portugal,deixa de ser boca preta.

  45. André, não discuto com civil que nunca pegou um fuzil, não conhece a diferença de um tiro e um track, e pouco sabe da vida na caserna ou em campo, ou quanto muito foi um EV. É fácil falar da frente do PC. Passa dois meses dormindo com um olho aberto e tomando tiro que voce vai saber do que eu estou falando. Acho que aqui quem inventa pela falta de conhecimento de causa é voce.

    Tem missões e missões, Haiti era uma coisa, enfrentar radicalismo islâmico é outra. Desminta o caso da Argentina!!! Depois que aparecem os sacos de corpos não tem volta.

    Resolver problemas internos não é usar a FA para assistência ou policiamento. É se preocupar com o que interessa para nosso cidadão ao invés de ir resolver lambança que não criamos e que não nos acresce nada. É por recursos pra modernizar e tocar o mínimo que está em curso ao inves de ir pagar embuste lá fora para não ter retorno prático algum.

    Assim como não é papal e das FA fazer estrada, se polícia ou suprir educação aqui não é ser polícia lá fora. Quem fez a panela que faça a tampa.

  46. Guerreiro muito cuidado com as palavras,atrás da Internet realmente todo mundo finge o que não é mas você não pode generalizar muito menos sem me conhecer.
    Não desminto o caso da Argentina mas também não uso isso como espelho para o Brasil,se você tivesse o mínimo conhecimento de Relações internacionais e conflitos generalizados você não falaria tanta asneira. Terrorista não é burro,não sai atacando qualquer um por qualquer motivo nós não representamos nem 1/3 do que outros países contribuem para missões da ONU e uso isso sim como espelho pois são países com as mesmas características de segurança que o nosso e não sofrem terrorismo.
    E repito usar as forças armadas para resolver problemas internos que poderiam e podem ser evitados pelo povo é inútil,desmoraliza a tropa, desgasta a mesma no qual é empregada de forma errada para ai sim pagar embuste para população com uma falsa imagem de segurança,maquiagem pública,se você realmente entende um pouca da caserna já serviu ou é militar deveria saber que atrás daquela farda parceiro tem homens com família que sangram também e não merecem ser tratados como são tratados por essa sociedade hipócrita. Só não esqueça do CB Mikami que morreu em vão por esse pensamento que vocês sustentam.

  47. O Brasil já esteve em missões na Africa, é importante relembrar os problemas que tivemos por lá, recordo que, em uma das missões soldados brasileiros foram instalados num local muito ruim, problemas de doenças, que se recordo bem, ceifaram vidas brasileiras, minas, etc… Me preocupo muito com os contingenciamentos de recursos infligidos às forças armadas pelo governo, sei que a ONU arca com pelo menos parte dos gastos e que a experiência é muito importante, porém, é como vi alguém dizer acima, na nossa condição política atual, talvez tenhamos que nos preocupar em breve com problemas debaixo dos nossos narizes …. sou leigo posso estar totalmente errado….

  48. Se ,como parece, não houver alternativas ao menos que sejam equipados com o que há de melhor para se saírem bem na missão, ao menos como citado acima a Fab vai enviar ST pra fazer o que faz melhor CAS. Deus os proteja!

  49. Em política, tudo o que parece imbecilidade (mandar nossa gente para o fim do mundo) tem conteúdo de safadeza (algo ou alguém ganhará com isso prejudicando o Brasil).

    Precisamos é de combater nossos narco-terroristas e narco-guerrilheiros das “facções criminosas” sediadas no RJ e SP, vigiar melhor nossas fronteiras, rosnar para uns maus vizinhos (Bolívia, Paraguai e Venezuela) e parar de bancar a “gendarmerie” (segundo os espiões, quero dizer, inspetores da ONU, o EB parece uma guarda nacional sem equipamento) tomando prejuízos dos globalistas da ONU.

  50. Colombelli

    concordo 110% com tudo que comentastes.

    Mais, não é nosso quintal e até hoje nada respinga aqui.

    Mais, NÃO é guerra, é guerrilha, preparem muitos sacos.

    Mais:

    http://www.forte.jor.br/2018/01/04/feliz-ano-novo-no-norte-do-pais-faltam-ao-eb-artilharia-aa-defesa-anti-carro-e-blindados-de-verdade/

    http://www.forte.jor.br/2017/08/26/proxima-missao-do-brasil-sob-mandato-da-onu-tera-mais-riscos/

    “Roberto Bozzo 9 de Janeiro de 2018 at 13:45

    O que o pessoal da Marinha fará lá ? Não há saída para o mar no país…..”

    CFN.

  51. Preparem os aeroportos para os novos imigrantes africanos, pois se o Haiti nos rendeu milhares de imigrantes, imagina quantos da Àfrica!! Estamos cheios de problemas nos morros cariocas e favelas espalhadas pelo Brasil, mas daí as Forças Armadas acham que é trabalho para polícia, sendo que vão fazer exatamente esse trabalho no estrangeiro, país hipócrita.

  52. Matéria da Folha de S. Paulo de 23 de maio de 2004 sobre a ida das Forças Armadas ao Haiti:

    SERGIO TORRES
    DA SUCURSAL DO RIO

    A Marinha selecionou os 230 fuzileiros do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais Haiti em meio a uma disputa acirrada entre os voluntários. Havia pelo menos três candidatos por vaga. Além de importante para a profissão, a participação na missão de paz no país do Caribe representará uma expressiva melhoria financeira em tempos de arrocho salarial nas Forças Armadas.
    Embora os integrantes da força de paz não tenham sido oficialmente informados sobre quanto receberão pelo trabalho, o ofício interno “A Palavra Oficial do Exército”, divulgado na última quinta-feira, revela que cada um deles terá, fora do Brasil, um pagamento mensal em dólar, mais remunerações extras na partida (dólar) e na chegada (real) para os que ficarem no Haiti por mais de 12 meses.
    Simultaneamente, o salário mensal continuará sendo pago no Brasil, em reais, como forma de cobrir as despesas familiares.
    Para um soldado que ganha cerca de R$ 600 (líquidos) mensais, o Haiti poderá representar uma melhoria importante na qualidade de vida da família. Também os cabos (R$ 800) e sargentos (R$ 2.500 a 2.800) estão ansiosos.
    A Folha apurou que os integrantes da missão no Haiti contam com, no mínimo, um salário extra por mês, em dólar, mais as quantias previstas na partida e na chegada, pois a missão poderá ser prorrogada por até dois anos.
    A expectativa é ainda maior porque, no Haiti, os gastos deverão ser pequenos. Todos os integrantes da força de paz terão acomodação e alimentação.
    Isso sem contar a oportunidade profissional de trabalhar fora do país, em parceria com militares dos EUA, da França, do Canadá e do Chile, que já integram a missão de paz da ONU. O militar que tem no currículo períodos de trabalho no exterior costuma ser bem considerado pelos superiores e admirado pelos colegas.

