Home Espionagem Serviço secreto soviético considerou ‘causar guerra civil no Brasil’ em 1961

Serviço secreto soviético considerou ‘causar guerra civil no Brasil’ em 1961

6918
134
Trecho do relatório do serviço de inteligência tchecoslovaco sobre o golpe de 1964
Trecho do relatório do serviço de inteligência tchecoslovaco sobre o golpe de 1964

Pesquisa inédita em arquivos da antiga Tchecoslováquia mostra atuação da StB de 1952 a 1971. Livro ajuda a entender o clima da época por meio das ações da agência submetida à russa KGB

Por R.B. – El País

Jânio Quadros ainda não tinha sido eleito presidente do Brasil quando, em visita a Moscou, em 1959, fez uma promessa ao tradutor que o acompanhava na viagem pela União Soviética: “Quando eu chegar ao poder, e chegarei com 100% de certeza, você será o primeiro a receber o visto”. O presidente eleito no ano seguinte nunca saberia, mas Alexandr Ivanovich Alexeyev, que atuara como seu tradutor, era um agente da KGB, a agência de inteligência soviética. Parte dessa história, que culminaria na retomada das relações do Brasil com a União Soviética em 1961, é contada no livro 1964 – O elo perdido (Vide Editorial, 2017), publicado no início deste ano. A obra é fruto da primeira investigação brasileira nos arquivos do serviço de inteligência da antiga Tchecoslováquia, o StB (sigla para “Segurança Estatal”), feita pelo paranaense Mauro Kraenski em parceria com o tcheco Vladimír Petrilák. Submetida à KGB, a StB atuou na América Latina durante a Guerra Fria e seus arquivos servem como aperitivo das ações soviéticas no continente, já que os documentos de Moscou seguem restritos.

“Não há praticamente nada de pesquisa sobre a União Soviética nesse período”, comenta o professor Carlos Fico, do departamento de história da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ele diz que não há muito interesse sobre o assunto, e cogita que seja por conta da pouca interferência soviética no país. Kraenski chegou aos arquivos tchecos por acaso. Trabalhava como guia no Memorial e Museu Auschwitz-Bikernau, o antigo campo de concentração nazista na Polônia, e se interessou pela história do país. Ao topar com a circulação de informações erradas sobre os soviéticos no contexto polonês, decidiu buscar informações em relação ao Brasil. Procurou na Polônia, mas foi encontrar material mesmo na República Tcheca.

Para conseguir adequar o polonês que ele fala ao tcheco dos documentos, o pesquisador se associou ao tradutor Vladimír Petrilák. Os dois montaram um site para divulgar o resultado das pesquisas e receber contribuições, já que não encontraram nenhuma instituição governamental ou acadêmica disposta a patrocinar a investigação. E qual foi a grande descoberta dos arquivos pela perspectiva dos pesquisadores? “Talvez seja o fato de saber pela primeira vez sobre a atuação de espiões de serviços de inteligência do bloco soviético no Brasil. Ou descobrir que houve brasileiros que, segundo os documentos, colaboraram — de forma consciente ou não, depende do caso — com esse serviço de espionagem estrangeiro”, responde Kraenski, que ressalva algumas vezes ao longo do livro: todas as informações dos arquivos secretos devem ser consideradas com cuidado. Muitas delas não têm fontes alternativas para confirmação, mas, mesmo assim, ele argumenta, são fonte relevante sobre o período.

Serviço de inteligência

Os autores do livro se concentraram na pesquisa dos documentos do I Departamento da StB, responsável pelo serviço de inteligência no exterior, onde descobriram que uma rede de 30 agentes e cerca de 100 “figurantes” — potenciais agentes que colaboraram com o serviço de inteligência sem saber — atuou no Brasil de 1952 a 1971. “O serviço de inteligência tchecoslovaco determinava objetos ou alvos de interesse, com o objetivo de entrar, infiltrar ou penetrar operacionalmente através de sua rede de agentes para aquisição de informações ou materiais relacionados com determinadas tarefas”, diz Kraenski. Entre os principais alvos estavam o Itamaraty, o Governo federal e o parlamento, além de instituições como a Petrobras, o Exército e o BNDES. Os soviéticos buscavam brasileiros de perfil nacionalista e antiamericano, mas que não tivessem laços tão evidentes com o Partido Comunista Brasileiro, e usavam desde o argumento ideológico e o oferecimento de presentes até o pagamento de honorários e estratégias de chantagem baseadas em informações constrangedoras.

Entre as operações mais ousadas do serviço de inteligência tchecoslovaco, os autores incluem a intermediação de armamentos para o Brasil, a falsificação de documentos para implicar os Estados Unidos no golpe de 1964 e o financiamento de ao menos um jornal, como parte de um projeto — maior e não finalizado — que tinha como meta criar uma emissora de tevê e uma rádio de alcance continental. O envio de 20.000 metralhadoras de produção tcheca para o Brasil acabaria acontecendo sem a interferência direta da StB e chegou a virar assunto no parlamento brasileiro à época. Os documentos também expõem como os tchecos, sempre interessados em disputar com os Estados Unidos a influência na região, atuaram no Brasil para melhorar a imagem do regime cubano pós-revolução e até criaram uma operação para reagir, em 1961, a um possível golpe de Estado.

“O camarada ministro confirmou a operação ativa I-V de criptônimo LUTA, cujo objetivo é causar demonstrações e tumultos antiamericanos e — em caso de seus surgimentos — causar uma guerra civil no Brasil. Um dos objetivos desta operação ativa é fazer com que representantes nacionalistas tomem o poder no Brasil”, diz documento de 23 de outubro de 1961 exposto no livro. A operação, que envolveu contatos com o então governador do Rio Grande do Sul Leonel Brizola e as Ligas Camponesas lideradas por Francisco Julião, durou apenas seis meses, de novembro de 1961 a abril de 1962, e provavelmente foi encerrada quando os responsáveis perceberam a dificuldade de executá-la.

O golpe

A pesquisa de Kraenski e Petrilák mostra ainda que os tchecoslovacos foram surpreendidos quando os militares tomaram o poder na virada de março para abril de 1964. A falha do serviço de inteligência em antecipar a derrubada do presidente João Goulart foi atribuída posteriormente à falta de contatos entre a direita brasileira. Nos relatórios internos, os agentes destacaram a “hesitação típica de Goulart e a sua incapacidade de levar as coisas até o fim” como motivo de uma queda sem reação. “Não se podia sequer falar em derrota, pois a derrota pressupõe uma luta, e no Brasil houve somente uma tomada pacífica de poder pela direita”, diz um trecho do mesmo documento, um relato sobre o golpe de Estado destinado apenas à elite do partido comunista tchecoslovaco.

As atividades soviéticas no Brasil sofreram um grande abalo após a tomada de poder pelos militares. Os agentes tchecoslovacos, que contavam entre seus contatos com jornalistas, funcionários públicos e até um deputado federal, tiveram de se retrair. Vários de seus “figurantes” se refugiaram em embaixadas estrangeiras e no exterior ou perderam os cargos que lhes garantiam relevância. O serviço seguiu por pelo menos mais sete anos, contudo, e seus registros ajudam a entender o clima de desconfiança e medo que levou o país a passar 20 anos sob o jugo de um regime militar. E esse é apenas o início da história do lado soviético. Kraenski diz que ainda há material para ser pesquisado no arquivos e, assim como ocorre no Brasil, desconfia-se que os documentos que os tchecoslovacos registram como destruídos possam estar guardados em algum lugar.

OS BRASILEIROS “SÃO PESSOAS PREGUIÇOSAS E BEM LEVIANAS”
Os arquivos tchecoslovacos se prestam também à crítica de costumes. Desde a chegada ao Brasil, em 1952, os agentes registraram suas impressões em relatórios que seriam repassados aos colegas que os substituiriam no futuro. Atuar no Brasil não era exatamente uma prioridade, mas era considerado muito mais seguro do que atuar nos Estados Unidos ou no Reino Unido. Em meio a reclamações sobre o calor que fazia no Rio de Janeiro e a falta d’água por uma semana no apartamento de Copacabana onde o primeiro chefe da rezidentura (base do serviço de inteligência) tchecoslovaca no Brasil se instalou, encontram-se análises sociológicas. “Todo o povo é educado em um espírito de desprezo para com o trabalho, o que pode se observar, por exemplo, quando as faxineiras se recusam a limpar janelas e assoalhos, o que obriga a contratação de mais faxineiras especialmente para isso”, registra o agente Jirí Kadlec, de codinome Honza.

Segundo o primeiro agente da StB no Brasil, “homens e mulheres têm unhas tratadas, todos querem a qualquer preço causar a impressão de que não precisam trabalhar fisicamente”. Em outro trecho, ele relata violência e assassinatos, um deles cometido a 20 passos da embaixada tchecoslovaca: “Em plena luz do dia, um homem cortou a garganta da esposa porque a mesma não queria partir com ele para outra região do país em busca de uma vida melhor”. Em outro relatório, registra-se que “os brasileiros reconhecem como cozinha típica somente a cozinha baiana” e que ela “pode levar à enfermidade”. A cervejas são boas, independente das marcas, mas os cigarros são ruins.

O trecho mais impiedoso sobre os brasileiros reproduzido pelos pesquisadores no livro 1964 – O elo perdido coube ao agente Václav Bubenícek (codinome Bakalár): “Um brasileiro, ao contatar com um estrangeiro, possui uma tendência em fazer uma grande quantidade de promessas, já supondo que não cumprirá nenhuma delas”. Referindo-se à classe média urbana, ele diz que “são pessoas preguiçosas e bem levianas, com as quais não se pode contar”. “Os brasileiros de classe média frequentemente surpreendem um europeu com uma longa lista de faculdades e cursos que terminaram; mas, na verdade, o conhecimento adquirido por eles é muito superficial, o que significa que no Brasil, por regra, encontramos pessoas ignorantes, que, mesmo com numerosos títulos científicos, não chegam aos pés da nossa gente com formação primária”, finaliza.

