Home Noticiário Internacional EUA veem Brasil ingênuo e hesitante na ONU

EUA veem Brasil ingênuo e hesitante na ONU

109
5

José Meirelles Passos

RIO – A julgar pelo conteúdo de uma série de documentos confidenciais do governo dos Estados Unidos, o Brasil não vai contar com o apoio – e o voto – dos americanos para realizar um sonho que persegue com determinação: conseguir um assento permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas. As autoridades americanas consideram o Brasil “cauteloso regionalmente, e hesitante globalmente”.

“Se a rápida emergência do Brasil no cenário global é inquestionável, também é verdade que ele ainda é muito emergente”, diz um dos telegramas. Outro reforça: “O Brasil já falhou amplamente em assumir um papel de liderança internacional que o tornaria um forte candidato para tal posição. O seu último período (como membro temporário) no Conselho de Segurança da ONU, que terminou em janeiro de 2006, foi caraterizado pela cautela e equívocos em vez de visão e liderança”.

Um pacote de 37 telegramas produzidos pela embaixada dos EUA em Brasília, entre abril de 2004 e janeiro de 2010 – disponibilizados ao GLOBO pelo WikiLeaks – mostra essa missão diplomática sugerindo ao Departamento de Estado e à Casa Branca que o Brasil não está preparado para assumir aquela responsabilidade. Os despachos listam uma série de pontos negativos. Afirmam, por exemplo, que o governo brasileiro não tem a menor idéia do que acontece, de fato, no Oriente Médio. Suas posições ali são tidas como “ingênuas”.

Algo que influi na avaliação americana é o estilo brasileiro de preferir o diálogo ao confronto. “O Brasil frequentemente permanece reticente em tomar posições firmes em assuntos chaves globais, e geralmente procura maneiras de evitá-los. Com muita frequência o governo brasileiro evita posições de liderança que poderiam exigir que escolhesse lados abertamente”, diz outro documento, acrescentando que quando o Brasil está em posição de evidência demonstra desconforto.

O fato de o país geralmente se abster, nas votações da ONU, sobre abusos aos direitos humanos no Irã, Coréia do Norte e Sudão também é apontado como atitude que não o recomenda para o Conselho de Segurança. Os EUA ironizam o Brasil ao defini-lo como o país que acha que “pode falar com todo mundo”, devido ao estilo do Itamaraty de procurar manter-se neutro e buscar saídas via negociação.

“Esse gosto pelo diálogo, junto com o respeito pela soberania e a intervenção em assuntos internos (de outros países)”, diz um documento, “fazem com que se torne mais difícil ao país permanecer fiel a esses princípios, e fica mais difícil esconder as suas inconsistências, à medida em que o Brasil participa num crescente número de arenas internacionais”.

Um dos telegramas diz que o fato de o governo Lula ser, de muitas formas, pragmático mas “cultivar uma forte ideologia esquerdista em política externa” mostram que o país não é confiável. “Isso, junto à histórica reticência do Itamaraty em adotar posições controvertidas, e a quase obsessiva preocupação com a imparcialidade, frequentemente leva o Brasil a adotar posições em situações chaves que consideramos desapontadoras”.

Os documentos registram um claro ressentimento dos EUA em relação ao Brasil. “Grande parte da elite da política externa brasileira permanece cautelosa e desconfiada em relação aos EUA”, diz um deles. Embora ambos governos declarem que existe uma parceria estratégica entre eles, os americanos desmentem isso nos bastidores: “O engajamento (do Brasil) com os EUA tem sido pragmático, em vez de estratégico”. E se queixam: “Ao procurar por parceiros estratégicos o Brasil está mostrando clara preferência por outras forças emergentes ‘independentes’, como África do Sul, Turquia, Ucrânia, Irã, China, Índia; e uma potência mundial independente: a França”.

Submarino nuclear é chamado de baleia branca

O governo americano acha que a insistência do Brasil em produzir um submarino nuclear tem menos a ver com a proteção das plataformas de petróleo pré-sal, como argumentou oficialmente o ministro da Defesa, Nelson Jobim, e mais com o fato de que os cinco países que hoje têm assento permanente no Conselho de Segurança da ONU possuem tal equipamento. Ao mencionar o assunto, os americanos caçoam dessa pretensão.

“Essa baleia branca do Brasil pode, no final das contas, encalhar nos recifes de desafios técnicos e excesso de custos”, diz um telegrama. E completa: “Na verdade, um submarino nuclear não melhoraria a segurança do Brasil, mas serviria como um duvidoso impulso para o machismo nacional”.

FONTE: O Globo

5
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
5 Comment authors
WagnerRodrigoObservadorlprsilva_paulofvj Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
paulofvj
Visitante
Member
paulofvj

Amo meu país.
A verdade é essa, não existem atalhos.
Para que queremos um assento na ONU, se não sabemos tomar descisões (exemplo básico é a escolha do FX). Equipamos nossas forças armadas com o intuito não de defesa e sim de fazer vitrine.

lprsilva_
Visitante
lprsilva_

Nossos chefes se auto-fizeram uma lavagem cerebral nos últimos anos… tipo ”Brasil potência, Brasil potência, Brasil potência”, acharam que o mundo ia se dobrar diante do ”Gigante do Sul” ou que ficariam facinados com sua forma ”alternativa e sábia ” de ver o mundo e se alinhar, foram fazendo meleca em cima de meleca… olharam pra traz e viu que ninguém estava seguindo eles, o gigante do sul… Se fecharam no mundo vermelho e ”lindo” esqueceram a realidade…. Aí vem uma colocação dessa sobre nós e já falam ”ta vendo eles são maus!! bobos e feios”. Acharam que estavamos no… Read more »

Observador
Visitante
Member
Observador

Senhores, O buraco é muito mais embaixo. A minha esperança é que o governo atual – apesar de ser do mesmo partido – mude o rumo da política externa brasileira, a qual vem sendo um completo desastre. O pior é que não é hesitante: é contraditória e hipócrita. Quer entrar no CS pelo discurso da defesa dos países fracos e marginalizados. Nossos diplomatas viraram um bando de tolos. Para começo de conversa, no mundo de hoje um país só é marginalizado porque quer, ou melhor, porque seus líderes querem. Basta que um país viva sob um regime autoritário, corrupto, beligerante,… Read more »

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

É bom que os gringos nos vejam assim, pois reconhecem a importância e tamanho do Brasil. O problema está aqui dentro no nosso Governo, na nossa cultura que é tolerante com a corrupção, descaso e etc. O estrago que o “Itamaraty do B”, na minha visão será rapidamente deixado para trás caso a atual gestão seja eficiente. Para mim, isto não significa um alinhamento automático com os gringos, grays ou quem aparecer. Sou um fã do modelo chinês, indiano, coreano do sul de desenvolvimento, não de Governo. São países que vão conquistando avanços substanciais, com o passar do tempo e… Read more »

Wagner
Visitante
Member
Wagner

Bobagem !! Somos uma potência !! temos ago9ra 30 milhões na classe média !! Todos agora podem comer frango !! Ninguém mais aqui tem vergonha de morar na favela !! Nunca antes na história desse país tivemos uma economia tão perfeita ! Eu acredito em tudo o que o governo diz !!! Então, se somos uma potência, eu ouvi na voz do Brasil, táá !!! Com as noassas mais modernas fragatas inglesas dos anos 70, com nossos mais modernos f 5 , nossos tanques sobre rodas de última geração da engesa !!! AH AH AH AH AH AH AH !!!!!… Read more »