A cidade de Camden, no estado norte-americano do Arkansas, há muito depende da indústria de defesa. Por exemplo, desde 1980, a Lockheed Martin construiu localmente seu lançador de foguetes M270 que pode carregar uma dúzia de foguetes ou mísseis. Agora, a instalação da Lockheed está fabricando o Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade (HIMARS) o mais rápido possível.

O HIMARS, que transporta menos foguetes e mísseis do que seu antecessor, o M270, mas é mais ágil – está atraindo a atenção mundial por ajudar a Ucrânia a se defender dos invasores russos . E colocou a movimentada indústria de defesa de Camden no centro das atenções.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, disse que o lançador fez uma “enorme diferença” na liberação de áreas críticas do país sob ocupação russa. No final do ano passado, ele entregou uma medalha de um oficial do HIMARS ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. A Câmara de Comércio do Arkansas nomeou o HIMARS “a coisa mais famosa feita no Arkansas”, superando produtos mais conhecidos como Cheetos.

E a Lockheed nos últimos meses ganhou quase meio bilhão de dólares em novos contratos para construir HIMARS e foguetes guiados para a Ucrânia. É um número considerável, considerando que o Arkansas exportou US$ 1 bilhão em bens de defesa e aeroespaciais em 2020.

As autoridades locais estão esperançosas de que a expansão da Lockheed e de dezenas de outras empresas de defesa no Highland Industrial Park de Camden, impulsionadas pela demanda por armas para a Ucrânia, levará ao crescimento em sua região.

A Câmara de Comércio do estado prevê que o Condado de Ouachita, sede de Camden, verá um influxo de novos funcionários – até 1.000 no total – em empresas de defesa. Enquanto isso, autoridades estaduais, locais e do setor estão avaliando a melhor forma de recrutar e reter esses funcionários.

O M270 tem um longo legado em Camden. Com base nisso, a Lockheed na década de 1990 desenvolveu o HIMARS como um lançador de foguetes mais leve e móvel. Os militares dos EUA colocaram o novo sistema em campo pela primeira vez em 2010, mas não permaneceram em produção por muito tempo. O Exército e o Corpo de Fuzileiros Navais encerraram seus pedidos em 2013, e a linha de produção em Camden esfriou em 2014.

Mas não demorou muito para que a Lockheed precisasse dele novamente. Em 2015, o Departamento de Estado dos EUA aprovou que os Emirados Árabes Unidos comprassem 12 sistemas junto com os mísseis que os acompanham em um acordo de US$ 900 milhões. Em 2017, a produção do HIMARS voltou a andar.

Ainda assim, foi mais complicado do que simplesmente reiniciar a linha de produção, de acordo com Becky Withrow, diretora de desenvolvimento de negócios do portfólio de mísseis táticos da empresa, com sede em Grand Prairie, Texas. Os lançadores HIMARS anteriores foram construídos usando um chassi fornecido pelo governo dos EUA; desta vez, a Lockheed teve que construir o sistema do zero.

A Lockheed esperava fabricar os lançadores para os Emirados Árabes Unidos e depois parar a linha mais uma vez. Mas em 2018, o Exército dos EUA definiu que os disparos de precisão de longo alcance seriam uma de suas seis prioridades de modernização, e o serviço escolheu o lançador HIMARS para apoiaro novo míssil de longo alcance em desenvolvimento, o Precision Strike Missile, com alcance além de 310 milhas. Em 2019, o Exército concedeu à Lockheed um contrato, avaliado em cerca de meio bilhão de dólares, para construir mais lançadores.

Para acomodar o pedido dos Emirados Árabes Unidos e as novas encomendas do Exército dos EUA, que agora planeja comprar 545 lançadores no total por cerca de US$ 3 bilhões, a Lockheed assumiu uma antiga fábrica de fraldas perto de outros edifícios que possui no Highland Industrial Park.

O fabricante originalmente planejava construir quatro lançadores por mês, mas agora é capaz de produzir seis nesse período.

