Home Armas de Fogo Novos armamentos para a Brigada Paraquedista do EB

Novos armamentos para a Brigada Paraquedista do EB

2073
19

 

No mês de outubro, o 1º Esquadrão de Cavalaria Pára-quedista foi designado pelo Centro de Avaliação do Exército (C A Ex) para realizar avaliação técnica do protótipo do Fuzil de Assalto 5,56 IMBEL A2, nas diversas situações de emprego operacional. O Fz Ass 5,56 IA2 foi projetado pela IMBEL destinando-se às Forças Armadas, Forças Auxiliares e à exportação.

 

Fonte: EB

19
Deixe um comentário

avatar
19 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
10 Comment authors
RequenajoseboscojrLuisUitinãMauricio R. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Sensacional a combinação de cano curto com mira telescópica (luneta)!!!

Bacchi

Bronco
Visitante
Bronco

A mira telescópica está ali, provavelmente, apenas para mostras as possibilidades de utilização dos trilhos picatinny para equipamentos.

Provavelmente o mais comum será ver as versões de cano curto sendo equipadas com miras red-dot (ou reflexivas), ou um pouco mais complexas, como, por exemplo, a Aimpoint H1 ou a Aimpoint M2.

No caso do EB, o mais comum será vê-los equipados com… deixe-me ver… hum… nada.

Pra mim, particularmente, o único ponto triste da foto é observar a insistência na utilização das granadas de bocal.

Vader
Membro
Trusted Member

Bela arma. Mas nada a ver essa luneta com o cano curto.

Marine
Membro
Member

Bronco,

Apenas uma pequena correcao. Miras fabricadas pela marca Aimpoint tambem sao comumente chamadas de “red dot sights”. Nao confundir com miras do tipo “Reflex”.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Tá aí uma arma da qual sou fã, a granada de bocal!!!
Acho mais interessante, que esse “troço” americano de 40mm.
Mas esse caninho não tá c/ nada, mesmo.

Marine
Membro
Member

Materia sobre miras oticas no blog Forte:

http://www.forte.jor.br/2009/07/13/miras-oticas/

Marine
Membro
Member

Mauricio,

Pois e, quantas grandas bocais o infante pode levar pra cada granada de 40mm? Ja notou a diferenca de tamanho da municao? Sem contar o fato de que o usuario de 40mm ainda conta com o fuzil e sua municao normal ao mesmo tempo, ja o bocal mesmo que momentaneamente inutiliza o fuzil.

Sds!

Bronco
Visitante
Bronco

Obrigado, Marine. É que eu, comumente, vejo as miras reflex serem chamadas de “red dot”, ou mesmo “green dot”, no caso de usarem um ponto verde (em vez do vermelho) no centro da mira do tipo HUD. Quando falei das miras mais simples, ideais para combates próximos e armas de cano curto muito utilizadas na infantaria leve/móvel/aeromóvel, estava me referindo justamente às reflex, que também utilizam o ponto vermelho no auxílio ao atirador. De qualquer forma, acho difícil ser difundida no EB a utilização ampla de equipamentos do tipo, especialmente pelo custo. Aliás, se já será difícil ver por aqui… Read more »

Vader
Membro
Trusted Member

Pois eu fui infante, atirei com granada de bocal, e lhes afirmo sem a menor sombra de dúvidas que é a arma mais bizonha que existe. Dá tanto trabalho e é tão complicada que imagino que, no calor de um combate, 100% dos infantes irão preferir pular no inimigo à baioneta do que: 1. Parar; 2. Retirar o carregador; 3. Realizar o procedimento de segurança (dois “golpes”); 4. Deixar o ferrolho aberto; 5. Procurar nos embornais a munição correta para a granada de bocal; 6. Girar o obturador do cilindro de gases para a posição correta (“no escape”); 7. Inserir… Read more »

Uitinã
Visitante
Uitinã

Eu gostei muito de todas as versões do IA essa versão dos paraquedistas ficou muito maneira também, mesmo com essa mira ter ficado esquisito, sobre as granadas de bocal parece que os fuzis vão poder tanto atirar ela quanto a de 40 mm. O que já está de bom tamanho, as granadas de bocal são mais potentes podendo inclusive parar um blindado leve, além do mais o infante não ia parar na frente, da linha inimiga pra poder atirar e claro que ele ia procurar uma boa posição pra disparar com segurança, pois isso de atirar a esmo correr de… Read more »