    DISPUTA
    Cerca de 90% dos 800 fuzileiros da FER (Força de Emprego Rápido) da Força de Fuzileiros da Esquadra se apresentaram como voluntários à missão no Haiti. O voluntariado é a principal exigência apresentada pela ONU para a formação do contingente militar que integra uma força de paz.
    Só 160 militares da FER foram selecionados. Para completar 230 fuzileiros, a Marinha relacionou profissionais de outras unidades suas no Estado do Rio.
    A FER é um contingente que tem de estar pronto para qualquer missão em até 72 horas. A cada seis meses, a Marinha muda o batalhão responsável pela FER. O da vez era o 3º Batalhão de Infantaria de Fuzileiros Navais (Batalhão Paissandu), no Rio.
    Na seleção, além das avaliações médica e física, a Marinha levou em conta a vida familiar do candidato. Aquele que a análise social indicou ter problemas em casa, como parentes vitimados por doenças graves, não foi relacionado. Até as mulheres dos fuzileiros foram entrevistadas.

    PRECURSORES
    A partida dos primeiros militares brasileiros para o Haiti está marcada para a próxima sexta-feira (dia 28). Do cais da ilha do Mocanguê (Niterói, cidade a 15 km do Rio), zarparão quatro navios da Marinha (Gastão Motta, Mattoso Maia, Ceará e Rademaker), levando equipamentos, veículos e 63 fuzileiros navais.
    Em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira), 13 militares do Exército partirão, no mesmo dia, da Base Aérea de Canoas (RS). No Rio -primeira escala do vôo-, embarcarão mais nove profissionais do Exército e sete fuzileiros.
    O avião pára, a seguir, em Brasília, onde embarcarão 20 militares do Exército especialistas em comunicações. Completa, a equipe precursora pernoita em Boa Vista (RR) e, no dia 29, chega a Porto Príncipe (capital do Haiti).
    O segundo grupo de fuzileiros tem a viagem para o Haiti marcada para 31 de maio ou 1º de junho. Serão 25 militares em um avião da FAB. O último grupo, com 135 fuzileiros, deverá viajar no dia 19 de junho. Além dos fuzileiros que integrarão o Grupamento Operativo Haiti, outros 15 (nove oficiais e seis praças) trabalharão a serviço do comando da força de paz.

  53. Já temos gente da inteligência na Minusca faz tempo. Creio que vão mandar os 700 bem armados para lá montarem uma estrutura. O Brasil não tem inimigos lá, não precisa de xenofobia a migrantes e refugiados. Somos um continente com várias realidades podemos criar uma nação ainda. Dentro de cada estado somos culturas diferentes e pessoas diferentes. Terrorismo contra o que aqui. Sede do Vasco. Maior terrorismo é falta de controle que temos das instituições. Viva nossa armada. Deveríamos mandar mais 200 professores dos sistema S para esse país. Dificuldade é a língua. Só quero que tenha blindados, fui, roupas de proteção, Torres de comunicação próprias, ar condionado nos quartéis, e sejam cidadãos brasileiros da melhor qualidade, civis ou militares, por lá. Se fosse novo já estaria me dispondo a criar uma fábrica de telhas e manilhas por lá em sociedade com algum comerciante local.
    https://youtu.be/NhzWhz0TSxE

  54. Pessoal, esse conflito na Republica centro-Africana é super light.

    Tem videos de rebeldes de arco e flecha revoltados com a elite muçulmana (15% da população) que controlou a política durante décadas no país.

    80% do povo é cristão e 5% é macumbeiro. Essa gente simpatiza com ocidentais, tem videos de legionários franceses sendo bem recebidos no país. Nós brasileiros somos meio ocidentais também então acho que não vai acontecer nada mais grave. Vai ser parecido com o Haiti mesmo, com a vantagem de os subsaarianos serem moralmente mais nobres que os latino americanos (menos criminalidade, ganguismo, tráfico, bandidagem, etc). Até porque a América Latina é uma região moralmente falida.

  55. Haiti é Centro Africana usa o francês e kreoul. Cada patua tem suas palavras, há língua local sim. Sabiam que os 5000 indígenas de oiapoque falam o kreoul francês falado pelos guianenses e haitianos. Anum pu divan, anum centro África. Que o quartel de Macapá faça convênio com a aliança francesa de Macapá para ensino dessa terceira língua.

  56. Macumbeiros, ou 100 % do povo é intereligioso. Vai ser um bom aprendizado para nós isso. Macumba é produto nacional. Viva a diferença e a mente aberta de nossas forças.

  57. Walfrido, obrigado. Parece o Cobra da Otokar,? Quanto custa cada? A partir da sua dica sei olhada no site da empresa. Legal uma fábrica de ônibus manter essa fábrica de blindados. Talvez falta essa associação aqui. A marcopolo por exemplo produzir um similar guarani. Maior longevidade aos projetos da engenharia do exército numa empresa com produtos variados.

  58. Nos últimos comentários bateu um cheiro de marijuana mofada que está bravo cof cof cof Só de tentar entender os comentários já há risco de sofrer um derrame

  59. É complicado ser brasileiro, temos que desconfiar de tudo mesmo, já fomos enrolados de todas as maneiras possíveis e imagináveis. Como não pensar que essa missão não veio a calhar para alguém levar um troco na compra dos jipecos italianos?

    Estamos vendendo almoço para comprar a janta, mal nos livramos do ralo de recursos no Haiti e já querem mergulhar em outro maior.

    Já que estão decididos a abraçar essa missão, não seria o caso de sermos humildes e pegarmos uns MRAP de graça do Tio Sam?

  60. Pgumao.
    A questão não é absorvermos uma população africana como resultado de missões de paz. Isto já fizemos com a escravidão.
    O risco é admitirmos agentes africanos que procurem subverter a nossa população negra para obter vantagens para seus países, sob motes como “dívida histórica”, “escravidão genocida”, “miscigenação é limpeza étnica”, que tem se visto em redes e manifestações.
    Já basta o apatridarismo de esquerdistas depois que fechamos a torneira para a vizinhança bolivariana.
    Temos contas pendentes sim, com nossa população negra, mas não com os negros do outro lado do Atlântico nem seus países. Até porque os antepassados dos negros brasileiros foram vendidos pelos antepassados dos africanos atuais.

  61. Boa ! Que bons ventos levem nossos bravos homens !
    Ivan_bc,,se voce for analisar,as missoes de imposicao de paz necessitam de utilozacao de armamenro pesado tendo em vista a missao e os adversarios que podem ser enfrentados pela tropa. Sobre a questao da industria militar,nao tem nada haver (primeiro porque o brasil tbm possui sua industria militar,sendo esta uma das maiores do mundo com companhias como avibrws,imbel,embraer etc… vendendo armas e equipamentos para diversos paises do mundo),ou seja nao é so a russia,china ou eua que deveriam ser oprigados a resolver isso so pq eles lucram com venda de armamentos(saiba por exemplo que o brasil lucrou mto com a venda de artilharia,misseis e municoes para a coalizao saudita no iemen,sao bombas brasileiras que matam todos os dias dezenas de civis iemitas,entao se formos por essa logica o brasil entraria nesse grupo de paises que deveriam ser obrigados a participar de missoes de paz…

  62. João Adaime 10 de Janeiro de 2018 at 8:27

    Boa postaem, mas a RCA não é o Haiti, preparem os sacos.

    “Existem duas classes de minas terrestres:

    Minas antitanques ou antiveiculares, destinadas principalmente veículos autopropulsados. Estes dispositivos contêm cerca de cinco quilos de explosivos.
    Minas antipessoais ou anti-individuais, mais leves, tem a função de matar ou ferir várias pessoas se estiverem próximas a estes artefatos após a sua explosão. Contêm em média meio quilo de explosivos e fragmentam-se ao explodir.”

