Home Estratégia Novas iniciativas da OTAN visam aumentar a prontidão da Aliança

Novas iniciativas da OTAN visam aumentar a prontidão da Aliança

2622
18

Iniciativa de Prontidão – conhecida como ‘os quatro 30’, prevê que até 2020, os aliados da OTAN terão 30 batalhões mecanizados, 30 esquadrões aéreos e 30 navios de guerra prontos para serem usadas em 30 dias ou menos

WASHINGTON – A OTAN está mais forte do que nunca e novas iniciativas aumentarão a capacidade de preparação da aliança, disse no dia 6 de junho o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em Bruxelas.

“Alta prontidão é essencial em um mundo mais imprevisível”, disse Stoltenberg.

Stoltenberg previu a reunião ministerial de defesa que começaria na sede da OTAN em Bruxelas no dia 7. O secretário da Defesa, James N. Mattis, está participando do encontro para os Estados Unidos. Os ministros da defesa da aliança discutirão os itens que serão discutidos pelos chefes de Estado da OTAN na Cúpula da Otan em Bruxelas, em julho.

Novos Comandos Conjuntos da OTAN, Iniciativa de Prontidão

O secretário-geral espera que os ministros da Defesa aprovem o estabelecimento de dois novos comandos conjuntos da OTAN: um em Norfolk, Virgínia, para acesso através do Atlântico; e um em Ulm, na Alemanha, para logística dentro da Europa. Isso aumentará a estrutura de comando da aliança em cerca de 1.200 funcionários, disse ele.

“Espero que também concordemos com a Iniciativa de Preparação da OTAN – os quatro 30”, disse Stoltenberg. Isso significa, disse ele, que até 2020, os aliados da OTAN terão 30 batalhões mecanizados, 30 esquadrões aéreos e 30 navios de guerra prontos para serem usadas em 30 dias ou menos.

“Não se trata de montar ou implantar novas forças”, disse Stoltenberg. “Trata-se de aumentar a prontidão das forças existentes em todos os aliados.”

Os aliados da Otan discutirão os gastos com defesa e o compartilhamento de responsabilidades, disse Stoltenberg, observando que os gastos com defesa na Europa estão em alta.

“O compartilhamento de encargos não é apenas sobre dinheiro, mas capacidades e contribuições”, acrescentou. “Aqui, também, a tendência é alta. Os aliados estão investindo mais em equipamentos importantes e aumentando suas contribuições para as missões e operações da Otan.”

Combate ao Terrorismo

Os ministros também discutirão os papéis da Otan na guerra contra o extremismo violento, disse o secretário-geral. A aliança já desdobrou aeronaves Airborne Warning and Control System (AEW&C), disse ele, e espera-se que os ministros aprovem a recomendação de lançar uma nova Missão de Treinamento da OTAN no Iraque.

A missão vai “ajudar o Iraque a combater melhor o terrorismo” e impedir o retorno do Estado Islâmico do Iraque e da Síria, disse o secretário-geral.

Stoltenberg disse que os ministros da Otan também discutirão o apoio à capacitação de alianças para a Jordânia e a Tunísia.

Os ministros da aliança discutirão a crescente cooperação entre a OTAN e a União Europeia com o vice-presidente da UE para a cooperação em defesa, Frederica Mogherini, disse o secretário-geral. Ministros da Defesa da Suécia e da Finlândia também participarão.

“Vamos fazer um balanço do progresso em nosso trabalho conjunto, incluindo defesa híbrida e cibernética, operações marítimas e exercícios”, disse Stoltenberg. “No futuro, a mobilidade militar pode se tornar um carro-chefe da nossa cooperação e estamos trabalhando juntos para eliminar obstáculos – legais, alfandegários ou de infra-estrutura – para garantir que nossas forças possam se mover pela Europa quando necessário.”

A reunião ministerial será encerrada após uma discussão com os parceiros sobre o esforço da OTAN no Afeganistão, disse o secretário geral.

“Aliados e parceiros estão intensificando as forças e o financiamento”, disse ele. “Acrescentamos cerca de 3.000 instrutores à nossa missão, e estamos discutindo como estender o financiamento para as forças afegãs para além de 2020. As forças afegãs estão se apresentando com profissionalismo e bravura e criando as condições para um acordo político”.

FONTE: US Department of Defense

18 COMMENTS

    • Também achei esses números soltos.
      Acredito que não é o número de aviões ou de navios que vai fazer a diferença.
      Até porque no caso de um ataque a defesa deve ser imediata e não trinta dias depois. Imediata como fazem no caso de violação do espaço aéreo…
      Invadiu, reagiu…
      O mais importante são os radares e mísseis de defesa antiaérea e antimísseis.

    • Achei quando é um batalhão na força aérea dos Estados Unidos. Lá o batalhão é chamado de “Esquadrão” e usa entre 18 e 24 jatos (aviões tanques geralmente é 18).
      Calculo de padaria, 18 vezes 30 dá 540 jatos.
      Suponho que os membros da OTAN vão somar tudo, uma vez que seria impossível para países como Polônia, Portugal ou Colômbia de comprar 540 jatos cada.
      Acho que a OTAN inteira ((fora os Estados Unidos) é que deve ter isso e não isso por país porque esses números seriam absurdo até mesmo para grandes potências econômicas.
      Sobre a mecanizada, não achei nada.