FONTE: El País

134 COMMENTS

  1. Esse livro é extremamente revelador. Como disse o professor Olavo, há décadas que a esquerda vive dizendo que a CIA estava por trás de tudo, mas até hoje não foram capazes de mostrar UM SÓ agente da CIA lotado no Brasil à época, enquanto temos detalhes da vida de vários agentes da KGB operando em solo brasileiro, dentro do Palácio do Planalto, até como assessores e tradutores do presidente!

        • Dan Mitrione e Lauren J. (Jack) Goin, veja o texto da wikipedia, pelo menos felizmente Dam Mitrione foi descoberto no Uruguai e torturado e executado por terroristas.
          “Agentes da CIA: No Outono de 1961, exatamente quando João Goulart estava assumindo a presidência, os Estados Unidos começaram expandir um influxo de agentes da CIA e ajuda a funcionários de instâncias no Brasil. Conselheiros de Ajuda de Segurança Pública como Dan Mitrione eram responsáveis por “melhorar” as forças policiais brasileiras. Engle enviou o oficial da CIA, Lauren J. (Jack) Goin, para o Brasil sob a cobertura de “consultor em investigações científica”. Antes de vir para o Brasil, Goin tinha criado a primeira equipe consultiva de polícia na Indonésia, que foi fundamental para o golpe apoiado pela CIA, que culminou com a morte documentada de mais de trezentos mil indonésios. Ele também tinha servido com Engle, quando a primeira Equipe Consultiva de Polícia foi criada na Turquia.
          De acordo com documentos oficiais do governo americano, o presidente interino, Temer, tem sido um informante da embaixada EUA no Brasil e é descrito como um trunfo para os interesses das empresas americanas em vários documentos diplomáticos abertos ao público.”
          . https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Dan_Mitrione

          • Ele era do FBI, nao da CIA… detalhezinho né… mas são coisas diferentes.
            Segundo a “wikipedia” ele era policial e treinava policiais. Diz que lecionou “tecnicas de tortura empregadas pela CIA” às polícias, nao que ele era da CIA… e não que ele era agente duplo.
            De novo, prove a identidade de um agente duplo da CIA, nome, atividades, etc… da KGB temos muitos.

          • Pois, agora os ex terroristas uruguaios recuam, sejam a historiadora tupamara Clara Aldrighi, seja oex guerrilheiro Héctor Amodio Pérez, ou o também ex guerrilheiro Sergio Lamanna, duvidam públicamente que Mitrione tenha sido agente da CIA e até mesmo do FBI…

          • E não podemos esquecer do Vernon Walters, que foi adido militar no Brasil nos anos 60. Seu relacionamento com a CIA era tão “distante” que chegou a ser Vice-Diretor.

            Para quem duvida do dedinho americano recomendo procurar por “Operação Brother Sam”

            De qualquer modo, apesar do título sensacionalista, o texto mostra que que até os comunas achavam improvável ocorrer uma insurreição capaz de resultar numa guerra civil por aqui.

    • O serviço secreto russo possui uma tradição secular. Até Ivã, o Terrível, tinha seus espiões. É compreensível que a doutrina russa estivesse anos luz a frente da CIA.

    • Caro Pedro. Recomendo o documentário “O dia que durou 21 anos”. Nele existem diversos documentos, telegramas e conversas gravadas do Kennedy e Lyndon Johnson com o embaixador dos EUA no Brail (Lindon Gordon) sobre o planejamento do golpe de 64. Procure por “Operaçao Brother Sam”. O

      • Havia duas opções.
        Continuar democrático no mundo civilizado ou cair nas mãos de uma ditadura comunista.
        Que bom que os estados unidos não nos abandonaram.
        Quem gosta de democracia não dá valor a comunismo.

        • Você leu a matéria? O que ela diz sobre as chances de um levante comunista ocorrer por aqui? Os caras desistiram da idéia em 1962.

          • Tinham desistido ou “dado um tempo”?

            Considere que estás em 1962, com um -vice que acaba de assumir após renuncia do Janio, e que adora visitar países governados por ditaduras comunas e receber camaradas revoluciotários para os condecorar.

            Seus meios científicos e tecnológicos são escassos, num país endividado após construir o novo DF e predominantemente rural e analfabeto, vais rejeitar um apoio da nação mais avançada do mundo.

      • Esse fato relatado no documentário é bastante distorcido. Na verdade o que as conversas reveladas mostram é que o governo americano ficou feliz com o golpe e que estava disposto a ajudar os militares em caso de guerra civil, sendo a tal operação Brother Sam para isso. Em nenhum momento há qualquer indicativo que o governo americano tenha sido o planejador do golpe, que alias foi gestado nas proprias elites civis e militares brasileiras.

        • Exato, Ozzy. A esquerda gosta de distorcer a história a seu favor. Recontar a verdade com outras tinturas. Perderam a guerra. Ponto final. Éramos nós contra eles, em 64, e eles perderam.

    • É óbvio que EUA e URSS tinham (ainda tem) agentes no Brasil. Vários outros países também mantiveram agentes de informações no Brasil. Boa parte deles são os “adidos” lotados em embaixadas e consulados. Durante a Guerra das Malvinas, britânicos e argentinos tiveram seus serviços secretos bem ativos no Brasil. Nos anos 90, um paspalhão foi pego no Rio de Janeiro e entregou que era agente do governo português.

    • A questão é que isto (também) comprova que o Brasil era palco da Guerra Fria.

      Se por um lado é verdade que nossos problemas internos se juntaram ao clima externo de tensão, e que, sim, 1964 teve um componente econômico partido de nossas elites, ainda assim, havia interesses internacionais.

      E não somente dos EUA. A URSS e os países daquele bloco também pretendiam impor seus regimes por aqui…

      E da mesma forma com que os EUA perderam a guerra fria no Vietnã, no Cambodja, na Coreia do Norte, eles venceram aqui, no Chile e na Argentina… talvez não tenha havido nenhum agente da CIA ou mesmo da KGB infiltrado nas altas esferas do poder, mas havia influencias e, quando 64 estourou, os EUA se apressaram em apoiar para manter sua posição e seus interesses, do mesmo modo que, se tivesse pendido para o outro lado, a URSS teria feito a exata mesma coisa.

    • Eu vou guardar esse post para quando ouvir alguém com aquela conversa de “crise de valores” e que antigamente as pessoas eram melhores. O brasileiro sempre foi um sujeito que sonha em ser aristocrata, faltou uma revolução francesa por aqui.

      • Revolução Francesa aqui? Pra destruir o que sobrou da cultura brasileira, impor o relativismo moral como norma, seguido do domínio completo do Estado sobre toda a sociedade por um ditador que iria arrasar o continente numa guerra pra no fim de tudo isso nosso país terminar em processo de islamização gerado pelo vácuo da cultura anterior? Dispenso.

        • A revolução francesa acabou com a aristocracia francesa. Mas se prefere um similar mais bonitinho temos a revolução gloriosa na Inglaterra que acabou com o absolutismo britânico e abriu caminho para a revolução industrial.

          Foi com a revolução francesa que surgem os direitos e deveres do cidadão, eles deixam de ser apenas súditos. Eu acho que a idéia de empreendedorismo seria impossível sem o Iluminismo. Enquanto por aqui ficaram os deputados que fazem parte de linhagens que remontam os tempos do império, empreiteiras familiares para depauperar o estado e gente que considera trabalho duro como coisa de gentinha.

          Eu até acho que a revolução, como modo de mudança, é algo arriscado, imprevisível e pode trocar o ruim pelo pior. A Rússia dominada pelos Mencheviques provavelmente teria sido um país bem diferente da União Soviética. Mas a mudança é necessária, os espiões tchecos só mostraram a preguiça e devassidão de décadas atrás, essa “tradição” eu dispenso.

          • Não acabou, a tendência de toda revolução é substituir uma aristocracia por outra. A revolução francesa foi um período terrível para a história da França e destruiu de maneira brutal construções sociais quase milenares, o que levou o país ao caos do reino do terror e a um imperador que provocou mortes e intervenções em países por toda a Europa e norte da África. Além de tudo, provocou todos os problemas citados pelo João Girardi.

          • Renato B.
            Sobre a revolução ser necessária:
            Matar 5.000.000 de russos, como fez Lenin, era necessário?
            Matar 10.000.000 de ucranianos, como fez Stálin, era necessário?
            Matar 75.000.000 de chineses, como fez Mao-Tsé-Tung, era necessário?

            Está apenas repetindo a narrativa da Revolução Francesa que os próprios revolucionários fazem, incrivelmente picotada para favorecê-los. Está precisando ler uma bibliografia diferente, recomendo o Origens da França Contemporânea de Hippolyte Taine, assim como o clássico Reflexões da Revolução na França de Edmund Burke ou o Monarchy and War do Erik von Kuehnelt-Leddihn. Certamente irá mudar a sua visão.

            “A revolução francesa acabou com a aristocracia francesa. ”

            Napoleão Bonaparte lhe mandou um abraço. Como Leonardo disse, revoluções apenas servem para colocar uma nova elite no poder, porém adiciono que geralmente costumam piorar a situação, provando sua inutilidade.

            “Foi com a revolução francesa que surgem os direitos e deveres do cidadão, eles deixam de ser apenas súditos. Eu acho que a idéia de empreendedorismo seria impossível sem o Iluminismo.”

