Home Armas de Fogo 1ª Bda AAAe realiza a Operação o Sol é o CZA

1ª Bda AAAe realiza a Operação o Sol é o CZA

1543
34

A 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea realizou a Operação o Sol é o CZA II, nos dias 20 e 21 outubro de 2010. Esta contou com o primeiro disparo real do Míssil Antiaéreo Portátil Igla-S no Campo de Instrução de Formosa – GO. No dia 20 de outubro, foi realizado também o primeiro tiro noturno País. O disparo noturno foi realizado com a plataforma DJIGUIT e utilizou o dispositivo de visão noturna MOWGLI. No dia 21 de outubro, ocorreu o disparo diurno, com a presença de diversas autoridades militares e civis.

FONTE/FOTOS: EB/1ª BDA AAAe

CONHEÇA O SEU EXÉRCITO: A 1ª Brigada de Artilharia Anti-Aérea (1ª BDA AAAe) possui sua sede na cidade do Guarujá, litoral de São Paulo, sendo subordinada ao Comando Militar do Sudeste. Além do Comando 1ª Brigada de Artilharia Anti-Aérea, as unidades subordinadas à 1ª BDA AAAe são: 1º Grupo de Artilharia Antiaérea (Rio de Janeiro/RJ); 2º Grupo de Artilharia Antiaérea (Praia Grande/SP); 3º Grupo de Artilharia Antiaérea (Caxias do Sul/RS), 4° Grupo de Artilharia Antiaerea (Sete Lagoas/MG) e 11° Grupo de Artilharia Antiaerea (Brasília/DF).

Subscribe
Notify of
guest
34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fox Bravo
Fox Bravo
9 anos atrás

Caracas, estou assustado, o EB já possui este sistema IGLA há anos, somente agora depois de todo este tempo é que fizeram o 1º disparo real. Não testaram nenhum quando o armamento foi entregue pela Russia. Isso que é conter despesas.

Fox Bravo
Fox Bravo
9 anos atrás

Uma pergunta atiraram em que?
Fico pensando este tempo todo sem uso, em uma situação real e imediata, pode-se confiar no armamento que ficou este tempo todo guardado. E os artilheiros que nunca disparou a arma como fica sem treino dificilmente acertará o alvo.

proside
proside
9 anos atrás

Lamentável nossos sistemas de AAA.

emilson_GAC
emilson_GAC
9 anos atrás

legal, mais nao sei nao, o taliban ta mais preparado.

Fox Bravo
Fox Bravo
9 anos atrás

Ah sim Poggio, obrigado pelos esclarecimentos. Mas este simulador se não estou enganado começou a funcionar à poucos meses atrás.

Abs.

Bosco
Bosco
9 anos atrás

O míssil Igla é muito útil na defesa antiaérea e contando com o apoio de radares de vigilância e de visores noturnos há um ganho de flexibilidade e letalidade. Não sabia que o Brasil contava com um lançador tipo “pedestal” duplo para o Igla. Muito bom. Provavelmente pode ser instalado facilmente em uma viatura. Se tivéssemos um sistema de média altitude (BUK, SLAMRAAM, Spider, etc) e contássemos com quantidades adequadas de mísseis e lançadores Iglas, teríamos uma defesa antiáerea respeitável. Já sistemas como o TOR (eu prefiro o Pantsir) complementariam a defesa das forças de manobra. Os pontos estratégicos fixos… Read more »

Francisco AMX
Francisco AMX
9 anos atrás

È Bosco… mas só temos “isso” aí mesmo!….

Abraço mestre!

Francisco AMX
Francisco AMX
9 anos atrás

Para piorar a situação… mísseis como Igla e Stinger, são de baixo poder destrutivo… contra caças medianos temos que torcer para ter um efeito “positivo”… já contra Helis é mais promissor…

Sds!

DaGuerra
DaGuerra
9 anos atrás

O que é CZA? Interessante denominação para um exercício, qual o significado da expressão?

celso
celso
9 anos atrás

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK……..so rindo mesmo para tanto espetaculo e pouco resultado…me engana que eu gosto……KKKKKKKKKKKk

PS; depois de ver e elr q o tiririca foi alfabetizado em menos de 20 dias e que passou pelo teste frente a um Juiz vc querem o que hemmm ?????? Brasil, pais do futuro……..muito distante ainda.

