quarta-feira, setembro 22, 2021

Saab RBS 70NG

Sem data para terminar, MINUSTAH atualmente combate a pobreza

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

GISELE LOEBLEIN

Quando os primeiros militares brasileiros desembarcaram em terras haitianas, em maio de 2004, tinham pela frente o desafio de tentar pôr fim ao caos que se seguiu à deposição do presidente Jean-Bertrand Aristide. Hoje, as novas tropas que chegam ao país caribenho deparam com uma missão que é, mais do que nunca, social. Encontrar a melhor arma para o combate à pobreza extrema – 80% da população vive com menos de U$S 2 (R$ 4,03) por dia – é o principal objetivo.

Ainda que o objetivo inicial da missão tenha sido alcançado, o trabalho dos militares brasileiros no Haiti, por enquanto, não tem data prevista para terminar, segundo o assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia. A missão deve continuar sendo renovada pelas Nações Unidas por mais algum tempo, como vem ocorrendo todos os anos, com o apoio do Brasil.

– A estabilização do país foi extraordinária. A missão da Minustah criou novos parâmetros de forças de paz – observa Garcia.

Em cinco anos, o Brasil enviou cerca de 12 mil homens ao haiti – boa parte deles gaúchos. Hoje, 1,2 mil militares brasileiros marcam presença no território caribenho. Desenvolvem suas ações em uma área de cerca de 24 quilômetros quadrados (pouco menor do que a área do município de Esteio), em Porto Príncipe. E comemoram os resultados positivos da missão: redução dos índices de criminalidade do país, possibilidade de deslocamento em áreas antes restritas, retorno de atividades comerciais em regiões até então tomadas por gangues e acesso de organizações humanitárias, que costumavam ser barradas. Com as conquistas, surgem também novas prioridades: de acordo com Garcia, o esforço das tropas passou a estar mais focado em obras sociais.

Para o gaúcho Ricardo Seitenfus, um dos mais renomados especialistas em questões haitianas e atual representante da Organização dos Estados Americanos (OEA) no país do Caribe, o cenário hoje é “de tranquilidade do ponto de vista de segurança”. Por isso, para ele, é chegado o momento de desenvolver um novo modelo de atuação na nação caribenha:

– O haiti tem de encontrar um caminho para tirar da miséria uma grande parte da população. O modelo de intervenção que a comunidade internacional utilizou em 2004 era um modelo de estabilização de uma situação política e de segurança, e não de desenvolvimento.

Sobre a permanência das tropas, Seitenfus ressalta: para ele, a qualidade de uma missão de paz “é inversamente proporcional a sua duração”.

FONTE: Zero Hora, via Notimp

- Advertisement -

4 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
konner
konner
12 anos atrás

A participação em missões de paz projeta o Brasil no cenário internacional e reforça sua postura pacífica, e ao mesmo tempo prepara nossos militares para a defesa da Nação. O profissional militar precisa ser treinado, preparado, adestrado, e a melhor oficina de aprendizagem, sem dúvida, é a situação real de emprego. A participação brasileira na Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti materializa o compromisso do país com a reconstrução, a institucionalização e o desenvolvimento do Estado haitiano. Sob o comando brasileiro, o trabalho da força militar no Haiti inclui ações humanitárias e apóia projetos e ações de… Read more »

Marine
Marine
12 anos atrás

Otimo conseguimos o primeiro requisito – Seguranca. Agora e que vem a parte mais dificil – Nation Building! O Brasil agora tera que lidar com esse “mission creep” que tantos outras paises tiveram e tem levado pauladas pra aprender…

Da guerra
Da guerra
12 anos atrás

O compromisso das tropas Brasileiras foi a estabilização da segurança no Haiti. Este compromisso nunca foi com aquele país e sim com a ONU, já que o governo vislumbrou este caminho, um tanto modesto mas adequado para início, para atingir o objetivo que é o CS. A missão foi cumprida graças às ações da tropa em combates urbanos, e não graças à simpatia, embora ajude muito, mas nunca com o futebol, churrasco ou 51 como pensam alguns mandatários mandrakes.Já é hora de partir. O desenvolvimento do país é obra para os haitianos, a menos que o Brasil objetive realmente uma… Read more »

Hornet
Hornet
12 anos atrás

Aqui (link abaixo) tem uma entrevista interessante, com um professor da PUC-RJ, avaliando a participação do Brasil no Haiti:

“Missão no Haiti não dará vaga no CS”

Professor da PUC-Rio diz que participação do Brasil na Minustah não garante lugar do País no Conselho de Segurança da ONU”

http://www.exercito.gov.br/Resenha/homepage.htm

abraços a todos

Últimas Notícias

Grupo de Artilharia Antiaérea realiza exercício de tiro real

Praia Grande (SP) – O 2º Grupo de Artilharia Antiaérea participou, no período de 13 a 17 de setembro,...
- Advertisement -
- Advertisement -