quinta-feira, outubro 28, 2021

Saab RBS 70NG

Haitianos querem a retirada das tropas da ONU do país

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Operation unified Response

Além do senador Jean Charles Moises, outros grupos são contra a permanência dos países interventores

Gemma Macellaro – Especial para o 180graus

ClippingNEWSA oposição às ações da MINUSTAH (Missão de Paz das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) ganha voz na política haitiana. O senador haitiano Jean Charles Moises questiona a presença das forças armadas internacionais e a postura do Brasil na reconstrução do país.

A Minustah entrou no país em 2004 com previsão de saída para 2011, no entanto o terremoto ocorrido em 2010 prolongou a permanência das tropas. Na última sexta-feira, 10 a ONU (Organização das Nações Unidas) decidiu por prorrogar a permanência dos apoiadores estrangeiros até outubro de 2014, com a redução gradativa do número de soldados. De acordo com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, a justificativa para a continuidade é porque o Haiti ainda passa por um conflito armado e os trabalhos da frente internacional são necessários para estabelecer a ordem e a segurança.

Nesse processo de falência do país, o senador Jean Charles defende a saída das tropas estrangeiras e é autor também de um projeto de lei. Ele afirma que a missão de paz no Haiti tem o objetivo de assegurar o domínio político e econômico de outros países por intermédio da intervenção militar brasileira. “Quem ocupou realmente o Haiti foram os Estados Unidos, a França e o Canadá.”, explica. A justificativa, para o senador, seria a estratégia estadunidense de usar a imagem do Brasil para facilitar a presença da Minustah no Haiti. “Os norte-americanos foram estratégicos, porque uma invasão com brasileiros é aceita pela população, já que existem semelhanças culturais entre os países”, afirma.

O Exército Brasileiro se defende das acusações. Segundo o coronel José Mateus Teixeira Ribeiro, oficial do CCOMSEx (Centro de Comunicação Social do Exército), em entrevista aos alunos do Curso de jornalismo em Situações de Guerra em São Paulo, o Brasil não tem interesse econômico no Haiti. “Quando fui ao Haiti só vi apenas três produtos de origem brasileira no país. Definitivamente, o Brasil não esta lá para garantir interesses políticos ou econômicos”, afirma.

Outros também querem a saída
Além do senador Jean Charles Moises, outros grupos são contra a permanência dos países interventores. Em junho deste ano foi realizado em Porto Príncipe, capital do Haiti, a Conferência Continental Contra a Ocupação Estrangeira e Retirada das Tropas da Minustah. O evento contou com uma delegação brasileira, organizada pelo comitê “Defender o Haiti é Defender Nós Mesmos”, e também com grupos da Argentina, Argélia, Estados Unidos, França, El Salvador, Guadalupe e México.

FONTE: 180graus

- Advertisement -

2 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M
Antonio M
8 anos atrás

Depois dessa estão esperando o quê então para sair?

O problema é a leva de refugiados que vão querer vir junto !

Nautilus
Nautilus
8 anos atrás

Deixem que se matem, então!

Últimas Notícias

Forças Armadas da Ucrânia usam drone turco Bayraktar TB2 em Donbass

As Forças Armadas da Ucrânia usaram drones de ataque de média altitude Bayraktar TB2 em Donbass. Os drones de ataque...
- Advertisement -
- Advertisement -