Home Análise Obama, JFK e Teerã

Obama, JFK e Teerã

86
22

MATTHEW, BUNN, THE CHRISTIAN SCIENCE MONITOR, É PROFESSOR DA JOHN F. KENNEDY SCHOOL OF GOVERNMENT, DA , UNIVERSIDADE HARVARD, MATTHEW, BUNN, THE CHRISTIAN SCIENCE MONITOR – O Estado de S.Paulo

vinheta-clipping-forte1Há 50 anos, o presidente John F. Kennedy proferiu um discurso em uma colação de grau na American University. Alguns meses depois de a Crise dos Mísseis cubanos quase levar o mundo a uma guerra nuclear, Kennedy preferiu falar de paz. E isso num momento em que enfrentava uma União Soviética nuclearmente armada, com uma ideologia abominável e aparentemente disposta a dominar o mundo.

Kennedy contestou aqueles que achavam que a paz era “impossível” ou “irreal”, qualificando essa crença de “derrotista e perigosa”. Falou de uma paz “viável”, com base “em ações concretas e acordos eficazes que correspondessem ao interesse de todos”. Ele reconheceu que os EUA em parte eram responsáveis pela Guerra Fria, exortando os americanos a “não cair na mesma armadilha que os soviéticos, não ter apenas uma perspectiva distorcida e desesperada do outro lado”. “Devemos confiar que mesmo nações mais hostis podem aceitar e cumprir as obrigações de um tratado que atendam a seus próprios interesses”, disse.

Hoje, quando os EUA enfrentam o Irã, cujo governo também é dominado por uma ideologia alheia aos valores americanos e aparentemente está empenhado em exportar essa ideologia e ameaçar Israel, as palavras de Kennedy têm uma profunda ressonância.

Conseguirão os EUA chegar a uma paz viável com esse país que possa impedir, de maneira comprovável, que o país avance com seu programa nuclear a ponto de fabricar armas atômicas? Ou estão condenados a uma escolha terrível, entre atacar militarmente e consentir que o Irã construa seu arsenal nuclear?

Kennedy foi das palavras à ação, anunciando que os EUA suspenderiam os testes nucleares atmosféricos desde que os outros também o fizessem. Foram enviados negociadores a Moscou para debater uma proibição dos testes.

Dez dias depois, os negociadores fecharam acordo para uma linha direta de comunicação entre Washington e Moscou. A União Soviética cessou seus testes nucleares, como Kennedy havia decidido fazer. O líder russo Nikita Kruchev anunciou que seu país deixaria de produzir bombardeiros estratégicos. Mais tarde, ambos reduziram sua produção de material nuclear para bombas e seus gastos com a defesa e fizeram uma retirada recíproca de milhares de soldados da Europa central.

A estratégia de Kennedy teve base numa ideia simples. Para acabar com a desconfiança os EUA teriam de dar o primeiro passo, não apenas com palavras, mas com ações concretas, inegáveis.

Está na hora de Obama adotar a mesma estratégia com relação ao Irã. Os EUA poderiam abolir algumas sanções substanciais e acenar com outras medidas conciliatórias. O Irã poderia, assim, exportar uma parte do seu urânio enriquecido a 20% ou combiná-lo para chegar a 5%, propondo-se a fazer ainda mais se os EUA adotarem outras iniciativas.

Há cinco décadas, Kennedy exortou os americanos a não serem “cegos às divergências” com a União Soviética, mas também “dirigirem sua atenção para os interesses comuns e os meios pelos quais essas divergências podem ser resolvidas”. Precisamos agir do mesmo modo hoje diante do desafio iraniano. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

FONTE: O Estado de S. Paulo

Subscribe
Notify of
guest
22 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader
6 anos atrás

A questão é: o Irã aceita abrir mão de seu programa nuclear para fins bélicos? Não, não aceita. As tentativas vem desde a década passada, e de todos os lados. Tanto dos americanos quanto dos europeus e mesmo dos russos. Até a Turquia e o Brasil tentaram meter sua colherzinha torta na questão. Nada disso teria importância, se o Irã não fosse signatário do TNP, inclusive do protocolo adicional (coisa que o Brasil, por exemplo, não é). Mas o regime iraniano é “malandrão”: ele não quer sair do TNP, denunciando-o, porque se fizesse isso teria que abrir mão das benesses… Read more »

akhorus
akhorus
6 anos atrás

O Irã tem todo o direito de se defender, se quiserem fazer bombas nucleares, que façam. Os USA não tem autoridade moral para falar nada, ainda mais depois de terem matado 300.000 pessoas no Japão nos unicos ataques atômicos da história… Eles em Teerâ sabem que se atacarem Israel o Regime terminará, então as palavras do Ahmadinejad não podem ser levadas a sério. Ahmadinejad está de saída, creio que o novo governo vai parar de histrionismo e será mais sério, mas Ahmadinejad era um moderado interno, ele e o aiatolá brigaram. O artigo é razoável, típica visão americana, mas ao… Read more »

