Home Diplomacia Sakineh é libertada, diz ONG

Sakineh é libertada, diz ONG

93
0
Comitê Internacional Contra o Apedrejamento diz que iraniana está livre; Irã não confirmou.

Genebra – A iraniana Sakineh Mohamadi Ashtiani, condenada à morte por adultério e cumplicidade na morte do marido, teria sido libertada, informa o Comitê Internacional contra Execuções. A informação ainda não foi confirmada pelo governo do Irã.
Televisão estatal iraniana divulgou fotos da iraniana em liberdade.

Segundo o jornal espanhol El País, o filho da iraniana, Sajjad Ghaderzadeh, e seu advogado, Javid Houtan Kian, presos por fazer campanha contra a prisão de Sakineh, também foram libertados. A televisão estatal iraniana transmitiu um trecho prévio de um programa especial que será veiculado nesta sexta sobre Sakineh. A previsão é que a libertação seja confirmada no programa.

Ainda de acordo com o jornal espanhol, dois jornalistas presos por envovimento com o caso também foram soltos. Fontes iranianas afirmaram que a libertação foi realizada mediante pagamento de fiança, embora a quantia não tenha sido informada.

Pressão

“A libertação só ocorreu por causa da pressão internacional, disse Mina Ahadi, presidente do Comitê Internacional contra Execuções, com base em Berlim, e que atua como uma espécie de representante de Sakineh na Europa.

“Estou certa de que esse dia estará escrito nos livros de história do Irã, se não nos livros de história de todo o mundo, como uma data da vitória dos direitos humanos”, disse ela ao jornal britânico The Guardian.

Entre as pessoas citadas pela ativista como fundamentais nas pressões pela libertação de Sakineh está o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Ele foi importante nesse processo e o fato de que Dilma (Rousseff) tenha sido ainda mais forte em suas críticas também ajudou muito”, afirmou Mina, uma iraniana refugiada, ao Estado.

Lula chegou a oferecer asilo a Sakineh, mas, há apenas duas semanas, o Brasil se absteve em uma votação de uma resolução na Organização das Nações Unidas (ONU) que condenava o Irã por apedrejamento. Dilma criticou o voto do Itamaraty e disse não compartilhar da opinião.

Mina, porém, alerta que se a batalha foi vencida, “a ainda guerra não”. Um total de 26 pessoas ainda aguardam nas prisões iranianas para serem executados por apedrejamento. “Temos de lutar para isso nunca mais ocorrer”, afirmou.

Sakineh chegou a aparecer em uma TV admitindo seus crimes e o governo do Irã insistiu que a comunidade internacional estava politizando o assunto para pressionar Teerã. O Irã chegou a sugerir que o Ocidente liberasse de suas prisões “todos os assassinos” e alertou que não aceitaria nenhuma ingerência em seus assuntos domésticos.

O governo iraniano fez questão de lucrar com a libertação. O anúncio da libertação foi anunciada um dia antes do Dia Internacional dos Direitos Humanos e fotos da iraniana e de seu filho foram divulgadas. Na sexta será exibida uma reportagem sobre a iraniana em um dos principais programa da televisão iraniana, quando a libertação de Sakineh deverá ser confirmada. Um canal, porém, afirmou que o programa terá o objetivo de “provar a culpa” de Sakineh.

O caso

Sakineh foi condenada em 2006 por manter relações com dois homens após ficar viúva, o que, segundo a lei islâmica, também é considerado adultério. Ela foi condenada a 99 chibatadas. Depois, esta pena foi convertida em morte por apedrejamento.

Em julho deste ano, seu advogado Mohammad Mostafaei tornou público o caso em um blog na internet, o que chamou a atenção da comunidade internacional. Perseguido pelas autoridades iranianas, ele fugiu para a Turquia, de onde buscou asilo político na Noruega.

A sentença de apedrejamento foi suspensa, mas ainda pode ser retomada pela Justiça. Um tribunal de apelações acrescentou ao caso a acusação de conspiração para o assassinato do marido, da qual ela continua condenada a morte por enforcamento.

O Irã raramente realizou execuções por apedrejamento nos últimos anos. Em 2009, porém, o país executou 388 pessoas, ficando atrás apenas da China, segundo dados da ONG Anistia Internacional. A maioria delas foi enforcada.

FONTE: Estadão On-line

NOTA DO FORTE: Apenas três dias após a Presidente Dilma ter declarado, com grande repercussão positiva internacional, que o apoio do Brasil ao Irã foi um erro, Sakineh foi libertada.

Vários esforços internacionais se mostraram infrutíferos para libertar Sakineh, apesar de suas relevâncias, mas após o governo de Armadinejad tentar, sem sucesso, relativizar as críticas de nossa Presidente, o Irã cedeu às pressões internacionais.

Teria sido apenas uma coincidência essa libertação, logo após as declarações de Dilma, ou a crítica veemente de nossa Presidente teve grande valor significativo, tornado a posição intransigente do Irã insustentável?

Caso a nossa indagação seja verdadeira e  se for confirmada essa importante libertação, seria notório o fato de a nossa Presidente Dilma nem ter assumido a presidência e já está influenciado o cenário da política internacional, nesse caso específico, ao não tergiversar, de maneira abjeta, atos de violência contra os direitos humanos.

ATUALIZAÇÃO: Irã nega a libertação de Sakineh, ela foi à sua casa apenas para fazer uma reconstituição do crime do qual sofre acusação, que é o assassinato de seu marido.

Apesar de as declarações de Dilma terem gerado sérias preocupações no Irã, aquele país mantém Sakineh presa, contudo o governo iraniano,  visando diminuir as pressões internacionais, parece estar preocupado em demonstrar que a acusada, também, é uma assassina e não apenas uma adúltera.

VEJA TAMBÉM:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of