Home Forças Armadas Venezuela defende integração com o Brasil na faixa de fronteira

Venezuela defende integração com o Brasil na faixa de fronteira

308
11

foto_interna_venezuela

vinheta-clipping-forte1Em sua primeira visita ao Brasil depois de eleito, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que deseja compartilhar experiências na área de defesa e aproximar as Forças Armadas dos dois países “para a proteção de nossa fronteira”. O venezuelano destacou, também, o desejo de realizar treinamentos militares conjuntos.

A proposta foi colocada em comunicado à imprensa, no Palácio do Planalto, após reunião bilateral com a presidenta da República, Dilma Rousseff, e ministros dos dois países. Dilma e Maduro deram ênfase a importância de uma “união regional”. Sobre isso, a presidenta falou que “nossos países estão mostrando essa vocação para criar um futuro comum, que una toda a nossa região, que contribua para um mundo multipolar e multilateral, sem espírito de confrontação, sem pretensões hegemônicas e sem ingerência externa”.

Já para o contraparte venezuelano, é preciso “trabalhar para a integração da América Latina” e fortalecer o Mercosul, chamado por ele de “grande espaço econômico do futuro”.

Maduro explicou que atualmente o relacionamento dos dois países é marcado “por grandes sentimentos de solidariedade e amor”. “Antes vocês eram vistos como um perigo para nós. Hoje, construímos parceria e amizade.” Cooperação essa que, segundo Dilma, acarretou em “decisivo apoio da Venezuela na candidatura do Brasil à presidência da OMC [Organização Mundial do Comércio]”.

A reunião entre os presidentes tratou, ainda, de temas como energia, desenvolvimento social, educação, cultura e juventude, entre outros. Em seu comunicado, Dilma Rousseff reiterou a “parceria estratégica” em todas essas áreas. Nicolás Maduro pediu ao Brasil apoio especial no setor alimentício, para que possam produzir tudo o que consomem. “Temos metas ambiciosas para dar um salto produtivo”, disse.

Honras militares

O presidente Maduro foi recebido na tarde de ontem com honras militares. Na rampa do Palácio do Planalto, o venezuelano foi saudado pela presidenta Dilma, que estava acompanhada do ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota. Após entoar os hinos dos dois países, ambos acenaram para os jornalistas e cumprimentaram os ministros brasileiros, dentre eles o da Defesa, Celso Amorim, além da comitiva venezuelana.

Depois, seguiram para reunião interna. Além de Amorim e Patriota, participaram do diálogo presidencial os ministros da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e do Gabinete de Segurança Institucional, general José Elito Siqueira.

FONTE: Ministéio da Defesa

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

O que temos a ganhar com esta aproximação? Nada. A Venezuela da era Chaves é um pais com escasso prestígio na comunidade internacional, exceto para Cuba, Irã e Coreia do Norte. Aliás, a Venezuela foi habilmente manipualda pelos irmãos Castro para lhes servir (enquanto for útil), fornecendo petróleo subsidiado. Pelo contrário, estamos nos aproximando, por questões puramente ideológicas de um pais cuja possibilidade de estar envolvido em uma guerra civil, um conflito com a Colômbia ou mesmo de ser alvo futuro do EUA é grande. Comercialmente é um país que não inspira confiança para investimentos. Miliatarmente, nada nos acresce. Inclusive… Read more »

aldoghisolfi
aldoghisolfi
7 anos atrás

Colombelli: abatendo aviões nacionais, matando soldados nacionais, invadindo espaço nacional, enfim, pintando e bordando naquela fronteira esquecida e manipulada por ONGs e ‘religiosos’. Aliás, pronta para pedir a declaração de reconhecimento do enclave político-administrativo que está em fase final de concretização para os índios e o interesse internacional nos minerais raros e nobres que lá estão, na que pode ser a maior província mineral do mundo, inclusive de nióbio. O Collor, em poucos meses de governo fez, na questão Yanomami, o que o Figueiredo não conseguiu fazer em quatro anos; porque será? Quem quiser conhecer sobre aquela fronteira busque contatar… Read more »

Corsario137
Corsario137
7 anos atrás

To fuera!

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

aldoghisolfi em 10 de maio de 2013 às 16:36 escreveu >>> “… O Collor, em poucos meses de governo fez, na questão Yanomami, o que o Figueiredo não conseguiu fazer em quatro anos; porque será? …”.

Aldo, como eu não sei o que o Coillor fez, será que você poderia descrever?

Obrigado

Bacchi

Colombelli
Colombelli
7 anos atrás

Bacchi A referência é ao Programa Calha Norte, que começou no governo Collor, e boa parte dos pelotões de fronteira, hoje acho que são 28, foi implantada a partir daquela época.O Jobim chegou a anunciar que seriam mais 20 pelotões de fronteira até 2020, mas até agora não vi mais muita coisa sendo implementada, salvo um em Roraima que estaria bem adiantado. Hoje a brigada sediada em Boa Vista tem so dois batalhões e um deles esta em Manaus. Tambem esta em implantação um RC Mec em Boa vista. O ideal seria completar a brigada com mais dois B Ifn… Read more »

Vader
7 anos atrás

A Venezuela é o primeiro caso claro na história de dominação a partir de uma guerra de 4a geração. Um país poderoso e riquíssimo em petróleo foi inteiramente tomado por uma ilhota pobre e muitas vezes menor, sem disparar um único tiro (em combates – obviamente que mortos os houve, e às pencas). Quem manda lá hoje são os genocidas cubanos. A Venezuela como país independente desapareceu. O destino do Estado de Raposa Serra do Sol, ops, quero dizer, Roraima, é ser incorporado à República Bolivariana. Já está traçado e escrito nas estrelas. Quem viver verá. Lamentavelmente com a anuência… Read more »

Requena
Requena
7 anos atrás

Eu não confio nesses bolivarianos nem pra ser vigia da rua da minha casa…

rsbacchi
rsbacchi
7 anos atrás

aldoghisolfi em 10 de maio de 2013 às 16:36 escreveu >>> “… O Collor, em poucos meses de governo fez, na questão Yanomami, o que o Figueiredo não conseguiu fazer em quatro anos; porque será? …”.

Aldo, como eu não sei o que o Coillor fez, será que você poderia descrever?

Obrigado

Bacchi

P.S.: Repito minha pergunta.

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Vamos ser sinceros: esse tal de Maduro é a cara do professor Girafalis.

Marcos
Marcos
7 anos atrás

Na imagem: Professor Girafalis e a Chiquinha.

Chapolin Colorado já foi!

joao.filho
joao.filho
7 anos atrás

O maduro tem cara de capo do cartel de Sinaloa…