quarta-feira, agosto 17, 2022

Saab RBS 70NG

Ministro diz que satélite para banda larga também terá fins militares

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou nesta segunda-feira que o novo satélite que será construído para levar internet banda larga a regiões remotas do País também vai atender a fins militares. O satélite exigirá investimentos de R$ 750 milhões e vai ser desenvolvido pela Telebrás e pela Embraer.

O ministro explicou que o satélite vai permitir oferecer conexão de banda larga a municípios da região amazônica e outras áreas remotas difíceis de cobrir. “Temos um número muito grande de municípios e localidades em regiões mais afastadas onde a construção de cabos ou de tecnologia por rádio convencional encontra muitas dificuldades”, disse Bernardo.

Segundo a previsão do governo, além de ser utilizado no plano de universalização da banda larga, que prevê levar internet a 40 milhões de casas, o satélite vai atender também as necessidades de comunicação das Forças Armadas. De forma paralela, o governo federal prevê ainda realizar nos próximos meses um leilão para conceder frequências de telefonia de quarta geração, para estender o acesso à internet de alta velocidade em dispositivos móveis antes de 2014, ano no qual o País sediará a Copa do Mundo.

O lançamento deverá ser realizado fora do Brasil porque as duas bases para o lançamento de foguetes do país (Alcântara e Barreira do Inferno) carecem da tecnologia para impulsionar um satélite até a órbita geoestacionária.

As autoridades brasileiras esperam pôr em órbita em 2013 outro satélite, desenvolvido em colaboração com a Ucrânia no Centro Espacial de Alcântara, no Maranhão. No entanto, segundo disse o ministro, o novo satélite de comunicações pesará quase 6 t e vai superar a capacidade do centro.

O Brasil domina a tecnologia para a fabricação de satélites desde 1985, ano em que lançou o primeiro satélite de comunicações da América do Sul, propriedade da então companhia estatal Embratel. O País possui dois satélites para a coleta de dados ambientais e outros três que compartilha com a China, também destinados a fins científicos.

FONTE: Terra

- Advertisement -

1 COMMENT

Subscribe
Notify of
guest

1 Comentário
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nautilus
Nautilus
10 anos atrás

Dizer que os dois centros de lançamento brasileiros “carecem de tecnologia para lançamento de satélites geoestacionários” parece-me um eufemismo para “fomos irresponsáveis e não investimos no disenvolvimento de nossos veículos lançadores de satélites”…

Últimas Notícias

O Sistema de Defesa Aérea Israelense ‘Iron Dome’

Por Rodolfo Queiroz Laterza* DESENVOLVIMENTO E CONTEXTO OPERACIONAL Iron Dome é um sistema de mísseis de defesa aérea desenvolvido por duas...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -