domingo, outubro 17, 2021

Saab RBS 70NG

Norte-coreanos fazem manifestação de apoio a eventual ataque aos EUA

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Norte-coreanos em manifestação apoiando governo em 29-3-2013 - foto Jon Chol Jin - AP via G1

O ato foi realizado na praça Kim Il-Sung e reuniu soldados – Kim Jong-Un não estava presente

vinheta-clipping-forte1Dezenas de milhares de militares e civis norte-coreanos marcharam no centro de Pyongyang nesta sexta-feira (29) em uma grande demonstração de apoio a um eventual ataque militar contra os Estados Unidos. O ato foi realizado na praça Kim Il-Sung e reuniu soldados, ex-combatentes, trabalhadores e estudantes. Kim Jong-Un, o líder da Coreia do Norte, não estava presente.

A televisão nacional informou que a manifestação foi organizada em apoio à decisão do Exército norte-coreano, tomada na terça-feira e ratificada pelo líder do país nesta sexta-feira, de ordenar preparativos utilizando ataques com mísseis contra o continente americano e contra as bases dos Estados Unidos no Pacífico, em resposta aos voos de treinamento de bombardeiros B-2 sobre a Coreia do Sul.

“A declaração foi um ultimato do Exército coreano contra os imperialistas americanos”, declarou um porta-voz no início da manifestação. Sob as imagens gigantes do pai de Kim Jong-Un, Kim Jong-Il, e de seu avô Kim Il-Sung, os civis e os soldados juraram obediência ao líder. “Vamos pegar em armas e bombas por nosso respeitado líder Kim Jong-Un”, gritaram.

Em caso de provocação imprudente dos Estados Unidos, as forças norte-coreanas ‘deverão atacar sem piedade o (território) continental americano (…), as bases militares do Pacífico, incluindo Havaí e Guam, e as que se encontram na Coreia do Sul’, declarou Kim, citado pela agência oficial.

Na quinta-feira, em um contexto de escalada de tensões entre as duas Coreias, dois bombardeiros furtivos B-2 sobrevoaram a Coreia do Sul, uma maneira de os Estados Unidos ressaltarem sua aliança militar com Seul em caso de agressão do Norte. Segundo a agência oficial, Kim Jong-un disse que o voo dos bombardeiros furtivos equivale a um “ultimato e demonstra que querem lançar a qualquer preço uma guerra nuclear”.

O chefe do Estado-Maior do Exército Popular da Coreia, o diretor de operações e o comandante de operações estratégicas e foguetes estiveram presentes na reunião de emergência, realizada nesta sexta-feira às 00h30 locais (12h30 de quinta-feira no horário de Brasília), segundo a KCNA.

Washington não costuma anunciar os voos de treinamento do B-2, um avião projetado para entrar nas linhas inimigas e bombardear alvos estratégicos a partir de uma grande altitude (até 15.000 metros).

FONTE / FOTO (AP): G1

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz
Clésio Luiz
8 anos atrás

Essa é a famosa massa de manobra.

eduardo.pereira1
eduardo.pereira1
8 anos atrás

Sinceramente nao acredito que aconteça um conflito(guerra) na real ,creio que nao passarao de ameaças feitas por um menino mau e mimado com muito poder nas maos e pessoas que “acatam” suas ordens !!

Últimas Notícias

VÍDEO: Sistemas de Defesa Antiaérea de Ponto da China

A China apresentou vários sistemas de armas no Zhuhai Air Show 2021 no final de setembro. Entre os fabricantes, a...
- Advertisement -
- Advertisement -