    “Uma mina antipessoal ou mina anti-individual, é uma mina terrestre, desenhada com a função de matar ou ferir várias pessoas que estiverem próximas a estes artefatos após a sua explosão.”

    Para quem não leu o texto do artigo, IMPERDÍVEL !

    http://www.forte.jor.br/2018/01/04/feliz-ano-novo-no-norte-do-pais-faltam-ao-eb-artilharia-aa-defesa-anti-carro-e-blindados-de-verdade/

  63. Sub-urbano.
    Coloca a fonte de onde o Sr. achou tal proporção religiosa entre a população da RCA.
    No Wiki, “Os cristãos formam 66 por cento da população, enquanto 18 por cento da população mantém elementos das religiões tradicionais africanas. O Islão é praticado por cerca de 15 por cento da população do país.” https://pt.m.wikipedia.org/wiki/República_Centro-Africana
    .
    15% de população islâmica em um país é mais que suficiente para causar problemas.
    .
    O HIV contaminou 11% da população.
    .
    São 80 grupos étnicos, cada um com sua língua/dialeto.
    .
    A maior fonte de renda vem dos diamantes, que com o conflito facilmente tornam-se “de sangue”. E tome petróleo, ouro, urânio… perfeito para financiar conflitos.
    .
    E com tantos recursos, é um dos países mais pobres do mundo.
    .
    É num país assim que vamos dar com os costados.

  64. Nimrod 10 de Janeiro de 2018 at 10:03
    RCA? pra quê mexer nesse vespeiro religioso? pq não o Congo por exemplo?

    Boa tarde, Nimrod. Estou trabalhando o Congo e ao redor de 2018 teremos alguns negócios interessantes sendo noticiados na mídia. Com relação a RCA, ali é carne de pescoço, nossos militares correm riscos de enfrentamentos pesados.

    João, li o que colocou sobre as Toyotas gambiarras, quase morri de rir.

    Nossas Forças deverão levar nossos Marruás, veículos fabricados pela Agrale em Caxias do Sul, totalmente nacional e considerado um dos melhores do mundo. Aconselho que visitem o site da fábrica e deem uma olhadinha nele. Já são mais de quatro mil em nossas forças e outros milhares exportados. Eu fiz um teste drive, é de assustar o que ele é capaz de enfrentar.

  65. Carlos Alberto Soares 10 de Janeiro de 2018 at 7:47
    Agradeço a resposta. Na hora que formulei a pergunta nem pensei no CFN; imaginei a MB apenas como transporte para as tropas do EB. Mas, novamente, agradeço a vc e ao André pelas repostas.

    Marcus 9 de Janeiro de 2018 at 22:28
    “Bozzo, fez o pior comentário. … ” O q a Marinha vai fazer lá. ..” kkkkkk
    A Marinha é a força mais antiga, e mais completa da Armada desse país. Quem vai sao aqueles q sempre vão primeiro…. Nós, os FUZILEIROS NAVAIS! E nao façam pouco daquilo que nao conhecem ou entendem. Todos comentarios sao de Civis, alem de tudo mal informafos e instruídos.”

    A pergunta já foi, e bem, respondida por pessoas com educação e sabedoras que, se é uma pergunta, não há motivos para chacota. Vc diz ser fuzileiro, espero que no cumprimento do seu dever tenha, mais noção de discernimento e humildade para entender e atender as pessoas.

  66. O Brasil já tem problemas suficientes para resolver, a última coisa que nós estamos precisando é arrumar briga com lunáticos islâmico, não pelas guerrilhas islâmicas do Congo mas pelo motivo de podemos estar a atrair a raiva de grupos islâmicos mais estruturados com capacidade de realizar ataques em nosso vasto e pouco protegido território … não ganhamos nada no Haiti, o Congo é um milhão de vezes mais complicado com uma disputa com contornos religiosos que pode nos jogar no olho de um furacão.

    Deixemos essas aventuras a outros players e vamos focar na reestruturação do nosso país …

  67. A Colomboa acaba de lançar uma operação com mais de 2.000 Tropas contra os narco terroristas. Aqui na bananos andira alisios, junkman e Villas Boas devem estar curtindo as férias numa paradisíaca e mais que segura Base naval, a salvos de balas perdidas e arrastões enquanto seus auxiliares planejam mais esse desastre subsaariano para as relações exteriores Brasileiras. Nem venham dizer que o Haiti foi sucesso. Foi um desastre! Quando os cretinos de Brasília quiseram ensinar ao mundo como conduzirem os pobres negrosu haitianos ao paraíso socialista. Quando veio o terremoto foi o vexame, tendo que pedir carona em navio italiano e esperando vez pra pousar aeronaves. Apesar do grande esforço dos militares, politicamente foi um desastre. Não satisfeitos vamos novamente de encontro ao azar conduzidos pelos pensantes de Paris, Bruxelas e Berna, só que dessa vez comandados por egipcios, paquistaneses e bengalas, todos pacíficos e tolerantes muçulmanos.

  68. Carlos Alberto Soares
    Eu publiquei a reportagem da Folha para que alguns colegas vissem que o contingente é formado de voluntários e que os interessados são em maior número do que as vagas.
    Além de outras informações úteis.
    Abraço

  69. Ainda tem outra questão: em breve poderemos ter ex-soldados, que terão tido contato com táticas diferentes de guerrilha, trabalhando para o tráfico de drogas. Já não temos os armeiros do tráfico? Agora teremos os guerrilheiros.

  70. Mário Heresia disserta aí para nós porque tu acreditas que o Marruá seja um ” dos melhores do mundo” e ainda o que que tu achou de tão interessante no teste drive?

  71. Um dos últimos contratos de aquisição de viaturas Marruá pelo Exército (senão o último, pois depois não vi mais nenhum) foi em setembro de 2016. 9 viaturas por R$1.911.600,00.
    EXTRATO DE CONTRATO No- 81/2016 – UASG 160069
    No- Processo: 64447016255201512.

  72. O EB tem no planejamento adquirir 1.464 viaturas levem blindadas. O problema é isso $.
    Elas são muito mais caras. Exceto se for via estoques do Tio Sam de HUMVEEs

  73. Espero que nossas FFAA não vão para a RCA, apesar de todos os indícios sugerirem essa possibilidade.

    Que o povo brasileiro se lembre que, enquanto suas forças armadas fazem bico e reclamam toda vez que se pede ajuda para uma operação de GLO, a República Centro-Africana estará recebendo esse apoio que falta ao próprio povo brasileiro, e de quebra com a maior boa vontade e empenho por parte do comando brasileiro.

    É um tapa na cara do nosso povo, não importa se a ONU ressarcir os custos, nem a experiência adquirida. Só países estúpidos e subdesenvolvidos se metem em assuntos alheios antes de resolver seus próprios problemas. Patético.

  74. Se bobiar mais tarde a ONU nomeia o Gen Carlos Alberto dos Santos Cruz como chefe da missão, o cara é o mais bem preparado e com experiência no Haiti e em combate no CONGO. Acho que algum oficial do EB que esteve com ele no congo deveria fazer parte dessa comitiva.

  75. Quem está chefiando atualmente a MINUSCA é um general português. Eu também acredito que haja a possibilidade futura do Gen Carlos Alberto dos Santos Cruz. O comando dele no Congo foi muito elogiado.

  76. Boas,

    Para quem não sabe, os comandos portugueses estão na RCA à mais de um ano como QRF (Quick Reaction Force) da Minusca. E já houve vários combates e inclusive um comando ferido.