O HIMARS chegou pela primeira vez à Ucrânia no verão de 2022. Os EUA prometeram entregar 38 HIMARS ao país como parte de mais de US$ 30 bilhões em assistência de segurança à Ucrânia, segundo o Pentágono, e 20 já chegaram.

A Lockheed prevê que começará a entregar os 18 lançadores restantes em dois anos e meio, de acordo com Jay Price, vice-presidente de fogos de precisão do negócio de Mísseis e Controle de Fogo da Lockheed Martin.

Na Ucrânia, “vemos o HIMARS como um divisor de águas”, disse o chefe do Estado-Maior do Exército dos EUA, general James McConville, em janeiro. “Se você olhar para o nosso portfólio… e nós dermos uma olhada no [Precision Strike] Míssil, que será lançado pelo HIMARS, eu diria que eles serão muito eficazes em conflitos futuros.”

Em agosto de 2022, Ivan Fedorov, prefeito da cidade de Melitopol, no sul da Ucrânia, relatou que as forças ucranianas usaram armas HIMARS para matar mais de 100 soldados russos em um ataque. Ele disse que as unidades de defesa aérea russas não foram capazes de conter esses ataques de foguetes. No entanto, o Defense News não conseguiu verificar isso de forma independente.

Em novembro, a Ucrânia usou o HIMARS para enfraquecer o terreno e as capacidades controladas pela Rússia. Zelenskyy disse que o HIMARS foi fundamental na libertação de Kharkiv, no leste da Ucrânia, bem como Kherson, uma cidade portuária no sul que a Rússia ocupou por oito meses.

Os operadores estrangeiros do sistema agora incluem Romênia , Jordânia e Cingapura. Polônia, Estônia, Lituânia, Letônia e Holanda estão inscritos para se tornar proprietários nos próximos anos.

Na Ucrânia, o HIMARS tornou-se um símbolo de força; Zelenskyy, durante uma visita a Biden em dezembro, deu a ele uma cruz por mérito militar concedida e oferecida por um capitão de uma unidade de foguetes HIMARS.

Em fevereiro, quando Biden visitou Kiev, Zelenskyy pediu munições de longo alcance, como o Sistema de Mísseis Táticos do Exército, que o HIMARS pode lançar. A linha de montagem ATACMS da Lockheed Martin está aberta, mas os EUA não anunciaram publicamente qualquer intenção de enviar a arma para a Ucrânia.

A Lockheed Martin agora está se preparando para produzir oito HIMARS por mês em Camden até o terceiro trimestre de 2025, disse Price.

A empresa ganhou um contrato de $ 431 milhões do Exército dos EUA em dezembro para produzir lançadores HIMARS com o objetivo de reabastecer rapidamente os estoques dos EUA e seus aliados e parceiros que enviaram armas para a Ucrânia. Isso aconteceu depois de um acordo de novembro do Exército no valor de $ 14,4 milhões para aumentar a capacidade de produção da linha HIMARS.

E a empresa recebeu um acordo de $ 521 milhões em novembro de 2022 para reabastecer os estoques do Sistema de Foguetes de Lançamento Múltiplo Guiado, também fornecido para a Ucrânia. As armas GMLRS são produzidas em um dos edifícios originais do depósito de munição da época da Segunda Guerra Mundial na propriedade Highland.

A Lockheed, que tem cerca de 1.000 funcionários em Camden, planeja contratar cerca de 200 novos trabalhadores nos próximos anos para aumentar a produção de HIMARS e de outras armas enviadas para a Ucrânia como o GMLRS, de acordo com Aaron Huckaby, diretor de Mísseis da Lockheed.

Apesar dos planos de aumentar sua força de trabalho, a Lockheed não precisará adicionar espaço às suas instalações de 2,2 milhões de pés quadrados. A planta opera com um turno HIMARS das 6h às 16h30, de segunda a quinta-feira, disse Huckaby ao Defense News, e adicionará um turno dividido, o que significa outro turno de 10 horas com alguma sobreposição.

A Lockheed contratará técnicos, montadores e inspetores, bem como engenheiros de manufatura, químicos e mecânicos, disse Huckaby.

A companhia tem parceria com a Southern Arkansas University e recruta alunos da escola técnica, localizada do outro lado da rua das instalações da Lockheed, para um programa de aprendizado. A Lockheed também está de olho em graduados da Louisiana Tech University e estabelecendo um novo relacionamento com a University of Arkansas.

O supervisor de fabricação do trabalho HIMARS da Lockheed Martin, Nick Spurlin, veio trabalhar há três anos como montador na instalação. Formado pela Southern Arkansas University, ele seguiu os passos de seu pai, que passou 30 anos na empresa, trabalhando parcialmente no sistema. Spurlin disse que a linha de produção agora tem cerca de 50 trabalhadores construindo a arma desde o início.

Expansão no Arkansas

Enquanto a Lockheed planeja aumentar em várias centenas de funcionários, espera-se que os contratados de defesa em todo o estado adicionem cerca de 1.000 trabalhadores nos próximos anos. “O desafio agora são as questões da força de trabalho”, disse Randy Zook, presidente da Câmara de Comércio do Arkansas, ao Defense News. “Estamos tentando ajudar com isso.”

Camden está em uma área remota “propositalmente por causa da natureza do que acontece lá”, disse Zook, então a região ao redor deve se preparar para os novos funcionários das empresas de defesa locais.

A Aerojet Rocketdyne , que está em Camden desde 1979 e fabrica mais de 75.000 motores de foguetes sólidos por ano para armas como o míssil Javelin, Stinger e Patriot, aumentará suas capacidades energéticas na cidade. O empreiteiro anunciou recentemente a construção planejada de uma instalação de 51.000 pés quadrados no parque industrial. Sua força de trabalho em Camden agora totaliza mais de 1.000 funcionários, de acordo com a Aerojet.

As operações de General Dynamics Ordnance and Tactical Systems ‘Camden incluem uma instalação de carga explosiva, montagem e embalagem trabalhando em programas do Departamento de Defesa como o foguete Hydra 70 de 2,75 polegadas, ogivas Hellfire e Javelin e o sistema de artilharia modular que suporta artilharia de 155 mm.

A empresa conta com 320 funcionários no local, mas está em expansão para acomodar uma nova linha de produtos para carga explosiva, montagem e embalagem para projéteis M795. A GD planeja reaproveitar as instalações existentes e construir um espaço adicional de 15.000 pés quadrados, além de contratar mais 60 a 90 trabalhadores.

O fluxo de novos trabalhadores da defesa não é totalmente sem precedentes. James Lee Silliman, diretor executivo da Ouachita Partnership for Economic Development, disse ao Defense News que quando o Shumaker Naval Ammunition Depot abriu em 1944, trouxe 25.000 trabalhadores para Camden. Os trabalhadores dormiam nas ruas e alugavam camas em casas locais por oito horas seguidas.

E a indústria de defesa ajudou a estabilizar a economia local depois que uma fábrica de papel – International Paper Co. – fechou há duas décadas e a maioria de seus 600 funcionários deixou a área, de acordo com Silliman.

Nos últimos cinco anos, muitos das empresas de defesa da área cresceram; A Lockheed, por exemplo, dobrou de tamanho nesse período. O influxo trouxe novas moradias, bem como um punhado de novos negócios que atendem a um público mais jovem, incluindo uma microcervejaria, disse Silliman.

Para lidar com o aumento antecipado de novos trabalhadores e suas famílias, a cidade está em negociações com vários incorporadores imobiliários sobre a construção de mais residências unifamiliares e multifamiliares, disse ele.

Silliman acrescentou que espera que Camden colha os benefícios.