            Os únicos direitos que existem são os direitos naturais do homem, sejam eles dados por Deus ou pela natureza, de qualquer forma são anteriores ao Estado, e cabe a esse resguardá-los, não ficar inventando “direitos” que não o são. Para cada “direito” que o Estado dá a alguém, ele cria uma obrigação a terceiros. Dessa forma, com a quantia de regulações que o estado moderno impõe sobre seus “cidadãos”, somos muito mais súditos que nossos antepassados medievais ou romanos. Qualquer pessoa que chegue afirmando ser possível que o governo crie direitos não passa de um charlatão.

            Antes mesmo do iluminismo, os escolásticos tardios, sendo uma das fontes de conhecimento da Escola Austríaca, já sabiam que o livre comércio era melhor que o estatismo.
            Esse período não é conhecido como Terror à toa, pois não matou apenas nobres, mas também muitas pessoas sem nenhum tipo de poder político como camponeses, comerciantes, padeiros, açougueiros, e até mesmo mulheres grávidas. Há relatos de mulheres que tiveram seus genitais arrancados e explodidos com pólvora e livros cujas capas foram feitas com pele humana. Mas a morte de inocentes não importa aos revolucionários, que sempre julgam suas causas e construções teóricas perfeitinhas elaboradas mais importantes que vidas humanas, construções que muitas vezes deixam a realidade de lado (como criar um paraíso terrestre ou então querer alterar a natureza humana através da concentração de poder nas mãos do Estado), quase sempre causando mais estragos e piorando a situação que pretendiam consertar em primeiro lugar. Não ficam satisfeitos com o poder de administrar o Estado, arrogam para si o lugar que apenas Deus deveria ocupar. Nesse ponto, os fundadores dos Estados Unidos foram muito mais sábios do que os jacobinos, pois apenas se libertaram da Inglaterra por uma rebelião armada, não tinham planos de destruir as tradições e leis inglesas ou a moral cristã, muito pelo contrário, beberam muito dessa tradição, valorizando e preservando aquilo que era bom, não romperam realmente com essa herança cultural da monarquia inglesa, apenas com os laços políticos. Os EUA preferiram a liberdade enquanto a França (e os regimes totalitários do século vinte) preferiu a igualdade, e a diferença você vê hoje: um país é uma superpotência, o outro é uma república decadente, cujo golpe de misericórdia, caso não haja um retorno da tradição, será o Islam. Resumindo, diferente dos americanos, os franceses atiraram o bebê fora junto com a água suja do banho, e estão pagando caro por isso.

            Reforço então o que eu disse antes: o que a revolução fez foi destruir todas as hierarquias locais na França que serviam de contrapeso ao poder do Estado (realeza), como a aristocracia e a Igreja, o que gerou caos e um vácuo de poder pra um ditador muito mais poderoso que o antigo Rei Luís XVI tomasse o poder e mergulhasse um continente inteiro em sangue.

          • Eu não acho que a revolução seja a melhor forma de mudança, mas elas acontecem. Especialmente a França com aqueles ineptos no comando. Foram eles que abriram caminho para essa zona toda. Para uma ocorrer revolução é fundamental uma elite inepta ou cega estar no comando.

            Sim, os americanos foram espertos de pensar num sistema que visa a mobilidade social, tanto para manter os mais capazes no comando como para dar uma esperança de ascensão dentro do sistema para quem está na base da pirâmide. Tanto que estão bem preocupados se ainda são capazes de manter essa mobilidade. O direito a busca pela felicidade e o empreendedorismo foi a melhor estratégia anti-revolucionária do século XX.

    • Bosco, mas há uns 10 anos, documentos americanos desclassificados faziam constatação bem parecida a dos Russos. Vou tentar localizar o link dessa informação.

      —————————————————————————————————————-

      Quanto a Guerra Fria…..tem que ser um idiota completo para não considerar que ambas as agencias de inteligencia operavam no Brasil.

  2. Finalmente o trabalho desses dois pesquisadores, Mauro Kraenski e Vladimír Petrilák, está sendo reconhecido. Uma pena que os tais “especialistas” de instituições do setor e das universidades brasileiras sempre fecharam os olhos para as atividades dos serviços secretos comunistas em nosso país.

  3. Apesar de serem esquerdistas, terei de concordar com os autores em muitas das questões apontadas… e tristemente constatar que nós brasileiros não mudamos em nada.

  4. E o Bosco está correto, como sempre: se estas declarações fossem de espiões americanos a nossa esquerda sairia das cova para se manifestar. kkkkk

  5. “professor Carlos Fico, do departamento de história da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Ele diz que não há muito interesse sobre o assunto, e cogita que seja por conta da pouca interferência soviética no país.” –
    Não, professor, a imprensa não se interessa por ser majoritariamente de esquerda, e o sr. deve saber que também nossas universidades ( como a sua UFRJ ) são ainda mais. A maior prova dessa parcialidade é que essa matéria foi feita pelo El Pais e não por um jornal brasileiro.
    “mesmo com numerosos títulos científicos, não chegam aos pés da nossa gente com formação primária”
    Outro ponto interessante é todos os doutrinados por ditaduras tendem a desprezar e inferiorizar outros povos e culturas vemos isso c/ os comunistas, os nazistas ou os japoneses na 2ªGM.

  6. “Não se podia sequer falar em derrota, pois a derrota pressupõe uma luta, e no Brasil houve somente uma tomada pacífica de poder pela direita”

    E durante os 21 anos de governo militar,salvo engano meu, os números fora de 450 mortos pelo governo e 120 pelos terroristas que naquele contexto não buscavam democracia mas um governo mais alinhado l à URSS.

    Ou faltou bravura, coragem mesmo, das pessoas de esquerda, ou faltou gente na esquerda que quisesse enfrentar o governo. Ou as duas coisas.

    Ou ainda, a queda do governo civil de João Goulart era tão esperada e desejada, que caiu de madura que estava para cair.

    *Tem certos forums, e mesmo roda de conhecidos, que ao finalizar um texto ou fala nesse tom, já digo: “Comecem a me atirar pedras, tôpronto”.

    • Sidney, é isso aí.

      Os nossos “gerrilheiros” se enquadram muito bem ao relato que eles fizeram do brasileiro:

      “Todo o povo é educado em um espírito de desprezo para com o trabalho, o que pode se observar, por exemplo, quando as faxineiras se recusam a limpar janelas e assoalhos, o que obriga a contratação de mais faxineiras especialmente para isso”, registra o agente Jirí Kadlec, de codinome Honza.

      Segundo o primeiro agente da StB no Brasil, “homens e mulheres têm unhas tratadas, todos querem a qualquer preço causar a impressão de que não precisam trabalhar fisicamente”.

      Os nossos “guerrilheiros” lutaram tanto como uma brasileiro retratado pelos Tchecos… agora… nada a dizer sobre a qualidade dos assaltos a bancos.

      “Comecem a me atirar pedras, tôpronto”

  7. […]Segundo o primeiro agente da StB no Brasil, “homens e mulheres têm unhas tratadas, todos querem a qualquer preço causar a impressão de que não precisam trabalhar fisicamente”.

    “Os brasileiros de classe média frequentemente surpreendem um europeu com uma longa lista de faculdades e cursos que terminaram; mas, na verdade, o conhecimento adquirido por eles é muito superficial, o que significa que no Brasil, por regra, encontramos pessoas ignorantes, que, mesmo com numerosos títulos científicos, não chegam aos pés da nossa gente com formação primária”, finaliza.

    Eita, Eita….RSSSSS

    Nada mudou, e se mudou foi pra pior….todos sabem o jogo de Egos sobretudo em nossas universidades, onde “nossa comunidade cientifica” não consegue fazer hoje o que muitos lá fora fizeram nos anos 50.

  8. O livro pode até ser interessante para as análises da micro história, mas tende a cair no ostracismo por causa do prefácio de Olavo de Carvalho… Ninguém, além da sua pandilha extremista, leva esse senhor a sério!

    • Ninguém quem, cara pálida? Você? A Marilena Chauí? Os professores da panelinha esquerdista que domina as universidades brasileiras que não produzem nada de bom?
      Hahahahaha
      Então um livro pode estar correto, mas se o prefácio é de alguém que vc não gostou, então fica errado. 2+2 é 4, mas se o Olavo que falar, não é mais! kkkk
      Como não consegue atacar o conteúdo das dezenas de livros e artigos dele, reconhecimento nacional e internacional pelos maiores intelectuais, fica de fofoquinha, assassinato de reputação, falácias.

        • Se o “Aiatolavo” de Carvalho afirmar que 2+2=4 ele estará errado? Pois então, mesmo ele merece o benefício da dúvida, vai que de repente ele acertou no prefácio!

          E falando em coisas da esquerda, apenas ela ouve as bobagens de Marilena Chauí, a mesma senhora que afirmou ter sido o Sérgio Moro “treinado pelo FBI para ‘roubar’ o Pré-Sal”

        • Olá Guilherme. O fato de você discordar ideologicamente de uma autor não é suficiente para desqualifica-lo em nível pessoal. Acho absolutamente normal discordas das ideias deste ou daquele autor, concordar parcialmente com um outro ou até concordar com quase tudo. O que não parece razoável é levar para a desqualificação pessoal (e olha que discordo muito do Olavo de Carvalho, mas discordo porque já li).

    • Meu caro “Oplita” eu não levo a sério o Olavo de Carvalho mas não vou desmerecer o conteúdo do livro por causa disso. Esse tipo de expediente é mais afeito à esquerda….

    • Falar mal do Olavo é fácil, agora quero ver você ter estudado algo dele pra desqualificar o que ele diz nos livros dele (os vídeos do True Outspeak não contam), porque um sujeito que absorveu ensinamentos de Sócrates, Platão, Aristóteles, Sto. Agostinho, Sto. Tomás de Aquino, Duns Scot, Leibniz, Schopenhauer, Kant, Hegel, Mises, Schelling, Eric Voegelin, Mises, Ortega y Gasset, Mário Ferreira dos Santos e vários outros filósofos de primeira ordem é tudo, menos desqualificado.

