quinta-feira, outubro 28, 2021

Saab RBS 70NG

Forças Armadas terão mais de 500 bolsas de estudo do Programa Ciência sem Fronteiras

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

foto interna 1vinheta-clipping-forte1Militares e servidores civis da Marinha, do Exército e da Força Aérea já podem contar com importante incentivo de estudo: 517 bolsas de intercâmbio no exterior pelo Programa Ciência sem Fronteiras. Uma cerimônia realizada nesta terça-feira, no Ministério da Defesa (MD), marcou o início da parceria entre a pasta e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A iniciativa foi celebrada pelo secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto do MD, Julio Saboya de Araujo Jorge. De acordo com Saboya, a parceria celebrada hoje é uma solução bem-vinda que trará proveito não só às Forças Armadas, mas ao Brasil. “Quando investimos em educação, estamos preparando o país para o futuro”, sentenciou.

O presidente do CNPq, Glaucius Oliva, endossou as palavras do secretário do MD e enfatizou “a missão fantástica” que as Forças Armadas desempenham na área de educação. Segundo ele, o objetivo do programa é utilizar a ciência e a tecnologia para o bem da sociedade.

Glaucius Oliva agradeceu, também, o “engajamento” da Defesa no processo de desenvolvimento da proposta de participação das Forças no “Ciência sem Fronteiras” e explicou a diferença entre os bolsistas militares e os demais. De acordo com o presidente, como já há todo um trâmite legal para manutenção de oficiais e praças no exterior, a bolsa do CNPq, para eles, não prevê o pagamento de mensalidade.

“Temos uma dívida histórica com as Forças Armadas, principalmente com a Marinha, uma vez que o idealizador do Conselho foi o almirante Álvaro Alberto”, afirmou Oliva. O CNPq, órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, foi criado pela lei nº 1310, de janeiro de 1951.

Programa

Instituído no final de 2011, o Programa Ciência sem Fronteiras é fruto da cooperação entre os Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento, o CNPq e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

A ação tem por objetivo promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional.

Ele prevê a utilização de até 101 mil bolsas em quatro anos para promover intercâmbio, de forma que alunos de graduação e pós-graduação façam estágio no exterior. Já foram concedidas cerca de 20 mil bolsas.

O “Ciência sem Fronteiras” busca, ainda, atrair pesquisadores estrangeiros que queiram fixar-se no Brasil ou estabelecer parcerias com estudiosos brasileiros nas áreas prioritárias definidas no programa, como engenharias, ciências exatas, nano e biotecnologia, petróleo e gás, entre outras.

No caso das bolsas para os militares e servidores civis das Forças Armadas, haverá possibilidade de participação nas seguintes modalidades do programa: graduação e doutorado sanduíche, doutorado pleno, pós-doutorado e desenvolvimento tecnológico e inovação.

FONTE: Ministério da Defesa

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias

Forças Armadas da Ucrânia usam drone turco Bayraktar TB2 em Donbass

As Forças Armadas da Ucrânia usaram drones de ataque de média altitude Bayraktar TB2 em Donbass. Os drones de ataque...
- Advertisement -
- Advertisement -