    Quem diz que deviam ser os franceses a resposabilizarem-se pela RCA, esquece-se que eles já lá estiveram. Foi a necessidade de deslocarem as forças para outras zonas mais “quentes” da África Subsariana que levou à necessidade de reforço da MINUSCA.

    Deixo aqui alguns links sobre a MINUSCA e a participação portuguesa:

    http://www.operacional.pt/missao-na-rca-republica-centro-africana/
    http://warriors.pt/revistas/no20-forca-nacional-destacada-na-republica-centro-africana/
    http://expresso.sapo.pt/sociedade/2017-12-24-Quando-foi-preciso-recorrer-as-armas-para-salvar-o-Natal-os-90-comandos-portugueses-que-libertaram-uma-cidade
    http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=12470.180
    http://nationalinterest.org/feature/how-america-can-act-fast-avert-genocide-the-central-african-22367
    http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/soldado-portugues-ferido-a-tiro-na-republica-centro-africana
    http://www.jn.pt/nacional/interior/comandos-abrem-fogo-e-travam-rebeldes-armados-em-missao-da-onu-5706448.html

    O problema da Minusca é que em geral a população da RCA não gosta muito dela, devido a comportamentos moralmente reprováveis de alguns dos seus componentes, o que adiciona mais complexidade à missão.

    No entanto, em geral, a participação dos portugueses, em função do tipo de missão (bombeiros de seriço, que já libertaram/impediram várias localidades de ficar sobre jugo dos rebeldes), tem sido apreciada, tendo inclusive recebi um louvor:

    http://merlin37.com/home-1/rcacomandos

    Cumprimentos,
    Jorge

  77. Juarez, bom dia!
    Testei duas versões do Marruá, uma civil e uma militar. Ele se saiu extremamente bem em terrenos que um Toyota não chegaria nem a metade do percurso. Enfrentamos rampas com quase 50° de inclinação (na terra e com lama), cursos d’água que cobriam o capú, terrenos pedregosos ou lamassais que só jipeiros experientes encaram.
    O veículo foi desenvolvido com apoio das Forças Armadas, que acompanharam o processo do princípio ao fim.
    Favor acessar o link abaixo.
    https://m.agrale.com.br/produtos/utilitarios/utilitarios-militar
    Fora nossas forças, o veículo faz sucesso em países da América Latina e alguns da África, tais como: Angola, Ruanda e Zimbábue. No momento ele está sendo avaliado por mais um país centro-africano, que enviou uma comitiva de militares a Caxias do Sul e eu estava acompanhando este grupo. O Marruá foi certificado para os países membros da OTAN, o que ajuda a demonstrar que ruim ele não é.
    A África do Sul, por exemplo, utiliza a vários anos unidades Marruás blindadas e em conversa com militares deste país ouvi que estão muito satisfeitos com os resultados.
    A Agrale fábrica um família inteira desses veículos e vendo como são construídos se entende porque são tão bons.

  78. Malhando em ferro frio…

    – Os marruás são impróprios para a guerra moderna (isto dito pelo Cmdo do EB). Servem apenas para levar correio e cartão postal na retaguarda. Qualquer exército decente possui veículos da categoria do LMV para a função;
    – O EB não tem que resolver os problemas do Brasil. O EB não tem que resolver os problemas da África. O Cmdo do EB deseja enviar forças para a África. São circunstancias completamente diferentes;
    – Não existe relação da presença de ilegais Haitianos com a presença do EB no Haiti. Em Porto Alegre existem 2000 senegaleses vendendo bugigangas nas ruas e – pelo que me consta – o EB não enviou tropas para o Senegal;
    – As tropas da ONU são todas voluntárias, não há necessidade dos foristas do ForTe serem convocados;
    – Os atentados na Europa não estão relacionados com envio de tropas pela ONU;
    – O EB está se lixando para a ONU, para a RCA, para o bem do mundo ou para a salvação das almas. Lhe interessa o aprimoramento doutrinário;
    – Os ganhos financeiros para toda a tropa e conquista de posições na hierarquia são pontos que devem ser considerados nesta equação – não existe demérito nisto. Isto ocorre em qualquer instituição ocupada por seres humanos;
    – Vai haver prejuízo financeiro. Este custo o EB considera suportável e como investimento;
    – Houve tremendo ganho de treinamento e aprimoramento de pequenas frações de tropa, e comando e controle nos escalões superiores no Haiti. Não foram conquistas pontuais. A transformação dos BIMtz em BIMec não é apenas coincidência.

  79. “Manuel Flávio 10 de Janeiro de 2018 at 22:07
    Um dos últimos contratos de aquisição de viaturas Marruá pelo Exército (senão o último, pois depois não vi mais nenhum) foi em setembro de 2016. 9 viaturas por R$1.911.600,00.”

    Realmente, cerca de 200 mil reais a unidade. Os requisitos e exigências militares certamente cresceram muito desde o velho e modesto Jipe da Segunda Guerra e seus sucessores imediatos.

    Na época do início da indústria automobilística do Brasil, nos anos 50-60, o preço de um Jipe fabricado na Willys era próximo (e dependendo da época, até mais batato) que o preço dos carros de passeio mais baratos do mercado, como o Fusca e o Dauphine.

    Hoje um Marruá custa cinco ou seis vezes mais do que os carros de passeio mais baratos fabricados no Brasil.

    Apenas uma constatação.

  80. Walfrido,
    Acho que apenas presença do Brasil no Haiti coincidiu com a miragem do Cristo Redentor decolando..
    O Uruguai e Paquistão tinham tropas no Haiti….e não sei de Haitianos indo para o Paquistão
    Quantos ilegais mexicanos no EUA? forças da ONU?
    Quantos bolivianos ilegais no Brasil? forças da ONU?
    Esta relações de causa e efeito são difíceis de mapear e constatar

  81. Fellipe Barbieri
    Como assim não ganhamos nada no Haiti ? E o ganho operacional ? Os testes em condições reais de equipamentos e veículos novos ? Teste de estratégias? Ajudar um povo INFINITAMENTE MAIS POBRE E SOFRIDO QUE O NOSSO ? Vc acha uma estrada com buracos ruim ? Vai tentar dirigir ente jacmel e Porto Príncipe pra ver as estradas do haiti

  82. Mario, pois é mas não é bem assim. Comparar uma Hilux( as de linha de produção ora vendidas no Brasil) é incorreto, até porque a Hilux depois de 2016 perdeu mais para o lado do requinte do que do trabalho, mas isto é outro assunto.
    Cidadão, o Marrua tem vários problemas relatados, tanto pelo EB, quanto pelos Argentinos que são os usuários mais antigos.
    Eu poderia citar:
    Isolamento precários das centrais elétricas e eletrônicas de monitoramento do motor, provocando panes e curtos.
    Caixa de direção de baixa qualidade, apresentando folga e ruído intenso com pouco tempo de uso
    Amortecedores, principalmente do dianteiros não apropriados para a missão, vazam e perdem a eficiência rapidamente.
    Distância entre eixos mal dimensionada, facilita no off road pesado, mas capota sem dar aviso.
    Buchas de balança, rótulas de articulação mal dimensionadas, apresentando baixa vida útil.
    Embreagem, necessitaria ter um diâmetro um pouco maior, pois com um tempo e no uso intensivo de 4×4 com bloqueio entrega os pontos rapidamente.
    Deficiência estrutural de chassi, pois com o veículo em rampa lateral, ja com desgaste, tem o péssimo hábito de não abrir o fechar as portas corretamente, fato provocado por torção.
    Motor inadequado par a a missão MILITAR com uso exclusivo de S 10 e sistema EGR.
    Off set de roda inadequado, melhoraria bastante a estabilidade e capacidade de tração se utilizando um aro com off set maior, pneus mais largos.
    Falta de bloqueio no diferencial dianteiro.
    Exposição excessiva de tubulações e mangueiras na parte inferior do veículo sem proteção.
    Cruzetas de cardã com baixa vida útil. Aqui até ponderei que poderia ser falta de lubrificação ou lubrificação com graxa de baixa qualidade, mas como já são blindadas, não é este o problema.

