Home Asas Rotativas Modernização dos Esquilo/Fennec da AvEx

Modernização dos Esquilo/Fennec da AvEx

1384
46

Modernização dos Helicópteros de Reconhecimento e Ataque

O objetivo desse projeto é, em síntese, modernizar os trinta e cinco helicópteros HB 350L1 Esquilo e AS550A2 Fennec da AvEx, que são utilizados para as missões de Reconhecimento e Ataque, possibilitando o seu emprego na Força Terrestre por mais trinta anos.

Com essa modernização, o Exército passará a contar com helicópteros de reconhecimento e ataque, atualizados tecnologicamente, com novos painéis de instrumentos; sistema de comunicações avançado e seguro; e sistemas de armas integrados com lançadores de mísseis ar-solo, lançadores de foguetes modernos, metralhadoras .50 e canhões 20mm, elevando, dessa forma, o poder de dissuasão da AvEx.

O apoio das Empresas HELIBRAS e EUROCOPTER nessa empreitada será de fundamental importância para o êxito do projeto de modernização da frota de helicópteros de Reconhecimento e Ataque da AvEx.

As principais mudanças serão as seguintes:

  • modernização do painel de instrumentos para os modernos glass cockpit;
  • modernização dos equipamentos de rádiocomunicação e de rádionavegação;
  • incorporação de medidas de defesa passiva; e
  • ampliação da capacidade dos helicópteros de receber armamento, tais como: o míssil ar-solo; o foguete 70mm Skyfire; o canhão de 20mm; a metralhadora .50; e armamento lateral.

Desenvolvimento de Mísseis Ar-solo para os Helicópteros de Reconhecimento e Ataque

O EB está desenvolvendo um projeto para aprimorar o sistema de armas dos helicópteros de ataque AS550A2 Fennec e HB 350 L1-Esquilo, da AvEx.

Esse sistema de armas será composto por lançadores de foguetes com maior alcance e maior precisão, pela metralhadora .50 e por mísseis ar-solo de fabricação nacional.

Esses mísseis, que serão denominados míssil ar-solo MAS 5.1, poderão ser empregados no ataque a alvos terrestres móveis, blindados ou não, e a instalações.

Esse projeto se beneficiará dos conhecimentos tecnológicos e das experiências colhidas no desenvolvimento do míssil anticarro MSS 1.2, de propriedade intelectual do EB e realizado em parceria com a empresa Mectron.

A relevância do projeto é justificada pelo aumento significativo da dissuasão dos meios de reconhecimento e ataque da AvEx, pela contribuição na elevação da capacidade do parque fabril nacional no domínio de tecnologias sensíveis de defesa, na redução da dependência bélica do exterior, na criação de um potencial de comercialização no subcontinente sul-americano e na geração de empregos, todos eles convergentes com os objetivos traçados na Estratégia Nacional de Defesa e nas diretrizes do Comandante do Exército.

FONTE: DMAvEx via Revista Verde Oliva

FOTOS: Guilherme Wiltgen/ForTe

Subscribe
Notify of
guest
46 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Soldier
Soldier
10 anos atrás

Muito boa essa iniciativa. Tomara que não fique apenas na intenção e que realmente haja execução e planejamento.

Fabio ASC
Fabio ASC
10 anos atrás

Só tem uma coisa que sinto falta em tudo que diz respeito a atualização / modernização de meios aéreos: Ninguém fala em Data Link.

Nem nos A4, A1, Helis, P3 (?), etc

Se temos excelentes meios AWACs por que não elevar o datalink para todos?

Isso eu considero a maior racionalização dos meios.

Vcs discordam?

Andre
Andre
10 anos atrás

Cade os ceticos do END?!
Aqueles que em qualquer noticia de compra ou reforma tem sempre um milhão de argumentos e teorias pra discordar e dizer que esta tudo errado!!!

emilson_GAC
emilson_GAC
10 anos atrás

os panteras do EB nao vao ganhar casulos de .50 e misseis? ficaria uma maquina linda e perfeita… minha visão não partiria pra tecnica, sou leigo no assunto, me corrijam se eu estiver equivocado, não seria possivel?

Vitor
Vitor
10 anos atrás

Essa metralhadora nao seria melhor se fosse movel para direcionar o tiro sem ter que movimentar o helicoptero? Mas agora que estou pensando por acaso o recuo dos tiros sao de grande potencia e desastabilizaria a maquina?

claudio alfonso
claudio alfonso
10 anos atrás

Avho que o melhor de tudo além da atualização do meios, é o desenvolvimento do missil ar-terra nos helicopteros. Parabéns!