Sds

Bosco
Bosco
9 anos atrás

Chicão, Nenhum país deveria contar só com mísseis portáteis, mas eles são indispensáveis por negar grandes volumes do espaço aéreo, caso contrário o atacante se sentiria impune. Com eles, há sempre a possibilidade de um tiro a queima roupa vindo não se sabe de onde. Realmente são armas de pequeno poder destrutivo, mas a miniaturização está realizando milagres com esses pequenos mísseis e no futuro serão bem mais letais. Havia um programa que visava dotar o Stinger de um “sistema de imagem térmica” que iria dobrar o seu alcance, aumentar em muito sua resistência às contra-medidas e possibilitaria inclusive ser… Read more »

Galileu
Galileu
9 anos atrás

Bosco
O stinger já é top (confiável) deixá-lo mais ainda seria o “canal” ahahah

Giordani RS
Giordani RS
9 anos atrás

Quando leio coisas assim, “o EB efetuou o primeiro isso, o primeiro aquele”…que só agora, anos e anos depois, fico pensando se os insanos generais argentinos tivessem levado a cabo a Operação Rosário, hoje, nós aqui no Sul estaríamos falando espanhol?
🙁

Marco Antonio
Marco Antonio
9 anos atrás

Bosco disse: 12 de novembro de 2010 às 13:19 Falou tudo, Bosco. Projetou os sistemas necessários para termos uma AAAe respeitável, dentro da realidade brasileira. Nada de megalomania. Poderíamos começar por mais Igla’s e intensificar o desenvolvimento dos radares nacionais (mais investimento). Duas pergunta pra ti, Bosco (ou outro colega que tenha informações/ conhecimento do assunto): 1) Como você avalia o nosso inventário de peças de AAAe (canhões)? Que sistemas sugere? 2) Você considera viável uma parceria com a África do Sul para o desenvolvimento dé sistemas de mísseis de médio alcance, visto que temos a parceria na área de… Read more »

João Paulo Caruso
João Paulo Caruso
9 anos atrás

Pelo que leio as chances de derrubar um caça com uma arma dessas são quase despresíveis.
Mas ter centenas de mísseis desses restringe muito as táticas de operação dos helicópteros inimigos e assim se ganha um tempo precioso em situações de combate combate.

Nick
Nick
9 anos atrás

Caro Bosco,

Algumas dúvidas:

Qual seria o alcance desses misseis??

Eficiente contra misseis de cruzeiro/bombas planadoras??

Desde já agradecendo 🙂

[]’s

Mauricio
Mauricio
9 anos atrás

Giordani RS a operção rosário não tem nada a ver com o sul, mas sim com as malvinas…
rs

Bosco
Bosco
9 anos atrás

Nick, O alcance nominal do Igla deve ser de 5 km, mas o alcance real, que é dependente do sensor térmico já que ele só opera no modo LOBL (travamento antes do lançamento) é menor, na faixa de 3000 metros e até menos, levando em conta o tipo de alvo (assinatura térmica) e as condições atmosféricas, entre outras variáveis. Parece pouco, mas é igual a de um canhão de 30 ou 40 mm que pesa algumas toneladas enquanto todo o sistema Igla não passa de 20 kg. Quanto a ser eficiente contra mísseis de cruzeiro só se fizer parte de… Read more »

Vader
9 anos atrás

Poggio, essa série tá muito bacana, parabéns.

Giordani RS
Giordani RS
9 anos atrás

Mauricio disse:
12 de novembro de 2010 às 17:13
Giordani RS a operção rosário não tem nada a ver com o sul, mas sim com as malvinas…
rs

Ops,
Perdoe-me. Deixe-me reparar este pequeno equívoco.

Plano rosario = invadir e anexar a região Sul do Brasil
Operação rosario = invasão das Malvinas

Os militares argentinos da época negam que tal plano existisse, mas nunca o desmentiram. E onde há fumaça…

Sds.