      Eu duvido que o sujeito que fez esse comentário tenha sequer lido metade desses autores, aliás, ler um único autor desses já seria considerado esperar muito. Mas ideólogos, diferentes de pensadores, são assim mesmo, não olham para realidade para daí julgar uma ideologia verdadeira ou falsa com base nela, mas usam a ideologia como critério de julgamento da realidade, considerando falso ou menos verdadeiro tudoo que não se encaixar no seu pensamento ideológico.

  9. Que sina a do Brasil, hein. Até tchecoslovacos botavam banca, se achando a última bolacha do pacote em relação aos brasileiros. É brincadeira…

    • Nessa época o Brasil era a economia de 50 e poucos , nossa relevância era apenas regional. O PIB argentino era inclusive maior se não me engano.

      Foram os militares malvados que fizeram saltarmos para Oitava economia do mundo em 10 anos, com muito planejamento e competência . Até hoje boa parte da nossa infraestrutura é daquela época. Claro que pra isso tiveram que se endividar, e criar estatais, na época não tínhamos iniciativa privada local com dinheiro e capacidade para grandes obras. Mas o que quebrou o Regime e o tornou impopular foi a crise do petróleo em 1979, crescemos muito rápido e dependendo muito do petróleo, o México quebrou e deu calote pela mesma razão .

      Por isso o Geisel criou o próalcool que culminou no nosso Etanol…

      O governo se tornou impopular com a crise e povo foi pedir diretas já.

      Resumo: seu livro de história não vai te contar que enquanto havia emprego e renda a grande maioria dos brasileiros e da elite pouco se importava com os militares no poder. Só jornalistas, artistas, esquerdistas e sindicatos chiavam. Haviam alguns de direita mais liberais que eram contra, mas poucos. A ironia é que a maioria dos que eram contra queriam um Governo do Proletariado , nos moldes de Cuba, e não democracia.

      • Os liberais eram contra, tanto que os militares jogaram o Roberto Campos para escanteio.

        Os liberais eram contra porque sabiam que uma hora a conta da festinha do milagre econômico teria que ser paga, aí chegaram os anos 80 a conta chegou o governo militar caiu, ou preferiu cair a arrumar o estrago. Jogar a culpa de todo o estrago na crise do petróleo é aceitar a desculpa que eles deram.

        A ditadura foi um dos momentos em que o país teve um projeto de longo prazo. Porém não era um projeto bom o suficiente.

        • Bem colocado Renato! Basta ver que o Chile, que seguiu a risca o modelo liberal da escola de Chicago (Milton Friedman inclusive ali atuou como consultor), hoje tem o melhor IDH do continente.

  10. O jornalista William Waack publicou um livro em 2004, intitulado Camaradas, no qual ele mostra parte das conexões soviéticas com a esquerda brasileira. É incrível como esta obra passou despercebia por boa parte da classe acadêmica brasileira.

  11. Quem sabe um dia paramos de querer copiar o modelo que vem de fora ( ainda que eu seja fã do modelo Americano e alguns outros, do modelo Chinês) e criamos um modelo de estado e sociedade que dê conforto para o povo. Nós não precisamos ser os mais bravos, nem os mais trabalhadores, nem os mais ricos, nem os mais inteligentes, nem os mais admiráveis, desde que o povo, de uma forma geral, esteja confortável e feliz. Estas “críticas” estrangeiras não deveriam nos afetar. Nós somos um povo “inocente”. Nós, por mais que tenhamos uma violência interna atualmente, somos um povo calmo, que nunca causou estragos para outros povos. Talvez poderíamos revelar documentos do serviço secreto brasileiro ( se existe) com argumentos que ridicularizem a constante insatisfação destes povos da Europa, que vivem em “tretas” uns com os outros, causando prejuízos enormes ao mundo. Nós nunca fomos exímios capitalistas, nem dobrados e submetidos comunistas. E nós devemos ter orgulho desta nossa distância. Nós podemos ter todos os defeitos do mundo, mas sabemos ser felizes, mesmo na adversidade. Somos humorados e ainda que doendo ou com fome, ainda que injustiçado, sabemos fazer piadas e ser felizes. Deus nos absolve. E estes povos? Estes povos são a praga do mundo. Fiquem eles com a concepção que quiserem do Brasil. Enquanto isto, nós vamos assar uma carne em uma roda de samba. E que se lixe o que pensam disto. Nós precisamos encontrar um modelo de estado e sociedade típicos do Brasil, um país exótico, e pararmos de nos preocupar com o que “eles” querem nos impor como “modelo ideal”. Nós devemos encontrar nosso próprio modelo e sermos orgulhosos disto. Se somos preguiçosos, isto é para quem pode, não é para quem quer…

    • Só para completar… O que é a “antiga” republica da Tchecoeslováquia se comparada a nós? Nada! O que é “antiga” “União Soviética” se comparado a nós? Nada! Nme existemmais. Preguiçosos e levianos vamos sobrevivendo, comendo churrasco e ouvindo Djavan… Que se lixe o resto!

        • Aliás, a própria Russia, admirada por alguns, o que ela é se comparado a nós? Nada! Se eles tivessem 10% de nossa inteligência interpessoal, de nosso charme, de nossa finura, de nossa elegância, certamente estaríamos em um mundo muito melhor. Assim como os animais, estes povos medem o próprio valor pela capacidade de matar. Nós devemos medir nosso valor pela capacidade de fazer viver, de dar vida. E isto nós sabemos…

    • Perfeito comentário, assino embaixo.

      Nessas horas temos que fazer o que fazemos melhor, tocar o f#@*-se.

      Podemos ser tudo isso que esses comunas falam, mas uma coisa é certa, todo mundo queria e ainda quer o Brasil do seu lado, e quando não conseguem baixam a nos criticar.

      Xingamento desses comunas pra mim é elogio.

  12. Brasileiros são pessoas preguiçosas e levianas ? Mas que opinião coxinha… epa, peraí… não pára…
    .
    Ora, de que povo nossa classe política se origina ?

  13. Concordo os Tchecos .

    Os Brasileiro querem receber sem trabalhar os 500 DF e Senadores Pro-Âmis que o digam trabalham 3 dias na semana tem 13,14 e 15 salario., etc…..

    Colocam via mídia para a população que eles também tem direitos a serem Marajás porque isso Democracia.

    E hoje a KGB não ta mais no planalto mas lá com certeza ta a CIA. MR8 e o mais perigoso de todos o Mossad comandado pelo o grande Zohan…..

    O Brasileiro em geral é muito mal visto em todo o planeta isso é fato e não tem nada a ver com ser Pro-Âmis ou ser Comunista.

    É o povo mas Corruptor do mundo e o povo do jeitinho da malandragem etc….

  14. Mas a esquerda, nas vozes de sujeitos como Dilma, continua apregoando que a luta era pela “democracia”. Eles estão vendendo seu peixe, é do caráter deles isso. Me espanta é os que acreditam.
    O que que a comissão da mentira tem a dizer a respeito? vai falar igual falou dos documentos da CIA?

    • Não sei se vc sabe, mas 2 ex-guerrilheiros – Gabeira e o Eduardo Jorge – tiveram a decência e a honestidade de declararem várias vezes que eles ( a esquerda que pegou em armas ) nunca lutaram pela democracia, queriam derrubar uma ditadura de direita p/ implantar a ditadura do proletariado.

  15. E tem gente que insiste em acreditar que não havia uma ameaça comunista no Brasil nessa época… Nossa sorte é que João Goulart era covarde…

  16. A esquerda daquela época compos o poder reinante no Brasil nos últimos 15 anos desse século. Nunca lutaram por democracia, lutavam sim por uma ditadura nos moldes chines ou cubano.

    De tudo o que fizeram na época fica notabilizado uma série de assaltos a bancos, formavam um bando de canalhas, tão canalhas como os piores militares daquela época.

    Esse pessoalzinho sempre que teve uma “bola dividida” em que deviam escolher por “eles” ou pelo “Brasil” nunca fizeram a opção pelo nosso Pais.

  17. Uma das melhores descrições da nossa Classe Média Urbana. O pior é que continua atual KKKKKKK

    De qualquer forma o prefácio de Olavo de Carvalho tira completamente a credibilidade da obra.

  18. “Os brasileiros de classe média frequentemente surpreendem um europeu com uma longa lista de faculdades e cursos que terminaram; mas, na verdade, o conhecimento adquirido por eles é muito superficial, o que significa que no Brasil, por regra, encontramos pessoas ignorantes, que, mesmo com numerosos títulos científicos, não chegam aos pés da nossa gente com formação primária”,

    /\ Isso é muito atual!!!!!!!!!! pena o prefácio do Olavão, a chance de ser um panfleto ideológico é enorme, mas confesso que fiquei com vontade de ler.

  19. Manda esses tchecos voltarem aqui pra ver as maravilhas que os esquerdoPaTas fizeram pro Brasil ,aposto que do aeroporto voltam pra casa só com a roupa do corpo.

  20. Lembrando que os tcheco-eslovacos realmente tentaram um “golpe” mas em casa, em 1968, conhecido como “Primavera de Praga” que foi esmagado pelo Pacto de Varsóvia.

  21. É muita preocupação com passado, sinceramente.
    O futuro nosso está encaminhando para algo bem tenebroso e o pessoal se preocupando se a KGB ou CIA queriam interferir no Brasil em 1964.
    No fim o socialismo venceu e ainda com um bela ajuda dos militares, só não vê quem não quer. Olhem o que os STJ fez ontem com o voto impresso… Esperem até verem a conta do “tabelamento do frete”.

