Home Apoio Aéreo Aproximado Ataques da coalizão minaram forças de Kadafi, diz Pentágono

Ataques da coalizão minaram forças de Kadafi, diz Pentágono

93
0

Os ataques das forças de coalizão enfraqueceram as forças leais ao ditador líbio, Muamdar Kadafi, declarou nesta sexta-feira um alto funcionário do Pentágono, o vice-almirante Bill Gortney. Segundo ele, devido ao enfraquecimento, o ditador agora fornece armas a “voluntários” civis para que confrontem os rebeldes.

“Recebemos informações de que [Kadafi] começou a armar o que chama de voluntários para combaterem a oposição”, afirmou Gortney, do Estado-Maior americano, em uma coletiva à imprensa.

“Não estou certo de que sejam realmente voluntários, e também não sei quantos ele vai conseguir recrutar, mas considero revelador que ele julgue necessário buscar reforços entre os civis”, acrescentou.

O Exército líbio está bastante prejudicado, de acordo com o vice-almirante: “Kadafi quase não tem mais defesa anti-aérea e conta com uma capacidade reduzida de comandar e apoiar suas tropas em solo”.

“Seus aviões não podem mais voar, seus navios permanecem no porto, seus depósitos de munições continuam a ser destruídos, as torres de comunicação foram abatidas, os bunkers de comando foram inutilizados”, explicou o vice-almirante.

Forças da coalizão lançaram 16 mísseis de cruzeiro Tomahawk e realizaram 153 incursões aéreas sobre a Líbia nas últimas 24 horas, visando atingir a artilharia e as infra-estruturas de comando das forças leais ao ditador Muammar Kadafi, disse uma porta-voz do Exército norte-americano nesta sexta-feira.

Além dos Tomahawks, as forças da coalizão usaram quatro JDAMs — bombas guiadas por GPS — contra as forças militares do ditador, segundo Nicole Dalrymple, porta-voz do Comando para a África dos Estados Unidos, sediado na Alemanha.

Um avião norte-americano realizou 67 incursões aéreas, enquanto as outras 86 foram realizadas pelas outras equipes da coalizão. Os números registrados para um período de 24 horas até às 3h (horário de Brasília), disse Dalyrymple.

Aviões

Aviões ocidentais sobrevoaram Ajdabiyah (leste de Trípoli) nesta sexta-feira, e segundo rebeldes, bombarderaram as forças de Gaddafi na região.

Duas fortes explosões foram ouvidas perto da cidade, que é controlada pelos partidários do ditador, e foram observadas grandes colunas de fumaça. Não foi possível, no entanto, determinar a origem das explosões.

Segundo depoimentos de testemunhas ouvidas pela France Presse, rebeldes executam ataques cada vez mais frequentes na região de Ajdabiyah, tentando recuperar o controle da cidade estratégica, que fica 160 quilômetros ao sul de Benghazi, principal reduto dos insurgentes.

Cerca de 2.000 fieis compareceram às orações de sexta-feira em Benghazi. O imã que liderou a reza pediu solidariedade aos moradores das cidades controladas por Kadafi, e disse que a revolta popular será bem-sucedida. “A nova Líbia deve ser democrática. Não precisamos de um novo Kadafi”, disse o líder religioso.

Sequestros

Também hoje, um porta-voz rebeldes disse que forças do governo líbio sequestraram e espancaram moradores de Zawiyah desde que recapturaram a cidade próxima da capital, Trípoli, há duas semanas.

“Os batalhões (de Kadafi) montaram barreiras em cada esquina e rua da cidade,” disse, por telefone, o porta-voz Ibrahim, em Zawiyah.

“Eles sequestram homens jovens ou velhos, qualquer pessoa que tenha menos de 50 ou 60 anos, quer seja um engenheiro ou um simples operário da construção, e as pessoas são levadas para um lugar desconhecido,” disse o porta-voz, pedindo para ser identificado apenas pelo primeiro nome.

“Milhares de pessoas desapareceram assim desde que os batalhões tomaram a cidade,” disse ele à Reuters nesta sexta-feira.

Não foi possível confirmar independentemente o relato, já que o governo líbio restringe os movimentos nos territórios que controla.

Mohsen, de 35 anos, que na quarta-feira fugiu de Zawiyah, cidade a 50 quilômetros a oeste de Trípoli, também falou em sequestros e espancamentos.

“As lojas estão fechadas, e a situação humanitária está muito ruim. Os moradores têm medo de sair de casa. Há sequestros e espancamentos a toda hora,” disse Mohsen.

Negociações

Em Benghazi, o porta-voz dos rebeldes, Mustafa Geriani, afirmou que o regime de Kadafi tentou em várias ocasiões negociar com os opositores, mas que eles sempre o rechaçaram.

“Sempre pedimos que primeiro parem com os assassinatos para se sentar à mesa para dialogar”, disse.

Ele negou ainda que se tenha tido conversas com chefes tribais e que vão iniciá-las.

Ele afirmou ainda que o saldo de até 10 mil mortos nos confrontos pode ser maior. “Deve-se ver quando estes tipos forem embora, porque, por exemplo em Trípoli, de onde não temos dados, sabemos que 1.200 pessoas foram sequestradas em suas casas –ativistas políticos e gente originária de Benghazi– e podem ser usadas como escudos humanos”.

Ele lembrou ainda que em Benghazi, somente no final de semana passado, morreram 120 pessoas durante os confrontos.

FONTE: Folha.com / Agências Internacionais

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of