Sopa
Sopa
10 anos atrás

Não consegui ver a diferença entre o Esquilo e o Fennec, alguem sabe me dizer ?

SdS

Vinícius Kober
Vinícius Kober
10 anos atrás

Um Hellfire Brasileiro, uns 6 a 8 Km de alcance seria o ideal, um armamento interessante para nossos futuros UCAV’s.

marcos silva
10 anos atrás

relevante,mais o ideal seria a aquisição de helicopteros puramente de ataque,como os tiger europeu “como exemplo”.Ate a africa do sul possui em seu inventario aeronaves concebidos para ataque.
Mais a medìocre “estrategia nacional de def.” se limita a isso,um esquilo armado.

Colt
10 anos atrás

O canhão no pod me lembrou o que o Chacal usou no filme, montado na van.

RL
RL
10 anos atrás

Boa notícia.

Junto com os Sabres, os Fennec’s e Esquilos certamente somarão forças.

O melhor de tudo, é que contarão com armamentos e eletronica embarcada MADE IN BRAZIL.

De certo um Heli de ataque puro sangue obviamente seria o ideal, no entanto, antes essa modernização para elevar as suas capacidades do que o atual padrão em que se encontram.

É esperar para ver.

Quanto aos panteras, lembro-me de que nos mesmos, estavam sendo testados apenas o emprego de metralhadoras. Não me lembro de ter lido outras notícias a este respeito.

Raptor
Raptor
10 anos atrás

A outra linha de pesquisa interessante seria desenvolver uma cabeça de guerra para os foguetes não guiados…
Mais: http://sistemasdearmas.com.br/pgm/foguetesguiados.html

Abs.

lucas lasota
lucas lasota
10 anos atrás

Assim como ha um mix hi-low na FAB, creio que teremos tambem no EB. Caso aqueles boatos do EB estar de olho do Mi-35, ele seria o hi. Ja o low seria por conta dos Fennecs.

Creio ser uma decisao economica, porque a complexidade do uso de um heli de ataque puro nao e exigida para todas as missoes, podendo os Fennecs daem o apoio de fogo necessario por um custo menor.

Cláudio
Cláudio
10 anos atrás

Andre disse:
14 de outubro de 2010 às 19:40

Boa observação…Andre….!!!

Nenhum País começou de um MI-35, ou de um Apache. Todos os Países começaram de um Helicóptero simples e foram melhorando, o END tem diretrizes que se seguidas levam a modernização dos Esquilos e posteriormente a construção de um Helicóptero melhor.

Sem fanatismo, Por Favor !!! dizer que o Esquilo é um baita helicóptero é um erro enorme. Porém, é um excelente começo o “fato” da Helibras e da Eurocopter colocarem acessórios nele objetivando um futuro Helicóptero 100% Nacional de uso geral, voltado para as Forças Armadas.

João Gabriel
João Gabriel
10 anos atrás

Um aspecto não ficou claro….

Eles receberam blindagem e supressor IR(IRCM),sistemas de escape anti míssil(tipo black hole)? isso é fundamental para um Helo no campo de batalha moderno….De qualquer forma será muito boa essa modernização,só o fato de integrarem misseis já um grande salto,o EB finalmente terá um vetor aéreo AT verdadeiro até que comprem um Helo de ataque mesmo….

Abraços!

Darkman
Darkman
10 anos atrás

Esquilo como heli de ataque é piada, quebram um galho mal quebrado, precisamos de um heli de ataque real.
Os esquilos modernizados não faria isso, pegaria os Dakota ou os EC145, aí sm seria melhor.

Abs.

Leandro RQ
Leandro RQ
10 anos atrás

Não sei se fico feliz ou se fico triste.

Fico feliz em ver o EB investindo em tecnologia nacional e dando um upgrade em seus helis.

Mas ao mesmo tempo fico triste, pois isso pode significar que o EB vai continuar sem um helicóptero de ataque DE VERDADE, tipo Apache, MI 35, Tiger, etc…

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Acho o sistema de orientação por laser semi-ativo preferível para nosso futuro míssil ar-sup lançado de helicóptero.
Espero que não usem o sistema de orientação por laser beam riding usado no MSS1.2, que obriga o lançador a ficar em linha com o alvo, expondo-o perigosamente.

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Mísseis antitanques ar-sup lançados por helicópteros atualmente:

Mokopa (África do Sul) laser semi-ativo
Hellfire (EUA) laser semi-ativo
Longbow (EUA) radar de onda mílimétrica
JAGM (EUA) laser semi-ativo + radar milimétrico + IIR
Spike ER (Israel) IIR com data link por fibra ótica
Pars-3- IIR (Europa) IIR (imagem infra-vermelha)
UMTAS (Coréia do Sul) IIR (fire and forget ou fire and update ???)
Helina (versão do NAG da Índia) IIR
AT-6 (Rússia) CLOS por radiofrequência
AT-14(Rússia) laser beam rider
AT-16 (Rússia) laser beam rider
HJ-10 (China) guiado por laser semi-ativo ou IIR

lucas lasota
lucas lasota
10 anos atrás

Bosco,

Vc sabe se a versao ar-sup do Trigat ja esta pronta?

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Ao meu ver, nosso futuro míssil ar-sup lançado de heli deveria ter orientação por laser semi-ativo. O laser semi-ativo é o mais flexível podendo ser usado tanto contra alvos fixos quanto móveis, além de não ser limitado ao modo LOBL e nem de ter que manter o lançador alinhado com o alvo, oferecendo ainda a opção de trajetória parabólica. Os sistemas CLOS e Beam Riding não são a melhor opção para mísseis lançados de aeronaves. Mísseis guiados por “onda mílimétrica” não são adequados a alvos fixos. Já os mísseis guiados por imagem infravermelha (IIR), apesar de operarem no modo “atire… Read more »

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Lucas,
O Trigat-LR tem agora o nome de Pars-3 LR na Alemanha e AC3G na França.
O míssil já teve seu desenvolvimento concluído, mas não tenho certeza de já ter havido encomendas firmes dos futuros usuários.
Foi bom você tocar no assunto que me estimula a dar uma pesquisada. rsrsrsr
Um abraço.

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Correção:
onde se lê “auto-explosivo”, lê-se “alto-explosivo”.

Elizabeth
Elizabeth
10 anos atrás

Também podemos incluir na lista de mísseis anti tanque lançados de helicópteros o Ingwe sul africano que é do tipo Beam-riding. Sobre a modernização dos Esquilo/Fennec a noticia é digna de elogios. A unica critica é deveria ter sido feita antes, mas como diz o ditado “Antes tarde do que nunca”. Quanto a adoção de um míssil nacional, obviamente que é outra boa noticia. Mas tenho meus receios. O MSS 1.2 é um projeto que demorou quase 20 anos para ficar pronto, depois de pronto demorou outros 5 anos para o EB finalmente encomendar o primeiro lote. Este tipo de… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
10 anos atrás

Não pode se não for Eurocopter??? Nem menciono a Helibrás, pq sem a empresa européia por trás, ela não é nada e não faz nada!!! Mas então??? Não pode fazer concorrência, avaliar outros modelos, só pode reformar modelo antigo da Eurocopter??? Até qndo continuaremos exportando empregos p/ a França??? Pq é isso que fazemos cada vez que assinamos algum contrato c/ essa empresa. Igual ao contrato p/ o fornecimento de 50 metades de helos médios, deram-nos uma esmola bem fajuta, mas o principal foi simplesmente negado. E são nossos parceiros estratégicos… E o armamento, tb só pode se for da… Read more »

Johan
Johan
10 anos atrás

Alguém sabe dizer os prazos? Fico preocupado com a demora na execursão das modernizações no Brasil, pois geralmente demoram uma eternidade. Bem não me preocupo em o Esquilo tomar o lugar de um MI35, pois o primeiro será para reconhecimento armado e desenvolvimento na área de armamento para helis.

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Se forem aproveitar o conhecimento adquirido no MSS1.2 no novo míssil ar-sup, tudo leva a crer que tenha o mesmo sistema de orientação. Sendo assim, pelo menos que façam como os russos, fazendo-os altamente supersônicos (Mach 2+), para que o tempo de exposição da aeronave seja reduzido. Um míssil como o Ingwe, lembrado pela Elizabeth, guiado por laser beam-riding (igual ao MSS 1.2), se lançado contra um alvo no máximo de seu alcance (5 km), leva mais de 20 segundos (provavelmente 30 segundos) pra atingir o alvo, obrigando o helicóptero a ficar praticamente imóvel até que ocorra o impacto. Mísseis… Read more »

Elizabeth
Elizabeth
10 anos atrás

Sem duvida Bosco, um míssil supersônico é altamente desejável. Porem em se tratando deste tipo de helicóptero, pequeno e cujo projeto original é civil, a massa do míssil é muito importante. Um Esquilo ou Gazele normalmente é armado com 4 mísseis como o HOT ou TOW cuja massa total é de cerca de 100Kg. (25Kg por míssil). Mísseis de maior alcance como o Hellfire ou Mokopa ou com mísseis supersônicos como o Vikhr-M mudam a referencia que passa a ser 45-50Kg x 8000m. A menos que se sacrifique alguma coisa, como combustível ou reserva de potência um Esquilo armado com… Read more »

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Se o projeto do míssil ar-sup levar em conta apenas o Esquilo/Fennec, aí limita mesmo a configuração do míssil tendo em vista que a quantidade ideal seria de pelo menos 4 mísseis transportados em cada surtida. Nesse caso acho que o melhor mesmo seria fazer um MSS1.2 mais encorpado, de maior alcance, respeitando o máximo de 25 kg/5 km, apesar das limitações dessa configuração, principalmente sendo subsônico. É uma pena se for assim, porque novamente estaremos indo contra a tendência mundial, o que representa redução de potenciais clientes externos. Se quisermos dar um passo realmente ousado, aí teríamos que desenvolver… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
10 anos atrás

“…como o TOW e o HOT, são ainda mais limitados por ficarem conectado à aeronave via fio.” O TOW tem uma versão wireless. Wireless TOW (ER) “A fifth generation of the TOW family, TOW-ER also known as TOW AERO…” “…are improved aerodynamic profile and elimination of guidance wires, enabling target engagements beyond 4.5 km.” “…maintain higher velocity throughout the flight which enables the missile to cover the longer distance at almost the same time (21 seconds) as it required to fly to its previous max. range of 3.75 km.” “The wire guidance system is replaced by a radio command link.… Read more »

Uitinã
Uitinã
10 anos atrás

O bom e que se usa o sistema skyfire 70 que segundo a avibrás e o mais moderno do mundo podendo disparar foguetes e misseis a uma distancia de 6 a 12 km tendo varias cabeças de guerra como mísseis anti-tanque incendiários e auto explosivos muito uteis tanto em peso operacionalidade quanto em preço 10 % do preço de Hellfire com as mesmas capacidades.

Nick
Nick
10 anos atrás

Caro Bosco,

Poderia esclarecer qual a diferença entre esse sistema de guiagem Laser beam rider e o Laser semi-ativo? E como se daria a aquisição e lançamento do míssil em ambos os sistemas???

[]’s

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Maurício, A versão wireless não foi implementada para lançamento por helicóptero, embora tenha que concordar que não há dificuldade nenhuma em fazê-lo. Nick, No sistema de guiagem por laser semi-ativo os sensores óticos do míssil são voltados para frente e percebem a reflexão de um estreito feixe laser codificado de alta intensidade que foi focado no alvo. É o mesmo sistema usado nas bombas Paveway e nos mísseis Hellfire, etc. Um helicóptero pode lançar um míssil guiado por laser semi-ativo que tem seu alvo designado por uma fonte externa, como por exemplo, outro helicóptero ou mesmo comandos em terra. Outra… Read more »

Seal
Seal
10 anos atrás

Eu acho que essa modernização vem em boa hora,enquanto o EB não se posiciona em relação a helicópteros puramente de ataques. Quanto ao míssil MSS 1.2 anti-tanque,este utiliza 2 sistemas ópticos. O míssil MSS 1.2 utiliza uma técnica denominada beam-rider (seguidor de feixe), na qual o Míssil é guiado em direção ao alvo por um feixe laser projetado no espaço pela Unidade de Tiro. Para tanto, esta unidade possui dois sistemas ópticos independentes e colimados,ou seja,possuem o mesmo objetivo: a óptica de apontamento, através da qual o atirador realiza a mira e cuja configuração é semelhante à de um periscópio,… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
10 anos atrás

“…usa o sistema skyfire 70 que segundo a avibrás e o mais moderno do mundo…”

O que a Avibrás fala, não se escreve…
Um foguete Skyfire 70 tem tanta guiagem qnto um Hydra 70 americano, ou seja nenhuma.
Ocorre que no caso americano existem 2 derivados do Hydra 70, que incorporam guiagem a laser semelhante ao Hellfire.
São o APKWS-I/-II da BAe e o DAGR da Lockheed.
Além de sistemas da Coreia do Sul, Israel, Canadá, França e UAE.