Vader
6 anos atrás

akhorus disse:
12 de junho de 2013 às 21:34

Vamo lá Wágner, só pra não perder o hábito, me diga ae qual a grande contribuição da civilização persa à humanidade, além do tapete voador…

felipe augusto batista
felipe augusto batista
6 anos atrás

7- AL-KHWARIZMI
NACIONALIDADE Persa
GRANDE FEITO Criou bases teóricas para a álgebra moderna no século 8
Ele fundamentou a matemática ocidental. Sua obra descreve métodos para resolver equações lineares e quadráticas, como ensinam na escola até hoje. O italiano Fibonacci levou os ensinamentos de Khwarizmi para a Europa, propagando o uso de numerais arábicos e dos algarismos de 0 a 9 para representá-los.

felipe augusto batista
felipe augusto batista
6 anos atrás

Vader, independente de concordar ou não com as ações do atual governo do Irã (eu por exemplo acho as declarações deles sobre Israel uma insanidade) lembre-se que a Civilização Persa é muito antiga, não devemos ignorar a história.

Rafael M. F.
Rafael M. F.
6 anos atrás

Vader disse: 12 de junho de 2013 às 22:00 “Vamo lá Wágner, só pra não perder o hábito, me diga ae qual a grande contribuição da civilização persa à humanidade, além do tapete voador…” Pô, Felipe, são pelo menos 6.000 anos de história desde a Suméria. O primeiro código de leis foi feito pelos sumérios, que se originaram nessa região, em particular no Iraque/Irã. akhorus disse: 12 de junho de 2013 às 21:34 “Os USA não tem autoridade moral para falar nada, ainda mais depois de terem matado 300.000 pessoas no Japão nos unicos ataques atômicos da história…” Esqueceu de… Read more »

edurval
edurval
6 anos atrás

Vader disse:
12 de junho de 2013 às 22:00

Vader,

Que me lembre em textos sobre antropologia o povo ariano teria origem nos Persas.

Alem disso os persas tiveram grande contribuição, para o comercio antigo.

Não se esquecendo da beleza das Persas que são muito mais importantes que os Persas. 🙂

eduardo.pereira1
eduardo.pereira1
6 anos atrás

Creio que só a desconfiança (mediante espionagem) de Israel de que o Irâ conseguiu montar ao menos 1 (uma) bomba fara com que este mande tudo o que tem ( e tem muita coisa) contra o Irâ num ataque de grandes proporções e enorme poder de destruiçao .

Vader
6 anos atrás

Rafael M. F. disse: 13 de junho de 2013 às 9:04 e edurval disse: 13 de junho de 2013 às 9:05 Prezados, a Suméria foi uma civilização do crescente fértil, mais precisamente da Caldéia (parte sul da Mesopotâmia, atual Iraque/Kuwait). Há um enorme deserto entre a Mesopotâmia e o atual Irã. E os medo-persas antigos são apenas um dos povos arianos, como são também os drávido-hindus, os helenos (aqueus, jônios, dórios e eólios), os celtas, os troianos, os filisteus (palestinos) e, ao menos em parte, os hicsos. A pérsia teve enorme influência no mundo antigo a partir de Ciro, o… Read more »

Rafael M. F.
Rafael M. F.
6 anos atrás

Vader disse: 13 de junho de 2013 às 9:43 Prezados, a Suméria foi uma civilização do crescente fértil, mais precisamente da Caldéia (parte sul da Mesopotâmia, atual Iraque/Kuwait). Há um enorme deserto entre a Mesopotâmia e o atual Irã. E os medo-persas antigos são apenas um dos povos arianos, como são também os drávido-hindus, os helenos (aqueus, jônios, dórios e eólios), os celtas, os troianos, os filisteus (palestinos) e, ao menos em parte, os hicsos. A pérsia teve enorme influência no mundo antigo a partir de Ciro, o Grande. Principalmente como uma constante ameaça às civilizações helênica e romana (partos).… Read more »

akhorus
akhorus
6 anos atrás

Vader Um povo não precisa influir diretamente no mundo moderno, a construção da história se dá lentamente, as influencias de um povo sobre o outro, vão com o tempo. Impérios cem, outros surgem, cada povo deixa suas contribuições para a história. Eu não sou um especialista em Pérsia antiga para trazer aqui um tratado sobre sua cultura e realizações, eu teria de ler novamente e pesquisar. TODOS OS POVOS DÃO A SUA CONTRIBUIÇÃO, e não somente os USA. De um jeito ou de outro, os países mais importantes, e a Pérsia o foi, dão a sua contribuição. Seja com a… Read more »

akhorus
akhorus
6 anos atrás

ps : eu tenho genes russos, então tenho o direito total de defender Moscou de opiniões extremistas tais como as suas.

Bosco Jr
Bosco Jr
6 anos atrás

Akhorus,
Não é questão de direito e sim de capacidade de fazer valer esse direito.
Até mesmo o primeiro ministro israelense e o Obama têm a mais absoluta convicção que o Irã tem pleno direito a ter bombas nucleares.
O problema, e é aí que está o nó da questão, é que eles estão dispostos a não deixarem que o Irã exerça esse direito líquido e certo.
O mundo definitivamente não é um lugar justo!