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Interessante o nome “granada de bocal”!!! Os anglo saxões chamam de “rifle grenade” (granada de fuzil) que é um nome mais apropriado. Sim, porque hoje (desde ha muito tempo) não se usa mais o bocal para disparar as granadas. O exército brasileiro usava antes da 2ª GM (se não me engano – li isto no manual do tiro de guerra de meu tio Manuel Rodrigues da Silva em 1942) o bocal VB do exército francês. Este bocal permitia o uso de munição normal (as granadas de fuzil atual – e mesmo algumas antigas – usam para o disparo, a munição… Read more »

Vader
Membro
Trusted Member

Pô Bacchi, essa da granada de bocal com furo no centro eu não sabia. Quanto ao nome, só consultando os alfarrábios, rs…

Tem mais um problema na granada de bocal: como seu recuo é violento, há a probabilidade de seu tiro causar danos estruturais irreversíveis no fuzil, notadamente no cano. E se o cano “entortar” o infante pode ter uma péssima surpresa da próxima vez que for usar o fuzil “normalmente”…

Caro Uitinã, se acertar um alvo “parado” com granada de bocal já é tarefa inglória, imagine um em movimento…

Saudações.

Luis
Visitante
Luis

Granada de bocal é peça de museu. No EB as FE já usam M4 com o M203 acoplado. E eu ainda preferia que fosse adotado o HK G36 para substituir o FAL.

Bosco Jr
Membro
Noble Member
Bosco Jr

Há muito tempo li em uma revista dessas nacionais da década de 80 sobre “armamentos”, que as granadas de bocal já não precisavam mais de um cartucho específico para serem lançadas e aceitavam o cartucho convencional, já que as granadas vinham com o que, salvo engano, é chamado de “retém-projetil” ou “agarra-projetil”, ou coisa parecida.
É o tal “furo” .
Além de facilitar a vida do combatente, ainda melhorou a segurança já que não é mais perigoso se o infante trocar as “bolas”.

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

Err…

Granadas de bocal modernas, tem bullet-trap, que podem ser usadas até c/ traçantes.
Foi-se o tempo, em que era necessário o cartucho blank.
E isso nem era exclusivo da FN, outros como MERCAR, IMI, Luchaire, tb tinham seus próprios modelos.
Ah, a FN tinha um outro tipo dessas granadas, era a “TELGREN” (telescoping rifle grenade), fisicamente bastante parecidas c/ as granadas americanas de M-79 e M-203; mas que tinha “rabo”.

Marine,

As granadas de 40 X 46mm, dependem de um M-203 atado ao rifle, ou de um M-79.
As granadas de bocal, c/ bullet trap, não.

rsbacchi
Membro
Member
rsbacchi

Peço desculpas pela minha afirmação sobre a granada de fuzil da FN.

Eu acho que é com Bullet Trap, e não furada para passagem do projetil.

Eu fui levado a esta conclusão pela granada furada do bocal VB.

Desculpem a minha bola fora.

Bacchi

Requena
Visitante
Member
Requena

Fiquei feliz com a notícia.
Aos poucos o novo fuzil do EB vai virando realidade.

Pode parecer pouco para alguns mais exigentes.
Mas diante da “boa vontade” dos nossos políticos é um avanço gigantesco!

Vader
Membro
Trusted Member

joseboscojr disse:
5 de novembro de 2011 às 19:15

e

Mauricio R. disse:
6 de novembro de 2011 às 2:12

Prezados, se existe o tal “bullet-trap” eu não sei. Mas sei dizer que, se existe, esqueceram de avisar o EB. 😉

Pois lá dentro nunca vi; nem mesmo ouvi falar dessas tais “granadas modernas”.

Abs.

PS: ainda assim penso que para atirar com o FAL seria necessária a mesma operação no obturador do cilindro de gases. O que torna o negócio bastante pouco prático, de qualquer maneira.