Bosco
Bosco
9 anos atrás

Pessoal,
Olha o manual do Igla:
(https://doutrina.ensino.eb.br/Manuais/C%2044-62.pdf)

Bosco
Bosco
9 anos atrás

Galileu,
mesmo sem ter ido pra frente o projeto do Stinger II com orientação por formação de imagem térmica, o míssil é sem dúvida altamente avançado, tanto é assim que seu seeker foi o escolhido para o míssil antimíssil da USN, o RAM. Ou seja, o Stinger é algo mais que um simples MAMPADS guiado por calor e sem dúvida suas versões mais atuais está um passo a frente do Igla.
O Stinger, mesmo não tendo seeker de formação de imagem, consegue atingir alvos no solo em situações excepcionais.
Veja: (http://www.youtube.com/watch?v=YbmiAq7pXQE&feature=player_embedded)

Um abraço.

Bosco
Bosco
9 anos atrás

Esse vídeo do YouTube mostra como pode ser mortal um míssil portátil termoguiado, onde o tempo de reação é mínimo.
O míssil do vídeo é o Igla.
Altamente perturbador por ser real e sem dúvida ter levado a perdas humanas, lamentavelmente.
(http://www.youtube.com/watch?v=FZnGc_MBm1U&feature=related)

Paulo Costa
Paulo Costa
9 anos atrás

Este reparo apareceu pela primeira vez em um treino
em Boa Vista RR,em uma operação conjunta do Exercito ,e Fab.Neste topico do treino foi dito que as armas de cano hoje em dia contra jatos tem eficiencia media de 5%,
e os misseis em torno de 50%,operando em conjunto com
radares e mais faceis de deslocar tambem.Tambem ja
existe um simulador para treino e taticas ja operativo,que deve ser um de muitos em varias regiões do pais.

dod
dod
9 anos atrás

so falta o armamento pq treinamento ja tem valeuuuuu
parabens EB

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

“Você considera viável uma parceria com a África do Sul para o desenvolvimento dé sistemas de mísseis de médio alcance,…”

Poderíamos ressucitar a tecnologia da antiga EDT Fila, sem a Avibrás claro pois estas não nos faz a mínima falta hoje em dia, atualiza-la e casa-la c/ o Piranha ou o A-Darter da Denel, adicionando algum canhão na faixa dos 20-25mm; tal como no Adats.
Pelo menos teríamos um sistema nacional e não estaríamos gastando grana c/ sistemas russos, que não duram 1 segundo sequer em pé qndo confrontados por ecm de boa qualidade.

Marco Antônio
Marco Antônio
9 anos atrás

Bosco disse:
12 de novembro de 2010 às 18:49

Muito obrigado pela aula, progessor Bosco!!!!!
Um abraço.

Mauricio R. disse:
13 de novembro de 2010 às 11:07

Era este o sentido da minha pergunta, Maurício R.

Alguém sabe se é possível a adaptação do A-Darter para disparo a partir do solo?

Uma parceria Denel/Avibrás seria bastante salutar.

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

“Uma parceria Denel/Avibrás seria bastante salutar.”

Não, de maneira alguma.
Salutar p/ a Avibrás seria esta seria viver da venda de seus produtos.
Como isto não anda acontecendo, então salutar seria a Avibrás arrumar um sócio, se reestruturar e aí passar a viver da venda de seus produtos e não se encostar no governo federal.
Não se portar como alguma Varig da vida, que sabe-se lá por quais motivos inconfessáveis não possa falir, pois fabricar material bélico não é motivo.
Deveria portanto, seguir o próprio exemplo da Denel.

Seal
Seal
9 anos atrás

Mais fotos da vista frontal deste reparo duplo do Igla em um exercícico realizado em Boa Vista Roraima.

https://www.defesanet.com.br/imagens/01_abertura/banners/20100802,diplomacia,militar,sky.jpg

Seal
Seal
9 anos atrás

Ooops! mandei o link errado.

http://www.defesanet.com.br/md1/mil_dipl_2.htm

Deivid
Deivid
9 anos atrás

Senhores estes misseis,estão no EB justamente para serem usados contra Helicopteros e não contra caças!!!

Sopa
Sopa
9 anos atrás

Nossa, nem luva os soldados tem !!!