quinta-feira, outubro 28, 2021

Saab RBS 70NG

Visão do Correio: Brasil precisa formar mais doutores

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Causa preocupação o atraso do Brasil na formação de doutores e mestres. Levantamento do Censo de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, expõe números pouco animadores. O Brasil tem 1,9 doutor para cada habitante entre 25 e 64 anos. É pouco, muito pouco.

A Suíça, no topo do ranking, conta com 23. A Alemanha, 15,4. Os Estados Unidos, 8,4. Vale a comparação com a Argentina. Nossa parceira no Mercosul exibe indigente 0,2. Não há ingenuidade, pois, na afirmação de que profissionais altamente qualificados respondem pela inovação nacional. A decadência da indústria argentina reflete-se no percentual de cérebros de que dispõe.

Embora tenha dobrado nos últimos 10 anos, o número de doutores e mestres continua pequeno em relação às necessidades do Brasil. De 2001 a 2010, a cifra passou de 26 mil para aproximadamente 53 mil. Em 2010, segundo a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), 12 mil brasileiros receberam o título de doutor.

A média nacional é de 10 mil por ano. Boa parte deles — 76,77% — atua na área de educação. A segunda fatia, 11,6%, prefere a segurança da administração pública. Só 3,78% desempenham funções na indústria, segmento responsável pela inovação. Graças ao trabalho dos profissionais de ciência e tecnologia, desenvolvem-se linhas de pesquisas adaptadas às necessidades da organização.

A maior riqueza do século 21 é, sem dúvida, a produção de conhecimento. Mudanças vêm ocorrendo com tal velocidade no mundo globalizado e crescentemente competitivo que a invenção de hoje se torna obsoleta amanhã. Vai longe o tempo em que as empresas sobressaíam mesmo com tecnologia de segunda geração. Atualmente impõe-se produzir os próprios avanços porque não há tempo de espera. Conseguir posição de vanguarda implica investimentos maciços em inovação.

Acordamos tarde para a importância do saber. No ano passado, o Brasil criou o Ciência sem Fronteiras, que visa conceder bolsas de estudos para brasileiros em universidades americanas e europeias. Há mais de duas décadas, a China, o Japão, a Coreia do Sul, entre outros países, além de investir internamente na formação de recursos humanos para a pesquisa, mandavam os estudantes se aperfeiçoar em instituições estrangeiras de ponta. Buscavam expandir o quadro de doutores e proporcionar-lhes inserção internacional — exigência imposta às economias modernas. Precisamos correr.

FONTE: Correio Braziliense

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias

Forças Armadas da Ucrânia usam drone turco Bayraktar TB2 em Donbass

As Forças Armadas da Ucrânia usaram drones de ataque de média altitude Bayraktar TB2 em Donbass. Os drones de ataque...
- Advertisement -
- Advertisement -