quarta-feira, outubro 20, 2021

Saab RBS 70NG

Senado da Argentina começa a analisar proposta de expropriação de petrolífera espanhola

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Renata Giraldi*
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Em meio à polêmica sobre a expropriação pelo governo da empresa petrolífera espanhola YPF, o Senado argentino analisa hoje (17) a proposta de estatização, enviada pela presidenta Cristina Kircher. Pelo texto, 51% das ações da companhia serão expropriadas – dos quais o governo federal ficará com 26,06% e as regiões produtoras com 24,99% -, enquanto os restantes 49% serão responsabilidade das províncias (estados) nas quais a empresa atua.

A decisão foi anunciada ontem (16) por Cristina Kirchner que assinou decreto pedindo urgência na tramitação do projeto de lei no Congresso. Ela disse ainda que por 30 dias a empresa YPF ficará sob intervenção do governo e responsabilidade do ministro do Planejamento da Argentina, Julio de Vido.

Para a presidenta, a medida é urgente porque a Argentina, se mantiver a atual política de exploração de petróleo e hidrocarbonetos, será um “país inviável”. “[A Argentina] é o único país na América Latina que não maneja seus recursos naturais”, disse Cristina Kirchner. No entanto, ela disse que a medida não é de “nacionalização” e sim de “expropriação”.

Como exemplo, a presidenta mencionou alguns dos países que têm o controle da maioria dos recursos de hidrocarbonetos, como a Arábia Saudita, o Irã, a China, Venezuela, o México, Chile, Uruguai, a Nigéria, os Emirados Árabes Unidos, o Iraque, Kuwait e a Noruega. De acordo com ela, o governo do Brasil mantém 51% do controle das explorações no território brasileiro.

Poucas horas após o anúncio de Cristina, o primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, criticou a decisão e informou que tomará medidas para defender os interesses espanhóis. “O governo condena absolutamente o poder arbitrário de decisão argentina”, disse ele.

Em visita a Brasília, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, disse que ainda não dispunha de detalhes sobre a proposta argentina, mas que a considerava arriscada. Para ela, o ideal é o modelo atual de concorrência e do mercado de commodities.

FONTE: Agência Brasil / *Com informações da agência pública de notícias da Argentina, Telam/Edição: Graça Adjuto

- Advertisement -

10 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader
9 anos atrás

Agora a Argentina decretou seu retorno aos anos 60 de uma vez por todas.

Pobre povo argentino nas mãos desses Kirchner.

giordani1974
giordani1974
9 anos atrás

E para comemorar os 30 anos da Guerra das Malvinas, o que o gobierno faz? Invade outras terras! É a mesmissíma coisa que a junta militar fez! Unir o povo contra um inimigo exterior! aí o indivíduo fica pensando, em como pode, ainda, ter gente nesse continente que cai na lábia dos argentinos. E agora uruguay? Vai ficar defendendo eles “sobre soberania” ? O Futuro da argentina e do braZil é triste…populismo bolivariano-peron-kirchinismo lá e a volta do rei-sol aqui… Ah, podem anotar, para quem(como Eu) costuma ir para aquelas bandas de carro, já vão aumentar os preços dos combustíveis…podem… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Privatizar a Petrobrás….

a) centenas de milhares de petroleiros, tornados sindicalistas, teriam que voltar a trabalhar de fato, deixando suas picuinhas sindicais de lado.

b) a Associação dos Engenheiros da Petrobrás, seria finalmente dissociada da empresa.

Privatiza, agora!!!

Vader
9 anos atrás

Ah sim, o Governo da Espanha, país dos donos da maior parte da YPF, classificou o ato como de um “governo ditatorial”. E já prometeu uma guerra jurídica na própria argentina.

Observador
Observador
9 anos atrás

É o CÂNCER incurável chamado peronismo que mantém enferma a Argentina.

Um país que tinha tudo para dar certo até a década de 50 do século passado. Daí Peron apareceu, fazendo a mesma coisa que “los K”: estatizou empresas estrangeiras, manipulou desastradamente a economia, afugentou investidores e fomentou os sindicatos, verdadeiras máfias a serviço do ditador.

Tudo igualzinho o que acontece hoje na Argentina.

A Argentina é o país-caranguejo.

só anda de lado.

giordani1974
giordani1974
9 anos atrás

Tá louco? Privatizar a petrobráX? Quer acabar com um cabidão ” dos bão???” 🙁

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

É isso aí, vamos dar fim ao “cabidão” e fazer esse povinho tdo, trabalhar!!!

dario_avalosf
dario_avalosf
9 anos atrás

Depois não entendem o por quê do Obama não ter tratado bem a Dilma durante a visita. Não sei como ele teve coragem de ir a cúpula das américas. Ainda com o problema do serviço sercreto, ele deu muita munição para o adversário. Tomara que o STF julge logo o mensalão e a CPI do cachoeira mostre a podridão do PT.

giordani1974
giordani1974
9 anos atrás

dario_avalosf disse:
18 de abril de 2012 às 11:24
Tomara que o STF julge logo o mensalão e a CPI do cachoeira mostre a podridão do PT.

Amém!

Observador
Observador
9 anos atrás

E o pior de tudo que a população argentina não aprende: estão todos comemorando a estatização da YPF como a “retomada da soberania”.

Em breve, a Argentina terá seu nome modificado para
KIRCHERSTÃO.

Agora, pior mesmo é a Agência Brasil (Brasil do PT, né?) insistir no uso deste aberro linguístico “presidenta”.

É presidenta para lá, é presidenta para cá. A Dilma deve estar “contenta”, e tem muito estudante e muita “estudenta” achando a palavra “excelenta”.

Este vocabulário é mais uma invenção do semi-analfabeto, o “Vosso Excelêncio”, Sr. Lula I.

Últimas Notícias

Colin Powell, líder militar e primeiro secretário de Estado negro dos EUA, morre após complicações da Covid-19

(CNN) – Colin Powell, o primeiro secretário de estado negro dos EUA cuja liderança em várias administrações republicanas ajudou...
- Advertisement -
- Advertisement -