“Os empregos no varejo seguem os empregos na manufatura; portanto, quanto mais empregos na manufatura você tiver em uma comunidade, o varejo logo se seguirá.”

FONTE: Defense News

Subscribe
Notify of
guest

45 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Pragmatismo
Pragmatismo
2 meses atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Tomcat4,4
Tomcat4,4
2 meses atrás

E assim a roda da economia gira, dindin pra uma galera na indústria e morte e destruição pra outra no meio do fogo cruzado motivado pelo governo dos EUA q colocaram(fizeram tudo direitinho na campanha pós derrubada do governo pró russo) um fantoche no governo da Ucrânia e o povo q votou no cara que dizia q não haveria guerra agora ja passa de 8 mi de refugiados em países vizinhos e 6,6 mi espalhados pelo resto do país. Tenso !!! Escolhas e suas consequências !!!

MFB
MFB
Reply to  Tomcat4,4
2 meses atrás

Só para relembrar. Quem invadiu quem mesmo?

100+

Aeb30
Aeb30
Reply to  MFB
2 meses atrás

EDITADO

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

MFB
MFB
Reply to  Aeb30
2 meses atrás

Qings, assim você comete um ato falho. Operação militar especial, não guerra. Não esqueça das orientações dos seus patrões.

Pafuncio Epaminondas
Pafuncio Epaminondas
Reply to  MFB
2 meses atrás

A Rússia não invadiu por diversão, os EUA fariam a mesma coisa se tivessem um pro-russia grudado no seu território. Cuba tá isolada do mundo desde antes da extinta manchete existir, Venezuela se aproximou da Rússia tbm tomou embargo dos EUA a diferença que a Rússia não tem a força política e economica dos EUA, então teve que ir a guerra e o motivo desculpa ou a gota no balde já cheio foi os atentados que estavam tendo na Criméia.

Andre
Andre
Reply to  MFB
2 meses atrás

Mas o Putin é um fantoche agindo exclusivamente em interesse da industria bélica americana. Ele invadiu a Ucrânia porque os EUA mandou.

Gladius Pompéu
Reply to  Tomcat4,4
2 meses atrás

Não são filantrópicos, vc deveria saber disso e parar de chorar !

Renato
Renato
Reply to  Tomcat4,4
2 meses atrás

EDITADO

Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas

Atirador 33
Atirador 33
2 meses atrás

Esse HIMARS somado aos serviços de inteligência e até mesmo a rede satélites, fizeram mesmo a diferença. Se a Ucrânia não tivesse condições para localizar os alvos, os HIMARS não teria tanta eficiência como teve as 16 unidade enviadas inicialmente.

Fico pensando como seria se o brasil fosse invadido por uma potência militar estrangeira, e precisássemos empregar os astros nos moldes que os ucranianos utilizam os HIMARS, como seria a identificação dos alvos?

Fica parecendo que os HIMARS sozinhos são super poderosos, e o poder está no agrupamento do emprego de várias técnicas e equipamentos.

Aeb30
Aeb30
Reply to  Atirador 33
2 meses atrás

EDITADO

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Hcosta
Hcosta
Reply to  Atirador 33
2 meses atrás

Uma grande parte, até mesmo a maioria, dos alvos são identificados por agentes e civis no terreno (HUMINT) ou, em alguns casos, pelos próprios Russos.

Os AWACS e outros, são bons a detetar movimentos de grandes formações mas fica quase impossível numa grande cidade ou território distinguir os movimentos civis dos militares. O que fazem é determinarem certos padrões e encontrar anomalias nesses padrões. Muito movimento num lugar que normalmente está deserto, etc…

RDX
RDX
Reply to  Atirador 33
2 meses atrás

As principais fontes de aquisição de alvos são as seguintes:

Fontes humanas da Inteligência MilitarPatrulhasDronesRadar contrabateriaSatéliteAviação ISTARGuerra eletrônicaO EB utiliza patrulhas, fontes da Inteligência Militar e possui alguma capacidade em guerra eletrônica para localizar alvos. O emprego de drones para tal tarefa ainda é embrionário. Provavelmente a aviação do EB possui alguns helicópteros equipados com FLIR capazes de geolocalizar alvos.