    Mario, tem mais coisas, mas para não me alongar demais, até porque já estou off topic.

  83. “Mario Heredia 10 de Janeiro de 2018 at 13:52

    Nossas Forças deverão levar nossos Marruás, veículos fabricados pela Agrale em Caxias do Sul, totalmente nacional e considerado um dos melhores do mundo. Aconselho que visitem o site da fábrica e deem uma olhadinha nele. Já são mais de quatro mil em nossas forças e outros milhares exportados. Eu fiz um teste drive, é de assustar o que ele é capaz de enfrentar.”

    ____________________

    Chassis em “V” ? NÃO tem;

    Proteção contra IED’s ? Blindagem ? NÃO tem, preparem os sacos.

    “Mauricio R. 27 de agosto de 2009 at 15:42
    Sinceramente esse AM-10-Rec, a luz dos fatos no Iraque e no Afeganistão, não se sustenta.

    Pode ser bão p/ levar a tuchurma a um churrasco no Torto, mas não serve p/ o campo de batalha assimétrico.

    O MOD britânico foi declarado responsável cívil pelos soldados vitimas de IED, em viaturas Land Rover up-armored.”

    Não tem blindagem nem para calibre .38, .40 …. na RCA é de 7.62 para cima.

  84. Desculpem o Textão, mas acho muito apropriado

    A PARTICIPAÇÃO DOS CONTINGENTES DO EXÉRCITO
    BRASILEIRO NA MISSÃO DE ESTABILIZAÇÃO DAS NAÇÕES
    UNIDAS NO HAITI (MINUSTAH)

    MARCO AURÉLIO GASPAR LESSA

    O Exército Brasileiro quando empregado em operações de manutenção da
    paz, atua como precursor da política externa brasileira, obtendo variado número de
    benefícios para a Força Terrestre (FT).
    O exercício permanente da liderança em todos os níveis, em situação de crise,
    quando do emprego de tropa constituída, como na MINUSTAH, fortaleceu os
    quadros da FT e mostrou-se como excelente treinamento em tempo de paz.
    O Exército Brasileiro criou o Centro de Preparação e Avaliação para Missões
    de Paz do Exército Brasileiro (CEPAEB), subordinado ao Comando de Operações
    Terrestres (COTER), em 12 de março de 2001, com a finalidade de preparar e avaliar
    os militares designados para Operações de Manutenção da Paz e ainda acompanhar a
    evolução doutrinária de Força de Paz. Em 11 de agosto de 2004, foi criado o Grupo
    de Acompanhamento e Apoio às Missões de Paz no Âmbito da Força Terrestre
    (GAAPAZ), formado por representantes dos setores de pessoal, logística, operações,
    finanças, inteligência e comunicação social, para dar suporte aos militares durante
    suas missões de paz.

    Em 1º de março de 2005, o Comandante do Exército resolveu criar o Centro
    de Instrução de Operações de Paz (CIOPaz), com sede na cidade do Rio de Janeiro –
    RJ, subordinado ao Grupamento de Unidades-Escola / 9ª Brigada de Infantaria
    Motorizada, com a finalidade precípua de preparar os militares designados para
    missões de paz, sob a orientação do COTER.
    Com o incremento da participação brasileira em missões das Nações Unidas,
    foram adquiridos novos conhecimentos para a Força Terrestre, como os referentes à
    ONU, ao Direito Internacional em Conflitos Armados (DICA), ao gerenciamento de
    crises e técnicas de negociação e às operações em ambiente urbano. O Exército
    Brasileiro editou o Manual de Campanha – Operações de Manutenção da Paz (C 95 –
    1), em 1988, desenvolvendo doutrina militar própria, a qual segue em constante
    aperfeiçoamento. Alguns destes conhecimentos passaram a integrar o programa de
    assuntos de alguns estabelecimentos de ensino do EB.
    Nos últimos dez anos, houve um grande incremento de intercâmbio de
    militares brasileiros com os de outros exércitos, seja durante as Operações de
    Manutenção da Paz ou nos exercícios conjuntos internacionais. Podem-se destacar as
    operações com tropa em contexto de força de paz: a Cruzeiro do Sul, a Iguaçu I e II e
    a Cabanas que envolveram o Brasil, a Argentina, o Uruguai e o Paraguai. O Exército
    Felino envolveu os países da CPLP. Em 2005, foi realizado em Brasília – DF o
    Exercício Forças Unidas (simulação computadorizada) com a participação de 15
    (quinze) países, incluindo o Brasil e os EUA. Esses intercâmbios possibilitam a
    melhoria na preparação dos quadros, a troca de experiências, o teste e a avaliação de
    material e doutrina e a prática de idiomas estrangeiros.

    Os êxitos obtidos pelos militares brasileiros em Operações de Manutenção de
    Paz (OMP) vêm contribuindo para a projeção do Exército Brasileiro no cenário
    militar internacional. Dessa forma, a Força Terrestre vem conquistando um
    importante espaço junto às Nações Unidas, ao assumir o comando da MINUSTAH e
    ao dispor de oficiais superiores no Departamento de Operações para a Manutenção
    da Paz (DPKO) da ONU, nos EUA.

    Os ensinamentos colhidos durante as Operações de Manutenção da Paz pela
    Força Terrestre são compilados e difundidos pelo Centro de Operações Terrestres
    (COTER). Em alguns casos verificou-se a validade desses ensinamentos para o
    combate convencional e para as operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO),
    como é o caso da experiência do emprego de blindados em ambiente urbano, obtida
    no Haiti.
    A MINUSTAH, por suas características, serviu de importante treinamento do
    planejamento logístico de grande envergadura, envolvendo a Marinha do Brasil e a
    Força Aérea, estreitando os laços entre as Forças Armadas e demonstrando a sua
    capacidade de mobilização em caso de conflito. Seja no transporte de pessoal ou no
    transporte de suprimentos diversos, todas as atividades desenvolvidas, por pelo
    menos duas Forças juntas, serviram para testar nossos sistemas integrados de
    comando e controle, dando a oportunidade para que pudéssemos descobrir e corrigir
    nossas deficiências.

  85. Não confundir nosso descaso com situações de violência com os chamados da ONU. Os fuzileiros e o Exército não porque querem ir. Agora os carros estão pedindo com proteção em V. Teste ė ver 14000 balas de fuzis serem entregues a uma gangue na Ceará. Aqui no pará tá ficando brabo também. Mas quero é as polícias organizadas, a civil com perícia e a PM com salário, equipo e presenca . E os presídios isolados e justiça separando joio do trigo na primeira audiência. Para as forças o melhor na Minusca. Jeep tem muito, mas carro de transporte de humanos que vão pra guerra de minas precisa de tecnologia. Agora quem quer hhummmer que vá servir em Miami.