(http://www.baesystems.com/ProductsServices/eis_s2_apkws.html)

(http://www.defenseindustrydaily.com/guided-hydra-rockets-program-halts-new-entries-03157/)

(http://www.defenseindustrydaily.com/hydra70-rockets-from-cutbacks-to-the-future-of-warfare-02120/)

Nick
Nick
10 anos atrás

Caro Bosco,

Obrigado pela aula 🙂

Apesar que não entendi totalmente, o problema do sistema Laser beam rider é obrigar o lançador do missil, ficar iluminando o alvo com o lase de baixa intensidade. Não pode haver iluminação do alvo por outros meios???

O Laser semi-ativo como você mesmo disse é mais flexível, visto que permite que o alvo seja designado(ou iluminado por outros meios). E teria mais alcance?

[]’s

Bosco
Bosco
10 anos atrás

Seal, Valeu pela complementação. Muito bom! Nick, É isso mesmo. O sistema “laser beam-riding” é um sistema de linha de visada. Um míssil guiado pelo sistema Laser beam-riding (existe também esse sistema associado a um feixe de microondas, muito usado nos anos 50 e 60, como nos mísseis Terrier, Tartar e Talos) deve se manter dentro do feixe laser de baixa intensidade gerado pela unidade de tiro que está focada no alvo, como bem disse o Seal. Ele obrigatoriamente tem que se manter nesse “corredor” virtual. Quanto ao sistema de laser semi-ativo prover maior alcance ao míssil, é verdade. Diferente… Read more »

Darkman
Darkman
10 anos atrás

“Seal disse:
17 de outubro de 2010 às 13:08
Eu acho que essa modernização vem em boa hora,enquanto o EB não se posiciona em relação a helicópteros puramente de ataques.”

Caro Seal,
EB está em negociações para adquirir 18 MilMI35 igual aos da FAB.
Vamos aguardar após as eleições como vai ficar as coisas e o andamento das negociações, já que tudo deve ficar por conta do próximo Presidente.

Abs.

rogerio cirino
10 anos atrás

Alguem saberia informar o porque da FAb e EB terem escolhido o MI35?

Fabio ASC
Fabio ASC
10 anos atrás

A visita dos russos? Não assinaram nada?

Nick
Nick
10 anos atrás

Caro Bosco,

Valeu pelos esclarecimentos!

[]’s

falcon
falcon
10 anos atrás

que noticia boa, finalmente o exercito esta recebendo um pouco mais de atenção.

Acho que escolheram o MI-35 porque alem da capacidade de armamento dele ele pode levar 8 soldados totalmente armados ou no caso de uma missao de resgate o proprio MI-35 estaria apto a fazer o resgate.

Bruno
Bruno
10 anos atrás

Além desses fatores, Falcon, a Rússia concordou em transferir a tecnologia do Crocodilo para o Brasil.Quanto a modernização do Esquilo/Fennec e do Pantera, já estava na hora: o Esquilo é usado para missões de ataque e reconhecimento, mas o único armamento que levava eram as metralhadoras .50 e foguetes, já longe dos melhores dias, o sistema de reconhecimento da FLIR é até moderno, mas a aeronave não tinha com o que se defender caso fosse atacada, e se tratando de uma missão de reconhecimento, é óbvio que ela seria atacada! Acredito que os sistemas de defesa passiva sejam dispensadores chaff/flares,… Read more »

Sopa
Sopa
10 anos atrás

Caros, sabem me dizer a que distancia um Apache ou Cobra pode engajar uma pessoa ou grupo sem que ele seja visto/notado ?

SdS.

Bruno
Bruno
10 anos atrás

Sopa disse:
22 de outubro de 2010 às 22:35

Operando a noite, tais aeronaves podem engajar um alvo a quilômetros de distância, graças ao armamento, camuflagem e baixa assinatura acústica.De dia eu diria que fica mais difícil atacar algo sem ser visto.

Hate and Trust
10 anos atrás

É um bom avanço, o brasil esta cada dia ficando mais forte militarmente, mas é necessario o EB comprar um helicoptero de ataque puro.

Agora só falta sair o resultado FX-2 e a compra das novas fragatas da MB