Home Direitos Humanos Veto na ONU dá a Assad ‘licença para matar’ na Síria, diz...

Veto na ONU dá a Assad ‘licença para matar’ na Síria, diz oposição

87
5

Rússia e China deram ao governo sírio “licença para matar” com o veto à proposta de resolução da ONU, segundo ativistas da oposição.

 

O Conselho Nacional Sírio (CNS), que reúne diversos grupos contrários ao governo, pediu que Moscou e Pequim reconsiderem a decisão.
“O CNS considera ambos os países responsáveis pelo agravamento das mortes e genocídio, e considera este passo irresponsável uma licença para que o regime sírio mate sem ser responsabilizado”, disse uma declaração divulgada pelo grupo.
A ativista iemenita e vencedora do prêmio Nobel da Paz Tawakul Karman também afirmou que os dois países passaram a ter responsabilidade moral pelas mortes na Síria.
Rússia e China, membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, rejeitaram a proposta de resolução que defendia “uma transição política, liderada pela Síria, para um sistema político democrático e plural”.

‘Indignados’

O veto já havia sido duramente criticado por diplomatas ocidentais, que se disseram “indignados” e “horrorizados” com a rejeição do texto.
A proposta de resolução – que contava com o apoio dos outros 13 integrantes do Conselho e da Liga Árabe, representante dos países da região – era considerada por analistas como o esforço mais importante feito até agora pela ONU para solucionar a crise na Síria.
A decisão aconteceu em um dos dias mais sangrentos desde o início do levante contra o governo de Bashar al-Assad, há 11 meses.
Grupos rebeldes e ativistas dizem que um ataque militar contra a cidade de Homs na madrugada de sábado teria deixado dezenas de civis mortos.
Um grupo de oposição disse ter conseguido confirmar 62 vítimas fatais na cidade, enquanto outras organizações falaram em mais de 200.
A mídia estatal síria negou que tenha havido uma ofensiva militar em Homs e acusou a oposição de ter inventado os ataques. A imprensa oficial também elogiou o veto de Rússia e China, alegando que ele será um incentivo para as reformas políticas prometidas pelo governo.

Aliados

A Rússia é o principal aliado da Síria no Conselho de Segurança da ONU e já tinha afirmado que iria vetar a resolução.
O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, criticou a proposta de resolução da ONU que, segundo ele, tinha medidas apenas contra o presidente Bashar al-Assad e não previa punições aos grupos de oposição armados.
Lavrov deve se reunir com Bashar al-Assad em Damasco na terça-feira, junto com o chefe do Serviço de Inteligência Internacional da Rússia, Mikhail Fradkov.
Mohammed Loulichki, embaixador do Marrocos na ONU e único membro árabe do atual conselho da ONU, afirmou que estava profundamente “decepcionado” com o veto de Rússia e China à resolução.
A embaixadora americana na ONU, Susan Rice, afirmou que o veto foi “vergonhoso” e mostrou que os russos e chineses “protegem um tirano”.
“Qualquer derramamento de sangue estará nas mãos deles”, acrescentou Rice.
O enviado da Grã-Bretanha à ONU, Mark Lyall Grant, afirmou que os britânicos estão “chocados” com a rejeição da resolução.
“É um dia triste para o conselho, um dia triste para todos os sírios e um dia triste para a democracia”, disse o embaixador francês na ONU, Gerard Araud.
A ONU parou de estimar o total de mortos durante os confrontos na Síria quando o número chegou a 5,4 mil, em janeiro, alegando que era muito difícil confirmar os dados.
O governo sírio diz que pelo menos 2 mil integrantes das forças de segurança foram mortos “lutando contra gangues armadas e terroristas”.

FONTE: BBC Brasil / FOTO: AFP

5
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
ObservadorDrcockroachAlmeida Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Almeida
Visitante
Almeida

Só nossos diplomatas acham que o Conselho de Segurança da ONU serve para alguma coisa. Não bastasse este antiquado e ineficiente modelo de cadeiras permanentes com poder de veto, ninguém respeita suas resoluções de qualquer maneira, vide Israel e os EUA.

Almeida
Visitante
Almeida

E os pseudo esquerdistas adoradores da antiga URSS se regozijam atrás de seus teclados e do conforto que o capitalismo lhes proporciona rsrsrs

Drcockroach
Visitante
Drcockroach

A situacao eh complicada. Apoiei a intervencao na Libia baseado “Responsability to protect” a populacao, mas tb sabemos que o que era p/ ser protecao do espaco aereo virou derrubada do escroto do Gadhaffi. Agora nao eh surpreendente que a China e Russia nao queiram votar novas resolucoes, mesmo que menores. A Siria eh um pais relativamente secular, com os cristaos respeitados e, mesmo as mulheres mulcumanas usam biquinis, tem liberdade, etc. A “democracia” do Iraque expulsou praticamente todos os cultos nao mulcumanos, e a imposicao de valores obscuros pela maioria aconteceu. Existe uma visao deturpada de democracia, na qual… Read more »

Observador
Visitante
Member
Observador

Caro Dr. Barata,

A família Assad nunca se interessou pela transição para um regime democrático porque: 1) o poder e dinheiro viciam; 2) os valores democráticos não são valorizados pela população.

Se houvesse a mudança, seria a ditadura da maioria (sunita) contra a minoria de alauitas, cristãos ortodoxos e drusos, apenas 25% da população síria.

Como o exemplo do Iraque, a democracia pode ser o caminho mais curto para a opressão das minorias.

Drcockroach
Visitante
Drcockroach

Prezado Observador,

Concordo com seus comentarios.

[]s!