  86. A PT Pindad, estatal indonésia, fez esta semana a apresentação de 29 Pindad Anoa comprados pela ONU para a Minusca.
    Existem pelo menos 3 missões de paz da ONU que operam Anoa feitas pelo PT Pindad, a missão da UNAMID no Sudão, a UNIFIL no Líbano e a MINUSCA na África Central. Com base nos registros do PT Pindad, existem 80 unidades de Anoa panser usadas nas missões de paz da ONU.
    . https://2.bp.blogspot.com/-dkUjEznLje0/WlYyr4mJJII/AAAAAAAA3Tk/JkT7_N7sZ205qKycZwHSl2AIVGBC3OaTACLcBGAs/s1600/2017-12-04-PHOTO-00060083.jpg

  87. Andre a mesma exortação de cuidado com as palavras eu faço a ti, pois ninguem está “inventando” nada e tampouco eu estou “fingindo” alguma coisa. O pessoal aqui me conhece muito bem. Sou sargento da reserva R1, Curso de Infantaria da ESA, aluno 571, Cia Bravo, Turma Cinquentanário da FEB. Não estive e missão de paz mas tenho colegas de turma que estiveram, como Sgt Machado, que hoje é adjunto do comandante da EASA em Cruz Alta e quem reencontrei a pouco mais de 1 mes e meio. Pra tua informação sou formado em Direito e conheço bem direito internacional e relações internacionais ( mais um ponto em que falo com conhecimento de causa, ao contrário de ti).

    Quem está falando asneira é voce ao querer generalizar e se valer de raciocínio raso pra justifica ruma conclusão sem base. Sem ofensa, mas olha só:
    Muitos paises participaram de missões de paz e poucos foram atacados por terrorismo?
    Mas que tipo de missões eram?
    Quantas delas eram contra radicais islâmicos?
    Como voce vai saber se não estaremos dentre o seleto clube dos poucos atacados?
    Voce verificou quantas destas missões foram contra radicais e quantos dos paises atacados por terrorismo tem relações com estas missões?
    Como pode então afirmar de forma genérica que missão de paz não rende atentado?
    Aliás, missão de paz não é a questão. A questão é ação militar contra radicais. Se voce fizer uma, seja porque motivo for, passa a constar do rol dos agressores e potenciais alvos.

    Vai apostar? pra um civil é fácil falar e arriscar a vida alheia. Não sabe o que é ficar sem um banheiro decente, uma cama, e paz pra dormir por meses a fio, sujeito a doenças, comida ruim, exposição a intempérie e por ai vai. Fala com pessoal que esteve em missões que voce passará talvez a falar sabendo dos fatos.

    Depois quando civis morrerem em um shoping aqui com uma bomba ou em um show de musica, ou em um estádio de futebol ai quero ver. E so pra lembrar uma célula ja foi desmantelada aqui pela PF.

    Terroristas foram capazes de derrubar as torres. Atacam e não temem nem a maior potência militar do mundo. Entraram lá e continuam tendo células nos EUA. O que fariam com um pais com 17.000 de fronteiras mal guarnecidas?

    Eles não são burros. São loucos, irracionais, mas não burros. Pois te afirmo com conhecimento de quem teve formação em planejamento militar que o Brasil seria o alvo ideal. Hoje não somos porque não há motivo. Não somos lembrados como tais. Nunca fizemos nada contra eles (até o primeiro tiro ser disparado contra um deles). O que muito fizeram belgas, alemães, dinarmarqueses e espanhóis contra eles? pois se tornaram alvos.
    Quem não conhece avaliação de segurança, não conhece história de operações irregulares realmente não vai enxergar nada de mal ir lá. Quem conhece e sabe um pouco das motivações dos atentados terroristas dos ultimos 20 anos e dos fatores envolvidos em uma operação irregular ( leia-se atentado) sabe por outro lado, que muito pouco se precisa para ser alvo.

    E quanto a sermos pouco participativos nas missões devíamos é ser menos ainda. Isso ai não traz nada de útil a não ser um pouco de experiência de baixa aplicabilidade na missão fim das FA.

    Mas razão te assiste em uma coisa, e nisso concordamos. Força armada não é pra ficar resolvendo problemas internos de segurança ou outros. E ai tu entras em uma contradição. Se não é correto ser polícia ou assistente social aqui, por que razão seria bom ser no exterior, gastando dinheiro do erário em benefício de estrangeiros?

    PS eu sei muito bem o que tem dentro de uma farda porque estive dentro de uma, passei fome, frio, cansaço, sangrei e suei dentro de uma e ao lado de outros em iguais condições.

  88. Olá walfrido ,

    Vc disse que os Pindad foram comprados pela ONU?
    Esta correto?
    Os veículos não são do Exército que envia tropas!

    Abc

  89. Falei com um CB motorista coisa de dois meses e me fez várias queixas da Marrua que então pude conhecer de perto. O lote em questão tinha saido R$ 160.000 a unidade

  90. Trabalhei com dois lotes de Marrua.
    Como fazíamos exercícios muito longe da sede é em terrenos bem ruins, costumávamos dirigir nos mesmos, oficias e sargentos, por segurança.
    Ela evoluiu muito e aguentava bem o tranco.
    Não sei comparar com outras, pq não utilizei.

  91. Carvalho, existem as duas situações, veiculos comprados pela ONU como os Otokar que citei acima na Minusca e alguns Pindad Anoa 6 x 6 da Minusca para serem utilizados por por países sem condições de terem seus equipamentos próprios e veículos dos países participantes a serviço das tropas como os 20 Pindad Anoa 6 x 6 do Exército da Indonésia no Líbano e os 12 BTR-80 8 x 8 da Marinha da Indonésia no Líbano.
    Alguns paísescmais pobres contribuem só com pessoal e a ONU compra os equipamentos.

  92. Senhores, a noticia virou discussão. Alguns tiveram mais tempo de explicar e informar aqueles q desconhecem as verdades, atuações e representatividade de nossa Marinha no cenario internacional. Eu teclando de um celular nao pude melhor instruir. Enfim, exclarecido e informafo o assunto alguns irão insistir nas necessidades internas, outros levantarão questoes economicas qdo. O custo vem da ONU e etc. Mas é importante nos concretizarmos o qto. Somos preparados e capazes. E nunca esqueçam q nesse pais há sim instituições idoneas em guarda da ordem e de nossa soberania. Vamos torcer e fazer a diferença nas urnas. Nao anule e nao reeleja ninguém. Façamos um pais melhor.

  93. Carvalho, a ONU tem uma “dívida” com a Indonésia que construiu com recursos próprios o Indonésia Peace and Security Center para treinamento das tropas de vários países, é uma grande unidade que incorpora sete unidades menores e tem até uma Universidade de Defesa.
    Já treinaram 21 países que foram participar de missões da ONU neste centro, eles tem um avião, um trem, uma construção imitando um navio, onibus e diversos tipos de edificações desde casas de madeira até prédios para treinamento de resgate e operações de paz, tem helicopteros Bell 412 , carros Barracuda 4 x 4 e Pindad Anoa 6 x 6 para treinamento dos participantes da ONU.
    A qualidade do vídeo não é muito boa, mas dá para se ter uma boa ideia do centro de treinamento.
    . https://youtu.be/B69k7Ligg1E

  94. Meu filho é voluntário para essa missão (piloto de C-105 Amazonas) e não estou tão preocupado. O risco faz parte da profissão.
    Gostei dum comentário acima sobre ¨resolver nossos problemas internos primeiro¨. Como foi bem dito, o povo faz merda nas urnas eletrônicas com software venezuelano (insuspeito, né?), e depois clamam por nós pra limpar a sujeira. Fazendo papel de polícia. Quanto ao controle das fronteiras (17.000 km, não é fácil!), dêem dinheiro! A modernização dos E-99 está parada por falta de recursos. Voei muito controlando fronteira. E a Polícia Federal? Qual deles quer ir pra Amazônia? E a Receita Federal?

