sábado, outubro 1, 2022

Saab RBS 70NG

Mercosul suspende Paraguai da próxima cúpula do bloco

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Em comunicado conjunto, Argentina, Brasil e Uruguai anunciaram decisão de retirar país de encontro em Mendoza após impeachment relâmpago de Fernando Lugo

 

O Mercosul decidiu neste domingo suspender a participação do Paraguai da próxima cúpula do bloco, que será realizada na próxima sexta-feira na Argentina e na qual serão discutidas que medidas tomar em relação ao país após o impeachment de Fernando Lugo.

Em comunicado conjunto, Argentina, Brasil e Uruguai anunciaram sua decisão de “suspender o Paraguai, de forma imediata e por este ato, do direito a participar da 43ª Reunião do Conselho de Mercado Comum e Cúpula de Presidentes do Mercosul”.

O bloco sul-americano, do qual o Paraguai é sócio fundador, também vetou a participação do Paraguai das reuniões preparatórias para a cúpula do Mercosul, que serão realizadas na cidade argentina de Mendoza.

A medida foi adotada, segundo argumenta a declaração, em consideração ao Protocolo de Ushuaia sobre Compromisso Democrático no Mercosul, assinado em 24 de julho de 1998, e que determina “a plena vigência das instituições democráticas” como “condição essencial para o desenvolvimento do processo de integração”.

No comunicado, Argentina, Brasil e Uruguai e os países associados Chile, Peru, Venezuela, Bolívia, Equador e Colômbia expressaram a mais “enérgica condenação à ruptura da ordem democrática ocorrida na República do Paraguai, por não ter sido respeitado o devido processo” no julgamento político de Lugo, destituído na sexta-feira passada.

A declaração afirma ainda que os chefes de Estado considerarão na próxima sexta-feira, em Mendoza, novas “medidas a serem adotadas”.

Na sexta-feira o Congresso paraguaio aprovou o impeachment do então presidente do país, Fernando Lugo, e deu posse a seu vice, o liberal Federico Franco. O processo relâmpago recebeu inúmeras críticas e alguns vizinhos regionais retiraram seus embaixadores do país para consultas.

Unasul

Neste domingo, uma fonte do alto escalão do governo brasileiro disse à agência Reuters que o Paraguai deve ser suspenso do Mercosul e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) após o impeachment de Lugo.

Segundo essa fonte, que falou sob condição de anonimato, o governo brasileiro têm mantido contato com autoridades de outros países da região e acredita-se que existe um consenso para a suspensão do Paraguai na semana que vem, para quando está marcada uma reunião de cúpula do Mercosul em Mendoza, na Argentina.

“O ponto é transformar esse novo governo (paraguaio) em um pária”, disse a fonte à Reuters.

Segundo a fonte do governo brasileiro, o embaixador do país em Assunção, chamado de volta para consultas, não deve retornar ao Paraguai. Essa autoridade disse ainda que o Brasil não pretende romper completamente suas relações com o Paraguai por conta de interesses brasileiros no país, como a usina hidrelétrica binacional de Itaipu.

A fonte disse ainda que o governo brasileiro não manterá contatos com Franco e manterá sua tradição de atuar no caso por meio de organismos multilaterais. Essa estratégia, segundo a autoridade, tem o objetivo abrir um precedente que deixe claro a gravidade das consequências de fatos como o ocorrido no Paraguai.

Especificamente, a meta é garantir que nada parecido aconteça em outros paises, como Bolívia e o Peru. “Essa é uma reação institucional que mostrará aos outros as consequências negativas de uma medida agressiva como essa”, completou a fonte.

FONTE: iG/*Com Reuters e EFE

- Advertisement -

4 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ozawa
Ozawa
10 anos atrás

Tudo bem, foi um processo de afastamento um tanto incomum, conquanto formalmente constitucional, ressalto, formalmente, vez que o “amplo direito de defesa” da Carta Política Paraguaia em casos tais esbarra nos mais comezinhos princípios semelhantes em cartas políticas verdadeiramente democráticas… Mas, tá valendo. Agora, a pergunta que não quer calar: haveria tanta celeuma de países como Bolívia, Venezuela, Equador e…, Brasil, todos visceral e ideologicamente de esquerda, conquanto o Brasil seja mais moderado, se do lado de lá da represa o “golpe parlamentar” tivesse se dado com um presidente “liberal”, e o vice empossado fosse de esquerda ? Não vociferariam… Read more »

Vader
10 anos atrás

Parabéns ao Congresso Paraguaio por ter deposto o padreco safado dentro da lei e da legalidade democrática.

O Paraguai deu uma aula de que não se tergiversa com o crime e com a incompetência. A democracia paraguaia sai fortalecida.

Como seria bom se pudéssemos fazer o mesmo aqui com “uns e outros”…

aldoghisolfi
aldoghisolfi
10 anos atrás

Guerra do Paraguay II? A vingança do TopTop?…

Mauricio R.
Mauricio R.
10 anos atrás

Aplicaram o “kit Chavés” no padre bolivariano e a Unasul não gostou, pois provou do próprio veneno.
Enquanto isso o Brasil potência, lider regional; banca o laranja do eixo Caracas-Havana.

Últimas Notícias

O conflito fronteiriço entre a Quirguistão e Tadjiquistão

Rodolfo Queiroz Laterza Ricardo Cabral INTRODUÇÃO Quirguistão e Tadjiquistão são duas repúblicas oriundas da desintegração da União Soviética em 1991, com sociedades...
Parceiro

- Advertisement -
- Advertisement -