  22. Senhores
    Só um iludido, muito bobinho, pra não entender q um bloco lutava contra o outro no mundo todo.
    O Brasil recebia apoio da inteligência de outros países? Óbvio.
    E os comunas, recebiam apoio e treinamento? Lógico.

    O mais interessante q se deve saber é:
    Os americanos não enviaram tropas pra cá, nem Black Ops.
    E os comunas, q obviamente tinham treino e apoio do bloco soviético não conseguiu reverter a situação pra eles.
    Simples asssim.
    Quem quer entender como funcionava a inteligência e OpEsp soviética e de seu bloco leia Inteligência Militar Soviética da Ed Record.

    Novamente, como sempre digo, faço minha as palavras de Mallet:

    Eles q venham, por aqui não passarão!

    • Caro Agnelo. Haviam tropas dos EUA prontas para intervir caso ocorresse resistência ao golpe de 64. Era a chamada operação Brother Sam.

      • Boa noite Camargoer
        Talvez. Acho difícil, mas possível.
        O Brasil é um continente, não o Vietnã ou Coreia.
        Mas durante toda luta contra guerrilha, não houve tropa de fora.
        Nós lutamos, desenvolvemos nossa doutrina, Q pouquíssimos países têm, e vencemos a guerrilha.
        Até hj, muitos tentam aprender isso conosco.
        Sds

        • Caro Agnelo. Encontrei um artigo publicado na FOlha de São Paulo que talvez o ajude a ir desatando este nó. O apoio dos EUA por intermédio do embaixador Lindon Gordon está bem documentada. Tem um excelente documentário chamado “o dia que durou 21 anos” que tem os diálogos dos presidentes americanos discutindo abertamente a intervenção no Brasil.
          https://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1507200710.htm

          • Prezado
            Acho q estamos falando de situações diferentes.
            O apoio americano à Revolução descrito é de conhecimento público.
            Dizer q tem e até preparar e manobrar tropas em condições de apoiar, em termos diplomáticos, significa muito apoio político.
            Particularmente, tendo em vista como estava Europa, e início do Vietna na época, acho difícil q tivessem condições de apoiar efetivamente com envio de tropas, tendo em vista o tamanho do Brasil.

            O q digo é q durante o Governo Militar não houve emprego efetivo de tropas no nosso território para o combate à guerrilha e ao terrorismo.

            Hj, o Brasil é reconhecido por sua capacidade militar em atuar contra uma guerrilha q recebia apoio externo, sem receber tropas de fora pra isso.

            Em toda o continente americano, somente Brasil e EUA tem doutrina comprovadamente eficaz e eficiente no combate à contra guerrilha.

            Obviamente, intercâmbios entre exércitos, independente da situação interna do país, sempre aconteceram.

          • Caro Agnelo. Talvez o ponto aqui seja o contexto da guerra fria. Se por um lado não deveria ser surpresa a ação de agentes ligados à URSS, pelo outro o governo dos EUA operou diretamente com o golpe militar de 64, fornecendo recursos financeiros e materiais além de mobilizar forças militares. Emitir juízos de valores a partir de opões ideológicas é um erro tanto à direita quanto à esquerda, já que a defesa do estado democrático de direito deveria ser consenso, mas infelizmente parece que este consenso ficou mais distante hoje.

  23. Prof. Olavo de Carvalho é um dos maiores filósofos da história do Brasil, e o melhor do que estão vivos atualmente, o prefácio dele só engrandeceu ainda mais esse estudo.

    Se esses documentos fossem da CIA, a mídia esquerd0pata estariam em estado de êxtase fazendo a festa, mas como não é, silêncio no covil !

    mas não tem problema, tomaram um pau em 64 que lavou a alma de todo o brasileiro rsrs…

  24. A URSS queria tornar o Brasil uma ditadura comunista, mas o americanos foram mais rápidos e transformaram o Brasil em só mais uma ditadura submissa aos yankees. O Brasil deveria ser uma potência com voz pra ditar regras no mundo e não seguir as dos outros.

  25. Quer dizer então que os russos tentaram implodir o meu pais??? E os americanos maus vieram depois??? E que a ditadura na vetdade foi uma contra revolucao??? E que os terroristas eram, de fato, terroristas???

    Quem diria…o tempo é o senhor da verdade.

  26. “””Os soviéticos buscavam brasileiros de perfil nacionalista e antiamericano, mas que não tivessem laços tão evidentes com o Partido Comunista Brasileiro…””
    Obs: Na época eles já usavam o famoso “comunista de Iphone, comunista de McDonalds ou o comunista de duplex” kkkkkk uzamericanusmalvadus vão roubar a amazônia e vender tecnologias…vou votar na Dilma e no Aécio, eles vão cuidar de tudo pra mim!
    ……………..
    “Os brasileiros de classe média frequentemente surpreendem um europeu com uma longa lista de faculdades e cursos que terminaram; mas, na verdade, o conhecimento adquirido por eles é muito superficial, o que significa que no Brasil, por regra, encontramos pessoas ignorantes, que, mesmo com numerosos títulos científicos, não chegam aos pés da nossa gente com formação primária”
    Obs: Essa doeu! kkkkkk

  27. “O camarada ministro confirmou a operação ativa I-V de criptônimo LUTA, cujo objetivo é causar demonstrações e tumultos antiamericanos e — em caso de seus surgimentos — causar uma guerra civil no Brasil. Um dos objetivos desta operação ativa é fazer com que representantes nacionalistas tomem o poder no Brasil”, diz documento de 23 de outubro de 1961 exposto no livro. A operação, que envolveu contatos com o então governador do Rio Grande do Sul Leonel Brizola e as Ligas Camponesas lideradas por Francisco Julião, durou apenas seis meses, de novembro de 1961 a abril de 1962, e provavelmente foi encerrada quando os responsáveis perceberam a dificuldade de executá-la.
    …………………………..
    E em 2018 os chineses (comandados pela Cúpula Comunista em Pequim) desejam financiar o candidato Ciro Gomes do PDT (partido que tem como símbolo – Leonel Brizola e que 95% dos membros se encaixam perfeitamente nas características citadas na matéria – idiota útil do movimento). Nada de novo…
    ligas camponesas = MST
    Nada novo também…
    Matéria: http://www.pdt.org.br/index.php/pdt-e-partido-comunista-da-china-fortalecem-parceria-e-discutem-candidatura-de-ciro/
    Será que já não basta o financiamento chinês na ditadura venezuelana?

  28. Olha o que os comunistas queriam fazer com a gente!
    Ainda bem que a gente teve os americanos malvados da CIA, golpistas, que colocaram os militares no poder e nos salvaram do inferno.
    Obrigado irmãos do norte!

  29. Camargoer,
    Você está querendo nos fazer crer que os EUA iria intervir aqui contra a vontade do governante e isso não é verdade. Os EUA estavam dispostos (pronto sempre estiveram pra atuar em qualquer lugar do mundo) a intervir aqui se fosse solicitado pelo governo militar brasileiro.
    E não sei como uma pessoa tão “letrada” como você se indigna com isso. Aquela época era o auge da Guerra Fria entre o capitalismo e o comunismo e havia claramente duas áreas de influência e nós, desde a SGM, compúnhamos a área de influência capitalista que tinha os EUA como líder. Simples assim! Eles não iriam deixar a peteca cair como deixaram em Cuba. E eles estavam certos dentro daquele contexto histórico.
    Não podemos medi-los pelas nossas réguas de hoje. Quem estava errado por qualquer regra, seja de hoje seja do passado, eram os soviéticos e chineses que para estabelecerem seus sistemas de governança assassinaram milhões de seus próprios cidadãos. Não há contexto histórico que justifique esse tipo de crueldade e me surpreendo quando pessoas instruídas veem nesses regimes qualquer tipo de virtude.
    O Regime Militar ao qual o Brasil foi submetido é execrado por ter sido uma ditadura cruel e não existe nenhuma possibilidade de perdão ou esquecimento, mas de modo curioso e hipócrita esses mesmos têm verdadeira adoração por países e regimes e ideologias cruéis e violentos que perpetraram verdadeiros extermínios em massa de seu povo.
    Tivessem vocês esquerdista, que odeiam os EUA e o Regime Militar pós 64, verdadeiros nobres sentimentos , boa fé e nobreza de sentimentos , era para odiarem e renegarem qualquer coisa que lembrasse o regime comunista da antiga URSS e inclusive da atual China, que apesar de hoje parecer “civilizada” o foi às custas do sangue de milhões de inocentes.
    Mas não! O que horroriza vocês é os EUA ter no passado se disponibilizado a intervir aqui caso solicitado para barrar a intenção das esquerda tupiniquins em instalar aqui uma ditadura comunista.

    • Bosco 8 de junho de 2018 at 1:15

      Bosco…
      Concordo com quase tudo o q vc descreveu, so discordo da parte da Ditadura.

      Vc disse muito bem, as Ditaduras Sovietica, Chinesa e Cubana mataram milhares, foram tiranos que mataram o proprio povo, mas a Ditadura Brasileira tbm fez isso, da mesma forma as Ditaduras Chilena e Argentina.

      Em suma: nenhuma Ditadura presta, seja ela de esquerda ou de direita.

      Nao existe isso de “Regime Militar” em “prol da conducao do povo ate que tudo se estabilize”, é Ditadura tbm e pronto.

      As aspas sao minhas e nao se referem ao seu texto mas aos de outros que tentam convencer que o “comunismo” mudaria o Brasil e outros de que o “Regime Militar” “salvou” o Brasil.

      Uma baita conversa fiada dos dois lados.

