domingo, dezembro 5, 2021

Saab RBS 70NG

Morte de um conto de fadas

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Por dois anos, a maioria das autoridades econômicas foi refém de uma doutrina destrutiva, a austeridade

 

Paul Krugman

Primeiro a boa notícia: as pessoas enfim começam a admitir que as medidas de austeridade não estão funcionando. Agora a má notícia: parece haver pouca probabilidade de mudança de rumo no curto prazo.

Abril foi o mês em que a fadinha da confiança morreu.

Pela maior parte dos dois anos passados, a maioria das autoridades econômicas na Europa e muitos políticos e sabichões nos EUA estiveram cativos de uma doutrina econômica destrutiva.

De acordo com ela, os governos deveriam responder a uma severa depressão econômica não da maneira que os manuais de economia recomendam -gastando mais para compensar a queda na demanda privada-, e sim por meio de austeridade fiscal.

Os críticos alertaram desde o começo que austeridade, em um momento de depressão, só agravaria ainda mais o problema.

Mas os “austeros” insistiam em que o oposto ocorreria. Por quê? Por causa da confiança! “Medidas inspiradoras de confiança fomentarão, e não prejudicarão, a recuperação econômica”, declarou Jean-Claude Trichet, então presidente do Banco Central Europeu (BCE).

Quanto à doutrina: apelos que mencionam as maravilhas da confiança teriam parecido naturais para o presidente Herbert Hoover -e confiar na fadinha da confiança funcionou tão bem para a Europa quanto havia funcionado nos EUA durante a presidência de Hoover (1929-1933). Em toda a periferia da Europa, da Espanha à Letônia, políticas de austeridade criaram crises econômicas dignas da depressão.

Nada disso deveria surpreender, já que há muito tempo é evidente que políticas de austeridade jamais cumprem o que prometem.

Mas os líderes europeus passaram anos negando o óbvio, insistindo em que suas políticas estavam para começar a funcionar, e celebrando supostos triunfos, mesmo que as provas concretas quanto a eles fossem quase invisíveis.

Um exemplo notável é a Irlanda, cujos sofridos habitantes foram mencionados como exemplo do sucesso das medidas de austeridade no começo de 2010 e no fim de 2011.

Nas duas ocasiões, o suposto sucesso se provou miragem; passados três anos da adoção de seu programa de austeridade, a Irlanda ainda não demonstrou qualquer sinal de recuperação real de uma crise que conduziu o índice de desemprego a quase 15%.

No entanto, alguma coisa mudou nas últimas semanas. Diversos eventos -o colapso do governo holandês devido a uma proposta de pacote de austeridade; o forte desempenho de François Hollande, cuja retórica é amenamente oposta à austeridade, no primeiro turno da eleição presidencial francesa; e um relatório econômico que mostra que o Reino Unido está em situação pior, na crise atual, do que a que enfrentou nos anos 30- parecem enfim ter derrubado a muralha da negação. Subitamente, todo mundo passou a admitir que a austeridade não está funcionando.

A questão agora é determinar o que farão a respeito. E a resposta, temo, será: “Não muito”.

Embora os austeros pareçam ter abandonado suas esperanças, não parecem ter abandonado o medo.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

FONTE: Folha de São Paulo

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Drcockroach
Drcockroach
9 anos atrás

Este Krugman, com todo respeito, somente internando, faz tempo que perdeu o discernimento. Ele inicia com: “Primeiro a boa notícia: as pessoas enfim começam a admitir que as medidas de austeridade não estão funcionando” Medidas de austeridade? Os EUA, no gov. Obama, passaram de uma divida de 60% do PIB p/ 100% do PIB (e subindo) injetando trilhoes de dolares na economia. A Europa tb tem injetado uma avalanche de Euros, dai a expressao “tsunami monetario”. Mas o Krugman diz que isto sao “medidas de austeridade”? Mas em que planeta ele vive? Sinceramente, fazia muito tempo que nao lia as… Read more »

Blind Man's Bluff
Blind Man's Bluff
9 anos atrás

Austeridade:
Vc dirige um carro super moderno, desenvolvido por um economista, mas ele gasta muito e é imprevisivel. Ao invés de completar o tanque de combustível, para que ele continue andando, vc doa o combustível ao amigo banqueiro, joga fora os assentos, radio, revestimento e até mesmo pensa em vender o motor, na esperança que um carro mais leve seja mais economico.

Em algum momento a economia sem investimentos vai parar, o banqueiro nao vai devolver o dinheiro (pq dinheiro que entra no banco é lucro, e lucro vira bonus) e por si só o carro nao volta a andar.

Últimas Notícias

23° Esquadrão de Cavalaria de Selva recebe instrução sobre simulador da Viatura Blindada Guarani

Tucuruí (PA) – Entre os dias 23 e 24 de novembro, o 23° Esquadrão de Cavalaria de Selva (23...
- Advertisement -
- Advertisement -