      • Guacamole ( 8 de junho de 2018 at 19:52 ),

        Há de se ver exatamente como suas unidades se organizam… Mas enfim, se seguirem padrões similares aos nossos…

        Salvo melhor juízo ( há amigos comentaristas com informações mais acuradas que as minhas e podem dar uma luz ), um batalhão mecanizado teria algo como um mínimo de três companhias mecanizadas e mais uma companhia de comando e apoio, o que dá uns 65 veículos ( 2/3 dos quais VBTPs alinhadas as três Com Mec. ). Ou seja, estaríamos falando de cerca de 1950 veículos e uns 22000 militares; isso só nos batalhões, descontando-se outras forças secundárias que certamente seriam necessárias em uma mobilização.

        Quanto a navios, imagino que o foco seja o transporte desta que é claramente uma força combinada. Assim, para ficar nos principais europeus; uma pesquisa rápida… Há a classe ‘Mistral’, francesa, composta por três navios que comportam 59 veículos cada. O ‘Juan Carlos I’, espanhol, leva uns 50 veículos. A classe ‘Albion’, inglesa e composta por dois vasos, leva 67 veículos. Os italianos dispõem da classe ‘San Giorgio’, de quatro navios, que leva 36 veículos em cada. E por fim, há os holandeses, com o ‘Rotterdan’ e o ‘Johan de Witt’, capazes de levar respectivamente 90 e 170 veículos. Lembrando que há limites referentes aos veículos para o transporte nesses navios, sendo que listei os números para unicamente uma força mecanizada, isto é, sobre rodas.

        Toda essa força naval é capaz de levar, seguramente, o equivalente a uma brigada mecanizada e forças de apoio.

        Os demais navios certamente compõem a escolta e meios de reabastecimento, sendo que todos os membros principais da OTAN tem as condições mínimas para deslocar ao menos três combatentes de superfície acima das 4000 toneladas ( o que redunda uns 15 vasos ) e um de seus ‘tanqueiros’ para tanto.

        • Achei que nos Estados Unidos, um batalhão mecanizado tem 300 Strykers cada.
          Se aplicarmos isso pra OTAN, daria 9000 APCs/IFVs em total pra fazer 30 batalhões (não sei se a OTAN usa exatamente as mesmas medidas de contagem que os Estados Unidos.

          • Guacamole, os esquadrões são formados pela junção dos meios de todos ou da maioria dos membros participantes.

            cada um fornece algumas unidades disponíveis e assim chega no número necessário, acredito que não precise de padronização dos meios, apenas que sejam para o mesmo tipo de emprego, até por que tirando os EUA, do lado ocidental, ninguém mais tem tantos meios.

  1. 30 batalhoes em 30 dias??? Sera que já esqueceram da Blitzkrieg? Ja que vai ser assim, é melhor já estacionarlos lá em Dunkirk…rsrsrs

    • Vingou, ela já existe desde de 2003. Foi a Very High Readiness Joint Task Force (VJTF) que criaram agora em 2014, que faz parte da NRF.
      E é justamente a NRF que, querem, aumentar.
      https://en.m.wikipedia.org/wiki/NATO_Response_Force
      Um batalhão mecanizado, varia, entre 800 a 1250 homens, ou seja, irão ter entre 3000 – 3500 mil homens prontos pra luta. Isso tudo só no ambito terrestre.
      Voce tem que considerar, que cada exercito nacional, dos paises pertencentes a Otan, tambem tem suas proprias forças de rapida reação.

      • Mas um batalhão mecanizado não deveria ser medido pelo número de APCs/IFVs?
        Quantos veículos fazem um batalhão mecanizado?

        • Depende do q ele quer dizer.
          Se ele estiver falando só de manobra (Inf e Cav ou Bld), significa de 7 a 10 Bda.
          Uma Bda Mec tem, em média, 5.000 homens, pq são os Btl de Inf e CC mais Art, Eng, Log, Com etc de cada Bda.
          Um Btl Inf Mec tem cerca de 65 Vtr Bld.
          Cabe lembrar, q muitos países chamam de Mecanizado uma força forte em Infantaria Blindada (sobre lagartas).
          Um Batalhão de Tanques ( CC ou MBT, como preferir) tem 54 CC e mais 10 outros Bld de exploradores e apoio.

  2. No âmbito naval, a Otan, hoje tem 4 grupos navais, sendo 2 especializados em contra-minagem. Mas os 4 juntos estão longes de ter 30 navios, apesar, de que era pra ser assim.
    Por isso estão cobrando dos membros para que sempre haja, 30 navios dividido nos 4 grupos.
    8 navios, cada, para os grupos marítimos 1 e 2.
    6-8 navios, cada, para os grupos anti-minagem 1 e 2.
    8+8+6+8=30

  3. Deve ser o mesmo “padrão OTAN” que vimos na guerra da Geórgia de 2008. Os soldados georgeanos eram exemplos de profissionalismo e considerados excelentes “otanistas”. Mas, como diria Garrincha, “esqueceram de combinar com os russos”.

  4. Iniciativa de Prontidão – conhecida como ‘os quatro 30’, prevê que até 2020, os aliados da OTAN terão 30 batalhões mecanizados, 30 esquadrões aéreos e 30 navios de guerra prontos para serem usadas/exterminados em 30 dias ou menos

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here