terça-feira, outubro 19, 2021

Saab RBS 70NG

Coreia do Sul aumenta capacidade de sistema de Defesa

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.forte.jor.br
Editor da Revista Forças de Defesa

vinheta-clipping-forte1A Coreia do Sul disse nesta quarta-feira que irá acelerar o desenvolvimento de mísseis de maior alcance balísticos que podem cobrir toda a Coreia do Norte em resposta ao terceiro teste nuclear de Pyongyang.

“Vamos acelerar o desenvolvimento de mísseis balísticos com um alcance de 800 quilômetros”, afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa, Kim Min-seok, a repórteres.

Em outubro do ano passado, a Coreia do Sul chegou a um acordo com os EUA para quase triplicar a gama de sistemas de mísseis – com Seul argumentando que precisava atualizar os sistemas para combater mísseis do Norte e programas nucleares.

Os EUA têm 28.500 soldados na Coreia do Sul e garantem um “guarda-chuva” nuclear em caso de qualquer ataque atômico. Em troca, Seul aceita limites em sua capacidade de mísseis.

Antes do acordo realizado em outubro, a Coreia do Sul foi limitada a ter mísseis com um alcance máximo de 300 quilômetros.

A extensão do alcance dos mísseis sul-coreanos não vai apenas colocar toda a Coreia do Norte sob a área de um possível ataque, mas também regiões da China e do Japão.

Alguns especialistas sugeriram que a medida forneceria a Coreia do Sul uma oportunidade de realizar ataques preventivos contra as instalações nucleares norte-coreanas.

Kim disse que o Sul também deve acelerar a implantação de um sistema capaz de detectar, mirar e destruir mísseis norte-coreanos. “Os militares estão acompanhando de perto o Norte em caso de mais atos de provocação”, disse o porta-voz.

Após o teste nuclear da Coreia do Norte na terça-feira, o chefe da agência de inteligência da Coreia do Sul avisou que Pyongyang pode muito bem realizar mais um teste ou um lançamento de míssil balístico nos próximos dias ou semanas. As informações são da Dow Jones.

FONTE: estadao.com

- Advertisement -

9 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader
8 anos atrás

O que os EUA tinham que fazer é simples: Chegar para a China e dizer: “amiga, ou você pára de mandar esmola para a Coréia do Norte e dá um jeito de derrubar o ditadorzinho, ou nós vamos fornecer tecnologia nuclear e de mísseis balísticos para a Coréia do Sul e o Japão se defenderem. Capisce?”. Pronto. Diante da perspectiva de um Japão e uma Coréia do Sul nucleares, em um mês a cabeça do ditadorzinho estaria numa estaca e o regime norte-coreano cairia em frangalhos. Mas sabem quando isso vai acontecer sob a administração democrata do Obama? Nunca. O… Read more »

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Vader,
A CS e o Japão têm juntos mais de 80 usinas nucleares. Duvido muito que precisem de ajuda para produzirem armas nucleares, se é que já não as possuem.
E quanto à CS, pode ser que não tenham (ainda) mísseis balísticos para cobrir toda a CN mas com certeza têm para chegar a Pyongyang.
Já o Japão, como detêm sólida tecnologia espacial, pra fazer um ICBM é daqui pra li.

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Ah!
E o Japão tem ainda o Nacional Kid.

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Pior!
O Nacional Kid foi embora pro planeta dele.
O Ultraman morreu e o Ultra Sevem também voltou pra Andrômeda.
Sobrou só o Godzilla e a Mothra.

Bosco Jr
Bosco Jr
8 anos atrás

Correção: Ultraseven

Ivan
Ivan
8 anos atrás

MiLord Vader & Mestre Bosco, Durante este carnaval, após acompanhar alguns maracatus e blocos de frevo canção no Recife Antigo, acompanhei pela Globo News alguns comentários de Demétrio Magnoli acerca do discurso sobre Estado da União do ‘Obrahma’, que por sinal não deu uma palavra sobre o Brasil. Este sociólogo e geógrafo apresentou uma observação interessante sobre o teste nuclear norte coreano ocorrido na mesma data. O grande e explícito desagrado da China. Aparentemente os chineses sabem olhar o xadrez internacional algumas jogadas na frente. Uma destas jogadas seria o Japão, que é uma potência econômica e tecnológica, mudar suas… Read more »

Corsario137
Corsario137
8 anos atrás

A China mostra-se incompetente na condução do seu apadrinhado. Contrastando com seu crescente poderio militar, sua diplomacia falha, algo recorrente e natural de todo regime autocrático ou somente ditatorial, não estão acostumados ao diálogo.

Deixem o Japão colocar suas manguinhas de fora e aí sim vocês verão o aumento escalar das tensões na região, e não será a CN o adversário a ser batido…

Observador
Observador
8 anos atrás

Será um efeito dominó. Se a Coréia do Norte conseguir manter-se nuclear e com os meios para lançar um ataque (ICBM), teremos num futuro próximo o Japão e a Coréia do Sul integrando o clube atômico. Será inevitável. E depois? a Indonésia pode se sentir pressionada a seguir o mesmo rumo. Da mesma forma acontecerá com o Irã atômico: Arábia Saudita e Turquia podem se sentir pressionadas a também serem potencias atômicas. E daí por diante será um liberou geral. Será o objetivo de qualquer tiranete desenvolver a própria bomba. O clube atômico só tem ampliado desde o primeiro membro.… Read more »

Vader
8 anos atrás

Ivan disse:
13 de fevereiro de 2013 às 20:45

Pois é Ivan, mas a China dá mostras de que não fará nada além de reclamar.

Tá na hora do Tio Sam mostrar o seu “big stick”.

Últimas Notícias

Colin Powell, líder militar e primeiro secretário de Estado negro dos EUA, morre após complicações da Covid-19

(CNN) – Colin Powell, o primeiro secretário de estado negro dos EUA cuja liderança em várias administrações republicanas ajudou...
- Advertisement -
- Advertisement -