Home Guerra Assimétrica Guerra Assimétrica: narcoguerrilha ameaça derrubar aviões comerciais no RJ

Guerra Assimétrica: narcoguerrilha ameaça derrubar aviões comerciais no RJ

173
3

Por Jorge Serrão

vinheta-clipping-forteDepois de derrubar, facilmente, um helicóptero da Polícia Militar (com direito à repercussão na mídia internacional), os narcoguerrilheiros urbanos do Rio de Janeiro fazem novas ameaças de terror. Em conversas captadas por serviços de inteligência das Forças Armadas e da Secretaria de Segurança do RJ, os marginais já especulam que podem usar armamento terra-ar para atingir aviões em decolagem nos aeroportos Santos Dummont e Internacional Tom Jobim.

Devidamente abafada para não gerar pânico, tal ameaça do narcovarejo transforma em meros reféns os comandantes dos organismos de segurança militares e civis. A narcoguerrilha urbana usa e abusa de instrumentos de comunicação da guerra assimétrica – mesma tática usada por grupos terroristas transnacionais. O clima de medo – “tudo pode acontecer, só não se sabe quando e nem onde, com precisão” – se transforma na arma mais eficiente do braço operacional do Crime Organizado.

Doutrinariamente, tal ameaça já exigiria uma ação direta das Forças Armadas no desmantelamento da narcoguerrilha urbana – que se aproveita da fragilidade operacional da Polícia Federal para reprimir, com mais eficiência e rapidez, o comércio ilegal de armas e drogas. A atuação das Forças Armadas tem respaldo constitucional e doutrinário. Mas as sutilezas políticas – e a própria fragilidade gerada pela falta de verbas ou o complexo de inferioridade em termos de armamento – inibem os militares que fazem um belo trabalho de Garantia da Lei e da Ordem no Haiti – mas não por aqui.

Agora, a inoperância no combate ao “quarto elemento” do crime se transforma em crise política entre os governos estadual e federal. Em conversa reservada com líderes empresariais cariocas, na noite de segunda-feira, o secretário de Segurança Pública soltou o verbo. José Mariano Beltrame reclamou da sobrecarga de tarefas da polícia fluminense, que estaria executando afazeres de responsabilidade do governo federal. Beltrame chegou a comentar que gostaria que os ataques do último sábado fossem vistos como os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, dando origem a uma política de segurança de Estado, não de governos.

Em repentina linha de ataque ao governo Lula, o presidente do Supremo Tribunal Federal repetiu ontem o mesmo discurso do delegado Beltrame. Gilmar Mendes pregou que que é preciso articular melhor a divisão de responsabilidades entre os governos federal e estaduais. Gilmar Mendes foi explícito, advertindo que é hora de se discutir o emprego das Forças Armadas na segurança pública. O ministro sugeriu a criação de um plano nacional para combater o crime.

Responsabilidade de quem?

Gilmar Mendes indicou, sem rodeios, que as Forças Armadas e a Polícia Federal têm responsabilidade direta pela entrada de drogas e armas pelas fronteiras mal guarnecidas:

“No Rio, há o uso de armamentos pesados, que são importados ilegalmente. Isso passou pela fronteira. Não é um problema básico do Rio, mas da falta de controle. Há uma responsabilidade nacional, não podemos imputar apenas às autoridades locais”.

A grande questão é: Gilmar Mendes usou tal argumento para ser técnico, ou apenas para gerar mais um desgaste político para o popular Stalinácio?

FONTE: www.alertatotal.net

Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Felipe Cps
Felipe Cps
11 anos atrás

Bem, só está faltando isso mesmo… Se acontecer isso babau Olimpíada e até, talvez, babau Copa do Mundo… E vai ser pouco… Até quando o governeco federal vai ficar de braços cruzados assistindo armas, drogas e contrabando entrando por nossas fronteiras? Até quando vão dar a desculpa que “o EB não serve para isso”? Até quando irão negar a “carta branca” que o EB precisa pra entrar lá e “arregaçar geral”? Até quando o EB vai ficar dentro dos quartéis, e sem comida? Até quando as Forças Armadas Revolucionárias do Tarso (antiga Polícia Federal) vai ficar servindo pra fazer guerrilha… Read more »

KeplerK
KeplerK
11 anos atrás

Sinto discordar, mas isso tá parecendo história da Carochinha. Meus amigos, como carioca da gema (e bem rodado), gostaria de esclarecer que, ao contrário do que muitos divulgam, traficante que é 100% traficante só quer uma coisa: paz pra vender seu pozinho. Além disso, a ação desses grupos se restringe a sua área de domínio, os morros e redondezas. Só ocorre confusão mesmo quando a polícia invade suas áreas ou quando há alguma disputa pelos pontos entre grupos rivais, como ocorreu recentemente. Todas as vezes que ocorreram ações terroristas no Rio (bombas etc.), fora dessas áreas, sempre foi coisa de… Read more »

G.Galante
11 anos atrás

Também concordo Keplerk.

O objetivo dos trafica é manter os ” negócios ” ativos e operantes, ou seja, movimentar a grana $$$…..e o policial bandido quer ganhar vantagem em cima desta lucratividade.