Do Rio

A blindagem de automóveis bateu recorde no Brasil em 2011 e manteve o país no pódio de campeão mundial do setor. Uma pesquisa da Associação Brasileira de Blindagem (Abrablin) revelou que 8.106 veículos foram blindados no país no ano passado, segundo as 28 empresas ligadas à entidade, que responde por 75% do mercado. O aumento foi de 10,5% ante 2010. Ao todo, a estimativa é que tenham sido blindados mais de 10 mil veículos em 2011. Em 2003 foram blindados 3.123 veículos. Em 1995, apenas 388. A frota brasileira já atingiu 118 mil veículos, de acordo com a Abrablin. Em 2003, eram pouco mais de 20 mil.

O desempenho econômico do país, o crescimento na venda de carros de luxo, o acesso ao crédito e a estabilização no preço do serviço mais o aumento da sensação de insegurança nas grandes cidades contribuíram para o fortalecimento do mercado. “A estimativa para este ano era de um crescimento de 5%, mas houve uma queda por causa do aumento do IPI dos carros importados”, diz Christian Conde, presidente da Abrablin.

“Não houve nenhum ano de retrocesso nos negócios desde que nos estabelecemos em 2003″, diz o engenheiro automobilístico Rogério Garubbo, da Concept Blindagens, uma fábrica de 2.500 m2 em Mauá, no ABC Paulista, que é blindadora oficial da Audi e adapta, em média, 46 veículos por mês. “Houve uma leve queda em São Paulo e uma redução mais acentuada no Rio, de 20%, mas o mercado cresceu no Nordeste, principalmente no Ceará, onde aumentou 40%, e na Região Amazônica”, afirma Magno Hipólito, gerente de produção e venda da Piquet Blindagens, criada há dez anos pelo ex-campeão mundial de Fórmula 1 Nélson Piquet.

O preço médio do serviço está em torno de R$ 47 mil, que é o valor da blindagem do tipo III-A, capaz de resistir aos projéteis de um revólver Magnum calibre 44 e a mais comum entre as seis previstas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). As outras são a I, a II, a II-A, a III e a IV. A blindagem do tipo III precisa de autorização do Exército e custa R$ 240 mil. A IV é exclusiva para uso militar. Levantamento da Abrablin mostra que quem adere à blindagem é homem (65%), idade entre 40 a 49 anos (27%), executivo e empresário (75%), artista (9%), juiz (7%) ou político (6%). Mulheres de 50 a 59 anos (25%) são as que mais buscam o serviço. São Paulo foi o Estado com maior produção de blindados (78%). O Rio de Janeiro é o segundo, com 14%, e Pernambuco é terceiro, com 2%. Paraná e Bahia vêm depois, com 1% cada. Os outros Estados ficam com 4%. (PV)

FONTE: Valor Econômico

Tags:

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

2 Responses to “Blindagem bate recorde e Brasil continua em primeiro no mundo” Subscribe

  1. Blind Man's Bluff 23 de maio de 2012 at 14:19 #

    Nenhum motivo para comemoração, claro.

  2. giordani1974 23 de maio de 2012 at 18:46 #

    Vou blindar meu civic…daí vou fazer 2,5km/l…nada para comemorar…

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Instituída comissão que vai formular e implantar Política de Ensino de Defesa

O interesse do meio acadêmico nas temáticas relacionadas à Defesa é cada vez maior. O número de pesquisas e cursos […]

Escola Superior de Guerra: 65 anos dedicados ao pensamento sobre Defesa no Brasil

Foi no ambiente de instabilidade geopolítica característico do pós II Guerra Mundial, com a rivalidade entre potências alimentando a possibilidade […]

Produzir no Brasil é 23% mais caro do que nos EUA

Érica Fraga Aumento do custo da mão de obra industrial explica diferença, diz estudo. Baixa eficiência também pesa para indústria brasileira; […]

Chanceler do Iraque pede apoio global para enfrentar Estado Islâmico

O ministro das Relações Exteriores do Iraque, Hoshiyar Zebari, fez um apelo à comunidade internacional nesta quarta-feira pedindo apoio ao […]

Ucrânia inspeciona comboio de ajuda russa

Guardas de fronteira verificam material, enquanto veículos do Exército russo são vistos perto da fronteira KIEV — Os guardas ucranianos […]

Putin diz que Forças Armadas russas vão formar força-tarefa na Crimeia

Segundo o presidente russo, presença não será muito intensa ou cara. Ele ressaltou que a Rússia ‘não deve se desconectar […]