Last edited 2 meses atrás by RDX
RDX
RDX
Reply to  RDX
2 meses atrás

As principais fontes de aquisição de alvos são as seguintes:

Fontes humanas da Inteligência Militar
Patrulhas
Drones
Radar contrabateria
Satélite
Aviação ISTAR
Guerra eletrônica

O EB utiliza patrulhas, fontes da Inteligência Militar e possui alguma capacidade em guerra eletrônica para localizar alvos. O emprego de drones para tal tarefa ainda é embrionário. Provavelmente a aviação do EB possui alguns helicópteros equipados com FLIR capazes de geolocalizar alvos.

M.@.K
M.@.K
2 meses atrás

Só por curiosidade, abri o Maps para ver a localização desta fábrica: é colossal! só bunkrs esta cidade deve abrigar o quantitativo que deve ter em quase toda a América Latina.

Nilo
Nilo
2 meses atrás

Enquanto aqui Avibras, empresa privada, detentora de tecnologias e produção estratégica – Justiça do Trabalho cancela as 420 demissões da Avibras, abril/2022.
Crise financeira da Avibras sendo discutido nas mais altas patentes, maio/2022.
Exército fecha contrato com italiana Iveco-Oto Melara 5 bi dezembro/2022.
Frase do dia: casa de ferreiro espero de pau.

rodrigo
rodrigo
Reply to  Nilo
2 meses atrás

perdemos a oportunidade, podiamos ter nos envolvido com nosso Astros, não sei tecnicamente as diferenças, mas olha a propaganda para exportação. Opinião é opinião, fica em cima do muro não ajuda nada…perdemos exportação para Filipinas, poderiamos nefgociar apoio na Guerra pra ingressar na OCDE etc…poderiamos sermos mais espertos. Tudo para compra fertilizante (coisa que é um vergonha nós termos de importar) e para faze fotinha da Dilma no Brics.

RDX
RDX
Reply to  rodrigo
2 meses atrás

Pois é. De um 1 ano para cá todos os fabricantes de MRLS conseguiram importantes contratos…menos a Avibrás.

O HIMARS é um sucesso na Ucrânia e o óbvio seria o EB adquirir mais unidades do ASTROS. Ledo engano, a próximo contrato bilionário é de obuseiros importados.

Last edited 2 meses atrás by RDX
Marcos R
Marcos R
Reply to  rodrigo
2 meses atrás

Estaria vendendo tudo que conseguisse produzir… Inclusive os foguetes de precisão quite desenvolveram mas não tem verba para produzir.

Aeb30
Aeb30
Reply to  Nilo
2 meses atrás

Mas isso não é privilégio brasileiro.
A cidade onde a Boeing possui suas maiores instalações também apresenta sérios problemas com as demissões ocorridas em vista do tombo de vendas em função da pandemia, do relativamente grande fracasso do 737-MAX e da crise do setor aéreo.
E lá não tem Justiça do Trabalho e outros direitos.
É rua mesmo.

Nilo
Nilo
Reply to  Aeb30
2 meses atrás

Com toda a crise da Boeing ela ainda contínua grande e quando eu falo grande é em tamanho 1/3 do PIB do Brasil, agora o apoio do governo americano, a gigantesca lista de pedidos de compras de seus produtos, acesso fácil a crédito e ainda acessa fácil os engenheiros da Embraer, gerentes de projetos, sem que o Estado americano tenha nenhum gasto em sua formação rsrsrsrs

Simas
Simas
Reply to  Nilo
2 meses atrás

Só para te situar.
Faturamento da Boeing em 2021 – 62,2 bi com prejuízo de 4,3 bi
PIB do Brasil em PPC – 3,2 trilhões de dólares.
A Boeing já nem é mais a maior empresa do setor, posto que ocupou por décadas.