Flávio Vilaça
Flávio Vilaça
6 anos atrás

Não sou advogado do Vader, mas caro Wagner, acho que um pouco mais de coerência poderia lhe dar mais credibilidade… “Não existem povos superiores ou inferiores, isso é um pensamento fascista” “Achar que algum povo é inferior, é um pensamento extremista. E achar que merecem ser exterminados tudo pq desafiaram seus amados, USA, é a atitude mais arrogante que ja vi no blog…” Avisa isso ao Ahmadinejad, acho que ele não concorda com você, afinal, ele vive prometendo ANIQUILAÇÃO ao estado judeu. “Tenha respeito pelos demais povos, ok ??” Acho que falta respeito ao tratar judeus como “sionista”. Mais coerência,… Read more »

ivanildotavares
ivanildotavares
6 anos atrás

Quem ameaça a existência de Israel não tem condições de ter uma bomba nuclear. Israel provavelmente tem e não tomaria a iniciativa de usá-la.

akhorus
akhorus
6 anos atrás

Ahmadinejad não representa o Irã, nem sequer o regime dos Aiatolás: ele entrou em conflito com o Khamenei. Ele é um fanfarrão, histriônico, falou aquilo para ganhar apoio dos radicais. Graças a neura dele a economia iraniana está caindo. Ninguém nunca disse que o povo persa quer exterminar os judeus, nem o Regime falou isso. Pura neura do Ahmadinejad. Tanto que ele está de saída e, creio eu, o próximo presidente, aposto no prefeito de Teerâ, vai moderar as coisas. Tanto que as coisas estavam mais tranquilas com o Rafsanjani no poder, anos atrás. O regime sabe que se atacar… Read more »

Vader
6 anos atrás

Caro Wágner, quem está falando em “inferior” e em “exterminar” o povo iraniano é você, não eu. Aliás, “exterminar” um certo povo é algo que não sai da boca do líder iraniano né mesmo? 😉 Releia lá meus comentários: em nenhum momento eu afirmei nada dessa bobajaiada que você trollou longamente aí. Portanto, quem tem lembranças recorrentes fascistas, nazistas, ou como diabos queira chamar, é o sr., não eu. Aliás, comunista que é comunista admira muito um nazismozinho né mesmo sr. Wágner? 😉 Ou o sr. acha que eu esqueci de seu antigo Avatar, cidadão? Aquele da foice e do… Read more »

ivanildotavares
ivanildotavares
6 anos atrás

Caro Vader,

Conheço uma contribuição do Irã: No livro “O Homem que Calculava”, de Malba Tahan, Bermiz Samir (que é o homem que calculava) nasceu na pequena aldeia de Khói, na Persia. Não é uma contribuição para a humanidade já que nós, matemáticos, nos divertimos muito com as habilidades desse cidadão fictício?

Veja uma frase dele e que eu reproduzo em algumas provas:

“Os cálculos, às vezes, se tornam complicados e difíceis em consequência do descuido ou da falta de habilidade do calculista”.

Abraços

Drcockroach
Drcockroach
6 anos atrás

Achei o artigo muito interessante, alias como em geral o que eh publicado no Christian Science Monitor. No topico do artigo, existem os que pensem que um bloqueio comercial estrito, como existente hj, irah causar o colapso do regime. Mas existe uma linha oposta (que o autor do artigo aparentemente compartilha) que pensa que aumentar o comercio com o Iran eh na verdade o melhor caminho p/ promover a paz e uma verdadeira democracia, com eventual derruba dos teocratas com ascensao de uma classe media. No que se refere a fala do Ahmadinejah: jah publiquei aqui anteriormente links das traducoes… Read more »

Rafael M. F.
Rafael M. F.
6 anos atrás

Sobre contribuição iraniana:

Salman Rushdie é iraniano, certo? Pois ele escreveu “Versículos Satânicos e recebeu uma comenda nada invejável do Khomeini: um fatwa ordenando sua execução.

O livro “as mil e uma noites” foi escrito na Pérsia, certo?

E, pra arrematar: o Irã nos deu uma contribuição fundamental: como transformar um regime secular em uma teocracia islâmica que desrespeita direitos básicos das mulheres.

Vader
6 anos atrás

Rafael M. F. disse:
14 de junho de 2013 às 15:07

“O livro “as mil e uma noites” foi escrito na Pérsia, certo?”

Errado, caro Rafael. O livro se passa na antiga Pérsia, mas foi escrito em árabe, o que indica que ele tenha sido escrito muito possivelmente no atual Iraque.

Sds.

Rafael M. F.
Rafael M. F.
6 anos atrás

“Errado, caro Rafael. O livro se passa na antiga Pérsia, mas foi escrito em árabe, o que indica que ele tenha sido escrito muito possivelmente no atual Iraque.”

Obrigado, Felipe! Para mim, todo mundo naquela região falava a mesma língua, tinha a mesma escrita e usava o mesmo tipo de turbante.

Mais ou menos como pensar que chinês, japonês e coreano era tudo a mesma coisa porque tinham olhos puxados… ou achar que do Sergipe até o Maranhão é tudo “paraíba”.