Home Análise O domínio mundial

O domínio mundial

172
11

US and EU flags

RICHARD N. , ROSECRANCE, THE NEW YORK TIMES, É PROFESSOR DA HARVARD , KENNEDY SCHOOL. THE NEW YORK TIMES – O Estado de S.Paulo

vinheta-clipping-forte1Em 1904, o geógrafo Halford Mackinder disse que o país que controlasse a Ásia Central dominaria “a ilha mundial” – o território combinado de Europa e norte da Ásia – e, com o tempo, governaria o mundo. Na ocasião, a Rússia enfrentava uma guerra e uma revolução, e não pôde controlar a área central. Que dirá governar o mundo. Mas os termos de Mackinder apontavam para o papel crucial do tamanho territorial e econômico na competição entre nações.

Sem citar Mackinder, o presidente Barack Obama e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, tentam criar uma zona de livre comércio entre União Europeia e EUA, uma potência com metade do PIB mundial. A união aumentaria comércio, emprego, exportações, investimento e consumo. Se o acordo for concluído em 2013, serão criados um milhão de empregos, em 10 anos, e haverá um aumento de 0,5% no PIB de ambos os lados do Atlântico.

Mas a melhor razão para o acordo é que o poder se desloca para o Oriente e é preciso reconsolidar o Ocidente. Pensando nisso, a China fortaleceu seus laços com o exterior. Ao mesmo tempo em que se desfazia de dólares e comprava euros, Pequim transformava seus títulos do governo americano em ações de corporações dos EUA. A China entrou nos mercados monetários de Londres e investiu na África. Mas nada disso criou uma unidade política alternativa. Países como Sudão, Zimbábue, Mianmar e Coreia do Norte nunca serão pilares de uma nova ordem econômica internacional. Não há um contrapeso político ou econômico para o Ocidente.

A busca de Obama e Merkel por um tamanho maior não é um objetivo novo. Estrategistas sempre souberam que países com mais habitantes, riqueza e espaço econômico podem produzir mais e negociar numa região mais ampla. Os estrategistas do pós-guerra chegaram a conclusões similares. George Kennan e Paul Nitze reconheceram que “uma combinação de recursos físicos de Rússia e China, com a habilidade técnica da Alemanha e do Leste Europeu, significaria uma realidade militar poderosa. Assim, nasceu a Otan, sustentada pelo Mercado Comum Europeu, futura UE. A Rússia quis se unir ao Ocidente, mas quando Vladimir Putin assumiu, o sonho se desfez. Os preços do petróleo subiram e Moscou concluiu que não precisava ser uma democracia.

A China, no entanto, precisa ser trazida para o lado do Ocidente. O equilíbrio de poder leva a conflitos, mas um poder superior atrai outros para seu núcleo. E a China é dependente desse núcleo. Diferentemente da Rússia, Pequim precisa importar a maior parte do seu petróleo. O dinheiro para comprá-lo vem de exportações, principalmente para o Ocidente.

A unidade econômica UE-EUA exigirá que os chineses também façam parte dela. Os céticos dirão que ela é uma melhoria de uma relação já sólida, que o Ocidente pode atrair a China sem esse acordo. Os EUA, porém, tentaram e fracassaram. Ficou claro que Washington precisa do Ocidente forte para chamar a atenção da China. A vantagem da parceria com a UE é que ela tem uma forte base política e de segurança. Será uma aliança poderosa. No fim, o comércio – não a guerra – atrairá outros para o núcleo ocidental. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

FONTE: O Estado de S. Paulo

11
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
cristiano.grRequenaRafael M. F.OganzaWagner Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Leonardo Crestani
Visitante
Leonardo Crestani

E o nosso Brasil no mer(co)(da)sul!!! Saudade dos governos militares!!!!

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Pois é, e nós amarrados no regime comuno-bolivariano.

Leonardo Crestani
Visitante
Leonardo Crestani

Eu não aguento mais ver meu país ir pro buraco dia após dia!

Wagner
Visitante
Wagner

Preocupo-me muito mais com a segurança publica do que com a segurança externa.

A China não vai nos atacar.

Mas os bandidos nos atacam todo dia.

Isso sim é preocupante…

Oganza
Visitante
Oganza

Olhando para essa “Futura Nova Ordem Mundial” (que ainda está muito nebulosa), o que me preocupa é o simples fato de NÃO termos um PROJETO, uma visão minimamente rasteira de como queremos ESTAR e SER VISTOS daqui a 30 anos por exemplo. Sim porque qualquer ação minimamente eficiente de reestruturação, levará 30 anos para colhermos os fruto maduros dessas ações. E ai, em 2040, independente de onde a China, EUA e UE estejam, o Brasil teria que ter algum poder de barganha, ou simplesmente perderíamos o STATUS QUO de toda a situação e teremos que automaticamente BAIXAR a cabeça e… Read more »

Rafael M. F.
Visitante
Member
Rafael M. F.

Como nem tudo são espinhos, ouço hoje no “Bom Dia Brasil” que o Brasil deixará de negociar em bloco e negociará sozinho um acordo bilateral com a UE.

vou pesquisar mais a respeito.

Rafael M. F.
Visitante
Member
Rafael M. F.

Achei o link:

g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2013/08/brasil-planeja-acordo-comercial-bilateral-com-uniao-europeia.html

Requena
Visitante
Member
Requena

Fico me perguntando o que os “JÊNIOS” do Itamaraty pensam ao ver tudo isso acontecendo….

Oganza
Visitante
Oganza

Requena disse:
12 de agosto de 2013 às 22:09

“Fico me perguntando o que os “JÊNIOS” do Itamaraty pensam ao ver tudo isso acontecendo….”

– “Pensam”… rsrsrs eles só ruminam, olha que isso é muito pra eles. 🙁

Abraço.

cristiano.gr
Visitante
cristiano.gr

Nossos “líderes” só se preocupam com o próprio umbigo.