Eduardo De Moura
2 meses atrás

Okay! Os EUA são os mais fortes do mundo e sozinhos venceram os nazistas e os japas sem nenhuma ajuda de ninguém! Igualmente os EUA venceram à Coréia do Norte, o Vietnã, Cuba, Afeganistão, Iraque, Síria e estão vencendo na Ucrânia sem perderem um unico ucraniano e segundo a propaganda q pagam festejarao o 4 de Julho e Vladivistok após tomarem toda a Russia por telefone! Pelo menos é o q a imprensa paga pelo Pentagono diz…!

sub urbano
sub urbano
2 meses atrás

A galera engole qualquer bobagem que os americanos jogam neles. O Tom Cooper mesmo comenta isso, qualquer coisa que explode do lado russo pode ser um foguete GRAD ou um morteiro 60mm, agora é obra do HIMARS kkk Os caras ja sabem q seus seguidores não são lá mto inteligentes e ignoram na cara dura q a Ucrania tinha centenas de lançadores de saturação similares ao Himars antes da guerra, como o Smerch e o Uragan por exemplo.

Aeb30
Aeb30
Reply to  sub urbano
2 meses atrás

EDITADO

2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas, nem o site ou seus editores;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Hcosta
Hcosta
Reply to  Aeb30
2 meses atrás

Mas estão, todos os dias tem notícia de alguma explosão atrás das linhas da frente.

Aeb30
Aeb30
Reply to  Hcosta
2 meses atrás

EDITADO

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Hcosta
Hcosta
Reply to  Aeb30
2 meses atrás

E como isso está a resultar para os Russos?
Seguindo a este ritmo, quando irão conquistar o Donbass?

Simas
Simas
Reply to  Hcosta
2 meses atrás

O post anterior sobre as baixas ucranianas talvez te oriente.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Aeb30
2 meses atrás

No final de março ou mais tardar no começo de abril os HIMARS vão começar a mandar pelos ares os depósitos de munições russos em Bakhmut e Adviika, abrindo a contra ofensiva ucraniana no Donbass. Até o Yevgeny Prigozhin, líder do grupo Wagner, já manifestou preocupação e pediu mais recursos militares para o Kremlin, mas parece que não foi atendido …

Last edited 2 meses atrás by Marcelo
Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Marcelo
2 meses atrás

Não tem mais recursos, só tem T54, enquanto um lado tem Challenger Léo Abrams, outro isso.. notícias pesadas para os russos.

Hcosta
Hcosta
Reply to  sub urbano
2 meses atrás

Talvez porque não são usados como mísseis de saturação mas como “mísseis de cruzeiro/precisão”…

sub urbano
sub urbano
Reply to  Hcosta
2 meses atrás

Mas não são kkkk O ATACMS q é o missil de cruzerio do himars não foi fornecido para a Ucrania. Ou vc acha q os americanos iriam dar o filé deles para os ukies kkkk os ucranianos usam os foguetões guiados por GPS iguais aos do Smerch e o Vikha, q é o Smerch ucraniano.

É por isso q eu falo sempre, países autoritarios como a Russia são mais confiaveis como fonte de informação. Por que? Pq eles nao precisam se preocupar com a opinião publica. Os Ocidente tem uma industria de fake news, os caras dependem disso.

Hcosta
Hcosta
Reply to  sub urbano
2 meses atrás

Que novidade que dá… Os foguetes, não os foguetões, não são iguais aos Russos. Vá procurar os seus raios de impacto e veja as diferenças. E compare os HIMARS com os Tornado. Repito, os foguetes do HIMARS não são usados como fragmentação, mas com a mesma função de mísseis de cruzeiro, para atingirem alvos fixos atrás das linhas da frente. Gostaria de ver se esses foguetes Russos conseguiriam acertar numa ponte ou outros alvos com a mesma precisão. Até porque não é essa a sua função. Mas estão a correr atrás do prejuízo e parece que começaram a desenvolver foguetes… Read more »

Maurício.
Maurício.
2 meses atrás

E por aqui temos o Astros, que segundo um entendido da internet, ia sair decapitando os ditadores da América Latina com seu míssil de cruzeiro, só falta o míssil ficar pronto e operacional, só tem uns vinte anos que o tal míssil está sendo desenvolvido, só isso.