      Vc fez uma explanacao bem sensata dos fatos esta completamente certo sobre alguns que odeiam os EUA so por odiar. Nao que os EUA sejam santos. De jeito nenhum. Mas defender alguem como Stalin é o fim da picada. O povo russo tbm foi refem da tirania no passado e hj ainda é refem sobretudo da corrupcao politica e da mafya.

    • Bosco, excelente comenário!
      Se o pessoal de esquerda deixasse a ideologia de lado por um minuto e resolvesse pensar sem a influencia dessa “amarra” ideológica, veria claramente que as ditaduras que eles exaltam foram muito piores que a própria ditadura brasileira.
      Tivemos no Brasil uma ditadura que torturou e matou opositores e isso obviamente é condenável.
      Se as várias ditaduras de esquerda pelo mundo mataram milhões, então porque os esquerdistas só condenam as ditaduras de direita?
      Simples, por pura cegueira ideológica aliado a um mau caráter.

  30. Gente, era a Guerra Fria!

    Não há nenhuma surpresa, embora os detalhes sejam reveladores.

    Sofremos tentativas de interferências e ingerências de fato de ambos os lados. Lembrem-se, era a Guerra Fria, onde tinha o dedo de um também tinha o dedo do outro. Mas sabemos quem saiu ganhando aqui!

  31. O Theco não errou, até hoje a esquerda esta conformada por frouxos.
    Que são demasiados valentes de boca, mais quando o bicho pega até se vestem de mulher.

    Que saudade daquele Brasil pos 64, um Brasil onde a gente vivia em paz.
    Onde vagabundo não se criava.
    Onde a familia era o mais importante.
    Onde não faltava trabalho.
    Onde nos ensinavam civismo e o hino nacional na escola,
    e sobretudo onde comunista corria da policia feito cachorro fujão.

    Foi uma época dourada.

  32. A esquerda ainda esta conformada de gente frouxa, gente que quando o bicho pega, é capaz até de se vestir de mulher pra fugir.

    Que saudade daquele Brasil pos 64

    Um Brasil onde a gente vivia em paz, onde não faltava trabalho, onde os hospitais funcionavam, onde a familia era o mais importante, onde a escola ensinava civismo e o hino nacional, onde tinhamos apenas 12 ministerios e sobretudo, onde comunista corria da policia feito cachorro fujão

  33. Quem sera que deseja destruir o Brasil agora, usando os mesmos metodos revolucionarios de ontem como greves, paralusaçoes, desemprego, desvalorização forçada da moeda, democracia direta, libertacao de todos os bandidos condenados que chegam nas ultimas instancias, etc etc etc…basta ouvir o que o criminoso condenado ze dirceu falou…que vamos nos tornar uma ditadura comunista. Ponto.

  34. Esses aí eram os amiguinhos do jango, brizola, darcy, marighella…os mesmos amiguinhos do fhc, aluisyo, alckmim, lula, dilma, ciro…então votarão nelles novamente??

  35. “Os brasileiros de classe média frequentemente surpreendem um europeu com uma longa lista de faculdades e cursos que terminaram; mas, na verdade, o conhecimento adquirido por eles é muito superficial, o que significa que no Brasil, por regra, encontramos pessoas ignorantes, que, mesmo com numerosos títulos científicos, não chegam aos pés da nossa gente com formação primária”

    Não é algo se estranhar quando vemos hoje pessoas que a despeito de possuírem título de pós graduação em nível de doutorador seguem bovinamente um presidiário semianalfabeto que ainda por cima se jacta da própria ignorância.

  36. A galera pira quando o Olavão aparece. Fingem que ele não existe e quando não tem mais jeito mesmo tentam desqualificá-lo com aquele jeito pomposo do tipo: “ahh o astrólogo! hahahahah!”.

    Esse livro existe devido ao Olavo que inclusive fala há tempos que nenhum jornalista investigativo fez uma entrevista com o chefe da KGB no Brasil Ladislav Bittman.

    “Complementarmente, o papel dos EUA na produção dos acontecimentos aparece monstruosamente ampliado, a despeito do fato de que na época nem mesmo o chefe da KGB no Brasil, Ladislav Bittman, sabia de qualquer agente da CIA lotado no país e até hoje nenhum nome de espião americano comprovadamente associado ao planejamento do golpe de 1964 jamais apareceu. Nem um único sequer.

    Em 1985 Bittman publicou o livro de memórias The KGB and Soviet Disinformation ,no qual confessava que a história da participação americana na derrubada de João Goulart fôra inteiramente inventada pelos seus subordinados, na base de documentos forjados.”

    Fonte: http://www.olavodecarvalho.org/a-kgb-no-brasil/

  37. Até que enfim Uma coisa em COMUM entre capitalismo e comunismo né pessoal.
    Vamos enfatizar BEM isso.
    Essa turma (gringos) adoram viver/se hospedarem no Rio de Janeiro e dali extrair seus “palpites sociais” de um sub extrato da sociedade brasileira.
    O que o comuna descreveu é a cara da sociedade carioca…ou tô mentindo??
    Os paulistas já tinham esta visão há tempos, mas NÓS é que éramos esnobes e não ELES que eram #[email protected]@$….. bom o texto já disse tudo.

  38. Hoje!
    Este quadro da década 50-60 se espraiou para o Brasil todo.
    Até em Sampa, berço do trabalho árduo e desenvolvimento acelerado, fomos assimilados por este status quo… ao menos em uma parcela populacional…graças a rede Globo e a pratica da idolatria ao ócio, ao fácil, ao jeitinho do experto sendo taxado como o LEGAL..o descolado

  39. Conheci o trabalho precioso destes dois pesquisadores por causa de um comentário do oganza aqui no forte! O site e principalmente o livro que eles escreveram são interessantíssimos e valem a leitura. Comprem o livro e descubram como uma mentira pode se transformar em “verdade” e chegar até aos comentários pouco fundamentados de alguns comentaristas técnicos…O texto do El Pais já dá a dica…

  40. Pedancia, estupidez, e comodismo.sao frutos de nossa História, em que bastava ser amigo “del rei” para se ter tudo ou parecer que tinha.
    O problema e que as mesmas famílias que eram ou se diziam amigos do rei se mantém até hoje no poder em nosso país, ganhando muito e produzindo pouco(mesmo os novos abastados de nossa sociedade,precisavam se misturar aos bem nascidos para terem prestigio) Assim fica difícil o pais avançar.
    Ps: aos críticos semialfabetizados, aviso que falo de nossa velha oligarquia e não dos empreendedores de verdade, que tentam desenvolver o país, a muito custo.

    • Com teu perdão isto parece frustração. A verdade é que quando se é um líder, seja por riqueza ( herdada ou adquirida) existe uma “vis atrativa”. Se você se sente rejeitado é porque ainda não atingiu o nível de ser adorado. O Rei, e os amigos do Rei, geralmente privilegiados mesmo. É como se você ficasse ofendido porque não foi convidado para o show gratuito do cantor Roberto Carlos, o Rei, ou para uma brincadeira com bola com Pelé, o Rei. Isto é muito frustração. Nós brasileiros não somos tão ruins assim não. Há uma deficiência, mas… mas, não se pode julgar assim. Talvez o grande mau do Brasileiro ao longo de sua história tenha sido se revoltar contra o Rei, pois nem sempre quem não pega na enxada não está exatamente atoa. Esta revolta extrema parece frustração pessoal. Com teu perdão.

          • Victor moraes minha indignação chama-se progressismo nqcional, esses bandeirismo ideológicos deixo pra quem nunca fez um esforço mental,pra entender o estrago da hegemonia dessas correntes socioeconômicas em uma sociedade.
            Por isso que não entendeu que ao permanecer essa política de favores entre os bons amigos do rei, atrapalha- se e muito o desenvolvimento da nacao, desde a falta de políticas de estado sólidas( que possam atrapalhar interesses) a livre iniciativa que dica limitada por concorrências fraudulentas.

          • Desculpe -me Caio, Eu compreendi seu comentário completamente ao contrário. Perdoe minha falha. Considere isto um fogo amigo…

  41. De fato, não há o que questionar sobre o regime militar. Até 1966, até tentavam manter um clima de liberdade (e não sou eu dizendo isso, e sim o Elio Gaspari), mas em 1967, desembestou.

    O que vou escrever, simplesmente reproduzo do primeiro livro da série “As Ilusões Armadas” – “A Ditadura Envergonhada” do Elio Gaspari. Creio que já tenham lido:

    – Jango tentou um golpe de estado em outubro de 63, tentando decretar um estado de sítio, e essa manobra foi repelida pela esquerda;

    – Jango era visto com desconfiança tanto pela direita quanto pela esquerda;

    – Francisco Julião, em 1963, enviou 12 militantes para treinamento em Havana. Julião já havia estado em Havana em 1961;

    – Prestes era abertamente contra a opção armada da esquerda, certamente escorado pela experiência desastrosa de 1935, e tal posição provocou dissidências no PCB, que em 1962 culminou na criação do PCdoB, de tendência maoísta, a favor da luta armada e apoiado financeiramente por Pequim;

    – Em 1964, 10 militantes do PCdoB embarcaram para Pequim para um curso de capacitação político-militar;

    – O braço armado do PCB e do PCdoB foi fornecido pelas expulsões decorrentes das rebeliões dos marinheiros e dos sargentos (outra cagada dos milicos);

    – Brizola contava com o apoio financeiro de Fidel Castro e tinha dois projetos de guerrilha: um no Acre e outro no Maranhão. Ambos foram dissolvidos em 1967;

    – Em 1962, foi criada a Ação Popular (AP), ligada ao regime de Havana. Sua primeira ação foi uma bomba no aeroporto dos Guararapes em 25 de julho de 1966. Um dos seus integrantes, ao ser questionado acerca das vítimas fatais do atentado, afirmou: “morreu gente, nós lamentamos. Mas era uma guerra, tinha que haver vítimas” (qualquer semelhança com os milicos não era mera coincidência);

    – Em termos gerais, haviam três vertentes da esquerda no Brasil de 64: a brizolista, financiada por Castro; o PCB, patrocinado pelos soviéticos; o PCdoB, escorado por Mao;

    – O PCB, embora radicalmente contra a opção armada, recebeu até metade dos anos 80, de 200.000 a 300.000 dólares anuais, além de apoio logístico sob a forma de centros de educação ideológica e oficinas de documentos falsos. Além de “refúgios” em Moscow, Paris e Buenos Aires;

    Repito: Não sou eu afirmando isso, e sim Elio Gaspari, no seu livro “A Ditadura Envergonhada”

    Grifo meu: A obra “O Grande Livro das Coisas Horríveis” credita a Stalin 20 milhões de cadáveres. E pelo menos 60 milhões a Mao Tse-Tung. E 17.000 mortos pelo regime cubano…

    • Eu li todos os livros do Gaspari dessa série sobre o regime. Apesar de ele detestar os militares, sua obra é imparcial e honesta, visto ser uma tese de doutorado, baseada em fatos. Quanto às vítimas, prefiro que tenham sido eles do que nós. Pegaram em armas para tentar impor a ditadura do proletariado. Não poderiam ter outro fim.

