terça-feira, novembro 30, 2021

Saab RBS 70NG

Repasse para militares não resolve ‘mal-estar’ com governo

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A liberação de R$ 1,5 bilhão para a compra de armas para as Forças Armadas ajudará a economia do país em meio à crise mundial, mas não deve acabar com o mal-estar causado no meio militar pelas indicações dos membros da Comissão da Verdade.

O repasse da verba, anunciado na última quarta-feira, será feito ao Ministério da Defesa por meio do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) Equipamentos. Apenas produtos fabricados pela indústria brasileira serão adquiridos.

O efeito principal da medida deve ser o anunciado pelo governo: o estímulo da economia nacional em meio à crise econômica mundial, segundo Hector Saint-Pierre, professor do pós-graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (das universidades Unesp, Unicamp e PUC). Contudo, segundo ele, também é possível analisar o repasse como uma tentativa do governo de melhorar sua relação com os militares.

Em maio, a indicação pelo governo Dilma Rousseff de membros da Comissão da Verdade – criada para investigar abusos de direitos humanos durante o regime militar – criou um mal-estar com os militares, que interpretaram a ação como revanchismo, apesar de a comissão não ter poder punitivo.

“(A compra de equipamentos) pode melhorar o relacionamento até certo ponto. Mas isso (a sensação de revanchismo) acho difícil de reverter”, afirmou Saint-Pierre.

Reajuste salarial

“Discutimos o assunto entre os clubes militares e chegamos ao consenso de que aparentemente não há relação direta (do repasse de verbas) com a Comissão da Verdade”, disse o o vice-almirante Ricardo Antônio da Veiga Cabral, presidente do Clube Naval do Rio de Janeiro.

Segundo ele, a aquisição de armamentos em um contexto de defasagem de equipamentos nas três forças é um “reflexo positivo”. Mas, afirmou, além da renovação do equipamento, militares da ativa e da reserva querem também um reajuste salarial.

O Ministério da Defesa afirmou que estuda conceder um reajuste e que está em negociação com o Ministério do Planejamento. Cabral afirmou ainda que, mesmo assim, o “mal-estar” só deve ser resolvido quando o governo começar a “ouvir os dois lados”, em referência a investigar também as ações praticadas por guerrilheiros de esquerda.

Descontentes com a composição da Comissão da Verdade, oficiais reformados do Clube Naval formaram uma “comissão paralela” para rebater eventuais acusações do grupo oficial.

Veículos e artilharia

O valor de R$ 1,5 bilhão destinado à compra de armas para os militares é parte de um montante de R$ 6,6 bilhões do orçamento que estavam contingenciados. Eles devem agora ser liberados por medida provisória. Na lista de compras adicionais entraram 19 blindados Guarani (que se somarão aos 21 que já haviam sido encomendados pelo Exército para 2012).

Fabricados pela Iveco, eles devem custar R$ 342 milhões e substituir os blindados de transporte de tropas Urutu, em serviço há mais de 30 anos. Tabém serão compradas 30 unidades do Astros, um veículo lançador de mísseis de saturação fabricado pela Avibrás que integrará a artilharia do Exército a um custo de R$ 246 milhões. Os outros R$ 939 milhões serão destinados à compra de 4.170 caminhões de diversos tipos.

De acordo com Cabral, o investimento em blindados Guarani para o Exército é tão importante quanto a compra de caças (ainda em negociação) para a Força Aérea e de submarinos para a Marinha. De acordo com dados do instituto Sipri, em 2011 o Brasil ficou em 10º no ranking de países que mais fizeram gastos militares. Segundo a entidade, o país empregou US$ 35 bilhões (R$ 70 bilhões) no setor.

Estratégia

O professor Saint-Pierre afirmou equipamentos como blindados e lançadores de foguetes são armas poderiam ser usadas em um cenário (hipotético) de guerra contra um país ou uma coalisão de nações da América Latina.

Contudo, considerando que a relação entre os países da região é de cooperação, não haveria sentido em comprar armas desse tipo para dissuadir agressões regionais. Segundo ele, o ideal é que as nações sul-americanas trabalhem em uma estratégia conjunta de defesa que cumpra o papel de dissuadir agressões de potências mundiais.

Atualmente, a estratéria de defesa brasileira contra agressões externas contempla dois cenários principais: o primeiro prevê uma luta de exércitos regulares contra uma potência regional. O segundo é a adoção da estratégia de guerra irregular (guerrilha) em caso de invasão de uma superpotência.

FONTE: Terra/BBC Brasil

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
aldoghisolfi
aldoghisolfi
9 anos atrás

Salvo os ASTROS, que eu não sei se uma boa quantidade de bons canhões não seria melhor, o resto das compras resolve, em parte, apenas a logística dos transportes do milico. Vamos ter condições de carregar os soldadinhos p’rá tudo quanto é lado

danra2
danra2
9 anos atrás

Kkkkk. Ou então virar uma transportadora e ganhar uns “troco” por fora e comprar o que realmente precisa.

ReturnOfTheKing
ReturnOfTheKing
9 anos atrás

Só faltava fechar o fx-2 que devia ser a prioridade!

giordani1974
giordani1974
9 anos atrás

Interessante que os governantes não se ligaram numa forma de ganhar $$$ por fora. Seria com as companhias aéreas, com a venda antecipada de assentos para deslocamento de tropas do EB, assim como fazem os EUA, porém, aqui em pindorama, o deslocamente dar-se-á nível regional…
Se usar, usou. Se não usar, não usou. Mas deixemos sempre um cheque caução…eu devia me filiar num partido desses…bolivariano desde pequenininho…desde que paguem bem…heheehhe… 🙁

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

OFF TOPIC…

…mas nem tanto.

Tão odioso qndo parte do próprio governo federal, esse autentico caso de dirigismo em compras militares, parte de dentro do próprio EB:

(http://www.defesanet.com.br/leo/noticia/6584/Defesa-Antiaerea-%E2%80%93-Uma-necessidade-para-a-tropa-blindada)

A perguntinha, que não quer calar:

Se não for o “Guepard”, o EB vai se sentir magoado???
Por mim a resposta é, que vá choramingar na cama, que é lugar quente!!!

Uitinã
Uitinã
9 anos atrás

Não agradou a FAB e nem a MB mas o exercito aposto que agradou um pouco.

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

Faria mais sentido um programa de recomposição dos inventários existentes nas forças singulares, através da reconstituição dos estoques de partes e peças de reposição.
Mas aí a famigerada e inepta “indústria nacional” não teria vez.
Quem sabe talvez, pudesse ser algo bom.

Uitinã
Uitinã
9 anos atrás

falando em troca tá na hora de trocar todos os obuses do exercito e já passou o tempo faz 30 anos, Comprem logo umas 3 centenas de light gun pra substituir as 3 centenas de M101 e logo uma centena de M777 pra substituir os M114 se não der o M777 pode ser os M198 usados mesmo e bem melhor dos que de agora, será tão difícil fazer isso será tão caro, acho que não.

Últimas Notícias

EDEX 2021: GIDS do Paquistão revela o SHAHPAR-II, drone armado de média altitude e longa duração

O conglomerado de defesa do Paquistão, Global Defense and Industrial Solutions (GIDS), revelou uma versão armada de seu drone...
- Advertisement -
- Advertisement -