Marcelo
Marcelo
2 meses atrás

Por que o sistema Himars faz tanto sucesso na Ucrânia? O HIMARS (High Mobility Artillery Rocket System) fabricado pela Lockheed Martin, significa Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade. Aqui já temos uma grande vantagem: um veículo militar que dispara foguetes e se move rapidamente para fugir do fogo de contrabateria do inimigo. Outra enorme vantagem do HIMARS é que seus foguetes são armas guiadas por satélite com alcance de cerca de 80 quilômetros e essa característica foi muito bem explorada pelos ucranianos, que estão conseguindo atingir alvos atrás das linhas de frente russas e com grande precisão. O… Read more »

Régis
Régis
2 meses atrás

Mesmo que ao fim do conflito a Ucrânia acabe derrotada o exército russo estará em frangalhos, incapaz de fazer outra guerra por anos ou até décadas.

E para concluir: após o desempenho mostrado pelos equipamentos russos no campo de batalha, eles deverão perder um enorme mercado de compradores. A China deverá se tornar a segunda maior exportadora de armas do mundo, depois dos EUA.

Simas
Simas
Reply to  Régis
2 meses atrás

DITADO

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Lucena
2 meses atrás

(…). A Câmara de Comércio do Arkansas nomeou o HIMARS “a coisa mais famosa feita no Arkansas”, superando produtos mais conhecidos como Cheetos. (…) . Uma comparação surreal … exige muita originalidade para isso ..rsrs . Mais um,a coisa é certa … essa guerra na Ucrânia entre a OTAN/Ucrânia e a Russia, está deixando muita gente rica nos EUA .. que pena não seja a mesma coisa para os ucranianos. . Para se ter uma ideia, Um ano após a guerra Rússia-Ucrânia, os Estados Unidos, sem enviar tropas para o solo, gastaram na Ucrânia mais de cinquenta por cento da… Read more »

Lucena
Reply to  Lucena
2 meses atrás

EDITADO

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão;

https://www.forte.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Lucena
Reply to  Lucena
2 meses atrás

A minha consciência ( talvez o remoço ), não suportaria fazer,construir algo que irá tirar vidas ; destruir sonhos de dias melhores … o futuro das pessoas… mesmo daquelas que não conheço.

M4l4v|t4
M4l4v|t4
Reply to  Lucena
2 meses atrás

A Ucrânia compra armamento com o dinheiro dos países que os vende.
Se você quer arrumar uma maneira de dizer que o EUA estão lucrando com a guerra, então você precisa melhorar o contorcionismo porque essa conta não fecha.

Lucena
Reply to  M4l4v|t4
2 meses atrás

(…)A Ucrânia compra armamento com o dinheiro dos países que os vende. (…)
.
Eu diria melhor:
.
A Ucrânia compra armamento com o dinheiro emprestado dos países que os vende.

Do fundo de angola
Do fundo de angola
2 meses atrás

Fomentam as guerras para facturar

Leonid Brejnev
Leonid Brejnev
2 meses atrás

O governo americano está gastando bilhões de dólares em ajuda aos ucranianos, acontece que as coisas podem mudar, nem mesmo a maior economia do mundo têm cheque em branco, ontem assisti uma reportagem na cnn americana falando da falta de recurso para a educação, e professores de alguns estados ameaçando fazer greve, já estão começando a fazer comparação como o montante que é destinado a ucrânia, e pouco investimento na educação. Mostraram alguns senadores de oposição falando que os USA não precisam da ucrânia, coisa que não se via a pouco tempo.