  95. Cel Nery
    Boa sorte pro seu filho!
    Sobre o resto. Nos PEF, há moradia e base pra PF. Quando tinha um policial, ele não saia de dentro da “toca” nunca… salvo, raríssimas exceções…
    Hj, q há poder de polícia para FFAA na faixa de fronteira, acho q eles nem vão mais.
    Todo mundo tem soluções simples. “É só fazer isso ou aquilo!”
    Mas a realidade crua, pouquíssimos se prestam a conhecer.
    Sds

  96. Agnelo, nos 4 anos que servi em Porto Velho, tive a oportunidade de conhecer vários Pelotões de Fronteiro. Fazíamos campanha de interceptação em Tabatinga (só havia 3 radares na Amazônia ), e recebíamos o apoio do 8° BIS. Pra essas missões complicadas na fronteira, só as FFAA funcionam. O resto é resto!

  97. Prezados Agnelo e Cel Nery
    Recebam minha continência. Realmente o pessoal desconhece a realidade da fronteira amazônica. Ali temos uma infinidade de problemas, sobretudo de infraestrutura a serem resolvidos. Ali está um grave risco a nossa soberania.
    Por dinheiro fora em missões de paz que não agregam muito ou não trazem reais vantagens à população brasileira enquanto graves problemas aqui saltam a vista é um erro clamoroso.
    Não será muito mais útil por o dinheiro que se gastaria lá, para pouco retorno em pelotões de fronteira? Lembro que o Jobin ia fazer e acontecer com os pelotões de fronteira no tempo do apenado. O que foi feito de concreto? quantos mais se instalaram? quantas pistas de pouso foram feitas.
    Antes de olhar pra fora por puro ego, temos é que ver os nossos problemas aqui. E FA não é polícia

  98. “JoãoMiguel 9 de Janeiro de 2018 at 14:08
    Peruanos estão com um batalhão de engenharia preparando um aeródromo por lá. O que vale é a experiência real e não o joystique. Sorte para nossa armada.”
    PERFEITO comentário, o Brasil, se quer uma vaga no CS da ONU tem que participar SIM, chega oficiais gorduchos e fora de forma, coloquem o pessoal da caserna para trabalhar, eu leio os comentários que o Brasil é isso, é aquilo, é o p… das galáxias na selva, mas treino é treino e jogo é jogo, não temos experiência real em combate, nossos veículos são civis pintados de verde, não servem pra nada, o teatro da Africa é NOSSO SIM, muito países falam português, ou será que os EUA é que sempre tem que mandar tropas pra lá? Reclama que os EUA são a polícia do mundo, mas quando o Brasil é chamado se acovarda, tem muito covardes com medo de guerra, tem medo de enfrentar o inimigo cara a cara, com briga de faca se for preciso, ora, quem é soldado escolheu servir e guerrear, então tem de estar pronto para o combate e não ficar com medinho embaixo das cobertas. NMHO.

  99. Mesmo achando que um país que tem 60.000 homicídios/ano seja desqualificado, no mínimo moralmente, para enviar tropas para “missões de paz no exterior”, os fatos estão se sucedendo:

    Maia promete acelerar envio de soldados à República Centro-Africana
    Na ONU, presidente da Câmara ainda debateu situação da Venezuela com secretário-geral
    por Henrique Gomes Batista, enviado especial
    15/01/2018 18:57

    Leia mais: https://oglobo.globo.com/mundo/maia-promete-acelerar-envio-de-soldados-republica-centro-africana-22290679#ixzz54IF7lUxA
    stest

    https://oglobo.globo.com/mundo/maia-promete-acelerar-envio-de-soldados-republica-centro-africana-22290679

  100. Existe um outro aspecto que acho interessante nesta discussão:
    – O declínio dos Estados Nação
    Este fenômeno é universal e pode abrir espaço para atores ou ações transnacionais militares de maior envergadura
    A atuação do Brasil como elemento capaz de coordenação (a nível de Estado Maior) nos coloca na elite dos exércitos do mundo – ainda que nosso inventário de equipamentos esteja muito desatualizado.
    Volto a dizer: nossa participação não é para o bem da ONU, do país, da África ou só raio que o parta.
    É bom para o EB
    Quando desandar a maionese da fragilidade de nossas polícias militares, este handicap será muito valioso.
    Saudações

  101. Vaga no CS da ONU? pra que? o que isso acresce na vida do brasileiro? o que melhorou a vida dos seus participantes? Um órgão que tem veto de 05? Piada.
    Julio é fácil falar quando nunca se pegou num fuzil ou se viu ao vivo o resultado que um produz em uma pessoa. Não se trata de medo. Todo militar tem medo mas é treinado para supera-lo. Trata-se de uma questão de não comprar brigas que não são nossas, que não nos acrescem nada e que são caras.

  102. Juarez, seria um prazer lhe convidar para conhecer a linha de produção em Caxias do Sul, tenho certeza de que veria que com o passar dos anos o veículo foi muito aprimorado, mas se mesmo assim você ainda entender que outras mudanças necessitam ser feitas, posso lhe apresentar a diretoria e ao corpo de engenheiros, pois a experiência de quem convive com o produto no dia-a-dia é sempre muito importante. Criticas construtivas são sempre bem vindas, pois este produto vem servindo a outras forças armadas além da nossa.

  103. Estão mandando gente para a África em troca de perdão da dívida com a ONU? O que adianta ter cadeira no CS se mal consegue pagar o soldo…Ainda bem que o Brasil é um 0 a esquerda em geopolítica, se fôssemos depender da capacidade de nossas Forças Armadas estávamos fritos.

  104. Mosczynski
    Vou postar o q já postei de outra vez.
    Na ONU, o voto da RCA, de São Tomé e Príncipe, da Namíbia e da Guiné Bissau tem o mesmo cômputo de Itália, Alemanha, Canadá e Egito…
    Se o Brasil fosse um 0 a esquerda na Geopolítica, o Adido Militar da China no Brasil não seria um Of Gen.
    E mesmo q não fosse, quem tem 10% do q navega no mundo de produto não é 0 nunca.
    E mais, quem tem um território e um oceano destes tamanhos não é 0 em GEOpolitica nunca.
    Sds

  105. Agnelo Moreira, o Brasil é 0 a esquerda porque a última guerra que realmente precisou lutar para se manter como nação foi a do Paraguai. Na Segunda Guerra Mundial mandamos uma força expedicionária porque os EUA nos prometeram uma siderúrgica. Se dependesse de Getúlio Vargas, que nutria simpatia pelo fascismo, e um vacilo dos EUA a história seria outra. Por favor, não compare Itália Canadá e Alemanha com outros países ou mesmo o Brasil. Alemanha é o maior parceiro dos EUA na Otan e Itália e Canadá estavam também ao lado do EUA em todas as últimas guerras. E o Brasil? O Brasil sempre em cima do muro porque não tem força para tomar lado.
    Ser celeiro do mundo ou o maior exportador de minério de ferro não significa nada, se a China parar de comprar da gente estamos mais ferrados ainda. E ter território não significa nada, inclusive é um problema também porque nossa Marinha serve mais como Guarda Costeira(e também não faz isso bem vide os dois desastres que tivemos num período de 10 dias e pirataria) e nossas fronteiras com os maiores produtores de coca do mundo são verdadeiras peneiras.
    A frase de Henry Kissinger resume bem o que penso da geopolítica brasileira: “diplomacia sem o respaldo de poder militar é mero exercício de retórica”. Brasil é muito blá blá blá, mas se apertarem vamos passar vergonha e pagar caro por isso.

