Home Aviação do Exército (AvEx) 25 anos da Aviação do Exército: 4° BAvEx

25 anos da Aviação do Exército: 4° BAvEx

510
3

4° Batalhão de Aviação do Exército (Batalhão Cel. Ricardo Pavanello)

Desde a sua ativação, em 15 de dezembro de 1993, o 4° Batalhão de Aviação do Exército (4° BAvEx) ocupou provisóriamente as instalaçãoes cedidas pela FAB na Base Aérea de Manaus. Através de um acordo inter-ministerial, foi cedido ao EB um espaço, adjacente à pista já existente na BAMN, onde foram construídas as instalaçãoes definitivas do 4° BAvEx.

Devido a imensa áera onde atua, o 4° BAvEx tem uma rotina operacional intensa, mas com elevado índice de segurança proporcionado pela mentalidade operacional e de manutenção desenvolvida, conquistado nestes anos de operação com aeronaves de alta tecnologia, como os HM-1 Pantera, HM-2 Black Hawk e HM-3 Cougar.

Entre as suas principais missões estão as de suprir as Unidades Apoiadas do Exército e Unidades Aéreas da Marinha e Aeronáutica na Amazônia, evacuação aeromédica (EVAM) e apoio a comunidade, inclusive em campanhas de saúde pública e situaçãoes de calamidade.

Denominação Histórica – Batalhão Cel. Ricardo Pavanello

Entusiasta da Avex na Amazônia, o Coronel Ricardo Felippe Albrecht Pavanello, tornou realidade a viabilização da criação e implantação da OM nas instalações atuais, ao mesmo tempo em que tornou e fortaleceu o epírito de corpo do 4° BAvEx.

O Cel. Pavanello faleceu em decorrência de uma acidente, apenas quinze dias depois da passagem de Comando da Unidade.

Em reconhecimento ao trabalho em prol da AvEx, o Exército Brasileiro designou o então 4° BAvEx a denominação histórica de Batalhão Coronel Ricardo Pavanello, uma justa homenagem ao aviador militar, um dos pioneiros da recriada Aviação do Exército, que serve de exemplo a todos que serviram ou servem no 4° BAvEx.

O helicóptero Sikorsky Black Hawk (HM-2) foi desenvolvido desde o início para ser aeronave militar e as aeronaves da AvEx são da versão de exportação, denominadas S-70, apresentando algumas diferenças em relação ao UH-60 Black Hawk do US Army.

Adquiridos inicialmente para emprego na Misão de Observadores Militares Equador-Peru (MOMEP), ao final da missão, passaram a integrar a frota de helicópteros do 4° BAvEx.

Impulsionado por dois motores GE T700–701C de 1.940 shp cada, a sua missão principal é o transporte de tropa, sendo capaz de conduzir até quatorze soldados totalmente equipados, além da tripulação da aeronave (1P, 2P e MV), podendo ser equipado com diversos tipos de armamento, inclusive mísseis anti-tanques.

A aeronave está equipada para realizar voo IFR (por instrumento) e foi a primeira aeronave configurada a utilizar OVN (óculos de visão noturna), inaugurando uma nova “visão” na AvEx.

Atualmente tanto os 04 HM-2 Black Hawk quanto os 04 HM-3 Cougar estão configurados para o uso do OVN.

O HM-2 Black Hawk foi carinhosamente apelidado por seus tripulantes de Acari-Bodó, ou simplesmente Bodó, por sua semelhança física ao peixe típico da região amazônica, dotado de grande resistência.

FOTOS: Guilherme Wiltgen/ForTe

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marine
8 anos atrás

Wiltgen,

Tenho lido com grande curiosidade as materias sobre os quatro Batalhoes da AvEx.

Fico impressionado e tiro o chapeu para os pilotos e as equipes logisticas no EB que tem que manter uma aquarela de diferentes aeronaves, tao misturadas e em quantidades tao pequenas nos batalhoes.

Nao e facil ter 3-4 tipos de aeronaves diferentes com apenas 4, 6 ou 7 exemplares de cada no que na verdade sao esquadroes.

Parabens e continue com reportagens como essa serie!

Semper Fi!

Guilherme Poggio
Editor
8 anos atrás

Belas fotos Wiltgen! Não tinha visto estas ainda.

Wiltgen
8 anos atrás

Valeu Marine, amanhã tem o CIAvEx e se encerra no sábado com um pouco da história da AvEx.

Poggio, estas são as verdadeiras fotos de ocasião. Por acaso estava no CAvEx e quando entrei no antigo hangar do 3°BAvEx, dei de cara com o Black Hawk! Felizmente a minha fiel escudeira estava junto e consegui fotografar numa rara estada em Taubaté.

Abs,