  42. A grande massa de mão de obra ativa e desempregada no Brasil não fica fazendo recreação nas fábricas, empresas, fazendas, organizações diversas. Não exportamos vento. Não comercializamos produtos imaginários em nosso mercado interno. Não trabalhamos poucas horas. Não temos confortáveis serviços de transporte, saúde, educação a nossa disposição e mesmo assim vamos em frente. Trabalhamos quase 5 meses apenas para pagar impostos e mesmo assim prosseguimos. O leste europeu é bom. Bom para invadir os Paises alheios. Bom para massacrar civis, preferencialmente crianças. Bom para torturar e matar ativistas. Bom para tomar surras homéricas no Afeganistão …

    • O leste europeu massacra criancinhas?
      Ainda existe este pensamento, que coisa mais anos 60, a não ser que esteja se referindo a Síria onde a Rússia não é invasora e não teve participação nos supostos ataques químicos.

      • Caro Walfrido. Também sinto uma enorme frustração. Em várias oportunidades, mencionei que a cegueira ideológica não é um privilégio da esquerda. O primeiro erro é negar o passado e desperdiçar a chance de aprender alguma coisa. O segundo erro é tratar as coisas com superficialidade. Existe uma farta literatura sobre os principais problemas. Acho sensacional quando consigo debater um assunto com colegas que são ideologicamente diferentes, pois é o melhor modo de compreender minhas contradições. Em algum momento alguns perderam a compreensão que um debate não é necessariamente para mudar a opinião do adversário, mas para testar as próprias concepções. No fim, o caminho seria muito esforço para conseguir ler mais que 55 páginas por dia.. um grande abraço.

      • Sim, o Leste Europeu massacrou criancinhas.
        Quem fez isso foi a União Soviética.
        Firmado o pacto Ribentrop/Molotov de divisão da Polônia, os Soviéticos se surpreenderam com a velocidade da Blitzkrieg alemão, sendo forçados invadir a Polônia para garantir o território garantido no Pacto. O que não impediu que os Alemães lhes devolvessem o território do qual avançaram (Não sabiam do pacto, que era secreto, sempre foi negado por Stálin, mesmo tendo sido descoberto logo após 45).
        Durante sua trajetória de invasão da Polônia.
        Ao chegarem no povoado de Grodno, as divisões blindadas da URSS depararam com a resistência de soldados poloneses e dos próprios cidadãos da cidade, que, mesmo sem terem blindados, ou armas antitanque, passaram a causar baixas entre os tanques soviéticos. Chegavam a tirar os soldados de dentro dos blindados e os linchavam (isso a população polonesa, não seus soldados). A partir daqui, reproduzo o texto “A invasão soviética pela Bielo-Rússia e Ucrânia”, Capítulo 06 do Livro “1939 – A Alemanha domina a Polônia”, estando a citação na Página 108 :
        “Ante essa furiosa resistência, os tripulantes dos tanques soviéticos recorreram a uma t[atica que se repetiria, tristemente, durante a guerra. Capturaram v[arias crianças do Instituto de Caridade e as amarraram nas torres dos tanques para usá-las como escudos humanos. Uma das professoras, Bárbara Majko, morreu ao tentar resgatar uma das meninas, Tadzia Jasinskia. Mais de 300 crianças de Grodno morreram nas primeiras horas de batalha.”

        Perceba, os Nazistas (não a Whermacht) podiam até matar indiscriminadamente famílias inteiras, mas usar crianças como escudo humano com medo do POVO, só os COMUNISTAS o fizeram.
        A fonte da citação está acima, e foi escrita pelo historiador espanhol Juan Vásques.

  43. Minha percepção, pois vivi aqueles anos que antecederam o movimento de 1964, é que os EEUU não participaram efetivamente do golpe.
    Tenho a convicção de que o Brasil caminhava para um regime comunista, alguns usando o têrmo “república sindicalista”.
    É certo que havia inúmeros militares preocupados com os rumos do governo e provavelmente houve muitos contatos com os americanos. Revolta de marinheiros, de sargentos, a hierarquia militar estava sendo destruída.
    Contudo, o movimento foi detonado por um gal. de 3 estrelas(Mourão), à revelia do alto escalão ” revolucionário”, havendo inclusive tentativas de paralização.
    Militarmente tinha tudo para ser derrotada, pois no Estado do Rio havia maior concentração de tropas e de armamentos pesados. Mas uma série de acontecimentos reverteu as expectativas e a revolução amanheceu vitoriosa.
    Os EEUU foram pegos de surpresa, caso contrário haveria uma esquadra de apoio nas costas brasileiras.

    • Caro Nflopes. A documentação histórica mostra que os EUA participaram ativamente do golpe de 64, inclusive financiando “institutos” e “ongs”, além de disponibilizar tropas caso houvesse uma resistência armada ao golpe. Colocando a ideologia de lado, precisamos entender o que aconteceu em 64, suas consequências e erros. Nem eu nem você fomos responsáveis pelo que aconteceu, portanto não temos obrigação de fazermos defesas ideológicas. Nossa responsabilidade é para com as próximas gerações. Para isso, temos que entender e aprender com nosso passado.

      • Caro camargoer, financiar institutos e ongs acho provável. Disponibilizar tropas não tem fundamento; não havia esquadra de prontidão nas costas brasileiras. A revolução foi iniciada sem aprovação da hierarquia superior, isso é fato.

  44. Perguntar não ofende, certo? Bom, depende da pergunta:
    Este assunto vai passar em qualquer programa “jornalístico” da rede lixo de televisão? JN, Fantástico (haverá um quadro especial, com depoimento, etc..)?

  45. E isso foram o que acharam nos arquivos tchecos, imagina se tivessem acesso aos arquivos que devem estar escondidos na Russia e principalmente em Cuba.
    A esquerda que fez o maior estardalhaço com o audio em que o presidente Lyndon Johnson manifesta contentamento com o golpe militar, como se isso fosse prova de que os americanos é que tramaram tudo, agora ficam caladinhos com os documentos que mostram os comunistas tramando trazer armas para o Brasil.

  46. “”… “são pessoas preguiçosas e bem levianas, com as quais não se pode contar”. “Os brasileiros de classe média frequentemente surpreendem um europeu com uma longa lista de faculdades e cursos que terminaram; mas, na verdade, o conhecimento adquirido por eles é muito superficial …””

    A “análise sociológica” do agente foi perfeita, mas confundiu “brasileiros” com cariocas. De fato estas qualidades cabem perfeitamente no “cidadão de pensamento médio” da cidade maravilhosa. No resto do Brasil (exceto alguns ambientes bem restritos, especialmente onde há muito servidores públicos) foi e é bem diferente do descrito.

    Morei muitos anos em SP, RJ e SC, e esta é minha modesta impressão. 🙂

    • Jota ka opinião modesta e preconceituosa.
      Os olhares de estrangeiros de passagem pelo Brasil e provavelmente por qualquer pais colonizado nunca será de prestígio, como sobre um canto da Europa Ocidental.
      Albert Einstein em passagem pelo pais ouviu que estávamos prestes a “melhorar a raca” com o aumento da imigração de povos brancos da Europa oriental, Alemanha e Itália; ele teria dito que esse pensamento era coisa do excesso de Sol na cabeça.
      A própria família e demais nobres portugueses quando aqui chegaram e viram a sujeira, negros escravizando negros, o atraso da população em geral ficou cinicamente estarrecida.
      Os nossos e os preconceitos deles se mantém, por que conservamos a nossa ignorância e comodismo( fortemente amparado na cultura de favores) quase como um símbolo nacional.
      Para se ter uma idéia, Brasil so conseguiu colocar toda a população na escola em idade certa em 2015, Franca em 1851, Alemanha pouco depois, Japão em 1900 se bem me lembro, e a Coréia do Sul por volta dos anos 60 do século passado e repetindo só fizemos o mesmo à apenas 3 anos, e já perdemos 5 milhões de alunos na faixa dos 11 aos 15 anos.
      Nosso atraso social e tecnologico são grandes e eu só creio que será ultrapassado quando aprendermos a cobrar nossa liberdade do estado e de seus salvadores messiânicos, o caminho vai ser longo mas não impossível.