  106. E um ponto que me veio a cabeça sobre tamanho porque o Brasil é o 5o maior em extensão territorial, porém Rússia(1o), China(3o) e EUA(4o) também são potencias militares. Não vou falar do Canadá(2o) porque, bem, ninguém é maluco de se meter a besta com o Canadá sendo vizinho dos EUA(diplomacia…). Tamanho nunca foi e não é documento…

  107. O fato de termos entrado em guerra pela última vez na guerra do Paraguai (e termos vencido – liderando uma coalizão) fala bem da nossa diplomacia. Não o contrário.
    O fato de termos forças armadas com inventário de equipamentos abaixo do necessário demonstra nosso poder geopolítico. E não o contrário.
    Também gosto muito do kissinger. Alguns de seus textos precisam de uma leitura bem atenta e contextualizada.
    Abraço

  108. Carvalho, qual diplomacia? O Brasil esta sempre se abstendo de todos os assuntos importantes no mundo(muito por causa da ideologia dos últimos governos, incluindo o tucano). Não toma uma posição e por isso é nulo. Terrorismo passa longe, inclusive fica do lado de países suspeitos, ISIS passa longe, as FARCs sempre tratadas como problema da Colômbia, crise na Venezuela não é problema meu…Desculpe-me mas Missão de Paz no Haiti e ir para um buraco no meio da África não é brilhar ou é para brilhar como um pais terceiro mundista bem intencionado… Ontem o governo Venezuelano matou um dissidente e o que o Brasil falou? Até o Macri tem mais visão e já defendeu o embargo ao petróleo venezuelano. E só para lembrar, a Guerra do Paraguai foi vencida pela coalizão liderada pelo Brasil…e já faz quase 150 anos! Quantos outros conflitos já ocorreram desde então e o Brasil ficou só como espectador? E sabe por que? Porque aqui se fala muito e pouco se faz…
    Mas de certa forma isso é até bom, sabia? Como somos um país que não tem expressão nenhuma, talvez nunca teremos nenhum tipo de terrorismo como EUA, França, Inglaterra e Alemanha já viveram. Para que o cara vai planejar um ataque terrorista em SP ou RJ se isso não gera repercussão? Hoje já morremos aos montes todos os dias sem terrorismo e continuamos na mesma…

  109. Srs
    Jovem Agnelo (Agnelo Moreira 16 de Janeiro de 2018 at 6:16
    O Brasil não é 0 a esquerda, é, apenas, um potencial e tentador território disponível para ser conquistado.

    Jovem Mosczynski (Mosczynski 16 de Janeiro de 2018 at 10:12 )
    A siderúrgica, a usina hidrelétrica e a fábrica de motores foram compensações pela cessão de bases no NE para o Tio Sam.
    O envio das tropas foi uma decisão política do Brasil e ficou limitada a uma divisão pela nossa incapacidade em fornecer mais tropas minimamente treinadas.
    Observe que os acordos iniciais para o envio de tropas ocorreram antes de se constatar que elas não seriam tão necessárias (nos primeiros anos do conflito qualquer contribuição em tropas era bem aceita).
    Sds

  110. Mosczynski

    Um dos maiores trunfos de uma diplomacia é não envolver o país em guerras ou conflitos.
    O fato de nossa última guerra em território nacional ter ocorrido há mais de 150 anos é ótimo ! Não existe motivo para se lamentar deste fato. Pelo contrário, desejo ardorosamente a paz !
    Lembra das palavras do nosso patrono Osório? “O dia mais feliz da minha vida será quando todos os exércitos queimarem seus arsenais”

    Conquistamos muitos territórios só na base da diplomacia (claro que temos o maior potencial militar da AL, desde sempre…). Nossa herança diplomática vem de Portugal, que tem méritos incomensuráveis na ampliação do nosso território.

    Quanto a nossa participação no Haiti ou na RCA, o que menos interessa é “brilhar como um pais terceiro mundista bem intencionado”. Vou repetir pela 3a vez….o EB está se lixando para a ONU, pela salvação das almas ou pelo bem do mundo”

    Por fim, por favor, abaixe sua metralhadora giratória. O melhor que nossa diplomacia tem a fazer é nos deixar fora do esfacelamento da Venezuela, as FARC, ou violência urbana no brasil? Nos deixe fora desta !!! Diplomacia bem feita é silenciosa, suave e, de preferência, pacífica.

  111. Carvalho,
    concordo que diplomacia não envolve países em guerras, quem faz isso são políticos e sempre com motivos(interesses econômicos na maioria) e acima de tudo isso temos o poder militar que impõe respeito. Enquanto o Brasil ter essa visão inocente que todos são bons e tudo na conversa se resolve, vamos continuar a ser o que somos.
    E os conflitos que citei são exemplos de oportunidades que o Brasil deixou de lado ou pelo contrário, foi covarde e não defendeu nossos interesses. Na Colômbia não ajudou o combate aos terroristas das FARCs(tráfico de drogas e armas, grandes males brasileiros) e também na Venezuela que pode acabar numa guerra civil com milhares de refugiados no Brasil. E o que aconteceu? Foi lá os EUA na Colômbia e agora tem um parceiro econômico e na Venezuela começou a punir o Maduro com sanções econômicas. E o Brasil? Continua com o pensamento sou pobre mas sou limpinho.

  112. Mosczynski, com o devido respeito, a diplomacia brasileira, salvo nos anos mais recentes, sempre foi eficiente, austera e respeitada pela comunidade internacional durante nossa história, por exercer muito bem o soft power. Basta ver que, ao contrário de vários países da América do Sul, não temos pendências ou conflitos por fronteiras, que foram meticulosamente definidas e acordadas pelo Barão do Rio Branco com os respectivos países vizinhos. Se nos tornamos um anão diplomático de alguns anos para cá, foi por força da ideologia do governo de plantão e sua opção de não alinhamento aos países do Norte em detrimento de países que comungam ou comungavam a cartilha do foro de São Paulo. A missão que a ONU propõe ao Brasil na RCA não é estritamente militar, é mais de polícia. E, se consideramos que o papel de polícia não é missão das FFAA no âmbito interno, seria uma incoerência enviá-las para tanto a um país estrangeiro. Nós temos muitos problemas internos a resolver antes de nos comprometermos com problemas de outros países, principalmente da Venezuela, cuja população foi leniente e passiva com relação ao regime de Chavez por anos até que a fome escancarasse sua realidade. Nossas FFAA são para defesa da nossa pátria e nossa soberania, e não duvide de seu poder de reação se essas forem ameaçadas. Abraço.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here