domingo, março 7, 2021

Saab RBS 70NG

BNDES e Finep vão investir R$ 188 milhões em defesa

Destaques

FOTOS: Light Armed Helicopter (LAH) da Coreia do Sul

O helicóptero armado leve (LAH) é baseado no Airbus H155B1 (EC155), que é uma versão modernizada do antigo AS365...

China busca uma força nuclear com maior capacidade de sobrevivência

Segundo a Associated Press, a China parece estar se movendo mais rapidamente em direção à capacidade de lançar seus...

Gastos da China em pesquisa e desenvolvimento atingem um recorde de US$ 378 bilhões

O Escritório Nacional de Estatísticas da China disse que os gastos com P&D, que visam desenvolver novos serviços...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres
O governo prevê a aplicação este ano de R$ 188,7 milhões em 25 projetos da área de defesa, desenvolvidos pelos centros de tecnologia das Forças Armadas em parceria com empresas privadas. Esses recursos serão oriundos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos). Para 2010, a previsão de investimentos públicos nos projetos de defesa será de R$ 492,4 milhões.

Entre os projetos estão o radar SABER M-60 e SABER-200, do Exército, e o Vant (Veículo Aéreo Não Tripulado), da Aeronáutica, e o de desenvolvimento de fibra de carbono de alto desempenho da Marinha. Os números foram apresentados na terça-feira (7) pelo diretor do Departamento de Mobilização (DEPMOB), general-de-divisão Adriano Pereira Jr., em palestra no seminário “Estratégia de Defesa Nacional e a Indústria Brasileira”, realizado na Câmara dos Deputados. O DEPMOB faz parte da Secretaria de Ensino, Logística, Mobilização, Ciência e Tecnologia (Selom) do Ministério da Defesa.

Ações

De acordo com o general, a Estratégia Nacional de Defesa trouxe várias ações que terão que ser apresentadas pelo Ministério da Defesa para o estímulo à indústria de defesa. Entre essas ações, estão a atualização da Política Nacional da Indústria de Defesa; criação de regimes jurídico e econômicos especiais que possibilitem o desenvolvimento da indústria nacional de defesa; alterações na Lei 8.666, Lei de Licitações, de forma a incentivar a compra de tecnologia nacional; e concessão de garantia para a exportação do produto de defesa nacional. Uma primeira proposta de atualização da Política Nacional da Indústria de Defesa para adequá-la à Estratégia, que já foi apresentada pela Selom ao ministro da Defesa.

O general Adriano lembrou que a ausência de recursos tem sido, ao longo dos anos, um problema que vem impedindo o reaparelhamento do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Segundo o general, tendo em vista os objetivos da Estratégia Nacional de Defesa, as Forças Armadas já vêm revisando seus antigos planos de reaparelhamento. Em troca, estão colocando metas de aparelhamento, a serem submetidas em breve ao Ministério da Defesa, com horizonte de longo prazo (até 2030).

Equipamentos

Essa mudança de procedimento tem algumas implicações. A primeira é que exige, por parte do governo, uma política previsível de compras, uma vez que material de defesa não constitui artigo “de prateleira”. Ao contrário, requer um planejamento de compras antecipadas de modo a dar à indústria nacional tempo para produzir os equipamentos. A introdução do fator previsibilidade, no entender do general Adriano, só será possível por meio de um “programa de governo de aquisição de produtos de defesa”. O programa de aquisição, conforme acrescentou, deve ter duas bases de apoio. A primeira delas em um programa orçamentário plurianual, que daria tranquilidade à indústria fornecedora. A segunda base seria o orçamento anual, fator que daria à indústria de defesa a segurança dos recursos para a cobertura dos gastos de curto prazo.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República – Boletim Em Questão nº 789

Foto: radar SABER 60 Centro de Tecnologia do Exército

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
gaspar
gaspar
11 anos atrás

qual a diferenca do saber M60 pro saber-200 ??

Rodrigo
Rodrigo
11 anos atrás

* Saber X60 – Protótipo do Saber M60, funcionou apenas para confirmar aos financiadores de que o projeto era viável.
* Saber M60 – A primeira versão funcional do radar. Tem capacidade de acompanhar até 40 alvos, em um raio de 75km e até uma altura de 5.000m, os dados dos alvos estão em 3D, é operado por 3 militares e tem um peso de 200kg.
* Saber M200 – Projeto para um radar semelhante ao Saber M60, porém com maior alcance, raio de 200km e altura de 10km.

J Roberto
J Roberto
11 anos atrás

Este radar é similar ao Elta EL/M-2106NG israelense-radar de busca para defesa aérea tática.
Está mais na hora de termos um radar com alerta rápido e preciso sobre ataque de helicópteros artilhados ou de caças em voo à baixas altitudes.Ideal para tropas móveis pode ser transportado por qualquer aeronave de asa fixa ou rotativa.
Uma versão naval do M-200 embarcada até que não era ruim.

gaspar
gaspar
11 anos atrás

caramba, nao sabia que temos capacidade de fabricar radares 3D…
esses radares podem ser instalados na Amazonia e ter a sua localizacao diferente a cada dia…
esse radar emite alguma frequencia/sinal ??? pois tem radares que operam sem emitir nenhum sinal, assim o alvo nao sabe que foi “trackeado”…
mas ja e um belo avano para nos…

Hornet
Hornet
11 anos atrás

Boas notícias! Já é uma colheita do END, uma vez que este mudou a lei para incentivar e privilegiar o desenvolvimento de tecnologia de defesa nacional. O caminho é esse mesmo.

abraços a todos

RJ
RJ
11 anos atrás

Estou louco para ver um M200 equipando uma Fragata brasileira…
Já estão pensando em versões embarcadas desse radar?

Leonardo Besteiro de Almeida Alves
Leonardo Besteiro de Almeida Alves
11 anos atrás

Bem, o que podemos tirar desta lição? É que o nosso país é perfeitamente capaz de suprir suas necessidades em termos de tecnologia de defesa, isso quando o dinheiro necessario é alocado. Particurlamente eu prefiro ver o nosso dinheiro sendo gasto para o desenvolvimento cientifico nacional, mas ao contrário nosso suado dinheirinho é gasto com passagens de parentes de politicos, salários para funcionarios fantasmas e outras mil falcatruas que ocorrem no senado e na camara dos deputados. Só para se ter uma idéia se somarmos toda essa grana que é ROUBADA dos cofres publicos de maneira legal, a Marinha do… Read more »

Ronaldo  Braz  de Araujo
Ronaldo Braz de Araujo
11 anos atrás

fico mais aliviado,vendo o governo se precupando com a defesa do país. é preciso muito mais ,é muito pouco para um país como o brasil

Guerras Modernas

Armênia, Azerbaijão e Rússia fecham um acordo para acabar com o conflito de Nagorno-Karabakh

YEREVAN/BAKU (ARMENIA/AZERBAIJÃO) — Armênia, Azerbaijão e Rússia disseram que assinaram um acordo para encerrar o conflito militar na região...
- Advertisement -
- Advertisement -