      • Olá Caio. Existem atenuantes e agravantes em sua análise. A primeira coisa a se levada em conta seria o tamanho do país e o tamanho da população. A China tem 280 milhões de analfabetos (5% da população). A Índia tem 25% da população analfabeta, e por ai vai. Geralmente, a erradicação do analfabetismo ser faz pelas crianças (é muito difícil alfabetizar adultos). Neste ponto, fracassamos. Falta investimento sim, principalmente em manutenção das escolas e recursos para custeio (nem vou falar de salário de professor). Por outro lado, falta comprometimento das famílias com a escola (a escola é de todos, e isso não é uma peça de propaganda). O modo que a escravidão foi encerrada no Brasil também contribuiu para prejudicar a questão do analfabetismo. Acho que temos que tomas uma decisão definitiva. Ou vamos ter um país para 100% dos brasileiros (e portanto menos para cada um) ou teremos um país apenas para uma parcela (dai alguns terão muito e outros terão nada, uma especie de Índia latino-americana). Não acho que o problema seja simples nem fácil de resolver, mas continua sendo urgente.

  47. Guerra Civil Pró-Comunismo no Brasil daquela epoca?
    Com uma economia subdesenvolvida e populacao praticamente agraria que ainda fazia Mobral?

    hahahahahahahajahahahuahuahuahua

    Grande piada.

    Brasil país do futebol e do carnaval, da cerveja em pleno dia de semana na porta das faculdades.

    Igual se ve no texto:
    “Os brasileiros de classe média frequentemente surpreendem um europeu com uma longa lista de faculdades e cursos que terminaram; mas, na verdade, o conhecimento adquirido por eles é muito superficial, o que significa que no Brasil, por regra, encontramos pessoas ignorantes, que, mesmo com numerosos títulos científicos, não chegam aos pés da nossa gente com formação primária”, finaliza.

    O Brasil nao tem perfil e nunca correu risco de se tornar “comunista”, mas os militares aproveitaram bem a oportunidade para instalar uma Ditadura sanguinaria no país. Isso foi pura desculpa pois o Brasil com um povo q adora farra e cervejada jamais se tornaria “comunista”.

    • Caro MGNVS. A revolução russa de 1917 ocorreu em um país agrário, recem saído do feudalismo, com industria incipiente e em um regime absolutista. Ocorreu onde menos se esperava. Por outro lado, a Alemanha era um país urbano, industrializado, com uma classe média consolidada, mas eles foram em direção de um regime fascista.

      • Camargoer 10 de junho de 2018 at 14:24

        Camargoer… concordo com vc, so faço um adendo, nenhum desses países era o Brasil, país do “futebol”, “carnaval” e “cerveja e churrasco em dias de trabalho”…

        O Brasil nunca teve e nunca tera um perfil comunista pq o povo aqui nao tem o costume de “seguir regras”… o “comunismo” nao tem chance frente ao “jeitinho brasileiro”.

        • O que não deve ser encarado necessariamente como defeito. Dependendo do ponto de vista é uma virtude. Eu aposto que muitos destes povos autoproclamados superiores sentem uma dorzinha de inveja de nós…

          • Victor Moraes 10 de junho de 2018 at 18:07

            Victor… so formos analisar somente a parte que fala da “alegria de viver” entao sim, isso se torna virtude pois nessa area nós brasileuros somos mais calorosos e outras culturas sao mais “frias”.

            Mas quando um brasileiro diz que nao “gasta” 50 reais num livro mas paga 200 reais num abada de carnaval ou deixa de ir na faculdade para ficar em barzinhos ou assistir o “futibol”, entao ha algo muito errado. Um país que nao valoriza educaçao e cultura com certeza tera serios problemas sociais.

        • Caro Colega. Acho essa história do jeitinho ou da “lei de Gerson” é apenas um mito, assim como a autoimagem de povo caloroso. Tenho amigos estrangeiros que gostam do Brasil mas também tem severas críticas. Geralmente, as críticas de estrangeiros que conhecem o Brasil são muito diferentes daquilo que imaginamos. Do mesmo modo que sou um crítico do “american way of life” também tenho excelentes amigos nos EUA (inclusive alguns europeus que vivem nos EUA). Do mesmo modo, já mencionei que sou um nipófilo assumido, mas também tenho críticas à eles.

          • Camargoer
            Pode acreditar, o jeitinho brasileiro existe e é muito mal visto la fora.
            Posso nao concordar com parte da sua opiniao mas respeito seu ponto de vista.
            Tbm nao tenho nada contra este ou aquele país. Procuro analisar os dois lados da questao para nao fazer pre-julgamentos e nem ser tendencioso. Em relacao ao Brasil eu sou mais exigente por se tratar do meu país. Eu realmente gostaria de ver o Brasil assumir uma posicao de destaque no cenario mundial, mas muita coisa ainda tem que mudar aqui. Veremos oq o futuro nos reserva no pós-eleicoes.

    • Ditadura sanguinária? hahahahahaha
      Agora quem ri sou eu. 450 comunistas/guerrilheiros/terroristas mortos em 21 anos (21 por ano), e é sanguinária? Faça-me o favor…
      Não seria, hoje, a nossa democracia ¨sanguinária¨? 65 mil num ano!!!!

      • Rinaldo Nery 12 de junho de 2018 at 22:12

        Bom dia Cel.

        Tenho parentes militares nas 3 forças.

        O senhor sabe sim oq acontecia na Ditadura.
        Pode nao concordar abertamente comigo, mas o senhor sabe a verdade sobre os fatos. Sabe que as Forças Armadas foram usadas para cometer crimes contra o cidadao comum. Muitas vezes pessoas que nem sabiam oq era “comunismo” foram detidas para “averiguacao”. E essas pessoas sequer tinham estudo ou cultura suficientes para sequer saberem o que era “comunismo”… Karl Marx entao? Para eles isso era nome de remedio.

        Na epoca da Ditadura, e foi Ditadura mesmo, nao tem essa de “Regime Militar”, varios crimes foram cometidos contra o cidadao comum e o senhor sabe disso. Se tinha um vizinho que “nao ia com a sua cara”, entao ele ia num quartel da policia e dizia que o vizinho era “subversivo ou comunista” e logo a policia ia la e ja invadia e quebrava tudo e todo mundo. Se um policial tinha um “desafeto” … entao o mesmo acontecia, o policial ia la e “quebrava” o desafeto falando que era “comunista”, e isso ocorreu no Brasil inteiro.

        Lutar contra uma guertilha armada é obrigacao de qualquer país fazer usando seu exercito e servicos de inteligencia. E nesse caso o Exercito cumpriu bem o seu papel e os guerrilheiros tiveram o que mereceram. Guerrilheiros, terroristas e traficantes sao uma escoria, se pegam em armas, entao que sofram as consequencias.

        A luta contra os guerrheiros foi correta, com isso eu concordo completamente, mas usar o Exercito contra o cidadao comum, isso é crime e o senhor sabe disso.

        Uma vez qndo tinha 17anos em 1989 e conversando com meus parentes militares eu disse que o Brasil nunca seria comunista e que a URSS iria ruir. O senhor nem imagina, fui motivo de piada e risos. MAS… em 1991 o que aconteceu? Fim da URSS. Entao numa reuniao com estes mesmos parentes que riram a unica coisa que eu disse foi: “o silencio falara por vcs”. E o silencio deles impera ate hoje. HAHAHAHA.. ninguem nem toca no assunto.

        Qnto aos 65mil mortos por ano o senhor tem razao, é um numero que se ve em guerras.

        MAS a pergunta que fica é: porque hoje as Forças Armadas nao sao tao eficientes contra as facçoes criminosas como eram contra o cidadao comum na epoca do “Regime Militar”?

        Prender, bater e sumir com o cidadao comum e sem estudo era facil, muitos pais de familia ficavam aterrorizados com medo de serem chamados de “comunistas” e simplesmente “desaparecerem”.

        Agora trocar tiro com assaltante ou traficante armado com fuzis modernos e ate armamentos restritos é diferente nao é? Nao é tao facil assim para as Forças Armadas e Policiais pq os bandidos reagem. E muitas das vezes esses mesmos bandidos recebem treinamento militar de ex-militares expulsos das Forças Armadas.

        E nesse caso o cidadao comum tbm é vitima, pq de novo sao eles as vitimas.

        O fato de hoje ocorrerem “65mil mortes por ano” por causa da criminalidade nao é desculpa e nao limpa a “mancha” causada pela Ditadura Militar qndo essa cometeu crimes hediondos contra o cidadao comum.

        Ressalto aqui, guerrilheiros, traficantes, criminosos, politicos corruptos tem sim que pagar um alto preço se pegarem em armas e se voltarem contra o país. Que eles sofram as consequencias. Mas inventar desculpas para limpar a barra ou defender uma Ditadura que se voltou contra o cidadao comum nao é certo e nunca será.

  48. Acertado grande parte do texto.
    Povo sem interesse, alienado, ama as aparências, nem liga pra nacionalidade.
    Não conhece sua própria história, seu passado. Sem líderes dignos de nota, sem memória.
    Também gostaria que fosse diferente, fosse uma nação poderosa e influente, mas essa aqui não tem futuro.
    Corrupção generalizada, o povo abandonado à própria sorte, vivem pra pagar impostos, juros e taxas astronômicas. As pessoas comuns parece que não tem o direito de realizar seus sonhos, só uma pequena casta “sortuda”.
    Não há futuro nessa terra, o povo viverá e morrerá acreditando em demagogos.

  49. Desde a Intentona que todas as tentativas armadas de se estabelecer um regime de esquerda pela revolução popular no BR são falhas. O povo aqui quer é mais, não menos.
    Por isto Luís Inácio deu certo. Ele percebeu que o sonho do brasileiro “socialista” é ter carro zero, viajar para Miami, e ser classe-média. Por mais que a Marilena Chauí deteste a idéia.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here